CONSELHO MARVILENSE REÚNE 44 REPRESENTANTES

Texto

(1)

2015

DEZEMBR

O

Nº 121

Mensal - Ano 10

REVISTA DA JUNT

A DE FREGUESIA

(2)

FICHA TÉCNICA

Facebook: www.facebook.com/conselhomarvilense Website: www.jf-marvila.pt

Mensal - Ano 10 - n.º 121 Dezembro de 2015

Diretor: Belarmino Ferreira Silva

Propriedade: Junta de Freguesia de Marvila Avenida João Paulo II, lote 526, 1.º A 1950-159 Lisboa – Telefone: 218 310 350 Fax: 218 310 359

Site: www.jf-marvila.pt

Facebook: www.facebook.com/conselhomarvilense

E-mail: comunicacao@jf-marvila.pt

(divulgação de iniciativas, atividades e assuntos relativos à revista)

info@jf-marvila.pt (outros assuntos) Depósito Legal: 237649/06 Tiragem: 17.500 exemplares Redação e Produção Gráfica: Grafe Publicidade, Lda.

Impressão: GRAFISOL – Artes Gráficas, Lda.

A Revista de Marvila usa o novo Acordo Ortográfico

editorial

sumário

Aconteceu

• Uma caminhada pela diferença

3

Ação Social

• Cabazes de Natal distribuídos às famílias

4

• Escolas de Marvila recebem a magia do Natal

5

• Um feliz 2016 para os seniores

6

• Ginástica e hidroginástica em Marvila

7

• Entrevista à vogal Isabel Fraga

7

Cultura

• Entrevista ao vogal Joaquim Cerqueira Brito

8

Desporto

• Corridas contagiam o Condado

com sorrisos

9

Institucional

• Noite de Fados solidária anima a Mitra

10

• Contra-Senso sem espaço para ensaiar

10

• Recomendação

11

• Conselho Marvilense reúne 44 representantes

12

Melhorar Marvila

• Obras na rotunda Infante D. Henrique concluídas

13

Voz Ativa

• Grupo Janz celebra 100 anos

14

Um ano

com mais esperança

O ano de 2015 foi para muitos marvilenses um ano difícil. Por esse motivo, a Junta de Freguesia de Marvila procurou cumprir o seu papel no que diz respeito aos apoios sociais, correspondendo às necessidades dos seus fregueses. Foram muitas as famílias marvilenses que contaram com partilha e solidariedade da comunidade em diferentes iniciativas. Neste Natal, por exem-plo, o pelouro de Ação Social distribuiu duas centenas de Cabazes de Natal e brinquedos por famílias carenciadas, proporcionando uma época festiva mais aprazível e com mais alegria. E porque a nossa prioridade continuam a ser as pessoas, neste novo ano iremos continuar a trabalhar arduamente para melhorar a vida de todos, sem execeção. Assim sendo, é com confiança no futuro que em meu nome e do executivo da Junta desejo a todos os marvilenses um bom ano de 2016.

(3)

P

romover a mobilidade e o desporto é um dos objetivos do programa Marvila em Movimento da Junta de Freguesia de Marvila. No entanto, as causas sociais e as pessoas não deixam de ser uma prioridade na execução das atividades promo-vidas pela Junta de Freguesia. Nesse sentido, o pelouro de Desporto e Juventude organizou a 1ª Grande Cami-nhada Solidária, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, da Fundação Benfica e da Escola Secundária D. Dinis.

A inscrição nesta atividade exigia a entrega de 1 kg/litro de um bem alimentar não perecível, por pessoa, que revertia para a ACRAS - Associação Cristã de Reinserção e Apoio Social, sedeada na freguesia. Com base neste espírito solidário da comunidade marvilense que a Junta de Freguesia recebeu mais de 200 inscrições, contando com a participação de diversas instituições que se mostraram dispostas a ajudar nesta causa.

A atividade teve como exercício inicial uma aula de Zumba,

ministrada por Vanessa Ferreira, que proporcionou uma forma alegre e divertida de aquecer antes da caminhada. Durante o percurso de 3,8 quilómetros, foi notória a cola-boração e a envolvência do Grupo de Voluntários da Junta de Freguesia de Marvila e dos alunos do Curso Profissional de Desporto da Escola Secundária D. Dinis que participaram na organização desta iniciativa solidária. Foi grande o espíri-to de entreajuda e a motivação das mais de duas centenas de marvilenses que caminharam até à meta na Rua Luiz Pacheco, no Bairro das Amendoeiras.

