QUESTÕES FUNDAMENTAIS SOBRE A EDUCAÇÃO PRE-ESCOLAR NO BRASIL

No documento Grupo Especial MEC/CNRH-IPEA-IPLAN/PNUD-UNESCO ANALISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA VOLUME I. Brasília Novembro (páginas 69-74)

ATENDIMENTO PRE-ESCOLAR SEGUNDO A IDADE

4. QUESTÕES FUNDAMENTAIS SOBRE A EDUCAÇÃO PRE-ESCOLAR NO BRASIL

A problemática da educação pré-escolar no Brasil pa-rece estar centrada em dois aspectos fundamentais que serão des-tacados a seguir:

1. A nivel político-administrativo a questão central da Educação Pré-Escolar e que vai configurar toda a problemática da área era questão, parece ser exatamente a falta de decisão go-vernamental efetiva em desenvolvê-la. Didonet focalizando es ta questão fala nos 3 níveis de comprometimento de uma decisão po lítica:

- o concessivo, aquele nivel em que a decisão permi-te a ação para tal necessitando que haja uma base de ação ampla e plena força dos agentes operativos.

- 0 indicativo, um nivel de comprometimento maior on de as decisões são tomadas num caráter amplo, definindo esferas de atuação.

- O imperativo, quando sé determinam os objetivos e os meios explícitos e se cobram resultados.

No caso brasileiro, a decisão governamental relati-va ao atendimento pré-escolar, não assumiu ainda esse caráter im-perativo que possa determinar uma ação mais eficaz.

Um resultado imediato dessa ausência de uma efetiva decisão política, reflete-se na questão da insuficiência de re-cursos comprometidos em Educação Pré-escolar. Os rere-cursos desti_ nados à essa educação, pelo fato de estarem vunculados ao Depar-tamento de Ensino Fundamental, ficam na dependência da disponibi_

lidado desse órgão, que assumiu compromissos prioritários com a proposta de democratização do ensino de primeiro grau. Essa si-tuação vem gerando atrasos no repasse dos 79 milhões de cruzei-ros destinados ao pré, o que compromete profundamente o planjamen to e a execução das já minguadas iniciativas estaduais.

Ainda, como resultado da primeira questão, se a pouca valorização do trabalho do educador pré-escolar, que se reflete nos salários do corpo docente atuando na área ,os quais têm sido um grande desistimulante à essa carreira, visto que em

algumas regiões eles estão muito aquém do mínimo regional.

A este nivel de enfoque também parece relevante o problema da dispersão dos esforços através de várias instituições, tanto a nível federal como estadual e local, decorrente da ausên cia de urna política integrada de atendimento à criança. Embora perceba-se uma preocupação em atender questões como a da desnu-trição infantil, do menor abandonado, dos filhos de mulheres que participam da força de trabalho e outros problemas específicos da população infantil e sejam esboçados, a nível de programas, algu mas iniciativas de articulação entre instituições, não se alcan-çou ainda a formulação de diretrizes gerais para a valorização da criança.

Desta forma, o que se observa na prática mais gene- >'ralizada, é que a educação pré-escolara' continua a atender prin cipalmente as crianças oriundas de classes sociais mais abasta- das, não havendo conscientização nem por parte do governo nem por parte da população da relevância de um programa de educação pré- escolar mais abrangente. O próprio Diagnóstico Preliminar da Edu cação Pré-Escolarr no Brasil destaca o fato da oferta publica de ensino pré-escolar não atender a clientela mais necessitada tanto em decorrência da localização dos prédios como a existên cia do arraijado preconceito de que a educação pré-escolar é pa

ra filhos de pais ricos. .

