• Nenhum resultado encontrado

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ MINUPAR PARTICIPACOES SA / CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ MINUPAR PARTICIPACOES SA / CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF"

Copied!
56
0
0

Texto

(1)

01.01 - IDENTIFICAÇÃO

01376-5 MINUPAR PARTICIPACOES SA 90.076.886/0001-40

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ

43200794642

4 - NIRE

Roberto Jose Fidryszewski

DRS Auditoria 00995-4

293.455.960-20 01.03 - DIRETOR DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES (Endereço para Correspondência com a Companhia)

Paulo Vicente Sperb

Avenida Senador Alberto Pasqualini 1535

95900-000 Lajeado RS

Sao Cristovao

051 3714-9400 3714-9400 3714-9400

051 3714-9400 3714-9400 3714-9400

01.04 - REFERÊNCIA / AUDITOR

EXERCÍCIO SOCIAL EM CURSO

01/01/2010

1 - NOME

2 - ENDEREÇO COMPLETO 3 - BAIRRO OU DISTRITO

4 - CEP 5 - MUNICÍPIO

7 - DDD 8 - TELEFONE 9 - TELEFONE 10 - TELEFONE 11 - TELEX

12 - DDD 13 - FAX 14 - FAX 15 - FAX

01.02 - SEDE

Avenida Senador Alberto Pasqualini 1535 Sao Cristovao

95900-000 Lajeado

051 3714-9400 3714-9400 3714-9400

3714-9400 3714-9400

3714-9400 051

RS

diretoria@minuano.com.br 1 - ENDEREÇO COMPLETO

3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

6 - DDD 7 - TELEFONE 8 - TELEFONE 9 - TELEFONE 10 - TELEX

11 - DDD 12 - FAX 13 - FAX 14 - FAX

15 - E-MAIL

6 - UF

diretoria@minuano.com.br 16 - E-MAIL

2 - BAIRRO OU DISTRITO

1 - INÍCIO 2 - TÉRMINO

TRIMESTRE ATUAL

3 - NÚMERO 4 - INÍCIO 5 - TÉRMINO

TRIMESTRE ANTERIOR

6 - NÚMERO 7 - INÍCIO 8 - TÉRMINO

31/12/2010 1 01/01/2010 31/03/2010 4 01/10/2009 31/12/2009

9 - NOME/RAZÃO SOCIAL DO AUDITOR

11 - NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO

10 - CÓDIGO CVM

12 - CPF DO RESP. TÉCNICO

(2)

03.01 - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 3 - 01/01/2010 a 31/03/2010 4 - 01/01/2010 a 31/03/2010 5 - 01/01/2009 a 31/03/2009 6 - 01/01/2009 a 31/03/2009

3.01 Receita Bruta de Vendas e/ou Serviços 0 0 0 0

3.02 Deduções da Receita Bruta 0 0 0 0

3.03 Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 0 0 0 0

3.04 Custo de Bens e/ou Serviços Vendidos 0 0 0 0

3.05 Resultado Bruto 0 0 0 0

3.06 Despesas/Receitas Operacionais 13.926 13.926 (1.738) (1.738)

3.06.01 Com Vendas 0 0 0 0

3.06.02 Gerais e Administrativas (182) (182) (224) (224)

3.06.02.01 Administrativas (46) (46) (99) (99)

3.06.02.02 Honorários dos Administradores (136) (136) (125) (125)

3.06.03 Financeiras (54) (54) (84) (84)

3.06.03.01 Receitas Financeiras 0 0 0 0

3.06.03.02 Despesas Financeiras (54) (54) (84) (84)

3.06.04 Outras Receitas Operacionais 0 0 0 0

3.06.05 Outras Despesas Operacionais (6) (6) (14) (14)

3.06.06 Resultado da Equivalência Patrimonial 14.168 14.168 (1.416) (1.416)

3.07 Resultado Operacional 13.926 13.926 (1.738) (1.738)

3.08 Resultado Não Operacional 0 0 0 0

3.08.01 Receitas 0 0 0 0

3.08.02 Despesas 0 0 0 0

3.09 Resultado Antes Tributação/Participações 13.926 13.926 (1.738) (1.738)

3.10 Provisão para IR e Contribuição Social 0 0 0 0

3.11 IR Diferido 0 0 0 0

3.12 Participações/Contribuições Estatutárias 0 0 0 0

3.12.01 Participações 0 0 0 0

3.12.02 Contribuições 0 0 0 0

3.13 Reversão dos Juros sobre Capital Próprio 0 0 0 0

(3)

01376-5 MINUPAR PARTICIPACOES SA 90.076.886/0001-40 03.01 - DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 3 - 01/01/2010 a 31/03/2010 4 - 01/01/2010 a 31/03/2010 5 - 01/01/2009 a 31/03/2009 6 - 01/01/2009 a 31/03/2009

3.15 Lucro/Prejuízo do Período 13.926 13.926 (1.738) (1.738)

PREJUÍZO POR AÇÃO (Reais) LUCRO POR AÇÃO (Reais)

NÚMERO AÇÕES, EX-TESOURARIA (Mil)

0,14416 0,14416

(0,07197)

96.600 96.600 24.150 24.150

(0,07197)

(4)

Sem Ressalva

31/03/2009 31/12/2009

31/03/2010

01.06 - CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA

01.07 - SOCIEDADES NÃO INCLUÍDAS NAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

1 - ITEM 2 - CNPJ 3 - DENOMINAÇÃO SOCIAL

Total

6 - TIPO DE CONSOLIDADO

Empresa Comercial, Industrial e Outras

1 - TIPO DE EMPRESA

Operacional

2 - TIPO DE SITUAÇÃO

Privada Nacional

3 - NATUREZA DO CONTROLE ACIONÁRIO

5 - ATIVIDADE PRINCIPAL Número de Ações

(Mil)

1 - TRIMESTRE ATUAL 2 - TRIMESTRE ANTERIOR

1 - Ordinárias 2 - Preferenciais 3 - Total Em Tesouraria 4 - Ordinárias 5 - Preferenciais 6 - Total

Do Capital Integralizado

96.600 0 96.600 01.05 - COMPOSIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL

96.600 0 96.600

0 0 0

0 0 0

1220 - Alimentos

4 - CÓDIGO ATIVIDADE

3 - IGUAL TRIMESTRE EX. ANTERIOR

24.150 0 24.150

0 0 0

7 - TIPO DO RELATÓRIO DOS AUDITORES

Abate e preparação de carnes de aves.

