Ano CXLV N o Brasília - DF, quarta-feira, 18 de junho de 2008

Texto

(1)

Ano CXLV N

o-

115

Brasília - DF, quarta-feira, 18 de junho de 2008

Sumário

.

PÁGINA

Atos do Congresso Nacional ... 1

Atos do Poder Executivo... 3

Presidência da República ... 5

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ... 8

Ministério da Ciência e Tecnologia ... 13

Ministério da Cultura ... 13

Ministério da Defesa ... 14

Ministério da Educação ... 17

Ministério da Fazenda... 19

Ministério da Integração Nacional ... 42

Ministério da Justiça ... 42

Ministério da Previdência Social... 48

Ministério da Saúde ... 48

Ministério das Cidades... 53

Ministério das Comunicações ... 54

Ministério de Minas e Energia... 58

Ministério do Desenvolvimento Agrário... 74

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome... 74

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ... 75

Ministério do Esporte... 75

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão... 75

Ministério do Trabalho e Emprego ... 77

Ministério do Turismo ... 81

Ministério dos Transportes ... 81

Ministério Público da União ... 109

Tribunal de Contas da União ... 110

Poder Judiciário... 115 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais . 116

<!ID1174392-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 155, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à AS-SOCIAÇÃO CULTURAL E COMUNITÁ-RIA COHAB NOVA CAROLINA S.O.S VIDA NOVA DE CAROLINA para execu-tar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Carolina, Estado do Maranhão.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 740, de 23 de outubro de 2006, que outorga autorização à Associação Cultural e Comunitária Cohab Nova Carolina S.O.S Vida Nova de

Carolina para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclu-sividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Carolina, Estado do Maranhão.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174393-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 156, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à UNIÃO DOS MORADORES DA COHEB SACAVÉM para executar serviço de radio-difusão comunitária na cidade de São Luís, Estado do Maranhão.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 148, de 30 de março de 2006, que outorga autorização à União dos Mo-radores da COHEB Sacavém para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de São Luís, Estado do Maranhão.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174394-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 157, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO DE DIFUSÃO COMUNI-TÁRIA FORTALEZA para executar servi-ço de radiodifusão comunitária na cidade de Blumenau, Estado de Santa Catarina.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 687, de 23 de outubro de 2006, que outorga autorização à Associação de Difusão Comunitária Fortaleza para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de Blumenau, Estado de Santa Catarina.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174395-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 158, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CRISTÃ DE ILHOTA para executar serviço de ra-diodifusão comunitária na cidade de Ilhota, Estado de Santa Catarina.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 778, de 25 de outubro de 2006, que outorga autorização à Associação Beneficente Cristã de Ilhota para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de Ilhota, Estado de Santa Catarina.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174396-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 159, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à

CENTRO SOCIAL COMUNITÁRIO

JOEL CANELA DE OLIVEIRA para exe-cutar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Felipe Guerra, Estado do Rio Grande do Norte.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 59, de 15 de fevereiro de 2006, que outorga autorização à Centro Social Comunitário Joel Canela de Oliveira para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Felipe Guerra, Estado do Rio Grande do Norte.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174397-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 160, DE 2008

Aprova o ato que outorga permissão à NO-VO HORIZONTE RADIODIFUSÃO LT-DA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Cupira, Estado de Pernambuco.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 970, de 20 de novembro de 2006, que outorga permissão à Novo Ho-rizonte Radiodifusão Ltda. para explorar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüên-cia modulada na cidade de Cupira, Estado de Pernambuco.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174398-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

Atos do Congresso Nacional

.

(2)

DECRETO LEGISLATIVO Nº 161, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE IELMO MARINHO para executar serviço de radio-difusão comunitária na cidade de Ielmo Marinho, Estado do Rio Grande do Norte.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 407, de 28 de agosto de 2006, que outorga autorização à Associação Amigos de Ielmo Marinho para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de Ielmo Marinho, Estado do Rio Grande do Norte.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174399-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 162, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA EDU-CACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO CULTURAL E COMUNICAÇÃO SO-CIAL DE DOUTOR SEVERIANO - RN para executar serviço de radiodifusão co-munitária na cidade de Doutor Severiano, Estado do Rio Grande do Norte.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 405, de 28 de agosto de 2006, que outorga autorização à Associação Co-munitária Educacional e de Desenvolvimento Cultural e Comunicação Social de Doutor Severiano - RN para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Doutor Severiano, Estado do Rio Grande do Norte.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174400-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 163, DE 2008

Aprova o ato que renova a concessão ou-torgada à FUNDAÇÃO JOÃO XXIII para explorar serviço de radiodifusão sonora em onda média na cidade de Mafra, Estado de Santa Catarina.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de 18 de julho de 2006, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 1º de maio de 2004, a concessão outorgada à Fundação João XXIII para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em onda média na cidade de Mafra, Estado de Santa Catarina.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174401-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 164, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE CO-MUNICAÇÃO E CULTURA ALTERNA-TIVA para executar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Urubici, Estado de Santa Catarina.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 585, de 15 de setembro de 2006, que outorga autorização à Associação Comunitária de Comunicação e Cultura Alternativa para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Urubici, Estado de Santa Catarina.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174402-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 165, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à AS-SOCIAÇÃO APEUENSE DE RADIODI-FUSÃO COMUNITÁRIA - AARC para executar serviço de radiodifusão comunitá-ria na cidade de Castanhal, Estado do Pará.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 1.005, de 7 de dezembro de 2006, que outorga autorização à As-sociação Apeuense de Radiodifusão Comunitária - AARC para exe-cutar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Castanhal, Estado do Pará.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174403-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 166, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA E CUL-TURAL MODELO - ACCM para executar serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de Castanhal, Estado do Pará.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 295, de 28 de julho de 2004, que outorga autorização à Associação Co-munitária e Cultural Modelo - ACCM para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comu-nitária na cidade de Castanhal, Estado do Pará.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174404-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 167, DE 2008

Aprova o ato que outorga permissão à RÁ-DIO FM MEDIANEIRA S/C LTDA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Buritis, Estado de Minas Gerais.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 177, de 3 de abril de 2006, que outorga permissão à Rádio FM Medianeira S/C Ltda. para explorar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclu-sividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Buritis, Estado de Minas Gerais.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174405-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 168, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO DE DIFUSÃO COMUNI-TÁRIA GUARANI para executar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Caetés, Estado de Pernambuco.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 133, de 16 de fevereiro de 2005, que outorga autorização à Associação de Difusão Comunitária Guarani para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de Caetés, Estado de Pernambuco.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174406-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 169, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE DI-FUSÃO CULTURAL RAMAL LIVRE pa-ra executar serviço de pa-radiodifusão comu-nitária na cidade de Jaboticabal, Estado de São Paulo.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 747, de 24 de outubro de 2006, que outorga autorização à Associação Comunitária de Difusão Cultural Ramal Livre para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Jaboticabal, Estado de São Paulo.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

(3)

1

<!ID1174407-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 170, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE CO-MUNICAÇÃO DE JARDIM DE PIRA-NHAS/RN para executar serviço de radio-difusão comunitária na cidade de Jardim de Piranhas, Estado do Rio Grande do Norte.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 127, de 24 de março de 2006, que outorga autorização à Associação Comunitária de Comunicação de Jardim de Piranhas/RN para exe-cutar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Jardim de Piranhas, Estado do Rio Grande do Norte.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174408-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 171, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA E CUL-TURAL QUIXABENSE para executar ser-viço de radiodifusão comunitária na cidade de Quixabá, Estado de Pernambuco.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 212, de 12 de junho de 2003, que outorga autorização à Associação Co-munitária e Cultural Quixabense para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Quixabá, Estado de Pernambuco.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174409-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 172, DE 2008

