Cartilha de Educação Financeira

24 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR:

O INVESTIMENTO DO SEU FUTURO

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR:

O INVESTIMENTO DO SEU FUTURO

Cartilha de Educação Financeira

(2)
(3)

SUMÁRIO

O INVESTIMENTO DO SEU FUTURO ...4

SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ...6

REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL...8

POR QUE COMPLEMENTAR? ... 10

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ... 12

PREVIDÊNCIA ABERTA X PREVIDÊNCIA FECHADA ... 14

COMO FUNCIONA A PREVIDÊNCIA PRIVADA? ...16

ONDE AS ENTIDADES INVESTEM? ... 18

TAXAS E TRIBUTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA PRIVADA ... 19

(4)

Na série de Cartilhas “DO COLCHÃO AO MILHÃO”, descobrimos que poupar e investir são duas coisas diferentes, porém complementares e igualmente importantes. Também deciframos que o grande barato de investir é fazer com que o seu dinheiro “trabalhe para você” e isso torna mais simples alcançar seus objetivos.

Concluímos que com planejamento, objetivos bem definidos e atuações corretas, o seu dinheiro poderá multiplicar-se graças a rentabilidade e a “mágica” dos juros compostos. Outro aprendizado primordial foi que cada centavo investido deve ser “carimbado” de acordo com um objetivo estabelecido. Falamos da importância de ter objetivos de curto, médio e longo prazo. E também sobre como escolher o melhor investimento para você.

Mas deixamos para a esta cartilha, o investimento mais importante da sua vida: o dinheirinho ou, quem sabe, o dinheirão que você vai receber quando não quiser (ou não puder) mais trabalhar. Estamos falando, sim, da Previdência.

Na linguagem popular, uma pessoa previdente é aquela que se prepara com antecedência. No mundo financeiro, vale a mesma premissa: a ideia é formar uma reserva financeira para lidar com situações futuras, como a chegada da aposentadoria ou a realização de um projeto de vida. No Brasil, basicamente, existem dois sistemas de previdência para proteção do trabalhador em eventos como doença, invalidez, aposentadoria ou morte:

(5)

1. SISTEMA PÚBLICO: funciona como um seguro controlado pelo governo. É destinado a todos os trabalhadores que exercem atividades remuneradas, sendo:

• RPPS - Regime Próprio de Previdência Social = assegurado

exclusivamente aos servidores públicos titulares de cargos efetivos e mantido pelos entes públicos da Federação (União, Estados, Distrito Federal e Municípios).

• RGPS - Regime Geral de Previdência Social = destinado

aos trabalhadores da iniciativa privada e demais servidores públicos. É gerido por uma autarquia federal denominada INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

O sistema de contribuição é mensal e obrigatório. As contribuições incidentes sobre as remunerações dos trabalhadores ativos é o que suporta o pagamento dos benefícios dos inativos, caracterizando o que se denomina Regime de Repartição Simples (onde há solidariedade entre os segurados do sistema - as contribuições dos ativos pagam os benefícios dos aposentados e pensionistas).

(6)

2. SISTEMA PRIVADO: disponível para inscrição voluntária, definida por contrato, sendo:

• RPC - Regime de Previdência Complementar = sua

finalidade é suprir a necessidade de renda adicional, por ocasião da inatividade ou em situações adversas como invalidez ou morte, proporcionando mais segurança aos trabalhadores que querem planejar e garantir um melhor padrão de vida no futuro. Esse regime pode ser administrado por:

§ ENTIDADES ABERTAS COM FINS LUCRATIVOS =

Bancos e Seguradoras.

§ ENTIDADES FECHADAS SEM FINS LUCRATIVOS =

Fundos de Pensão, tais como a Sabesprev, entre outros.

O sistema de contribuição é mensal e a adesão é voluntária. O benefício de aposentadoria será pago com base nas reservas acumuladas ao longo dos anos, ou seja, o que é depositado hoje formará uma poupança e será utilizada no futuro para pagamento do seu benefício, o que é denominado Regime de Ca-pitalização. Na Previdência Privada, ao contrário da Previdência Pública, o pagamento do benefício dos aposentados não está vinculado diretamente às contribuições pagas pelos trabalhadores ativos e sim, mediante a constituição de reservas.

