• Nenhum resultado encontrado

Lembrem-se e não se esqueçam

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2022

Share "Lembrem-se e não se esqueçam"

Copied!
7
0
0

Texto

(1)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Lição 10 27 de novembro a 03 de dezembro

Lembrem-se e não se esqueçam

Sábado à tarde Ano Bíblico: 2Co 5-7

VERSO PARA MEMORIZAR: “Lembrem-se e não se esqueçam de como no deserto vocês provocaram o Senhor à ira. Desde o dia em que saíram do Egito até que chegaram a este lugar, vocês foram rebeldes contra o Senhor” (Dt 9:7).

L E I T U R AS D A S E M AN A:

Gn 9:8-17; Dt 4:32-39; Ap 14:12; Dt 4:9, 23; 6:7; 8:7-18; Ef 2:8-13

Duas palavras estão presentes em toda a Bíblia: lembrar e esquecer. Ambas se referem a algo humano, que acontece na mente. São verbos e são opostos: lembrar é não se esquecer, e esquecer é não se lembrar.

Com frequência Deus diz a Seu povo para se lembrar de todas as coisas que Ele fez por Seus filhos; lembrar- se de Sua graça e bondade para com Seu povo. Grande parte do AT consiste na exortação dos profetas ao povo hebreu para que não se esquecesse do que o Senhor tinha feito por ele. Mas também, o mais importante, os israelitas não deveriam se esquecer de qual era seu chamado no Senhor e de que tipo de povo deveriam ser em resposta a esse chamado. “Recordarei os feitos do Senhor; certamente me lembrarei das Tuas maravilhas da antiguidade” (Sl 77:11).

É diferente para nós hoje, tanto no âmbito coletivo quanto no pessoal? É muito fácil se esquecer o que Deus fez por nós.

Nesta semana, conforme expresso em Deuteronômio, veremos esse importante princípio de lembrar e não se esquecer da atuação divina em nossa vida.

(2)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Domingo, 28 de novembro Ano Bíblico: 2Co 8-10

Lembrando o arco-íris

A palavra “lembrar” aparece pela primeira vez na Bíblia em Gênesis 9, quando, após o dilúvio, o Senhor disse a Noé que colocaria o arco- íris no céu como sinal de Sua aliança com toda a Terra, de que Ele nunca mais a destruiria com um dilúvio.

1. Leia Gênesis 9:8-17. Como a palavra “lembrar” é usada aqui? O que podemos aprender com isso?

Deus não precisa do arco-íris para Se lembrar de Sua promessa e aliança. Ele apenas falou em linguagem que os humanos entendessem. O propósito do arco-íris é nos lembrar da promessa e aliança de não destruir o mundo novamente com água. Ele ajudaria as pessoas a se lembrar da aliança especial. Sempre que surge o arco-íris, o povo de Deus se lembra não apenas do juízo sobre o mundo por seus pecados, mas também de Seu amor pelo mundo e de Sua promessa de não o inundar novamente.

Portanto, vemos a importância de lembrar das promessas divinas, das advertências e da ação de Deus no mundo.

O arco-íris no céu se torna ainda mais importante hoje quando, com base na continuidade das leis da natureza, muitos cientistas rejeitam a ideia de que já houve um dilúvio mundial. É fascinante que Ellen G. White tenha escrito que, antes do dilúvio, muitos tinham a ideia de que a continuidade das leis da natureza excluía a possibilidade de um dilúvio mundial. Ela escreveu que os sábios argumentavam que as leis da natureza “são tão firmemente estabelecidas que o próprio Deus não as pode mudar” (Patriarcas e Profetas, p. 97). Portanto, as pessoas diziam, com base nessas leis, que o dilúvio não poderia ocorrer; após o dilúvio, as pessoas argumentam, com base nessas mesmas leis, que ele nunca aconteceu.

No entanto, Deus em Sua Palavra nos falou sobre o dilúvio e deu ao mundo um sinal, não apenas desse acontecimento, mas de Sua promessa de não o trazer outra vez. Assim, se nos lembrarmos do que o arco-íris significa, podemos ter a garantia, escrita no céu em belas cores, de que a Palavra de Deus é certa. E se podemos confiar nisso, por que não confiar em tudo o mais que Ele nos diz?

Ao ver um arco-íris, pense nas promessas de Deus. Aprendemos a confiar nelas?

