12.1.1 Acórdão

A Lei n.º 7-A/2016, de 30 de Março veio revogar o artigo 49.º do EBF, que por sua vez prévia a isenção do IMT para prédios integrados na carteira dos FIIs. Acontece que na legislação nacional, ainda vigorava a Lei “esquecida” 1/87 que permitia beneficiar os FIIs da isenção do IMT. Esta Lei, apenas foi revogada com o Orçamento de Estado de 2019. Deste modo, vamos analisar um processo representativo da situação da maioria dos processos existentes e relacionados com esta matéria decorrentes no CAAD.

No processo nº580/2017-T, a Requerente, representada pela sociedade gestora do fundo de investimento imobiliário aberto A, apresenta um pedido de pronúncia arbitral ao Tribunal, reclamando as liquidações efetuadas pela Requerida, representada pela Autoridade Tributária. A questão em causa é a legalidade de liquidação dos IMTs nas aquisições efetuadas pela Requerente em Setembro de 2017. A Requerente é uma sociedade gestora que opera nos termos do n.º 214 do Regime Geral dos Organismos de Investimento Coletivo aprovado pela Lei n.º16/2015, de 24 de Fevereiro. Para enriquecer a sua carteira de imóveis, em 2017, a Requerente adquiriu dois prédios urbanos, e liquidou os IMTs respetivos. Em seguida, a Requerente procedeu ao pagamento dos IMTs referentes às aquisições efetuadas e impugnou ao Tribunal Arbitral, o pagamento dos mesmos, argumentando estar ao abrigo da isenção prevista no artigo 1.º do Decreto-Lei n.º1/87, de 3 de Janeiro. Esta Lei, visa a isenção do IMT «são isentas de sisa as aquisições de bens imóveis efectuadas para um fundo de investimento imobiliário pela respectiva sociedade gestora.»

Deste modo a Requerente defende que as aquisições feitas pela própria enquadram-se no artigo 1.º do Decreto-Lei 1/87, uma vez que o artigo nunca foi revogado nos termos do artigo 7.º do Código Civil, ou seja, nunca cessaram as suas disposições. Assim sendo, a liquidação do imposto é ilícita.

O Tribunal Arbitral julgou procedente este pedido arbitral e condenou a AT ao pagamento das custas do mesmo.

12.1.2 Análise do Caso

A Lei 1/87 de 3 de Janeiro, foi aprovada para promover o novo produto financeiro (FIIs), aplicando ao mesmo, benefícios fiscais. No processo 547/2017-T referiu-se que

[v]erifica-se que o Decreto-Lei n.º 1/87, de 3 de janeiro, de acordo com o seu preâmbulo, foi emitido na sequência da regulamentação da atividade dos Fundos de Investimento Imobiliário pelo Decreto-Lei n.º 246/85, de 12 de julho, reconhecendo o Governo “o importante contributo que este novo tipo de instituições financeiras poderá trazer à formação das poupanças e à sua mobilização para investimentos no setor imobiliário. Acrescem os efeitos positivos que por essa via se induzirão nas indústrias da construção e no mercado de arrendamento de imóveis para habitação e para escritórios.

Em 2003 foi realizada uma reforma fiscal que alterou substancialmente o código do IMT, substituindo os códigos que vigoravam na lei. Contudo, o legislador preocupou-se em mencionar na LOE de 2003, que se mantinham em vigor todos os benefícios fiscais relativos à contribuição autárquica, agora nomeada como IMT, aplicados ao Sisa, previstos no Estatuto de Benefícios Fiscais.

A revogação expressa da Lei 1/87 de 3 de Janeiro, foi proposta no Orçamento de Estado para 2007, mas nunca chegou a ser incluída no orçamento aprovado. Deste modo, os Requerentes de vários casos, apontam que nunca foi o objetivo do legislador a eliminação da exclusão do IMT para os FIIs.

Em 2010, a Lei n.º 3-B/2010, de 28 de Abril, a Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro, a Lei n.º 83-C/2013, de 31 de Dezembro, e a Lei n.º 7-A/2016, de 30 de Março vieram revogar todos os benefícios fiscais respetivos, para FIIs.

Nas suas redações do artigo 49.º do EBF o legislador procurou alterar o regime aplicável aos próprios fundos nunca especificando as alterações feitas em matéria de IMT.

Qualquer revogação da Lei tem que se proceder nos termos do artigo 7.º do Código Civil, cumprindo as condições previstas no mesmo

1. Quando se não destine a ter vigência temporária, a lei só deixa de vigorar se for revogada por outra lei;

2. A revogação pode resultar de declaração expressa, da incompatibilidade entre as novas disposições e as regras precedentes ou da circunstância de a nova lei regular toda a matéria da lei anterior;

3. A lei geral não revoga a lei especial, excepto se outra for a intenção inequívoca do legislador;

4. A revogação da lei revogatória não importa o renascimento da lei que esta revogara;

Quando a Lei não é aplicada a um período específico, a própria só pode ser revogada por outra Lei.

Concluímos que, uma vez que foi apresentada a proposta para revogação do artigo 1.º da Lei 87, contudo nunca se aprovou, a Lei 1/87 se encontrava em vigor no momento das aquisições feitas pelos Requerentes, a liquidação dos impostos está a contrariar e violar os pressupostos previstos na Constituição Portuguesa.

Analisando outros processos apresentados a Tribunal podemos observar uma coerência nas decisões tomadas. Tal como nos acórdãos nº130/2018-T, 241/2018-T, 260/2018-T, 316/2018-T, 474/2018-T, 563/2018-T e 620/2018-T, podemos afirmar a coerência nas respostas obtidas tais como (260/2018-T)

[h]á-de concluir como se concluiu na decisão do CAAD do processo n.º 544/2016-T, ou seja que a isenção de Sisa prevista o artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 1/87, de 3 de Janeiro, e que passou a reportar-se ao IMT, nos termos dos artigos 28.º e 31.º do Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12-11, se mantém, em vigor. Pelo que, estão isentas de IMT as aquisições de bens imóveis efectuadas para um fundo de investimento imobiliário pela sua respetiva sociedade gestora.

Os processos mencionados acima são apenas alguns de vários apresentados ao CAAD, visto que depois da revogação do artigo 49.º do EBF em 2016, o número de Requerentes estava constantemente a crescer, estando a maioria dos processos relacionada com a matéria de liquidação do IMT. Até Dezembro de 2018, já foram devolvidos 3 Milhões de Euros6 referentes à liquidação indevida do IMT e ainda 20 Milhões6 estão à espera de decisão no Tribunal.

Deste modo, o legislador teve o devido cuidado de revogar definitivamente o artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 1/87, de 3 de Janeiro, com o Orçamento de Estado para 2019.

In document T R I B U T A Ç Ã O D E F U N D O S D E I M V E S T I M E N T O I M O B I L I Á R I O E M S E D E D E I M P O S T O S S O B R E PA T R I M Ó N I O (Page 47-50)