• Nenhum resultado encontrado

Módulo 3

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Módulo 3"

Copied!
80
0
0

Texto

(1)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM I

Módulo 3

O Território e a Vigilância em Saúde

Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde

Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde Fundação Nacional de Saúde

Fundação Oswaldo Cruz

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE AGENTES LOCAIS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

(2)

Governo Federal Ministro da Saúde Humberto Costa

Secretário de Vigilância em Saúde - SVS Jarbas Barbosa da Silva Junior

Secretária de Gestão do Trabalho em Saúde e Educação na Saúde - SEGETES Maria Luiza Jaeger

Presidente da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA Valdi Camarcio Bezerra

Assessora de Recursos Humanos do Projeto VIGISUS Jurema Malcher Fonseca

Presidente da Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Paulo Marchiori Buss

Diretor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio - EPSJV André Paulo da Silva Malhão

Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em Saúde - PROFORMAR Coordenação Geral

Carlos Eduardo Colpo Batistella

Coordenação Técnico-Pedagógica Carlos Maurício Guimarães Barreto Grácia Maria de Miranda Gondim Maurício Monken

Gerentes Regionais Ana Júlia Calazans Duarte Claudete Vilche Fonseca Gladys Miyashiro Miyashiro Gilberto Estrela Santiago Mauricio De Seta

Mauro de Lima Gomes Nair Navarro de Miranda Secretaria

Aline Andrea Pereira Aline Macena dos Santos Denise Ribeiro da Costa Rafaela Silva Duarte

(3)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM I

Módulo 3

O Território e a Vigilância em Saúde

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE AGENTES LOCAIS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

(4)

cha técnica

Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em Saúde PROFORMAR - EPSJV

Av. Brasil, 4365, sala 313 - Manguinhos CEP - 21045-900 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil Tel: (21) 2270-3319 I (21) 2270-3479

www.epsjv. ocruz.br/proformar

Coordenação

Samara Lazarini Bon Copyright ® 2004 by

Todos os direitos desta edição reservados à FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

É permitida a reprodução parcial ou total desta publicação desde que citada a fonte.

Concepção grá ca e editoração

Mediactual - Marketing Comunicação e Design - mediactual.com.br Produção Executiva e Editorial

Augustus Almeida Equipe convidada

Adriana Seixas Magalhães (Administração) Gustavo Monteiro (Ilustrações e “Avisa”)

Romualdo Vieira da Silva (Assistente de produção) Samara Lazarini Bon (Revisão)

Logomarca PROFORMAR Alexandra Borges

Sérgio Murilo Thadeu Catalogação na fonte

Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Biblioteca Emília Bustamante

E74t Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Org.)

O território e a vigilância em saúde. / Christovam Barcellos, Luisa Iñiguez Rojas. - Rio de Janeiro : FIOCRUZ/EPSJV/PROFORMAR, 2004.

80 p: il. - (Série : Material didático do Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em saúde; 6)

1° Curso de desenvolvimento pro ssional de agentes locais de vigilância em saúde. Módulo 3.

ISBN 85-98768-06-5

1. Vigilância em saúde. 2. Processo saúde-doença. 3. Condições de vida e situação de saúde.

4. Território. 5. Geogra a da saúde. I. Barcellos, Christovam. II. Rojas, Luisa Iñiguez. III. Título.

V. Série.

CDD362.10425

(5)

autoria

Autores

Christovam Barcellos Luisa Iñiguez Rojas

Revisão Técnica desta edição Angélica Fonseca

Grácia Maria de Miranda Gondim Isabel Brasil

Luisa Iñiguez Rojas Márcia Valéria Morosini

Revisão Português Fernanda Veneu

Parceria

Educação à Distância - EAD/ENSP

Pesquisa de imagens Ana Lúcia Pinto

Carlos Batistella Maurício Monken

Fontes das imagens Agência Globo

Assessoria de Comunicação - Presidência da FIOCRUZ Casa de Oswaldo Cruz / FIOCRUZ

Laboratório de Tecnologias Educacionais - LabTEd/EPSJV/FIOCRUZ Acervo Bertha Nutels

Mapas

Christovam Barcellos

Imagens de satélite

Universidade de Brasília - UNB

Satélite Landsat da Nasa-USA (1995-1997)