Aprova o ato que renova a concessão ou-torgada à RÁDIO LIBERDADE DE ITA-REMA LTDA. para explorar serviço de ra-diodifusão sonora em onda média na cidade de Itarema, Estado do Ceará.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de 13 de dezembro de 2006, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 7 de maio de 2001, a concessão outorgada à Rádio Liberdade de Itarema Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodi-fusão sonora em onda média na cidade de Itarema, Estado do Ceará.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174410-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 173, DE 2008

Aprova o ato que outorga autorização à AS-SOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO para executar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de No-va Hartz, Estado do Rio Grande do Sul.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 713, de 23 de outubro de 2006, que outorga autorização à Associação de Desenvolvimento Comunitário para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na ci-dade de Nova Hartz, Estado do Rio Grande do Sul.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174411-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 174, DE 2008

Aprova o ato que renova a permissão ou-torgada à RÁDIO SANTUÁRIO FM LTDA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 1.840, de 12 de setembro de 2002, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 11 de setembro de 1997, a permissão outorgada à Rádio Santuário FM Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, ser-viço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

<!ID1174412-0>

Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ga-ribaldi Alves Filho, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte

DECRETO LEGISLATIVO Nº 175, DE 2008

Aprova o ato que outorga permissão à FUNDAÇÃO SEMEADOR para executar serviço de radiodifusão sonora em freqüên-cia modulada, na cidade de Santana, Estado do Amapá.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 372, de 12 de julho de 2007, que outorga permissão à Fundação Semeador para executar, por 10 (dez) anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada, com fins exclu-sivamente educativos, na cidade de Santana, Estado do Amapá.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Senado Federal, em 17 de junho de 2008.

Senador GARIBALDI ALVES FILHO

Presidente do Senado Federal

X - Ministério de Minas e Energia;

XI - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; XII - Ministério da Ciência e Tecnologia;

XIII - Ministério do Meio Ambiente; XIV - Ministério da Integração Nacional; XV - Ministério do Turismo;

XVI - Ministério do Esporte; e

XVII - Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Pre-sidência da República.

..." (NR) Art. 2º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Fica revogado o Decreto nº 6.107, de 2 de maio de 2007.

Brasília, 17 de junho de 2008; 187º da Independência e 120º da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Nelson Jobim

<!ID1177008-0>

DECRETO No-6.485, DE 17 DE JUNHO DE 2008

Regulamenta o parágrafo único do art. 22 da Medida Provisória no427, de 9 de maio

de 2008, dispõe sobre a coordenação e a supervisão dos procedimentos administrati-vos relatiadministrati-vos à inventariança da extinta Em-presa Brasileira de Planejamento de Trans-portes - GEIPOT, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição, e tendo em vista o disposto no parágrafo único do art. 22 da na Medida Provisória no427, de 9 de maio de 2008,

D E C R E T A :

Art. 1o Compete ao Ministério dos Transportes a

coorde-nação e a supervisão dos procedimentos administrativos relativos à inventariança da extinta Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes - GEIPOT.

Art. 2oAs atividades da inventariança serão conduzidas por

inventariante designado pelo Ministro de Estado dos Transportes, den-tre ocupantes de cargos vinculados ao Ministério dos Transportes.

Art. 3oConstituem atribuições do inventariante:

I - representar a União, na qualidade de sucessora do extinto GEIPOT, nos atos administrativos necessários à inventariança, po-dendo também celebrar, prorrogar e rescindir contratos administra-tivos, convênios e outros instrumentos, quando houver interesse da administração;

II - praticar atos de gestão patrimonial, contábil, financeira e administrativa, inclusive de pessoal;

III - elaborar e publicar o balanço patrimonial de extinção do GEIPOT referente à data de publicação da Medida Provisória no427,

de 9 de maio de 2008;

IV - apurar os direitos e obrigações, assim como relacionar documentos, livros contábeis, contratos e convênios do extinto GEI-POT, dando-lhes as destinações previstas neste Decreto;

V - identificar, localizar e relacionar os bens móveis e imó-veis, dando-lhes as destinações previstas em lei, podendo, para tanto, designar comissões específicas;

VI - providenciar o tratamento dos acervos técnicos, bi-bliográficos, documentais e de pessoal, observadas as normas es-pecíficas, transferindo-os, mediante termo próprio, ao Arquivo Na-cional ou aos órgãos e entidades que tiverem absorvido as corres-pondentes atribuições do extinto GEIPOT;

VII - providenciar a regularização contábil dos atos admi-nistrativos pendentes, inclusive a análise das prestações de contas dos convênios e instrumentos similares do extinto GEIPOT, podendo, para tanto, designar comissões específicas;

VIII - praticar os atos necessários à instauração de sindi-câncias e processos administrativos disciplinares, assim como adotar os procedimentos necessários para a conclusão e o acompanhamento dos processos em andamento, encaminhando à autoridade competente os respectivos relatórios conclusivos;

IX - encaminhar ao Ministério dos Transportes relatórios mensais sobre o andamento das atividades, atualizando em cada re-latório o cronograma de atividades básicas em andamento, bem como relatório final quando da conclusão do processo de inventariança;

<!ID1177007-0>

DECRETO No-6.484, DE 17 DE JUNHO DE 2008

Altera o art. 3º do Decreto nº 3.939, de 26 de setembro de 2001, que dispõe sobre a Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM).

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea "a", da Constituição,

D E C R E T A :

Art. 1º O art. 3º do Decreto nº 3.939, de 26 de setembro de 2001, passa a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 3º ... I - Casa Civil da Presidência da República;

II - Ministério da Defesa;

III - Comando da Marinha, do Ministério da Defesa; IV - Ministério das Relações Exteriores;

V - Ministério dos Transportes;

VI - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; VII - Ministério da Educação;

VIII - Ministério da Saúde

IX - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior;

Atos do Poder Executivo

.

(4)

X - dar prosseguimento, durante o processo de inventariança, ao pagamento das obrigações decorrentes de acordos administrativos e judiciais firmados pelo extinto GEIPOT;

XI - adotar as providências decorrentes da rescisão dos con-tratos de prestação de serviços advocatícios;

XII - informar à Chefia do Gabinete do Advogado-Geral da União quando da efetivação das transferências para as unidades des-centralizadas daquele órgão dos acervos documentais relativos aos processos judiciais de que trata o art. 23 da Medida Provisória no427,

de 2008;

XIII - indicar, quando solicitado pela Advocacia-Geral da União ou pela VALEC - Engenharia Construções e Ferrovias S.A., os prepostos e testemunhas que tenham conhecimento do fato objeto da ação judicial;

XIV - dar continuidade à elaboração da folha de pagamento do pessoal ativo, até que a VALEC implemente o respectivo sistema de processamento;

XV - transferir o acervo técnico do extinto GEIPOT ao Ministério dos Transportes;

XVI - transferir para a VALEC a documentação referente aos contratos de trabalho dos empregados ativos mencionados no art. 24 da Medida Provisória no427, de 2008;

XVII - fornecer à Advocacia-Geral da União e à VALEC os elementos necessários à defesa judicial dos seus interesses;

XVIII - liquidar as demais obrigações contratuais e finan-ceiras cujo valor não ultrapasse R$ 250.000,00 (duzentos e cinqüenta mil reais) e encaminhar à Secretaria do Tesouro Nacional do Mi-nistério da Fazenda os processos relativos às obrigações com valor superior;

XIX - proceder ao encerramento dos registros do extinto GEI-POT junto aos órgãos públicos federais, estaduais e municipais; e

XX - desempenhar outras funções que lhe forem atribuídas pelo Ministério dos Transportes.

