• Nenhum resultado encontrado

WHATSAPP INIMIGO OU ALIADO NA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÓTICA DOS DISCENTES

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "WHATSAPP INIMIGO OU ALIADO NA EDUCAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÓTICA DOS DISCENTES"

Copied!
8
0
0

Texto

(1)

São Paulo/SP Maio/2016

Lidia Ramos Aleixo de Souza - Centro Paula Souza - lidia.ramos@cps.sp.gov.br Cesar Bento de Freitas - Centro Paula Souza - cesar.freitas@cps.sp.gov.br

Juçara Maria Montenegro Simonsen Santos - Centro Paula Souza - jucara.montenegro@cps.sp.gov.br

Tipo: INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA (IC) Natureza: RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA

Categoria: MÉTODOS E TECNOLOGIAS

Setor Educacional: EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo identificar se os alunos do Telecurso TEC - programa estadual paulista que oferece cursos técnicos gratuitos a distância - estão utilizando o aplicativo WhatsApp e visa também analisar as possibilidades e potencialidades de aplicação deste no âmbito da educação. A partir de um referencial teórico foi aplicada uma pesquisa junto aos discentes por meio de um questionário eletrônico, obtendo-se 653 respostas. Pelos resultados obtidos observou-se que a maioria dos alunos utiliza o aplicativo diariamente. Por meio do questionário aplicado foi possível verificar também que o aplicativo vem sendo utilizado como mais um recurso pedagógico, inclusive com a criação de grupos nos quais existe a participação do docente responsável, auxiliando no processo de aprendizagem. Além de ser usado pelos alunos como uma ferramenta de apoio pedagógico foi possível também verificar que este aplicativo promove uma maior interação entre os alunos, motiva-os a estudar e dar continuidade aos estudos, contribuindo com a construção coletiva do conhecimento.

(2)

Introdução

As possibilidades educacionais que estão se abrindo, em virtude da velocidade das transformações decorrentes das tecnologias digitais de informação e comunicação, são imensas. Cabe a nós educadores, estarmos em constante vigilância, analisando a pertinência de integração das mudanças tecnológicas com as competências educacionais, colaborando com a aprendizagem de forma mais integral, humana, afetiva e ética, contribuindo para a real inserção do indivíduo na sociedade.

Os educadores devem olhar os novos recursos didáticos, provenientes do desenvolvimento da tecnologia, como uma ampliação de possibilidades e diversidade de ações, e não como uma ameaça à sua formação e atuação.

De acordo com Pozo e Monereo (2010), devemos ajustar nossas práticas pedagógicas de forma a buscar a inovação, fazendo com que os educandos exerçam o papel de protagonistas do processo de aprendizagem.De acordo com Pozo e Monereo (2010), devemos ajustar nossas práticas pedagógicas de forma a buscar a inovação, fazendo com que os educandos exerçam o papel de protagonistas do processo de aprendizagem.

Considerando este cenário, este trabalho vem discutir sobre a utilização do aplicativo WhatsApp como uma ferramenta auxiliar na educação a distância (EaD) sob a ótica do discente.

A partir da visão do discente, e sua aceitação desta ferramenta como recurso pedagógico, pode-se estudar a viabilidade de incorporação de mais essa forma de mediação, ampliando os recursos já existentes, tornando o processo de aprendizagem mais efetivo, com a possibilidade de aumento da taxa de permanência no curso.

Objetivos

Identificar se os alunos do Programa Telecurso TEC estão utilizando o aplicativo WhatsApp dentro de seu âmbito, e analisar, a partir da visão dos sujeitos, como esta utilização impacta na aprendizagem.

Referencial teórico

O Telecurso TEC é um programa de Educação a Distância (EaD) do Centro Paula Souza/SP, que oferece formação técnica e qualificação profissional em três cursos: administração, comércio e secretariado. A carga horária total do curso, de 800 horas, é dividida em três módulos. Os alunos, na modalidade semipresencial, além dos encontros presenciais semanais, desenvolvem atividades no ambiente virtual de aprendizagem (AVA).

O AVA, segundo Filatro (2003), é um espaço multimídia na internet, com ferramentas e estratégias que visam propiciar um processo de aprendizagem, com interação entre os participantes e trabalho coletivo, se assemelhando cada vez mais a comunidades, com a intercâmbio entre conteúdos, ferramentas e pessoas (FILATRO, 2008).

