• Nenhum resultado encontrado

Relatório estágio profissional

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Relatório estágio profissional"

Copied!
18
0
0

Texto

(1)

RELATÓRIO FINAL

MESTRADO INTEGRADO EM

MEDICINA

D a n i e l a C r i s t i n a S i m õ e s F e r r e i r a

Nº 2012171 | 6º ANO | TURMA 5

JUNHO DE 2018

AN O L ET IV O 2 0 1 7 -20 18

(2)

SUMÁRIO

1. Introdução 1 2. Objetivos 1 3. Síntese dos Estágios Parcelares 2

3.1 Estágio de Pedi atria 2

3.2 Estágio de Gineco log ia e Obstetrícia 2

3.3 Estágio de Saúd e Menta l 3 3.4 Estágio de Medic ina Gera l e Famil iar 3 3.5 Estágio de Medic ina Inter na 4 3.6 Estágio de Cirur gia Gera l 5 3.7 Estágio Clínico Opci ona l d e Anestesi olo gia 5

4. Atividades Ext ra cur riculare s 6 5. Reflexão Crítica 6 6. Anexos 9 5.1 Crono gra ma do an o letiv o 2 017/2 018 9 5.2 T rabalhos no â mbito do est á gio profiss io nal i zante 9 5.3 Certificad os de ativ ida des e xtracurricul ares 9

(3)

1. Introdução

O Estágio Profissionalizante do 6º ano do Mestrado Integrado em Medicina da Nova Medical

School encontra-se organizado em seis estágios parcelares, na vertente médica e cirúrgica,

através dos quais se projeta a profissionalização do aluno. Este sistema de rotação permite a passagem por Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia, Saúde Mental e Medicina Geral e Familiar (4 semanas de duração cada), Medicina e Cirurgia (8 semanas de duração cada). O plano de estudos do presente ano conta ainda com duas semanas de Estágio Clínico Opcional, realizado em Anestesiologia, e uma unidade integradora. Este relatório visa enumerar os objetivos globais delineados, descrever sucintamente as atividades desenvolvidas nos diversos estágios parcelares, descrever atividades extracurriculares e terminar com uma apreciação global do seu contributo e impacto para a minha vida profissional e pessoal.

2. Objetivos

A atual formação médica pré-graduada assenta num modelo complexo de educação de índole científica, profissional e humana, que visa a amplificação e consolidação de conhecimentos, atitudes e competências consideradas fulcrais para posterior ingresso na carreira médica e exercício da profissão com ética, responsabilidade e eficácia.

De modo a maximizar as potencialidades formativas do estágio profissionalizante, delineei objetivos globais como ponto de partida: 1) Compreensão do significado de ser médico, dos valores e atitudes a adotar e da importância da formação médica contínua, com a consolidação de conhecimentos teóricos adquiridos em anos precedentes e sua aplicação prática; 2) Consolidação de aptidões na colheita anamnésica e exame objetivo, e estruturação de um raciocínio clinico direcionado e orientado para os contextos mais prevalentes, identificando situações de indicação urgente; 3) Observação de procedimentos médicos fundamentais e técnicas cirúrgicas, e aquisição de autonomia progressiva para a sua realização; 4) Participação e integração das diversas atividades diárias das equipas clínicas, desenvolvendo uma boa relação interpessoal e capacidade de comunicação com doentes e profissionais de saúde.

(4)

3.1 Estágio de Pediatria (11 de Setembro a 6 de Outubro de 2017)

O estágio de Pediatria decorreu no Hospital Dona Estefânia, sob orientação da Dra. Rita Machado. Durante este período desenvolvi diversas atividades práticas diárias no serviço de internamento 5.1, serviço de urgência, consulta de hematologia, consulta de medicina do viajante, consulta de pediatria geral e na consulta de imunoalergologia. Acrescentam-se ainda outras atividades de índole científico-pedagógica, como as sessões clínicas e reuniões multidisciplinares, e a aula teórico-prática de imunoalergologia. Assim, tive a oportunidade de acompanhar a evolução clínica dos doentes internados, participando ativamente na colheita de anamnese e realização de exame objetivo, discussão de hipóteses diagnósticas, interpretação de meios complementares de diagnóstico e instituição de terapêutica. No final do estágio tive a oportunidade de apresentar o tema “Dieta Vegetariana em Idade Pediátrica”, que suscitou uma discussão ativa e o esclarecimento de diversas dúvidas nesta área, por parte de alunos e profissionais de saúde.