No final os participantes tiveram direito a recuperar forças desta atividade física com uma peça de fruta e água. Os membros do executivo também participaram nesta caminhada, nomeadamente o vogal do Desporto e Juventude, Vítor Morais, que ficou satisfeito pela par-ticipação e espírito de solidariedade da comunidade. O Coordenador do Desporto, Ricardo Ribeiro, acrescentou ainda que “esta não será uma caminhada isolada, e que é intenção tornar esta atividade mais regular”.

1ª Grande Caminhada Solidária

Uma caminhada pela diferença

Desporto

• Corridas contagiam o Condado

com sorrisos

9

Institucional

• Noite de Fados solidária anima a Mitra

10

• Contra-Senso sem espaço para ensaiar

10

• Recomendação

11

• Conselho Marvilense reúne 44 representantes

12

Melhorar Marvila

• Obras na rotunda Infante D. Henrique concluídas

13

Voz Ativa

• Grupo Janz celebra 100 anos

14

(4)

ação

social

Natal solidário

Cabazes de Natal distribuídos às famílias

O

Natal é uma época de solidariedade e partilha, porém para a Junta de Freguesia de Marvila o apoio e ajuda social não se resume, só a esta altura do ano. No seu plano de ação as preo-cupações de ordem social transpõem-se para lá deste período, sendo efetuadas diversas iniciativas e apoios ao longo de todo ano. Contudo e porque a época de Natal é sentida de uma forma especial, principalmente pelos mais novos, o pelouro da Ação Social à semelhança de anos anteriores reuniu cerca de duas centenas de cabazes alimentares para distribuir por diversas famílias carencia-das da nossa freguesia.

Numa ação que decorreu ao longo do mês de dezembro, o pelouro de Ação Social mobilizou equipas de colabo-radores para preparar e distribuir cabazes alimentares pelos vários bairros da freguesia. A vogal do pelouro,

(5)

ação

social

Pai Natal e o Comilão nas Escolas

Escolas de Marvila recebem a magia do Natal

E

ste Natal, a Junta de Freguesia de Marvila lançou um desafio ao Pai Natal. Antecipar o dia 25 de dezembro e percorrer todas as escolas e jardins de infância da nossa freguesia para desejar um Bom Natal e entregar uma pequena lembrança aos mais pequenos. Ajudado pela equipa técnica do Projeto Inter-vir e acompanhado pelo Comilão, o Pai Natal nos dias 15 e 16 de dezembro não teve mãos a medir.

Estas duas personagens do universo infantil fizeram as delícias de milhares de crianças e profissionais de educação que receberam com grande entusiasmo esta iniciativa. Numa visita única fizeram também uma passagem pela Escola Secundária D. Dinis, onde foram acompanhados pelo presidente da Junta de Freguesia de Marvila,

Belarmino Silva, o vogal de Economia e Sociedade, António Alves, e a vogal da Educação, Isabel Fraga. Na visita à Escola Secundária, estavam as crianças da Escola Básica 1 Luiza Neto Jorge ansiosas pela chegada do Pai Natal, que distribuiu os presentes da Junta e livros infantis, iniciativa da Fundação Benfica, fruto de uma co-laboração com a Porto Editora. No auditório membros do executivo e da Fundação entregaram os livros e lem-branças às educadoras de infância e desejaram um Feliz Natal aos presentes.

(6)

Visita aos Lares e Centros de Dia

Um feliz 2016 para os seniores

A

Junta de Freguesia de Marvila visitou no dia 29 de dezembro de 2015, os Lares e Centros de Dia da freguesia da Marvila distribuindo bolo-rei e lendo um pequeno poema. Desta forma, o exe-cutivo representado pela vogal responsável pelo pelouro de Ação Social, Isabel Fraga, e as técnicas de ação social, desejaram a todos os idosos uma boa passagem de ano e um ótimo 2016.

Esta visita insere-se num contexto de preocupação so-cial a Junta de Freguesia procura dar resposta a algumas situações que são acompanhadas de perto pela equipa de ação social e em que as famílias muitas vezes não conseguem corresponder ao desejado, nomeadamente por motivos financeiros, e encaminham estes marvilen-ses para instituições geriátricas.