§ 1o O inventariante apresentará ao Ministério dos

Trans-portes, no prazo de vinte dias, contados da publicação deste Decreto, plano de trabalho para a execução das tarefas da inventariança.

§ 2oO inventariante poderá delegar atribuições contidas

nes-te artigo.

Art. 4o Durante o processo de inventariança serão

trans-feridos:

I - à Advocacia-Geral da União, na qualidade de repre-sentante judicial da União, à medida que forem requisitados, os ar-quivos e acervos documentais relativos às ações judiciais, em que o extinto GEIPOT seja autor, réu, assistente, opoente ou terceiro in-teressado, que estejam tramitando em qualquer instância, inclusive aquelas em fase de execução, ressalvado o disposto no § 5oart. 24 da

Medida Provisória no427, de 2008;

II - à VALEC:

a) os contratos de trabalho dos empregados ativos do quadro próprio do extinto GEIPOT, na forma do disposto no art. 24 da Medida Provisória no427, de 2008, bem como os documentos

ne-cessários à gestão da respectiva folha de pagamento;

b) as informações e os documentos referentes às ações ju-diciais referidas no art. 24 da Medida Provisória no427, de 2008; e

c) o acervo documental e demais informações referentes ao patrocínio do GEIPREV, nos termos do art. 25 da Medida Provisória no427, de 2008;

III - à Secretaria de Patrimônio da União, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a carteira de imóveis alienados para efeito de recebimento das parcelas devidas, controle e cobrança; e

IV - à Secretaria do Tesouro Nacional:

a) as obrigações contratuais e financeiras cujo valor seja superior a R$ 250.000,00 (duzentos e cinqüenta mil reais), na forma prevista no art. 5o; e

b) as disponibilidades e haveres financeiros oriundos do ex-tinto GEIPOT.

Art. 5oOs processos relativos ao reconhecimento de dívidas

oriundas do extinto GEIPOT serão obrigatoriamente instruídos com: I - declaração expressa do inventariante quanto à certeza, liquidez e exatidão das obrigações;

II - original ou cópia autenticada da documentação com-probatória da dívida; e

III - manifestação da Secretaria Federal de Controle Interno, da Controladoria-Geral da União, sobre a regularidade das contra-tações e a exatidão dos valores devidos, quando o montante for superior a R$ 250.000,00 (duzentos e cinqüenta mil reais).

Art. 6o O prazo para a conclusão dos trabalhos de

inven-tariança será de até cento e oitenta dias, contado da data de pu-blicação deste Decreto, podendo ser prorrogado, por meio de portaria conjunta dos Ministros de Estado dos Transportes e do Planejamento, Orçamento e Gestão, mediante proposta do inventariante.

Art. 7oEm todos os atos ou operações, o inventariante deverá

usar a denominação "Inventariante da extinta Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes - GEIPOT".

Art. 8oOs relatórios a que se refere o inciso IX e o plano de

trabalho previsto no § 1o, ambos do art. 3o, serão, após aprovação

pelo Ministério dos Transportes, encaminhados aos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Art. 9oEste Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 17 de junho de 2008; 187oda Independência e 120o

da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Guido Mantega Alfredo Nascimento Paulo Bernardo Silva

<!ID1177009-0>

DECRETO No-6.486, DE 17 DE JUNHO DE 2008

Dispõe sobre a execução da Ata de Re-tificação, de 20 de março de 2007, do Acor-do de Complementação Econômica nº 62, entre os Governos da República Federativa do Brasil, da República Argentina, da Re-pública do Paraguai e da ReRe-pública Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCO-SUL, e o Governo da República de Cuba.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

Considerando que o Tratado de Montevidéu de 1980, que criou a Associação Latino-Americana de Integração (ALADI), fir-mado pelo Brasil em 12 de agosto de 1980 e aprovado pelo Con-gresso Nacional, por meio do Decreto Legislativo nº 66, de 16 de novembro de 1981, prevê a modalidade de Acordo de Complemen-tação Econômica;

Considerando que os Governos da República Federativa do Brasil, da República Argentina, da República do Paraguai e da Re-pública Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL, e o Governo da República de Cuba, com base no Tratado de Montevidéu de 1980, assinaram, em 21 de julho de 2006, o Acordo de Com-plementação Econômica nº 62, incorporado ao direito interno bra-sileiro pelo Decreto nº 6.068, de 26 de março de 2007;

Considerando que a Secretaria-Geral da ALADI, no uso das faculdades que lhe confere a Resolução 30, de 17 de agosto de 1983, do Comitê de Representantes da Associação, lavrou, em 20 de março de 2007, Ata de Retificação do Acordo de Complementação Eco-nômica nº 62;

D E C R E T A :

Art. 1º A Ata de Retificação, de 20 de março de 2007, do Acordo de Complementação Econômica nº 62, entre os Governos República Federativa do Brasil, da República Argentina, da República do Paraguai e da República Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL, e o Governo da República de Cuba, apensa por cópia ao presente Decreto, será executada e cumprida tão inteiramente co-mo nela se contém.

Art. 2º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 17 de junho de 2008; 187º da Independência e 120º da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Celso Luiz Nunes Amorim

ATA DE RETIFICAÇÃO DO ACORDO DE ALCANCE PARCIAL DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N° 62,

MERCOSUL - CUBA

Na cidade de Montevidéu, aos vinte dias do mês de março de dois mil e sete, a Secretaria-Geral da Associação Latino-Americana de Integração (ALADI), em uso das faculdades que lhe confere a Resolução 30 do Comitê de Representantes, como depositária dos Acordos e Protocolos assinados pelos Governos dos países-membros da Associação, e em conformidade com o estabelecido em seu Artigo Terceiro, faz constar:

Primeiro.- Que mediante Nota ALADI/SUB-JRB-038/07, da-tada em 5 de fevereiro de 2007, a Secretaria-Geral informou as Representações dos Países Signatários sobre a existência de um erro no texto do Acordo assinado entre os Estados Partes do MERCOSUL e a República de Cuba, em 21 de julho de 2006.

Segundo.- Que mediante Nota EMSUR - CR N° 17/07, da-tada em 08 de fevereiro de 2007, a Representação Argentina junto ao MERCOSUL e à ALADI comunicou que no Anexo I, Concessões outorgadas pelo MERCOSUL a Cuba, na Coluna denominada "Quo-tas/Observ. bilaterais", corresponde conferir ao item 9503.10.00 o montante da quota, que é U$S 200.000 anuais.

