• Nenhum resultado encontrado

ANO XIX Nº CAMPO GRANDE-MS R$ 1,00 QUARTA-FEIRA, 21 DE JULHO DE 2021 MILHÕES. arrecadados em ICMS com energia elétrica no Estado

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "ANO XIX Nº CAMPO GRANDE-MS R$ 1,00 QUARTA-FEIRA, 21 DE JULHO DE 2021 MILHÕES. arrecadados em ICMS com energia elétrica no Estado"

Copied!
20
0
0

Texto

(1)

Loterias

Resultados na página A8

Apesar do avanço da nova variante

delta, Mato Grosso do Sul descarta

a ampliação de barreiras sanitárias

MS ainda precisa

aplicar 2 milhões de

doses para imunizar

todo o público-alvo

contra COVID-19

Softball feminino

- Japão e Austrália se enfrentaram no início da noite de terça-feira, no horário do Brasil, pelo primeiro confronto dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A cerimônia de abertura está marca para sexta-feira.

ANO XIX | Nº 5.790| CAMPO GRANDE-MS | R$ 1,00 |QUARTA-FEIRA, 21 DE JULHO DE 2021

JornalOEstadoMS

ESTADO

O

OOOO

(67)

3345-9000

O ESTADO MS e TV ESCOLA

oferecem intensivo para

Enem 2021.

Página A5

Bolsonaro promete provar fraude do 2º turno de 2014

Presidente reafi rma: as urnas eletrônicas são fraudáveis, e defende o uso do voto impresso.

Página A4

Disputa ao

governo tem ao

menos 8 possíveis

candidatos

Valor médio do

novo Bolsa Família

será de R$ 300

Na corrida à sucessão

estadual os partidos se

agitam na escolha de

pos-síveis concorrentes. A mais

nova pré-candidata é a

se-nadora Soraya Thronicke,

pelo PSL.

Página A3

O presidente Jair

Bolso-naro afirmou ontem (20)

que o Bolsa Família deve

ter seu valor médio

reajus-tado para cerca de R$ 300.

O aumento será da ordem

de 50%.

Página A8

Cia. Dançurbana

apresenta

espetáculo solo

‘Sob Controle’

ARTES

Página C1

Divulg ação Twitter/Conmebol Jorge Silva/Reuters

ESPORTES

Libertadores: Atlético Mineiro passa pelo Boca

Juniors nos pênaltis, com cobrança de goleiro

O nome do

jogo: Everson.

Após falhar

no gol do

Boca Juniors

no tempo

re-gulamentar,

anulado pelo

VAR, o goleiro

do Atlético

Mineiro

re-alizou duas

defesas e

pênaltis e

converteu o

gol da

classi-ficação para

as quartas na

Copa

Liberta-dores, ontem

à noite, no

es-tádio Mineirão,

em Belo

Hori-zonte.

CONTAGEM REGRESSIVA

DIAS

0 2

TOKYO

2021

MS no Japão:

medalhista de MS

está na torcida pelo

judô brasileiro

Seca do Rio Paraguai

deve ser pior que a

registrada em 2020

Prefeitura estuda

incluir Rotunda em

obras do Reviva

Duas vezes medalhista de bronze

– Pequim 2008 e Londres 2012 –,

Michele Ferreira não vai ao Japão

por causa de uma lesão. Mas nem

isso a impede de pensar em Tóquio,

pois estará na torcida pela equipe

paralímpica.

Página B2

A tendência é de que a seca do

Rio Paraguai seja pior que a do

ano passado. Ontem (20) o nível

do rio estava com 1,17 metro, em

Ladário, conforme dados da Sala

de Situação do Imasul (Instituto de

Meio Ambiente de Mato Grosso do

Sul). O nível estava 52 centímetros

abaixo do registrado no mesmo dia

no ano passado, que era sw 1,69

metro. Pelo terceiro ano

consecu-tivo em que o Pantanal não

apre-senta a habitual cheia, previsão é

de que até outubro nível se

apro-xime de -40 cm em Ladário.

Página A6

Após repercussão, a Prefeitura

de Campo Grande, por meio da

Sectur (Secretaria Municipal de

Cultura e Turismo), iniciou, ontem

(20), as tratativas junto ao

Iphan--MS (Instituto do Patrimônio

His-tórico e Artístico Nacional de Mato

Grosso do Sul) para ter acesso ao

projeto completo das obras de

revi-talização da Rotunda Ferroviária,

considerada um patrimônio da

Capital, tombado pelo próprio

ins-tituto, mas que nunca passou por

obras e se encontra em um cenário

de completo abandono.

Página A6

Após seis meses do início da

vacinação contra a COVID-19,

Mato Grosso do Sul desponta

como o Estado que imunizou o

maior percentual de moradores

em todo o país. Apesar disso,

para completar a proteção de

toda a população habilitada, que

tinha cobertura de 39,37% até a

manhã de terça-feira (20), o

Es-tado ainda terá de aplicar mais

de 2 milhões de vacinas. Em

con-trapartida, apesar dos 97 casos

da variante delta no país, Estado

ainda descarta a ampliação de

barreiras sanitárias.

Página A5

MILHÕES

R$

400

Valentin Manieri

arrecadados em ICMS com

energia elétrica no Estado

Página A7

Temos um

candidato

que lidera as

pesquisas

Junior Mochi, sobre André Puccinelli Tempo Cidades Mín. Máx.

Campo Grande

10º 27º

Dourados

9º 25º

Corumbá

13º 29º

Ponta Porã

8º 23º

Três Lagoas

10º 28º

Sol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.

Saiba mais sobre o tempo na pág. A8

(2)

A

palavra tem poder. As palavras trazem um significado e também deixam um legado. Eu Te Amo, são 3 segundos para ser falado. O amor não é teoria, mas ação. Simples assim... como expressa o tiktoker senegalês de cidadania italiana, Khaby Lame que conquistou as redes sociais e os memes reagindo com seus tutoriais.

Sou grato pelo avanço da tecnologia. Às redes sociais passamos informações e memorizamos os nossos momentos. Mas nesse avanço vieram também os Fake News que misturaram com o individualismo, a falsa informação e com a falta de amor. Os grupos de Whatsapp têm um “boom” de informações gigantesco. Ficamos des-confiados com as falsas noticias que vêm e vemos. Dia desses minha cunhada mandou um vídeo no grupo da família, do Marcos Piangers, entitulado: O Poder do Eu Te Amo. Nele, Piangers afirma:

- São só três palavras, mas as pessoas têm medo delas. São só três palavras mas a gente não percebe como elas são poderosas. Como um “eu te amo” muda vidas.- O “eu te amo” constrange. O “eu te amo” liberta. O “eu te amo” tem poder. E nunca é tarde

pra começar a praticar.

Eu cresci recebendo abraço e ouvindo dos meus pais Eu Te Amo, hoje faço isso com o meu filho, é DEMAIS! Antes da pandemia, com um tereré gelado vendo um futebol na casa de um amigo, meu filho pulando em cima de mim e eu o abraçando e beijando--o. Isso não tem preço. Esse meu amigo me fez uma pergunta: “Seu pai era assim com você?” antes de responder, pensei por 3 segundos e respondi: Sim! Cresci assim, sendo amado e ouvindo isso. E eu perguntei de volta: “ E você é assim com seu filho? seu pai era sim com você?”

Ele respondeu: “Meu pai não era assim comigo, cresci sentindo falta disso. Mas eu sou assim com o meu filho, abraço ele e falo: Seu pai Te ama muito.” O tempo não perdoa. Parece que foi ontem aquele dezembro de 2019, o começo da pandemia, que deu uma pausa no mundo. Paramos de nos abraçar, somente com os punhos fechados, compri-mentamos com soquinhos. Nossas palavras e ações têm o poder de curar, não é só uma forma de manifestar carinho e gentileza, ela também faz um grande bem para nossa saúde emocional, espiritual e física. O poder da palavra Eu Te Amo e o abraço não pode

ser substituído por uma tela de aparelho. O Amor que vem de Deus

“E agora, passo a vos mostrar um ca-minho ainda muito mais excelente. Ainda que eu fale as línguas dos seres humanos e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine.”

1 Coríntios 13:1 Bíblia King James. Nossas palavras possuem um poder maior do que conseguimos mensurar. Elas podem produzir vida ou morte! Então por amor à vida e ao nosso próximo não receie dizer: Eu Te Amo.

Campo Grande-MS | Quarta-feira, 21 de julho de 2021

A2

OPINIÃO

E agora, passo a vos mostrar

um caminho ainda muito mais

excelente. Ainda que eu fale as

línguas dos seres humanos e dos

anjos, se não tiver amor, serei

como o sino que ressoa ou como

o prato que retine

OPINIÃO DO LEITOR A RESPEITO DA EDIÇÃO DE ONTEM

1

Co le ti va men te, a man che te de ontem:

Foi: 80% mui to im por tan te | 5% pouco im por tan te 10% im por tan te | 5% sem im por tân cia

2

Os tex tos da pri mei ra pá gi na con ti nham

algum exa ge ro em re la ção às pá gi nas in ter nas?

0% SIM 100% NÃO

3

Qual foi a notícia mais importante?