Neste sentido, e em conjunto com todos aqueles que trabalham nestes centros e que todos os dias prestam os seus serviços para fazer a vida destas pessoas melhor, o pelouro de Ação Social visitou as seguintes instituições: a Associação de Apoio Social da Portugal Telecom, a MITRA – Polo de Inovação Social, a Residência e Centro de Dia Qta. das Flores, a Mansão Santa Maria de Marvila, a Centro Desenvolvimento Comunitário do Bairro da

Flamenga, a Centro Desenvolvimento Comunitário do Bairro dos Lóios, Centro Social Cultural Santa Beatriz, a Associação Social Evangélica e Centro Social Paroquial S. Maximiliano Kolbe.

No final das visitas a vogal da Ação Social afirmou que “estas visitas aos Lares e Centros de Dia são muito impor-tantes para estas pessoas porque lhes trazem um pouco mais de ânimo ao seu dia a dia e alegria de viver num próximo ano”.

ação

(7)

ação

social

Ação Social

Ginástica e hidroginástica em Marvila

Entrevista à

vogal Isabel Fraga

A

atividade física acompanhada pelo convívio que é natural ao desporto são essenciais para a ma-nutenção de uma boa saúde física e mental. Nesse sentido, o pelouro da Ação Social, cum-prindo aquele que é o seu plano de ação, disponibilizou uma vez mais aulas de ginástica e hidroginástica para os marvilenses.

As aulas de ginástica estão a ser disponibilizadas desde do dia 2 de novembro no Salão de Festas do Vale Fundão em dois horários diferentes - terças e quintas-feiras das 10h às 11h e das 18h às 19h - sendo as mesmas da responsabili-dade do professor Nuno Caria. No caso da hidroginástica as aulas são ministradas nas Piscinas Municipais do Vale Fundão, em Marvila - segundas e quartas-feiras das 14h às 14h45 - em duas turmas diferentes, sendo as aulas da-das pela professora Ana Filipa Gorgueira e pelo professor David Baião. No entanto, uma das turmas está completa. As aulas vêm ao encontro de uma necessidade crescen-te na nossa freguesia por escrescen-te tipo de atividades, muitas vezes recomendadas pelos médicos de família e que são disponibilizadas a um público tendencialmente sénior e com baixos rendimentos. Para o Coordenador do Des-porto da Junta de Freguesia de Marvila, Ricardo Ribeiro, “estas atividades apesar de inseridas na Ação Social não deixam de ser manifestamente importantes pela

promo-ção da prática do exercício físico e do desporto, como forma de criar hábitos de vida saudáveis e de combater o isolamento sénior”.

D

epois de quase três meses de aulas de ginásti-ca e hidroginástiginásti-ca, a revista de Marvila foi falar com a vogal da Ação Social da Junta de Fre-guesia de Marvila, Isabel Fraga, e saber quais as razões, os benefícios e os resultados destas aulas.

Revista de Marvila (RM) - Qual a razão para implemen-tação destas aulas na freguesia de Marvila?

Isabel Fraga (IF) - O pelouro da Ação Social ao oferecer estas aulas procurou uma forma de promover um con-junto de atividades que fossem benéficas para a saúde e bem-estar dos marvilenses, mas acima de tudo para todos aqueles que por razões económicas não teriam hipótese de frequentar aulas deste género.

RM - Qual é a faixa etária indicada para estas aulas? IF - As aulas de ginástica e hidroginástica são destina-das a qualquer pessoa que queira ter hábitos de vida

saudável ou que goste de praticar exercício. Destinam--se sobretudo a um público com mais de 45 anos e que apresente baixos rendimentos. De qualquer forma, e apesar de desporto, estas atividades têm um cariz social ao serem fornecidas pela Junta de Freguesia por um valor residual.

RM - Que opiniões tem tido em relação a estas ativi-dades?

IF - Estas aulas tem sido um sucesso, prova disso é o número de inscritos. Neste momento temos muitos alu-nos a frequentar, que elogiam imenso a iniciativa e estão muito satisfeitos com os professores.

(8)

Entrevista ao

vogal Joaquim Cerqueira Brito

U

m ano depois de abraçar o pelouro da Cultura, Joaquim Cerqueira Brito, concede uma entre-vista à Reentre-vista de Marvila e faz o balanço daquilo que foram as principais atividades do seu pelou-ro e as suas espectativas em relação ao futupelou-ro da Cultura na Junta de Freguesia de Marvila.