(3)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Segunda-feira, 29 de novembro Ano Bíblico: 2Co 11-13

Tempos passados

Em Deuteronômio 4, lemos as admoestações maravilhosas que o Senhor deu ao Seu povo por meio de Moisés a respeito de seus grandes privilégios como povo escolhido. Ele os resgatou do Egito “com provas, com sinais, com milagres, com lutas, com mão poderosa, com braço estendido e com feitos espantosos, segundo tudo o que o Senhor, seu Deus, fez por vocês no Egito, como vocês viram com os seus próprios olhos” (Dt 4:34). Em outras palavras, Deus não apenas fez maravilhas, mas as fez de modo a ajudá- los a se lembrar e a nunca esquecer esses grandes atos.

2. Leia Deuteronômio 4:32-39. O que o Senhor pediu que se lembrassem e por que isso era tão importante?

Moisés relembrou toda a história ao povo, desde a criação, e lhes indagou, de forma retórica, se em toda a história havia sido feito algo como o que foi feito por eles. Ele instruiu o povo a perguntar e analisar por si mesmo se havia acontecido antes algo como o que os israelitas experimentaram. Com alguns questionamentos, Moisés estava tentando fazer com que percebessem o que o Senhor havia feito por eles e, assim, em última instância, fazê-los reconhecer o quanto deveriam ser gratos por Seus atos maravilhosos.

A libertação do Egito era um fato central e, talvez, em certos aspectos, mais impressionante que esse evento tenha sido o fato de que Deus falou com o povo no Sinai, permitindo-lhe ouvir do meio do fogo as Suas palavras.

3. Leia Deuteronômio 4:40. A que conclusão Moisés queria que o povo chegasse a partir de tudo que Deus havia feito por eles?

O Senhor não fez todas essas coisas sem um propósito. Ele redimiu os israelitas, cumprindo Sua parte na aliança estabelecida com eles. Eles foram libertos do Egito e estavam prestes a entrar na terra prometida. Deus fez Sua parte; eles deviam fazer a sua, que era, simplesmente, obedecer.

Como esse modelo representa o plano da salvação expresso no NT? O que Jesus fez por nós e como devemos responder a isso? (Veja Ap 14:12.)

(4)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Terça-feira, 30 de novembro Ano Bíblico: Gl 1-3

Tenham cuidado para que não se esqueçam

4. Leia Deuteronômio 4:9, 23. O que o Senhor está dizendo ao povo que faça, e por que essa admoestação é tão importante para a nação?

Dois verbos dominam o início de ambos os versos: “tenham cuidado” e “não se esqueçam”. O que o Senhor lhes diz é: tome cuidado para não se esquecer. Ou seja, não se esqueça do que o Senhor fez por você nem da Sua aliança.

“Tomar cuidado” (hishmer) ocorre em todo o AT e significa “guardar”, “vigiar”, “preservar” e “proteger”.

Curiosamente, a primeira vez que tal expressão aparece nas Escrituras é antes mesmo do pecado, quando o Senhor disse a Adão para “guardar” o jardim que havia concedido a ele (Gn 2:15).

Na passagem acima, porém, o Senhor diz a cada um individualmente (o verbo está no singular) para se guardar, para não se esquecer. Isso não significa “esquecer” tanto no sentido de perder a memória (embora isso possa acontecer com o tempo e nas gerações posteriores), mas no sentido de ser negligente em relação às obrigações da aliança. Isto é, eles deveriam estar atentos sobre quem eram e o que isso significava em termos de como deveriam viver diante de Deus, dos outros hebreus, dos estrangeiros entre eles e diante das nações ao seu redor.

5. Leia Deuteronômio 4:9 (veja também Dt 6:7 e 11:19) e concentre-se na última parte. O que isso tem a ver com ajudá-los a não esquecer?

Depois que Moisés disse aos israelitas para não se esquecerem e não permitirem que essas coisas se afastassem “do seu coração”, não é coincidência ele lhes dizer também para ensiná-las às gerações seguintes.

Seus filhos não apenas deveriam ouvir, mas contar e recontar o que Deus tinha feito por eles, de modo que não se esquecessem. Haveria melhor maneira de preservar o conhecimento do que o Senhor faz por Seu povo?

Quando você fala sobre sua experiência com Deus, beneficia, além de você, os outros também? Como o relato da liderança de Deus o ajuda a não se esquecer da Sua direção?