01.08 - PROVENTOS EM DINHEIRO DELIBERADOS E/OU PAGOS DURANTE E APÓS O TRIMESTRE

1 - ITEM 2 - EVENTO 4 - PROVENTO 5 - INÍCIO PGTO. 6 - ESPÉCIE E

CLASSE DE AÇÃO

7 - VALOR DO PROVENTO P/ AÇÃO 3 - APROVAÇÃO

(5)

7 - QUANTIDADE DE AÇÕES EMITIDAS

01376-5

01.09 - CAPITAL SOCIAL SUBSCRITO E ALTERAÇÕES NO EXERCÍCIO SOCIAL EM CURSO

1- ITEM 2 - DATA DA ALTERAÇÃO

3 - VALOR DO CAPITAL SOCIAL (Reais Mil)

4 - VALOR DA ALTERAÇÃO (Reais Mil)

5 - ORIGEM DA ALTERAÇÃO

MINUPAR PARTICIPACOES SA

(Mil)

8 - PREÇO DA AÇÃO NA EMISSÃO

(Reais)

90.076.886/0001-40

27/05/2009

01 9.694 9.694DESDOBRAMENTO NÚMERO DE AÇÕES 72.450 0,1003519668

01.10 - DIRETOR DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES

1 - DATA 2 - ASSINATURA

14/05/2010

(6)

02.01 - BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 3 - 31/03/2010 4 - 31/12/2009

1 Ativo Total 11.916 12.071

1.01 Ativo Circulante 8.393 8.393

1.01.01 Disponibilidades 1 1

1.01.02 Créditos 0 0

1.01.02.01 Clientes 0 0

1.01.02.02 Créditos Diversos 0 0

1.01.03 Estoques 0 0

1.01.04 Outros 8.392 8.392

1.01.04.01 Dividendos a Receber 8.392 8.392

1.02 Ativo Não Circulante 3.523 3.678

1.02.01 Ativo Realizável a Longo Prazo 3.523 3.678

1.02.01.01 Créditos Diversos 0 0

1.02.01.02 Créditos com Pessoas Ligadas 3.523 3.678

1.02.01.02.01 Com Coligadas e Equiparadas 3.519 3.674

1.02.01.02.02 Com Controladas 0 0

1.02.01.02.03 Com Outras Pessoas Ligadas 4 4

1.02.01.03 Outros 0 0

1.02.02 Ativo Permanente 0 0

1.02.02.01 Investimentos 0 0

1.02.02.01.01 Participações Coligadas/Equiparadas 0 0

1.02.02.01.02 Participações Coligadas/Equiparadas-Ágio 0 0

1.02.02.01.03 Participações em Controladas 0 0

1.02.02.01.04 Participações em Controladas - Ágio 0 0

1.02.02.01.05 Outros Investimentos 0 0

1.02.02.02 Imobilizado 0 0

1.02.02.03 Intangível 0 0

1.02.02.04 Diferido 0 0

(7)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE MARÇO DE 2010

(Em milhares de reais)

1. Contexto Operacional

A Minupar Participações S/A tem por objeto principal a participação no capital de outras sociedades.

A controlada Companhia Minuano de Alimentos tem as suas principais atividades organizadas nos segmentos de industrializados, aves e suínos. Comercializa seus produtos nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo, e exporta para países localizados no Oriente Médio, Europa, Ásia, África e América do Sul e Central. O parque fabril é formado por seis unidades industriais localizados nos estados do Rio Grande do Sul (4) e Santa Catarina (2). A Companhia presta serviços para terceiros nas linhas de abate, desossa e industrialização de carnes de aves e suínos, com contratos firmados até dezembro de 2012.

2. Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis

As informações contábeis contidas nas Informações Trimestrais - ITR foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis e as normas emanadas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), no ano de 2009, emitiu diversos Pronunciamentos Técnicos, Interpretações e Orientações, os quais também foram aprovados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM com vigência obrigatória para os exercícios sociais iniciados em 01/01/2010, devendo as Companhias reapresentar de forma ajustada as demonstrações financeiras do exercício comparativo.

Através da Deliberação CVM nº 603/09, o órgão regulador, prorrogou para 31/12/2010 a aplicação dos normativos editados e aprovados em 2009, o que

(8)

obrigará as Companhias a realizarem os ajustes retrospectivos e a conseqüente reapresentação das Informações Trimestrais - ITR durante o exercício de 2010 contendo os possíveis reflexos decorrentes das novas normas contábeis.

Desta forma, a administração da Companhia optou em apresentar as Informações Trimestrais - ITR de acordo com as normas contábeis vigentes em 31/12/2009, pois os impactos dos novos normativos nas demonstrações contábeis ainda estão sendo avaliados e quantificados. A mensuração dos respectivos reflexos envolve a análise de processos, controles internos, sistemas eletrônicos e outros aspectos relevantes que ainda estão em fase de elaboração, o que não permitir o adequado reconhecimento dos ajustes nas demonstrações contábeis e/ou Informações Trimestrais.

Na avaliação da Administração da Companhia os principais Pronunciamentos, Orientações e Interpretações emitidas pelo CPC que poderão ter efeito por ajuste e/ou divulgação nas suas demonstrações contábeis a partir do exercício findo em 31/12/ 2010, são os seguintes:

-CPC 16 – Estoques

-CPC 18 – Investimento em Coligada e em Controlada -CPC 20 – Custos de Empréstimos

-CPC 21 – Demonstração Intermediária -CPC 22 – Informações por Segmento -CPC 24 – Eventos Subsequentes

-CPC 26 – Apresentação das demonstrações contábeis -CPC 27 – Ativo imobilizado

-CPC 32 – Tributos sobre o Lucro

-CPC 36 – Demonstrações Consolidadas

-ICPC 09 – Demonstrações contábeis individuais, demonstrações separadas, demonstrações consolidadas e, aplicação do método de equivalência patrimonial -ICPC 10 – Interpretação sobre a aplicação inicial ao ativo imobilizado e a propriedade para investimento dos CPCs 27, 28, 37 e 43.

3. Sumário das Principais Práticas Contábeis

a) Caixa e Equivalentes de Caixa

O caixa e equivalentes de caixa contemplam numerários em caixa, saldos de contas correntes bancárias e aplicações de liquidez imediata.

(9)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

b) Contas a Receber

As contas a receber são reconhecidas pelo regime de competência e são representadas pelas faturas emitidas com base em valores nominais. As contas a receber do mercado externo estão atualizadas pelas taxas de câmbio vigente na data do balanço.