Revista de Marvila (RM) - Há cerca de um ano passou a integrar o executivo e assumiu a pasta da Cultura. Quais foram as dificuldades que sentiu nesse processo? Joaquim Brito (JB) - Não posso dizer que tenha tido di-ficuldades, este executivo funciona como uma equipa. Os meus colegas foram extraordinários e deram-me um apoio incondicional desde do primeiro momento. Aliás todas as atividades realizadas pelo pelouro da Cultura, em 2015, contaram com o empenho de toda a equipa. Mesmo da parte das instituições tem havido sempre um carinho muito especial e muito empenho na colabora-ção com a Junta.

RM - O que esperava encontrar quando abraçou este pelouro?

JB - Quando abracei o pelouro da Cultura da Junta de Freguesia de Marvila, eu sabia que ia dar continuida-de a um bom trabalho que já vinha sendo continuida-desenvolvido.

No fundo, essa foi a minha prioridade, tendo a perfeita no-ção de que seria necessário introduzir pequenas alterações. RM - Que alterações foram essas?

JB - Nós, no ano de 2015, introduzimos um novo sistema de apoios às instituições. No decorrer da nossa atividade fomentamos as parcerias e realizamos protocolos com as instituições. Este foi especial para nós. Foi o ano do Marvila dos Sabores, o evento que envolveu as institui-ções da freguesia e que mobilizou efetivamente a fre-guesia e os milhares de marvilenses que passaram pelo recinto. Neste ano teve pela primeira vez a presença das Casas Regionais, que representaram muitas regiões do país com a venda dos seus produtos e com as atuações dos seus grupos. Com a consciência de que Marvila é uma freguesia multicultural, Marvila dos Sabores foi isso mesmo, foi um evento multicultural de que nos pode-mos orgulhar por ser um dos maiores eventos do género na cidade de Lisboa. Partindo da iniciativa das instituições mas com o apoio da Junta podemos ainda destacar das atividades deste ano: o Castro Daire Abraça Lisboa, a Festa da Amizade, os concertos da ACULMA, os vários espetáculos do grupo de Teatro Contra-Senso e muito outras atividades culturais que se foram realizando. O ano de 2015 foi francamente positivo mas para 2016 estamos a trabalhar para fazer mais e melhor.

RM - Quais são então as espectativas do pelouro para 2016 e os seus objetivos?

JB – No próximo ano vamos continuar com a linha de apoio às instituições e iremos celebrar protocolos com os organismos que se candidatem e que apresentem planos de atividades coerentes que envolvam a fregue-sia. Já estão a ser preparadas as comemorações do 25 de Abril, que irão adquirir uma importância redobrada e que terão como objetivo envolver os marvilenses e as instituições da freguesia. Para as noites de verão estão a ser planeadas algumas sessões de cinema ao ar livre. Está também a ser ponderada uma atividade que no fundo vai ao encontro de uma vontade que o grupo de Teatro Contra-Senso manifestou e que pressupõe a reali-zação de um Festival de Teatro Amador. Portanto, a esta altura temos várias iniciativas a serem planificadas, que em conjunto com as instituições marvilenses, irão pro-porcionar a todos um ano de 2016 com uma diversificada atividade cultural. É com essa garantia, que eu gostaria de desejar a todos um bom ano de 2016 e ambicionar que neste novo ano se envolvam ainda mais nas atividades da freguesia.

(9)

desporto

Marvila em Movimento

Corridas contagiam o Condado com sorrisos

N

o dia 27 de novembro cerca de 120 crianças do 1º Ciclo de diversas escolas marvilenses par-ticiparam na Festa da Corrida D. Dinis Marvila pelas ruas do Bairro do Condado. Esta iniciativa resulta da parceria entre o programa Marvila em Movi-mento, do Pelouro do Desporto da Junta de Freguesia de Marvila e a Escola Secundária D. Dinis, que pretendeu transmitir aos mais novos o gosto pela prática desportiva. A organização conseguida pelos cerca de 50 alunos do Curso Profissional de Desporto, pelos Professores de Educação Física responsáveis pelo grupo e pelo Coor-denador do Desporto da Junta de Freguesia, Ricardo Ribeiro, comprovou que a parceria existente é um sucesso. Durante toda a manhã foram diversas as crianças que di-vidas por escalões correram e participaram nas atividades desportivas. Antes mesmo da corrida, Vanessa Ferreira, cara conhecida dos marvilenses, proporcionou uma aula de Zumba, de forma de aquecer os mais pequenos e pre-pará-los para a atividade física mais exigente.

