A ALUNA FAVORITA BRAD MARTIN

55 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

A ALUNA

FAVORITA

(2)

©Brad Martin 2020

(3)

CAPÍTULO 1

3

EXPLORE O MUNDO!

P

aula Williams está em sua aula de português. É sua aula favorita e a Senhora Collins é sua professora favorita. Sua escola fica em Altoona, uma pequena cidade no 1

centro do estado da Pensilvânia. Ela vê um novo pôster. Existem fotos coloridas de as praias do Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu. Diz-se: "Explore o mundo - vamos ao Brasil neste verão.” 2

Ela diz para sua melhor amiga Haley: "Haley, olhe, podemos ir ao Brasil!"

A aula começa e Paula se senta na frente da professora. 3

Hoje eles falam sobre uma cena de um filme brasileiro. Quando a Sra. Collins faz uma pergunta, Paula sempre levante a mão.

Ela sabe tudo sobre o que acontece. Os outros alunos podem ver que a Senhora Collins está olhando ao redor da

fica - is (located), also “stays"

1

verão - summer

2

aula - classroom

(4)

classe em busca de outras mãos. Se outra pessoa levanta a mão, a Senhora Collins ouve o que ela diz. Mas às vezes Paula é a única pessoa que sabe a resposta.

Todos os alunos sabem disso. Paula é a melhor aluna do grupo.

No final da aula, Paula vai conversar com a Senhora Collins. Haley vem com ela, mas não diz nada. Ela sabe que não pode fazer essa viagem.

Quando Paula fala com a Senhora Collins, elas quase sempre falam em português. Paula sabe que a Senhora Collins fala devagar por ela, mas ela gosta que a Senhora Collins respeite seu desejo de aprender e praticar

português.

“Senhora Collins, esta viagem ao Brasil parece incrível. Eu gostaria de ir. Você tem informações?"

“Claro que sim, Paula. Você é a primeira pessoa a perguntar sobre a viagem. Tenho este folheto de informações e você pode acessar o site para saber mais. Tem as datas e o preço.”

"Não há outras pessoas que querem ir?"

Bem, eu não sei agora. Hoje é o primeiro dia de divulgação da viagem. Mas em meus quinze anos como professora, fiz seis viagens ao Brasil. Normalmente, existem entre doze e

(5)

vinte alunos. Vamos a ver. Haverá uma reunião de pais e alunos em três semanas. "

Paula pergunta se pode ficar com outro folheto de informações para seu namorado. 4

Paula olha o papel com as informações. Existem belas fotos como as do pôster. Ela está ansiosa para ver as praias do Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu.

Paula passa pelo corredor da escola e vê seu namorado Derek. Derek é bonito e atlético. Quando estão juntos, ele a trata com respeito. Ele é um “cavalheiro.”

Paula entrega a Derek o folheto informativo sobre a viagem. “Quero ir ao Brasil em junho. A Senhora Collins organiza um grupo. Você gostaria de ir?”

Ele olha o papel por alguns instantes e pergunta quando é. Ela diz as datas para ele. Ele pensa por um momento e diz: “Acho que há um conflito com um dos meus campos de futebol neste verão. Mas você vai, com certeza? "

“Sim, bem, se meus pais disserem que sim e se eu puder encontrar o dinheiro. Mas, você quer ir para três campos 5

de futebol diferentes. Verdade? Você não pode sacrificar um? "

namorado - boyfriend

4

dinheiro - money

(6)

Derek sorri e não diz nada. 6

"Vai ser uma experiência fantástica, Derek. Olha as fotos! E você e eu podemos estar juntos em uma cidade romântica como o Rio de Janeiro e veja as Cataratas do Iguaçu!" Paula sabe que tem que motivar Derek. Ela sabe que pode fazer isso. A família dele tem mais dinheiro do que a família de Paula. Ela sabe que o futebol é muito importante para ele.

Além disso, ela sabe que ele não terá o problema que 7

Haley tem. Seus pais viajam muito e até mesmo para outros países.

Derek diz a ela: “Bem, acho que sim. Se você vai…" "Bem, vejo você mais tarde. Te ligo. Um beijo.”

sorri - smiles

6

além disso - besides that, furthermore

(7)

CAPÍTULO 2

EU POSSO IR?

Paula entra na cozinha de sua casa com os papéis sobre a viagem. Ela parece animada. 8

“Mãe, a Senhora Collins vai fazer uma viagem ao Brasil neste verão com alunos da escola! Olha como é lindo! Eu posso ir?"

Alice, a mãe de Paula, não olha as fotos. Ela procura o preço do outro lado da folha.

"É caro! E isso diz que é um "preço base.” Existem outros custos? Pode ser mais caro?"

"Talvez um pouco. Mas há tempo. Posso usar meu dinheiro de Natal e meu aniversário. Além disso, tenho dinheiro no banco. Posso trabalhar um pouco no próximo semestre e 9

Avó Sophia me diz que ela me ajudaria a ter experiências. É importante para ela que eu tenha experiências como esta.” "Bem, eu tenho que falar com seu pai. Mas, Alyssa não foi para outro país quando ela estava na escola secundária. "

animada - excited

8

trabalhar - to work

(8)

Alyssa é a irmã mais velha de Paula. Os pais não falam, mas Paula sabe que Alyssa é a “filha preferida” deles. Alyssa é "perfeita". Ela tira boas notas, é ambiciosa e madura. Os 10

pais de Paula gostam muito de dizer: “Nossa filha está estudando para ser médica.” Paula também tira notas relativamente boas, mas não sabe o que quer ser. Em vez disso, Alyssa já sabia o que queria ser quando estava na escola secundária.

"Ok, bem ... obrigado, mãe." Mas Paula percebe a falta de 11

entusiasmo.

Paula vai para o quarto e pega o celular. Escreva uma mensagem de texto para Haley.

"Você perguntou a seus pais sobre a viagem?”

“Sim, eles dizem não. Eles dizem que existem muitos problemas no mundo. É perigoso em outros países. Eles sabem disso porque assistem TV constantemente. Sinto muito. Eu já sabia. Quero viajar e conhecer outras partes do mundo. Acho que preciso esperar até me tornar um adulto e ter meu próprio dinheiro. "

Paula também pensa em dinheiro. Ela sabe que, para seus pais, o dinheiro é o fator mais importante. Eles não pensam como os pais de Haley. Eles também não gostam da ideia

notas - grades (in class - evaluations)

10

falta - lack

(9)

de viajar para outros países. Mas Paula sabe quem se importa em explorar o mundo - sua avó.

"Oi vovó", diz Paula ao telefone. "Tenho que te dizer algo. Eu tenho uma chance…"

Paula conta tudo sobre a viagem. Sua avó Sophia não viajou muito. Mas ela está interessada no que está acontecendo ao redor do mundo e se importa em conhecer outras

partes. Ela lê muito e assiste filmes. Ela também se importa com as oportunidades de Paula.

“Paula, posso te dar um pouco do dinheiro para a viagem. Seria um prazer para mim. "

"Obrigada vovó! Eu posso pagar a você o dinheiro mais tarde, quando eu tiver."