Terceiro.- Que o erro constatado consiste em:

VERSÃO EM ESPANHOL

... VERSÃO EM PORTUGUÊS

Anexo I

Concessões outorgadas pelo MERCOSUL a Cuba

Localização: Coluna denominada "Quotas/Observ. bilaterais", item

9503.10.00

Onde se lê

Argentina: didáticos, exceto eletrônicos, de plástico, e suas partes e peças

Ver quota indicada no item 9503.10.00

Leia-se

Argentina: didáticos, exceto eletrônicos, de plástico, e suas partes e peças Quota anual de U$S 200.000 em conjunto com os itens 9503.41.00, 9503.49.00, 9503.50.00 e 9503.60.00

Quarto.- Que por Nota ALADI/SUB-JRB-084/07, de 9 de março de 2007, a Secretaria-Geral fixou um prazo de cinco dias para observações.

Quinto.- Que transcorrido esse prazo e não tendo recebido observações dos países signatários, esta Secretaria-Geral efetuou as modificações correspondentes, nas versões em português e em es-panhol do Acordo de Complementação Econômica N° 62, assinado em 21 de julho de 2006, entre os Governos da República Argentina, da República Federativa do Brasil, da República do Paraguai e da República Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL, e o Governo da República de Cuba.

E para que conste, esta Secretaria-Geral lavra a presente Ata de Retificação, no lugar e data indicados, em um original nos idiomas português e espanhol.

__________

<!ID1177005-0>

DECRETO DE 17 DE JUNHO DE 2008

Cria a Comissão Interministerial encarre-gada de coordenar e organizar a partici-pação da República Federativa do Brasil na Exposição Universal de Xangai 2010 (EX-PO 2010).

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea "a", da Constituição,

D E C R E T A :

Art. 1oFica criada a Comissão Interministerial encarregada

de coordenar a organização da participação da República Federativa do Brasil na Exposição Universal de Xangai 2010 (EXPO 2010), a realizar-se de 1ode maio a 31 de outubro de 2010, em Xangai.

Art. 2oCaberá à Comissão articular-se com órgãos federais,

estaduais e municipais, autarquias e entidades públicas e privadas, a fim de adotar as medidas que se fizerem necessárias para assegurar o êxito da participação da República Federativa do Brasil na EXPO 2010.

Art. 3o A Comissão Interministerial será composta por um

representante titular e suplente de cada órgão e entidade a seguir indicados:

I - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que a coordenará;

II - Ministério das Relações Exteriores; III - Ministério das Cidades;

IV - Ministério do Meio Ambiente; V - Ministério de Minas e Energia; VI - Ministério da Cultura; VII - Ministério do Turismo;

VIII Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial -ABDI; e

IX Agência de Promoção de Exportações e Investimentos -APEX-Brasil.

Art. 4o Os representantes de que trata o art. 3º serão

in-dicados pelos respectivos titulares dos respectivos órgãos ou enti-dades e designados pelo Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no prazo de quinze dias, contados a partir da data de publicação deste Decreto.

(5)

1

Art. 5oEventualmente, representantes de outros Ministérios,

autarquias e entidades públicas e privadas, envolvidas na participação da República Federativa do Brasil na EXPO 2010, poderão ser con-vidados a participar da Comissão Interministerial.

Art. 6oA participação nos trabalhos da Comissão

Intermi-nisterial será considerada prestação de serviço público relevante, não remunerado.

Art. 7º O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Co-mércio Exterior prestará o apoio técnico e administrativo necessário aos trabalhos da Comissão Interministerial.

Art. 8oPara o desempenho de suas atividades, a Comissão

Interministerial contará com dotações orçamentárias consignadas ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Art. 9oEste Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 17 de junho de 2008; 187º da Independência e 120º da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Celso Luiz Nunes Amorim Miguel Jorge

Considerando que o art. 1º da Lei Federal de Arquivos nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991 dispõe que é dever do Poder Público a gestão documental e a proteção especial a documentos de arquivo, como instrumentos de apoio à administração, à cultura, ao desen-volvimento científico e como elementos de prova e informação;

Considerando que o Conselho Nacional de Arquivos - CO-NARQ, órgão central do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR, vinculado ao Arquivo Nacional, órgão integrante da Casa Civil da Presidência da República, criado pelo artigo 26 da Lei Federal de Arquivos nº 8.159, de 1991, tem por finalidade definir a política nacional de arquivos públicos e privados, bem como exercer orien-tação normativa visando à gestão documental e à proteção especial aos documentos de arquivo;

Considerando a importância dos arquivos como instrumento de gestão indispensável à transparência, à eficiência, eficácia e efe-tividade administrativas, ao desenvolvimento político e social e como garantia do direito à informação e à memória;

Considerando a necessidade urgente de se estabelecer um modelo de gestão que integre as fases corrente, intermediária e per-manente pelas quais passam os documentos em seu ciclo vital, como forma de assegurar sua organização, controle, proteção e preservação a partir de sua produção;

Considerando que o art. 9º da Lei Federal de Arquivos nº 8.159, de 1991, determina que a eliminação de documentos pro-duzidos por instituições públicas e de caráter público será realizada mediante autorização da instituição arquivística pública, na sua es-pecífica esfera de competência;

Considerando que o art. 62 da Lei nº 9.605, de 12 de fe-vereiro de 1998, dispõe que é crime destruir, inutilizar e deteriorar documentos de arquivo, protegidos por lei, ato administrativo ou decisão judicial, e estabelece as sanções penais dele decorrentes;

Considerando que a perda, o extravio ou a destruição in-discriminada do patrimônio documental público podem acarretar da-nos irreparáveis à administração pública, aos direitos dos cidadãos, à produção do conhecimento, à memória e à história; e

Considerando a obrigatoriedade de que em cada estado, no Distrito Federal e em cada município tenha em sua estrutura um Arquivo Público para promover a gestão, a preservação e o acesso aos documentos produzidos e recebidos no âmbito dos Poderes Exe-cutivo, Legislativo e Judiciário, para pleno cumprimento das dis-posições contidas nos incisos XIV e XXXIII do art. 5º, no inciso III do art. 23, no art. 215, no inciso IV e nos §§ 1º e 2º do art. 216 da Constituição Federal de 1988, assim como nos arts. 5º, 9º e 21 da Lei Federal de Arquivos nº 8.159, de 1991, resolve:

Art. 1º O Poder Público, no âmbito dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, deverá, por meio de lei específica de ar-quivos, definir os critérios de organização sistêmica da gestão arqui-vística de documentos públicos e dos serviços arquivísticos gover-namentais, bem como a criação e a vinculação do Arquivo Público e os mecanismos de difusão e acesso aos registros públicos, em confor-midade com o art. 21, da Lei Federal de Arquivos nº 8.159, de 1991. Parágrafo único. O Arquivo Público deve ser entendido como a instituição do Poder Público com a função de implementar, acom-panhar e supervisionar a gestão de documentos arquivísticos produ-zidos e recebidos pela Administração Pública em seu âmbito de atua-ção, e de promover a organizaatua-ção, a preservação e o acesso dos do-cumentos de valor permanente ou histórico recolhidos dos diversos órgãos e entidades dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

Art. 2º O Arquivo Público referido no art. 1º deverá ser dotado obrigatoriamente de:

I - Personalidade jurídica própria, que o integre à Admi-nistração Pública Direta, por exercer funções típicas de Estado.

II - Infra-estrutura física, material e tecnológica adequadas para a guarda, armazenamento e preservação de documentos de acor-do com as normas e legislação em vigor.

III - Recursos orçamentários e financeiros para a imple-mentação e manutenção das políticas arquivísticas estabelecidas.

