ESTATUTO DA EMAB ESCOLA DE MAGISTRADOS DA BAHIA TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, FINS E ATIVIDADES. Capítulo I. Da Instituição

Texto

(1)

ESTATUTO DA EMAB – ESCOLA DE MAGISTRADOS DA BAHIA

TÍTULO I

DA INSTITUIÇÃO, FINS E ATIVIDADES

Capítulo I

Da Instituição

Art. 1º - A EMAB - Escola de Magistrados da Bahia - é entidade sem fins lucrativos, com tempo de duração indeterminado, instituída pela Associação dos Magistrados da Bahia - AMAB - tendo sede na cidade de Salvador, podendo ter outras unidades em todo território do Estado, destina-se ao preparo, à integração, ao aperfeiçoamento técnico-científico, cultural e humanístico dos Magistrados.

Art. 2º - O patrimônio da EMAB é constituído de bens móveis e outros que venha a possuir.

Parágrafo Único - A Escola só poderá ser dissolvida por decisão de 2/3 dos associados presentes em Assembléia Geral da AMAB, para este fim específico convocada, e seu patrimônio será destinado às entidades mantenedoras.

Art. 3º - São associados da EMAB os sócios da AMAB em pleno gozo dos seus direitos.

Parágrafo Único - Somente terão direito a voto os sócio efetivos da AMAB.

Capítulo II Das Finalidades

Art. 4º - São finalidades da EMAB - Escola de Magistrados da Bahia:

a) propiciar meios para a formação inicial e continuada, a especialização, o aperfeiçoamento e a atualização da Magistratura Estadual;

b) ministrar o ensino das ciências jurídicas visando a preparação à carreira da magistratura;

c) concorrer para o aprimoramento cultural e jurídico dos participantes do sistema jurídico em geral;

d) promover e estimular o estudo, a pesquisa e a divulgação de trabalhos na área jurídica e judiciária;

e) colaborar com o desenvolvimento das ciências humanas relacionadas com as carreiras jurídicas;

f) concorrer para o respeito às instituições democráticas e ao ideal da justiça;

g) concorrer para a afirmação da independência e do prestígio do Poder Judiciário e da Magistratura estadual;

h) colaborar para o estudo da realidade jurídica, econômica, social e histórica do país;

i) contribuir para o permanente estudo do Poder Judiciário, visando ao seu aprimoramento;

j) realizar cooperações técnicas, convênios de intercâmbio com outras Escolas de Magistratura, universidades, faculdades e instituições de estudos e aperfeiçoamento judiciário, nacionais e internacionais;

k) promover estudos de modernização, dinamização, aperfeiçoamento e humanização do serviço judiciário e da legislação;

l) operar formação de banco de boas práticas e outros que possam melhor qualificar a atuação dos magistrados.

(2)

m) colaborar com o Tribunal de Justiça na execução da política de qualificação dos recursos humanos, de todos os níveis aplicados nos Serviços da Justiça.

Capítulo III Das Atividades

Art. 5º - Para cumprimento das suas finalidades, a Escola promoverá as seguintes atividades:

a) cursos jurídicos e/ou interdisciplinares, propiciando o incremento da cultura geral e da completa formação e aperfeiçoamento intelectual dos Magistrados estaduais e o aprimoramento cultural e jurídico dos operadores do direito em geral;

b) cursos de preparação ao ingresso na Magistratura e ao exercício de outras funções judiciárias e jurídicas;

c) seminários, encontros, painéis, simpósios e outras atividades culturais destinadas ao aprimoramento cultural e humanístico do magistrado;

d) divulgação de leis, documentos e trabalhos do interesse da Magistratura;

e) concessão de bolsa de estudo;

f) convênios, cooperações técnicas, intercâmbio cultural com outras escolas da Magistratura, instituições públicas ou particulares e instituições universitárias no Brasil ou no exterior, visando o aprimoramento das atividades e dos métodos pedagógicos utilizados, promovendo a integração e a participação dos Magistrados brasileiros e estrangeiros em cursos no Brasil e no exterior;

g) pesquisa científica;

h) publicação periódica da Revista ou Boletim da Escola de Magistrados da Bahia, com divulgação de estudos jurídicos de excelência nas diversas áreas do direito;

j) manutenção e atualização permanente da página virtual (site) da EMAB;

k) divulgação de regulamento fixando critérios estritos e uniformes para a participação dos Magistrados em cursos, convênios, intercâmbios;

l) realização de concursos;

n) o aperfeiçoamento da legislação nacional, atuando em consonância com setores específicos da Associação de Magistrados da Bahia, da Associação dos Magistrados Brasileiros, dentre outros, nas propostas de reforma.