No evento estiveram presentes o presidente da Junta de Freguesia de Marvila, diversos elementos do executivo e o vereador do Desporto da Câmara Municipal de Lisboa,

(10)

O

Grupo de Teatro Cultural Contra-Senso, sedea-do em Marvila, está neste momento sem espaço para realizar os seus ensaios. O espaço até aqui utilizado, localizado no Bairro da Flamenga, encontra-se em obras, não estando neste momento nenhum espaço disponível para o grupo realizar as suas atividades.

Este grupo marvilense possui uma longa história de pro-ximidade à freguesia, datando a sua fundação de Julho de 1997. Criado no seio da Escola Secundária D. Dinis, também na nossa freguesia, foi aí que os seus fundadores começaram a dar os primeiros passos nas artes cénicas. Desde então o grupo cresceu e afirmou-se como uma importante entidade cultural, levando o nome de

Marvila mais longe. Ao longo do seu historial foram várias as peças que encenaram, procurando sempre envolver a comunidade.

Face a esta situação, o Conselho Marvilense reunido no dia 21 de novembro decidiu elaborar uma recomenda-ção para que as obras se processem no menor tempo possível, sendo posteriormente apresentada em Assem-bleia de Freguesia (AF) e assinada por todas bancadas (ver página seguinte).

Na sessão da AF de 21 de dezembro o presidente da Jun-ta de Freguesia de Marvila, Belarmino Silva, afirmou que não seriam estas obras a impedir o Teatro Contra-Senso de ensaiar e que faria o possível para disponibilizar um espaço temporário para a realização dos ensaios.

Sociedade Musical 3 d’Agosto 1885

Noite de Fados solidária anima a Mitra

Teatro

Contra-Senso sem espaço para ensaiar

N

o dia 12 de Dezembro a Sociedade Musical 3 d’Agosto de 1885 organizou, nas instalações da Mitra - Polo de Inovação Social, um noite de Fados solidária. A sessão tinha por objeti-vo a angariação de fundos para doentes oncológicos da APLAS - Associação Princesa Leonor Aceita e Sorri. A colaboração da Sociedade com a APLAS não foi a

(11)

Recomendação

institucional

Enquanto cidadãos com responsabilidades na Freguesia de Marvila é nossa obrigação fazer o que nos for possível para que a criação cultura e o usufruto da cultura tenham importância na nossa comunidade.

O Grupo de Teatro Cultura Contra-Senso é um grupo de teatro amador, sem fins, lucrativos, fundado oficialmente a 9 de Julho de 1997.

O Contra-Senso tem raízes na Escola Secundária D. Dinis, onde os membros fundadores, alguns dos quais ainda em actividade, deram os primeiros passos na arte de Talma, no Grupo de Teatro D. Dinis.

Desde então o grupo cresceu e afirmou-se, experimentando vários géneros, desde o drama à comédia, passando pela performance até ao musical.

Acrescentamos: é um grupo de Teatro que honra Marvila, de que os Marvilenses gostam pelo reconhecimento do seu trabalho para a comunidade e que tem divulgado a nossa Freguesia nas digressões pelo País.

No passado dia 21 de Novembro o Conselho Marvilense aprovou, por unanimidade e aclamação, uma recomendação no sentido de que a Junta de Freguesia, por intermédio do seu Presidente, pudesse expressar a preocupação colec-tiva das várias entidades de Marvila face à ausência de um espaço para ensaios e espectáculos do referido grupo, em função da actual situação do Espaço Municipal da Flamenga, utilizado por aquele Grupo desde há 15 anos.

Reconhecendo embora a necessidade de obras no referido espaço, a Assembleia de Freguesia de Marvila, em reunião ordinária de 21 de Dezembro, recomenda ao Senhor Presidente da Assembleia de Freguesia que acrescente às dili-gências do Presidente do Executivo junto do Senhor Vereador responsável esta nossa recomendação no sentido de que as obras possam ser concluídas no mais curto espaço de tempo possível.

Solicita também o favor de que esta moção possa ser enviada não só ao Senhor Vereador João Afonso mas também ao Senhor Presidente Fernando Medina.