A Administração da Companhia considera que os prazos concedidos na liquidação das contas a receber são inerentes as condições comerciais normalmente contratadas no mercado de atuação, não havendo característica de atividade de financiamento.

c) Provisão para Riscos de Crédito

A provisão para riscos de crédito foi constituída com base na análise da carteira de clientes, em montante considerado suficiente para cobrir as prováveis perdas na realização das contas a receber.

d) Estoques

Os estoques estão demonstrados pelo menor valor entre o custo médio de aquisição ou produção e o preço de mercado ou valor líquido de realização.

e) Outros Ativos Circulante e Não Circulante

Os ativos são apresentados ao valor de custo ou de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos, as variações nas taxas de câmbio e as variações monetárias.

f) Investimentos

Os investimentos em sociedades controladas estão avaliados de acordo com o método de equivalência patrimonial. O resultado da avaliação tem como contrapartida uma conta de resultado operacional. Para os investimentos em controladas que apresentam o passivo a descoberto, foi constituída a respectiva provisão para perda registrada no passivo. Os demais investimentos estão demonstrados ao custo de aquisição, deduzidas de provisão para perdas estimadas na realização destes ativos, quando aplicável.

g) Imobilizado

O imobilizado está registrado pelo custo de aquisição, formação ou construção, acrescido de reavaliação espontânea, corrigido monetariamente até dezembro de 1995 e ajustado pelas depreciações acumuladas. As depreciações são calculadas pelo método linear sobre o custo de aquisição ou construção e reavaliação, com base em taxas determinadas em função do prazo de vida útil estimado dos bens.

As aves reprodutoras são registradas pelo seu custo de formação, que inclui o custo das matrizes, ração, medicamentos e mão-de-obra. Estes custos são

(10)

acumulados por aproximadamente seis meses até o início do ciclo reprodutivo. A partir deste momento os custos das aves passam a ser amortizados linearmente.

O ciclo reprodutivo situa-se em torno de quatorze meses.

A Companhia decidiu manter os saldos existentes nas reservas de reavaliação, constituídas antes da vigência da Lei nº 11.638/07, até sua efetiva realização.

Em atendimento ao que determina o CPC 27, a Companhia contratou empresa especializada e procedeu, no exercício de 2009, a revisão e ajuste da vida útil econômica estimada para o cálculo da depreciação de seus parques fabris.

h) Intangível

O ativo intangível é avaliado ao custo de aquisição, deduzido da amortização acumulada e perdas por redução do valor recuperável, quando aplicável. Os ativos intangíveis são compostos de marcas e patentes, softwares e licenças de uso, os quais são amortizados levando em conta uma vida útil estimada de cinco anos. Os ativos intangíveis com vida útil indefinida não são amortizados.

i) Empréstimos e Financiamentos

Os empréstimos e financiamentos estão demonstrados pelos valores de contratação, acrescidos dos encargos pactuados, que incluem juros e atualização monetária ou cambial incorridos.

j) Imposto de Renda e Contribuição Social

O Imposto de Renda e a Contribuição Social são calculados com base nas alíquotas estabelecidas pela legislação do imposto de renda e contribuição social.

k) Outros Passivos Circulante e Não Circulante

Os passivos são demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, ajustados, quando aplicável, dos correspondentes encargos, das variações nas taxas de câmbio e das variações monetárias incorridos.

A Administração da Companhia considera que os prazos concedidos na liquidação das contas a receber são inerentes as condições comerciais normalmente contratadas no mercado de atuação, não havendo característica de atividade de financiamento.

l) Ativos e Passivos Contingentes

Os Ativos Contingentes são reconhecidos somente quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, transitadas em julgado. Os ativos contingentes com êxitos prováveis são apenas mencionados em nota explicativa.

Os Passivos Contingentes são provisionados quando há possibilidade de perdas prováveis e os montantes envolvidos mensuráveis com segurança. As perdas

(11)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

consideradas possíveis são apenas mencionadas em nota explicativa e as perdas remotas não são provisionadas e nem divulgadas.

m) Patrimônio Líquido (Passivo a Descoberto)

O Patrimônio Líquido Negativo está substituído pela expressão “Passivo a Descoberto” e está demonstrado de acordo com a Deliberação CVM nº 488/2005.

n) Estimativas Contábeis

Na elaboração das demonstrações contábeis a Companhia utilizou estimativas para contabilizar certos ativos, passivos e outras transações. Portanto, essas demonstrações contábeis incluem estimativas referentes à vida útil dos bens do ativo imobilizado, provisões necessárias para passivos contingentes, determinações de provisões para imposto de renda e outras similares. Os resultados reais podem apresentar variações em relação às estimativas.

o) Apuração do Resultado

O resultado das operações é apurado em conformidade com o regime contábil de competência. Inclui os rendimentos, encargos e variações monetárias ou cambiais calculados a índices ou taxas oficiais, incidentes sobre ativos e passivos, circulantes e não circulantes, bem como, quando aplicável, os efeitos de ajustes de ativos para o valor de mercado ou de realização.

p) Ajuste a Valor Presente

A Companhia concluiu não ser aplicável o ajuste a valor presente para os elementos do ativo e do passivo decorrentes de operações de longo prazo, ou de curto prazo, quando houver efeitos relevantes, conforme dispõe o CPC 12 (Deliberação CVM nº 564/08), uma vez que os ativos e passivos de longo prazo não são passíveis de ajuste, bem como os efeitos de curto prazo não são relevantes.

4. Demonstrações Contábeis Consolidadas

As demonstrações contábeis consolidadas foram elaboradas em conformidade com os critérios de consolidação previstos pelas práticas contábeis adotadas no Brasil e pelas instruções normativas da CVM, abrangendo as demonstrações contábeis da Minupar Participações S/A e suas controladas, diretas ou indiretas, levantadas em 31 de dezembro de 2009, mencionadas a seguir:

(12)

% de Participação

Controladas Direta Indireta

Companhia Minuano de Alimentos - 96,1913

Sulaves S/A 99,9923 -

Valepar S/A 99,9837 -

Na elaboração das demonstrações contábeis consolidadas, merecem destaque as seguintes práticas:

a) A Minupar Participações S/A e suas controladas adotam práticas contábeis uniformes para o registro de suas operações e avaliação dos elementos patrimoniais;

b) Os saldos das contas patrimoniais e contas de receitas e despesas decorrentes de operações entre empresas consolidadas estão devidamente eliminados. Os investimentos em controladas são eliminados contra a proporção de patrimônio líquido incluída na consolidação por estas companhias;

c) As participações de acionistas não controladores nas sociedades controladas estão destacadas na apresentação das demonstrações contábeis consolidadas.

5. Caixa e Equivalentes de Caixa - Consolidado

1T2010 2009

Caixa Geral 6 5

Bancos Conta Movimento 206 373

Aplicações de Liquidez Imediata 1 1

Total 213 379

Os numerários em caixa, saldos de contas correntes bancárias e aplicações de liquidez imediata são os itens do balanço patrimonial apresentados na demonstração dos fluxos de caixa como caixa e equivalentes de caixa.