4

Dê a sua avaliação à edição de ontem:

80% ótimo | 20% bom | 0% regular | 0% ruim

ATENDIMENTO AO ASSINANTE: (67) 3345-9050 A CIDADE É SUA, O PROBLEMA É NOSSO: cidadeesua@oestadoms.com.br

Os artigos assinados publicados neste espaço são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião do jornal O Estado de Mato Grosso do Sul

“MS eleva arrecadação de

impostos, que supera

R$ 7,8 bi no semestre”

“MS eleva arrecadação de impostos,

que supera R$ 7,8 bi no semestre”

Rua 14 de Ju lho, 204 - Vi la San ta Do ro théa Cam po Gran de - MS - CEP 79004-392 - PABX: (67) 3345-9000

“Somos o que fazemos. No dia em que fazemos,

realmente existimos; nos outros, apenas duramos.”

Padre Antônio Vieira

O

ESTADO

MATO GROSSO DO SUL

Comercial | (67) 3345-9030 - co mer cial@oes ta doms. com.br - ge ren te co mer cial@oes ta doms. com.br | Circulação | Aten di men to ao as si nan te: (67) 3345-9050 cir cu la cao@oes ta doms. com.br Representantes: Brasilia-DF, EC Comunicação e Marketing – Quadro QS 01, Rua 210 Lt. Nº 34/36, Bloo A Sala 512, Ed. Led Offi ce, Cep 71.950-770, Email: diretor.eccm@gmail.com, Telefone (61) 99186-6647,

Rio de Janeiro-RJ: Planejamento Negócios de Midia, Rua 24 de Maio n.º 29-G3- Rocha, CEP 20950-085- Rio de Janeiro – RJ, Telefone: (021) 3280-4309 e 3280-4312. São Paulo-SP: Planejamento Negócios de Midia, Avenida Jandira, 667, Bairro Moema, CEP: 04080-004, Telefone (11) 2985-9444 2985-9444

Diretor Jaime Vallér Editor-Chefe Bruno Arce editor@oestadoms.com.br Opinião leitor@oestadoms.com.br Política Alberto Gonçalves politica@oestadoms.com.br Cidades Michelly Perez cidades@oestadoms.com.br Esportes Luciano Shakihama esportes@oestadoms.com.br Economia e Agronegócios Rosana Siqueira economia@oestadoms.com.br Artes e Lazer Marcelo Rezende arteelazer@oestadoms.com.br Reportagem Patricia Belarmino Fotografi a fotografi a@oestadoms.com.br Arte Wendryk Silva paginacao@oestadoms.com.br Fundado em 2 de dezembro de 2002

Editorial

Três palavras e um legado!

De Turquinho a Toninho do Morro

Mazão Ramires

Rosildo Barcellos

A

Polícia Rodoviária Federal (PRF) surgiu no governo do presidente Washington Luiz, em 1928, por meio do Decreto nº 18.323 – que definia as regras de trânsito à época, com a denominação inicial de “Polícia de Estradas”. O início do trabalho efetivo coube a um personagem marcante na história da PRF, Antonio Felix Filho, o “Turquinho”, que foi chamado para organizar os “serviços de vigilância das rodovias Rio-Petrópolis, Rio-São Paulo e União Indústria”. Mormente, de um início aonde o patrulhamento era restrito a três rodovias cariocas, atualmente, a PRF cuida de mais de 70 mil quilômetros de rodovias em todo o Brasil; apreende mais de 150 toneladas de drogas por ano; recupera mais de 2 mil veículos roubados no mesmo período; combate os crimes ambientais, sanitários, fiscais, cibernéticos, de trânsito e tem um índice de aceitação de 85% da população brasileira.

A PRF, é dotada de segmentos, cujos integrantes recebem treinamento espe-cializado para atuar em ações específicas – como em Operações de Controle de Distúr-bios, Ações Táticas, Tiro de Precisão, ações em área de caatinga, motopoliciamento,

emergências da área de saúde (APH) e instrução de trânsito através de teatro e en-gajamento junto a unidades escolares, com o Projeto “Educar PRF” e Fetran, participa de vistorias em transporte escolar, auxilia ao controle e serviço de batedor para cargas indivisíveis e superdimensionadas, veri-fica o trânsito de menores e estrangeiros, combate ao tráfico de órgãos, recaptura fugitivos da justiça e orienta os turistas nas suas demandas. Auxilia as operações desenvolvidas pelo Ministério Público e Conselhos Tutelares, Faz fiscalização com “drones”, helicópteros, assim como resgate aéreo e desencarceramento de acidentados, resgate de trabalho escravo e pessoas em situação de vulnerabilidade, participa de campanhas de arrecadação de alimentos e agasalhos. Possui instrutores próprios, em mais de 40 disciplinas diferentes, ha-bilitados inclusive em Direção defensiva, escolta de dignatários, libras, Psicologia das emergências, Relações institucionais e Direitos Humanos, voltados para a exce-lência na formação, treinamento e capaci-tação dos seus policiais.

Neste contexto, o processo de consoli-dação da PRF como uma polícia cidadã,

reconhecida e respeitada pela sociedade, está diretamente relacionado à quali-dade pedagógica construída e aprimorada através das décadas nesta Instituição e com a implementação da Academia Na-cional da Polícia Rodoviária Federal, em Florianópolis/SC hoje Universidade Cor-porativa PRF, veio a corroborar o processo de diuturna e progressiva modernização na difusão do conhecimento em técnicas policiais e em segurança pública. Ademais, foi pioneira por receber um grupo de 16 policiais haitianos, que, através do Projeto de Cooperação Técnica firmado entre Brasil e Haiti, fizeram parte de capacitações poli-ciais sem precedentes, Outrossim a Polícia Rodoviária Federal (PRF) é competente para lavrar o Termo de Circunstanciado de Ocorrência (TCO), previsto no artigo 69 da Lei 9.099/95, e Boletim de Ocorrência Circunstanciado (BOC), previsto na Lei 8.069/90. Fato que atende ao princípio constitucional da eficiência previsto no art. 37 da Constituição Federal de 1988. E a PRF é a única instituição assim, que une o braço do estado e o coração das pessoas, une modernidade e tradição, experiência e habilidade. Começou com “Turquinho”

Articulista Fotógrafo e publicitário.

J

air Bolsonaro mais uma vez surpre-ende para quem torce contra o país. O presidente da República afirmou com todas as letras que não irá sancionar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões, apro-vado pelo Congresso Nacional na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). Ao explicar a decisão, Bolsonaro afirmou nessa terça-feira (20), em entrevista à rádio Itatiaia, que a lei que criou o fundo eleitoral prevê reajuste anual pela in-flação: “Diz na lei que a cada eleição o valor tem de ser corrigido levando-se em conta a inflação. E eu tenho de cumprir a lei”, disse, segundo o jornal “Folha de S.Paulo”.

A proposta aprovada pelo Congresso aumenta em R$ 3,7 bilhões os recursos

disponíveis aos partidos para finan-ciamento de campanhas eleitorais. Na eleição municipal de 2020, o fundo foi de R$ 2 bilhões. A verba pública é dividida entre os partidos e é atualmente o prin-cipal modo de financiamento das cam-panhas eleitorais. O montante é recorde desde as eleições de 2014, quando ainda se permitia financiamento via pessoa

ju-rídica. Desde 2015, a ajuda privada é proi-bida por decisão do Supremo Tribunal Federal, que argumentou que as grandes doações empresariais desequilibram a disputa eleitoral.

O presidente classificou o montante destinado aos partidos como “astronô-mico” e disse que os recursos seriam mais bem aplicados em projetos do governo, como em obras viárias e contra a seca no Nordeste. Ao afirmar que não sancionaria a proposta, o presidente disse que a “ideia” e a “tendência” eram de não dar aval ao valor aprovado pelos parlamentares.

No domingo (18), após receber alta de um hospital em São Paulo onde tratou uma obstrução intestinal, Bolsonaro cri-ticou o valor aprovado para o fundo

eleitoral e o vice-presidente do Con-gresso, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), responsabilizando-o pela aprovação do montante para as campanhas de 2022. Mesmo com a oposição do presidente, parlamentares bolsonaristas, como os deputados Eduardo Bolsonaro e Carla Zambelli (ambos do PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), votaram a favor do fundo eleitoral. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é o responsável por finalizar o cálculo da divisão de dinheiro entre os partidos, mas as siglas mais beneficiadas pela proposta devem ser o PT e o PSL, que contam com o maior número de representantes na Câmara e no Senado. Quem tem o poder de vetar e não veta é cúmplice!

Quem tem o poder de vetar e não veta é cúmplice

disponíveis aos partidos para

finan-“Diz na lei que a cada

eleição o valor tem de

ser corrigido levando-se

em conta a inflação. E eu

tenho de cumprir a lei”

e continua com “Toninho do Morro” (PRF Antonino, 51 anos de PRF no Posto Rancho Alegre, no município de Morrinhos). A so-ciedade brasileira agradece a esses abne-gados construtores da harmonia e da paz, posto que, ainda que poucos, fazem muito mais, e sempre foi assim, desde o primeiro minuto destes 93 anos.