(6)

Unidades de Aprendizagem

M o m e n t o p r e s e n c i a l

M o m e n t o p r e s e n c i a l

I II III

Módulo

1

O SUS e a Vigilância em Saúde

Módulo

2

O Processo de Trabalho da Vigilância em Saúde

Módulo

3

O Território e a Vigilância em Saúde

M o m e n t o p r e s e n c i a l

! de Vida "# Módulo

4

Trabalho e

Ambientes Saudáveis

Módulo

5

Informação e Diagnóstico de Situação

M o m e n t o p r e s e n c i a l

Módulo

6

Módulo

7

Planejamento em Saúde e Práticas Locais Educação e Ação

Comunicativa

Trabalho de Campo (TC1) Trabalho de Campo (TC2) Trabalho de Campo (TC3)

# e Proteção

(7)

prefácio

Para que a sociedade exista, é necessário adaptar o espaço em que ela se desenvolve. O

$%"&"'*+ $

$ <=%"+*%" *%"

+$>$<<

$$$ <

?'&""+""$$ @"

&"$H" &"&"+@$ $K

$ Q<

?W" XQ+&"" @"+ Y +""> ["W >$ $#

$ Q<

\">$$# ] $[ Y

$" >%$ $$" $#<

^$ 'W #$ "%

&" """$#$$ W

$ $ Q$ W "#" <

^ W $&"$%!

<?$$$>"#!

#+Y"""%"""$ >

$%$" &"* $ $

&"" "&"$ "&"<

_"+"$ &" '["

$ $["+ "

" $&"$ Q

"$ "%<

W+&" #&"$ +"&"

<

_"'#"" ""' [

$#"W $ Q W$W"Y "" [""

'&"$+ $#W<

$#*@&"$>[@

$@#" #% $

"$"&"*$

""<

`"&""*"" $<_>#"

$+$$*># '$[<

k #$"$$<

Luiz Jacintho da Silva

Professor Titular de Infectologia, Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

Superintendente, Superintendência do Controle de Endemias, Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo.

(8)
(9)

sumário

TEXTO 1

1. Território e a Vigilância em Saúde 1O 1.1 Lugares e Transformações 12 1.2 Lugares, Territórios e População 24 1.3 Territórios, Condições de Vida e Situação de Saúde 40 1.4 O Território na Saúde Coletiva 50 1.5 O Território do AVISA 12

TEXT0 2

2. O mapa como ferramenta do AVISA 58 2.1 Introdução 60

2.2 Fazer mapas: por onde começar? 62 2.3 Interpretando os mapas 64

2.4 74

76

78 Anotações 80

(10)
(11)

O Território

e a Vigilância

em Saúde

Christovam Barcellos Luísa Iñiguez Rojas

(12)

12

1. Lugares e Transformações

W"$ <

$' &""$>

K "

"$ $ $ <^>$&" '+

$$&"<

`$@ "!>

$ "$+ <

# !"%>

$ "&"@$

$"<x"+$[+

$>!

#"$+ "#"

<x!""$

$<OOOOOOOOOOOOOOO

(13)

13 Imagem de

satélite, da cidade de São Paulo (1), 1995-1997.

Imagem de satélite, da cidade de Manaus (10), 1995-1997

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

(14)

x ' [

"+$ $$" $ KH<x

&""

>$<

(15)

` +""

@"$>

!><?$

X"$ >

<

(16)

16 ?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

_"%$>[

$><|' [

&"$>%$>

+ $ "

!"<Como?|

@# $##

[ <? ?

\+$""$

&"#<_+" <

_$ $<Está fazendo frio lá? Como será o trabalho dessas pessoas?

x"$ ]

$ }&"x

|<@ #"<O que as pessoas estão fazendo? O que comem? O que estão vestindo?

E como será que o Brasil aparece nos jornais de outras partes do mundo?