6. Clientes - Consolidado

Circulante 1T2010 2009

Clientes – Mercado Interno 4.401 5.509

Clientes – Mercado Externo 2.506 1.341

(-) Títulos Descontados (2.667) (2.903)

(-) Adiantamento Contrato Câmbio (187) (429)

(-) Faturamento Antecipado (286) (545)

(-) Provisão para Riscos de Crédito (279) (244)

Total 3.488 2.729

(13)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

7. Estoques – Consolidado

Circulante 1T2010 2009

Produtos Acabados 614 573

Produtos em Elaboração - -

Matérias-Primas e Materiais Auxiliares 986 1.258

Materiais Diversos 1.071 1.184

Total 2.671 3.015

8. Impostos a Recuperar – Consolidado

1T2010 2008

Circulante Não Circulante

Circulante Não Circulante

IRRF a Recuperar 4 - 23 -

ICMS a Recuperar 7.084 - 6.547 -

IRPJ a Compensar 4.473 - 4.473 -

CSLL a Compensar 1.664 - 1.664 -

Pis e Cofins a Recuperar 1.622 - 2.124 -

Crédito Prêmio de IPI - 25.334 - 33.819

Total 14.847 25.334 14.831 33.819

O saldo da conta “Crédito Prêmio de IPI” refere-se ao crédito sobre exportações resultante dos registros das competências, outubro de 1982 a outubro de 1990, habilitados pela Receita Federal do Brasil e deduzidas as compensações formalizadas até 31 de março de 2010.

9. Investimentos em Sociedades Controladas

Valepar S/A Sulaves S/A

a) Principais Informações

Capital Social 709 6.900

Quantidade de Ações Possuídas (lote de mil) 1.442.103 15.602 % Participação no Capital Social 99,9837 99,9923 Patrimônio Líquido (Passivo a Descoberto) (97.303) (10.577)

Resultado Líquido do Exercício 12.690 1.480

b) Movimentação Provisão para Perdas em Investimentos

Valepar S/A Sulaves S/A Total

Saldos em 31 de dezembro de 2009 (104.697) (12.214) (116.911)

(14)

Resultado de equivalência patrimonial 12.690 1.480 14.170

Integralização de Capital Social - - -

Saldos em 31 de março de 2010 (92.007) (10.734) (102.741)

10. Imobilizado – Consolidado

1T2010 2009

Taxa Anual

%

Imobilizado Depreciação

Acumulada Líquido Líquido

Terrenos - 5.931 - 5.931 5.931

Edificações 4 51.586 (22.929) 28.658 29.124 Máquinas e Equip. 4-10 48.110 (28.148) 19.962 20.573 Instalações 4-10 17.497 (10.381) 7.115 7.321 Móveis e Utens. 4-10 3.888 (3.516) 372 379 Equip. Informática 20 1.808 (1.481) 327 333

Veículos 20 974 (862) 112 71

Vasilhames 10 400 (264) 136 94

Aves Reprodução 100 - - - -

Aves Postura 87 1.174 (572) 602 495

Imob. Andamento - 18 - 18 18

Outros - 9 (7) 2 2

Total 131.394 (68.159) 63.235 64.341

A movimentação do imobilizado no 1º Trimestre de

2010 foi a seguinte:

Liquido

2009 Adições

Baixas

Transferên

cias

Deprecia-

ção

Liquido 1T2010 Terrenos

5.931

-

-

-

-

5.931 Edificações

29.124

9

-

-

(475)

28.658 Máquinas e

Equip.

20.574

184

(193)

-

(603)

19.962 Instalações

7.321

35

-

-

(240)

7.115 Móveis e

Utens.

379

6

-

-

(13)

372 Equip.

Informática

333

12

(1)

-

(17)

327 Veículos

71

47

-

-

(6)

112

(15)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS Vasilhames

94

48

-

-

(6)

136 Aves

Reprodução

-

-

-

-

-

-

Aves Postura

495

302

(0)

-

(195)

602 Imob.

Andamento

18

-

-

-

-

18

Outros

2

-

-

-

-

2

Total

64.341

644

(194)

-

(1.556)

63.235

A depreciação do ativo imobilizado foi distribuída nas seguintes contas:

1T2010 2009

Custo dos Produtos e Serviços Vendidos 1.524 7.161

Despesas com Vendas 1 8

Despesas Administrativas 29 162

Total 1.554 7.331

De acordo com o CPC 01 (Deliberação CVM nº 527/08) – Redução ao Valor Recuperável de Ativos – a Companhia não identificou perdas por redução ao valor de recuperação (impairment) em 31 de março de 2010.

11. Intangível – Consolidado

1T2010 2009

Marcas e Patentes 169 169

Programas de Software-Licenças de Uso 112 112

(-) Amortização Acumulada (57) (52)

Total 224 229

O ativo intangível é amortizado pelo método linear à taxa de 20% ao ano.Os ativos intangíveis com vida útil indefinida não são amortizados.

De acordo com o CPC 01 (Deliberação CVM nº 527/08) – Redução ao Valor Recuperável de Ativos – a Companhia não identificou perdas por redução ao valor de recuperação (impairment) em 31 de dezembro de 2009.

A movimentação do intangível no 1º Trimestre de 2010 foi a seguinte:

(16)

Marcas e Patentes

Programas Software

Total

Saldos em 31 de dezembro de 2009 169 112 281

Adições - - -

Baixas - - -

Transferências - - -

Amortização - (57) (57)

Saldos em 31 de março de 2010 169 55 224

12. Instituições Financeiras – Consolidado

Os empréstimos e financiamentos junto às instituições financeiras possuem as seguintes características e condições:

1T2010

Instituição Financeira Encargos Vencimento Circulante Não Circulante

Banrisul S/A – ACC U$ + 9,0%aa 2010 3.173 -

Banrisul S/A – CCI CDI +10,0%aa 11/2010 1.741 - Banrisul S/A – CCI CDI +4,3%aa 03/2011 883 147 Bicbanco S/A – Giro CDI +1,3%am 08/2012 2.235 3.167

Daycoval S/A – CCB 2,2%am 10/2009 745 -

Outras – Limite Crédito - - 2.030 41

Acordos Bancários BB TR +1,0%am 01/2011 2.396 - Acordos Bancários BB TR +1,0%am 01/2014 3.562 5.344

Reaver TJLP+6,5%aa 05/2005 8.091 -

Total 24.856 8.699

2009

Instituição Financeira Encargos Vencimento Circulante Não Circulante

Banrisul S/A – ACC U$ + 9,0%aa 2010 3.342 -

Banrisul S/A – CCI CDI +10,7%aa 12/2009 53 - Banrisul S/A – CCI CDI +10,0%aa 11/2010 2.439 - Banrisul S/A – CCI CDI +4,0%aa 03/2011 936 216 Bicbanco S/A – Giro CDI +1,3%am 08/2012 469 5.156

