Top PDF M UNDOS A R T Í S T I C O S EM D I Á L O GO

M UNDOS A R T Í S T I C O S EM D I Á L O GO

M UNDOS A R T Í S T I C O S EM D I Á L O GO

Ou seja: a ausência de visão, os olhos bem fechados, que evocam um mundo de sonho, onírico, que se mescla ao real, torna-se ausência presente e palpável, seja através das construções met[r]

6 Read more

A t r i a g e m n e o n a t a l c o m o m e c a n i s m o d e p r o m o ç ã o d a s capacidades humanas

A t r i a g e m n e o n a t a l c o m o m e c a n i s m o d e p r o m o ç ã o d a s capacidades humanas

A d i g n i d a d e , a s s i m , n ã o e s t á n a d o e n ç a o u n a f a l t a d e l a . E s t á n a g a r a n t i a d e q u e n e n h u m a p e s s o a t e r á s u a s o p o r t u n i d a d e s r e d u z i d a s o u s o f r e r á d e d o e n ç a s e v i t á v e i s q u a n d o h o u v e r r e c u r s o s o u i n s t r u m e n t o s p a r a p r e v e n i - l o s . U m a s o c i e d a d e q u e n ã o l a n c e m ã o d e t o d o s o s s e u s r e c u r s o s d i s p o n í v e i s p a r a a p r o m o ç ã o d as c a p a c i d a d e s d a s p e s s o a s n ã o p o d e s e r c o n s i d e r a d a u m a s o c i e d a d e j u s t a . E n ã o s e p o d e d i z e r q u e , e m t a l s o c i e d a d e , a b a s e d a c o o p e r a ç ã o s o c i a l e d a d i s t r i b u i ç ã o s e j a a d i g n i d a d e h u m a n a . P a r a a p e r s p e c t i v a d a s c a p a c i d a d e s , a s s i m , a o m e s m o t e m p o a d i g n i d a d e é u m a f o r m a d e s t a t u s q u e q u a l i f i c a e r e f l e t e a s i t u a ç ã o d e p e s s o a s c u j a s c a p a c i d a d e s f o r a m g a r a n t i d a s e p r o m o v i d a s a o s l o n g o d e s u a s v i d a s , é t a m b é m a b a s e e o f u n d a m e n t o d e u m a s o c i e d a d e v e r d a d e i r a m e n t e j u s t a .
Show more

61 Read more

A R A C T E R I Z A Ç Ã O DEM ATERIAIS COMB ASEZ E O L Í T I C A PARAA P L I C A Ç Ã O E MC A T Á L I S E

A R A C T E R I Z A Ç Ã O DEM ATERIAIS COMB ASEZ E O L Í T I C A PARAA P L I C A Ç Ã O E MC A T Á L I S E

Uni- and multivariate analyses have been widely used to de- velop calibration models based on Raman spectroscopic data. Cooper and co-workers (21) determined octane numbers and Reid vapor pressures of commercial petroleum fuels using FT- Raman and partial least squares (PLS) regression. Yu and co- workers (22) reported a univariate linear fit between the C=O vi- brational band of the Raman spectrum and the degree of O-es- terification in isolated acetylated soy protein. Ampiah-Bonney and Walmsley (23) used Raman spectroscopy to monitor the acid-catalyzed esterification of ethanol by acetic acid and princi- pal component analysis (PCA) to extract the pure Raman signal. Multivariate analyses were applied in spectroscopy to over- come limitations of univariate calibrations. Their advantages rely on the possibility of analyzing spectral features (e.g., over-
Show more