‚"@>`K

>"<\&" #

@# "&"K X $%"$[&"

&"%<

x>!>"<

\##>$$<x'

"&" ""$$

$@" "<`$

"#$$'$<_ # "[Q"$&"'"

""+ $ $"

$%" <\&"

$&">

$<

(17)

17

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

^" "#ƒ„

$$[

<^$ "[$

"$ "@&"

&"<?"$&"$"

$""$ $ <

_+$>"

<x'"+ &"

$@" "<

‚"" #…> %

"@#"…}$

$!&"'$>%

"#$[ $[<^""

"$$"#

$" $<†@$$"#

"'$!"$

] &"X"$ !<

"#$

>>!$

" H"<}$&"

#"<"""$

"# <

"'>‡ ˆ&""

<"""$

""<' H

"$"+$"

(18)

H<_+"+">

>$"$<\&"#@

'$$"+&"

"""<$<}@

$%<‰%$<K

&" > <

|$$$ >%

$ "$% <

$ ! "$

$ ""<}"> <x+"

"&"$$$"$$<

(19)

19

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

$ "

> #&"$ <

$

> <#'> W $+

%H"'$<‚"

"> $

$$ um lugar&"

uma localização, uma forma+

uma função. ‚"&"@ H"'<

\ƒŠ‹‹‹„%&"""

+>$ ‚""

$"&"$ $

# '$$

"> @ <\+$

&"''+H"'<

XFluxos

#

"# &"

# lugares, aos territórios.

?H"'$

>"%

Q>!

produtos, de pessoas, de

"W ""

+<

xH"'$+

'$

W H"' + <_

#"

deles pode, se não

>

""

+$$

&"

pessoas, desde poluição

$

$$#

doenças de outros

"+&"!

] +

"

drogas.

X Fixos

#

@&" $!

$""

"W<

"Q <

$ "[

$Q

>

"W <^$

" %!

W>"#

&"

"@

$$"

" $

$"#"

da doença.

(20)

Veja como você pode começar a investigar a estrutura e

funcionamento do território a partir do seu próprio dia a dia. Faça uma lista de algumas atividades que você realiza em um dia de trabalho. Escreva ao lado onde realiza essas atividades e o horário.

^$ $$@ &" X

"$"<x" X "$" $<x"$

$ $<

_Q&"$ X" ""<x

$$"">""

" X <x@#$'W<\$

$$"<?@#>&"

"$[<*%$ " &"#

#&" %<x+"@<

%+$@ W

$[" >"

W" W<

_ >+

]"<

....

....

....

Atividade

\ Ponto

....

....

....

Local Horário

ŒK*ŒK{

ŽK*ŽKŠ

....

....

....

(21)

_ "objetos

" [""$<‚">

>"# >

H"''<x@WX

%#H"'&"#@<

XObjetos

€$

@

$&""

"> "

$#"+

" $ @ <

XObjetos

W>\

@

#"&"'

"$>[

toda herança da historia natural e todo resultado

$"#"

&" %"<

#@W W"

""

"$"$+

"H"

$#"

""<

_&"&" >

"

de sua vida. O espaço "$!

@'

"'# ["

' #<?

uso deles pelas pessoas

$$ %

!"

$$"%"

$ X

""%#

&"$

$"<

(22)

22 ?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

_+" $ "W

$ $W"H"' W<‚"$ $

&"">X&"$$

$""$

$"&"<

x#H"'&"&""

"$ƒno caso do controle do dengue, por exemplo„<\&" $##

$$W<#$

""'$@ƒinfectadas pelo vírus do dengue„$

$W'""<"$

K"" "&"

["$W "

$"$["'"

$$'+$ $&"<

#$

"W$ $ "

$<$ !" '<

}&"%&""@""H"'$

"#$$" ' !@"@""

"$<

OOOOOOOOOOOOOOO

(23)

OOOOOOOOOOOOOOOOO

OOOOOO

OOOOOOOOOOOOOOOOOOO

O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O O

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

OOOOOOOOOOOO

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

(24)

24

2. Lugares, territórios e população

@W"$

"&"

#+W<_$" "

$!&"$W$

"

" Q!"<

€&"W$

"$"$

""<Q !$[

"$"&"

"%> "[<^>

W +W

$'"&"W<'$

(25)

o território +'#~$

`YW"ƒ26 estados e um Distrito Federal„#&"$

+>$>

" [$ƒmais de 5.500„#>!