Daycoval S/A – CCB 2,2%am 10/2009 1.074 -

Outras – Limite Crédito - - 1.486 28

Acordos Bancários TR +1,0%am 01/2011 2.027 301 Acordos Bancários TR +1,0%am 01/2014 3.374 5.427

(17)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

Reaver TJLP+6,5%aa 05/2005 7.849 -

Total 23.049 11.128

Os acordos bancários referem-se às renegociações de obrigações contratadas com o Banco do Brasil S/A e sobre os mesmos incidem juros de 1,0% ao mês mais TR. Os acordos possuem vencimento final em janeiro de 2011 (R$ 2.396) e janeiro de 2014 (R$ 8.905). Os acordos estão garantidos por garantias reais (hipoteca de imóveis e penhor de máquinas e equipamentos) e avais dos administradores.

A operação Reaver (Caixa-RS) encontra-se vencida e sobre ela incide juros de 6,5% ao ano mais a variação da TJLP e multas por inadimplência. A mesma está garantida por garantias reais (hipoteca de imóveis) e avais dos administradores.

13. Fornecedores de Ativo Fixo - Consolidado

Os fornecedores de ativo fixo referem-se a recursos contratados com terceiros para investimentos na Companhia, com as seguintes características e condições:

Não Circulante

Encargos Vencimento 1T2010 2009

1,5%am 10/02/2011 - 24

CDI 01/02/2012 768 953

CDI +6,0%aa 20/12/2012 8.033 9.210

Total 8.801 10.187

14. Outras Contas a Pagar - Consolidado

Não Circulante

Encargos Vencimento 1T2010 2009

Indice Poupança 05/04/2012 243

TR +0,5%am 15/01/2013 961 906

Total 1.204 906

15. Salários a Pagar e Provisões - Consolidado

(18)

Circulante 1T2010 2009

Salários a Pagar 1.479 1.353

Provisão Férias e 13º Salário 5.347 4.985

Provisão Abono Salarial e Auxílio Escolar 633 674

Total 7.459 7.012

16. Impostos, Taxas e Contribuições - Consolidado

Não Circulante Vencimento 1T2010 2009

ICMS – Parcelamento (SC) 2010 5 5

ICMS – Parcelamento (RS) 2013 520 555

ICMS – Parcelamento (SP) 2017 1.402 1.430

FGTS – Parcelamento 2020 1.139 1.136

SESI/SENAI - Parcelamento 2013 517 555

Lei 11.941/2009 - Parcelamento 2024 62.170 26.029

Total 65.753 29.710

17. Partes Relacionadas

a) Remuneração dos Administradores

A Companhia fixou em até R$ 600 a remuneração global anual dos administradores para o exercício de 2009/2010 conforme Assembléia Geral Ordinária realizada em 13 de maio de 2009.

b) Operações de Mútuo

Controladora Consolidado

1T2010 2009 1T2010 2009

Ativo Não Circulante

Cia Minuano de Alimentos 3.519 3.674 - -

Diretores e Acionistas 4 4 167 169

3.523 3.678 167 169

Passivo Circulante

Valepar S/A - - - -

- - - -

Passivo Não Circulante

Diretores e Acionistas - - 13.058 11.526

- - 13.058 11.526

Os créditos e obrigações entre partes relacionadas não possuem prazos estipulados para recebimento e liquidação e estão condicionados à maximização

(19)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

do fluxo de caixa das empresas. Sobre os contratos de mútuos incidem juros de 0,5% a 1% ao mês mais taxa CDI.

18. Provisão para Contingências - Consolidado

A Companhia e suas controladas são parte envolvida em processos tributários, cíveis, trabalhistas e de outras naturezas, cujas discussões encontram-se em andamento tanto na esfera administrativa como na judicial. Quando aplicável, tais discussões são amparadas por depósitos judiciais. As provisões para perdas prováveis decorrentes desses processos são constituídas pela Administração, considerando a opinião de seus assessores jurídicos. Em 31 de dezembro de 2009, a Companhia apresenta as seguintes provisões para contingências e correspondentes depósitos judiciais:

Depósitos Judiciais Provisão Contingências

1T2010 2009 1T2010 2009

Conting. Trabalhistas 699 540 858 858

Conting. Administrativas - - 2 2

Conting. Tributárias - - 789 55.468

Conting. Cíveis 16 8 680 1.160

Total 715 548 2.329 57.488

As contingências tributárias totalizam R$ 2.329 (R$ 55.468 em 31 de dezembro de 2009). Os valores correspondentes a IRPJ e CSLL relativos ao exercício de 2006, totalizavam em 31 de dezembro de 2009 R$ 54.679. A companhia mediante consultas realizadas a diversos assessores jurídicos, tendo em vista a incerteza quanto ao êxito na reversão do débito gerado pelo reconhecimento indevido de Crédito Prêmio IPI – Exportação em período posterior ao ano de 1990, optou pela adesão do referido débito tributário a Lei 11.941/2009, e seus benefícios como, redução de multas e juros e pagamento do saldo das mesmas pela utilização de Prejuízo Fiscal, resultando num saldo de R$ 36.030 a ser incluído no parcelamento que pode ser em 180 meses, o qual está aguardando consolidação pelos órgãos competentes.

Contingências possíveis

(20)

Na avaliação dos assessores jurídicos, os processos considerados como de perda possível totalizam R$ 139.987 (R$ 139.987 em 31 de dezembro de 2009), distribuídos entre processos tributários, cíveis e trabalhistas.

19. Crédito Prêmio de IPI Exportação

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal limitando em 05 de outubro de 1990, o direito ao Crédito de incentivo fiscal setorial instituído pelo art. 1º do Decreto Lei nº 491, de 5 de março de 1969, a Companhia procedeu ajustes em seu Ativo pela redução do valor referente ao período posterior a 1990 que estava registrado desde o exercício de 2006, e promoveu a liquidação de débitos resultantes de compensações conforme permitido pelo art. 3º da Medida Provisória nº 470 de 13 de outubro de 2009 mediante a utilização de Prejuízo Fiscal e Base Negativa da CSLL como moeda (conforme nota explicativa 23.1).

O saldo de R$ 25.334 mil no Ativo, decorre da decisão da Companhia em limitar o crédito à decisão do STF, mantidas algumas compensações de tributos federais, referente exercícios anteriores. A Companhia através de seus assessores jurídicos, efetuou recursos administrativos e está propondo medidas judiciais para obter o reconhecimento do direito de compensação, cujo êxito considerado plenamente possível, pois decorre de coisa julgada. As compensações referentes a exercícios anteriores que não foram mantidas, foram objeto da MP470/2009.