"Ai não. Não te preocupes. Eu só quero ver um monte de fotos e saber que você vai se divertir. "

Dois dias depois, Paula vai a um jogo de futebol. Seu namorado Derek está jogando. Ele joga bem. Ele diz que quer jogar para uma universidade mais tarde. O futebol é muito importante para ele. Paula admira sua dedicação. Além disso, ela o admira porque ele é um bom jogador e tem uma boa atitude.

Depois do jogo, eles vão tomar sorvete no carro. Derek tem seu próprio carro. Seu pai tem duas lojas e dinheiro não é problema para ele. Às vezes é um problema para Paula.

(10)

Paula pergunta a Derek: “Você conversou com seus pais sobre a viagem para o Brasil? E você já pensou no seu conflito com um dos campos de futebol? “

“Oh não, eu esqueci. Quando é a viagem? " "Entre 20 e 30 de junho."

“Vamos ver, isso afeta apenas um acampamento. E não é o mais importante dos três. Sim, acho que posso ir. Meus pais vão dizer sim. Eu gostaria de estar com você."

Paula está feliz. Ele gosta que Derek possa ir. Ela vê que a principal motivação dele é estar com ela e não

necessariamente visitar outro país. Mas não importa. Vai ser uma viagem incrível.

Quando Paula diz ao pai, Paul, que vai ter dinheiro para a viagem, ele diz que ela pode ir.

Ela imediatamente fica online para se juntar ao grupo de turismo. Ela sorri muito feliz.

(11)

CAPÍTULO 3

A REUNIÃO

"Obrigado a todos por terem vindo." A Senhora Collins se apresenta e também apresenta a Senhora Pérez. A Senhora Pérez é professora de espanhol. É jovem. Ela tem apenas dois anos de experiência, mas muita energia. Ela vai ser a segunda professora do grupo.

A Senhora Collins dá papéis aos pais e diz o que farão durante os dez dias de viagem. Fala sobre hotéis, refeições e visitas. Fala sobre as regras no ônibus, nas cidades e quando há "tempo livre.” Ela fala sobre a importância de ser responsável e nunca estar sozinho em público. Ela

finalmente fala sobre o processo de obtenção do passaporte e a importância desse documento.

"Vou perguntar ao grupo mais de uma vez por dia 'Você sabe onde está o seu passaporte?’"

Em seguida, os pais fazem perguntas. Os pais de Paula estão lá. Eles fazem duas perguntas. Seu pai pergunta sobre seguro de viagem e sua mãe sobre serviços de saude. no Brasil se houver um evento médico. Seu pai trabalha em uma seguradora e sua mãe em uma clínica médica. Eles se preocupam com as coisas que têm a ver com seu trabalho. Coisas práticas.

(12)

Outros pais têm perguntas sobre pagamentos à agência de turismo, o que vestir, como lidar com o dinheiro e outras coisas práticas.

Derek está um pouco atrasado para a reunião. Seus pais não vêm porque eles têm outras coisas para fazer. Ele se senta ao lado de Paula. Ele conta que treinou futebol até muito tarde.

Seu terceiro ano da escola secundária passa rápido. Quando Paula conversa com Haley sobre a viagem, Haley sempre tem perguntas e fica curiosa. Paula acredita que Haley está vivendo a experiência da viagem ouvindo Paula. Quando Paula fala com Derek sobre a viagem, ele a escuta, mas não fica muito curioso para saber o que vão ver.

Oito meses depois, é junho. Paula e outros quinze alunos estão no aeroporto de Pittsburgh para esperar o avião. Eles vão para o Brasil.

Paula está com seus pais e sua irmã Alyssa. Haley e Derek também estão lá. É a primeira vez que Paula viaja de avião. Haley não tem experiência com aviões. Ele nunca voou em sua vida. Derek, por outro lado, voou muito com seus pais para lugares nos Estados Unidos e duas vezes para o México.

Quando todos os alunos e seus pais estão lá, a Sra. Collins fala com eles:

(13)

“Eu preciso ver seus passaportes agora. A ver!" Ela conta os alunos e verifica se eles estão com os passaportes. Ela mostra o processo de entrega das malas e obtenção do 12

cartão de embarque eletrônico e diz que precisarão dele no portão de embarque. Eles precisam disso para embarcar no avião.

É hora de passar pela segurança e dizer “tchau.” O grupo segue naquela direção. Paula dá um abraço em seus pais, irmã e Haley.

Exceto por quatro alunos do grupo, ninguém tem experiência em viagens de avião. E ninguém tem

experiência em viagens internacionais, exceto Derek. Duas meninas do grupo dizem que estão muito nervosas ao passar pela segurança com suas máquinas de vigilância e 13

policiais sérios.

Paula diz com um sorriso: “Isso é normal e é assim que as aventuras começam. Vamos nos divertir!" As meninas nervosas gostam da alegria positiva que Paula tem.

malas - suitcases, luggage, baggage

12

segurança - security, security-check

(14)

CAPÍTULO 4

OH…É OUTRO MUNDO!

O vôo de Nova York a Rio leva mais de sete horas. Paula e 14

seus companheiros não dormem muito. Eles estão

animados. Além disso, eles têm duas refeições para comer,

jantar e café da manhã, e também assistem filmes nas 15 16

pequenas telas de TV. Há pouco tempo para dormir, exceto Derek. Ele dorme muito e não come muito porque diz que não gosta.

No aeroporto, eles encontram sua diretora de turismo, uma jovem chamada Alba. É simpática. Ela tem mais ou menos a mesma idade da Sra. Pérez. Eles vão de ônibus do

aeroporto ao centro de Rio, uma cidade muito grande. Há outro grupo de outra escola na mesma excursão. É um grupo de Connecticut, perto de Nova York.

Paula pensa: “Gosto de estar com o Derek, mas quero fazer parte do meu grupo e conhecer alunos do outro grupo. Eu não quero ficar com ele sozinha. "

vôo - flight

14

jantar - to dine, to eat dinner, supper

15

café da manhā - breakfast

(15)

No ônibus, Paula e Derek sentam-se ao lado de duas meninas do outro grupo. Uma se chama Brittany e a outra Emma.

Paula olha para pontos de referência famosos quando eles passam e diz: "São como as fotos que vimos na aula.” As outras meninas dizem que sim.

Paula pergunta a cada menina se esta é a primeira vez no

estrangeiro. Emma diz que sim, mas Brittany diz que 17

conhece Londres na Inglaterra e Berlim na Alemanha com sua família.

Paula está fascinada porque a Brittany conhece outras partes do mundo… e com a sua família.

Brittany diz a Paula: "Quero morar na Europa por um ano entre o colégio e a faculdade. Isso se chama ano sabático. Depois, vou para a faculdade".

Paula pergunta a ela: “Qual universidade você quer ir? Em português você fala faculdade, certo?

Brittany diz: “ Sim. Eu quero ir para Brown ou Cornell. Se eu não conseguir ser aceita nessas faculdades, tenho uma lista de outras faculdades onde quero estudar. E você?"

