PROGRAMA. 1. Teorias e abordagens principais em Geografia Política e o seu debate em diferentes contextos históricos, nacionais e internacionais

Download (0)

Full text

(1)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA HUMANA

Curso: Geografia Política: teorias sobre o território e o poder e sua aplicação à realidade contemporânea

Responsável: Prof. Dr. Wanderley Messias da Costa II Semestre de 2010

PROGRAMA

1. Teorias e abordagens principais em Geografia Política e o seu debate em diferentes contextos históricos, nacionais e internacionais

• Geografia Política clássica e Geopolítica e o pensamento dos “pais fundadores”: Friedrich Ratzel, Camille Vallaux, Halford Mackinder, Isaiah Bowman, Karl Haushofer e Richard Hartshorne;

• A Geografia Política e a Geopolítica enquanto ciência, ideologia e prática política em diferentes contextos da história contemporânea;

• A questão nacional e o problema das nacionalidades, federalismo, movimentos autonomistas e movimentos de fragmentação: um debate recorrente;

• A renovação crítica da Geografia Política: de Yves Lacoste a Claude Raffestin;

• O debate teórico na Geografia Política atual: novos temas, novos conceitos e novas abordagens e teorias.

2. Aspectos da Teoria das Relações Internacionais e a sua aplicação à Geografia Política contemporânea

• Conceito e evolução do equilíbrio de poder, do Sistema Internacional e da Ordem Mundial segundo as principais escolas de pensamento;

• A questão da soberania, os antigos e novos papéis do Estado e as possibilidades e limites das suas políticas externas;

• As possibilidades e limitações atuais das experiências nacionais de desenvolvimento nacional face à ordem mundial e à globalização;

• O equilíbrio de poder na atual conjuntura internacional, a estratégia global dos EUA, os pólos emergentes do poder mundial, as instabilidades, e os papéis da diplomacia civil e dos organismos multilaterais na política mundial;

(2)

• A diferenciação em curso no mundo: a nova regionalização geopolítica e geoeconômica no contexto da globalização e da atuação de uma hiperpotência estratégico-militar.

3. A América do Sul: as forças de integração e de dispersão Síntese das antigas concepções e disputas geopolíticas na região;

• O MERCOSUL, as novas escalas das relações econômicas e a dinâmica atual da integração comercial sul-americana;

• Os projetos de integração física: as políticas territoriais brasileiras e os seus impactos nas estruturas sul-americanas de circulação;

• Os desequilíbrios internos, a diversidade de estratégias externas, a atuação dos vetores externos, os antagonismos com os EUA e os riscos de fragmentação regional; • Iniciativas recentes no campo político e estratégico: a criação da UNASUL (União das

Nações Sul-Americanas) e do CDS (Conselho de Defesa Sul-Americano).

4. Temas e problemas brasileiros atuais na perspectiva da Geografia Política • O papel do Brasil na integração regional e os cenários da sua projeção internacional

na atual Ordem Mundial;

• A dimensão político-estratégica do Brasil nas relações internacionais: posição relativa, os cenários de riscos e a atual Política de Defesa Nacional;

• Políticas Territoriais nas últimas décadas e as experiências de planejamento estratégico;

• Aspectos teóricos e aplicados do processo de Ordenamento Territorial; • Pacto Federativo, crise federativa e os desafios da descentralização política.

BIBLIOGRAFIA

AFFONSO, R. de B. A. & Silva, P. L. de B. (orgs.). Desigualdades regionais e desenvolvimento. São Paulo: FUNDAP/Editora da UNESP, 1995.

AGNEW, John.; MITCHELL, K. & TORAL, G. A companion of political geography. Oxford: Blackwell Publishing, 2008.

ARON, R. Paz e guerra entre as nações. Brasília: UnB, 1986.

AVARENA, F. R. Panorama da Segurança na América do Sul. Revista Brasileira de Diplomacia, Brasília, ano I, n. 1, jan./mar. 2005.

BADIE, B. La fin des territoires. Paris: Fayard, 1995.

(3)

BID/INTAL - Instituto para la Integración de la América Latina. Integración física Mercosur-Bolívia-Chile: Puertos y Vias Navegables. Deciembre, 1995. (relatório interno). BID - Banco Interamericano de Desarrollo, (Consultoria: José Alex Sant´Ana). Integración de la infraestrutura física del Mercosur, Bolívia, Chile e Peru. Washington: Deciembre, 1995. (Relatório interno).

BIELSA, R. A política externa da Argentina no quadro da integração regional. Revista Brasileira de Diplomacia, Brasília, out./dez. 2004.

BOWMAN, I. Le monde nouveau: tableau général de géographie politique universelle. Paris: Payot, 1928 (edição original: “The New World”, de 1921).

BREVET, J.F. L’élargissement de l’Union Européenne jusqu’où?. Paris: L’Harmattan, 2001.

BULL, H. A sociedade anárquica: um estudo da ordem na política mundial. São Paulo: IOESP-UnB-IPRI, 2002.