&"#" <

x" $Q W

@$ [ $

"" [ <'$

`' !K"

"Q?<"

<x'"

W W&" $ _%]< >

X"$ "

] &"+

$$"

\#\€<

Fonte: DATASUS, 2004.

Elaboração: Laboratório de Geoprocessamento da Fiocruz

(26)

Hierarquia de territórios: O município de Guajará-Mirim, o Estado de Rondônia e o Brasil.

Fonte: Laboratório de Geoprocessamento da FIOCRUZ, 2004

(27)

27

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

?$ W$

+$> <x + "#>"#

"+$ <?

+"!

" [$&"$#

+&"[

$$"!$<

x!"!#

$$[$ "$@

]

$[ """"<x$

'+ "

&" $<\&"#@

[&"#'>%

"$#@ $

$$"!$' + <$ &"@

"$ &"# $%

>%$

&"<x#W#$

$" "[ <#"

"$ "

$+""#>%

$<

O território é sempre um campo de atuação, de expressão do poder público, privado, governamental ou não governamental, e, sobretudo

populacional. Cada território tem uma determinada área, uma

população e uma instância de poder.

(28)

?> W"$$"##

&"%&"@">"[

W<_$ $>$$"!

"W#$$"!""<

"$+

"$><}$$

+ ++#<

_$>

><

x %#$$"!"

W#+" $< $

$ W "$#$$#

W" &"X>

@"<^>"

"%#" $"

" $ [ ] "#$ $"<

(29)

29

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

_"" [$&"

$$"#+"$

">&""

$>""

$" %Q

>[ " ] Q"$

<&"$

"$ !$"%#

"<

x$ + segregação

espacial. &"%$"

$#$ +"$#&"

%$ <

' ["X $#

" "$

$ ! <

OOOOOO

(30)

30 ?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

Nos espaços menos

favorecidos, onde moram grupos sociais mais desprotegidos, os

problemas de saúde são, em geral, mais frequentes.

^"" [$

$[$$"#"$

!><+

'$%$&"$$

[ $"

"&"

" #&">

"<^"$

'$>"X'

$" " #

#$ # >

<x" [$+

$$$"!

<#W

$' ‘ Q !<

W[W"

@`_%" [$

"~’" [$

^"&"'"~€"

" [$_<\ !

##$

$" [$<x !$"

$$W'&""%+

" <

(31)

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

OO +' [ "

"$&""

""#&"+

!<'$~#

Norte (Amazônia„ "$'~#

"<x#$

$$$"# "

! ! <~#

!$"#$&"

&"$>% <"'+$

&">%">"+$ " <

\&"# W &"&""+ $%

>$$"!

"&"$ 'W

<x$$"!#'$

(32)

32

$&""

\W"} " &"+"

&"#"$

"&"["$"$!

#Q<[

$$" "

$# "[

$ <?>

&"$ $$ #

""K

" $

<>$

">$ &""<

'$

>! X$+

3 - Território, condições de vida e situação

de saúde

(33)

33

<'"[

#$<

' !$W' >

#$<\>"

$><

Veja, na Figura 1, >$

$"# !<

x Q&"

ƒcomportamento„X"

$$"# $<

Q

" $ <?"+

&"&"'$! $ vivos (bióticos„"#ƒW „$

Figura 1

Modelo de interação de fatores condicionantes da saúde

Fonte: Blum, 1974.

(34)

34 ? Q\W"“Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

'$ #"

<\ @>[ W"

>"

>$ [ W $>!<

^ Q&""

>!##

$W'

"<_ "#

"+&"'

$$"##<

"[+$ $

@ƒhabitações, ruas, supermercados, etc.) $ !>!

"#'$"&"

&""% "

$"<^$

&" $

$$"# #"

$"#<Q!""!