108 Read more

UMESTUDOSOBRECRESCIMENTODENANOFIOSDE F O S F E T O D E Í N D I O E A L G U M A S D E S U A S P R O P R I E D A D E S

UMESTUDOSOBRECRESCIMENTODENANOFIOSDE F O S F E T O D E Í N D I O E A L G U M A S D E S U A S P R O P R I E D A D E S

Ao retirar as amostras do forno, uma primeira identificação do resultado pode ser feita visualmente, observando o surgimento de aglomera- dos ou um recobrimento dos substratos por uma camada amarelada, algumas mais espessas e outras menos. Assim, de acordo com o procedimento usual adotado no laboratório, que segue uma sequência iniciada na caracterização estrutural e termina na construção de dispositivos, as amostras foram primei- ramente caracterizadas por difração de raios-X (DRX), seguido por micros- copia eletrônica de varredura (SEM) e microscopia eletrônica de transmissão (TEM). Neste trabalho os experimentos de difração de raios-X foram realiza- dos em um equipamento Shimadzu (XRD 6100, 40 kV, 30 mA) utilizando a radiação Kα do cobre (l = 1,54nm). As redes de nanofios foram analisadas nos substratos de crescimento, sem manipulação prévia das amostras. O intervalo de ângulos de Bragg explorado durante a análise foi de 20 ◦ a 60 ◦ (à taxa
Show more

92 Read more

R E L A T Ó R I O F I N A L D O M E S T R A D O INTEGRADO EM MEDICINA

R E L A T Ó R I O F I N A L D O M E S T R A D O INTEGRADO EM MEDICINA

Este estágio dividiu-se por dois serviços: Gastroentrologia e Nefrologia. Ambos os serviços, embora especializados nas disciplinas referidas, recebiam doentes de todos os outros, não sendo incomum em Gastroentrologia encontrar um doente com problemas cardíacos e neurológicos, sem queixas gastroentestinais. Isto permitiu-me ter acesso a um grande número de doentes, com uma constelação variadíssma de queixas e co- morbilidades – de todos, como de resto seria de esperar, foram os serviços mais polivalentes e mais atarefados, o que me permitiu aprimorar a abordagem semiológica, diagnóstica e terapêutica de várias patologias. Foi-me possível contactar outros departamentos para pedir opiniões ou consultas externas, escrever cartas de alta e notas de entrada, posteriormente controladas pelo médico assistente responsável, e acompanhar doentes que receberam transplante de fezes, como tratamento para infecção por C. dificile multirresistente, algo em que Aachen é pioneira. Pude ainda assistir a seminários semanais destinados aos alunos do 6° ano, e quinzenais destinados aos profissionais de saúde. O estágio teve um balanço positivo, pois foi-me possível ser gradualmente mais autónomo nas minhas tarefas e aperceber-me da dinâmica de um serviço de Medicina, e da sua estrutura e organização hospitalar. O único aspecto menos positivo do estágio foi o pouco contacto com situações de urgência.
Show more

14 Read more

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E U B E R L Â N D I A I N S T I T U T O D E E C O N O M I A E R E L A Ç Õ E S INTERNACIONAIS 2017

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E U B E R L Â N D I A I N S T I T U T O D E E C O N O M I A E R E L A Ç Õ E S INTERNACIONAIS 2017

Outras contribuições para a elevação dessa dívida no período foram a apropriação de juros nominais e o ajuste de paridade da cesta de moedas que compõem a dívida externa líquida, com d[r]

43 Read more

P R O G R A M A S D E R E A B I L I T A Ç Ã O AUDITIVA PARA IDOSOS: UMA PROPOSTA A L T E R N A T I V A D E A V A L I A Ç Ã O D E E F I C Á C I A

P R O G R A M A S D E R E A B I L I T A Ç Ã O AUDITIVA PARA IDOSOS: UMA PROPOSTA A L T E R N A T I V A D E A V A L I A Ç Ã O D E E F I C Á C I A