3.2 Estágio de Ginecologia e Obstetrícia (9 de Outubro a 3 de Novembro de 2017)

O estágio de Ginecologia e Obstetrícia realizado no Hospital Beatriz Ângelo, sob orientação da Dra. Njila Amaral, permitiu um contacto equitativo com as diferentes vertentes da área Obstétrica e Ginecológica, incluindo a frequência semanal no serviço de urgência e tempo de contacto com procedimentos cirúrgicos. Na vertente obstétrica, assisti a consultas de diagnóstico pré-natal, nas quais me familiarizei com o rastreio combinado do 1º trimestre, consultas de seguimento de gravidez no 3º trimestre e consultas de alto risco. Adicionalmente, acompanhei a realização de ecografias obstétricas, consolidando o protocolo de avaliação ecográfica respetivo a cada trimestre. No bloco de partos e bloco operatório, acompanhei a evolução do trabalho de parto em todos os seus estadios e interpretei traçados cardiotocográficos, tendo assistido a inúmeros partos eutócicos, distócicos e cesarianas eletivas. No puerpério avaliei de forma semi-autónoma as puérperas, transmitindo as principais indicações dos cuidados a ter nesse período. Na vertente ginecológica, realizei em contexto de

(5)

consulta o exame ginecológico e citologia do colo uterino, tendo assistido também a consultas de uroginecologia e de exame ginecológico, que consistiam na realização de colposcopias, colpocitologias, biópsias e eletrocoagulações. Tive ainda a possibilidade de assistir a procedimentos cirúrgicos da valência de uroginecologia e ginecologia oncológica, incluindo a colocação de TVT-O e múltiplas histerectomias por via laparoscópica. O serviço de urgência complementou todas as atividades supracitadas, permitindo a consolidação de competências e a constatação das queixas mais frequentes do foro ginecológico e obstétrico. No final do estágio, apresentei o artigo original da Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG) sobre “Avaliação das Práticas Contracetivas em Portugal”.

3.3 Estágio de Saúde Mental (6 de Novembro a 30 de Novembro de 2017)

O estágio de Saúde Mental foi realizado na vertente de Pedopsiquiatria no Hospital Dona Estefânia, sob orientação do Dr. Juan Sanchez. Tive a oportunidade de integrar a equipa da Clínica da Encarnação, direciona a crianças dos 4 aos 12 anos (inclusive), e de frequentar o serviço de urgência, com destaque à forma como é conduzida a entrevista psiquiátrica em contexto agudo. A estas atividades clínicas acrescem os seminários nos dois primeiros dias de estágio, as reuniões multidisciplinares do serviço e os seminários teórico-práticos semanais, destinados aos internos da especialidade. Tendo em conta a especificidade da área e a faixa etária de não-maioridade das crianças observadas, o estágio foi maioritariamente observacional e centrado na consulta, na qual se verifica uma abordagem biopsicossocial e multidisciplinar. Contrastando, em parte, com o que se verifica noutras áreas médicas, o elemento que acompanha a criança é ativamente envolvido no processo diagnóstico e terapêutico.

3.4 Estágio de Medicina Geral e Familiar (4 de Dezembro de 2017 a 12 de Janeiro de 2018)

O estágio de Medicina Geral e Familiar decorreu na Unidade de Saúde Familiar Oriente, sob orientação da Dra. Ana Isabel Esteves, no qual tive a oportunidade de assistir a consultas programadas de Saúde do Adulto, Saúde Materna, Saúde Infantil e Juvenil e Planeamento

(6)

Familiar, assim como às Consultas Abertas do Dia. Assim, o estágio permitiu-me aperfeiçoar capacidades anamnésicas, e de estruturação do raciocínio clínico orientado para o padrão mais comum de queixas e problemas da comunidade, e consolidar estratégias terapêuticas na abordagem de patologia cardiovascular, endócrino-metabólica, osteoarticular, infeciosa e psiquiátrica. Além disso, familiarizei-me com os principais rastreios realizados na população portuguesa e a sua importância na prevenção e diagnóstico precoce de patologias. Por fim, tive igualmente a oportunidade de assistir a consultas de cessação tabágica e realizar um trabalho de revisão do tema “Diversificação Alimentar” inserida na vertente de formação contínua da Unidade de Saúde Familiar. Ao longo do estágio realizei o “Diário de Exercício Orientado”, que foi objeto de avaliação oral no final.