" $&"""

[ ""

"<

_$+"

+["""$

<x$! ""$"

"<_+

! *

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

(35)

35

>"!<>"

$ <?+ $

>$&"&">ƒ"#„

&"$"%H" $! "

<? $

" W +H"

W>"

""<

"

"&"X"K"

"[ "$ (Figura 2). x">$

$$"+$ $#

ƒ "„$<x+"

$ "$$<%

$ $## >

>$ [">"#

$>Q ] W

$ W <#'$'$#$

&"$"%*

""[

"""&"

$ <

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

(36)

Figura 2

AMBIENTE TOTAL E SUBSISTEMAS

!"##"$

_> &"$"%

$"%"! "

"" !<

_+$"#W $$"#"

X$"# W "

] X "<

"'$! ! $$

"$$"#"W<

(37)

37

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

_$ # Q@ %"&""

""‘

!#$>W %$$

[# $<"

%"# ] "

>$&"&">$

"$! "

" <

$"# X ""

"""$ [#

! X

$ " W &"+

$ $W>"

""<

%%&"##'$

Figura 3

DIMENSÕES DAS CONDIÇÕES DE VIDA

(38)

38

&"$'$!

"!&" "$@" "<

"[

<W$"

$"% <_'$#"!&"

$@" #+

[">[">

$!$""!

" "

!'$#$ <

(39)

39

?" !>

# $$

#""

$ H $

$> " ] <#"

!$ "

"Q"

&"QX%

* <

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

OO

OO _ !"$

W" @"$

>!&"$<

x !$"$$

>$ $#"!%!

>#>$W$$$"#<

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

(40)

40

4. O território na Saúde coletiva

WW !K$"

%"base territorial,&"

&""#""

W #X &"

X[#K$

" (Figura 4 e Quadro 1).

"%#$

+>"

reconhecimento do território, ou seja, $%#

$$"!&" !

$$"#>"!&"

><$"

(41)

Nível de atenção à saúde Unidade de saúde Abrangência

Primário

Secundário

Terciário

"

†$

†$$ %

L

ƒ" [$„

\

ƒ" [$%„

Regional

ƒ" [$„

QUADRO 1

ABRANGÊNCIA DOS NÍVEIS DE ATENÇÃO

FIGURA 4

NÍVEIS DE ATENÇÃO

Fonte: Adapatado do Manual de Programação de Estabelecimentos Físicos de Saúde, 1994

W W

REFERÊNCIA

CONTRA REFERÊNCIA TERCIÁRIO

SECUNDÁRIO

PRIMÁRIO

Hospital Base

Policlínica Hospital

Geral

Policlínica

Posto e Centro

Posto e Centro

Posto e Centro

Posto e Centro

Posto e Centro

Posto e Centro

W

W

(42)

42

[ WK"

$ $$" +"<_$

&""" [$X

> !<x X "$ "&"

"$

!$"%Q"Q<

&"

desigualdades $ #iniquidades. Por '$"$$

>&""W">

$$" >$$#"

$"" <

x# [ estrutura da população<_>>&"X

$ "$

$$" W#

$>"&"<

_$$" $ +" &"X $

<_"#""$$$"

"W"$

$ &"

%$>Q<+

> "$

?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

(43)

43

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

$ $W &"

$"#

$ &""<

_>&"X ">>

'$> $ !

&""W(Figura 5) .

FIGURA 5

ESQUEMA DA SITUAÇÃO DE SAÚDE

Fonte: Adapatado de Castellanos, 1995

\

Situação de Saúde

RESPOSTAS SOCIAIS

(44)

$>% +$

>" ""W ! ] ""

$$"!&" "[

# "$""<

^$ @ H"'W<

$ $$ "

$$ !$"%Q"Q

< +"

""$#

&"">" W$

$ <$

&" $#território na saúde, "# """$[ Q

&"> " #

$"#"

'>$<

(45)

45

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

W#+$

"@Q'Q +"QH"'Q" <x

> >

$<_"%

"W$

""<x"$ "">

W< >&"

"$"@ >

<} "%

$&" @"

" [$&" regiões metropolitanas.

Região

Metropolitana do Rio de Janeiro.

Formada por 17 municípios com mais de 10 milhões de habitantes.

Imagem de satélite, da cidade do Rio de Janeiro (2), 1995-1997.

(46)

46 ?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

OOOOO

OOOOOO

$&""#

> $ &"

"">&"X Q #+@

$""<+$"

W$$"#+

&"<

'$"" [$"

(com predominância de população rural), as pessoas ""

<_+

$[<x$

$[&"$&"&" "

$#><x#"&"

W&""

#"<$[$"

> $" [

#$" "

+"

$ $[ <\"%

"$"W W$[>"

$ $"$"<

'$"" [$"

(com predominância de população urbana)&"

" #<

_"$+$ "

(47)

47

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

< !