Apesar do pronunciamento formal da Receita Federal do Brasil ocorrido em 04/09/2009, através do Parecer/DRF/SCS/SAORT nº 126/09, a Companhia, tendo por base parecer dos consultores jurídicos, entende que o registro contábil do crédito ocorrido em 2006, ajustado ao que foi limitado pelo STF, está amparado em decisão judicial definitiva, pois já houve o transcurso do prazo para interposição de ação rescisória, bem como existem normativos legais vigentes à época que asseguram o direito da empresa, o que foi confirmado pelos autos do processo julgado favorável a companhia.

Diante da segurança jurídica que atualmente envolve a questão, e das disposições contidas na Deliberação CVM nº 594/2009, item 35, a empresa considera que através das compensações já efetuadas está obtendo os benefícios econômicos decorrentes do direito assegurado judicialmente.

A Companhia procedeu às devidas atualizações pela SELIC e compensações do exercício corrente, remanescendo, em 31 de março de 2010, um saldo de R$

25.334 (R$ 33.819 em 31 de dezembro 2009), registrados no ativo não circulante.

(21)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

A Companhia utilizou por meio de compensações junto à Receita Federal do Brasil os seguintes montantes:

Período Descrição 1T2010 2009

2000 Compensação com Refis - -

2000 Compensação com Tributos Federais 355 355 2001 Compensação com Tributos Federais 4.863 4.863 2002 Compensação com Tributos Federais 2.883 2.883 2004 Compensação com Tributos Federais 868 868 2005 Compensação com Tributos Federais 2.518 2.518 2006 Compensação com Tributos Federais 3.547 3.547 2007 Compensação com Tributos Federais 3.225 3.225

2007 Compensação com INSS - -

2008 Compensação com Tributos Federais 2.799 2.799 2009 Compensação com Tributos Federais 607 607

2009 Compensação com INSS 1.112 1.112

2010 Compensação com Tributos Federais 873 -

2010 Compensação com INSS 7.971 -

Total 31.621 22.777

20. Cobertura de Seguros - Consolidado

Em 31 de março de 2010, a cobertura de seguros contra incêndio e riscos diversos para os bens do ativo imobilizado é de R$ 35.000 (R$ 31.000 em 31 de dezembro de 2009).

21. Instrumentos Financeiros

Os instrumentos financeiros existentes em 31 de março de 2010 registrados em contas patrimoniais não apresentam valores de mercado diferentes daqueles reconhecidos nas demonstrações contábeis. A Companhia e suas controladas não atuam no mercado de derivativos.

22. Patrimônio Líquido (Passivo a Descoberto)

a) Capital Social

O Capital Social da Companhia, em 31 de março de 2010, é de R$ 9.694, representado por 96.600.000 ações ordinárias escriturais, sem valor nominal. A Companhia tem autorização para aumentar o Capital Social, independente de reforma estatutária, até o limite de 360.000.000 ações ordinárias. Cada ação ordinária dará o direito a um voto na Assembléia Geral.

(22)

b) Reserva de Reavaliação de Ativos em Controladas

A Reserva de Reavaliação de Ativos em Controladas evidencia a parcela proporcional à participação da Companhia nas reavaliações efetuadas por controladas. A realização da reserva de reavaliação por depreciação e baixa de bens reavaliados efetivada nas empresas controladas foi correspondida, proporcionalmente à controladora, a crédito da conta de prejuízos acumulados.

c) Reserva Legal

Quando aplicável, será constituída Reserva Legal à razão de 5% do lucro líquido apurado em cada exercício social, até o limite de 20% do capital social.

d) Dividendos

De acordo com o Estatuto da Companhia, os acionistas têm o direito a dividendos mínimos obrigatórios de 25% do lucro líquido do exercício ajustado consoante o disposto no Artigo 202 da Lei nº 6.404/76.

23. Programas de Parcelamentos Fiscais - Consolidado

23.1 – Medida provisória 470/2009

A Companhia formalizou em 30 de novembro de 2009, a adesão ao parcelamento de débitos fiscais previstos na Medida Provisória 470/2009. Este programa, permitiu a liquidação de multas, juros e montantes de “principal” dos tributos, com benefícios de até 100% nas multas e 90% nos juros e o restante com créditos tributários de IR e CSLL decorrentes de Prejuízo Fiscal e Base Negativa de CSLL, em montante aproximado de 61 milhões, aguardando consolidação pelos órgãos competentes.

Controladora Consolidado

MP 470/2009 1T2010 2009 1T2010 2009

1 Passivos Tributários objeto da MP 470/2009 - 61.896 - 61.896

2 Reduções da MP 470/2009 - 24.213 - 24.213

3 Montante utilizado do Prejuízo Fiscal - 37.683 - 37.683

23.2 – Lei 11.941/2009

A Companhia formalizou a adesão ao parcelamento de débitos fiscais previsto na Lei 11.941/2009, requerendo em caráter definitivo a exclusão de parcelamentos

(23)

06.01 - NOTAS EXPLICATIVAS

anteriores a esta Lei, sendo que os benefícios econômico-financeiros foram devidamente registrados em 2009.

Controladora Consolidado PARCELAMENTO LEI 11.941/2009 1T2010 2009 1T2010 2009 1 Passivos Tributários objeto da Lei

11.941/2009

1.215 1.215 117.740 62.286 2 Reduções da Lei 11.941/2009 234 234 21.652 14.274 3 Montante utilizado do Prejuízo Fiscal 426 426 33.946 21.900 4 Valor Passivos Tributários após Reduções e

utilização do Prejuízo Fiscal

555 555 62.142 26.112

O valor dos Passivos Tributários correspondentes ao Parcelamento Especial da Lei 11.941/2009 foram acrescidos de juros correspondentes a variação mensal da taxa do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – Selic e as parcelas mínimas, antes da consolidação deste programa, estão sendo recolhidas mensalmente num valor aproximado de R$ 37 mil. Totalizando num montante atualizado de R$ 62.621 a pagar em 31 de março de 2010, com opção de parcelamento em 180 meses, aguardando consolidação pelos órgãos competentes

(24)

Conselho de Administração

Sérgio Roberto Jaeschke Jaeger João Zani

Presidente Vice-Presidente

Wilnei Silva Borba Francisco Asclépio Barroso Aguiar

Conselheiro Conselheiro

Luiz Carlos Sambo Conselheiro

Diretoria

Paulo Vicente Sperb Darlei Forest

Diretor Presidente Diretor

Diretor Relações com Investidores

Fabiana de Oliveira Contadora CRC/RS 072807/O-9

(25)

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

Aos

Diretores e Acionistas da Minupar Participações S.A Lajeado - RS

1. Revisamos as informações contábeis contidas nas Informações Trimestrais - ITR da Minupar Participações S.A. (individuais e consolidadas), referentes ao trimestre findo em 31 de março de 2010, compreendendo o balanço patrimonial e as demonstrações do resultado, dos fluxos de caixa e das mutações do Patrimônio Líquido, o relatório de desempenho e as notas explicativas, elaborados sob a responsabilidade de sua administração.