Paula diz: “Provavelmente vou para a Penn State. Mas acho muito interessante a ideia de passar um ano em outro país."

no estrangeiro - “abroad" “in a foreign country”

(16)

Depois vão para a área da Praia de Ipanema, onde fica o seu hotel. Paula estará em um quarto com três outras meninas de seu grupo, Abby, Madison e Olivia. Paula as conhece de suas aulas, mas não é boa amiga delas.

Em seguida, eles se encontram na recepção do hotel e Alba diz que vão dar um passeio pelas praias de Copacabana e Ipanema e depois jantar em grupos em alguns restaurantes em Ipanema. Paula caminha com Derek, as três meninas de seu quarto e as duas novas meninas do grupo de

Connecticut.

Alba fala com eles durante a caminhada. Eles olham para a

a Praia Copacabana. Olham para a estátua do poeta

nacional Carlos Drummond de Andrade. Ele está sentado em um banco. Ele não olha para o mar. Ele olha para o seu estado natal, Minas Gerais.

Depois vão para a área da Praia de Ipanema, onde fica o seu hotel. Em seguida, passam pelo restaurante-bar

Garota de Ipanema, que leva o nome da famosa canção 18

dos anos 60, uma das canções mais conhecidas do mundo.

Alba conduz a todos por uma área de restaurantes e bares. Ela diz que muitos “cariocas" (a gente de Rio) saem para comer em bares. Ela recomenda que experimente a

Garota de Ipanema - “The Girl from Ipanema,” a world-famous pop

18

(17)

comida típica brasileira, principalmente feijoada, pão de 19

queijo, coxinha, pudim e salgadinhos. 20 21 22 23

Ela diz que a Zona Sul do Rio é bastante segura durante o dia, mas não podem sair à noite. Ela diz a eles que grupos de pelo menos quatro pessoas podem sair para comer algo em uma área próxima. Todos se encontrarão na entrada do hotel em uma hora.

A Senhora Collins diz a seu grupo que eles devem experimentar comida brasileira. Ela diz que eles não deveriam vir para tão longe e pagar tanto quanto podem comer em casa.

Um grupo quer Pizza Hut. Um grupo quer McDonalds. Os outros grupos dizem que vão experimentar comida brasileira. Paula quer comida brasileira.

Paula diz a Brittany e Emma que quer experimentar feijoada. Eles dizem que gostam a ideia. Abby e Madison do grupo Altoona dizem que gostariam de experimentar salgadinhas. Paula comenta com Derek: "Vamos tentar algo bem

brasileiro e interessante!"

feijoada - black bean stew with pork in it

19

pāo de queijo - cheese bread

20

coxinha - deep fried dough

21

pudim - custard dessert similar to Spanish “flan"

22

salgadinhos - savory pastries with various fillings

(18)

"Interessante? Eh ... bem ... não sei ... Esse grupo vai para a Pizza Hut! "

“Mas Derek, você pode comer isso em Altoona e em muitos lugares. Vamos explorar coisas novas."

Derek parece indeciso. Ele tem um conflito. "Uh ... acho que vou comer pizza." E ele vai para o grupo da pizza.

Paula está um pouco irritada e triste por Derek não ser tão aventureiro. Mas é assim que ele é.

Brittany pergunta a Paula: “Você se lembra de onde fica um bom restaurante de feijoada? Alba disse alguma coisa. Não lembro bem."

Paula tem um bom senso de direção e também não é tímida. Diz-se que ela é uma boa líder.

“É por aqui, meninas. Vamos comer algo muito diferente. Aqui está outro mundo." As outras meninas seguem Paula. Ela é responsável. Mas ela pensa em Derek. Ela gostaria que ele estivesse com ela durante esta aventura.

Eles entram no restaurante. Tem outras pessoas que

comem feijoada. Paula se sente no controle. Paula conversa com um garçom. Ele não entende. "Que?" ele diz. 24

garçom - waiter, server

(19)

“Queremos cinco pratos de feijoada para nós, por favor”, ela repete.

"Ah bem. É pago separadamente?"

Ela diz: “Sim, por favor” e ela pensa: "é outro mundo e é outra língua! O português falado aqui é muito diferente do português falado na aula da Sra. Collins! ”

Ele aponta para algumas mesas e diz algo muito

rapidamente. Paula não entende. Mas ela não quer dar a impressão de que está confusa. Ela diz aos outros que elas vão se sentar em algumas mesas.

Quando chega a comida, as meninas dizem que é uma delícia. Elas se orgulham de comer comida bem brasileira e pagar com seus próprios reais. 25

reais (plural of real) - currency of Brazil

(20)

CAPÍTULO 5

CIDADE DE PRAIAS, FUTEBOL E SAMBA

No quarto do hotel, Paula conversa com Abby, Madison e Olivia após comer feijoada e assistir ao pôr do sol na pedra do Arpoador que fica entre as praias de Copacabana e Ipanema.

Paula diz: “Tudo aqui é um choque cultural. Os brasileiros falam muito rápido. Acho que posso entender mais se eu coloco muita concentração. Olivia, o que você comeu com o seu grupo? “

“Comemos salgadinhos de queijo e nós comemos também pudim. Pudim é como flan ou custard. É diferente, mas gostei. Fui com um grupo de alunos de Altoona e Connecticut.”

Olivia diz: “Eles são bons, mas você pode dizer que eles vêm de uma classe mais rica do que nós. Mas está bem. Três ou quatro deles parecem bastante esnobes. Mas nem todos são assim. É um choque cultural estar aqui. Eles 26

parecem ter mais experiências nas grandes cidades.”

assim - "like that” “that way”

(21)

Paula diz: “Eu me dou bem com a Brittany. Ela vem de 27

uma família rica, mas não parece. Temos muito em comum.” Madison diz: “Estou com muito sono. Que horas são?" 28

Paula olha para o celular: “São apenas 20h30 - são oito e meia da noite - são sete e meia em Altoona. Mas foi uma longa viagem e precisamos dormir bem. Isso é o que as Senhoras Collins e Pérez dizem.”

Abby grita: "Eu sou a primeira no chuveiro!” 29

No dia seguinte, eles vão tomar o café da manhã e ler o 30

pôster de Alba que descreve as atividades do dia.

O grupo vai primeiro ao centro da cidade. Eles visitam a catedral metropolitana de São Sebastião. É enorme. É como uma pirâmide de concreto moderna. É especialmente

impressionante por dentro.

Em ambos os grupos escolares, Altoona e Connecticut, há alunos que querem aprender muito e outros que apenas eles têm tolerância para absorver um pouco de informação. É muita história! Eles preferem tempo livre para passear com os amigos em vez de participar de um tour por um

me dou bem - “I get along well” (literally: myself I give well)

27

estou com muito sono - “I'm very sleepy” (literally: I am with much

28

dream)

chuveiro - shower

29

cafe de manhã - breakfast

(22)

guia turístico. Paula é do primeiro grupo. Derek é do segundo grupo.