(7)

RPPS

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

RGPS

REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

RPC

REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PÚBLICO FILIAÇÃO OBRIGATÓRIA PARA SERVIDORES PÚBLICOS TITULARES DE CARGOS EFETIVOS VIA DE REGRA, REGIME FINANCEIRO DE CAIXA

PÚBLICO FILIAÇÃO OBRIGATÓRIA

PARA TRABALHADORES REGIDOS PELA CLT OPERADO PELO INSS REGIME FINANCEIRO DE CAIXA PRIVADO AUTÔNOMO NATUREZA CONTRATUAL FILIAÇÃO FACULTATIVA REGIME FINANCEIRO DE CAPITALIZAÇÃO

INSTITUTOS

DE PREVIDÊNCIA

INSS

SABESPREV

SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO

E você? Como se encaixa nesse sistema?

Os empregados da Sabesp contam com a proteção compulsória do Regime Geral e a proteção voluntária do Regime de Previdência Complementar, oferecido por sua empregadora.

(8)

REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

O Regime Geral é operado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Para ter direito ao pagamento de aposentadoria e demais benefícios é fundamental contribuir mensalmente, durante um determinado período de tempo, para a Previdência Social.

Os trabalhadores com carteira assinada já são filiados automati-camente à Previdência. Já quem trabalha sem vínculo empregatício

precisa se inscrever e fazer contribuições mensais, por exemplo os autônomos.

Os benefícios de aposentadoria do INSS são:

• Aposentadoria por tempo de contribuição: não tem idade mínima,

porém incide o “fator previdenciário” que puxa o benefício para baixo, considerando a expectativa de vida do segurado. Ou seja, diminui o benefício de quem se aposenta mais jovem. Para requerer a aposentadoria, os homens precisam ter no mínimo 35

anos de contribuição e as mulheres, 30 anos de contribuição.

• Aposentadoria por idade: homens = 65 anos (exceto

trabalhadores rurais = 60 anos) e mulheres = 60 anos (exceto trabalhadoras rurais = 55 anos). Nesses casos é preciso contribuir por, no mínimo, 15 anos, consecutivos

(9)

• Aposentadoria por pontos - 85/95: para se enquadrar nesse cálculo leva-se

em consideração a soma da idade mais o tempo de contribuição. Para mulheres essa soma deve ser igual ou maior a 85 e para homens, igual ou maior a 95. O tempo mínimo de contribuição para homens é de 35 anos e para mulheres, de 30 anos.

IMPORTANTE: essa pontuação do 85/95 deverá aumentar até 2027 porque a expectativa de vida do brasileiro também tende a aumentar nesse período. Em 2019/2020 a pontuação passará a ser 86/96. Em 2021/2022 será de 87/97. Em 2023/2024, 88/98. Em 2025/2026, 89/99. E a partir de 2027, 90/100.

• Aposentadoria por invalidez: É um benefício devido ao

trabalhador incapaz de exercer qualquer atividade laborativa por motivo de doença sem reabilitação em certo prazo, de acordo com a avaliação da perícia médica do INSS. O benefício é pago enquanto persistir a invalidez e o segurado pode ser reavaliado pelo INSS.

HÁ AINDA OUTROS BENEFÍCIOS E RENDAS: aposentadoria especial, auxílio doença, auxílio acidente, auxílio reclusão, pensão por morte e

(10)

POR QUE COMPLEMENTAR?

São raríssimas as pessoas que conseguem manter a mesma qualidade de vida da ativa na aposentadoria somente com os benefícios da Previdência Social.

O teto das aposentadorias do INSS hoje é de R$ 5.645,80. Esse valor pode até parecer razoável para muitos brasileiros, mas a questão é que menos de

1% dos aposentados conseguem receber o teto, devido à forma de cálculo

das aposentadorias.

Além disso, o reajuste anual do INSS costuma ficar abaixo da inflação e do reajuste do salário mínimo. Isso explica porque muitos aposentados vêem seu poder de compra sendo reduzido ao longo dos anos.

Assim, quem não tem outras alternativas de renda para o futuro, fica frustrado e provavelmente terá que voltar a trabalhar (se tiver saúde para isso), num momento em que já deveria estar curtindo a vida de aposentado. Por isso é muito importante que as pessoas se programem para ter mais de uma fonte de renda no futuro.

Outro ponto importante que deve ser levado em consideração é a necessidade latente de uma reforma da Previdência Social em razão dos déficits e da realidade atual da população. As pirâmides etárias no Brasil estão se modificando de forma muito rápida.