Marvila, 21 de Dezembro de 2015

Higiene Urbana

Novo Motocão em Marvila

(12)

Reunião

Conselho Marvilense reúne 44 representantes

N

o dia 21 de novembro o Salão de Festas do Vale Fundão recebeu 44 instituições parceiras do Conselho Marvilense (CM) para a 4ª Reu-nião Ordinária. Durante a manhã o Jurista, Dr. Alberto Horta conduziu um seminário, sobre a in-terpretação e enquadramento da legislação vigente, relacionado com os apoios financeiros e logísticos. O jurista procurou esclarecer as capacidades e responsa-bilidades legais do poder autárquico. Depois de uma pau-sa para café, os representantes das instituições tiveram oportunidade de intervir e apresentar algumas questões sobre os mecanismos de planificação e de organização das suas instituições. O jurista respondeu às questões colocadas e fez um enfoque para a necessidade de apre-sentarem um plano anual de atividades de forma a poder ser enquadrado em termos orçamentais da junta.

Durante a tarde foi concedido um esclarecimento por parte dos membros do executivo da Junta de Freguesia de Marvila, nomeadamente o presidente, Belarmino Silva, e o vogal da Economia e Sociedade, António Alves, sobre as formas e as modalidades que a Junta dispõe para prestar apoio às instituições, reforçando que estas só poderão ocorrer se fizerem parte do Orçamento, daí a necessidade de elaborarem e entregarem o Plano de Ati-vidades. O vogal da Cultura Joaquim Cerqueira Brito que falou da necessidade dos parceiros do CM organizarem os eventos de forma concertada sem sobreposição de datas, voltando a reforçar a necessidade do planeamento das atividades.

Manuel Saraiva, representante da bancada do Partido So-cialista na Assembleia de Freguesia, sugeriu ao Executivo da Junta de Freguesia a criação de um documento com a informação necessária para cada instituição entregar os documentos contabilísticos, de forma a normalizar e facilitar o processo de candidatura a apoios, sugestão

prontamente aceite pelo vogal António Alves.

Nesta reunião foram mencionadas as horas de volunta-riado que muitos dos dirigentes das instituições ofere-cem e estas horas devem por isso ser contabilizadas no índice de esforço de cada instituição. Nesta reunião foi também mencionada a complicada situação do grupo de teatro marvilense Contra-Senso, que perdeu recente-mente o seu espaço de ensaios no Bairro da Flamenga e que se vê agora confrontado com a necessidade de ter uma nova sala. Manuel Saraiva pediu à sala para este fazer uma recomendação à Assembleia de Freguesia de Marvi-la, onde evidenciasse a preocupação da CM para com o grupo de Teatro. Face à atual situação do Espaço Munici-pal da Flamenga, o Conselho decidiu por unanimidade e aclamação a sua aprovação. José Alexandre, Presidente do Assembleia de Freguesia, ofereceu-se para entregar o documento na Assembleia Municipal, onde é deputado. O vogal da Cultura da Junta de Freguesia de Marvila par-tilhou com os presentes o plano de atividades do pelouro da cultura para o ano de 2016, onde se destacam as co-memorações de Abril. O vogal da Cultura referiu ainda a necessidade de Marvila realizar um Congresso, tendo em vista o desenvolvimento Cultural, Social e Económico da freguesia. Na sessão também, o coordenador do Despor-to, Ricardo Ribeiro, fez uma apresentação com o tema - Marvila o Associativismo e o Futuro - onde partilhou com os presentes o plano anual de atividades do pelouro do Desporto e Juventude, a cooperação deste Pelouro com CML para as Olisipíadas e as obras nos equipamentos desportivos programadas para 2016.

O vereador do Desporto da Câmara Municipal de Lisboa, Jorge Máximo, aproveitou a ocasião para congratular a continuidade do CM, do qual foi responsável no manda-to anterior e convidou manda-todos os presentes a participar na segunda edição das Olísipiadas, motivando os jovens a participar nestes jogos da cidade de Lisboa. O vereador partilhou com os presentes e referiu que o momento mais marcante das Olisipiadas 2015 foi ver a alegria na cara das crianças quando receberam os prémios de vencedores e de participação, sendo esta a imagem que o motiva a continuar este projeto, de formação cívica e desportiva. No final desta reunião, o vogal António Alves, responsável pela gestão do CM, mostrou-se bastante satisfeito com o desenvolvimento desta reunião e com a participação ativa das instituições de Marvila. O vogal assinalou ainda que foi alcançado um valor recorde em termos de ins-tituições participantes, motivos mais do que suficientes para acreditar na importância destas reuniões para a freguesia.

(13)

melhorar

marvila

A

s obras de reformulação, reperfilamento e de semaforização da Rotunda localizada na inter-seção da Avenida Infante D. Henrique com a Avenida Marechal Spínola estão concluídas. A intervenção iniciada no dia 5 de outubro ficou concluí-da em 2 meses, como tinha sido previsto.