Recentemente percebeu-se que além dos recursos do AVA, alunos e professores passaram a incorporar uma outra ferramenta – externa ao AVA – para interação e desenvolvimento das

(3)

atividades: o aplicativo WhatsApp Messenger. Ele permite trocar mensagens, imagens vídeos e áudios, e está disponível para smartphones e computadores. Além das mensagens básicas, os usuários do WhatsApp podem criar grupos, enviar mensagens ilimitadas com imagens, vídeos e áudio.

É uma nova tecnologia que está sendo utilizada e integrada no sistema educacional e, como quase todos os aspectos da EaD são ditados e definidos pela tecnologia, precisamos compreendê-la, para compreender a mudança na própria EaD (DRON, 2013).

Verifica-se na utilização deste aplicativo que o processo de comunicação é contínuo, tornando possível alcançar objetivos muito interessantes acerca da aproximação entre aluno e professor. Sobre esta relação interativa SATHLER, 2008, p.63-64 afirma que,

Ser escola pressupõe a capacidade de gerar novos conhecimentos permanentemente, fazer sentido para a comunidade com a qual se relaciona e inspirar segurança de que a informação difundida pela instituição é confiável e de boa qualidade para a formação das pessoas. Isso implica em ir além do autodidata, exatamente pela relação que se estabelece entre professor-aluno e professor-aluno-professor-aluno.

A experiência tem se mostrado exitosa (HONORATO; REIS, 2014; ARAÚJO; BOTTENTUIT JUNIOR, 2015; NERI, 2015) e é necessário entender o contexto em que se desenvolve para que seja avaliada a sua absorção no processo de ensino aprendizagem.

Procedimentos metodológicos

Esta investigação baseia-se em um estudo de caso de natureza qualitativa e quantitativa, de abordagem descritiva, com pesquisa documental e questionários.

Os referenciais bibliográficos permitiram o levantamento de informações sobre o assunto, estabeleceram as direções a serem percorridas e a formulação de questões para a pesquisa. Um dos propósitos da análise documental é a facilitação do acesso ao observador, de tal forma que obtenha o máximo de informação (aspecto quantitativo), com o máximo de pertinência (aspecto qualitativo) (BARDIN, 2011). A utilização da pesquisa qualitativa possibilitou o desenvolvimento de hipóteses posteriormente testadas por abordagens quantitativas. (FLICK, 2009).

Por meio de formulário utilizando-se o Google Docs, a base de dados utilizada foi proveniente de pesquisa disponibilizada no AVA entre os alunos regularmente matriculados no Telecurso TEC nas Escolas Técnicas Estaduais (ETECs) do Centro Paula Souza na modalidade semipresencial.

Apresentação e discussão dos resultados

Foram obtidas 653 respostas de alunos distribuídos entre as 50 ETECs onde o Telecurso TEC está sendo desenvolvido no 1º semestre de 2016, ou seja, a amostra contempla 100% das escolas participantes do programa na modalidade semipresencial em diferentes cidades do Estado de São Paulo.

(4)

Das respostas obtidas, observamos que a maioria dos participantes foi do sexo feminino – 78%, contra 22% do sexo masculino; em relação aos módulos obtivemos a seguinte participação - 47% do Módulo 1, 36% do Módulo 2 e 17% do Módulo 3. Em relação aos cursos, observa-se que a maior parte dos alunos participantes da pesquisa são alunos do Curso de Administração (83%), provavelmente visto ser este o curso com o maior número de turmas no programa – 33 turmas. Dos questionários respondidos, 5% são de alunos do Curso de Comércio e 12% do Curso de Secretariado.

Em relação à idade, observa-se que a grande maioria dos alunos que participaram da pesquisa possui até 35 anos, conforme mostra o gráfico 1.

Grau de escolaridade e trabalho

Dos alunos pesquisados temos que 57% trabalha e/ou faz estágio e em relação à escolaridade, o maior percentual está entre alunos com o ensino médio completo (53%), seguido por alunos que ainda o estão cursando (22%).

Utilização de WhatsApp

O aplicativo WhatsApp está sendo utilizado por 94% dos entrevistados, e a maioria o acessa diariamente. Dos alunos que não utilizam o aplicativo, (35 do total da amostra), percebe-se que a sua maioria se encontra na faixa etária acima dos 36 anos.

Utilização do WhatsApp no Telecurso TEC

Questionou-se sobre a utilização do aplicativo no programa Telecurso TEC e foi constatado que 83% dos alunos participa deste grupo, entretanto, a participação do docente, não ocorre na mesma proporção, conforme mostra o gráfico 2.