A diretora do grupo, Alba, diz que uma especialidade de Brasil é churrasco, que são muitos tipos de carne grelhada. Paula quer experimentar. Ela pergunta a Derek se ele quer ir com ela e Brittany para comer. Ela fica surpresa e feliz

quando ele diz sim. Paula, Derek, Brittany e outra menina do grupo Connecticut vão a um restaurante típico e histórico. Paula se surpreende com o preço do churrasco. Custa muito dinheiro! Mas é considerada "uma experiência cultural.” Paula está feliz por Derek gostar disso. Ele diz: “Isso é como barbecue em casa, exceto que não tem

molho. Boa comida!” 31

Mas, após o grande almoço do meio-dia, o passeio passa 32

pelo Estádio do Maracanã.

Derek está super animado !! Lá jogam dois dos melhores

times de futebol profissional do mundo, Flamengo e 33

Fluminense. Flamengo é um dos times favoritos de Derek. Ele tira muitas fotos. Paula está feliz. Por fim, algo

impressiona Derek no Brasil.

Paula e Brittany se dão muito bem. Brittany admira Paula porque Paula é fascinada por arte e história. Paula admira a

molho - sauce

31

almoço do meio-dia - midday meal, “big lunch”

32

times - teams

(23)

Brittany porque deseja aventuras, como tirar um ano

sabático e estudar no estrangeiro durante a faculdade. Elas têm muito o que conversar. Derek está com elas, mas se sente um pouco esquecido. Ele não se preocupa muito 34

com arte e história.

Paula está muito interessada em conversar com a Brittany sobre um ano sabático na Europa.

No dia seguinte, a excursão vai para Corcovado, uma alta montanha perto da foz da baía. Há uma enorme estátua 35

de Jesus que dá para a baía. O ônibus os leva até o pé da estátua chamada Cristo Redentor. A vista é fantástica. Eles passam muito tempo tirando fotos. Paula exclama: "Isso é impressionante!" Derek também diz que o Corcovado é impressionante. Em Ipanema a noite passada, Paula não gostava que Derek comesse pizza e não experimentasse comida brasileira interessante. Paula quer aventuras, novas experiências e ser cosmopolita como a Brittany. Paula pensa: “Esta é o Brasil que eu queria ver. Existem vistas incríveis. Tudo é muito bonito.”

No dia seguinte é igual. Eles vão pelo Parque Nacional da Tijuca. O parque fica perto da cidade. Fica em uma

montanha a oeste do Corcovado. É uma selva tropical com

esquecido - forgotten

34

foz da baia - mouth of the bay

(24)

belas vistas e cachoeiras. Nós o visitamos em um grande 36

jipe. 37

Em um ponto de vista, Paula diz: "Uau!" Brittany diz que é como quando ela estava visitando o Havaí.

Derek diz: "É tão bonito!" Mas ele não parece tão animado quanto em Corcovado. Exceto quando o grupo visita mais tarde uma loja de facões. As facões são usadas para 38

cortar cana. 39

Derek quer uma facão. Ele pergunta à Senhora Collins se 40

ele pode comprar uma para levar para casa. Ela não parece muito feliz com a ideia.

“Bem, Derek, você consegue. Mas é uma grande

responsabilidade. Você deve ser capaz de carregar a facão em sua mala grande. Se não couber, você não pode levá-41

lo no avião. Pode haver problemas de segurança. Você está

pronto para problemas? 42

cachoeiras - waterfalls

36

jipe - jeep

37

loja - store, shop

38

cana - sugar cane

39

facão - machete (plural: facões)

40

couber - fit into

41

pronto - ready, prepared

(25)

Derek pensa e olha para o facão impressionante, "Sim, senhora.”

A Senhora Collins vê que é hora de partir. “Ok alunos, vamos para o ônibus. Eu quero ver seu passaporte em mãos."

Paula tem seu passaporte. Todos eles têm seus

passaportes. Ela tem uns brincos de metal. São presentes 43

para familiares e amigas. Mas ela está feliz porque Derek finalmente está feliz. Ele tem sua facão. Cada pessoa gosta de coisas diferentes.

brincos - earrings, ear studs

(26)

CAPÍTULO 6

AVENTURAS EM IGUAÇU

No dia seguinte, o grupo segue de avião do Rio para Foz do Iguaçu, a cidade mais próxima das maiores cataratas do 44

mundo. As cataratas estão nos dois lados da fronteira entre Brasil e Argentina. O grupo vai passar alguns dias na região. No avião, Paula está sentada com Derek, Brittany e Emma. Derek não fala muito porque ele não conhece Brittany e Emma bem. Ele quer ficar com Paula, mas Paula quer

conversar sobre suas experiências no Brasil com suas novas amigas. Derek joga seus videojogos no celular.

O avião desce para pousar e passa sobre a barragem de 45

Itaipu, a segunda maior do mundo depois da mais nova barragem da China. Paula, Brittany e Emma olham para a barragem e tiram muitas fotos pela janela. Paula está muito animada.

Ela grita com Derek, “Olhe para esta barragem abaixo. É enorme! A Senhora Collins diz que não poderemos visitá-la por falta de tempo." Derek olha para abaixo por dois

segundos e murmura "Uau, legal" e volta a jogar seu jogo.

cataratas - waterfalls (straight drop, not a cascade)

44

barragem - dam

(27)

Enquanto Brittany e Emma conversam sobre outra coisa, Paula fica irritada. Ela não concorda com a atitude do namorado.

"Derek, estou curiosa. Você paga muito dinheiro para vir aqui e não está interessado em muitas coisas que são muito diferentes das coisas nos Estados Unidos. Eu me pergunto por que você veio? "

Derek parece triste por um momento. Este comentário da namorada o surpreende.

“Paula, você e eu somos diferentes. Não gostamos das mesmas coisas. Você não ficou animada quando comprei meu facão. E ... a Senhora Collins também não estava feliz. E você não ficou animada quando fomos ao Estádio do Maracanã, no Rio. Eu, sim. Mas, eu estou aqui

principalmente para estar com você. " Ele fica em silêncio por um momento.

Derek continua falando: “E Paula, eu não ia dizer isso. É

fofoca e normalmente não sou fofoqueiro. Mas… os 46

alunos do nosso grupo Altoona estão fofocando sobre você. Dizem que você passa muito mais tempo com as meninas de Connecticut e você se acha melhor do que as meninas de Altoona.”

fofoca - gossip

(28)

É a vez de Paula parecer triste e calar-se por um 47

momento. Ela pensa e diz: “Gostaria de aproveitar esta 48

oportunidade, de estar em outro país e conhecer pessoas diferentes”.

“Mas, Paula, você é de Altoona. Esses alunos são da sua escola. E… estou me divertindo muito aqui. Eu não preciso ter as mesmas experiências que você. "

Cinco minutos antes, Paula se sentia um pouco superior a Derek e as pessoas de Altoona. Ela acreditava que era mais aventureira e sofisticada. Ela acreditava que era mais

madura e sábia do que Derek. Ela queria saber sobre história, arquitetura e muitos aspectos da cultura. Mas as palavras de Derek têm um efeito enorme. Talvez ele seja mais maduro? Ela precisa de tempo para pensar.

Paula escuta em silêncio. Ela se pergunta: "Derek está certo?"