(3)

Sucessão estadual

Fundo eleitoral

Campo Grande-MS | Quarta-feira, 21 de julho de 2021

A3

Eleição OAB/MS

Pré-candidato à presidência da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso do Sul), o advogado Luís Cláudio Alves Pereira, o “Bito”, esteve no jornal O Estado, onde discorreu sobre a pré-cam-panha e ideias relacionadas a prerrogativas e honorá-rios advocatícios. “Período de pré-candidatura é desti-nado a ouvir a advocacia. Conversar com os colegas e entender ad maneira mais detalhada e real possível os anseios autuais da advocacia, que é uma classe muito plural e assim no momento que a legislação permitir apresentar as propostas de campanha”, disse Bito, que tem apoio do atual presidente, Mansour Karmouche.

Comércio de Dourados

O prefeito Alan Guedes recebeu representantes da FCDL-MS (Federação das Câmaras de Dirigentes Lo-jistas) e durante a reunião foram abordados temas como futuras ações em relação ao comércio no muni-cípio e à adesão de medidas para profissionalizar o setor varejista. “Todas as ações tomadas pela gestão são pensadas com cuidado para que haja o impacto para o município sejam positivas. Foi assim quando optamos pelo lockdown, em que precisamos do apoio de todos, mas agora, aos poucos, temos conseguido retomar algumas atividades que estavam paradas há algum tempo, como, por exemplo, o toque de recolher às 23h”, pontua o prefeito Alan Guedes.

Andrea Cruz

Bastidores

POLÍTICA

Grandes partidos se mobilizam para lançar candidatura própria na eleição

Presidente sugere reajuste do fundão pela

inflação e repete que irá vetar os R$ 5,7 bilhões

Fotos: Arquivo

Andrea Cruz

Mato Grosso do Sul possui ao menos oito políticos cotados como possíveis pré-candidatos ao cargo de governador nas eleições 2022. São nomes in-dicados por partidos, por eles mesmos e até mesmo via espe-culações. Entre os que podem concorrer à função estão polí-ticos em cargos públicos como senadores, secretários, depu-tados, prefeito e até mesmo juiz aposentado.

O presidente estadual do PSD, senador Nelsinho Trad, se reuniu com a comissão exe-cutiva estadual na segunda--feira (19), quando fez um balanço e disse que a sigla já faz alinhamentos e cobrou comprometimento da equipe. “Temos vários nomes interes-sados em compor uma possível chapa nas próximas eleições. Quero mais comprometimento das comissões, que apoiem o PSD, e os candidatos do PSD. Estamos montando nosso time para as eleições do próximo ano, e precisamos contar com o apoio dos membros pesse-distas”, disse ele, que não expôs o nome pleiteado para pré-candidato.

Apesar disso, em ocasião an-terior o senador disse ao jornal

O Estado que o prefeito de

Campo Grande, Marquinhos Trad, poderia entrar na dis-puta pelas boas condições de gestão. No partido, o próprio senador Nelsinho Trad pode sair a governador, mas ainda não há nada oficial. O presidente nacional do partido, Gilberto Kassab, afirmou que o Estado terá candidatura própria.

O PSDB aposta no secre-tário Eduardo Riedel, e in-clusive o presidente regional Sergio de Paula e o governador Reinaldo Azambuja já o anun-ciaram como pré-candidato a governo pelo partido.

Pelo MDB, o nome do ex--governador André Puccinelli é unânime. O presidente re-gional do partido, Junior Mochi, afirmou ao jornal O

Es-tado que somente por razões

pessoais de André é que a pré--candidatura poderia ser reti-rada. Após pesquisa interna, a executiva do MDB se reuniu em 23 de junho e, de acordo com Mochi, a expectativa é boa e mostra Puccinelli com percen-tuais expressivos. “As entre-vistas demonstram que temos um candidato extremamente competitivo que lidera as pes-quisas de opinião pública e que se trabalharmos direito e organizar temos chances. Há

possibilidade de vencer a cam-panha para o Executivo, boas chances de elegermos um se-nador e obviamente elegermos ao menos dois deputados fede-rais e ampliar base na Assem-bleia Legislativa fazendo cinco deputados estaduais.”

No Partido dos Trabalha-dores, o ex-governador Zeca do PT é o pré-candidato a governo. A direção estadual do partido se reuniu em 22 de junho de forma virtual com a nacional, quando a situação foi decidida. O presidente regional, Vladimir Ferreira, confirmou o nome de Zeca e a ideia de construção de alianças no campo progres-sista e democrático.

Pelo PSL, a senadora Soraya Thronicke, que também é presi-dente regional da sigla, lançou sua pré-candidatura segundo o MS Todo Dia. “Nós estamos fa-zendo pesquisas ainda, mas já foi identificado que o sul-mato--grossense quer uma mudança na gestão do Estado. O povo está cansado, não é brincadeira o que MS vem enfrentando, o governo está desgastado. Mas as pesquisas apontam que o sul-mato-grossense quer é uma virada de chave e aponta que quer uma mulher, então se eu tiver de enfrentar, eu vou

en-frentar e aí eu vou ter que me virar, me debruçar para aprender, para conseguir a ex-pertise que eu preciso para lidar com tudo isso.”

Já o juiz aposentado Odilon de Oliveira afirmou que visa concorrer a governo nas elei-ções em 2022, mas que ainda mantém conversas com di-versos partidos e escolhe um para filiação até o mês de no-vembro. “Eu sou pré-candidato a governo. Quero buscar o apoio de todas as pessoas, seja de partido de esquerda ou de direita.”

Outra cotada a disputar o governo nos bastidores po-líticos é a deputada federal Rose Modesto (PSDB). Especu-lações dizem que ela deve sair do partido atual na abertura da janela eleitoral rumo ao Podemos, para alavancar a candidatura.

Dessa forma, por enquanto, os nomes possíveis a disputar majoritária são: Rose Modesto (PSDB), juiz Odilon (sem par-tido), ex-governador André Puccinelli (MDB), ex-gover-nador Zeca do PT, secretário de Infraestrutura Eduardo Riedel (PSDB), senadora So-raya Thronicke (PSL), prefeito Marquinhos Trad (PSD) e se-nador Nelsinho Trad (PSD).

Folhapress

Ao justificar o seu anun-ciado veto ao fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nessa terça (20) que a lei que criou o mecanismo de financiamento de cam-panhas prevê uma correção pela inflação.

O mandatário não deixou claro se pretende seguir essa regra para tentar negociar com o Parlamento os parâ-metros de financiamento das eleições do ano que vem.

Em entrevista à rádio Itatiaia, Bolsonaro também disse que o valor decidido pelo Congresso “extrapolou” e que a previsão ficou muito acima do estabelecido para o pleito de 2018.

“Diz na lei [de criação do fundo] que a cada eleição o

valor tem de ser corrigido le-vando-se em conta a inflação. E eu tenho de cumprir a lei.”

“O ano retrasado, eu san-cionei algo parecido [no Or-çamento de 2020], mas que levou em conta a inflação do período. E eu não tinha como vetar”, disse o presidente, referindo-se ao aval dado por ele a um fundo de campanha de R$ 2 bilhões para aquela disputa.

Bolsonaro respondeu a uma pergunta da jornalista sobre se buscaria junto ao Congresso definir um mon-tante menor para o fundo. A fala do mandatário, no entanto, tem incorreções em relação à lei de 2017 que criou o fundo eleitoral.

A norma de fato tem um mecanismo de correção pela inflação, mas que deve ser aplicado sobre a “somatória da compensação fiscal que as

emissoras comerciais de rádio e televisão receberam pela divulgação da propaganda partidária efetuada no ano da publicação” da lei (2017).

De acordo com técnicos, se essa previsão fosse se-guida à risca, o valor de 2022 rondaria R$ 800 milhões, portanto muito abaixo do que foi praticado nas últimas eleições.

“Neste caso [do fundão de R$ 5,7 bilhões], como houve uma extrapolação, ex-trapolou o valor – foi muito acima do que ocorreu por ocasião das eleições de 2018, extrapolou – então eu tenho a liberdade de vetar e vamos vetar. Agora, eu não quero problema com o Par-lamento. Quantas mensagens eu mando para o Parlamento e eles deixam caducar?”, disse Bolsonaro na entre-vista dessa terça.

Em entrevista na noite de segunda (19), ele afirmou que pretende vetar o dispo-sitivo.

O texto aprovado pelo Congresso permite o veto apenas ao artigo que prevê um piso mínimo para o fundo. É possível, portanto, vetar esse trecho, e ainda garantir a existência do fundo em 2022, com valor a ser nego-ciado politicamente.

Se o governo optar pelo veto, ainda existirá uma re-serva de parte do orçamento para bancar a campanha, Mas o valor seria definido pelo TSE (Tribunal Supe-rior Eleitoral) e somado a uma parcela das emendas de bancada (verba destinada por decisão do grupo de de-putados e senadores de cada estado). O valor, então, não estaria previamente estabe-lecido.

www.bosco.blog.br

Bosco Martins

MS bombando

O governador Reinaldo Azambuja comemora e não sem razão, o excelente momento da economia sul-mato--grossense. Além de recordista em arrecadação, ele tem cantado em prosa e verso outro fator onde há duas décadas não acontecia no Estado. Nos seis primeiros meses deste ano, MS bateu outro recorde com 4.674 novas empresas constituídas. “É mais uma prova do crescimento econô-mico do Estado e da capacidade empreendedora da nossa gente,” comemorou o chefe do Executivo.

