• Nenhum resultado encontrado

45mi. Treinamentos viram ativos comerciais nos EUA

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "45mi. Treinamentos viram ativos comerciais nos EUA"

Copied!
5
0
0

Texto

(1)

Há pouco de um ano, o time de hó-quei Boston Bruins inaugurou um novo centro de treinamento, a Warriors Ice Arena. Mais do que uma modernização nos instrumentos de trabalho dos atle-tas, a estrutura representou um avanço comercial à equipe, que seguiu ten-dência de outras entidades da cidade e dos Estados Unidos.

No país, centros de treinamento são pensados como mais uma plataforma

comercial. A Máquina do Esporte visi-tou a Warriors Ice Arena e pôde acom-panhar de perto como a estrutura é pensada. Área de eventos corporati-vos, exposições, 650 assentos na arqui-bancada, alimentação, estacionamen-to e até abertura pública da pista de patinação fazem parte de como o time arrecada com seu CT.

E até sua concepção foi graças a um suporte comercial. A New Balance,

pa-Treinamentos viram ativos

comerciais nos EUA

POR DUDA LOPES, DE BOSTON (EUA)

B O L E T I M

NÚMERO DO DIA

EDIÇÃO • 908 QUARTA-FEIRA, 27 DE DEZEMBRO DE 2017

Pista de gelo do Boston Bruins fica aberta para o público, tanto

para patinação quanto para jogos amadores de hóquei.

No restante da estrutura, há espaço

para convenções e alimentação. No lado de fora, há uma

loja-conceito da New Balance.

45mi

De reais poderá gastar o Cruzeiro para ter Fred

por três anos; valor inclui salários, prêmio e

luvas, além de possível multa a ser paga.

(2)

WWW.MAQUINADOESPORTE.COM.BR

2

AV I A N C A AT I VA V O O E N B B

A Avianca fez uma ação com o jogador americano Larry Taylor, do Novo Basquete Brasil, da LNB. Patrocinadora do torneio de basquete, a empresa ativou o aporte para demonstrar um novo trajeto internacional de seus voos.

Na ação, a empresa levou o atleta para visitar o filho nos Estados Unidos, para celebrar o fim de ano. A ação foi transformada em um vídeo de 10 minutos, para o Youtube.

D I R E T O R A P E D E P R I S Ã O D E C R 7 A diretora do Fisco espanhol, Caridad Gómez Mourelo, pediu à Justiça do país para que analisasse um pedido de prisão ao jogador do Real Madrid, Cristiano Ronaldo.

A informação foi divulgada pelo jornal "El Mundo". Segundo a publicação, a diretoria calcula que o atleta deixou de pagar 14,7 milhões de euros em impostos, em esquema que envolveu 'laranjas' e contas em paraísos fiscais.

T R I B U N A L A B S O LV E P E R U A N O

Após condenar José Maria Marin, o Tribunal Federal do Brooklin, nos Estados Unidos, resolveu absolver o peruano Manuel Burga, ex-presidente da federação de futebol de seu país.

Burga era acusado de lavagem de dinheiro e de receber propinas em negociações por direitos de televisão, assim como seus colegas condenados, o ex-presidente da Conmebol, Juan Napout, e o brasileiro Marin. trocinadora do Bruins, foi quem arcou com a construção e quem

faz a manutenção de toda a estrutura do CT. A arena foi erguida ao lado da sede da empresa em Boston e conta com uma loja conceito da companhia.

Com a nova arena, o Bruins passou a faturar com um espaço além do ginásio que carrega seus jogos oficiais, o TD Garden,

local dividido com o Boston Celtics, da NBA. A construção de um CT com apelo comercial, por outro lado, foi apenas uma atu-alização do time de hóquei. Nos Estados Unidos, essa possibili-dade já é uma realipossibili-dade.

Em Boston mesmo há outros bons exemplos. O mais notável é do New England Patriots, time de futebol americano da NFL. Hoje, a equipe está alocada na cidade vizinha, Foxborough, que faz parte da região metropolitana da capital do Massachusetts. E, por lá, o ‘training camp’ do time faz sucesso.