- - -

Durante os quatro dias, Paula pensa muito no que Derek disse. Ela vê que Derek aproveita a oportunidade de estar no Brasil ... mas, do seu jeito. Ela também passa mais 49

tempo com Abby, Madison, Olivia e Derek. Ele gosta de

calar-se - to get quiet

47

aproveitar - to take advantage of, to profit from

48

jeito - way, manner (“do seu jeito” = “in his own way”)

(29)

ficar com Brittany, mas sabe que não deve esquecer os alunos da escola dela.

Ela é uma menina muito aberta. Ela é uma líder. Ela acredita que pode ser uma conexão entre os dois grupos. Sua última noite em Foz do Iguaçu, ela convida Brittany, Emma e mais duas alunas de Altoona para sentar no pátio do hotel para conversar. Pela primeira vez, os dois grupos passam algum tempo juntos. Paula pergunta a eles quais são suas

memórias favoritas.

Paula diz: “Para mim, o lado argentino me dá mais

oportunidade de ver as cataratas de perto. Além disso, acho que é mais íntimo e há menos pessoas."

Brittany brinca: “É assim que fala a artista-fotógrafa do grupo. Mas o lado brasileiro também é super panorâmico. Eu posso ver tudo de lá"

Derek diz: “As cataratas são interessantes e

impressionantes. Mas, para mim, jogar futebol em uma praça em uma tarde na cidade com dois meninos

brasileiros é minha lembrança favorita. E eles jogam muito bem. Eles tinham apenas treze ou quatorze anos. “

Emma também diz: “Você está certo, Derek. Eu amo as cataratas, mas são as pequenas coisas que são minhas memórias favoritas. Eu gostei de andar de carruagem por aquele parque na cidade uma noite. Foi romântico. Pena que meu namorado não está aqui. E você, Paula, você está

(30)

com o seu namorado aqui com você. Você deveria fazer algo romântico com ele. "

Paula pensa e diz: “Sim, deveria. Gosto de ver as grandes cidades, conhecer a história e experimentar comidas raras. Mas eu tive 'cultura' suficiente. Quero uns dias relaxados no Rio. Vai ser uma mudança. E Derek e eu deveríamos dar um passeio na praia. Isso é romântico." Ela sorri e olha para Derek.

Paula pensa: "Gostaria de uma mudança. Além disso, não quero parecer esnobe.”

Derek interrompe os pensamentos de Paula. "Paula, eu adoraria dar um passeio na praia!"

(31)

CAPÍTULO 7

ONDE ESTÁ…?

O grupo volta para os últimos dias da viagem no Rio. Eles chegam à tarde e não têm visitas culturais. Exceto para jantar, eles têm tempo livre o resto do dia.

À tarde, após o jantar, Derek e Paula dão um passeio na praia. Durante a viagem, Paula diz a ele: “Obrigada pelo que você me disse no avião. Eu precisava ouvir isso. Esta

experiência é uma oportunidade incrível e tenho muita energia. Mas muitas vezes penso no meu entusiasmo e não penso no efeito que tenho nas outras pessoas."

Derek diz a ela: “Não se preocupe. Eles não falam mais sobre você.”

Faltam apenas mais dois dias no Brasil. No dia seguinte ao retorno de Iguaçu, o grupo se levanta cedo e toma um rápido café da manhã.

A Senhora Collins avisa que vão visitar o local mais icônico do Rio e um dos pontos turísticos mais reconhecidos do mundo. Eles vão escalar o Pão de Açúcar.

Eles vão de ônibus até o porto para pegar um barco à vela. Eles passam a manhã inteira navegando por todo a costa do

(32)

Rio de Janeiro. É muito bom ver a cidade de vários pontos de vista. Por um lado, pode-se ver o Cristo Redentor no

céu acima do Monte Corcovado. Em seguida, passam 50

pelo Pão de Açúcar, uma enorme pedra que guarda a entrada da baía.

Depois, quando voltam ao porto, vão todos juntos almoçar na Praia Vermelho. Agora, a maioria dos alunos dos dois grupos está acostumada a comer comida brasileira. Ninguém tem vontade de comer comida americana. Eles gostam de comida brasileira.

Madison e Olivia dizem a Paula: “A Senhora Collins está certa. Essa comida é muito boa.” Paula está satisfeita agora. Ela gosta quando seus amigos têm experiências fora de sua zona de conforto. Uma banda musical toca música

brasileira. Paula come entre Derek e uma das meninas de Altoona, Madison.

Madison diz: “Achei que ficaria com medo aqui. Parece muito diferente para mim, mas existe uma vida normal. Muitas pessoas dizem que aqui é perigoso. E sim, eu sei que estamos na área turística e é mais segura do que outras áreas, principalmente as favelas, os bairros pobres. Mas quando passo por uma escola, vejo os meninos gritando e rindo. Quando compro alguma coisa, as pessoas são muito simpáticas. E agora, adoro a comida.”

céu - sky

(33)

Paula diz a Madison que ela também pensa isso. Ela gosta de ter a mesma experiência que outras pessoas.

Depois do almoço, a Senhora Collins pergunta se eles estão com os passaportes. Paula toca seu passaporte em sua pequena mochila com seu dinheiro. Agora eles vão subir o Morro da Urca, uma montanha perto da Praia Vermelho. A caminhada leva cerca de trinta minutos. Paula e Derek estão em boa forma. Ele é jogador de futebol e ela anda muito. Mas o caminho está sempre para cima. Existem alguns alunos em ambos os grupos que não estão em boa forma. Eles respiram com dificuldade e reclamam um pouco da caminhada. Dizem que sabem que tem teleférico da Praia Vermelho e entendem porque têm que ir a pé. Na Estação Morro da Urca, a Senhora Collins conta que, quando retornarem a Ipanema, poderão jantar e ter tempo livre para ir à praia pelo resto da tarde. Eles não precisam mais andar. A vista do Morro da Urca é muito bonita, mas a Senhora Collins diz que a vista lá de cima no Pão de Açúcar é ainda mais bonita.

Todo mundo tem que esperar a sua vez de pegar o

bondinho e subir ao topo do Pão de Açúcar. A viagem de 51

teleférico leva cerca de quinze minutos. Para Paula, a viagem é um tanto impressionante, mas ela pode ver que para Madison é menos agradável. Está ventando bastante 52

bondinho - cable car gondola

51

ventando - wind blowing

(34)

e o bondinho está se mexendo um pouco. Depois de 53

quinze minutos, eles saem do teleférico e correm até o

mirante para ver o panorama e tirar muitas fotos. Paula 54

está com Derek, Madison e Brittany. Mas Madison não chega nem perto do limite do mirante. Além disso, ela parece um pouco pálida e não diz nada.

Em seguida, todos voltam para o teleférico e começam a descida. Todos estão conversando animadamente sobre as vistas e o bom tempo. Todos, exceto Madison.

Depois de oito ou nove minutos, Madison diz: “Não estou bem. Acho que tenho que vomitar! "Ela corre para o lado do teleférico e vomita no chão. Ela não parece bem. E o 55

vômito não cheira bem. 56

Paula pergunta: “Você quer se sentar? Estaremos na estação em um minuto. Você pode encontrar um banco para se deitar." Madison diz que sim.