(11)

Em 1990 a base da pirâmide etária brasileira era composta por crianças,

adolescentes e adultos jovens. Haviam menos idosos e a expectativa de vida era de 65 anos.

Em 2016 ainda tínhamos idosos no topo, mas a expectativa de vida já era

de 71 anos e o número de crianças e adolescentes, quase igual ao de adultos jovens.

Para 2040, a previsão é caótica do ponto de vista da Previdência Social.

A previsão é que em poucos anos o Brasil terá um contingente maior de idosos recebendo beneficio e um contingente menor de jovens entrando no mercado de trabalho, cujas contribuições para Previdência Social deveriam suportar o pagamento dos benefícios dos aposentados e pensionistas (no Regime de Repartição, explicado anteriormente).

1990 HOMENS MULHERES 80+ 75-79 70-74 65-69 60-64 55-59 50-54 45-49 40-44 35-39 30-34 25-29 20-24 15-19 10-14 5-9 4-0 HOMENS 2016 MULHERES 100+ 95-99 90-94 85-89 80-84 75-79 70-74 65-69 60-64 55-59 50-54 45-49 40-44 35-39 30-34 25-29 20-24 15-19 10-14 5-9 4-0 3,7% 3,7% 4,2% 4,3% 4,3% 4,0% 4,1% 3,9% 2,9% 3,4% 3,1% 1,4% 2,4% 1,9% 0,8% 0,2% 0,6% 0,4% 0,0% 0,0% 0,0% 3,5% 3,5%4,1% 4,3% 4,3% 3,9%4,2% 4,1% 3,1% 3,5% 3,2% 1,6% 2,6% 2,3% 1,2% 0,3% 0,8% 0,5% 0,0% 0,2% 0,0% HOMENS 2040 MULHERES 100+ 95-99 90-94 85-89 80-84 75-79 70-74 65-69 60-64 55-59 50-54 45-49 40-44 35-39 30-34 25-29 20-24 15-19 10-14 5-9 4-0 2,7% 2,8% 2,9% 3,0% 3,2% 3,1% 3,2% 3,6% 3,4% 3,6% 3,4% 2,4% 3,4% 2,9% 2,0% 0,6% 1,6% 1,0% 0,0% 0,2% 0,0% 2,5% 2,7% 2,8% 2,9% 3,2% 3,0% 3,1% 3,5% 3,5% 3,5% 3,4% 2,8% 3,6% 3,2% 2,4% 0,8% 2,1% 1,4% 0,0% 0,4% 0,0%

(12)

Nesta nova realidade, dois pontos ficam evidentes:

1) a tendência cada vez mais realista de redução do valor dos benefícios pagos pelo INSS e

2) a necessidade das pessoas retardarem a sua entrada no processo de aposentadoria, ficando mais tempo no mercado de trabalho.

Por causa deste problema urgente, o assunto não sai da mídia e cada dia mais brasileiros estão se dando conta da realidade e tentando correr atrás do prejuízo, buscando começar o quanto antes a planejar o futuro para não virar parte de uma preocupante estatística. E, nesse contexto, a Previdência Complementar vem ganhando forças.

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

A Previdência Complementar foi regulamentada no Brasil em 1977. De lá pra cá o Sistema evoluiu e cresceu muito, trazendo benefícios para milhares de brasileiros.

Os recursos provenientes das contribuições dos participantes são aplicados no mercado na busca da maior rentabilidade possível para os Planos, sempre com responsabilidade, segurança e cumprindo a legislação vigente. Com a Previdência Complementar ganha quem contribui, ganha quem trabalha, ganham as empresas e a sociedade com a geração de empregos decorrentes dos investimentos em diversos setores da economia.

(13)

A principal função da Previdência Complementar é promover a manutenção da capacidade de sustento e de consumo na inatividade, de preferência num padrão de vida próximo ao que a pessoa está acostumada. Mas essa proteção não se limita ao titular, estendendo-se à família, por meio de benefícios como pensão por morte, etc.

(14)

No Brasil existem duas formas institucionalizadas de Previdência Complementar: a aberta e a fechada e, apesar de serem investimentos bem parecidos, o resultado final pode ser bastante distinto.

PREVIDÊNCIA ABERTA X PREVIDÊNCIA FECHADA A Previdência Aberta é disponibilizada por bancos e seguradoras com fins lucrativos, e pode ser adquirida por qualquer pessoa física ou jurídica.