Força eleitoral

Pesquisas recentes apontam que a economia será o tema que mais influenciará o voto em 2022. Um levantamento recente e exclusivo do Paraná Pesquisas mostrou que ques-tões econômicas, em especial a geração de empregos, no Brasil e nos estados, serão levadas mais em conta do que a pandemia. O desempenho da economia, especialmente a geração de empregos, será o fator que mais pesará na hora da definição do voto. A se manter esse clima otimista em relação à economia sul-mato-grossense, as engrena-gens de crescimento de MS funcionarão ainda melhor no ano da campanha eleitoral. Esses mesmos indicadores econômicos devem corroborar com a força eleitoral do pré-candidato Eduardo Riedel (PSDB-MS) ao Governo do Estado.

Vetar ou não Vetar

As razões para Bolsonaro vetar o fundo não são só preocupação com o erário. A maior fatia da bolada, R$ 563 milhões, vai ao PT, que tem a maior bancada no Congresso, e daria ainda mais fôlego à candidatura do ex-presidente Lula. Em seguida, com R$ 558 milhões, vem o PSL, inflado pelo próprio Bolsonaro em 2018, mas do qual saiu brigado. Muitos de seus seguidores, inclusive seu filho Eduardo, permanecem na legenda, mas o presidente não teria esses recursos para tentar a reeleição.

Até tu?

A bancada bolsonarista, incluindo os filhos do presi-dente que têm mandato no Congresso, votou em peso a favor do fundo, o que provocou reações iradas de seus seguidores nas redes sociais. Bolsonaro, aliás, voltou a responsabilizar o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), pela aprovação do fundo. Ramos, que o presidente chamou de “insignificante”, presidiu a sessão que votou a LDO.

Impeachment Nele

Então... Ramos de bate-pronto. Pediu acesso aos 126 pedidos de impeachment de Bolsonaro que dormem na gaveta de Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara. “Se em algum momento eu ficar em exercício na presidência, posso fazer o juízo de conveniência política e ler o pedido”, ameaçou.

Fator Lira

Para segurar impeachment de Bolsonaro, o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira passou a controlar R$ 11 bilhões em emendas. O valor supera o orçamento de sete ministérios e o presidente da Câmara tem controle total. “Os R$ 11 bilhões de Lira são o quinhão destinado à Câmara neste ano de uma inovação orçamentária co-nhecida como emendas de relator ou RP9 – no popular, o ‘orçamento secreto’ revelado pela primeira vez pelo jornal O Estado de S. Paulo. Uma outra fatia de R$ 5,8 bilhões será distribuída no Senado”, aponta o relatório. “Essas emendas são tratadas como secretas porque, ao contrário das regulares, em que os parlamentares carimbam os pro-jetos que desejam patrocinar informando seus nomes ou o das bancadas de cada estado, nesta modalidade de emenda não é pública a informação sobre quem está enviando o dinheiro, nem quais são os critérios que determinam o quanto e onde os recursos serão gastos.”

Os 8 possíveis pré-candidatos para disputar a eleição ao governo de MS em 2022

MS contabiliza oito possíveis

pré-candidatos ao governo em 2022

(4)

Campo Grande-MS | Quarta-feira, 21 de julho de 2021

POLÍTICA

A4

Christian Lynch, doutor em ciência política e professor da UERJ, sobre Rodrigo Pacheco (DEM-MG) ser candidato à Presidência.

Quer ficar rico? Compre um

Pacheco pelo que ele vale e o

venda pelo que ele pensa que vale

Velho golpe

A base do governo no Congresso busca uma saída para Jair Bolsonaro vetar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões sem comprar uma briga com o centrão, principal grupo de apoio ao presidente no Legislativo. Uma solução levada ao Palácio do Planalto e que contou com a simpatia de integrantes do governo envolve o envio de uma mensagem modificativa ao parlamento para alterar a Lei Orçamentária Anual e reduzir o valor destinado a campanhas eleitorais para um patamar próximo de R$ 4 bilhões.

Narrativa

Assim, Bolsonaro não desagrada aliados, e criaria o argumento de que conseguiu diminuir o total em quase R$ 2 bilhões. O fato é que, se isso ocorrer, estará dobrando o valor em relação a 2020.

Apoio

Em conversas reservadas, líderes do centrão dizem que a solução pode ser um bom caminho. Eles lembram que, em 2019, a proposta inicial era para aumentar o fundo de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,8 bilhões. Ao final, o valor ficou em R$ 2 bilhões: inicialmente pareceu uma derrota, mas eles conseguiram um acréscimo de R$ 300 milhões aos recursos dos partidos.

UE

Fervoroso defensor de Bolsonaro desde que virou ministro, Fábio Faria (Comunicações) questionou nessa segunda (19) o motivo de o Congresso destinar R$ 5,7 bilhões para o fundo eleitoral enquanto se critica o orçamento, de cerca de R$ 2 bilhões, necessário para a instalação do voto impresso nas eleições de 2022.

Negação

Questionado se houve sinalização pelo veto ao fundão, o ministro disse não poder falar em nome do presidente e cutucou a imprensa. “Se ele vetar, vai sair assim: presidente, sem máscara, veta”, disse em entrevista ao podcast Flow.

Pistas

Parlamentares em Brasília veem as digitais do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha na tentativa de ajudar Bolsonaro na aprovação da obrigação do voto impresso. O ex-deputado, que já declarou voto no presidente em caso de disputa com Lula, tem se movimentado e defendeu o voto impresso em artigo.

Sem chance

A decisão sobre o tema ficou para depois no recesso no Congresso e a próxima sessão da comissão que debate o voto impresso está agendada para 5 de agosto. Os defensores da mudança tinham maioria até que 11 partidos se uniram contra a proposta. Como mostrou o Painel, o grupo teve apoio do Alexandre de Moraes, do STF.

Memória

O servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda disse em depoimento à PF não lembrar se ele e seu irmão, Luis Miranda (DEM-DF), mostraram a Bolsonaro, no encontro em 20 de março, a invoice (fatura) da compra da Covaxin que teria indícios de irregularidades. Em depoimento à CPI, o deputado disse ter mostrado o documento ao presidente.

Ataque

O parlamentar disse ao Painel que, em sua opinião, estão soltando informações seletivas para contaminar a imprensa e que todas são favoráveis ao presidente. “Vamos saber qual a intenção em breve, vou acionar o STF para explicarem como tem que ocorrer a investigação”, afirma.

Nem vem

Enquanto Bruno Araújo, presidente do PSDB, levantou a possibilidade de o partido abrir mão da candidatura à Presidência por um nome único contra Lula e Bolsonaro, o secretário de Desenvolvimento Regional de João Doria, Marco Vinholi, desdenha da proposta.

“Estamos todos na mesma sintonia, o PSDB definirá seu candidato a presidente que irá construir, em conjunto com o polo democrático, a terceira via”, disse ao Painel.

Juntos

Ciro Gomes abre na sexta (23) o 3º Congresso da Central dos Sindicatos Brasileiros em um debate com o presidente da CSB, Antonio Neto, sobre o tema “Projeto Nacional de Desenvolvimento”. Ao Painel, Gomes afirma que o único caminho para superar os problemas dos últimos anos é “unindo quem trabalha com quem produz”.

Digital

Nessa terça (20) as primeiras aulas do curso “Soluções para o Brasil”, que tem Guilherme Boulos (PSOL-SP) como coordenador, serão publicadas. As conversas vão tratar de temas como meio ambiente e fome. Participam do projeto convidados nacionais e internacionais como Noam Chomsky e o Nobel de Economia Stephen Stiglitz.

Procuradoria

Fraude teria ocorrido em 2014 e conclusões serão encaminhadas ao TSE

Bolsonaro garante que na próxima

semana apresenta provas de fraude

Senado recebe pedido de recondução de

Augusto Aras por mais dois anos na PGR

Lula e presidente desdenham de 3ª via para 2022

Bolsonaro concede entrevista à rádio Itatiaia

reprodução

Da Redação/Com CNN Brasil O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou em en-trevista à rádio Itatiaia ontem (20) que apresentará “provas de fraudes” nas eleições “na semana que vem”. Segundo ele, se trata de fraude cometida nas eleições de 2014.

“Eu espero na semana que vem apresentar as provas de fraudes. Vamos apresentar uma fraude de 2014”, disse o presidente. “Eu só con-segui ser eleito porque tive muito voto. Eu vou comprovar semana que vem que teve fraude nas eleições de 2014. Vão vir hackers para mos-trar”, completou.

A eleição presidencial de 2014 teve dois turnos. O se-gundo turno foi disputado pelos candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) – Dilma foi reeleita. À época, o PSDB chegou a pedir uma auditoria dos votos junto ao Tribunal Su-perior Eleitoral (TSE) e não foi encontrada nenhuma evidência de que houve adulteração de programas, de votos ou mesmo qualquer indício de violação ao sigilo do voto no pleito.