Ao chegarem na estação Morro da Urca, Paula acompanha Madison. Madison se deita em um banco por alguns 57 58

mexendo - moving 53 mirante - overlook 54 chão - floor 55 cheira - smells 56

se deita - lies down

57

banco - bench

(35)

segundos. Paula pergunta como ela está. Madison diz que se sente mal de novo. Ela está nauseada. Ela vomita uma segunda vez ali na frente do banco.

Os outros alunos dos dois grupos estão em partes diferentes da estação. Eles estão todos cansados. Todo mundo quer voltar para Ipanema, ir à praia de novo e comer um bom jantar. Alguns veem o que está acontecendo com Madison, mas ninguém faz nada.

Madison está muito envergonhada. Ela começa a chorar. A Senhora Collins e a Senhora Pérez estão passando pelas meninas neste momento. Elas veem o que acontece e

chamam as pessoas da estação que precisam de ajuda para limpar o chão.

Também é hora de descer no segundo teleférico até a Praia Vermelho. A Senhora Collins diz aos alunos para ficarem juntos em um grupo porque há muitos passageiros no teleférico. Todo mundo sai do teleférico. Os dois grupos do passeio vão para o ônibus. Paula está com Madison porque se sente um pouco enjoada e tem muita vergonha. 59

No ônibus, todos se sentam e dormem. Paula está

conversando com Madison. Paula diz a ela que tudo ficará bem. Ninguém pensa mal dela. Quando as professores sabem que todos os alunos estão no ônibus, o ônibus segue em direção a Ipanema.

enjoada - sick, woozy

(36)

Paula está muito cansada e tenta dormir um pouco. Ela adormece por cinco ou seis minutos, mas acorda. Ela vê que Madison ainda está dormindo. Ela procura sua mochila. Não a encontra. Onde está??

Paula sente uma onda de pânico. Ela rapidamente vai até a Senhora Collins.

"Senhora Collins! Eu não tenho minha mochila. Acho que está na estação lá em cima. Meu passaporte está na mochila !!”

A Senhora Collins diz: “OK, acalme-se. Tem certeza que ela não está aqui no ônibus? Tem certeza de que ela está lá na estacão? "

Paula começa a chorar. "Sim. Oh, que idiota eu sou! Ela está na estacão. "

Calmamente, a Senhora Collins vai falar com Alba, a diretora. Alba parece preocupada. Ela liga para o 60

escritório da empresa de teleféricos. Ninguém responde. 61

Ela tenta enviar uma mensagem de texto. Ninguém

responde. Depois de alguns minutos, ela diz que elas têm que voltar para a estação e procurar a mochila.

liga - calls

60

escritorio - office

(37)

Dez minutos depois, o ônibus está na estação abaixo. A Senhora Collins, Alba e Paula vão conversar com o pessoal da estação no Morro da Urca. Depois de meia hora, elas estão na estação acima. Paula procura o banco onde estava com Madison, mas não vê a mochila. As pessoas no

teleférico dizem que não viram a mochila. Havia muitos passageiros. Mas elas passam mais vinte minutos

procurando por ela. Elas não conseguem encontrar a mochila.

Paula está muito, muito preocupada. Ela olha para a Senhora Collins e pergunta: "O que posso fazer?" A

professor favorita dela lhe dá um abraço e diz que elas vão resolver o problema.

(38)

CAPÍTULO 8

SINTO MUITÍSSIMO!

Quando Paula, a Senhora Collins e Alba voltam para o ônibus, a Sra. Pérez está do lado de fora. Ela pode ver pelos rostos dos outros três que eles não encontraram a mochila com o passaporte.

Ela diz a eles: “Eu não disse nada a vocês. Eu disse que você tinha que voltar para o navio e que eles tinham que esperar e ter paciência. Eles estão perguntando se terão tempo livre após o jantar. Eu não sabia o que dizer.”

Alba olha a hora e pensa. Ela diz: “Bem, é tarde. Não acho que haja tempo para ir à praia esta noite. "Tenho que ligar para o hotel para avisar que vamos nos atrasar para o jantar.”

Quando todos entram no ônibus, vários alunos do grupo de Connecticut perguntam a Alba se eles podem ir à praia esta noite. Alba avisa que eles terão mais um dia no Rio,

amanhã.

Quando Paula passa pelos alunos do grupo de Connecticut, eles falam baixinho e não olham para Paula. Ela sabe que eles sabem que o atraso é culpa dela.

(39)

Paula procura Derek, que a olha com um olhar compassivo. Ela sussurra para ele: "Sinto muito!" Ela olha para Madison e pergunta: "Como você está?”

Madison sorri e diz a Paula: “Muito melhor. Muito obrigado por ajudar.”

Mas Paula sabe que muitos dos alunos de Connecticut acham que é culpa de Paula terem perdido a noite na praia. E parte de seu grupo da Pensilvânia está falando baixinho e sem olhar para Paula.

No caminho entre Praia Vermelho e Ipanema, a Senhora Collins vai até Paula para dizer que está com tudo sob controle. Ela falou com Alba e com uma pessoa do

Consulado Geral dos Estados Unidos aqui no Rio. A Senhora Collins explica que tem uma fotocópia do passaporte de Paula e outros documentos para identificá-la como membro do grupo.

“Mas Paula, você e eu temos que ir amanhã no consulado geral para ter tempo de pegar outro passaporte antes de voltar para os Estados Unidos. A Senhora Pérez estará com o restante do grupo e nos encontraremos depois de

amanhã, em dois dias. Está bem?”

Paula tenta sorrir e diz: "Sim, estou bem." Mas ela não está bem. Ela causou problemas para os professores e para todos na tour. Ela pode ver que muitos deles estão com raiva dela.

(40)

Ela pensa: “Eu estava tentando ajudar outra pessoa. Eu tinha empatia por ela. Mas eu também causei problemas para mim. Não posso estar com meus amigos no último dia no Rio. Eu… me enganei ao não pensar no passaporte. Eu não estava ouvindo a Senhora Collins. “

Em seguida, no hotel para um jantar tardio, Paula está com Derek e Madison à mesa. Eles não parecem se incomodar. Madison diz a Paula em voz baixa: “Sinto muito! Você me ajudou e pensou em mim e por isso esqueceu seu

passaporte. Obrigada.”

Derek diz a ela: “Não se preocupe com os outros. Eles estão cansados e um tanto desapontados por não poderem ir à praia esta noite. Amanhã, eles vão se divertir e esquecer tudo isso. Lamento que você não possa estar conosco amanhã, mas ... você terá a Sra. Collins como guia pessoal no centro do Rio. Você vai ter um dia interessante.

Paula tenta sorrir e diz: “Obrigada por tentar me animar. Sim, um dia interessante... sim, uma experiência diferente. Sei que os alunos vão esquecer isso, mas estou

decepcionado comigo mesma. E eu causei problemas para a Senhora Collins ... E eu conheço algumas fofocas que ‘a menina favorita arruinou o dia. Bem, obrigada por estar comigo. “

Quando Paula sai da sala de jantar do hotel, ela vai falar com Brittany. Ela está conversando com outros alunos de seu grupo.