Depois de efetuado um estudo profundo sobre a elevada sinistralidade rodoviária, chegou-se à conclusão de que a grande maioria dos acidentes seriam provocados pelo o excesso de velocidade na aproximação à interseção e por desrespeito das travessias de peões. Nesse sentido, os técnicos especialistas apontaram como melhor solu-ção a semaforizasolu-ção, prevendo a conclusão da mesma

para Fevereiro, promovendo a segurança de todos os veículos e peões.

Estas obras foram diversas vezes reivindicadas por ele-mentos do executivo, que fizeram uso das reuniões des-centralizadas da Câmara Municipal de Lisboa em Marvila e no Beato, para aludir à necessidade desta intervenção. As inovações introduzidas nesta via efetivam segurança para todos os aqueles que diariamente utilizam esta rotunda, nomeadamente para os marvilenses. Nas pa-lavras do vogal do Espaço Público, Segurança e Mobili-dade, Vítor Simões, “esta obra é de extrema importância para Marvila porque conferiu uma maior segurança nesta via tão utilizada pelos marvilenses”.

Espaço Público

(14)

O

grupo empresarial da família Janz, presente em Marvila à largas décadas, celebrou no ano de 2015 os seus 100 anos de história. No dia 26 de novembro realizou-se na sua sede uma cerimó-nia do Centenário com colaboradores, clientes, amigos e família. Pioneiro na certificação dos primeiros contadores da energia elétrica em Portugal, Grupo Janz teve desde da sua fundação sérias preocupações de índole social. A Janz foi uma das primeiras empresas industriais em Portugal a ter flexibilidade de horário alargado, um refeitório gratui-to, um serviço médico preventivo permanente, seguros de acidentes pessoais e de vida, formação profissional e académica e uma associação com Creche, Jardim de

Infância e 1º ciclo. A Associação Ester Janz, também sedeada em Marvila, foi fundada em 1982 e teve como objetivo acolher os filhos dos colaboradores do Grupo Janz e só mais tarde as crianças da comunidade envolvente. Pela rea-firmação de alguns destes valores instituídos e pelo seu contributo meritório na comunidade envolvente, a Junta de Freguesia de Marvila felicita o Grupo Janz pelo seu Centenário.

N

o dia 9 de dezembro de 2015 faleceu Fernando Gomes Ka, cuja ação como dirigente associativo de uma das mais antigas associações de imigrantes sedeada em Marvila, a Associação Guineense de Solidariedade Social, atualmente conhecida como Aguinenso, merece o apreço e o respeito por todos os marvilenses. Nascido em 10 de setembro de 1953 na Guiné, foi desde sempre um cidadão português, que nunca rene-gou a sua condição de guineense. Por essa razão, dedicou a sua vida à luta dos emigrantes, sendo um dos fundadores e o rosto até hoje da Aguinenso, sedeada na nossa freguesia e fundada a 17 de Fevereiro de 1987. Fernando Ka foi deputado na VI Legislatura, entre 4 de novembro de 1991 e 26 de outubro de 1995, intervindo em debates sobre a situação e os direitos dos imigrantes. Esteve envolvido desde cedo no movimento social internacional – como presi-dente da Aguinenso ou líder comunitário. Pelo trabalho desenvolvido em prol dos direitos dos imigrantes e de todos os cidadãos sem discriminações, a Junta de Freguesia de Marvila faz uso deste espaço para lhe prestar a homenagem, exercer um voto de pesar pelo seu falecimento e expressar os seus pêsames à família e à Aguinenso.

N

o dia 17 de outubro de 2015 faleceu Edmundo José Martins, com 81 anos de idade. Alicerce da história do Clube Oriental de Lisboa (COL), Edmundo foi guarda-redes da equipa do Oriental entre 1952 e 1971, onde contabilizou no seu currículo duas subidas à 1ª Divisão Nacional (1952/1953 e 1955/1956). Mesmo depois de terminar a sua carreira de futebolista, José Martins foi treinador principal da mítica formação orientalista que em 1972/1973 garantiu a última ascensão do Oriental ao maior escalão do futebol nacional. Durante a sua vida, pro-curou estar sempre ligado ao clube tornando-se um símbolo muito importante das mais gloriosas páginas da história do COL e de Marvila. Por essa razão, a Junta de Freguesia de Marvila faz também uso deste espaço para prestar uma homenagem a Edmundo José Martins, exercer o voto de pesar pelo seu falecimento e expressar os seus pêsames à família e ao Clube Oriental de Lisboa.