O CT do Patriots é um anexo do estádio do time, o moder-no Gillette Stadium. O local tem até naming right da Optum, empresa ligada à área de saúde. E ele funciona como um elo entre o time e os torcedores, com calçada da fama, uma série de brincadeiras para crianças e até área para pegar autógrafos dos jogadores. O local conta com estacionamento e food truck, além de acesso com preços longe do que se pratica em jogos oficiais, com ingressos que partem de US$ 80.

A entrada mais em conta é também um apelo do Boston Red Sox, time de beisebol que tem o tíquete médio mais alto da liga do país, a MLB. No centro de treinamento do time, é possível ter acesso às arquibancadas por US$ 5. O tíquete mais caro é de US$ 49, US$ 1 a menos que a entrada para um jogo oficial.

(3)
(4)

Esta é a última coluna de 2017 es-crita por nossa equipe da Máquina do Esporte. Quis o rodízio que coubesse a mim fazer o balanço de fim de ano.

Parece fácil, mas não é. Relembrar o que passou e projetar o que virá é uma tarefa boa de reflexão. Ajuda-nos a re-ver o que acertamos, o que erramos e o que podemos esperar pela frente.

Em 2017 tivemos a alegria de cele-brar o melhor ano da Máquina do Es-porte. Tivemos o recorde de parceiros ao longo do ano (obrigado Bradesco, Brahma, Nissan e Bridgestone).

Desde o início, vendemos patrocí-nio, não anúncio. Queremos ajudar o parceiro a trabalhar a imagem,

produ-zir conteúdo, criar soluções para auxi-liar na ativação do patrocínio esporti-vo que eles já fazem via nossas mídias.

Por que fazer isso sendo uma empre-sa de mídia? Tem um sentimento que move quem faz a Máquina do Espor-te: Não vamos nunca nos acomodar!

A falta de acomodação, a inovação e a transformação constante geram um enorme prazer em trabalhar e, isso fi-cou provado em 2017, gera resultado. Para 2018 é isso o que a Equipe Má-quina do Esporte deseja a todos.

Da nossa parte, o ano virá cheio: A partir de março teremos um cor-respondente fixo nos Estados Unidos.

Em abril, celebrando os 13 anos de

vida, lançaremos o "Clube da Máqui-na". Conteúdo exclusivo a assinantes. Pesquisas, estudos de caso, entrevistas especiais. Tudo com o selo de qualida-de qualida-de quem é pioneiro na indústria do esporte no Brasil. Material para auxi-liar empresas, agências e profissionais a tomarem as melhores decisões.

Ainda teremos novidades no "Me-lhores do Ano". A primeira delas vem já este ano. A partir de amanhã até 5 de janeiro, confira os detalhes de cada um dos 12 vencedores de nossa pre-miação. Anunciaremos dois por dia.

Feliz 2018 para todos nós!

Falta de acomodação, inovação

e transformação: Feliz 2018!

O P I N I Ã O

WWW.MAQUINADOESPORTE.COM.BR

Envolvido nos escândalos de doping que abalaram o esporte na Rússia nos últimos me-ses, Vitali Mutko resolveu abrir mão de seu car-go de presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo no país. A decisão foi entre-gue à Federação Russa de Futebol no dia 25.

Além do cargo ocupado no esporte, Mutko é o atual vice-primeiro-ministro da Rússia. Na época dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, Mutko era o Ministro do Esporte. Foi nes-se período que teria acontecido as fraudes no sistema de doping dos atletas russos, segundo o Comitê Olímpico Internacional.

Com o suposto envolvimento estatal nos es-cândalos de doping de atletas russos, o COI

pediu o banimento de Mutko no esporte. Ago-ra, ele tentará se defender das acusações na Corte Arbitral do Esporte. A maior consequên-cia do caso foi anunconsequên-ciada no início de dezem-bro, com o time russo banido dos Jogos Olím-picos de Inverno de 2018, em PyeongChang, na Coreia do Sul.

Apesar de ter deixado o cargo, a demissão de Mutko ainda será avaliada pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin. É ele quem lidera a supervisão do Comitê Organizador da Copa.

A Fifa afirmou respeitar a decisão de Mutko, que teria sido decidida para prover o “melhor para a Copa do Mundo”. Um substituto deverá ser escolhido nos próximos dias.