ele amplifica aquela parte, ele não amplifica aquela, ele faz tudo isso muito rápido, ta? Ele consegue preservar e enfatizar altas freqüências, que são as que a gente usa nos sons da fala, como o C em faca sobre o barulho do ambiente... então é assim, é mais fácil você perceber os sons da fala porque ele dá uma suavizada em outros sons, pra enfatizar esse da fala né? Ele tem o equalizador, então esses sons podem ser divididos em vários canais e a gente consegue pegar aquele canal que você tem dificuldade de amplificar só naquele pedaço, então isso fica bem mais fácil no digital. Precisão e flexibilidade no ajuste pro fonoaudiólogo... a gente tem muita coisa pra mexer e muita coisa pra ajudar vocês. E o que que eles têm também, em alguns aparelhos? Eles têm redutor de ruído, né. O que que o redutor de ruídos faz? Ele gerencia o ruído pela duração dele no ambiente. Então o que ele faz? Ele reduz alguns sons contínuos, então de repente, a gente ta num lugar e tem um ruído de trânsito de fundo... ele pega e reduz isso, com isso ele vai enfatizar a fala. Não é que amplifica a fala né, não sei se vocês conseguem entender essa diferença.
Show more

146 Read more

TABELA DE CONVERSÃO D E P O L E G A D A E M M I L Í M E T R O E V I C E - V E R S A Polegada mm

TABELA DE CONVERSÃO D E P O L E G A D A E M M I L Í M E T R O E V I C E - V E R S A Polegada mm

Por Adilson Tabain Kole Razão e Proporção e Antonio Edson Leite.. Regra de Três Simples Regra de Três Simples Regra de Três Simples Regra de Três Simples Regra de Três Simples; aplicaçõe[r]

16 Read more

THE R E L A T I O N S H I P B E T W E E N S T E M V E S S E L P A R A M E T E R S AND T H E D E V E L O P M E N T O F STRATA IN T H E EARLY STAGES OF S E C O N D A R Y F O R E S T S U C C E S S I O N IN A M A Z O N I A

THE R E L A T I O N S H I P B E T W E E N S T E M V E S S E L P A R A M E T E R S AND T H E D E V E L O P M E N T O F STRATA IN T H E EARLY STAGES OF S E C O N D A R Y F O R E S T S U C C E S S I O N IN A M A Z O N I A

The image analysis of vessel size, area and number of vessels revealed that species which reach the forest canopy had a large D 2 H value, vessel diameter and area, while species which[r]

16 Read more

SIDNEI FRANCISCO DO NASCIMENTO E R A S M O E L U T E R O : D I S T I N T A S C O N C E P Ç Õ E S D E L I V R E - A R B Í T R I O

SIDNEI FRANCISCO DO NASCIMENTO E R A S M O E L U T E R O : D I S T I N T A S C O N C E P Ç Õ E S D E L I V R E - A R B Í T R I O

ac r e sc enta sse f é à f ri v o l i d ad e , à s c alú n ias d o s m ed io c res; m as e u a v e jo c o m p ro m e ti d a p o r tantas p reo c u p aç õ e s q u e , d e to d as as re giõ e s d o m u n d o , se p re c i p i tam so b re e l a. A o m e s m o tem p o , e u c o n si d e ro a p e rv e rsi d ad e e x trao rd i n ári a d aq u e le s q u e f o rma - ram u m a c o n sp iraç ão c o n tra as b e las le tras, e e u v e jo q u e jam ais eles a ab an d o n am , n ão h á n ad a q u e e l e s n ão o u se m e n ã o h á ne - n h u m a p e d ra q u e e le s n ão re m o v am . Eu ac h e i q u e n ão p u d esse se r se n ão d e m e u in te re sse m e p re c av e r c o n tra tu d o i sso , c o mo u m an tíd o to , San tid ad e , m u ito clariv id e n te , se g u ram e n te m as ao m e sm o te m p o , m u i to o c u p ad a. Se n d o assi m , e u b e m sei q ue , p a - ra re f o rç ar su a p ró p ria f ac ç ão , te n taram lig ar a c au sa d e Lu te ro àq u e la d as b e las le tras, à q ue la d e Re u c hlin e à m inha, ain d a q u e n ão h o u v esse e n tre e l as n ad a d e c o m u m . 27 ( ERA SM U S, TRA D . D E
Show more