(3)

TÍTULO II

DA ATIVIDADE ACADÊMICA Capítulo I

Dos Cursos

Art. 6º - Os cursos destinados às carreiras jurídicas em geral serão definidos pela Diretoria da Escola.

Art. 7º - O Curso de Especialização em Direito para a Carreira da Magistratura terá natureza de pós- graduação lato sensu, destina-se à seleção, nivelamento e preparo dos candidatos, bacharéis em Direito, mediante provas intelectuais, observação individual e verificação dos índices de participação e de assimilação dos conhecimentos ministrados.

§1º - O Curso de Especialização em Direito para a Carreira da Magistratura estadual busca oferecer formação cognitiva jurídica de excelência, alicerçada em sólidos valores éticos, visando a contribuir para a melhoria da prestação jurisdicional.

§ 2º- Na elaboração do currículo do curso serão observadas as orientações do Conselho Nacional de Justiça, da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados – ENFAM e a legislação de regência.

§ 3º - O certificado de conclusão terá validade de título para concursos públicos de natureza jurídica.

Art. 8º - São Objetivos do Curso:

a) Estudo, análise e compreensão de textos e documentos jurídicos;

b) Pesquisa, interpretação e utilização da legislação, da jurisprudência, da doutrina e de outras fontes do Direito, em questionamentos de alta indagação;

c) Produção criativa e científica do Direito;

d) Correta utilização da linguagem - com clareza, precisão e propriedade, fluência verbal e riqueza de vocabulário;

e) Utilização de raciocínio lógico, de técnica de argumentação jurídica, de persuasão e reflexão crítica;

f) Compreensão interdisciplinar do Direito e dos instrumentos e técnicas para sua aplicação à realidade;

g) Solução de problemas em consonância com as exigências sociais, inclusive mediante o emprego de meios extrajudiciais de prevenção e solução de conflitos individuais e coletivos;

h) Percepção do fenômeno jurídico em suas formas de expressão cultural.

Art. 9º - Para cada curso ministrado serão fixadas condições, forma de acesso, bem como sua duração, carga horária e forma de avaliação.

Capítulo II Da Pesquisa

(4)

Art. 10 - A atividade de pesquisa será estimulada para ampliar e elevar o padrão cultural e científico do ensino, como função indissociável que é deste.

Art. 11 - O plano de incentivo à pesquisa será anualmente elaborado e constará de:

a) concessão de bolsas especiais de pesquisa;

b) concessão de auxílio para execução de projetos específicos;

c) intercâmbio com instituições científicas no Brasil e no exterior.

Art. 12 - O interessado na obtenção de qualquer auxílio à pesquisa, requererá o auxílio pretendido fundamentado em projeto que pretenda realizar.

Parágrafo Único: Ao interessado poderá ser proporcionado assessoramento na elaboração e execução do projeto.

TÍTULO III

DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Capítulo I Da Diretoria

Art. 13 - A Administração será exercida pelo Diretor-Geral da Escola de Magistrados da Bahia, auxiliado por seu Vice-Diretor , por um Coordenador Administrativo e um Coordenador-Geral de Cursos, além dos coordenadores técnico-pedagógicos.

Parágrafo único – A indicação do Diretor-Geral caberá ao Presidente Eleito da AMAB, para o biênio da respectiva gestão, coincidente com o mandato do Presidente da AMAB.

Art. 14 – Ao Diretor-Geral compete:

a) superintender todos os atos e serviços administrativos, cumprindo e fazendo cumprir os Estatutos da AMAB e este Regimento Interno;

b) supervisionar e aprovar as atividades técnico-pedagógicas da Escola;

c) indicar ou aprovar o corpo docente de todos os cursos ministrados na Escola;

d) autorizar a realização de conferências, encontros, jornadas e simpósios;

e) conceder bolsas de estudo;