2. Nossa revisão foi efetuada de acordo com as normas específicas estabelecidas pelo Ibracon - Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, em conjunto com o Conselho Federal de Contabilidade - CFC, e consistiu, principalmente, em: (a) indagação e discussão com os administradores responsáveis pelas áreas contábil, financeira e operacional da Companhia quanto aos principais critérios adotados na elaboração das Informações Trimestrais; e (b) revisão das informações e dos eventos subsequentes que tenham, ou possam vir a ter, efeitos relevantes sobre a posição financeira e as operações da Companhia.

3. Com base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhuma modificação relevante que deva ser feita nas informações contábeis contidas nas Informações Trimestrais acima referidas, para que estejam de acordo com as normas contábeis adotadas no Brasil e com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), aplicáveis à elaboração das Informações Trimestrais.

(26)

Conforme mencionado na nota explicativa nº 02, durante o ano de 2009, foram aprovados pela CVM diversos Pronunciamentos, Interpretações e Orientações Técnicas emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) com vigência para 2010, que alteraram as práticas contábeis adotadas no Brasil. Conforme facultado pela Deliberação CVM nº 603/09, a Administração da Companhia optou por apresentar suas Informações Trimestrais (ITR) utilizando as normas contábeis adotadas no Brasil até 31 de dezembro de 2009, ou seja, não aplicou esses normativos com vigência para 2010. Conforme requerido pela citada Deliberação CVM nº 603/09, a Companhia divulgou esse fato na nota explicativa nº 02 às ITR e a descrição das principais alterações que poderão ter impacto sobre as demonstrações financeiras do encerramento do exercício e os esclarecimentos das razões que impedem a apresentação da estimativa dos seus possíveis efeitos no patrimônio líquido e no resultado, como requerido pela Deliberação.

5. A controlada Companhia Minuano de Alimentos possui registrado no Ativo o montante de R$ 35.897 mil referente a crédito tributário decorrente de trânsito em julgado de ação judicial do IPI (crédito prêmio exportação), sobre o qual decorrem os seguintes fatos: a) apesar do direito ao crédito já ter sido reconhecido formalmente pelo fisco, em 04/09/2009 a Delegacia da Receita Federal do Brasil de Santa Cruz do Sul/RS, emitiu o PARECER/DRF/SCS/RS/Saort nº126/2009 revogando o Pedido de Habilitação do Crédito. Contudo, os assessores jurídicos entendem que a sentença transitada em julgado e as correspondentes legislações vigentes asseguram o direito líquido e certo da Companhia de usufruir o benefício fiscal (nota 19); b) A Controlada utilizou parcela do referido crédito tributário no pagamento integral, mediante compensação, de débitos tributários no total de R$ 10.563, assim sendo, a Administração da Companhia, seguindo orientação de seus consultores jurídicos, impetrou ação judicial e administrativa visando garantir o direito a compensação dos referidos tributos.

Como conseqüência dos assuntos acima mencionados, as demonstrações contábeis foram elaboradas no pressuposto na manutenção do direito obtido judicialmente, e não contemplam quaisquer ajustes relativos à realização e classificação de valores de ativos ou passivos que possam ser requeridos em decorrência de ser negado de forma definitiva

(27)

o direito as mencionadas compensações e eventual reversão do entendimento jurídico vigente.

6. A Companhia e sua controlada optaram em incluir parte do passivo tributário no Parcelamento previsto na Lei nº 11.941/2009 e na Medida Provisória 470/2009, sendo que a mensuração dos valores definitivos incluídos nas novas modalidades de parcelamento encontra-se pendente de realização por parte dos órgãos fiscalizadores.

Assim sendo, as demonstrações contábeis, controladora e controlada, não incluem quaisquer ajustes que porventura venham a ser requeridos por ocasião da consolidação definitiva do referido débito fiscal.

7. As demonstrações contábeis do exercício de 31/12/2009 da Companhia Minuano de Alimentos e controlada, apresentadas para fins comparativos, ainda não foram submetidas à aprovação da Assembléia Geral Ordinária, conforme determina o artigo 132 da Lei nº 6.404/76. Os reflexos oriundos de eventuais alterações patrimoniais em virtude de aprovação diversa da proposta pelos administradores somente poderão ser mensurados após a sua realização, produzindo efeitos nas demonstrações contábeis encerradas no citado exercício.

8. As informações trimestrais foram preparadas no pressuposto da continuidade normal dos negócios da Minupar Participações S.A. e suas controladas, o que dependerá substancialmente, dos constantes esforços na reversão de prejuízos e geração de caixa, e do sucesso nos programas de saneamento implementados pelas empresas, bem como na manutenção do Parcelamento previsto na Lei nº 11.941/2009 e Medida Provisória nº 470/2009. As demonstrações contábeis não incluem quaisquer ajustes para a realização dos ativos ou cumprimento de obrigações adicionais que poderiam ser requeridos na impossibilidade da Companhia continuar operando.

Porto Alegre (RS), 30 de abril de 2010.

(28)

Roberto José Fidryszewski CRC-RS 36.593

Sócio Responsável

DRS Auditores CRC-RS nº 4.230

(29)

01376-5 MINUPAR PARTICIPACOES SA 90.076.886/0001-40

02.02 - BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 3 - 31/03/2010 4 - 31/12/2009