3.5 Estágio de Medicina Interna (22 de Janeiro a 16 de Março de 2018)

O estágio de Medicina Interna decorreu no serviço de medicina 1.2 do Hospital de São José, sob orientação da Dra. Carmen Marques. Após respetiva integração na equipa clínica, acompanhei as atividades da enfermaria, que se iniciavam com sessões clinicas subordinadas a diversos temas, com posterior transmissão das admissões no serviço, e atualização da evolução dos doentes internados, pela equipa de urgência interna. Na enfermaria, foi-me solicitada a realização diária de uma abordagem completa dos doentes, com posterior discussão detalhada dos mesmos com a restante equipa. Assim, pude acompanhar a evolução clínica dos doentes internados, e aperfeiçoar a minha capacidade de lidar com diferentes situações clínicas e necessidades particulares. Constatei ainda que os principais diagnósticos dos doentes internados correspondiam, maioritariamente, a doenças agudas (do foro neurológico e respiratório) ou crónicas agudizadas (do foro cardiovascular e renal). Frequentei também a consulta externa e o serviço de urgência, que complementa o trabalho realizado no internamento, ao promover uma abordagem anamnésica e diagnóstica mais direcionada e hierárquica, detetando os quadros que exigem maior rapidez de atuação. Por último, tive a oportunidade de apresentar o seminário “Distúrbios respiratórios do sono: SAHOS”.

(7)

3.6 Estágio de Cirurgia Geral (19 de Março a 18 de Maio)

O estágio de Cirurgia Geral decorreu no Hospital da Luz, sob orientação do Dr. João Rebelo de Andrade. Neste período desenvolvi diversas atividades práticas no serviço de internamento, bloco operatório e consulta externa, incluindo também a rotação pela opcional de Gastroenterologia. Acrescentam-se ainda outras atividades de caráter científico-pedagógico, como a primeira semana de teóricas e práticas, o curso TEAM, as reuniões multidisciplinares e sessões clínicas semanais do Hospital da Luz. Acompanhei o meu tutor na realização de cirurgias eletivas e de urgência, por laparotomia ou via laparoscópica, várias vezes na condição de primeiro ajudante. Tive também a oportunidade de observar doentes em contexto de pré ou pós-operatório, internados eletivamente ou por referenciação pelo atendimento médico permanente, consolidando os cuidados de vigilância necessários. Na consulta externa, pratiquei fundamentalmente a realização de um exame proctológico completo e a avaliação de pontos herniários, pela forte predominância deste tipo de entidades nosológicas. Na rotação de Gastroenterologia assisti a consultas externas, e familiarizei-me com as múltiplas técnicas diagnósticas e terapêuticas utilizadas, como endoscopia, colonoscopia e manometria esofágica com bioimpedância. No final do estágio realizou-se o mini congresso de cirurgia, para o qual delineei um caso clínico intitulado “Era só uma apendicite!”.

3.7 Estágio clínico opcional de Anestesiologia (21 de Maio a 1 de Junho de 2018)

O estágio de anestesiologia decorreu no Centro Hospitalar Lisboa Central, sob orientação da Dra. Teresa Máximo, que o planeou de modo a permitir o contacto com as diferentes unidades do CHLC. A escolha desta especialidade prende-se com o facto de ser uma área de interesse pessoal, com a qual tive pouco contacto ao longo do curso. Assim, pude observar várias técnicas anestésicas e compreender as respetivas indicações, de acordo com a área de intervenção e o doente em causa. Consolidei também diversas matérias teóricas de cariz fisiológico e farmacológico, essenciais à gestão anestésica dos doentes.

(8)

4. Atividades Extracurriculares

No decorrer do meu percurso académico participei em diversas atividades extracurriculares, em áreas de interesse pessoal, colmatando simultaneamente determinadas lacunas existentes no plano de estudos, assim como necessidades individuais de aprendizagem. A possibilidade de participar em estágios clínicos nacionais (PECLICUF em

Cardiologia na CUF Infante Santo), workshops, formações (Live it Up!) e projetos de cariz

social – como a coordenação do “Saúde Porta a Porta” - enriqueceu a minha formação tanto académica, quanto humana. A integração nestas atividades exigiu uma melhor gestão de tempo, sentido de responsabilidade social, trabalho em equipa e, adicionalmente, permitiu-me adquirir conhecimentos e competências na área de Medicina Preventiva, pela qual desenvolvi particular interesse. No 6º ano, em concreto, destaco a integração na crew do iMed 9.0 e a realização de um curso online para cuidadores de pessoas idosas dependentes (SPGG). Os certificados das atividades supracitadas encontram-se em anexo no presente relatório.