(5)

Os alunos relataram que 60% das mensagens trocadas no grupo pelo WhatsApp estão relacionadas às informações sobre atividades e 25% ao compartilhamento de conteúdo das aulas, sendo citado como um “meio fácil e rápido para interagir com o professor e demais colegas”. Pelos relatos, constatou-se também que o uso do aplicativo passa a ter uma utilidade especial quando o aluno não comparece ao encontro presencial, por quaisquer motivos (trabalho, doença, etc), de forma a acompanhar as atividades realizadas.

Alguns alunos relataram que as mensagens trocadas pelo aplicativo os auxilia na organização do tempo, lembrando-os das tarefas a serem realizadas e cronograma das aulas, como também na realização de pesquisas, por meio do compartilhamento de links e informações complementares sobre o assunto.

Sobrecarga de trabalho

Foi questionado aos alunos se o a utilização do aplicativo poderia causar sobrecarga de trabalho no seu dia a dia, entretanto 88% respondeu que não. Já em relação aos professores, 30% dos discentes acreditam que o uso do WhatsApp pode causar uma maior demanda aos docentes Interação entre aluno - professor

Um ponto muito importante ressaltado na pesquisa é que o aplicativo consegue manter a turma conectada a semana inteira. De acordo com 95% das respostas obtidas, a relação entre alunos e docente melhorou, como demonstram alguns relatos: “criando vínculos entre os alunos além da escola”, “auxiliando na identificação com outros alunos e o professor”, “mantendo a turma conectada a semana inteira”, ou seja, promovendo a socialização da turma. Uma outra situação apontada neste sentido foi a observação de que o grupo se utiliza do aplicativo para outras ações, não necessariamente didático-pedagógicas, mas que também favorecem esta interação, tais como: compartilhamento de carona (contribuindo com a mobilidade), organização do café da manhã coletivo, oportunidades de trabalho, entre outras.

(6)

Um fator de relevante importância observado na pesquisa foi que esta maior interação entre alunos e professores, motivou discentes que estavam pensando em largar os estudos, a repensar essa decisão, visto o apoio e incentivo recebidos de outros colegas e/ou professor. Por esta razão, o uso desta ferramenta como apoio pedagógico abre a possibilidade de uma análise que a integre no estudo do aumento da taxa de permanência no curso. Respostas obtidas sobre a importância do uso do WhatsApp no curso citadas a seguir demonstram esta situação: “para estarmos mais

unidos, compartilhar informações sobre o curso e um ajudar o outro quando necessário”, “como o curso é semi-presencial o WhatsApp me auxilia na solução de dúvidas caso nos encontros aos sábados elas ainda persistam” e “o Whatsapp tem sido uma ferramenta aliada ao curso. Pois através do grupo, podemos ficar por dentro da matéria entre outras atividades propostas na aula, caso algum aluno tenha faltado em dia de aula. Evita que ficamos perdidos, sem saber o que fazer, desmotivados”.

Turma que não utiliza o aplicativo

Um dado muito interessante obtido na pesquisa foi o percentual de alunos que gostaria de utilizar o aplicativo, como auxiliar no processo de aprendizagem. Dos alunos pesquisados que não possuem um grupo no aplicativo, 75% gostaria de utilizá-lo como apoio pedagógico. Observa-se aqui a possibilidade do educador utilizar novas formas de construção de

conhecimento, integrando novas propostas de aplicação dos recursos tecnológicos às práticas pedagógicas, fazendo do ambiente escolar um local de pesquisa, ensino e colaboração.

Ressaltamos também que este aplicativo tem um papel muito importante quando ocorre algum problema de acesso à plataforma de aprendizagem, pois possibilita uma rápida comunicação entre os alunos e professores.Esta situação foi verificada pela seguinte fala de aluno: “na ocasião

em que houve um contratempo e os alunos apresentaram dificuldades para entrar no AVA do curso, o grupo da turma no WhatsApp foi muito útil para o professor enviar informações orientando os alunos.”

Considerações finais

Como observado pela pesquisa realizada verifica-se que a utilização do WhatsApp já está instalada no dia a dia dos alunos, extrapolando os fins para os quais foi inicialmente desenvolvido.

(7)

Por essa razão não é mais possível ignorar a utilização deste aplicativo como uma ferramenta didático-pedagógica.

A receptividade pelo uso deste recurso entre os alunos fica evidente quando se constata que 95% dos discentes o acessam diariamente, trocando qualquer tipo de informação, que favorece o processo de comunicação, tão importante para aprendizagem.