2. A nivel didático pedagógico, uma questão relevan te que se caracteriza como problemática nesse nivel de educação refere-se à eficácia dos programas compensatórios de Educação pré-Escolar destinados às crianças carentes. Sob três aspectos a questão pode ser discutida. 0 primeiro relaciona-se com os pe-ríodos "críticos" ou "sensitivos" do desenvolvimento infantil. A evolução das teorias qué tratara do desenvolvimento do ser humano enfatizam cada vez mais a importância dos primeiros anos de vida no desenvolvimento de cada característica humana. Assim, tanto em termos do desenvolvimento físico e maturação do sistema nervo-so, como em termos de desenvolvimento intelectual emocional, os momentos mais decisivos se dão no período entre zero e 4 anos. Pa rece difícil portanto, que os programas pré-escolares desenvolvi dos atualmente, com as populações de 5 e 6 anos obtenham maior eficácia, nos seus objetivos de assegurar um desenvolvimento har monioso, visto que as crianças nesta cidade já apresentam Carac-terísticas sócio-.culturais bastante comprometidas, e muitas ve-zes, como no caso de deficiências nutricionais, totalmente irre-_ cuperáveis.

Um segundo aspecto relaciona-se à capacidade da ins_ tituição escolar de modificar o desempenho dos indivíduos. Mui-tas pesquisas conduzidas nas últimas décadas vem demonstrando a reduzida influência da escola, em si, no desempenho dos indiví duos adultos. Mesmo em relação ao desempenho propriamente escolar, aparecem como fundamentais o efeito das condições do ambien te familiar e do grupo social mais próximo. Neste sentido, ainda que estes programas compensatórios já se constituam num avanço no atendimento ao pré-escolar carenciado, o fato de não envol-verem de forma mais direta as famílias e a comunidade, acarreta efeitos ainda limitados.

Por outro lado, um ultimo aspecto a ser discutido, em relação à eficiência dos programas de educação compensatória, é a questão do pouco conhecimento dá realidade do "marginalizado

cultural" sobre o qual são montados estes programas. Segundo Po ppovic uma atuação desta natureza deve ser baseada na caracteri-zação precisa da criança pré-escolar carente, devendo—se buscar pelo menos, três níveis de aproximação do problema:

"No nivel mais simples, aproximação requer o co-nhecimento das deficiências educacional que resultam das condi-ções de vida dessa famílias; o segunde nível chama a atenção pa ra o fato de que esta cultura tem interesses específicos e que tais interesses devem ser usados para promover o início do desen volvimento de qualquer atividade; finalmente, a nível mais alto seria a aproximação cultural, o que significa um respeito autên tico pelos esforços das famílias marginalizadas .na luta contra as condições de vida - isso inclui valores, ideais, maneira de pen-sar, tradições e tudo o mais"

(1) Ana Maria Poppovic, Atitudes e Cognição do Marginalizado Cul tural. Rev. Brasileira de Estudos Pedagógicos, 57 (126) abr/ jun 1972 p. 254.

Sugestões de Temas Para Serem Desenvolvidos Posterior mente.

Os temas apresentados a seguir são sugestões para poste_ riores debates, pesquisas ou estudos que possibilitem um maior apro fundamento sobre a questão do atendimento do pré-escolar e possam subsidiar uma ação mais eficaz e abrangente na área.

a) Analisar os estudos e programas de educação compensató-ria, no sentido de avaliar se estes estão realmente atingindo as necessidades da população carenciada na faixa etária de 0-6 anos.

b) Construir urna tipologia.das atividades desenvolvidas na área do pré-escolar, abrangendo: - objetivos, metodolo-gias, programas, entidades executoras, corpo-docente e características da clientela.

e) Estudar mecanismos para articulação intra e extra seto rial, tanto pública como privada, numa perspectiva de planejamento a longo prazo do atendimento infantil.

d) Estudar mecanismo de reforço as estruturas estaduais e municipais para o desenvolvimento de programas pré-esco lares.

e) Estudar formas de captação de recursos financeiros para a área de educação pré-escolar.

f) Estudar formas de incentivar universidades, instituições produtoras de pesquisa e centros de tecnologias educa-cionais a elaborarem pesquiseis, estudos e debates sobre a questão do pré-escolar.

No documento Grupo Especial MEC/CNRH-IPEA-IPLAN/PNUD-UNESCO ANALISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA VOLUME I. Brasília Novembro (páginas 69-74)