• Nenhum resultado encontrado

Capítulo 1 1. Capítulo 2 25

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Capítulo 1 1. Capítulo 2 25"

Copied!
9
0
0

Texto

(1)

© P ACTOR V

Os Autores

... XI

Prefácio

... XV Helena Mouro

Prefácio

... XXI Francisco Branco

Introdução

... XXIII Maria Irene de Carvalho

Capítulo 1 1

O Serviço Social nos Cuidados de Saúde Primários:

Contexto, Perspetivas e Desafios

Francisco Branco e Maria Farçadas

O Serviço Social nos cuidados de saúde primários: uma jurisdição instável e em

construção ... 1

O estado da arte do Serviço Social em cuidados de saúde primários ... 3

Estudo e investigação (estudo epidemiológico) ... 5

Serviço social: a abordagem biopsicossocial e a integração dos utentes nos serviços de saúde ... 6

Da dimensão individual à dimensão coletiva da saúde ... 8

Atribuições do Serviço Social nos cuidados de saúde primários ... 9

O assistente social como consultor ... 10

O assistente social como promotor da advocacia social ... 11

O assistente social como mobilizador de recursos e mediador entre o utente e os serviços ... 11

um estudo de caso ... 12

Princípios e orientações ... 12

O papel do Serviço Social e as conceções de saúde ... 13

A jurisdição e a identidade profissional ... 15

Perspetivas e desafios do Serviço Social nos cuidados de saúde primários ... 19

Referências ... 22

Capítulo 2 25

Serviço Social e Qualidade em Contexto Hospitalar

Maria Augusta Lopes, Ana Rosa Ribeiro, Inês Espírito Santo, Fátima Ferreira e Luís Frederico Introdução ... 25

Enquadramento histórico e legal da saúde: das origens à atua lidade ... 26

A saúde e a doença ... 26

A evolução legislativa na Saúde ... 27

Direitos e deveres dos doentes ... 32

(2)

VI

Melhoria contínua na saúde ... 36

A qualidade na intervenção social: aplicação prática na área de apoio social em contexto hospitalar ... 37

Enquadramento da acreditação na Saúde em Portugal ... 37

Acreditação do CHLC, EPE – Área de Apoio Social ... 41

Norma 63 – Serviço Social ... 42

Intervenção do Serviço Social da Área de Apoio Social – o caso do CHLC ... 43

Enquadramento da Área de Apoio Social no CHLC ... 43

Articulação com a equipa multidisciplinar ... 45

Articulação com os parceiros sociais ... 48

Considerações finais ... 50

Referências ... 52

Capítulo 3 55

O Serviço Social de Saúde e o Planeamento da Alta para a

Continuidade de Cuidados na Comunidade

Dolors Colom Masfret O Serviço Social de Saúde: apresentação ... 55

Alguns pilares históricos do Serviço Social de Saúde ... 56

A intervenção e a organização do Serviço Social de Saúde ... 59

Definições de processo e serviço ... 59

Definições de procedimento e protocolo ... 60

Em que situações se deve designar como procedimento ou protocolo ... 62

Características da intervenção a partir do Serviço Social de Saúde ... 63

Princípios essenciais do sistema de saúde ... 64

O programa de planeamento da alta ... 65

Apresentação ... 65

Contextualização ... 65

A intervenção ... 66

O risco segundo a OMS ... 66

O screening de Serviço Social de Saúde ... 67

Critérios de risco psicossocial e médico geralmente aceites no Programa de Planeamento da Alta ... 67

Outros critérios clínicos ... 68

Profissionais que integram o Programa de Planeamento da Alta ... 68

Do planeamento da alta hospitalar ao planeamento da alta dos cuidados de saúde para a continuidade de cuidados na comunidade: evolução do conceito ... 69

Justificação do Programa de Planeamento da Alta dos cuidados de saúde para a continuidade de cuidados na comunidade ... 72

Objetivos do Programa de Planeamento da Alta dos cuidados de saúde para a continuidade de cuidados na comunidade ... 75

Objetivo geral ... 75

Objetivos específicos ... 75

Primeiro diagnóstico na implementação do Programa de Planeamento da Alta dos cuidados de saúde para a continuidade dos cuidados na comunidade... 76

O comissionamento ... 78

O Programa de Planeamento da Alta para além dos problemas sociais-saúde da alta ... 79

O que não é um Programa de Planeamento da Alta ... 79

Considerações finais ... 80

(3)