À CNN, o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) disse não haver indícios de fraude nas eleições presidenciais de 2014. Aécio afirmou ainda que os crimes em 2014 são de outra natureza daquelas que o

Bolso-naro diz terem ocorrido. “Não tenho nenhum indício que aponte para fraudes na-quela eleição. Os crimes ali cometidos foram de outra ordem. Era sobre a utilização sem limites da máquina pú-blica, as fake news, o disparo ilegal de ‘zaps’ dando conta de que, eu eleito, terminaria com todos os programas sociais do governo, a utilização da Caixa, Correios, Banco do Brasil”, disse o deputado.

Na entrevista à rádio Ita-tiaia, Bolsonaro voltou a falar sobre o voto impresso. “Pode morrer o voto impresso na comissão. É lamentável o que o ministro Barros está fa-zendo”, disse. Segundo o

pre-sidente, a apresentação das supostas fraudes nas eleições de 2014 também serão enca-minhadas ao TSE.

“Eu vou convidar a im-prensa e, com minhas mídias sociais, vou transmitir isso aí. Com isso tudo encaminho para o TSE. Agora, o que vale mais do que todos nos é a opinião pública”, disse.

Na segunda-feira (19), na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que não acredita mais na aprovação da PEC (proposta de emenda à constituição) que torna o voto impresso obrigatório. A comissão criada pela Câmara dos Deputados adiou a decisão para o dia 5 de agosto.

Folhapress

Em entrevistas a rádios nessa terça-feira (20), o pre-sidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Lula (PT) desdenharam sobre a possibilidade do surgimento de um candidato que possa derrotá-los nas eleições de 2022, a chamada terceira via.

Em entrevista à Itatiaia, Bolsonaro comentou o cenário eleitoral e afirmou não ver espaço para uma terceira via. “Existe uma passagem bíblica que diz: seja quente ou seja frio, não seja morno. Terceira via, o povo não engole isso aí. O vaselina? É xilocaína ou vaselina? O vaselinão? Não vai dar certo, não vai agregar, não vai atrair a simpatia da população.”

“Não existe terceira via.

Está polarizado. Hoje, ia estar eu e o ex-presidiário que des-viou bilhões dos cofres pú-blicos e vai disputar as eleições do ano que vem”, disse Bolso-naro, referindo-se a Lula.

Já o petista, que teve seus direitos políticos restituídos por decisão do STF (Supremo Tri-bunal Federal) e hoje aparece como favorito nas pesquisas de opinião, falou sobre o tema à rádio Jovem Pan de Sergipe.

“A terceira via é uma in-venção dos partidos que não têm candidato. Falam em pola-rização... O que tem de um lado é democracia e do outro é fas-cismo. Quem tá sem chance usa de desculpa a tal da terceria via. Seria importante que todos os partidos lançassem candi-dato e testassem sua força.”

Lula ainda disse estar em ótima forma física, numa

refe-rência indireta à situação de Bolsonaro, que passou cinco dias internado com quadro de obstrução intestinal.

“Vocês sabem por que eu dou entrevista em pé? É pra provar que eu tô com saúde e com muita disposição. Inclu-sive eu tô aqui na academia, fa-zendo meu exercício diário...”

Bolsonaro chegou na manhã de quarta (14) ao Hospital das Forças Armadas, em Brasília, queixando-se de dores abdo-minais. Vinha também de uma crise de soluços que durou pelo menos 11 dias.

No mesmo dia, embarcou em um avião da Força Aérea Bra-sileira e viajou até São Paulo, para passar por avaliação mé-dica no hospital Nova Vila Star e ver se precisaria ser operado de novo. Não foi o caso.

Oito em cada dez quadros

similares ao de Bolsonaro se resolvem apenas com trata-mento clínico. Uma das tera-pias consiste em drenar do es-tômago do paciente, com uma sonda nasogástrica, líquidos resultantes da saliva deglu-tida, do muco do intestino, do suco gástrico, da bile e do suco pancreático.

“Tô bem, graças a Deus. O problema que eu tive no início desta semana foi ainda em função da facada que recebi em 2018, na questão de aderência [partes do intestino que ficam coladas]. De vez em quando trava o intestino”, disse no sábado, celebrando em seguida não ter precisado operar.

“Tô louco pra voltar pra trabalhar, rever os amigos, voltar para o seio da família e, realmente, botar o Brasil para andar.”

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou ontem (20) que encaminhou ao Senado a proposta de recondução de Au-gusto Aras para a Procuradoria--Geral da República.

A mensagem foi publicada pelo mandatário no Twitter. “Encaminhei ao Senado Federal mensagem na qual proponho a recondução ao cargo de pro-curador-geral da República o Sr. Antônio Augusto Aras”, es-creveu Bolsonaro.

O anúncio da recondução ocorre em um momento de pressão política tanto a

Bolso-naro como a Aras, indicado pelo presidente nas duas oportuni-dades fora da lista tríplice ela-borada pelo Ministério Público. Uma das atribuições de Aras em um eventual segundo mandato será o de avaliar o relatório final da CPI da COVID do Senado, a ser enviado ainda neste ano à Procuradoria-Geral da República.

Na semana passada, inte-grantes do Conselho Superior do Ministério Público Federal pediram ao procurador-geral da República que investigue Bolsonaro pelo crime de

abuso de poder.

O posicionamento veio na esteira de declarações de Bolsonaro, que afirma que as eleições de 2022 podem não ocorrer caso não exista um sistema eleitoral confiável – segundo ele, o voto impresso.

Os autores da representação a Aras disseram ainda que o fenômeno do abuso de poder é “multifacetado, podendo mate-rializar-se mediante a inversão, a subversão ou, até mesmo, por meio da supressão das ‘regras do jogo democrático’”.

Aras preside o Conselho

Superior, órgão máximo de deliberação administrativa na estrutura do Ministério Público Federal. Ele tem sido criticado por seus pares por se silenciar a respeito das declarações de Bolsonaro e por representantes da oposição no Congresso.

Os cinco subprocuradores que cobram providências do chefe do Ministério Público Fe-deral representam metade do colegiado. Entre eles estão os três nomes das lista tríplice ao cargo de procurador-geral da República entregue recente-mente a Bolsonaro. (Folhapress)

(5)

Enem

Candidatos podem fazer curso intensivo

e on-line em plataforma de

O Estado MS

Campo Grande-MS | Quarta-feira, 21 de julho de 2021

A5

CIDADES

COVID-19

Apesar dos 97 casos da variante delta no

país, Estado descarta barreiras sanitárias

MS precisa aplicar

mais 2 milhões de

doses para imunizar

todo o público-alvo

Mariana Ostemberg

Faltando apenas quatro meses para a prova que é a principal porta de entrada para o Ensino Superior, es-tudantes podem se preparar participando do Curso Inten-sivo Multiplataforma Hora do Enem 2021, no portal do O

Estado MS, desenvolvido em

parceria com a TV Escola. In-teressados podem participar do projeto por apenas R$ 99 e devem acessar ao site oestadoonline.com.br/hora--do-enem.

O curso é disponibilizado em formato digital e reúne inúmeros recursos para apoio e reforço das matérias, dando condições de o estudante se preparar com chances de al-cançar um bom resultado nas provas do Enem.

O diretor do Colégio 24 horas, João Mesquita, parti-cipa do projeto coordenando a parte de tecnologia da in-formação. Ele explica que o conteúdo é de quatro aulas di-árias de segunda a sexta, e no fim de semana há maratonas, uma no sábado e outra no domingo. Segundo Mesquita, o convênio entre O Estado MS e a TV Escola surgiu de ma-neira que conseguisse ceder o material que compõe o curso

intensivo digital por preço com valor especial.

“Custa muito menos que um livro didático e o estudante vai ter um curso completo com mais de 230 videoaulas, com professores especialistas do QG do Enem. Há material de apoio e todo conteúdo está associado às 120 habilidades que compõem as matrizes re-ferências do Enem”, pontuou.

Conteúdo

O curso oferece uma série de recursos, desde testes on--line a vocacionais. Além de dicas e serviços complemen-tares e ainda o reforço diário.

O material foi desenvolvido de forma intuitiva, em três am-bientes: guia de programação, centro de estudos e área de apoio. Os participantes ainda terão acesso a dois e-books complementares contendo a versão digital do livro “Inten-sivo Enem – Estude através das 120 habilidades cobradas no Enem” e a “Coletânea das Provas do Enem entre 2010 e 2020”, agrupadas por área, para baixar no smartphone ou tablet.

A Hora do Enem também é transmitido na TV Escola, que tem sinal gratuito e é exibida em todos os satélites. (Com assessoria)

Clayton Neves

Após seis meses do início da vacinação contra a COVID-19, Mato Grosso do Sul desponta como o que imunizou o maior percentual de moradores em todo o país. Apesar disso, para completar a proteção da popu-lação, que tinha cobertura de 39,37% até a manhã de ontem (20), o Estado terá de aplicar mais de 2 milhões de doses.

Segundo o “vacinômetro” da SES (Secretaria de Estado de Saúde), é de 2.081.761 pessoas, que inclui dez grupos de risco e moradores com 18 anos ou mais. Do total, 1.313.310 receberam a primeira dose e aguardam retorno. Outros 819.637 foram imunizados com as duas doses ou com a vacina da Janssen, de aplicação única.

Segundo o secretário esta-dual de Saúde, Geraldo Re-sende, a meta a ser alcançada não intimida perante a logística de distribuição e aplicação, no entanto a SES segue refém dos repasses feitos pelo Ministério da Saúde.