CARLSEN, L. Timely demise for free trade area of the Americas. IRC, Americas Program Commentary, 2005.

CASTELLS, M. Para o Estado-Rede: globalização econômica e instituições políticas na era da informação. In: Bresser Pereira et allii (orgs.). Sociedade e Estado em transformação. São Paulo: UNESP-ENAP-IOESP, 2001.

CASTELLS, M. O poder da identidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002. CASTELLS, M. A sociedade em rede. 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2005.

CAVAGNARI, G.L. Autonomia militar e construção da potência. In:__; Oliveira, E. R. (orgs.). As forças armadas no Brasil. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1987.

COHEN, Saul Bernard. Geopolitics of the world system. Maryland: Rowman & littlefield publishers, 2003.

COSTA, W. M. da. Geografia política e geopolítica: discursos sobre o território e o poder. São Paulo: HUCITEC-EDUSP, 1992.

______. O Estado e as políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Contexto, 1988. ______. Políticas territoriais brasileiras no contexto da integração Sul-Americana. Revista Território, Rio de Janeiro, n. 7, p. 25-41, 1999.

______. Subsídios para uma política nacional de ordenamento territorial. In: Ministério da Integração Nacional. Para pensar uma política nacional de ordenamento territorial. Brasília, 2005.

______. Política e território em tempos de mudanças globais. Tese (Tese de Livre-Docência em Geografia Política), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2005.

______. Brasil e América do Sul: cenários geopolíticos e os desafios da Integração. In: Oliveira, E. R. (org.). Segurança & Defesa na América do Sul: da competição à Cooperação. São Paulo: Fundação Memorial da América do Sul, 2008.

COUTINHO, L. G. & Ferraz, J. C. (Coords.). Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira. Campinas: Papirus/Editora da Unicamp, 1995.

DIECKHOFF, A. La nation dans tous ses Éats: les identités nationales en movement. Paris: Flammarion, 2000.

(4)

FERRAZ, J. C., et alli. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

FLINT, G. & TAYLOR, P. Political geography: world economy, nation-state and locality. Harlow: Pearson, 2007.

FOUCHER, M. Fronts et frontières: un tour du monde géopolitique. Paris: Fayard, 1988. FLORES, M. C. O papel da coerção militar nas próximas décadas. Revista Política Externa, São Paulo, v. 2, n. 1, 1993.

FONSECA JUNIOR, G. A legitimidade e outras questões internacionais: poder e ética entre as nações. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FONSECA JUNIOR, G & NABUCO DE CASTRO, S. H. (Orgs.). Temas de política externa brasileira. São Paulo: Editora Paz e Terra, v. I e II. 1994.

GAUTHIER, A. La construction Européenne. Bréal, 2003.

GORDON, P. H. Bridging the Atlantic Divide. Foreign Affairs, New York, v. 82, n. 1, jan./feb. 2003.

GUILLAUME, J. La France dans l’Union Européenne. Paris: Belin, 2003.

HAESBAERT, R. O mito da (Des)territorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. HOBBES, T. Leviatã, ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: Martin Claret, 2003.

HOERNER, M. J. Géopolitique des territoires: de l’espace approprié à la suprématie dês Etats-Nations. Perpignan: Presses Universitaires Perpignan, 1996.

HOGE, J.F. Global Power Shift in the Making. Foreign Affairs, New York, v. 38, n. 4, jul./aug., 2004.

HUNTER, R.E. A forward-looking partnership. Foreign Affairs, New York, v. 83, n. 5, sep./oct. 2004.

HUNTINGTON, S. The clash of civilizations and the remaking of world order. New York: Touchstone Book, 1996.

HUSSON, C. L’Europe sans territoire. L’Aube Datar, 2002.

HUSSON, C. Nação: província da sociedade global? In: Santos, M. et allii (orgs.). Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec-Anpur, 1994.

IKENBERRY, J. America Unrivaled: The future of the balance of power. Ithaca, Cornell University Press, 2002.

IKENBERRY, G. J. America’s Imperial ambition. Foreign Affairs, Washington, v. 81, n. 5, p. 44-60, set./out. 2002.

JAGUARIBE, H. Aliança Argentino-Brasileira. Revista Brasileira de Diplomacia, Brasília, ano I, n. 1, jan./mar. 2005.

KENNEDY, P. Ascensão e queda das grandes potências. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

KNOX, Paul; AGNEW, John & McCARTHY, Linda. The geography of the world economy. London: Hodder Education, 2008.

(5)

LAFER, C. & FONSECA Jr., G. Questões para a diplomacia no contexto internacional das polaridades indefinidas. In: Fonseca Jr., G. & CASTRO, Sérgio Henrique Nabuco de (orgs.). Temas de Política Externa II, Rio de Janeiro, v. 1, 1994.

LAITIN, D. D. e FEARON, J. D. Neotrusteeship and the problem of weak states. International Security, v. 28, n. 4 (Spring, 2004).