2 Passivo Total 11.916 12.071

2.01 Passivo Circulante 817 736

2.01.01 Empréstimos e Financiamentos 0 0

2.01.02 Debêntures 0 0

2.01.03 Fornecedores 0 0

2.01.04 Impostos, Taxas e Contribuições 498 449

2.01.05 Dividendos a Pagar 9 9

2.01.06 Provisões 0 0

2.01.07 Dívidas com Pessoas Ligadas 0 0

2.01.08 Outros 310 278

2.01.08.01 Salários a Pagar e Provisões 310 278

2.02 Passivo Não Circulante 110.645 124.807

2.02.01 Passivo Exigível a Longo Prazo 110.645 124.807

2.02.01.01 Empréstimos e Financiamentos 0 0

2.02.01.02 Debêntures 0 0

2.02.01.03 Provisões 0 0

2.02.01.04 Dívidas com Pessoas Ligadas 0 0

2.02.01.05 Adiantamento para Futuro Aumento Capital 0 0

2.02.01.06 Outros 110.645 124.807

2.02.01.06.01 Impostos, Taxas e Contribuições 318 360

2.02.01.06.02 Provisão para Perdas em Investimentos 107.864 122.032

2.02.01.06.03 Outras Contas a Pagar 2.463 2.415

2.03 Resultados de Exercícios Futuros 0 0

2.05 Patrimônio Líquido (99.546) (113.472)

2.05.01 Capital Social Realizado 9.694 9.694

2.05.02 Reservas de Capital 0 0

2.05.03 Reservas de Reavaliação 4.647 4.709

2.05.03.01 Ativos Próprios 0 0

2.05.03.02 Controladas/Coligadas e Equiparadas 4.647 4.709

2.05.04 Reservas de Lucro 0 0

2.05.04.01 Legal 0 0

2.05.04.02 Estatutária 0 0

2.05.04.03 Para Contingências 0 0

2.05.04.04 De Lucros a Realizar 0 0

2.05.04.05 Retenção de Lucros 0 0

2.05.04.06 Especial p/ Dividendos Não Distribuídos 0 0

2.05.04.07 Outras Reservas de Lucro 0 0

2.05.05 Ajustes de Avaliação Patrimonial 0 0

2.05.05.01 Ajustes de Títulos e Valores Mobiliários 0 0

2.05.05.02 Ajustes Acumulados de Conversão 0 0

2.05.05.03 Ajustes de Combinação de Negócios 0 0

(30)

02.02 - BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 3 -31/03/2010 4 -31/12/2009

2.05.06 Lucros/Prejuízos Acumulados (113.887) (127.875)

2.05.07 Adiantamento para Futuro Aumento Capital 0 0

(31)

01376-5 MINUPAR PARTICIPACOES SA 90.076.886/0001-40 04.01 - DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - METODO INDIRETO (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 3 - 01/01/2010 a 31/03/2010 4 - 01/01/2010 a 31/03/2010 5 - 01/01/2009 a 31/03/2009 6 - 01/01/2009 a 31/03/2009

4.01 Caixa Líquido Atividades Operacionais 0 0 0 0

4.01.01 Caixa Gerado nas Operações (242) (242) (322) (322)

4.01.01.01 Resultado Líquido do Exercício 13.926 13.926 (1.738) (1.738)

4.01.01.05 Resultado da Equivalencia Patrimonial (14.168) (14.168) 1.416 1.416

4.01.02 Variações nos Ativos e Passivos 242 242 322 322

4.01.02.07 Partes Relacionadas 155 155 153 153

4.01.02.11 Impostos, Taxas e Contribuições (7) (7) 45 45

4.01.02.12 Salarios a Pagar e Provisões 31 31 61 61

4.01.02.17 Outras Contas a Pagar 63 63 63 63

4.01.03 Outros 0 0 0 0

4.02 Caixa Líquido Atividades de Investimento 0 0 0 0

4.03 Caixa Líquido Atividades Financiamento 0 0 0 0

4.04 Variação Cambial s/ Caixa e Equivalentes 0 0 0 0

4.05 Aumento(Redução) de Caixa e Equivalentes 0 0 0 0

4.05.01 Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes 1 1 0 0

4.05.02 Saldo Final de Caixa e Equivalentes 1 1 0 0

(32)

05.01 - DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DE 01/01/2010 a 31/03/2010 (Reais Mil)

1 - CÓDIGO 2 - DESCRIÇÃO 5 - RESERVAS DE

REAVALIAÇÃO 4 - RESERVAS DE

CAPITAL

6 - RESERVAS DE LUCRO

7 - LUCROS/ PREJUÍZOS ACUMULADOS

3 - CAPITAL SOCIAL 9 - TOTAL PATRIMÔNIO

LÍQUIDO 8 - AJUSTES DE

AVALIAÇÃO PATRIMONIAL

5.01 Saldo Inicial 9.694 0 4.709 0 (127.874) 0 (113.471)

5.02 Ajustes de Exercícios Anteriores 0 0 0 0 0 0 0

5.03 Saldo Ajustado 9.694 0 4.709 0 (127.874) 0 (113.471)

5.04 Lucro / Prejuízo do Período 0 0 0 0 13.926 0 13.926

5.05 Destinações 0 0 0 0 0 0 0

5.05.01 Dividendos 0 0 0 0 0 0 0

5.05.02 Juros sobre Capital Próprio 0 0 0 0 0 0 0

5.05.03 Outras Destinações 0 0 0 0 0 0 0

5.06 Realização de Reservas de Lucros 0 0 (62) 0 62 0 0

5.07 Ajustes de Avaliação Patrimonial 0 0 0 0 0 0 0

5.07.01 Ajustes de Títulos e Valores Mobiliários 0 0 0 0 0 0 0

5.07.02 Ajustes Acumulados de Conversão 0 0 0 0 0 0 0

5.07.03 Ajustes de Combinação de Negócios 0 0 0 0 0 0 0

5.08 Aumento/Redução do Capital Social 0 0 0 0 0 0 0

5.09 Constituição/Realização Reservas Capital 0 0 0 0 0 0 0

5.10 Ações em Tesouraria 0 0 0 0 0 0 0

5.11 Outras Transações de Capital 0 0 0 0 0 0 0

5.12 Outros 0 0 0 0 0 0 0

5.13 Saldo Final 9.694 0 4.647 0 (113.886) 0 (99.545)

Referências

Documentos relacionados

semântico refletido nas estruturas que, de modo geral, são usadas como pedidos e ordens indiretos. As convenções de forma, por outro lado, especificam as unidades lexicais a

Esses três tipos de leitura propostos por Barthes serão claramente os inspiradores do modelo de investigação que Stuart Hall irá propor, em 1973, para o problema da decodificação

As demonstrações contábeis foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, suportadas na Lei das Sociedades por Ações e normas

O comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), no ano de 2009, emitiu diversos Pronunciamentos Técnicos, Interpretações e Orientações, os quais também foram aprovados pela

O Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC emitiu pronunciamentos relacionados ao processo de convergência contábil internacional, aprovados pela Comissão de

Conforme mencionado na nota explicativa nº 3.5, as contas a receber de clientes são ajustadas a valor presente pela taxa de juros efetiva na data da transação (nota explicativa

O mesmo procedimento adotado para estimativas das temperaturas médias anuais (Tm) foi utilizado para obtenção das temperaturas máximas anuais (Tx), sendo as

No mérito, ambos os réus pretendem que se reconheça que o acidente teria sido causado por culpa exclusiva da vítima, que estaria trafegando em velocidade excessiva para o