“Nossa logística é boa e até boletim da Opas [Organização Pan-Americana da Saúde]

apontou que somos o Estado mais eficaz para distribuir as doses aos municípios. Man-temos a premissa de que lugar de vacina é no braço”, afirmou o secretário, que mantém projeção otimista de que, até agosto, Mato Grosso do Sul va-cine 70% da população-alvo com as duas doses do imunizante.

Dos 11 grupos prioritários listados pela SES, que incluem idosos, trabalhadores de saúde, quilombolas, pessoas com de-ficiência, indígenas aldeados, entre outros, somente os idosos estão com a aplicação da se-gunda dose em níveis satisfa-tórios. Entre os com mais de 80 anos, dos 50.943 que tomaram a primeira dose, 45.692 voltaram para a D2. Já entre os de 75 a 79, dos 42.378 que receberam a primeira vacina, 38.991 to-maram a segunda.

Na outra ponta, pessoas com comorbidades entre 18 e 59 anos são as que estão mais atrasadas. Dos 152.294 que receberam a primeira dose, apenas 41.106 tomaram a se-gunda. Em seguida, aparecem profissionais de saúde, e entre eles 114.092 receberam a D1 e somente 86.747 a D2.

Segundo diretor do Colégio 24 horas, João Mesquita, material vai reforçar o aprendizado

Reprodução

Depois de o Ministério da Saúde confirmar 97 casos da variante delta no país, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) descartou instalar barreiras sanitárias ou res-tringir o acesso de visitantes para tentar barrar a chegada da nova cepa da COVID-19 a Mato Grosso do Sul. Ainda livre da mutação, o Estado faz divisa com quatro dos sete estados onde a delta já soma mortos e infectados.

“Não temos como adotar barreiras em Mato Grosso do Sul. É uma estratégia que infelizmente não consegue segurar a entrada dessas va-riantes no Estado”, considerou o secretário Geraldo Resende.

Segundo ele, a alternativa usada pelo governo para con-trole do vírus e das variantes continuará sendo a vacinação dos moradores. “O que temos para nos garantir segurança é a imunização e isso estamos fazendo com a maior rapidez possível. As vacinas já se

mos-traram eficazes, inclusive, contra as mutações que sur-giram”, afirma.

Geraldo ressalta que, entre segunda-feira (19) e terça-feira (20), a SES re-cebeu lote com 103 mil doses da vacina e, de acordo com ele, a expectativa é de que até o fim desta semana nova remessa seja entregue pelo Ministério da Saúde.

Em nota divulgada, o go-verno federal informou ter identificado, até o momento, os casos da variante delta em 12 cidades do Rio de Janeiro, que apresentam na soma de 74 das 97 confirmações, além de Minas Gerais, e outras duas em Goiás, três em São Paulo e duas em Pernambuco. No Paraná, também foram contabilizados nove casos e outras quatro mortes, e no Maranhão, seis registros e uma morte. No centro do mapa, Mato Grosso do Sul faz divisa com Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Paraná.

Para secretário de Saúde, imunidade coletiva deverá ser consolidada em agosto

Nilson Figueiredo

Apesar do aumento de casos da nova variante,

SES nega a ampliação de barreiras sanitárias

(6)

A6

Campo Grande-MS | Quarta-feira, 21 de julho de 2021

CIDADES

Infraestrutura

Rio Paraguai

Clima

Projeto contempla a instalação de cineclube, teatro e até restaurante

Prefeitura começa tratativas para

incluir Rotunda em obras do Reviva

Seca registrada neste ano

pode ser pior que a de 2020

Mesmo em madrugada fria, moradores em

situação de rua recusam acolhimento da SAS

Mariana Ostemberg

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Sectur (Se-cretaria Municipal de Cultura e Turismo), iniciou, ontem (20), tratativas com o Iphan-MS (Ins-tituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Mato Grosso do Sul) para ter acesso ao projeto completo de revitali-zação da Rotunda Ferroviária, patrimônio da Capital, tombado pelo próprio instituto, mas que nunca passou por obras e se encontra em um cenário de abandono. A intenção é solicitar recursos federais para que a obra seja feita durante o Reviva Mais Campo Grande.

Nessa terça-feira, o Iphan--MS informou que foi respon-sável pela elaboração e pelo desenvolvimento do projeto de revitalização da Rotunda e de anexos inseridos no Conjunto Histórico e Urbanístico da An-tiga Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Segundo o instituto, o projeto completo e finalizado foi entregue para a prefeitura da Capital no dia 13 de outubro de 2020 e a etapa de execução está a cargo do governo municipal.

“Cabe esclarecer que, nas etapas iniciais do desenvolvi-mento deste projeto, inclusive a elaboração do programa de necessidades, houve a preo-cupação desta autarquia de envolver a Secretaria de Cul-tura e Turismo do município, considerando que a gestão do imóvel é municipal”, informou o Iphan-MS por meio de nota.

Ainda, em nota, o instituto afirmou que está aberto à formação de parcerias para construir conjuntamente pro-postas, assim como buscar, dentro de suas possibili-dades, a execução desse e de outros projetos e obras para a área tombada em nível federal, considerando a sua importância cultural.

Após a repercussão, a Sectur entrou em contato com o Iphan--MS para iniciar tratativas para a execução das obras. Ao jornal

O Estado, o titular da pasta,

Rafaela Alves

A tendência é de que a seca do Rio Paraguai seja pior que a do ano passado. Ontem (20) o nível do rio estava com 1,17 metro, em Ladário, conforme dados da Sala de Situação do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). O nível estava 52 centí-metros abaixo do registrado no mesmo dia no ano passado, que era 1,69 metro.

Este será o terceiro ano consecutivo em que o Pan-tanal não apresenta a habitual cheia, condição em que o nível d’água supera os 4 metros em Ladário. Conforme previsão do SGB (Serviço Geológico do Brasil), até outubro o nível deve oscilar próximo de -40 cm no município.

No ano passado, o nível má-ximo do rio em Ladário foi de 1,88, bem diferente do regis-trado em 2018, por exemplo, quando o nível máximo atingiu 5,35 metros, maior desde o ano de 2016. Neste ano, até ontem, foi de 1,88 metro. Essas informações são do Centro de Hidrografia e Navegação do Oeste, da Marinha.

O gerente de recursos hí-dricos do Imasul, Leonardo Sampaio Costa, explicou por que ainda não se pode afirmar que teremos uma seca pior que a de 2020. “A tendência é de que seja, mas ainda não é, porque tivemos cotas negativas no ano passado também”, assegurou. Em de-zembro de 2020, o nível do Rio Paraguai no Porto Esperança, próximo de Corumbá, estava 58 centímetros abaixo do li-mite mínimo da régua.

O governo decretou situ-ação de emergência e o Imasul tem monitorado diariamente a situação por meio da Sala de Situação. Segundo o se-cretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, o monitoramento é feito,para diminuir os efeitos da crise hídrica.

“O nível do Rio Paraguai abaixo do que tínhamos no ano passado causa impactos na economia, turismo, nave-gação, transporte de cargas e de abastecimento”, disse.

Desde o dia 1º de junho, o nível, em Ladário, atingiu 1,50 m, que é considerado o limite de restrição para navegação pela Marinha do Brasil.

O secretário de Desenvol-vimento Econômico e Sus-tentável de Corumbá, Cássio Costa Marques, afirmou que o transporte fluvial pelo Rio Paraguai deve parar comple-tamente em até 30 dias.

“Já tivemos de diminuir o volume, mas em 30 dias o transporte fluvial estará pa-rado completamente”, frisou. Outra preocupação, são as queimadas. Segundo o presidente do IHP (Instituto Homem Pantaneiro), coronel Ângelo Rabelo, no ano pas-sado havia mais áreas sub-mersas no Pantanal.

“Mesmo com aqueles incên-dios de grande proporções do ano passado, tínhamos mais áreas submersas e que hoje nao estão. Então mesmo, prin-cipalmente com o vento, essas áreas podem ser destruídas pelo fogo”, ressaltou.

No entanto, a situação de estiagem não é inédita, se-gundo o pesquisador Carlos Roberto Padovani, da Em-brapa Pantanal, ao conside-rarmos os dados históricos do Rio Paraguai na estação de medição de Ladário, desde 1900.

“Esses períodos de es-tiagem que estamos presen-ciando agora já ocorreram no passado e aparentemente está condicionado à variabili-dade natural, influências con-tinentais e globais de clima”, explicou.

Conforme o secretário de Corumbá, a previsão é de que a seca ocorra pelos próximos dois anos, 2022 e 2023. “Esse ciclo tem previsão de ocorrer por 4 a 5 anos”, afirmou.

Conforme o último boletim do Serviço Geológico do Brasil, divulgado na última sexta--feira (16), o Rio Paraguai manteve a tendência de de-clínio do seu nível em todas as estações de monitoramento em sua calha.

Em Cáceres, em Mato Grosso, o valor do nível d’água registrado na estação fluvio-métrica de mesmo nome per-manece nos valores mínimos já observados para o período.