5. Reflexão Crítica

Ao jovem médico recém-licenciado é exigido um exercício clínico diário com elevado sentido de responsabilidade social, assente numa formação científica e técnica sólida. O ato médico exige, de facto, a aplicação de um raciocínio estruturado e direcionado ao contexto clínico em questão, com o intuito de estabelecer um diagnóstico e instituir um plano terapêutico adequado, não negligenciando a implementação de medidas preventivas e a promoção da saúde. O Estágio Profissionalizante, no percurso da formação médica pré-graduada, constitui o auge da potencial aquisição e consolidação destes atributos, contribuindo para uma adequada preparação para posterior ingresso na carreira médica do Serviço Nacional de Saúde.

No que concerne à revisão dos objetivos inicialmente delineados para o desempenho nos estágios parcelares, considero que os atingi praticamente na sua totalidade, com enfoque na progressiva autonomia adquirida e, igualmente, no reconhecimento das minhas limitações. Ainda assim, senti ao longo do ano letivo uma clara evolução na aplicação prática de

(9)

conhecimentos no que diz respeito à realização de uma avaliação anamnésica dirigida, na discussão de hipóteses diagnósticas diferenciais e na implementação de planos terapêuticos.

Em análise retrospetiva, creio ter sido nos estágios de Medicina Geral e Familiar e

Medicina Interna a maior evolução pessoal nestes aspetos, talvez pelas suas caraterísticas

mais generalistas. Constatei que, sendo a Medicina Geral e Familiar o pilar da prestação de cuidados primários de saúde, engloba uma enorme abrangência de abordagens, que vão desde a promoção da saúde, prevenção da doença, diagnóstico precoce e instituição de terapêutica, integrando a componente biológica, psicológica e social do utente. Nesta, apercebi-me da importância da transversalidade no exercício clínico diário, e a constante articulação com as demais especialidades, assim como com diversas estruturas de apoio familiar, social e económico. De facto, esta globalidade de cuidados prestados é demonstrativa da abordagem do doente como um todo, de acordo com os princípios do Método Clínico Centrado na Pessoa, promovendo assim a saúde na sua plenitude. Em Medicina Interna, o estágio no qual senti maior incentivo ao desenvolvimento de progressiva autonomia no exercício das atividades diárias da equipa na qual fui integrada, constatei o atual panorama demográfico de envelhecimento da população portuguesa, que condiciona internamentos mais prolongados pela descompensação das morbilidades coexistentes e pela incapacidade na gestão de doentes complexos em ambulatório, aguardando em internamento a sua resolução social.

No estágio de Cirurgia Geral destaco o contacto com uma enorme variedade de procedimentos cirúrgicos e o desenvolvimento de habilidades técnicas que, em nenhuma outra circunstância tinha tido a oportunidade de desenvolver de forma tão ativa, e que serão certamente úteis no futuro. Os restantes estágios parcelares, em oposição aos supracitados, requerem conhecimentos mais específicos e maior tempo de contacto para familiarização com as suas abordagens particulares. Ainda assim, constituíram uma mais-valia na minha formação, capacitando-me para lidar com diversas situações futuras na área do foro ginecológico e

(10)

obstétrico, assim como na abordagem anamnésica e terapêutica dos quadros mais frequentes na idade pediátrica.

Destaco o contacto com a área de Pedopsiquiatria, pela qual desenvolvi um particular interesse, pela constatação do papel fulcral da dinâmica familiar no desenvolvimento e agudização de patologias do foro psiquiátrico em idade pediátrica. Realmente, esta área é a demonstração perfeita de que qualquer doente se insere num determinado contexto, que não é imutável e que o condiciona, desencadeando ou perpetuando problemas psiquiátricos ou médicos no geral, que se influenciam mutuamente.

Reconheço que na formação pré-graduada existem múltiplas variáveis, por vezes fora do nosso controlo, que condicionam a nossa possibilidade de treino e de sistematização de conhecimentos e competências no âmbito hospitalar. Neste aspeto, à exceção de Pedopsiquiatria, que se revelou um estágio maioritariamente observacional pelas suas caraterísticas inerentes, foi-me permitido, no decorrer do Estágio Profissionalizante, desempenhar um elevado número de tarefas clínicas que permitiram a minha crescente autonomia no desempenho diário. Esta integração no corpo clínico fomentou também o desenvolvimento de soft skills na vertente de comunicação, com doentes e profissionais de saúde, e no âmbito do estabelecimento de relações interpessoais, o que constitui uma ferramenta fulcral numa futura relação médico-doente mais sólida e estruturada.