Já a Previdência Fechada é feita por/para empresas ou associações e é de acesso exclusivo a seus funcionários ou associados.

No comparativo ao lado, é fácil perceber que participar de um Plano de Previdência Complementar Fechado é um verdadeiro privilégio. Não apenas pelo menor custo de administração e retorno de quase 100% da rentabilidade financeira, mas principalmente pela contrapartida da Patrocinadora, que no caso da Sabesp multiplica a Contribuição Básica do participante, na hora, por dois (fora a rentabilidade dos investimentos).

(15)

ABERTA FECHADA

ADESÃO Facultativa Facultativa

ADMINISTRADOR

SOCIEDADE ANÔNIMA -Organizadas por instituições financeiras e seguradoras na forma de sociedade anônima

FUNDAÇÃO OU SOCIEDADE CIVIL -Organizadas por empresas ou entidades associativas na forma de

fundação ou sociedade civil

NATUREZA Privada Privada

TIPOS DE PLANOS Individuais ou coletivos Coletivos

OBJETIVO DE LUCRO Entidade COM fins lucrativos Entidade SEM fins lucrativos

ACESSÍVEL A qualquer pessoa

A grupos específicos, com base no vínculo empregatício ou

associativo

FISCALIZAÇÃO SUSEP PREVIC

TAXAS DE ADMINISTRAÇÃO

MAIORES TAXAS visíveis (exemplo:

TAF) e invisíveis (exemplo: Taxa sobre administração dos

Investimentos)

MENORES TAXAS visíveis e invisíveis.

Há limite estabelecido na lei para taxa de administração.

DESTINO DA RENTABILIDADE

Apenas parte da rentabilidade vai para o participante, pois a outra parte dela precisa remunerar os

acionistas

100% da rentabilidade (- TAF) vai

para a conta dos participantes

(16)

COMO FUNCIONA A PREVIDÊNCIA PRIVADA?

Os Planos de Previdência Privada geralmente são divididos em:

• Acumulação: período em que são realizados os aportes de recursos que

serão aplicados conforme as regras do Plano com o objetivo de aumentar o capital investido;

• Recebimento: após o período pré-definido em contrato, o valor acumulado

poderá ser recebido na forma de uma renda complementar.

O participante faz adesão a um Plano e começa a fazer aportes regulares para que o dinheiro se acumule e cresça o saldo previdenciário.

Vale ressaltar que se o seu objetivo é fazer uma renda complementar e garantir uma aposentadoria mais tranquila, o bom é começar o quanto antes.

(17)

Por exemplo, uma pessoa que começou a contribuir com 20 anos terá qua-tro vezes mais dinheiro do que quem começou a acumular com 40 anos (considerando a idade de 64 anos para aposentadoria e juros anuais de 6% acima da inflação).

ONDE AS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA PRIVADA INVESTEM?

Com o objetivo principal de zelar pelo direito futuro do participante, a aplicação dos recursos previdenciários investidos pelos fundos de pensão, como a Sabesprev, deve se submeter a regras gerais, estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional - CMN. A rigor, são definidos quatro principais segmentos de aplicação: * Não é permitido empréstimo aos Patrocinadores ou Instituidores do Plano

RENDA FIXA

FUNDOS IMOBILIÁRIOS

EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

*

RENDA VARIÁVEL

INVEST. ESTRUTURADOS

(18)

Cada Plano de Previdência deve ter uma política própria de investimento, que esteja adequada às necessidades dos participantes a ele vinculado. De maneira geral, o prazo de aplicação dos recursos deve estar ajustado ao cumprimento das obrigações do Plano. A principal delas é o pagamento de benefícios.

É fato que todo e qualquer investimento está sujeito a algum tipo de risco. O principal e mais importante risco é justamente não obter a rentabilidade mínima necessária para fazer face aos compromissos assumidos pelo Plano. Assim, cabe ao gestor dos recursos, dentro dos limites estabelecidos em lei, avaliar os riscos que incorrerá ao buscar a melhor rentabilidade.

A Sabesprev, por exemplo, investe constantemente na implementação de novas metodologias, com proteção da carteira, construção de rankings de desempenho, diversificação de estratégias e ações de transparência. As carteiras de investimento da Fundação estão solidamente constituídas e fundamentadas em retornos de longo prazo. O resultado histórico da rentabilidade dos seus Planos Previdenciários é três vezes maior que a meta atuarial, ou seja, três vezes maior que o seu compromisso

(19)

TAXAS E TRIBUTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA PRIVADA

Assim como a maioria dos investimentos, a Previdência Privada também possui a cobrança de taxas e incide tributação.