IV - Recursos humanos qualificados, dos quadros perma-nentes da Administração Pública, para dar cumprimento às espe-cificidades de suas atividades.

Art. 3º O Poder Público deverá promover programa de ca-pacitação continuada dos recursos humanos do Arquivo Público e dos serviços arquivísticos governamentais.

Art. 4º Os editais para a realização de concursos públicos de-verão incluir, dentre outros, vagas para graduados em Arquivologia, vi-sando à inclusão destes profissionais no quadro de pessoal permanente do Arquivo Público e dos serviços arquivísticos governamentais.

Art. 5º Pela lei específica de arquivos, referida no caput do art. 1º, a ser editada pelo Poder Público, no âmbito dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, deverá ser criado um sistema de arquivos que contemple programa de gestão de documentos de ar-quivo, o qual poderá englobar uma ou mais esferas dos Poderes constituídos, tendo o Arquivo Público de seu âmbito como órgão central, integrado ao Sistema Nacional de Arquivos - SINAR, con-forme art. 12 do Decreto Federal nº 4.073, 3 de janeiro de 2002.

Art. 6º Os programas de gestão de documentos arquivísticos do âmbito dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, deverão contemplar obrigatoriamente:

I - Mecanismos para a elaboração e aplicação de plano de classificação de documentos para as atividades-meio, em consonância com as diretrizes do CONARQ e determinação para a concepção de um plano de classificação relativo às atividades finalísticas dos órgãos e entidades de seu âmbito de atuação.

II - Estratégias para a elaboração e aplicação de tabelas de temporalidade e destinação de documentos para as atividades-meio, em consonância com as diretrizes do CONARQ e determinação para a concepção das tabelas de temporalidade e destinação de documentos relativas às atividades finalísticas dos órgãos e entidades do seu âmbito de atuação.

III - Programa de preservação documental, contemplando as etapas de produção, armazenamento e manuseio do documento ar-quivístico em todos os suportes.

IV - Diretrizes para normalização de instrumentos de pes-quisa ou de recuperação de informações com base na Norma Bra-sileira de Descrição Arquivística - NOBRADE, aprovada pelo CO-NARQ, para garantir o acesso à documentação de valor permanente. V - Determinação para que a aquisição ou o desenvolvimento de sistemas informatizados de gestão arquivística de documentos atenda aos dispositivos contidos no e-Arq Brasil - Modelo de Re-quisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Do-cumentos aprovado pelo CONARQ.

Art 7º O CONARQ subsidiará os órgãos e entidades do Poder Público, no âmbito dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, que têm a competência de fiscalizar o cumprimento desta Resolução, com informações e orientação para sua aplicação integral.

Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação.

JAIME ANTUNES DA SILVA

DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

<!ID1177006-0>

GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL Exposição de Motivos

No55, de 2 de junho de 2008. Autorizo. Em 17 de junho de 2008.

CASA CIVIL

SECRETARIA EXECUTIVA

ARQUIVO NACIONAL

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

<!ID1173735-0>

RESOLUÇÃO No-27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, de criar e manter Arquivos Públicos, na sua específica esfera de com-petência, para promover a gestão, a guarda e a preservação de documentos arquivís-ticos e a disseminação das informações ne-les contidas.

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE AR-QUIVOS - CONARQ, no uso de suas atribuições previstas no inciso

IX do art. 23, de seu Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 5 da Casa Civil da Presidência da República, de 7 de fevereiro de 2002, de conformidade com a deliberação do Plenário, em sua 48º reunião ordinária, realizada em 2 de abril de 2008 e,

Considerando que a Constituição Federal de 1988, no § 2º do art. 216, dispõe que cabe à administração pública a gestão da do-cumentação governamental e as providências para franquear sua con-sulta a quantos dela necessitem;

Presidência da República

.

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

<!ID1177004-0>

DESPACHOS DO DIRETOR-PRESIDENTE

Entidade: AC CAIXA, AC CAIXA PF e AC CAIXA PJ Processo Principal: nº 00100.000022/2003-01

Acolhe-se o Parecer CGAF/ITI nº 007.2008 apresentado pela Diretoria de Auditoria, Fisca-lização e NormaFisca-lização, que aprova a versão 2.2 das DPC, PC e PS da AC CAIXA, AC CAIXA PF e AC CAIXA PJ, encaminhada por meio do Ofício nº 0148/2008 - GECOP, de 04.06.2008. Os arquivos contendo os documentos aprovados possuem os hash SHA1 abaixo informados e devem ser publicados pela AC em seu respectivo repositório no prazo máximo de 30 dias, a contar da data desta publicação.

D O C U M E N TO HASH DPCACCaixa v2.2.pdf e23cb96a9d8c95ddc025f1d124a45fb97e6b0e19 PSACCAIXA v2.2.pdf 6 5 2 9 3 d b f c 6 c 0 4 8 0 a 6 3 8 6 e 9 d a 3 a 5 c 5 11 9 0 d 9 f 8 7 5 9 DPCACCaixaPF v2.2.pdf ab4d65e474141f90d27b6a039e43639ae024d2d8 PCA1ACCaixaPF v2.2.pdf e269fe796420ee1d6951dc958764378c13f96521 PCA3ACCaixaPF v2.2.pdf e2ddd6ae6b16d6bd02a24e07d723421fa608ac39 PSACCAIXAPF v2.2.pdf a32d86eeeed5a37e643538dbe9848a49c7a809d3 DPCACCaixaPJ v2.2.pdf f4bbf9909ca07fa7b96a6aafbcc3bb4da1398fb8 PCA1ACCaixaPJ v2.2.pdf 166f312be31fc5f96be21b9294538fb89b0c5b7d PCA3ACCaixaPJ v2.2.pdf 969b4aca03ce4800bacc042b4ebd6d84ef1f1dfc PSACCAIXAPJ v2.2.pdf 46e3e00850939e55190e9079872e88860b15952c

Em face disso, e com fulcro na Instrução Normativa nº 1 do ITI, de 16 de fevereiro de 2005, e no item 3.1. do DOC-ICP-03, de 18.04.2006, aprova-se a versão 2.2 das DPC, PC e PS da AC CAIXA, AC CAIXA PF e AC CAIXA PJ . Publique-se. Em 17 de junho de 2008.

Entidade: AR SESCON SP CNPJ: 62.638.168/0001-84 Processo Nº: 00100.000140/2008-15

Nos termos do parecer exarado pela Procuradoria Federal Especializada do ITI (fls. 14/16), RECEBO a solicitação de credenciamento da Autoridade de Registro SESCON SP, operacionalmente vinculada à AC CERTISIGN MÚLTIPLA, com fulcro no item 2.2.2.1.2 da Resolução CG ICP Brasil, nº 47 de 03 de dezembro de 2007. Encaminhe-se o processo à Diretoria de Auditoria, Fiscalização e Normalização. Publique-se. Em 16 de junho de 2008.

Entidade: AR SESCON MG CNPJ: 38.733.101/0001-44 Processo Nº: 00100.000136/2008-57

Nos termos do parecer exarado pela Procuradoria Federal Especializada do ITI (fls. 14/16), RECEBO a solicitação de credenciamento da Autoridade de Registro SESCON MG, operacionalmente vinculada à AC CERTISIGN MÚLTIPLA, com fulcro no item 2.2.2.1.2 da Resolução CG ICP Brasil, nº 47 de 03 de dezembro de 2007. Encaminhe-se o processo à Diretoria de Auditoria, Fiscalização e Normalização. Publique-se. Em 16 de junho de 2008.