$ "W# $'

$<x$$"#

de mobilidade populacional+"$

$ <

#H"'$>W

&" "$$"#

"$ Q$'$

""

<x$$"

#W+>$"[$

$W+$$K

#(chegada de pessoas de outros territórios)

"#(saída para outros territórios). Quando o W""$

$

&"$'%#$

$ $ <

OOOOOOO OOOOOOOOO

(48)

48 ?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

x"$ >]

"&"" !>

$'$ "&"

$ "$ $

!">" "$#"

" "'$

""!<^W>[

$$$" $

" !# "

'+$

<&""!#$

&"X $$"!<

?$ &" W

"$$"%"

"$&"&"

$ $&""

$[$<?

$*>

"<

$$$"

"""

Q$W " " Q&"+$

$ "$

<

OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

OOOOOOO

OOOOO

(49)

1 :: sempre tem limites que podem ser político-administrativos;

2 :: contém as relações entre seus habitantes;

3 :: é uma construção social em permanente mudança;

4 :: é relativamente homogêneo internamente, com uma

identidade, que vai depender da história de sua construção;

5 :: e o mais Importante: ele é portador de poder. Nele se constroem e se exercitam os poderes de atuação tanto do governo como de seus habitantes.

Em resumo, o território...

(50)

50

5

.

O território do Avisa

_%+ |&"

\W"ŠX"># # W<?" [$$[>

+' $ #$[

$ descentralização. Nesse território,

$ $integração

das ações "$ $

>&"!$@

+ !$$"!<_

%!"$ [$

regionalização e hierarquização

""@""#

"&"$+ >[

" <

(51)

51 _+"$ [$%#

|+substituição do enfoque de doença pelo enfoque território-população.

O O estado de São Paulo e a regional de saúde de Campinas.

OO município de Campinas na regional de saúde de Campinas.

OO município de Campinas e o distrito sanitário de Florence.

Fonte: Laboratório de Geoprocessamento da FIOCRUZ, 2004.

1

2

3

Portanto, o território é a base do AVISA, é a sua área de atuação. A delimitação desse território pode:

O A" [$ _}_""

X <

O " [$

\" $<

O $"" [$ &"""

"# \" $W<

(52)

52

O No primeiro W&"" @"

" [$$$

<

O No segundo,W+"" [$Q

X \" $<

O No terceiro,W$""

" $&" $ *X """

" [$" $_•%

"#$ """<

?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

(53)

53 Portanto, o território do AVISA depende do tipo

#|<?

W#'$$W$>"

""|<?$$$' "#

_}_+

W+>%"" [$"

"$<x>!

$$>"$&"

_}_<#

"+ $<

?_}_ $#

""#"W< "#

$ƒnão é uma delimitação formal), o território _}_"$

"++

$ &"$"%

$ $$"#&"

<

$+ "#

"!#

&""$

$ >>!

$$+

#$ " "!

$$ "$"#

$<

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

(54)

54 ?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

<x'">#

!$

$$"!

W<x+">>

#""&"$ "W (município ou área de abrangência de unidades de saúde„ !><

Então, como será a atuação do

AVISA nesses bairros?

Os problemas e necessidades

em saúde são diferentes?

As estratégias de vigilância

serão diferentes?

"W_}_

"Q&">

"!"$$$" <_"

$_}_$

"W+ >

" ] $$"!

&"$ $" "#<^

#"#&"##

!$[ Q#$

$$" X !

"!#<

W_}_$'

" &"

"$"<

+ " "$#

" $

<

(55)

55

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

A heterogeneidade (direrença„" $

ƒ" [$„" $ƒdentro de um município„$ >"!

_}_<?$rimeiros critérios desta diferenciação são os de

K

O população ou número de habitantes;

O superfície ou área.