LELIÈVRE, H. (coord.) Les régions en révolte contre les États? Corse, Kabylie, Pays Basque, Kurdistan, Flandre, etc. Complexe, 2002.

MARCOVITCH, J. O futuro do comércio internacional: de Marrakesh a Cingapura. São Paulo: FEA/USP, 1996.

MARTINS, L. Ordem internacional, interdependência assimétrica e recursos de poder. Política Externa, v. 1, n. 3, dez. 1992.

MORGENTHAU, H.J. A política entre as nações: a luta pelo poder e pela paz. São Paulo: IOESP-UnB-IPRI, 2003.

NAISBITT, J. Paradoxo global. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

National Foreign Intelligence Board. Global Trends 21015: A dialogue about the future with nongovernment experts. National Foreign Intelligence Board: Washington, D.C., dez. 2000.

NATIONAL SECURITY STRATEGY. Develop agendas for cooperative action with the other main centers of global power. National Security Strategy. New York: 2002.

NAYAR, Baldev Raj. The geopolitics of globalization. New Delhi: Oxford University press, 2005.

OHMAE, R. O fim do Estado-Nação: a ascensão das economias regionais. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

PACHECO, C. A. Fragmentação da nação. Campinas: IE-Unicamp, 1998.

PEET, R. Mapas do mundo no fim da história. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A.; SCARLATO, F. C. & ARROYO, M. (orgs.). O novo mapa do mundo: fim de século e globalização. São Paulo: HUCITEC-ANPUR, 1994.

PEREIRA, L. C. B. (org.). Sociedade e Estado em transformação. São Paulo: UNESP, 2001.

PORTER, M. A vantagem competitiva das nações. São Paulo: Campus, 2000. RATTNER, H. (org.). Brasil no limiar do século XXI. São Paulo: Edusp, 2000.

REVUE PROBLÈMES D’AMÉRIQUE LATINE, Paris: Institut Européen de Geoéconomie, automne/hiver 2002 (ver n. 46 e 47).

RICUPERO, R. Visões do Brasil: ensaios sobre a história e a inserção internacional do Brasil. Record: Rio de Janeiro, 1995.

RICUPERO, R. Integração externa, sinônimo de desintegração interna? Estudos Avançados, São Paulo, v. 14, n. 40, 2000.

Rivière, D. L’Italie des régions à l’Europe. Paris: Armand Colin, 2004.

(6)

ROSENAU, J. Governança sem Governo: ordem e transformação na política mundial. São Paulo: UnB-IOESP, 2000 (Edição original: Governance without government. New York: Cambridge University Press, 1992).

RUCKERT, Aldomar. A. Reforma do Estado e tendências de reestruturação territorial: cenários contemporâneos no Rio Grande do Sul. Tese (Tese de Doutorado em Geografia Humana), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2002.

SACHS, I. (org.). Brasil: um século de transformações. São Paulo: Cia das Letras, 2001. SAE/Presidência da República/Ministério dos Transportes. Os eixos de Integração Sul-Americana e corredores de exportação. Brasília, set. 1995. (Relatório interno).

SANT’ ANNA, J. A. Transporte terrestre - Integração do setor de transportes no cone Sul. In: Relatório-BID, Buenos Aires, 1997.

SANTOS, M. & SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no inicio do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SUNKEL, O. Globalização, neoliberalismo e a reforma do Estado. In: BRESSER, PEREIRA, L. C.; WILHEIM, Jorge; SOLA, Lourdes (orgs.). Sociedade e Estado em Transformação. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

THONSON, I. Integración física Mercosur-Bolívia-Chile: la contribuición potencial de los ferrocarriles. Cepal, Deciembre, 1995. (Relatório interno).

UNITED STATES INSTITUTE OF PEACE. American Interests and UN Reform - Report of the Task Force on the United Nations. Washington, D.C., 2005.

U.S. DEPARTMENT OF STATE. U.S.National Security Strategy: work with others to defuse regional conflicts. Washington-DC: released by the office of the historian, Bureau of Public Affairs, 2002.

U.S. DEPARTMENT OF STATE. History of the Department of State during the Clinton Presidency (1993-2001). Released by the Office of the Historian, Bureau of Public Affairs, Washington-DC, 2005.

VELLOSO, J. P. R. (coord.). MERCOSUL e Nafta: o Brasil e a integração hemisférica. Rio de Janeiro: José Olympio, 1995.

WACKERMANN, G. Les frontières dans un monde en mouvement. Paris: Ellipses, 2003.

WIGHT, M. A política do poder. São Paulo: IOESP-UnB-IPRI, 2002.

WORLDWATCH INSTITUTE. Estado do mundo 2002. Salvador: UMA Ed., 2002.

ZUGAIB, Eliana. A hidrovia Paraguai e seu significado para a diplomacia Sul-Americana do Brasil. Tese de Doutorado, Curso de Altos Estudos do Instituto Rio Branco, Rio de Janeiro, 2005.

Figure

Updating...

References

Related subjects :