MAURÍCIO AUGUSTO COELHO

(6)

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO

SECRETARIA EXECUTIVA

DIRETORIA DE GESTÃO INTERNA

<!ID1175012-0>

PORTARIA No-827, DE 16 DE JUNHO DE 2008

O DIRETOR DE GESTÃO INTERNA DA CONTRO-LADORIA-GERAL DA UNIÃO, no uso da competência que lhe

confere a Portaria nº 570, inciso VI do artigo 68, de 11/05/2007, do Ministro de Estado do Controle e da Transparência e observadas as disposições do Decreto-Lei nº 200, de 25/02/1967, da Lei nº 8.666, de 21/06/1993, da Lei Complementar nº 101, de 04/05/2000, do Decreto nº 93.872, de 23/12/1986, Decreto nº 6.170, de 25 de julho de 2007, e da Portaria Interministerial nº 127, de 29 de maio de 2008, dos Ministros de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, da Fa-zenda e do Controle e da Transparência, resolve:

Art. 1º Aprovar a descentralização de recursos constantes da programação do Órgão 20125- Controladoria-Geral da União, UG 170940, alocados na funcional programática 04.124.1173.2B15.0001 -Correição no Poder Executivo Federal, no valor total estimado de R$ 4.460,85 (quatro mil, quatrocentos e sessenta reais e oitenta e cinco centavos), para repasse à Escola de Administração Fazendária-ESAF, sendo 50% antes da realização do evento e o valor restante após a apresentação do Relatório Financeiro, conforme consta no processo nº 00190.017006/2008-91, com o objetivo de custear despesas referentes ao Curso de Direito Administrativo Disciplinar para Dirigentes.

Art. 2º Fica a Corregedoria-Geral da União responsável pelo acompanhamento da aplicação dos recursos nos moldes ora autorizados, inclusive para fins de aprovação do Relatório Financeiro do projeto.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

CLÁUDIO TORQUATO DA SILVA

SECRETARIA ESPECIAL DE AQÜICULTURA

E PESCA

<!ID1177011-0>

PORTARIA No-144, DE 17 DE JUNHO DE 2008

Alterar a definição das áreas dos Comitês Temáticos Permanentes do Conselho Na-cional de Aqüicultura e Pesca, criado pela Portaria nº 266, de 28 de setembro de 2004, da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República.

O SECRETÁRIO ESPECIAL DA SECRETARIA ESPE-CIAL DE AQUICULTURA E PESCA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 8º, inciso

III, do Decreto 5.069 de 05 de maio de 2004, resolve:

Art. 1º Alterar o art. 25 da Portaria nº 266, de 28 de se-tembro de 2004, que passará a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 25" (O CONAPE contará com Comitês Temáticos per-manentes para encaminhar discussões e elaborar propostas à con-sideração do Plenário, entre outras a serem definidas, nas se-guintes áreas:

a) gestão da pesca continental; b) gestão da pesca oceânica; c) gestão da pesca costeira;

d) gestão da aqüicultura e continental; e) gestão da aqüicultura marinha).

Art. 2º Esta portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

ALTEMIR GREGOLIN

SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS

PARA AS MULHERES

<!ID1177012-0>

PORTARIA No-34, DE 17 DE JUNHO DE 2008

A SECRETÁRIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES, DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso de

suas atribuições e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e

Considerando o lançamento do Pacto Nacional pelo Enfren-tamento à Violência contra a Mulher na abertura da II Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres em agosto de 2007;

Considerando que o Pacto faz parte da agenda social do governo,coordenada pela Casa Civil, que prevê ações integradas por todos os Ministérios da área social,

Considerando o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres e o Comitê de Articulação e Monitoramento do PNPM.

R E S O LV E :

Art. 1° Instituir a Câmara Técnica do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher com a finalidade de propor e elaborar ações de enfrentamento à violência contra as mu-lheres, deliberar sobre a destinação dos recursos federais para essas ações, coordenar a execução do Pacto, monitorar o seu desenvol-vimento, o cumprimento das metas apresentadas, elaborar estratégias e avaliar resultados.

Art. 2° A Câmara Técnica será integrada por um repre-sentante e um suplente dos órgãos abaixo relacionados:

a) Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, da Pre-sidência da República, que a coordenará;

b) Casa Civil, da Presidência da República, c) Ministério da Saúde;

d) Ministério da Justiça;

e) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; f) Ministério do Trabalho e Emprego;

g) Ministério das Cidades; h) Ministério da Educação; i) Ministério do Turismo; j) Ministério da Cultura;

k) Ministério do Desenvolvimento Agrário; l) Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; m) Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República; e

n) Secretaria Especial de Políticas e Promoção da Igualdade Racial.

Art. 3° As reuniões serão convocadas pela Casa Civil da Presidência da República.

Art. 4° A Câmara poderá convidar representantes de outros órgãos da administração pública e da sociedade civil para o acom-panhamento ou participação dos trabalhos.

Art. 5° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

NILCÉA FREIRE

CONSELHO DE DEFESA NACIONAL

SECRETARIA EXECUTIVA

<!ID1177010-0>

INSTRUÇÃO NORMATIVA GSI No-1, DE 13 DE JUNHO DE 2008

Disciplina a Gestão de Segurança da In-formação e Comunicações na Administra-ção Pública Federal, direta e indireta, e dá outras providências.

O MINISTRO CHEFE DO GABINETE DE SEGURAN-ÇA INSTITUCIONAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, na

condição de SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO CONSELHO DE

DEFESA NACIONAL, no uso de suas atribuições; CONSIDERANDO:

o disposto no artigo 6º e parágrafo único do art. 16 da Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003;

o disposto no inciso IV do caput e inciso III do §1º do art. 1º e art. 8º do Anexo I do Decreto nº 5.772, de 08 de maio de 2006;

o disposto nos incisos I, VI, VII e XIII do artigo 4º do Decreto nº 3.505, de 13 de junho de 2000;

as informações tratadas no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta, como ativos valiosos para a eficiente pres-tação dos serviços públicos;

o interesse do cidadão como beneficiário dos serviços pres-tados pelos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta;

o dever do Estado de proteção das informações pessoais dos cidadãos;

a necessidade de incrementar a segurança das redes e bancos de dados governamentais; e

a necessidade de orientar a condução de políticas de se-gurança da informação e comunicações já existentes ou a serem implementadas pelos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta.

R E S O LV E :

Art. 1º Aprovar orientações para Gestão de Segurança da In-formação e Comunicações que deverão ser implementadas pelos ór-gãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta.

