Conclusões Finais e Recomendações

7.2 Limitações e recomendações para investigações futuras

Esta dissertação resulta da investigação aqui desenvolvida, procurando respeitar os níveis de qualidade, profissionalismo e exigência metódica para um estudo desta dimensão. Porém, foram detetadas ao longo do percurso várias limitações do mesmo, que não podem deixar de ser mencionadas.

Analisando as limitações do presente estudo, percebe-se que o facto de ser um caso de estudo, neste caso aplicado ao INESC TEC, invalida a possi-bilidade destas conclusões serem generalizadas para as restantes instituições deste cariz, quer a nível nacional, como internacional.

Relativamente às recomendações para investigações futuras no âmbito deste estudo, faria sentido perceber qual o tipo de conteúdo das publicações no caso do Facebook do INESC TEC que gera maior interação nas publicações da própria página, isto é, perceber, por exemplo, se são as publicações sobre prémios e distinções dos investigadores da instituição ou se, por exemplo,

94 7 Conclusões Finais e Recomendações

são as publicações que publicitam a call for papers das conferências inter-nacionais organizadas por investigadores do INESC TEC. Tentar perceber este pormenor do conteúdo publicado na página, pode trazer novas diretrizes para a equipa de gestão da mesma, de forma a conseguir potenciar, ainda mais, o reconhecimento da marca do INESC TEC e, com isso, uma possível candidatura às vagas disponíveis na instituição.

Dado que o INESC TEC está presente em cinco redes sociais diferen-tes, uma outra recomendação seria fazer um estudo comparativo da presença desta instituição nas restantes redes sociais, com vista a perceber qual aquela que potencia mais a respetiva comunidade a candidatar-se às vagas disponí-veis no INESC TEC.

Por último, uma última recomendação seria desenvolver um estudo de maior amplitude, não focando o caso específico do INESC TEC, de forma a ser possível uma generalização das conclusões alcançadas, numa tentativa de se adaptar o panorama nacional e internacional, no que respeita a presença das organizações científicas na rede social Facebook.

De referir ainda que, dado que o alcance das publicações considerado neste estudo só abrangeu o alcance orgânico, isto é, o alcance que as publica-ções do inesctec geraram sem publicidade paga, seria também interessante, e serve também como recomendação para investigação futura, perceber se os dados referentes ao alcance das publicações com campanhas de publicidade, potenciam correlações de Pearson com um valor de r mais alto e significa-tivo. Importa ainda mencionar que esta escolha na recolha de dados se deveu ao facto de o INESC TEC recorrer muito pontualmente à publicidade paga no Facebook.

Bibliografia

Barros, M. (2015). Altmetrics: métricas alternativas de impacto científico com base em redes sociais. Perspectivas em Ciência da Informação, 20(2):19–37.

Bartley, Myles e Carton, J. (2016). Social media’s use in employment prac-tices. 2 de fevereiro de 2017.

Bertot, John e Jaeger, P. e. H. D. (2012). The impact of polices on go-vernment social media usage: Issues, challenges, and recommendations.

Government information quarterly, 29(1):30–40.

Bik, Holly e Goldstein, M. (2013). An introduction to social media for sci-entists. PLoS Biol, 11(4):e1001535.

Blacksmith, Nikki e Poeppelman, T. (2014). Three ways social media and technology have changed recruitment. The Industrial Organizational

Psychologist, 52(1):114–121.

Brossard, Dominique e Scheufele, D. (2013). Science, new media, and the public. Science, 339(6115):40–41.

BuzzSumo (2017a). 10 ways marketers can increase facebook engagement. https://sproutsocial.com/insights/facebook-engagement/. 13 de novem-bro de 2017.

BuzzSumo (2017b). The ultimate guide to facebook engagement in 2017. http://buzzsumo.com/blog/ultimate-guide-facebook-engagement-2017/. 15 de novembro de 2017.

Caers, Ralf e Castelyns, V. (2011). Linkedin and facebook in belgium: The influences and biases of social network sites in recruitment and selection procedures. Social Science Computer Review, 29(4):437–448.

96 Bibliografia

Constantinides, Efthymios e Stagno, M. (2011). Potential of the social media as instruments of higher education marketing: a segmentation study.

Journal of Marketing for Higher Education, 21(1):7–24.

Crespo, Cátia e Pereira, A. (2014). O impacto das redes sociais no rela-cionamento entre empresas e consumidores. International Journal of

Marketing, Communication and New Media, 2(3):57–73.

DGEEC, D. e. D. (2016). Inquérito ao potencial científico e tecnológico nacional (ipctn 2014): Principais resultados. http://www.dgeec.mec.pt/np4/206/ 2 de junho de 2017.

DiStaso, Marcia e McCorkindale, T. e. W. D. (2011). How public relations executives perceive and measure the impact of social media in their organizations. Public Relations Review, 37(3):325–328.

Entrepeneur (2017). 14 ways to increase your facebook page engage-ment. https://www.entrepreneur.com/article/300729. 12 de novembro de 2017.

Erdogmus, Irem e Cicek, M. (2012). The impact of social media marketing on brand loyalty. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 58:1353–1360.

Evans, J. (1996). Straightforward statistics for the behavioral sciences. Bro-oks/Cole.

Eysenbach, G. (2011). Can tweets predict citations? metrics of social impact based on twitter and correlation with traditional metrics of scientific impact. Journal of medical Internet research, 13(4):1–3.

Facebook (2017a). Interação com a publicação. https://www.facebook.com/business/help/735720159834389. 21 de novembro de 2017.

Facebook (2017b). Qual é a diferença entre as visualizações da página e o alcance? https://www.facebook.com/help/274400362581037. 17 de novembro de 2017.