Presidente do Comitê Organizador da

Copa na Rússia deixa cargo

4

POR REDAÇÃO POR ERICH BETING

(5)

A Kroll, empresa americana es-pecializada em investigação cor-porativa, atua no Brasil há mais de duas décadas, com casos que vão do processo de impeachment de Fernando Collor a serviços na Operação Lava-Jato, graças à ex-periência em empresas públicas do país. Foi contratada, por exemplo, para esmiuçar os riscos de fraude na Eletrobrás neste ano. Agora, a companhia quer ter um foco tam-bém no esporte.

A participação da Kroll no meio esportivo não chega a ser uma novidade. Internacionalmente, a companhia conta até com a pre-sença de Alex Horne, ex-presiden-te da Football Association, a fed-eração de futebol da Inglaterra. O executivo atua hoje como consul-tor para a empresa no segmento de esporte na Europa.

No Brasil, já existiram trabal-hos focados em esporte, mas sem

um volume necessário para ter uma maior presença da Kroll no segmento. Mais recentemente, no entanto, com patrocínios finan-ceiramente mais significativos e com entidades esportivas envolvi-das nos mais diversos tipos de es-cândalos, a procura pelos serviços da companhia tem aumentado.

Em conversa com a Máquina do Esporte, o diretor sênior da Kroll, Ian Cook, contou que as marcas têm tido maior preocupação com os investimentos no esporte. “Ai-nda existem vários entraves para os patrocinadores no Brasil. Mas o principal são essas questões in-ternas em clubes e confederações, que geram desconfiança do mer-cado”, comentou o executivo.

Hoje, o principal trabalho da Kroll no país tem sido o levan-tamento de informações sobre entidades e clubes que possam levar mais segurança aos

investi-dores. Dessa maneira, a empresa levanta diversos dados sobre de-terminada entidade para que uma empresa interessada em investir tenha reduzido o risco do aporte. Com a Kroll, a marca sabe, então, o histórico financeiro, o histórico dos dirigentes, as relações comer-ciais que possuem esses dirigen-tes, entre outras informações que possam dar maior solidez ao pa-trocínio da empresa interessada.

Essa, no entanto, não é a única maneira de a Kroll trabalhar no segmento. “O investidor no es-porte quer mais segurança. Na Eu-ropa, tem a inversão. Com estru-tura mais profissionalizada, clubes pedem o levantamento de investi-dores, para evitar acordos suspei-tos”, ressaltou Ian Cook.

E não é a única possibilidade que a Kroll quer investir no Bra-sil. O trabalho mais convencional da empresa com outras compan-hias também deverá ser ofereci-do ao mercaofereci-do nacional, assim como acontece na Europa. “Somos contratados por clubes e confed-erações para realizar investigações internas, para mapear área com maior chance de fraude”, comple-mentou o executivo.

Para se fortalecer no esporte ao longo de 2018, a Kroll contará com sua credibilidade inserida em um mercado ainda pequeno. Para aumentar o alcance, planeja até evento com especialistas.

POR DUDA LOPES

Kroll abre área focada no

segmento esportivo do Brasil

Referências

Documentos relacionados

Diante do exposto, pode ser observado que a estabilidade química de poliésteres em sistemas de liberação em sua forma micro e nanoestruturada foi investigada e que

Atualmente o predomínio dessas linguagens verbais e não verbais, ancorados nos gêneros, faz necessário introduzir o gênero capa de revista nas aulas de Língua Portuguesa, pois,

(grifos nossos). b) Em observância ao princípio da impessoalidade, a Administração não pode atuar com vistas a prejudicar ou beneficiar pessoas determinadas, vez que é

Este trabalho buscou, através de pesquisa de campo, estudar o efeito de diferentes alternativas de adubações de cobertura, quanto ao tipo de adubo e época de

4 - Valores da Refl ectância Bidirecional (em fração, de 0 a 1) versus o comprimento de onda central da banda obtidos para a vegetação na imagem sem correção atmosférica e

devidamente assinadas, não sendo aceito, em hipótese alguma, inscrições após o Congresso Técnico; b) os atestados médicos dos alunos participantes; c) uma lista geral

Assim, este projeto de intervenção tem como objetivo planejar ações de implantação da Estratégia de Saúde da Família na Unidade de Atenção Básica Ana Mafra Aguiar do

17 CORTE IDH. Caso Castañeda Gutman vs.. restrição ao lançamento de uma candidatura a cargo político pode demandar o enfrentamento de temas de ordem histórica, social e política