Art. 2º Para fins desta Instrução Normativa, entende-se por: I - Política de Segurança da Informação e Comunicações: do-cumento aprovado pela autoridade responsável pelo órgão ou entidade da Administração Pública Federal, direta e indireta, com o objetivo de fornecer diretrizes, critérios e suporte administrativo suficientes à im-plementação da segurança da informação e comunicações;

II - Segurança da Informação e Comunicações: ações que objetivam viabilizar e assegurar a disponibilidade, a integridade, a confidencialidade e a autenticidade das informações;

III - disponibilidade: propriedade de que a informação esteja acessível e utilizável sob demanda por uma pessoa física ou de-terminado sistema, órgão ou entidade;

IV - integridade: propriedade de que a informação não foi modificada ou destruída de maneira não autorizada ou acidental;

V - confidencialidade: propriedade de que a informação não esteja disponível ou revelada a pessoa física, sistema, órgão ou en-tidade não autorizado e credenciado;

VI - autenticidade: propriedade de que a informação foi pro-duzida, expedida, modificada ou destruída por uma determinada pes-soa física, ou por um determinado sistema, órgão ou entidade;

VII - Gestão de Segurança da Informação e Comunicações: ações e métodos que visam à integração das atividades de gestão de riscos, gestão de continuidade do negócio, tratamento de incidentes, tratamento da informação, conformidade, credenciamento, segurança cibernética, segurança física, segurança lógica, segurança orgânica e segurança organizacional aos processos institucionais estratégicos, operacionais e táticos, não se limitando, portanto, à tecnologia da informação e comunicações;

VIII - quebra de segurança: ação ou omissão, intencional ou acidental, que resulta no comprometimento da segurança da infor-mação e das comunicações;

IX - tratamento da informação: recepção, produção, reprodu-ção, utilizareprodu-ção, acesso, transporte, transmissão, distribuireprodu-ção, armaze-namento, eliminação e controle da informação, inclusive as sigilosas.

Art. 3º Ao Gabinete de Segurança Institucional da Presi-dência da República - GSI, por intermédio do Departamento de Se-gurança da Informação e Comunicações - DSIC, compete:

I - planejar e coordenar as atividades de segurança da in-formação e comunicações na Administração Pública Federal, direta e indireta;

II - estabelecer normas definindo os requisitos metodológicos para implementação da Gestão de Segurança da Informação e Co-municações pelos órgãos e entidades da Administração Pública Fe-deral, direta e indireta;

III - operacionalizar e manter centro de tratamento e resposta a incidentes ocorridos nas redes de computadores da Administração Pública Federal, direta e indireta, denominado CTIR.GOV;

IV - elaborar e implementar programas destinados à cons-cientização e à capacitação dos recursos humanos em segurança da informação e comunicações;

V - orientar a condução da Política de Segurança da In-formação e Comunicações na Administração Pública Federal, direta e indireta;

VI - receber e consolidar os resultados dos trabalhos de auditoria de Gestão de Segurança da Informação e Comunicações da Administração Pública Federal, direta e indireta;

VII - propor programa orçamentário específico para as ações de segurança da informação e comunicações.

Art. 4º Ao Comitê Gestor de Segurança da Informação compete: I - assessorar o GSI no aperfeiçoamento da Gestão de Se-gurança da Informação e Comunicações da Administração Pública Federal, direta e indireta;

II - instituir grupos de trabalho para tratar de temas es-pecíficos relacionados à segurança da informação e comunicações.

Art. 5º Aos demais órgãos e entidades da Administração Pú-blica Federal, direta e indireta, em seu âmbito de atuação, compete:

I - coordenar as ações de segurança da informação e co-municações;

(7)

1

II - aplicar as ações corretivas e disciplinares cabíveis nos casos de quebra de segurança;

III - propor programa orçamentário específico para as ações de segurança da informação e comunicações;

IV - nomear Gestor de Segurança da Informação e Comu-nicações;

V - instituir e implementar equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais;

VI - instituir Comitê de Segurança da Informação e Co-municações;

VII - aprovar Política de Segurança da Informação e Comu-nicações e demais normas de segurança da informação e comuComu-nicações; VIII - remeter os resultados consolidados dos trabalhos de auditoria de Gestão de Segurança da Informação e Comunicações para o GSI.

Parágrafo único. Para fins do disposto no caput, deverá ser observado o disposto no inciso II do art. 3º desta Instrução Normativa.

Art. 6º Ao Comitê de Segurança da Informação e Comu-nicações, de que trata o inciso VI do art. 5º, em seu âmbito de atuação, compete:

I - assessorar na implementação das ações de segurança da informação e comunicações;

II - constituir grupos de trabalho para tratar de temas e propor soluções específicas sobre segurança da informação e co-municações;

III - propor alterações na Política de Segurança da Infor-mação e Comunicações; e

IV - propor normas relativas à segurança da informação e comunicações.

Art. 7º Ao Gestor de Segurança da Informação e Comu-nicações, de que trata o inciso IV do art. 5º, no âmbito de suas atribuições, incumbe:

I - promover cultura de segurança da informação e comu-nicações;

II - acompanhar as investigações e as avaliações dos danos decorrentes de quebras de segurança;

III - propor recursos necessários às ações de segurança da informação e comunicações;

IV - coordenar o Comitê de Segurança da Informação e Comunicações e a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais;

V - realizar e acompanhar estudos de novas tecnologias, quan-to a possíveis impacquan-tos na segurança da informação e comunicações; VI - manter contato direto com o DSIC para o trato de assuntos relativos à segurança da informação e comunicações;

VII - propor normas relativas à segurança da informação e comunicações.

Art. 8º O cidadão, como principal cliente da Gestão de Se-gurança da Informação e Comunicações da Administração Pública Federal, direta e indireta, poderá apresentar sugestões de melhorias ou denúncias de quebra de segurança que deverão ser averiguadas pelas autoridades.

Art. 9º Esta Instrução Normativa entra em vigor sessenta dias após sua publicação.

(8)

SECRETARIA EXECUTIVA

DIRETORIA DE PROGRAMA

<!ID1176675-0>

PORTARIA Nº 63, DE 16 DE MAIO DE 2008

O DIRETOR DE PROGRAMA DA SECRETARIA EXECUTIVA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 13, de 28 de janeiro de 2008, publicada no Diário Oficial da União de 30 de janeiro de 2008, e em cumprimento ao que determina o Art. 5º do Decreto nº 6.439, de 22 de abril de 2008, publicado no DOU de 23 de abril de 2008, estabelece que:

Art. 1º O pagamento de despesas, no exercício de 2008, das Unidades Orçamentárias do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, fica limitado aos valores constantes dos Anexos I, II e III desta Portaria.

§ 1º Para efeito de cumprimento do disposto no caput, serão considerados os critérios fixados no Decreto nº 6.439, de 22 de abril de 2008, publicado no DOU de 23 de abril de 2008. Art. 2º Os limites fixados nesta Portaria entram em vigor nesta data.

ANEXO I

R$ 1,00

Unidade Orçamentária Até Mai Até Jun Até Jul Até Ago Até Set Até Out Até Nov Até Dez

Administração. Direta 333.234.486 447.469.030 493.420.582 539.372.077 599.729.236 663.458.409 727.187.722 792.916.893 Restos a Pagar Processado 30.253.730 34.706.739 34.706.739 34.706.739 34.706.739 34.706.739 34.706.739 34.706.739 Restos a Pagar Não Processado 151.028.682 257.671.851 271.643.610 285.615.019 299.586.778 313.558.187 327.529.946 327.529.946 Despesas do Exercício de 2008 151.952.074 155.090.440 187.070.233 219.050.319 265.435.719 315.193.483 364.951.037 430.680.208 Embrapa 7 8 . 0 11 . 9 9 3 104.038.215 11 8 . 7 6 4 . 7 6 1 133.491.335 153.459.049 170.054.720 186.650.279 203.245.951 Restos a Pagar Processado 7.922.174 1 2 . 11 4 . 9 6 4 1 2 . 11 4 . 9 6 4 1 2 . 11 4 . 9 6 4 1 2 . 11 4 . 9 6 4 1 2 . 11 4 . 9 6 4 1 2 . 11 4 . 9 6 4 1 2 . 11 4 . 9 6 4 Restos a Pagar Não Processado 18.005.520 29.493.974 32.866.130 36.238.201 37.610.357 37.610.357 37.610.357 37.610.357 Despesas do Exercício de 2008 52.084.299 62.429.277 73.783.667 85.138.170 103.733.728 120.329.399 136.924.958 153.520.630