Filho, Dalson e Júnior, J. (2010). Desvendando os mistérios do coeficiente de correlação de pearson (r). Revista Política Hoje - ISSN: 0104-7094, 18(1):115–146.

Fisher, T. (2009). Roi in social media: A look at the arguments. Journal of

Bibliografia 97

Forbes (2017). 6 stellar ways to skyrocket your facebook engage-ment. https://www.forbes.com/sites/miketempleman/2017/01/10/6-stellar-ways-to-skyrocket-your-facebook-engagement/. 18 de novembro de 2017.

Galan, Mianda e Lawley, M. e. C. M. (2015). Social media’s use in postgra-duate students’ decision-making journey: an exploratory study. Journal

of Marketing for Higher Education, 25(2):287–312.

Gherman, Remus e Brad, I. e. D. A.-M. (2016). The role and importance of human resources in organizations. Lucrări Stiintifice Management

Agricol, 18(2):63–66.

Goertzen, M. (2017). Introduction to quantitative research and data. Library

Technology Reports, 53(4):12–18.

Gu, Lucy e Skierkowski, D. e. F. P. e. F. K. e. Y. Y. (2016). Facebook, twitter, & qr codes: An exploratory trial examining the feasibility of social media mechanisms for sample recruitment. Computers in Human

Behavior, 60:86–96.

Hoffman, Donna e Fodor, M. (2010). Can you measure the roi of your social media marketing? MIT Sloan Management Review, 52(1):41.

Hughes, David e Rowe, M. e. B. M. e. L. A. (2012). A tale of two sites: Twitter vs. facebook and the personality predictors of social media usage.

Computers in Human Behavior, 28(2):561–569.

Kaplan, Andreas e Haenlein, M. (2010). Users of the world, unite! the chal-lenges and opportunities of social media. Business horizons, 53(1):59–68.

Khatri, Chetan e Chapman, S. e. G. J. e. K. M. e. N. D. e. B. A. e. F. J. E. e. S. C. (2015). Social media and internet driven study recruit-ment: evaluating a new model for promoting collaborator engagement and participation. PloS one, 10(3):1–11.

Kumar, V. e Mirchandani, R. (2012). Increasing the roi of social media marketing. MIT Sloan Management Review, 54(1):55.

MacNealy, M. (1997). Toward better case study research. IEEE Transactions

on professional Communication, 40(3):182–196.

Malhotra, Arvind e Malhotra, C. e. S. A. (2013). How to create brand engagement on facebook. MIT Sloan Management Review, 54(2):18.

98 Bibliografia

Mangold, W. Glynn e Faulds, D. (2009). Social media: The new hybrid element of the promotion mix. Business horizons, 52(4):357–365. Marktest, G. (2017). Os portugueses e as redes sociais em 2016.

http://www.marktest.com/wap/a/n/id 21c5.aspx. 10 de março de 2017. McCabe, M. (2017). Social media marketing strategies for career advancement: An analysis of linkedin. Journal of Business and Behavioral Sciences, 29(1):85–99.

Murthy, Dhiraj e Lewis, J. (2015). Social media, collaboration, and scientific organizations. American Behavioral Scientist, 59(1):149–171.

Ogden, L. (2013). Tags, blogs, tweets: social media as science tool?

BioScience, 63(2):148–148.

Oliveira, L. (2015). As universidades e a participação pública em ciência. per-ceções e práticas de cientistas, profissionais de comunicação e cidadãos em portugal e espanha.

Owyang, Jeremiah e Bernoff, J. e. C. T. e. B. E. (2009). Social media playtime is over. http://www. forrester. com/Research/Document/Excerpt/0. 09 de junho de 2017.

Park, Bu e Calamaro, C. (2013). A systematic review of social networking sites: Innovative platforms for health research targeting adolescents and young adults. Journal of Nursing Scholarship, 45(3):256–264.

Parsons, A. (2013). Using social media to reach consumers: A content analy-sis of official facebook pages. Academy of Marketing Studies Journal, 17(2):27.

Pinto, Sandra e Carvalho, A. (2011). Cientistas, jornalistas e profissionais de comunicação: agentes na comunicação de ciência e tecnologia.

Observa-torio (OBS*) Journal, 5(3):65–100.

Ramadan, Z. (2017). Examining the dilution of the consumer-brand rela-tionship on facebook: the saturation issue. Qualitative Market Research:

An International Journal, 20(3):335–353.

Richardson, R. (1985). Pesquisa social: métodos e técnicas. Atlas São Paulo.

Rutter, Richard e Roper, S. e. L. F. (2016). Social media interaction, the university brand and recruitment performance. Journal of Business

Bibliografia 99

Schawbel, D. (2012). How recruiters use social networks to make hiring decisions now. Time Magazine.

Snelson, C. (2016). Qualitative and mixed methods social media research a review of the literature. International Journal of Qualitative Methods, 15(1):1–15.

SumAll (2017). Facebook post engagement: The horror of waiting for the first like. http://blog.sumall.com/journal/facebook-post-engagement-the-horror-of-waiting-for-the-first-like.html. 10 de novembro de 2017. Vitale, S. (2015). Social recruiting: What you need to know for success. HR

Technology Provider Profile Special Advertising Section. 14 de janeiro de 2017.

Zephoria (2017). The top 20 valuable facebook statistics. https://zephoria.com/top-15-valuable-facebook-statistics/. 30 de setembro de 2017.

No documento Paula Cristina Pereira Rodrigues. O papel das redes sociais no processo de recrutamento de uma organização científica: O caso do Facebook do INESC TEC (páginas 114-121)