(5)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Quarta-feira, 01 de dezembro Ano Bíblico: Gl 4-6

Alimentados, satisfeitos e ingratos

Um ex-líder da igreja, que trabalhou na Associação Geral dos Adventistas por 34 anos, contou que, ele e a esposa haviam perdido a bagagem num aeroporto. Ele disse: “Bem ali, perto da esteira de bagagens e em público, nos ajoelhamos e oramos, pedindo ao Senhor a devolução da bagagem perdida”. Muitos anos depois, aconteceu a mesma coisa: chegaram ao aeroporto, mas uma das malas não. Então, o líder disse à esposa:

“Não se preocupe, o seguro vai cobrir”.

6. Com essa história em mente, leia Deuteronômio 8:7-18. Que advertência o Senhor deu ao povo, e o que isso significa para nós hoje?

Veja o que a fidelidade dos israelitas ao Senhor lhes traria. Eles não apenas possuiriam uma terra maravilhosa e rica, em que não teriam escassez e em que não lhes faltaria nada (Dt 8:9), mas seriam extremamente abençoados ali com rebanhos, manadas, ouro, prata e belas casas. Ou seja, teriam todo o conforto material que esta vida oferece.

Mas e então? Eles enfrentariam o perigo que acompanha a riqueza e a prosperidade: esquecer que é o Senhor quem dá força para obter riquezas (Dt 8:18).

Talvez não no início, mas com o passar dos anos, quando tivessem todo conforto material que desejassem, eles se esqueceriam do passado, e de como o Senhor os havia conduzido por “aquele grande e terrível deserto”

(Dt 1:19): eles, de fato, pensariam que sua própria inteligência e talentos fossem a causa de todo o seu sucesso.

O Senhor os estava advertindo contra esse perigo (Infelizmente, quando lemos os profetas posteriores, vemos que foi isso que aconteceu com eles.)

Assim, em meio a essa prosperidade, Moisés os exortou a lembrar que o Senhor tinha sido a fonte de sua riqueza. Por isso, não deviam ser iludidos pelas bênçãos materiais nem confiar nelas. Séculos depois, o próprio Jesus alertou, na parábola do semeador, sobre “a fascinação da riqueza” (Mc 4:19).

Não importa quanto dinheiro e bens materiais tenhamos, somos todos de carne e osso esperando a morte. O que isso nos diz sobre os perigos que vêm da riqueza? A riqueza pode nos fazer esquecer de que precisamos do Único que pode nos livrar da morte eterna.

(6)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Quinta-feira, 02 de dezembro Ano Bíblico: Ef 1-3

Lembre-se de que você foi escravo

7. Leia Deuteronômio 5:15; 6:12; 15:15; 16:3, 12 e 24:18, 22. Do que o Senhor queria que os israelitas jamais se esquecessem, e por quê?

No AT, o Senhor constantemente relembrava o povo sobre o êxodo, sua libertação milagrosa do Egito. Até hoje, milhares de anos depois, os judeus celebram a Páscoa, um memorial do que o Senhor fez por eles. “E, quando estiverem na terra que o Senhor lhes dará, como prometeu, observem este rito. Quando os seus filhos perguntarem: ‘Que rito é este?’, respondam: ‘É o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou por cima das casas dos filhos de Israel no Egito, quando matou os egípcios e livrou as nossas casas’. Então o povo se inclinou e adorou” (Êx 12:25-27).

Para a igreja no presente, a Páscoa é símbolo da libertação que nos foi oferecida em Cristo: “Pois, também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado” (1Co 5:7).

8. Leia Efésios 2:8-13. Do que os crentes gentios deviam se lembrar? Há uma relação com o que os hebreus em Deuteronômio foram instruídos a lembrar?

Paulo queria que aquelas pessoas se lembrassem do que Deus havia feito por elas em Cristo, de que Ele as salvou e o que elas tinham adquirido então devido à graça divina. Assim como aconteceu com os filhos de Israel, não era nada de si próprias que as justificava perante Deus. Em vez disso, apenas a graça divina dada a eles, embora fossem “estranhos às alianças da promessa”, as tornava quem eram em Cristo Jesus.

Para os judeus no deserto e os cristãos em Éfeso, o importante era que sempre se lembrassem do que Deus havia feito por eles em Cristo. O mesmo princípio se aplica aos adventistas do sétimo dia em qualquer parte do mundo. “Faria muito bem para nós se diariamente passássemos uma hora refletindo sobre a vida de Cristo.