229 Read more

Treatment of sputum specimens T h e s p e c i m e n s w e r e d i g e s t e d a n d d e c o n t a m i n a t e d u s i n g the m e t h o d of P e t r o f f , a n d then inoculated onto2 s l a n t s of L o w e n s t e i η - J e n s e n m e d i u m a n d 1 s

Treatment of sputum specimens T h e s p e c i m e n s w e r e d i g e s t e d a n d d e c o n t a m i n a t e d u s i n g the m e t h o d of P e t r o f f , a n d then inoculated onto2 s l a n t s of L o w e n s t e i η - J e n s e n m e d i u m a n d 1 s

S-tnce some o$ thc-be species may interfere with present and farther vaccination programo against Tuberculosis and Leprosy, these.. investigations indicate a necessity ofi carrying oat [r]

6 Read more

VA LÉC IA MAR TIN S DE O LIVE IRA S E L E Ç Ã O D E G E N Ó T I P O S D E S O J A P A R A A M P L A A D A P T A B I L I D A D E E A L T A E S T A B I L I D A D E F E N O T Í P I C A

VA LÉC IA MAR TIN S DE O LIVE IRA S E L E Ç Ã O D E G E N Ó T I P O S D E S O J A P A R A A M P L A A D A P T A B I L I D A D E E A L T A E S T A B I L I D A D E F E N O T Í P I C A

Na civilização chinesa, a soja era considerada um grão sagrado, por isso era cultivado com cerimônia pelo imperador e pelos poetas. Estudos indicam que sua domesticação se deu no século XI a. C., conforme evidências históricas no Nordeste da China, região da Manchúria, em latitudes compreendidas entre 30° e 45° N. No Centro-Sul desse país está o provável centro primário de origem da espécie localizado no Vale do Rio Amarelo (XU et al., 1989). A soja foi levada da China para Europa em 1740; em 1804, foi introduzida nos Estados Unidos da América. No Brasil, a primeira referência data de 1882; e é sobre os genótipos levados por Gustavo Dutra para a Bahia (VERNETTI, 1983, SEDIYAMA; PEREIRA; SEDIYAMA, 1985). Como a soja não se adaptou bem em razão das latitudes inferiores à de sua origem, novas cultivares foram levadas para Campinas e São Paulo para, depois, chegar ao Rio Grande do Sul, onde se adaptaram mais às condições climáticas, mais semelhantes àquelas das regiões tradicionais de cultivo (VERNETTI, 1983).
Show more

51 Read more

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO I N S T I T U T O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E B I O L Ó G I C A S DEPARTAMENTO DE BIODIVERSIDADE, E V O L U Ç Ã O E M E I O A M B I E N T E

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO I N S T I T U T O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E B I O L Ó G I C A S DEPARTAMENTO DE BIODIVERSIDADE, E V O L U Ç Ã O E M E I O A M B I E N T E

 A Lagoa Seca, nosso modelo de ambiente temporário, foi o c u p a d a p o r e s p é c i e s q u e s e g u i r a m b a s i c a m e n t e t r ê s t e n d ê n c i a s : i ) u t i l i z a r o a m b i e n t e a p e n a s d u r a n t e a s p r i m e i r a s c h u v a s ; i i ) a p r o v e i t a r a s p r i m e i r a s c h u v a s e p e r m a n e c e r a o l o n g o d e t o d a a e s t a ç ã o c h u v o s a e i i i ) i n i c i a r a a t i v i d a d e j u n t o c o m a s p r i m e i r a s c h u v a s , c o m u m a p a u s a d u r a n t e o s p e r í o d o s d e m a i o r c h e i a d a l a g o a e r e t o m a r a a t i v i d a d e n o p e r í o d o d e m e n o r p r o f u n d i d a d e .  A diversidade de espécies no ambiente temporário é favorecida p e l a s a l t e r a ç õ e s n o s m i c r o h a b i t a t n o e s p a ç o e n o t e m p o , p e r m i t i n d o a c o e x i s t ê n c i a d e e s p é c i e s c o m d i f e r e n t e s r e q u e r i m e n t o s d e h a b i t a t .
Show more