© P

ACTOR

VII

Capítulo 4 83

Cuidados Continuados Integrados e Serviço Social

Maria Irene de Carvalho

Introdução ... 83

Emergência, construção e desenvolvimento das respostas integradas ... 84

unidades de cuidados ... 89 Internamento ... 89 Convalescença ... 89 Longa duração ... 89 Média duração ... 89 Cuidados paliativos ... 89 Ambulatório ... 90 unidades de dia ... 90 Equipas de cuidados ... 90 Hospitalares ... 90

Gestão das altas ... 90

Intra-hospitalares e de cuidados paliativos... 90

Domiciliárias ... 90

Cuidados continuados integrados ... 90

Comunitária e de suporte em cuidados paliativos ... 91

O Serviço Social em cuidados continuados ... 91

Tendência da intervenção baseada no modelo psicossocial ... 94

Modelo a seguir: humanismo ecológico ... 97

Operacionalização da intervenção do Serviço Social em cuidados continuados .. 101

Considerações finais ... 108

Referências ... 110

Capítulo 5 111

Serviço Social em Cuidados Paliativos e em Fim de Vida

Malcolm Payne Cuidados paliativos, em fim de vida e apoio social geral ... 111

Transições nas necessidades de cuidados ... 112

Transição do bem-estar para os cuidados de fim de vida ... 113

Transição do apoio social geral para cuidados paliativos ... 113

Transição dos cuidados de fim de vida para os cuidados paliativos ... 114

Transição dos cuidados paliativos para o apoio no luto ... 114

Esperança, realidade e abertura nas relações sociais no fim de vida ... 115

O papel do Serviço Social nos cuidados paliativos e de fim de vida ... 117

Modalidades do Serviço Social relacionadas com os cuidados paliativos e de fim de vida ... 117

O Serviço Social na equipa multidisciplinar ... 118

A comunicação e o auxílio na execução de tarefas sociais ... 119

Planeamento em cuidados continuados no fim de vida ... 120

Auxílio na prestação de cuidados ... 122

Auxílio prestado na perda ... 123

Apoio no luto ... 125

Competências de apoio nos cuidados paliativos e de fim de vida ... 126

(4)

VIII

Macroprática ... 132

Considerações finais ... 135

Referências ... 136

Capítulo 6 139

Envelhecimento, Qualidade de Vida e Mediação Social Profissional na

Saúde

Helena Neves Almeida Introdução ... 139

Envelhecimento ativo – um novo paradigma, uma janela de oportunidade ... 140

Qualidade de vida: um conceito polissémico ... 144

Mediação: um modo de pensar e (inter)agir ... 147

Em que medida a mediação social profissional contribui para a qualidade de vida dos idosos? ... 151

Serviço Social na Saúde: mediação profissional para a melhoria da qualidade de vida ... 154

Para repensar o Serviço Social na Saúde ... 156

Informação – formação de competências ... 160

Fluxos de comunicação ... 163

Gestão e administração de recursos ... 164

A gestão do quotidiano implica a gestão de recursos humanos, de emoções e expectativas e de conflitos ... 167

A gestão social resulta numa mediação simbólica ... 169

Encaminhamento social ... 170

Aproveitar e otimizar os recursos existentes ... 171

Complementar a intervenção ... 171

Personalizar a ação ... 172

Facilitar o acesso ... 172

Conferir algum protagonismo ao utente ... 172

Alguns constrangimentos podem ser identificados... 173

Acompanhamento psicossocial ... 174

Expressões associadas e delimitação do conceito ... 174

Considerações finais ... 176

Referências ... 178

Capítulo 7 183

A Intervenção do Serviço Social na Saúde com Famílias

e em Redes de Suporte Social

Sónia Guadalupe Introdução ... 183

Aspetos genéricos sobre a doença na família ... 184

Para uma compreensão do impacte da doença na família a partir da tipologia psicossocial da doença de John S. Rolland ... 186

Outros contributos para a compreensão do impacte psicossocial da doença no sistema familiar ... 193

A relação da família com o sistema de saúde ... 196

Para uma compreensão do impacte da doença na rede de suporte social informal ... 198

(5)

© P

ACTOR

IX

Da intervenção do Serviço Social na Saúde: principais eixos de intervenção ... 206

Referências ... 214

Capítulo 8 219

Serviço Social na Área da Saúde Mental:

Princípios, Modelos e Práticas Isabel Fazenda Introdução ... 219

Ética do Serviço Social: uma questão de princípios ... 220

Ser ou não ser sistémico, eis a questão ... 229

Conceitos fundamentais da perspetiva sistémica ... 229

Modelos sistémicos para o Serviço Social ... 231

Modelo unitário ... 232

Modelo ecológico ... 232

Modelo existencial ... 232

Modelo dos quatro sistemas ... 232

Intervenção em redes ... 234

O social da saúde mental: o Serviço Social na saúde mental ... 235

Enquadramento legal e institucional... 236

Organização dos serviços no âmbito do Plano Nacional de Saúde Mental ... 239

A importância da reabilitação psicossocial ... 240

Articulação intersetorial ... 240

Direitos humanos ... 241

Recovery ... 242

Participação de utentes e famílias ... 242

Papel do Serviço Social neste contexto ... 243

Princípios ... 243 Objetivos ... 244 Intervenção ... 244 Competências ... 246 Interdisciplinaridade ... 247 Considerações finais ... 248 Referências ... 250 Capítulo 9 251

Promoção da Saúde em Meio Escolar no Quadro das Políticas Públicas

Saudáveis

Teresa Silva Marcos históricos relevantes para a promoção da saúde ... 251

Promoção da saúde: um paradigma para a intervenção ... 254

Aplicabilidade das medidas em meio escolar ... 258

A Nova Promoção da Saúde em cenário de crise ... 264

um campo de atuação para o Serviço Social – desafios da contemporaneidade ... 266

Convergência operativa e especificidade funcional: as mutações dialogantes (questão metodológica e operativa) ... 269

(6)

X

Capítulo 10 275

Saúde e Serviço Social no Brasil:

Desafios Atuais

Maria Inês Souza Bravo

Introdução ... 275 Saúde e Serviço Social no Brasil nos anos 80 e 90 ... 277 Saúde e Serviço Social a partir do ano 2000 ... 282 Impasses e desafios do Serviço Social e sua interface com a saúde na atual

conjuntura ... 296 Referências ... 298

Índice Remissivo

... 301

(7)

© P

ACTOR

XI

Coordenadores e Autores

Maria Irene de Carvalho

Doutorada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e

da Empresa – Instituto universitário de Lisboa (ISCTE-IuL). Licenciada e mestre

pelo Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa. Especialista em Educação

de Adultos pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da

uni-versidade de Lisboa. Pós-graduada em Família e Sociedade pelo ISCTE-IuL.

Exerceu funções de assistente social em Instituições Particulares de

Solida-riedade Social, na Segurança Social e em serviço social hospitalar.

Atualmen-te, é docente na Escola Superior de Saúde do Alcoitão, na pós-graduação em

Promoção da Saúde e da Ação Social. É também investigadora, formadora e

supervisora de práticas profissionais. Realiza conferências e é autora de artigos

em revistas nacionais e internacionais, e do livro Envelhecimento e Cuidados

Domiciliários em Instituições de Solidariedade Social.

Autores

Ana Rosa Ribeiro

Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social de

Coim-bra, especialização em Saúde. Assistente social, responsável pela Área de Apoio

Social no Hospital de Santa Marta – Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE.

Dolors Colom Masfret

Trabalhadora social e diretora académica da pós-graduação em Serviço Social

na Saúde, Estudos de Ciências da Saúde, no Instituto Internacional de Pós-

-Graduação da universidade Aberta da Catalunha, Espanha. Diretora da revista

Agathos, Atención Sociosanitaria y Bienestar. Desenvolveu atividade nos

servi-ços de saúde da Catalunha.

Fátima Ferreira

Licenciada em Serviço Social pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da

Educação da universidade de Coimbra. Mestranda no Instituto Superior de

Ciên cias do Trabalho e da Empresa – Instituto universitário de Lisboa, em fase

de elaboração da dissertação na área do Serviço Social da Saúde. Assistente

social no Hospital de Santa Marta – Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE.

Francisco Branco

Licenciado, mestre e doutorado em Serviço Social. Professor associado da

Fa-culdade de Ciências Humanas da universidade Católica Portuguesa (uCP).

In-vestigador do Centro de Estudos de Serviço Social e Sociologia da uCP.

Mem-bro do grupo de trabalho da Associação dos Profissionais de Serviço Social

para os Cuidados de Saúde Primários 2005-2008. Coordenador do Estudo de

(8)

XII

Análise Sobre os Serviços Sociais nas Unidades do SNS (Processo IGIF 215/07,

Relatório Final, Lisboa: CESSS – universidade Católica Portuguesa). Autor de

comunicações diversas sobre o Serviço Social no âmbito da Saúde.

Helena Neves Almeida

Licenciada em Serviço Social, mestre em Psicologia e doutorada em Letras,

pela universidade de Friburgo (Suíça), na área do Trabalho Social. Professora

convidada da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da

universi-dade de Coimbra (uC). Investigadora do Instituto de Psicologia Cognitiva,

De-senvolvimento Vocacional e Social e do Observatório da Cidadania e

Interven-ção Social, ambos da uC.