(41)

Paula diz a ele: “Bem, eu tenho que dizer adeus. Tenho que sair cedo com meu professor amanhã para ir ao consulado geral. Desculpe pela inconveniência. Gostei de conversar com você aqui no Brasil. “

Brittany diz: “Bem, essas coisas acontecem. Adeus e boa viagem." Mas ela não diz a Paula que quer entrar em contato. Ela não dá um abraço nela. Ela não fornece suas informações de contato. Ela fala com seus amigos

novamente.

Paula fica triste porque Brittany a trata com frieza. Derek quer conversar até a hora de ir para os quartos. Paula diz que não quer. Ela está de mau humor.

Derek está sozinho. Parece triste.

E Paula diz: “Só quero ir para a cama, nada mais. Tenho sono."

(42)

CAPÍTULO 9

O CONSULADO GERAL

Na manhã seguinte, Dona Collins e Paula vão de táxi ao centro do Rio para ir ao Consulado Geral dos Estados Unidos.

No táxi, Paula se entristece com os problemas que causou. Ela queria ser a líder. Ela queria causar uma boa impressão. A Sra. Collins olha para Paula e diz: “Você não está falando muito. Você não deve se sentir mal, Paula. Vamos resolver o problema do passaporte. Em breve tudo será uma

memória."

Paula olha para a Sra. Collins e diz: "Você não está com raiva de mim?"

"Claro que não."

"É que ... eu queria uma viagem perfeita ... e queria te impressionar, não te decepcionar."

“Paula, gosto do seu entusiasmo, mas não estou pedindo perfeição. Você é um ser humano, uma pessoa como todas as pessoas ... e às vezes as coisas não vão bem. Mas esta viagem tem sido muito boa e é muito boa. “

“Obrigado, eu me importo que você não pense mal de mim. Mas tenho muita vergonha de perder meu passaporte. "

(43)

Então, às 9h30 da manhã, chega de táxi o Consulado Geral dos Estados Unidos no Rio. A Senhora Collins diz que esse

prédio que hoje é o Consulado Geral era a embaixada dos

Estados Unidos. Mas quando o Brasil construiu a capital Brasília no interior na década de 1960, os anos sessenta, eles mudaram a embaixada lá.

Tem muita gente na frente do Consulado Geral. Eles são brasileiros tentando conseguir um visto para ir para os Estados Unidos. Paula vê que eles não conseguem passar por aquelas pessoas para chegar até a porta. Ela pergunta à Senhora Collins: "Você disse que temos um encontro com uma pessoa no consulado, certo?"

A Senhora Collins diz: "Sim, às dez.” Ela fala com calma, mas Paula percebe preocupação em seus olhos.

Não há nenhum oficial do consulado lá fora. Existem apenas pessoas esperando para entrar. Ficam mais quinze minutos ali e a fila não avança. Às cinco para as dez, a Senhora Collins liga para alguém no consulado. Ela explica o problema para ele. Paula fica preocupada quando a

Senhora Collins tem que pedir horários diferentes para um encontro.

Depois de falar ao telefone, a Senhora Collins diz que elas faltaram ao encontro às dez. Elas têm que esperar até as duas da tarde por m encontro.

(44)

Ela diz: "Mas não podemos sair dessa fila. Temos que esperar até chegarmos à porta. Temos que fazer fila por quatro horas."

Paula está deprimida. Ela diz: "Sinto muito! Mas acho que temos que fazer o que temos que fazer."

A Senhora Collins diz: "Essas coisas acontecem. Isso é sociedade e burocracia. Mas tenho algo para comer na minha bolsa. Podemos comer algo aqui na fila. Não se preocupe. Vamos pegar seu passaporte.”

Paula sorri e diz: "Os outros alunos disseram que eu ia ter uma experiência interessante, só você e eu. Você poderia ser meu guia particular."

A Senhora Collins: "Às vezes a vida é irônica. Mas, não podemos dar um passeio agora. Mas posso falar sobre o que vamos fazer no final da tarde. Conheço alguns lugares especiais aqui no centro que gostaria de mostrar a você ... Escute bem..."

Paula e a Senhora Collins conversam sobre o centro do Rio e muitas outras coisas na fila pelas próximas três horas. Aos poucos, a fila avança e elas se aproximam da porta da frente.

Paula pensa: "Esta foi uma experiência realmente interessante."

(45)

À uma e cinquenta da tarde, elas chegam à porta. Os escritórios fecham às quatro. Restam apenas duas horas.

A Senhora Collins fala com um soldado do lado de fora da porta. Ela diz que o Senhor Roberts tem um encontro às duas. O soldado diz que Paula e a Senhora Collins devem acompanhá-lo. No portão, elas têm que entregar seus telefones celulares e passar pela segurança.

Elas esperam na recepção com o soldado. Ele não sorri. A Senhora Collins e Paula sorriem e dizem a ele que Paula perdeu seu passaporte quando estava tentando ajudar outra menina doente. Agora há um problema. Seu vôo é no dia seguinte e o grupo depende dela.

Paula diz com voz nervosa: "Queremos voltar para casa amanhã." Ela parece preocupada.

O soldado pergunta de onde elas vêm.

“Nós somos da Pensilvânia. Da cidade de Altoona. “ O soldado diz: “Eu também sou da Pensilvânia. Da Filadélfia.”

As mulheres se apresentam: "Eu sou Sandra Collins, sou professora de português e líder de grupo.”

(46)

O soldado diz: “Meu nome é Jamal Wilkens. Não conheço Altoona, mas conheço um amigo lá, Deion Smith. Ele diz que é muito diferente da Filadélfia.”

"Sim", diz a Senhora Collins, "Filadélfia é mais parecida com Rio do que Altoona.”

O soldado e as duas mulheres conversam sobre o Brasil por alguns minutos, aprendendo português, Filadélfia e

Pensilvânia em geral.

O soldado diz que o “mundo é pequeno.” A Senhora Collins fala pra ele que o português dele é bom.

Jamal Wilkens diz a ela em português: “Obrigado, estou aprendendo um pouco aqui. Gosto de aprender frases assim.”

Neste momento, um homem chega e diz a eles que o Senhor Roberts teve uma emergência e não pode ajudá-los hoje. Elas têm que voltar no dia seguinte.

A Senhora Collins diz: “Mas, senhor, também é uma emergência. Tenho um grupo de quinze alunos que dependem de mim. Nosso vôo para os Estados Unidos é amanhã.”

“Senhora”, diz o homem calmamente, “há emergências aqui todos os dias. Vôces têm que voltar amanhã." E vai-se. Isso é demais para Paula. Ela começa a ter lágrimas nos olhos e a respirar pesadamente. Ela não pode acreditar.

(47)

"Senhora Collins! O que vai passar? O que podemos fazer? O grupo vai para a América amanhã. E eles dependem de você. Precisamos mudar o vôo do avião? Vai custar muito dinheiro? O que meus pais vão dizer? E a fofoca nos grupos! Eles acham que sou sua favorita e agora tudo ... é ... minha culpa.”

A Senhora Collins está calma. Paula fica muito

impressionada por conseguir ficar calma em uma situação como essa. Ela está pensando.