Devemos considerá-la ponto por ponto e deixar que a imaginação tome conta de cada cena, especialmente as finais. Ao meditar assim em Seu grande sacrifício por nós, nossa confiança Nele será mais constante, nosso amor será fortalecido, e seremos mais semelhantes a Ele” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p.

83).

(7)

Retirado do site: https://levinformatic.com.br

Sexta-feira, 03 de dezembro Ano Bíblico: Ef 4-6

Estudo adicional

“Como é grande a condescendência de Deus e Sua compaixão por Suas criaturas falíveis, colocando assim o belo arco-íris nas nuvens como sinal de Seu concerto com os seres humanos! O Senhor declara que, ao olhar para o arco, Ele Se lembrará de Sua aliança. Isso não significa que Ele iria Se esquecer; Ele fala conosco em nossa linguagem para que possamos compreendê-Lo melhor. Era plano de Deus que, quando os filhos das gerações posteriores perguntassem o significado do arco glorioso que abrange os céus, seus pais repetissem a história do dilúvio e lhes dissessem que o Altíssimo estendeu o arco e o colocou nas nuvens como uma garantia de que as águas nunca mais inundariam a Terra. Assim, de geração a geração, testificaria do amor divino para com o ser humano e fortaleceria sua confiança em Deus” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p.

106, 107).

A igreja em alguns países desfruta de uma prosperidade que nunca houve. A que custo? Essa riqueza acaba prejudicando nossa espiritualidade. A riqueza e a abundância material fomentam a virtude do sacrifício próprio? Quanto mais as pessoas têm, mais autossuficientes se tornam e menos tendem a depender de Deus.

Riqueza e prosperidade, por melhor que sejam, trazem muitas armadilhas espirituais perigosas.

Perguntas para consideração

1. A riqueza pode impactar nossa espiritualidade? De que modo os ricos podem se proteger de alguns dos perigos espirituais que a riqueza pode criar?

2. O que as cenas finais da vida de Cristo nos dizem sobre o amor de Deus? Que outras coisas revelam a bondade divina e por que devemos sempre manter isso em mente?

3. Alguns cientistas afirmam que não houve dilúvio mundial e criação em seis dias, embora a Bíblia afirme que houve e indique os lembretes desses eventos (o sábado e o arco-íris). Quão poderoso e negativo pode ser o impacto da cultura sobre a fé?

Respostas e atividades da semana: 1. Deus Se lembra de Suas promessas. Devemos nos lembrar de cumprir a nossa parte. 2. A forma pela qual Deus agia no meio deles e por eles. Assim saberiam que só o Senhor é Deus. 3. O povo devia obedecer a Deus. 4. Que não se esquecessem do que Deus tinha feito para que não perdessem as bênçãos. 5. Deviam contar a história às gerações futuras. 6. Eles deviam se lembrar de que foi o Senhor quem lhes deu as bênçãos. Devemos nos lembrar de que é pela graça que somos chamados filhos de Deus e temos esperança. 7. De que foram escravos e de que Deus, em Seu amor, os escolheu como povo especial. 8. Eles haviam sido salvos pela graça, não por suas obras.

Referências

Documentos relacionados

Portanto, todos os negócios devem ser informados de suas falhas, pois são manchas para a religião, pois não devemos ser assim neste ou naquele

Em um dado momento da Sessão você explicou para a cliente sobre a terapia, em seguida a cliente relatou perceber que é um momento para falar, chorar, dar risada

Fascinado como era com o campo da linguística, Lacan investiga o saber esquecido da língua para formalizar o que ele chama de “lituraterra”. O psicanalista nos coloca diante

Benetton (1999) apresenta o caráter de funcionalidade na Terapia Ocupacional como tendo sido assumido por muitos autores, pelos precurssores da profissão (Meyer, Simon e Schneider)

A exposição ao subprime e o agudizar da crise de liquidez e de crédito reflectiu-se de forma extrema em muitas instituições financeiras que, ou foram nacionalizadas

Há amplo espaço para preocupação quanto às dificuldades para aprovação de reformas necessárias à contenção do déficit público, peça crucial para o sucesso

Há uma sinalização de que – partindo-se do princípio que a Fundação Roberto Marinho representada por seus dirigentes não tem interesse em veicular informações erradas sobre

Para o menino Momik, a constituição de sua própria memória, no que diz respeito ao trauma não vivido do holocausto e a constituição de si mesmo como judeu, se dará necessariamente