Voto de Pesar a

Fernando Gomes Ka

Centenário

Grupo Janz celebra 100 anos

Voto de Pesar a

Edmundo José Martins

voz

(15)

o nosso

executivo

MANDATO 2013-2017

Belarmino Silva Presidente Atendimento ao público 2.ª feira das 15h30 às 17h30* Coordenação dos Pelouros,

Administração e Funcionamento, Relações Institucionais, Comunicação Institucional, Urbanismo e Património Vítor Morais Vogal Desporto e Juventude Atendimento ao público 4.ª feira das 17h30 às 19h30*

Joaquim Cerqueira Brito

Vogal Cultura Atendimento ao público 3.ª feira das 15h30 às 17h30* António Alves Vogal Substituição do Presidente, Gestão Orçamental e Financeira, Economia e Sociedade (C.Marvilense) e Habitação; Atendimento ao público 5.ª feira das 10h00 às 12h00* Isabel Fraga Secretário

Ação Social, Saúde, Educação, Conselho Educativo, Projeto Intervir, Organização Interna e CPCJ Atendimento ao público 6.ª feira das 14h30 às 16h30*

antonio.alves@jf-marvila.pt isabel.fraga@jf-marvila.pt vitor.simoes@jf-marvila.pt

Vítor Simões Tesoureiro Espaço Público, Segurança e Mobilidade Atendimento ao público 5.ª feira das 16h00 às 18h00* vitor.morais@jf-marvila.pt joaquim.brito@jf-marvila.pt Miguel Ferreira Vogal

Espaços Verdes, Ambiente e Higiene Urbana Atendimento ao público 4.ª feira das 16h00 às 18h00*

miguel.ferreira@jf-marvila.pt *Por marcação prévia

Assuntos relativos à revista envie um e-mail para comunicacao@jf-marvila.pt

Facebook: www.facebook.com/conselhomarvilense Website: www.jf-marvila.pt

SERVIÇOS PÚBLICOS

EPAL (Assistência Domiciliária) - Tel.: 800 201 101 EPAL (Roturas) - Tel.: 800 201 600

EDP (Fugas de gás) - Tel.: 218 685 309 Intoxicações - Tel.: 217 950 143 Linha Vida - Tel.: 1414 (gratuita) SOS Voz Amiga - Tel.: 213 544 545 B.S. Bombeiros - Tel.: 213 422 222

Loja do Cidadão de Marvila - Tel.: 707 241 107

ATENDIMENTO SOCIAL

Serviço de Ação Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Praça José Queiroz, 1, Piso 3

Edifício Entreposto - Tel.: 218 554 100

ATENDIMENTOS

Horário de funcionamento da Junta: Das 9h30 às 17h30 de segunda a sexta-feira Horário de funcionamento da Tesouraria: Das 9h30 às 17h de segunda a sexta-feira Horário de licenciamento de canídeos: Das 11h às 17h

Apoio Ação Social Dr.ª Elisabete Ribeiro

Av. João Paulo II, Lote 526 - 1º A 1950-159 Lisboa

Terças, das 10h00 às 13h00 (Marcações pelo Tel.: 218 310 350)

in

formaç

ões úteis

MARVILA SAÚDE

INSCRIÇÕES PARA CONSULTAS:

TODAS AS SEGUNDAS DE TARDE, ENTRE AS 14H E AS 17H30 E ÀS QUINTAS DE MANHÃ,

DAS 10H ÀS 13H FAZENDO-SE ACOMPANHAR DA DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA.

(16)

eventos

XI ENCONTRO DE TOCADORES DE CONCERTINAS

15h00

Salão de Festas do Vale Fundão

Tel.: 218 310 350 • e-mail: info@jf-marvila.pt

dia

31

CONCERTO DE ANO NOVO

15h00

Igreja de S. Maximiliano de Kolbe

Tel.: 218 310 350 • e-mail: info@jf-marvila.pt

dia

10

iniciativas

da

freguesia

JAN

2016

Inscrições na Sociedade Musical 3 D'Agosto de 1885

Rua de Marvila, 34 - Porta 6 - Palácio Marquês de Abrantes - 1900-200 Lisboa Horário: Segunda a Sexta das 18h às 22h. Sábado e Domingo das 12h às 22h.

MARCHA DE

MARVILA

Inscrições

de

04

a

29

de janeiro

MARCHA

Imagem

Referências

temas relacionados :