Conab 13.542.453 18.185.643 20.840.248 23.494.875 27.320.842 31.146.831 34.972.798 36.798.788

Restos a Pagar Processado 1.021.149 1.183.330 1.183.330 1.183.330 1.183.330 1.183.330 1.183.330 1.183.330

Restos a Pagar Não Processado 433.868 602.852 719.836 836.817 953.801 1.070.782 1.187.766 1.304.747

Despesas do Exercício de 2008 12.087.436 16.399.461 18.937.082 21.474.728 2 5 . 1 8 3 . 7 11 28.892.719 32.601.702 3 4 . 3 1 0 . 7 11 FUNCAFE 7.305.068 8 . 7 7 2 . 11 2 1 0 . 11 0 . 4 0 9 11 . 4 4 8 . 7 1 3 13.317.873 15.187.040 17.056.201 18.925.368 Restos a Pagar Processado 1.045.195 1.276.182 1.276.182 1.276.182 1.276.182 1.276.182 1.276.182 1.276.182 Restos a Pagar Não Processado 781.827 1.970.070 2099.515 2.099.515 2.099.515 2.099.515 2.099.515 2.099.515 Despesas do Exercício de 2008 5.478.046 5.525.860 6.734.712 8.073.016 9.942.176 11 . 8 11 . 3 4 3 13.680.504 15.549.671 Total Geral 432.094.000 578.465.000 643.136.000 707.807.000 793.827.000 879.847.000 965.867.000 1.051.887.000 Restos a Pagar Processado 40.242.248 49.281.215 49.281.215 49.281.215 49.281.215 49.281.215 49.281.215 49.281.215 Restos a Pagar Não Processado 170.249.897 289.738.747 307.329.091 324.789.552 340.250.451 354.338.841 368.427.584 368.544.565 Despesas do Exercício de 2008 221.601.855 239.445.038 286.525.694 333.736.233 404.295.334 476.226.944 548.158.201 634.061.220 Fontes: 100, 111, 112, 113, 115, 118, 120, 127, 129, 130, 131, 132, 133, 134, 135, 139, 140, 141, 142, 148, 149, 151, 153, 155, 157, 158, 159, 162, 164,

166, 172, 174, 175, 176, 180, 249, 280, 293 e suas correspondentes, resultantes de incorporação de saldos de exercícios anteriores.

ANEXO II

R$ 1,00

Unidade Orçamentária Até Mai Até Jun Até Jul Até Ago Até Set Até Out Até Nov Até Dez

Administração. Direta 9.863.930 10.179.030 11 . 1 6 0 . 0 6 3 12.300.235 13.823.729 15.347.221 16.870.716 20.194.208

Restos a Pagar Processado 197.447 241.083 241.083 241.083 241.083 241.083 241.083 241.083

Restos a Pagar Não Processado 7.841.564 8.000.646 8.203.272 8.405.893 8.619.405 8.832.912 9.046.425 9.259.933 Despesas do Exercício de 2008 1.824.919 1.937.301 2.715.708 3.653.259 4.963.241 6.273.226 7.583.208 10.693.192 Embrapa 19.167.002 25.003.969 28.258.314 31.512.333 35.379.890 39.247.456 4 3 . 11 5 . 0 1 3 44.682.579 Restos a Pagar Processado 1.067.236 1.303.094 1.303.094 1.303.094 1.303.094 1.303.094 1.303.094 1.303.094 Restos a Pagar Não Processado 2.059.467 4.538.767 5.034.632 5.530.484 5.530.484 5.530.484 5.530.484 5.530.484 Despesas do Exercício de 2008 16.040.299 19.162.108 21.920.588 24.678.755 28.546.312 32.413.878 36.281.435 37.849.001

Conab 32.421.059 35.555.106 40.877.594 46.199.517 53.986.466 61.773.408 69.560.356 77.847.298

Restos a Pagar Processado 4.842.002 5.912.079 5.912.079 5.912.079 5.912.079 5.912.079 5.912.079 5.912.079 Restos a Pagar Não Processado 1.770.244 3.196.472 3.622.700 4.048.917 4.475.145 4.753.805 4.753.805 4.753.805 Despesas do Exercício de 2008 25.808.813 26.446.555 31.342.815 36.238.521 43.599242 51.107.524 58.894.472 67.181.414

FUNCAFE 1.685.009 2.125.895 2.296.029 2.306.915 2.306.915 2.306.915 2.306.915 2.306.915

Restos a Pagar Processado 380 464 464 464 464 464 464 464

Restos a Pagar Não Processado 45.213 99.643 11 0 . 5 2 9 121.415 121.415 121.415 121.415 121.415

Despesas do Exercício de 2008 1.639.416 2.025.788 2.185.036 2.185.036 2.185.036 2.185.036 2.185.036 2.185.036 Total Geral 63.137.000 72.864.000 82.592.000 92.319.000 105.497.000 11 8 . 6 7 5 . 0 0 0 131.853.000 145.031.000 Restos a Pagar Processado 6.107.065 7.456.720 7.456.720 7.456.720 7.456.720 7.456.720 7.456.720 7.456.720 Restos a Pagar Não Processado 11 . 7 1 6 . 4 8 8 15.835.528 16.971.133 18.106.709 18.746.449 19.238.616 19.452.129 19.665.637 Despesas do Exercício de 2008 45.313.447 49.571.752 58.164.147 66.755.571 79.293.831 91.979.664 104.944.151 11 7 . 9 0 8 . 6 4 3 Fontes: 150, 250 e suas correspondentes, resultantes de incorporação de saldos de exercícios anteriores.

ANEXO III

R$ 1,00

Unidade Orçamentária Até Mai Até Jun Até Jul Até Ago Até Set Até Out Até Nov Até Dez

Administração. Direta 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000

Restos a Pagar Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Restos a Pagar Não Processado 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000

Despesas do Exercício de 2008 0 0 0 0 0 0 0 0

Embrapa 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127

Restos a Pagar Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Restos a Pagar Não Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Despesas do Exercício de 2008 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127 199.127

Conab 0 0 0 0 0 0 0 0

Restos a Pagar Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Restos a Pagar Não Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Despesas do Exercício de 2008 0 0 0 0 0 0 0 0

FUNCAFE 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873

Restos a Pagar Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Restos a Pagar Não Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Despesas do Exercício de 2008 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873 189.873

Total Geral 441.000 441.000 441.000 441.000 441.000 441.000 441.000 441.000

Restos a Pagar Processado 0 0 0 0 0 0 0 0

Restos a Pagar Não Processado 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000 52.000

Despesas do Exercício de 2008 389.000 389.000 389.000 389.000 389.000 389.000 389.000 389.000

Fontes: 179, 182, 282 e suas correspondentes, resultantes de incorporação de saldos de exercícios anteriores.

GUSTAVO PEREIRA DA SILVA FILHO

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

.

Imagem

Referências

temas relacionados :