Inês Espírito Santo

Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social de

Lis-boa, especialização em Mediação Familiar. Doutoranda em Serviço Social no

Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa – Instituto

universitá-rio de Lisboa, tendo como área de investigação a qualidade e as práticas dos

assistentes sociais na área hospitalar. Assistente social no Hospital de Santa

Marta – Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE.

Isabel Fazenda

Licenciada e mestre em Serviço Social pela universidade Católica Portuguesa.

Co-fundadora da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, tem uma profunda

experiência profissional na área da saúde mental comunitária. Faz parte dos

corpos dirigentes da Associação dos Profissionais de Serviço Social e coordena

o Grupo de Trabalho da Saúde Mental da mesma instituição.

Luís Frederico

Licenciado em Serviço Social pela universidade Lusófona de Humanidades e

Tecnologias. Assistente social no Hospital de Santa Marta – Centro Hospitalar

de Lisboa Central, EPE.

Malcolm Payne

Professor da universidade de Manchester, Reino unido. Assessor em cuidados

psicossociais e espirituais do Hospício de São Cristóvão, em Londres, Reino

unido. Professor convidado em universidades do Reino unido, Finlândia,

Poló-nia e Eslováquia. Tem uma vasta obra publicada sobre o Serviço Social,

cons-tituindo uma das referências internacionais para os assistentes sociais.

Atual-mente, centra a sua investigação em cuidados paliativos e em cuidados de fim

de vida.

Maria Augusta Lopes

Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social de

Lis-boa. Coordenadora da Área de Apoio Social do Centro Hospitalar de Lisboa

Central, EPE.

(9)

© P

ACTOR

XIII

Maria Farçadas

Licenciada e mestre em Serviço social pela universidade Católica Portuguesa

(uCP). Assistente social no Agrupamento de Centros de Saúde Grande Lisboa

II – Lisboa Oriental. Investigadora do Centro de Estudos de Serviço Social e

Sociologia da uCP.

Maria Inês Souza Bravo

Pós-doutora em Serviço Social pela universidade Federal do Rio de Janeiro

(uFRJ) e doutora em Serviço Social pela Pontifícia universidade Católica de

São Paulo, Brasil. Professora aposentada da uFRJ. Professora adjunta da

Fa-culdade de Serviço Social da universidade do Estado do Rio de Janeiro (uERJ).

Procientista da uERJ e coordenadora do projeto Políticas Públicas de Saúde: O

Potencial dos Conselhos do Rio de Janeiro, financiado pelo Conselho Nacional

de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e pela uERJ.

Sónia Guadalupe

Licenciada pelo Instituto Superior de Serviço Social de Coimbra, mestre em

Família e Sistemas Sociais e doutorada em Saúde Mental. Docente no Instituto

Superior Miguel Torga, em Coimbra. Tem centrado os seus interesses de

inves-tigação na temática das redes de suporte social em populações vulneráveis.

Teresa Silva

Licenciada e mestre em Serviço Social pelo Instituto de Serviço Social de

Lis-boa. Doutoranda em Serviço Social. Desempenha funções na Câmara Municipal

de Cascais, na área da promoção da saúde. Docente do Instituto Superior de

Serviço Social da universidade Lusíada de Lisboa.

Referências

Documentos relacionados

§ 1º – Para obtenção do enquadramento previsto neste artigo, a carga horária mínima exigida para os cursos de especialização será de 360 (trezentas e sessenta) horas. § 2º

No Detection Mode (Modo de detecção), pressione e mantenha pressionadas as teclas [MODE] e [N/-] para entrar no modo de programação.. Quando “CAL” (“Calibração”) e “go”

O valor da reputação dos pseudônimos é igual a 0,8 devido aos fal- sos positivos do mecanismo auxiliar, que acabam por fazer com que a reputação mesmo dos usuários que enviam

Contudo, pelas análises já realizadas, as deformações impostas às placas pelos gradientes térmicos devem ser consideradas no projeto deste tipo de pavimento sob pena de ocorrer

Para problematizarmos as práticas psi, tomamos como eixos neste trabalho o questionamento sobre como este campo de conhecimento tem operado uma unicidade discursiva na produção

A solução, inicialmente vermelha tornou-se gradativamente marrom, e o sólido marrom escuro obtido foi filtrado, lavado várias vezes com etanol, éter etílico anidro e

[r]

A importância da pesquisa proposta neste projeto reside não só nas lacunas, dentro da área historiográfica, de pesquisas no Ceará em torno das questões que