• TAXAS = da mesma forma que os fundos de investimento,

as taxas para diferentes Planos de Previdência Complementar podem variar bastante. As taxas mais comuns são:

A Taxa de Administração Financeira - TAF é o percentual que incide sobre o patrimônio total do fundo, pago mensalmente para remunerar o serviço de administração realizada pela Entidade de Previdência Privada - Aberta ou Fechada.

Já a Taxa de Carregamento é o percentual cobrado de cada aplicação com o objetivo de cobrir os custos da empresa que administra o fundo.

• TRIBUTAÇÃO = Você pode optar por duas formas de

tributação do Imposto de Renda, que causam impactos diferentes na evolução do seu Plano.

A Tabela Regressiva é vinculada ao tempo da aplicação. Ou seja, quanto maior for o prazo de acumulação, menor será a alíquota de IR na hora do resgate ou recebimento da renda. A Tabela Regressiva é a escolha certa para o participante que tem a perspectiva de resgatar o dinheiro apenas a longo prazo.

(20)

Já a Tabela Progressiva é a mesma que determina a alíquota do Imposto de Renda sobre o seu salário. Na prática, o que determina a alíquota sobre o Plano de Previdência é o valor a ser resgatado ou transformado em renda. Como o que está em jogo é o quanto irá para o seu bolso, a opção pela Tabela Progressiva é mais indicada em duas situações: (1) se você tem a intenção de sair do fundo em um prazo mais curto; (2) se você estiver poupando com o objetivo de receber uma renda mensal que fique na faixa de isenção do IR ou próxima a essa, cuja alíquota não ultrapasse os 7,5%.

(21)

INCENTIVO FISCAL

Vale lembrar que a Previdência Privada constitui um mecanismo de poupança popular, com finalidade previdenciária que necessita de longo prazo para acumulação. Para minimizar o esforço e compensar o sacrifício de poupança do trabalhador, a legislação oferece forte incentivo fiscal para estimular o ingresso e a permanência na Previdência Complementar.

Nos planos PGBL e nos Fundos de Pensão, o dinheiro que você deposita ao longo do ano (aportes ou contribuições) pode ser descontado do Imposto de Renda a ser pago, no limite máximo de 12% da sua renda bruta anual tributável. Para isso, é importante utilizar, na hora de declarar o imposto de renda, o modelo completo de declaração e ter contribuído com o INSS durante o ano-calendário.

(22)

PREVIDÊNCIA DA SUA EMPRESA?

Um dos maiores erros que um empregado da Sabesp pode cometer é não optar pela Previdência Complementar da sua empresa. Isso porque são pouquíssimas empresas que oferecem esse benefício de forma patrocinada para todos os empregados, independentemente do cargo ocupado. Funciona assim: você coloca um percentual do seu salário no Plano de Previdência e a empresa coloca o mesmo valor que você colocou. Ou seja, de imediato você já tem um retorno de 100% do capital. Exemplo: se coloco R$100 por mês no Plano da empresa, ela coloca mais R$100 por mim, gerando R$200 por mês (dentro de um percentual máximo pré-definido). Como a Sabesp oferece benefício, a melhor postura é adotar o percentual máximo de Contribuição Básica, que é aquela que a empresa dobrará sua aplicação.

Atualmente, a Sabesprev administra três Planos Previdenciários, os quais você poderá conhecer melhor na próxima série de Cartilhas, a ser lançada em 2019, sob a denominação CARTILHA DO PARTICIPANTE SABESPREV.

(23)

NÃO DEIXE DE ACOMPANHAR!

CONHEÇA MELHOR O SEU PLANO

DE PREVIDÊNCIA E SAIBA COMO

APROVEITAR AO MÁXIMO ESSE

INVESTIMENTO PARA O

SEU FUTURO.

(24)

Fundação Sabesp de Seguridade Social - Sabesprev Al. Santos, 1.827 - 14º andar - CEP 01419.909 - São Paulo/SP

Tel.: 3145.4600 - Site: www.sabesprev.com.br - E-mail: atendimento@sabesprev.com.br Central de Atendimento: 08000.55.1827

Imagem

Referências

temas relacionados :