Rafaela Alves e Jefferson Gamarra

Mesmo diante de ma-drugadas frias, com baixas temperaturas, como a que tivemos ontem (20), muitas pessoas em situação de rua não aceitam ser acolhidas em unidades da SAS (Se-cretaria Municipal de Assis-tência Social).

Conforme dados da ma-drugada de terça-feira, equipes da secretaria abordaram 18 pessoas e somente duas aceitaram o atendimento.

“E aos que não aceitaram o acolhimento, porque a Constituição Federal lhes garante esse direito, foram ofertados cobertores e aga-salhos. De qualquer forma, nós não deixamos de dar assistência”, garantiu o ge-rente da Rede de Proteção Social Especial de Alta Com-plexidade da SAS, Artêmio Miguel Versoza.

A preocupação com as baixas temperaturas é com as mortes causadas por hi-potermia, diminuição exces-siva da temperatura normal do corpo. Em Dourados, a polícia já investiga a morte Max Freitas, explicou que foi solicitado que o instituto envie o projeto completo que, de acordo com ele, não foi feito no ano passado. “Em 2020, eles enca-minharam um e-mail com parte do projeto, não o projeto na íntegra. Oficializamos, pedindo o projeto completo: estrutural, elétrico e de custos, para que possamos acionar toda a ban-cada federal e irmos atrás de recursos para revitalização da área”, ressaltou.

Freitas afirma que é de inte-resse do município que o local seja revitalizado e a expecta-tiva é de que as obras ocorram durante o Reviva Mais Campo Grande, mas não têm data para começar. “É uma revitalização necessária. A expectativa é de que seja colocado em prática e que faça parte de todo um complexo que já vem sendo

O cenário atual da Ro-tunda Ferroviária, em Campo Grande, é de abandono, mas o projeto de revitalização elaborado pelo Iphan-MS (Instituto do Patrimônio His-tórico e Artístico Nacional de Mato Grosso do Sul) dá espe-ranças de que o local pode se tornar um importante ponto turístico da Capital.

Entre os planejamentos, estão a criação de espaço para exposições, teatro

com capacidade para 250 lugares, salas para mul-timídia, cineclube, espaço para eventos, complexo ad-ministrativo, café com co-zinha industrial, biblioteca e até um restaurante.

A expectativa também é de construir um galpão voltado para artes e per-noite, para ensaio teatrais e danças. Além de salas para música, oficinas de artes e aulas de instrumentos.

Projeto alia inovação e arte

feito que é a revitalização da 14 de Julho, estamos cami-nhando também com o projeto da Feira Central e o projeto da

Rotunda só vem complementar todo esse circuito cultural. De preferência no Reviva Mais Campo Grande”, assegurou.

Com visual moderno, espaço deverá contar com amplo paisagismo e áreas de recreação

Reprodução/Iphan

Moradores que negam o translado para abrigos recebem cobertores e agasalhos da SAS

Nilson Figueiredo

de uma mulher de 41 anos que foi encontrada na manhã da última segunda-feira (19), supostamente por esse motivo.

Até então, a hipótese é de que ela tenha morrido de hipo-termia.

Escolas

Desde o ano passado, em razão da pandemia, além das unidades da secretaria, es-tavam sendo utilizadas escolas da rede municipal, que foram adaptadas para o acolhimento.

Com a volta às aulas de forma presencial, as pessoas que aceitam o acolhimento estão sendo encaminhadas para a Casa de Passagem Res-gate e para Uaifa (Unidade de Acolhimento Institucional para Adultos e Famílias), que é o antigo Cetremi.

MS registra geada em 12 cidades

O frio intenso permaneceu no Estado provocando geadas em diversas cidades do Es-tado, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) e a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agri-cultura Familiar).

Nessa madrugada, Rio Bri-lhante registrou pela segunda vez consecutiva a menor tem-peratura do Estado: -2,2ºC, com sensação de -5°C. Na sequência, aparece Água Clara, onde os termômetros registraram -0,3ºC com sensação de -1ºC. Em ter-ceiro lugar ficou Cassilândia, onde o frio foi de 0,1ºC e a sen-sação de -2ºC.

Em Campo Grande as tem-peraturas mínimas ficam em torno dos 5°C.

(7)

Campo Grande-MS | Quarta-feira, 21 de julho de 2021

A7

ECONOMIA

Crescimento na

receita aponta

que Estado

está em

retomada gradual

da economia

Uma grande discussão é a redução do ICMS para a conta de energia elétrica. O tema já entrou em pauta em diversas sessões da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) e até já foi repercutido pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que prometeu analisar a viabilização para o setor produtivo. No entanto, de acordo com Aguiar, o tema é delicado, pois a contribuição do ICMS na conta da

energia elétrica é uma das principais fontes de renda do governo do Estado.

“O governo já vem

disponibilizando alguns incentivos fiscais para alguns setores. Por esse motivo, caso essa redução ocorra, acredito que ela será de forma pontual, como já foi feito para famílias de baixa renda.

Eu acredito que essa tarefa é bem difícil para os técnicos da Sefaz (Secretaria de Fazenda de MS), porém eles poderão chegar a um denominador comum e compensar essa possível perda na arrecadação em outras áreas”, explicou.

Além disso, o analista afirmou que, a curto prazo, essa queda no valor

da conta de luz pode ser benéfica ao contribuinte, pois terá impacto direto no bolso dele. Porém, a perda de receita por parte do Estado, pode gerar falta de investimentos públicos.

“Por esse motivo, o fato de cortar um tributo não é tão simples.

Por exemplo, esse recurso poderá faltar na construção de escolas ou na viabilização de rodovias. Ou seja, o cidadão pode ter um serviço público ainda mais precário e, consequentemente, a economia poderá ser afetada”, analisou. (FV)

Redução de impostos

Retomada MS

Bancos

Inscrições para programa

de auxílio a profissionais

do turismo começam hoje

Estado terá mais cinco agências da Caixa

Abner

Jaques

As repercussões jurí-dicas das milhas aéreas nos processos de inventário

Os pontos/milhas não são benefícios concedidos pelos programas de fidelidade. Isto porque, a natureza jurídica do contrato que envolve a atividade é bilateral e onerosa,

no qual o cliente promove o dispêndio econômico de dois modos: (i) pagamento indireto, pois o valor de custo de cada ponto/milha é repassado na venda de produtos e serviços e;

(ii) fidelização, vez que há o dever do cliente em consumir

bens e serviços com o conglomerado de empresas que envolvem um programa de fidelidade, resultando em lucro indireto a todos.

Desse modo, ao se verificar que os pontos/milhas são bens com valor comercial, e são efetivamente adquiridos a partir de uma relação de consumo, é certo que incorporam ao patrimônio do consumidor. A partir dessas colocações, tem-se que são abu-sivas as cláusulas descritas nos regulamentos dos programas de fidelidade que enquadram o falecimento do cliente como fator extintivo dos pontos/milhas. Em verdade, eles deverão ser considerados como bens, passíveis, portanto, de transferência de titularidade por meio da herança. Inclusive, os Tribunais do País vêm reconhecendo essa situação, a exemplo do acórdão na apelação em Ação Civil Pública n. 1025172-30.2014.8.26.0100, julgada pelo TJSP.

Qual o efeito prático disso?

O acúmulo de pontos/milhas significa dinheiro à disposição de seu titular. Então, é essencial que esses bens sejam transferidos, também, aos herdeiros. Assim, o inventariante deverá buscar tomar conhecimento da carteira digital de pontos/milhas do falecido, a fim de indicar devidamente no processo de inventário ou, ainda, requerer ao juízo as diligências que forem necessárias para conseguir a informação, pois a empresa que administra o programa de fidelidade deverá creditar aos herdeiros os pontos/ milhas que eram do falecido.

Se for impossível cumprir a obrigação, haverá a conversão em perdas e danos – ou seja, sua quantificação em dinheiro. Como exemplo, a 1ª Turma Recursal dos Juizados Cíveis e Criminais do Distrito Federal, ao julgar o Recurso Inominado n. 0707443048.2017.8.07.0016, indicou que cada ponto/milha equiva-leria ao valor de R$ 0,07 (sete centavos). Em um cálculo simples, 10.000 pontos/milhas corresponderá a R$ 700,00 (setecentos reais). O consumidor pode estar perdendo dinheiro e nem sabe. Desse modo, é essencial estar atento para lembrar seu advogado sobre esse patrimônio e, assim, garantir o recebimento dele por meio da herança.

Advogado e mestrando em Direito.

Flávio Veras

Somente neste ano, Mato Grosso do Sul já arrecadou R$ 393 milhões de ICMS (Circu-lação de Mercadorias e Pres-tação de Serviços) de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, via setor de energia elétrica. Os dados são de indicadores do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária). Outro destaque do balanço ficou por conta do setor de petróleo-combustíveis--lubrificantes, que já gerou ao Estado o montante de R$ 1,6 bilhão (35,19%).

De acordo com o diretor do Observatório Econômico do Sindifiscal-MS (Sindicato dos Fiscais Tributários do Estado de Mato Grosso do Sul), Clauber Aguiar, esses números podem in-dicar que o Estado este ano vem obtendo uma retomada gradual da atividade econômica, que foi afetada em 2020 em decorrência da pandemia da COVID-19.