Jamal Wilkens observa o que acontece e diz: “Senhora, posso ver que você está em uma situação difícil. Eu

conheço outra mulher que trabalha aqui. Posso ligar e ver se ela tem alguns minutos para falar com você. Está bem?” "Oh, Sergeant Wilkens, se você pudesse ... por favor." Paula fica mais otimista.

O soldado chama a Senhora Davis e explica o problema. Ele escuta ao telefone e pergunta à Senhora Collins: "Ela quer saber se você tem uma fotocópia do passaporte e outros documentos relevantes.”

"Sim, sim, temos tudo o que precisamos.”

Jamal Wilkens disse que a Senhora Davis virá em dez minutos, mas ela não tem muito tempo.

Paula e a Senhora Collins dizem: “Muito obrigada! Você nos resgatou.”

(48)

A Sra. Davis virá em breve e está muito impressionada com a organização e preparação da Senhora Collins em ter todos os documentos necessários para obter um passaporte temporário.

Uma hora depois, Paula tem um novo passaporte com validade de apenas um ano. Mas ela pode ir para casa! Ao saírem do consulado, Paula e a Senhora Collins dizem: “Muito obrigada!” A Jamal Wilkens e a Senhora Davis. Na rua novamente, Paula consegue respirar e sorrir.

"Oh, eu tenho boa sorte, Senhora Collins. E muito obrigada a você. Posso dar vôce um abraço?"

(49)

CAPÍTULO 10

O QUE EU REALMENTE APRENDI!

Com o estresse do consulado atrás dela, a Senhora Collins diz: “Bem, Paula, somos você e eu no centro do Rio. O resto do grupo não aparece até as 7h30 para o jantar. Temos três ou quatro horas livres. Faz um bom tempo. Gostaria de dar um passeio e fazer um lanche?”

Paula diz que sim, mas pensa: “Que sorte! Tenho toda a atenção da pessoa que mais admiro em uma cidade exótica.

Paula acha mais relaxante não estar em um grupo grande com um passeio com horário fixo.

Paula e Dona Collins dão um passeio pelo Bairro da Lapa, provavelmente um dos mais históricos do Rio. Elas passam por Los Arcos de Lapa, um aqueduto colonial construído pelos portugueses.

No bairro, há muitos lugares para comer. A Senhora Collins diz que conhece um restaurante na direção da Catedral. O restaurante serve chá da tarde. Segundo ela, os pequenos pratos brasileiros são servidos com um mix de influências de outras partes do mundo, incluindo comida asiática. Paula exclama: “Sushi brasileiro?

(50)

A Senhora Collins diz: "Sim, mais ou menos.”

Quando Paula olha o cardápio, ela diz: “O mundo da comida também é pequeno. É tão globalizado. Cada país tem sua tradição e identidade, mas ganha algo com as influências de outros países.”

A Senhora Collins diz: “Admiro a maneira como você vê as coisas. Você está aprendendo as lições de explorar outras culturas.”

Paula sorri e diz: “Obrigada.” Mas pensa por um segundo. “Senhora, me sinto muito melhor agora. Ontem foi o pior dia. Todo mundo estava fofocando sobre mim. E eu entendo. Foi um incômodo e afetou todo o grupo.”

"Senhora Collins, gosto quando você me admira e não é segredo, acredito, que eu admiro você também. Mas ... você sabe como são os meninos. Existem fofocas. Dizem que sou "a favorita" da turma e agora a “líder estudantil” dessa viagem ... bom até ontem e aquele passaporte idiota. Tinha muita vergonha de perder meu passaporte e pior, perder o respeito dos outros. Nosso grupo e o grupo de Connecticut não têm muito em comum, mas eu queria ser uma embaixadora entre os grupos. Eu admiro uma das meninas do grupo dela, Brittany, mas depois do fiasco do passaporte, ela me ignora também.”

A Senhora Collins escuta atentamente as palavras de Paula: “Você sabe que tento não tratar os alunos como favoritos.

(51)

Mas, como você sabe, admiro alunos que aprendem pela alegria de aprender, alunos que são curiosos e querem fazer algo de positivo no mundo. Você é essa pessoa, e há muitos, mas nem todos são. Você, como eu, é humano e cometemos erros. Não te preocupes. Você não tem que se

desculpar por nada.”

Paula sorri: “Gosto de saber disso. Isso me ajuda muito. E essa menina, Brittany… ela me inspira a querer passar mais tempo no exterior, talvez em outro país da Europa ou em outra parte do mundo. Gostaria de morar muito tempo no país para conhecer melhor a cultura e passar um tempo tranquilo, como agora, aqui, com você. Obrigada por esta experiência.”

“E, Senhora Collins, eu aprendi muito durante esta viagem. Mas o mais importante não é toda a cultura e Visitas,

embora tenha sido uma experiência maravilhosa. O mais importante é ... aprender que você não pode saber como é em outro lugar se não for pessoalmente. E aprendemos coisas importantes com os problemas e dificuldades. Foi um choque não entender muito de português no primeiro dia. Foi uma pena perder meu passaporte e incomodar os outros. Você me ensina português e cultura brasileira, mas aprendi muito ao ver você reagir com calma em uma situação difícil.”

A Senhora Collins sorri e toca o ombro de Paula.

O grupo voa para os Estados Unidos no dia seguinte, com muito o que conversar, muitas fotos para divulgar nas redes

(52)

sociais e a necessidade de dormir e descansar alguns dias após uma viagem longa e interessante.

Os pais de Paula estão mais interessados na história do passaporte perdido do que em museus, catedrais e comidas exóticas.

Haley se interessa por tudo, teleféricos, catedrais, cataratas, museus e, principalmente, pelas lições que Paula aprendeu com amigos.

Paula está confiante em conversar com Haley sobre tudo. “Haley, gostaria de viajar com você um dia. Eu acho que você gostaria.”

"Quando eu sair da casa dos meus pais, será diferente. Terei oportunidades.”

"E eu tenho que me desculpar com Derek. Eu fui má com ele. Não tive paciência com ele. Eu queria que ele fosse exatamente como eu. Mas ele aprendeu muito durante a viagem. Não fui muito amigável com ele. E eu admirei

aquela menina Brittany, e ela não foi muito amigável comigo no último dia. Bem, às vezes a vida é assim.”

Quando Paula chega em casa depois de falar com Haley, ela recebe uma mensagem na mídia social de Brittany.

“Oi Paula, quero dizer que gostei muito de te conhecer e não me despedi de você no Brasil. Os outros do meu grupo ficaram chateados com você e eu não defendi voce. Eles

(53)

eram imaturos e hipócritas ... e eu também. Peço perdão. Sinto muito. Não pense mal de mim, sou humano como todo mundo. Eu gostaria de ser seu amiga e conversar com você sobre nossos planos de viagem no futuro. Boa sorte no próximo ano.”

(54)

About the Author

Brad Martin has been a language educator and world

traveler for over four decades. He lives in West Virginia with his wife, Lisa. He has “lit the fire” for numerous students over the years to enjoy acquiring proficiency in language and explore the world. Brad and Lisa are the parents of three sons who also have “the travel bug.”

(55)

Imagem

Referências

temas relacionados :