82 Read more

M AT E R I A L S A N D M E T H O D S Sampling area

M AT E R I A L S A N D M E T H O D S Sampling area

10. McGinnis, M.R. Chromoblastomycosis and Phaeohyphomycosis: New concepts, diagnosis and mycology. J. Amer. Acad. Dermatol., 8:1-16, 1983. 11. Mello-Silva, A.C.C.; Neto-Serra, A.; Galvão, C.E.S.; Marques, S.G.; Saldanha, A.C.R.; Pedroso, C.M.; Fischman, O.; Silva, R.R.; Costa, M.R.S.R.; Costa, J.M.L. Cromoblastomicose produzida por Fonsecaea pedrosoi no Estado do Maranhão. I- Aspectos clínicos, epidemiológicos e evolutivos. Rev. Soc. Brasil. Medic. Trop., 25(1): 37-44, 1992. 12. Nishimura, K.; Miyaji, M.; Kawai, R. An isolate of Phialophora

5 Read more

O N T H E O C C U R R E N C E O F C Y A N O L I P I D S I N Paullinia carpopodea C A M B E S S A N D P. cupana K U N T H S E E D O I L S

O N T H E O C C U R R E N C E O F C Y A N O L I P I D S I N Paullinia carpopodea C A M B E S S A N D P. cupana K U N T H S E E D O I L S

Ocorrência de Cianolipidios em Óleos das Sementes de Paullinia carpopodea Cambess e P.. cupana foi, provavelmente, causada pelo baixo teor com que estes componentes ocorrem  nas suas [r]

5 Read more

P O N T I F Í C I A U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E S Ã O P A U L O PUC-SP Priscila Ferrer Caraponale

P O N T I F Í C I A U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E S Ã O P A U L O PUC-SP Priscila Ferrer Caraponale

N e s s e p e r í o d o , o p r o g r a m a c u r r i c u l a r d a E P F p r i o r i z a v a o e n s i n o d a s p r o f i s s õ e s m a i s a d e q u a d a s à e c o n o m i a d a r e g i ã o , o f e r e c e n d o a s s e ç õ e s d e s e l a r i a e s a p a t a r i a . T o d a s a s d i s c i p l i n a s q u e f i g u r a r a m n o c u r r í c u l o d a e s c o l a p r o f i s s i o n a l d e F r a n c a f o r a m m i n i s t r a d a s , a p e s a r d e a e s c o l a n ã o a c a t a r p l e n a m e n t e o d e c r e t o q u e i m p u n h a a i n s t i t u i ç ã o d a s a u l a s d e e d u c a ç ã o c í v i c a , h i s t ó r i a d o B r a s i l e g e o g r a f i a . H o u v e u m e s f o r ç o d o g o v e r n o e m c o l o c a r e m f u n c i o n a m e n t o a p e n a s a a u l a d e e d u c a ç ã o c í v i c a n a e s c o l a d e F r a n c a , q u e p a s s o u o b r i g a t o r i a m e n t e a s e r m i n i s t r a d a j u n t o à a u l a d e p o r t u g u ê s .
Show more

86 Read more

N O V E ESPÉCIES N O V A S D E O R T Ó P T E R O S D A F A M Í L I A PROSCOPIIDAE

N O V E ESPÉCIES N O V A S D E O R T Ó P T E R O S D A F A M Í L I A PROSCOPIIDAE

Caput cyiindro-conicum, basi paulo ampliatum, oculis elongatis, non multo prominentibus, fastigio apicem versus vix angustiore, apice obtuso, minus quam duplo oculorum diâmetro longior[r]

8 Read more

N Í V E I S D EO B E SI D AD EA S S O C I AD O S À A PT I D Ã OF Í S I C A, C OM PO R T A M E NT O S D E S A Ú DE EF AC T O R E SP S I C O S S O C I AI S: Estudo da População Escolar do 5.º ao 12.º Anos de