Termino com a convicção de que me concederam a oportunidade formativa essencial à minha capacitação como futura profissional de saúde, permitindo-me o desempenho de atividades diárias com maior confiança, autonomia e eficácia, e com simultânea humildade inerente ao reconhecimento das minhas limitações, e da necessidade constante de formação e atualização, estendendo-se além do período de formação pré-graduada.

Resta-me agradecer a todo o corpo docente, família e amigos que tornaram possível a concretização desta etapa, e que constituíram a pedra basilar para o meu crescimento e enriquecimento académico e humano ao longo do percurso nesta casa.

(11)

5. Anexos

5.1 Cronograma do ano letivo 2017/ 201 8

PERÍODO ESTÁGIO

11/09/2017 - 6/10/2017

Pediatria

Regente: Prof. Doutor Luís Varandas Local: Hospital Dona Estefânia Tutor: Dr.ª Rita Machado

9/10/2017 - 3/11/2017

Ginecologia e Obstetrícia

Regente: Prof. Doutora Teresa Ventura Local: Hospital Beatriz Ângelo

Tutor: Dr.ª Njila Amaral

6/11/2017 - 30/11/2017

Saúde Mental

Regente: Prof. Doutor Miguel Talina Local: Hospital Dona Estefânia Pedopsiquiatria

Tutor: Dr. Juan Sanchez

4/12/2018 - 12/01/2018

Medicina Geral e Familiar

Regente: Prof. Doutora Maria Isabel Santos

Local: USF Oriente

Tutor: Dr.ª Ana Isabel Esteves

22/01/2018 - 16/03/2018

Medicina Interna

Regente: Prof. Doutor Fernando Nolasco Local: Hospital de São José

Tutor: Dr.ª Carmen Marques

19/03/2018 - 18/05/2018

Cirurgia Geral

Regente: Prof. Doutor Rui Maio Local: Hospital da Luz

Tutor: Dr. João Rebelo de Andrade

21/05/2018 - 1/06/2018 Estágio Opcional de Anestesiologia Local: CHLC

Tutor: Dr.ª Teresa Máximo

5.2 Trabalhos no âmbito do estágio profissionalizante

ESTÁGIO PARCELAR TRABALHO DESENVOLVIDO NO SEU ÂMBITO

P e d ia tria Seminário

“Dieta Vegetariana em Idade Pediátrica” G in e co lo g ia e Ob s te tríc ia “Avaliação das Práticas Contracetivas em Portugal” Seminário

Me d ic in a G e ra l e F a milia r Formação contínua da USF Oriente “Diversificação Alimentar”

Me d ic in a In te rn a Seminário

“Distúrbios respiratórios do sono: SAHOS” C iru rg ia G e ra l Mini Congresso de Cirurgia Geral “Era só uma apendicite!”

(12)

5.3 Certificados de atividades extra curricular es

(13)
(14)
(15)
(16)
(17)

VI) Curso online para cuidadores de pessoas idosas dependentes – SPGG

(18)

Referências

Documentos relacionados

2 - OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é avaliar o tratamento biológico anaeróbio de substrato sintético contendo feno!, sob condições mesofilicas, em um Reator

Para além da acreditação anteriormente mencionada, a entidade B “possui a homologação do curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, cedida pelo

Q4 Tópicos e Objectivos dos temas Transformações no Plano e Frisos espelhados no Programa de Matemática do Ensino Básico (Ponte et al., 2007). Q5 Conjunto de

No entanto, as alterações nos teores na PA e raízes das plantas dos macronutrientes e os micronutrientes que não são contaminantes do solo não contribuíram para explicar as

Missão Ser a revista que oferece apenas boas notícias, boas ideias e novos olhares para tornar a vida melhor. M

Este trabalho buscou, através de pesquisa de campo, estudar o efeito de diferentes alternativas de adubações de cobertura, quanto ao tipo de adubo e época de

O enfermeiro, como integrante da equipe multidisciplinar em saúde, possui respaldo ético legal e técnico cientifico para atuar junto ao paciente portador de feridas, da avaliação

Inicialmente, foi efetuado a análise estatística descritiva para caracterização da amostra de acordo com as variáveis raça, género, idade, CC, etiologia, tempo