Quanto à inserção do aplicativo WhatsApp em ambientes educacionais, ainda temos obstáculos de ordem tecnológica, econômica e sociais a serem enfrentados. Mas por outro lado, temos toda uma nova geração que busca constantemente soluções inovadoras e desafiadoras para o dia a dia, e que, carregam junto, aquela parcela da população que ainda se mostra resistente às inovações tecnológicas. Ao mesmo tempo, percebe-se que, há um consenso entre os educadores que os métodos tradicionais de estudo não combinam mais com o perfil dinâmico e acelerado dos jovens que têm acesso, cada vez mais irrestrito a informações e tecnologias.

A educação, na sua concepção nativa, deve encantar, seduzir, conquistar os estudantes a todo instante, apontando novas possibilidades e práticas inovadoras, instigando a curiosidade, imaginação e criatividade dos envolvidos. As novas tecnologias podem auxiliar no alcance desta condição.

Cabe ressaltar que os desafios são muitos, mas as possibilidades de utilização desta ferramenta junto à educação são muito maiores. Um modelo educacional, que agregue e incorpore esta convergência digital, objetivando a melhoria da aprendizagem, se mostra cada vez mais indispensável.

Referências

ARAÚJO, Patrício Câmara; BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista. O aplicativo de comunicação Whatsapp como estratégia no ensino de Filosofia. Temática. Paraíba, 2015. Disponível em http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/tematica. Acesso em 24 abr. 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011. Título original: L’ analyse de contenu.

DRON, Jon. Inovação e Mudança: mudando como mudamos. In: ZAWACKI-RICHTER, Olaf; ANDERSON, Terry (orgs.). Educação a distância online: construindo uma agenda de pesquisa. São Paulo: Artesanato Educacional, 2015.

FILATRO, Andrea. Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.

______. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegra: Artmed, 2009.

HONORATO, Wagner de Almeida Moreira; REIS, Regina Sallete Fernandes. Whatsapp: uma nova ferramenta para o ensino. IV Simpósio de Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade. Itajubá,2014. Disponível em http://www.sidtecs.com.br/2014/wp-content/uploads/2014/10/413.pdf. Acesso em 26 abr. 2016.

(8)

NERI, Juarez Heladio Pereira. MÍDIAS SOCIAIS EM ESCOLAS: uso do Whatsapp como ferramenta pedagógica no ensino médio. Revista Estação Científica. Juiz de Fora, nº 14, julho – dezembro, 2015. Disponível em

http://portal.estacio.br/docs%5Crevista_estacao_cientifica/06-14.pdf. Acesso em 26 abr.2016.

POZO, J. I.; MONEREO, C. O aluno em ambientes virtuais: condições, perfil e competência, 2010.

SATHLER, Luciano. Educação e Tecnologia: espaço de fortalecimento da atuação docente. In: SATHLER, Luciano; JOSGRILBERG, Fábio; AZEVEDO, Adriana Barroso de (Orgs).

Educação a distância: uma trajetória colaborativa. São Bernardo do Campo: Universidade

Metodista de São Paulo, 2008.

Referências

Documentos relacionados

A maioria desse grupo tornou-se presente na amostra apurada (24 entrevistados — 11 ambulantes e 13 trabalhadores nos quiosques), cuja grande parte é nascida no local ou moradora

É preciso alterar as rotas e os procedimentos de controle de tráfego para reduzir o tempo médio de voo, diminuindo custos e favorecendo o crescimento do mercado – além de

Na apropriação do PROEB em três anos consecutivos na Escola Estadual JF, foi possível notar que o trabalho ora realizado naquele local foi mais voltado à

Pensar a formação continuada como uma das possibilidades de desenvolvimento profissional e pessoal é refletir também sobre a diversidade encontrada diante

O modelo característico da interação se dá em nível simbólico, quando se procura entender e interpretar o significado da ação do outro (11). Assim, os seres

Sem esquecer a Fraude Fiscal, analisemos também um pouco do crime de branqueamento, art. Em crónica publicada no Diário do Minho, em 1 de Dezembro de 2010, Cultura, era

Para provar sua tese, esses críticos que entendem que o islamismo é o problema, tendem a ligar atos específicos dos grupos jihadistas a uma sequência de referências extraídas

Índice remissivo A acessórios 35 actualização do software 9, 35 actualizações do software do telemóvel 35 alargamento estéreo 43 altifalante 13, 18 antena 12 aplicações