“O que ocorre, é o fato de que uma demanda reprimida de 2020 da atividade econômica impactou diretamente na ar-recadação. Um dado concreto, combustíveis em maio de 2019: R$ 225 milhões, no mesmo mês de 2020 caiu para R$180 mi-lhões, porém no mesmo período deste ano aumentou para R$ 279 milhões. Ou seja, um avanço nominal de 54%, transporte e indústria, setores que têm um peso na arrecadação do Estado e explica esse retorno”, disse.

E complementou a infor-mação dizendo que “a análise é simples, se houve aumento na arrecadação dos combustíveis, logo se deve ao fato de existir mais mercadorias circulando no transporte rodoviário e ae-roportuário. Ou seja, o mercado voltou a fabricar e comercia-lizar produtos. Esse fato influi diretamente na cotação de re-cursos pelo governo estadual”.

Rosana Siqueira

Guias de turismo, micro-empreendedores individuais e microempresas podem buscar a partir de hoje a Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para inscrição do Programa Es-tadual “Incentiva+MS Tu-rismo”. A portaria está dis-ponível no Diário Oficial do Estado de ontem (20).

O prazo para inscrição eletrônica no Programa Es-tadual “Incentiva+MS Tu-rismo” começa hoje (21) e vai até as 23h59 de 8 de agosto no site da Fun-dação de Turismo de Mato Grosso do Sul.

Podem se inscrever guias de turismo, microempreen-dedores individuais (MEIs) e microempresas (MEs).

O diretor-presidente da Fundação de Turismo, Bruno Wendling, está otimista em atender os setores impor-tantes do turismo que foram atingidos com a pandemia, especialmente o setor de alimentação fora do lar, os ambulantes, os microem-preendedores, as agências organizadoras de eventos, e os guias de turismo.

“Esse auxílio vem num momento muito importante, a expectativa de atender em torno de mil empreende-dores e guias de turismo no total, um aporte de R$ 6 mi-lhões, e esperamos que, com essa iniciativa do governo, a gente possa minimizar os prejuízos dessas pessoas e que elas possam se pre-parar ainda mais para uma retomada que vai vir forte especialmente com o avanço

da vacinação no nosso Estado”, destaca.

As inscrições deverão seguir todas as diretrizes estabelecidas na Lei Esta-dual nº 5.687, no Decreto nº 15.727, e nos regulamentos expedidos pela Fundtur sobre o programa.

Os interessados deverão realizar o preenchimento adequado e enviar os docu-mentos no prazo estabele-cido. Presidida pelo diretor da Fundtur, Bruno Wendling, e composta por outros 11 membros, a Comissão de Seleção do Programa Es-tadual “Incentiva+MS Tu-rismo” será responsável por analisar, coordenar e super-visionar a escolha dos bene-ficiados. O grupo também irá receber eventuais denúncias e garantir a transparência e a publicidade do programa.

Terminado o período de inscrições, a comissão terá o prazo de até 10 (dez) dias para declarar se o benefici-ário está apto a perceber o apoio financeiro emergencial do Programa “Incentiva+MS Turismo”. O “Incentiva+MS Turismo”, criado pelo Pro-jeto de Lei nº 185, está entre as medidas lançadas no fim de junho pelo governo do Estado para socorrer os setores mais afetados pela pandemia.

No caso do “Incentiva+MS Turismo”, pessoas físicas que desenvolvem atividade de guia de turismo, micro-empreendedores Individuais (MEIs) e Microempresas (MEs) receberão um apoio financeiro emergencial no valor de R$ 1.000, durante seis meses.

Banco vai investir em cinco agências em MS, com foco maior no agronegócio

Setor teve incremento diante dos aumentos por conta da crise hídrica que afeta país

Arquivo

Valentin Manieri

Arrecadação total

Mato Grosso do Sul apre-sentou incremento nominal de 23,95% (R$ 1,5 bilhão) e arreca-dação de impostos no primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2020.

O maior destaque ficou para o ICMS, que obteve alta

de 22,21% ou, em números absolutos, esse aumento equivale ao montante de R$ 1,354 bilhão. Contudo, no primeiro semestre de 2021 foram arrecadados R$ 7,868 bilhões, sendo que apenas o ICMS foi responsável pelo montante de R$ 6,5 bilhões

(82,39%). Já na segunda po-sição, ficou o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veí-culos Automotores, com 8,5% (R$ 669 milhões) do que foi arrecadado. Já outros impostos representaram a parcela de 7,4% (R$ 554 milhões).

tratos, reuniões técnicas e assessoramento.

As demais agências-cami-nhão prestam serviços bancá-rios a pessoas de municípios desassistidos de qualquer instituição financeira e ainda promovem a cidadania por meio da campanha de regu-larização de crédito Você no Azul. Para a Região Centro--Oeste, a Caixa vai abrir 14 unidades: 7 em Mato Grosso, 1 em Goiás e 5 em Mato Grosso do Sul.

Na Região Sul, serão abertas quatro novas uni-dades de varejo, sendo 1 no Paraná, 2 em Santa Catarina e 1 no Rio Grande do Sul.

A Caixa anunciou ainda, no início deste ano, a am-pliação das rotas das duas agências-barco e a presença do banco no Amazonas e na Ilha de Marajó.

A unidade Chico Mendes, que visitava 6 municípios, cobre 15, ampliando a rota no Rio Solimões e criando uma nova rota no Rio Negro. Já a unidade Ilha de Marajó passou de 10 para 14 municípios co-bertos, ampliando a rota para as calhas sul e norte da ilha. Com a ampliação das rotas, a Caixa chega a mais 390 mil pessoas que não tinham acesso presencial a serviços bancários.(RS)

A Caixa anunciou ontem a ampliação do plano de ex-pansão do banco, que terá 268 novas unidades, sendo 168 de varejo e 100 especializadas no atendimento a clientes do agronegócio. Somente em Mato Grosso do Sul serão cinco agên-cias. Com essa ação, o banco es-tará presente em todos os mu-nicípios brasileiros com mais de 40 mil habitantes, mantendo a maior capilaridade entre as instituições financeiras brasi-leiras, bem como passará a prestar atendimento em mi-crorregiões historicamente de-sassistidas do país.

Esse plano de expansão, denominado “Caixa Mais Pre-sente”, consiste em reforçar a rede de atendimento e negó-cios do banco e em identificar potenciais para realização de novos negócios. A ação vai levar atendimento bancário para 258 municípios, sendo que 118 deles terão uma unidade da Caixa pela primeira vez. As 268 novas unidades da Caixa vão bene-ficiar mais de 53 milhões de brasileiros.

Ao mesmo tempo, a ex-pansão da rede de atendimento vai auxiliar a Caixa na consoli-dação da estratégia de ampliar sua participação no agrone-gócio, que tem como foco a agri-cultura familiar e os pequenos e médios produtores rurais,

com destaque para o financia-mento de projetos de irrigação e construção de silos e arma-zéns, aquisição de máquinas e equipamentos e implantação de agricultura de baixo carbono (ABC). Serão inauguradas uni-dades para o crédito rural em todos os estados do país. Elas contam com gerentes especia-lizados em crédito rural, com atuação dedicada no atendi-mento aos produtores rurais.

A primeira das 100 unidades voltadas para o agronegócio foi inaugurada no início do mês de julho, em Dourados (MS). Hoje, mais de 1.700 agências do banco são habilitadas a atuar com o crédito rural em todo o país.

Carreta

O banco também anun-ciou, no início deste ano, a ampliação da quantidade de agências-caminhão de 8 para 12 unidades. No atendimento ao agronegócio, algumas dessas unidades móveis re-forçam o atendimento a este público e apresentam a Caixa, por todo país, como a nova força do agronegócio. Esses caminhões realizam visitas es-tratégicas em eventos do setor, como feiras e exposições.

As unidades móveis vão percorrer mais de 20 cidades de 13 estados, com atendi-mentos especializados ao produtor, assinaturas de

con-Finanças

MS já arrecadou quase

R$ 400 milhões de ICMS

em energia neste ano

Referências

Documentos relacionados

Tendo este trabalho como objectivo, ilustrar os vários aspectos da relação de Simone de Beauvoir com o nosso país, abordámos, com esse intuito, as visitas efectuadas por esta

Considerando as associações entre a vitimização sofrida por jovens de minorias étnicas e LGB e o pior ajustamento demonstrado, quer a nível interno quer a nível

A avaliação dos diferentes métodos de preparação da superfície já impressa para a extrusão de uma nova camada na impressão tridimensional por deposição fundida

Francisco elevou o relógio da cidade e o da aldeia à categoria de administradores do tempo, tanto colectivo como individual, porque o conhecimento que foram ganhando da vida social

Therefore, the analysis of suitability of the existing transportation network for riding bicycle in Coimbra should address two important aspects: (i) identifying

Com a investigação propusemo-nos conhecer o alcance real da tipologia dos conflitos, onde ocorrem com maior frequência, como é que os alunos resolvem esses conflitos, a

Como foi visto, a primeira etapa do processo decisório de consumo é o reconhecimento da necessidade, com isso, observou-se que, nessa primeira etapa, os consumidores buscam no

Porém, a partir dos meados do século XIV, e até antes para algumas regiões como o Baixo-Alentejo ou o concelho de Santarém, medidas defensivas, procurando conservar as matas para