^>W_}_$

%&"]&"ƒkm²), "W@"$"

" [$"$" &"]&"

W>X ""

<_$$"#@ _}_$

" <_

densidade de população ( % „+

$"#$$"#

< +"

$&"]&"<_

+">&"@"

> "%

W<

?W+" $'

$"#$$"#<'$

">"

$" <x

$!$X"#

" #&""

"$$$" $$

$"#"#" "

<

(56)

56

?"$$%#

_}_+ #"W&"

#"#$<$

&""W@@$

_"

[ƒPACS/PSF„&"' $W

"<_

"_}_

$#$<

?W Q\W"{Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q~??~\_~

Recordando...

Os primeiros passos para o reconhecimento do território do AVISA são:

1 :: Fazer uma lista de bairros, ou localidades ou municípios que formam a sua área de atuação;

2 :: Traçar em um mapa os limites dessa área de atuação;

3 ::

de condições de vida e ambiente dentro dessa área.

Exercício ^"W<>%

""&"$

"W<_

" &"<

""$"$&"

(57)

57

~??~\_~Q|}^_^x^x_~x^}_€x\}Q\W"{Q?W

# "W"

" !$ $$<

x+"$$$

WW""#&"'

"$>%!<

Mãos a obra...

|'$ +$>

seguir:

_"ƒcentro urbano, periferia, favela, fazenda, assentamento„@">W _}_<_!>$@"

% $<

Localidade de Santa Rita

Fonte: Laboratório de Geoprocessamento da FIOCRUZ, 2004.

(58)
(59)

O mapa como ferramenta

do AVISA

Christovam Barcellos

(60)

60

1. Introdução

‚"$ %#"

$&""+"$<

|>"! $+"

$"<?Q

$ ">!"

"! $ #<

$'$ "$"

$&"'$

$'"&"

!$W'""<

(61)

$$ "

>!&"$$<

'

$[ +

$ $$""%

$"<x+$

""[ $W '<

\"%'$$

$$$<_$

+"$<?'$" "

$<? $$$

&"X < >!@"

$ $<x ++$$$@

" $$

""#' > <

Claro que esse mapa vai ser melhor se tivermos as seguintes condições:

O| <?$

"$ &"

$[ + #

$ # < <

O`$<x

$&"<

$[$$&"

$@"$<

(62)

62

2. Fazer mapas: por onde começar?

Q $

$$#$ $

>" W<

?_}_"WQ"

"#<x""$>[

&"]&"$<

$W $"$

%}>!

<x}>![

#$$$Q

'$" <Q$

&"$$" [$

> <

$#$

$>!' [ '“<

(63)

X$$"

… X$ @"

$$ … $

&"$"">$$

"[<

?&" XXdesenho 1?

x&""$&"#

W$…">!

$$<x$"

> #@<

Vamos tentar de novo!

O desenho 2 "$" <

> "$"

$ >"<

\>>!&"@"

%$$ $&"&"

# "W<

|$$+ >X "#<'$#

Agora, no desenho 3, X$$

$"

&"""$ <"

$<

|$+"">

%##>!<

$$&">%$XQ#

$#$<

X&"W‡+ ˆ…

@'+&"$[

+ >% &"W <_ $ "$

+"+$ XQ<^

$X$ "

>!$"<&" " #

>+ "" + $

$%"$"#&""<

Fonte: Laboratório de Geoprocessamento da FIOCRUZ, 2004.

Referências

Documentos relacionados

Um estudo centrado, por um lado, no impacto da informação televisiva sobre alimentação e doenças cardiovasculares nas interacções familiares, e por outro, na adopção de estilos

Borboletas vivas com modificações do padrão das asas; e detalhe do padrão induzido pela artista.. Para tal utilizou moléculas de ADN associadas a compostos fluorescentes para

O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações, do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, da

MARANHÃO ATA

[40] Uma hipótese implícita quando o método de captura-recaptura é usado para estimar o tamanho de uma população é a de que quando os indivíduos são marcados no processo de

1 Y también por haber nacido fuera de todo lo natural, con el pelo de color rojo, bastantemente crecido, como queda ya advertido en la nota del v. ¿ Quien no calificará

Neste sentido consideramos importante refletir, no INCTE 2018, sobre o desenvolvimento da lite- racia emocional dos professores e no modo como as emoções interferem na ação educativa

A reabilitação dos cenários compreende uma série de ações de resposta aos desastres, de caráter emergencial, que tem por objetivo iniciar o processo de