N Í V E I S D EO B E SI D AD EA S S O C I AD O S À A PT I D Ã OF Í S I C A, C OM PO R T A M E NT O S D E S A Ú DE EF AC T O R E SP S I C O S S O C I AI S: Estudo da População Escolar do 5.º ao 12.º Anos de

iriam estagiar durante parte do 3.º período lectivo. Havia ainda, para além da turma do 12.º ano referida anteriormente, um total de 28 alunos do ensino secundário que não estavam inscritos na disciplina de Educação Física, tendo 25 optado por não participar nos testes (refira-se que os dados, à excepção dos questionários, foram recolhidos, maioritariamente, nas aulas em questão). Por fim, 8 alunos que tinham aulas de educação física não participaram por motivos de saúde, por não terem sido autorizados ou por mera opção. Dos 486 alunos com autorização que participaram, optamos por posteriormente retirar do estudo aqueles que não realizaram todos os testes de antropometria e aptidão física, estando nesta situação 1,0% da população (5 alunos), e também os que apenas participaram no preenchimento dos questionários, tendo acontecido apenas com 0,4% do total da população-alvo (2 estudantes). Após todo este percurso, acabamos por incidir o nosso estudo numa amostra, de 87,2% da população escolar da Escola Básica e Secundária D. Lucinda de Andrade, a única no concelho a leccionar o 2.º e o 3.º ciclos do ensino básico e o ensino secundário. Quanto à divisão por sexo, temos 50,1% de raparigas e 49,9% de rapazes, o que em termos práticos significa apenas mais um elemento do sexo feminino.
Show more

151 Read more

R A D I AT I V E C O U P L I N G B E T W E E N Q U A N T U M D O T S I N P H O T O N I C C R Y S TA L M O L E C U L E S

R A D I AT I V E C O U P L I N G B E T W E E N Q U A N T U M D O T S I N P H O T O N I C C R Y S TA L M O L E C U L E S

In Chapter 3 , the main results on the long-distance radiative coupling between the quantum dots cou- pled through the normal modes of a photonic crystal dimer, disorder effects and long[r]

89 Read more

A N T I C R I S T O — F E M I N I L I D A D E E L O U C U R A NA OBRA DE LARS VON TRIER

A N T I C R I S T O — F E M I N I L I D A D E E L O U C U R A NA OBRA DE LARS VON TRIER

Depois dessa declaração e graças à imprensa, os tratados de demonologia se propagam pela Europa e crescem em número as acusações de bruxaria. Nessa época foi lançado o manual aos inquisidores: o livro O martelo das bruxas, destinado á perseguição dos delitos de bruxaria, considerada a pior de todas as heresias. Segundo o historiador, a partir do século XV a caça às bruxas na Europa ganha a dimensão de flagelo social que se repete em ondas sucessivas que variam de localidades, sendo o período de maior destaque dessas ondas de repressão os anos entre 1580 e 1670. Sallmann (2002, p. 35) cita as palavras do inquisidor Henry Boguet (1602) para ilustrar o grau de seriedade quanto às medidas tomadas pelos inquisidores no tocante à caça: “Espero que entendam bem que sou inimigo figadal dos bruxos e que nunca os pouparei, tanto por suas abominações execráveis quanto por seu número infinito que aumenta a cada dia”. No final do século XV e início do século XVI, a caça e os julgamentos eram realizados por tribunais de inquisição, e o número de casos registrados foi pequeno. No entanto, a partir do segundo século, os casos de bruxaria passaram a ser julgados por tribunais civis, e o grau de severidade se tornou maior. Numa sociedade cristã onde o poder da Igreja não era questionado, os bruxos eram vistos como os piores delatores, uma vez que eram taxados de terem um acordo com o Diabo e de advogarem a causa deste contra Cristo.
Show more

85 Read more

Show all 10000 documents...