(5)

f) implementar política de incentivo à participação do alunado em projetos de interesse da Magistratura, mediante concessão de descontos ou outras medidas que julgar pertinentes;

g) aprovar o plano de taxas, mensalidades e remunerações;

h) nomear o vice-Diretor, o Coordenador Administrativo e o Coordenador Geral de Cursos;

i) selecionar e contratar o Coordenador Pedagógico;

j) designar para as áreas respectivas os coordenadores de áreas buscando-se a participação regional e setorial, atribuindo-lhes as funções necessárias para tal fim;

k) designar o Secretário-Geral e o Tesoureiro, podendo, também, designar adjuntos destes, bem como assessores especiais para auxiliar as atividades da Escola, sempre que necessário;

l) zelar pela melhor consecução dos fins da instituição e baixar atos próprios para o exercício e cumprimento das finalidades estatutárias e regimentais da EMAB;

m) fixar o valor da remuneração por aulas, palestras e participações, quando for o caso;

n) orientar e harmonizar as atividades da diretoria;

o) manter estreito e permanente relacionamento da EMAB com a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados – ENFAM, com a Escola Nacional da Magistratura, com os Tribunais do país, demais Associações de Magistrados, Escolas de Magistratura e Escolas Judiciais;

p) fixar o valor de contribuição de participantes dos cursos e atividades, quando exigida;

q) Instituir e conceder medalhas, prêmios e/ou láureas, mediante prévia aprovação do C.T.A – Conselho Técnico e Administrativo ;

r) firmar convênios, parcerias ou atos de cooperação, inclusive quanto à obtenção de fundos para a realização de suas atividades junto a entidades públicas ou particulares, nacionais ou estrangeiras

s) apresentar, até o mês de março relativamente ao exercício anterior, ao Conselho Fiscal da Associação dos Magistrados da Bahia – AMAB - relatório anual das atividades da Escola;

t) apresentar projeto das atividades para o ano seguinte e estimativa das despesas respectivas, investimentos e recursos necessários, até o mês de novembro, ao Conselho Fiscal da Associação dos Magistrados da Bahia ;

u) delegar ao Vice-Diretor atribuições que entender pertinentes.

Parágrafo Único - Na concessão das bolsas de estudo referidas na alínea “e”, será observado o limite máximo de 20% (vinte por cento) do número de vagas dos cursos ministrados, cabendo aos solicitantes a comprovação de sua condição de dependente econômico dos associados da AMAB, submetendo-se à seleção para o ingresso, quando exigida.

Art.15 - Compete ao Vice-Diretor:

a) Substituir o Diretor-Geral nos seus afastamentos ou impedimentos e cumprir as atribuições que lhe forem delegadas;

b) Apresentar propostas de cursos e projetos aos Coordenadores das respectivas áreas;

c) Realizar projetos e coordenar outras atividades que lhe forem cometidas pelo Diretor-Geral.

Art. 16 - Ao Coordenador Administrativo e ao Coordenador Geral de Cursos compete dirigir as atividades técnico-administrativas e acompanhar as atividades pedagógicas da Escola, respectivamente, com as atribuições que lhes forem definidas em Regimento.

(6)

Art. 17 - Fica instituída a Coordenação Pedagógica, cabendo esta a um profissional especializado, com remuneração, devendo sua competência ser definida pelo Regimento Interno da Escola, observadas as orientações da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados - ENFAM.

Art. 18 – O Diretor-Geral será substituído, nas ausências ou impedimentos, pelo Vice-Diretor e, na falta deste, pelo Coordenador Administrativo.

§1º – O Coordenador Administrativo será substituído, em suas ausências e impedimentos pelo Coordenador Geral de Cursos.

§2º - O Coordenador Geral de Cursos será substituído pelo Coordenador Pedagógico.

Capítulo II Das Coordenadorias

Art.19 - Para o cumprimento de suas finalidades regimentais, o Diretor-Geral poderá instituir Coordenadorias, em caráter provisório ou permanente, conforme as necessidades.

Art.20 - Aos Coordenadores, quando designados, competirá:

a) Apresentar, ao Diretor-Geral o projeto do curso, pesquisa ou evento de sua responsabilidade, com o programa, material didático, indicação de professores, palestrantes ou conferencistas, bem como o respectivo orçamento;

b) Dirigir os cursos a seu cargo, desde o seu início, apresentando relatório final, baseado na avaliação pelos cursistas;

c) Estudar propostas de cursos que venham a ser apresentadas pelo Diretor-Geral e pelo Vice-Diretor, sugerindo a forma de realização;

d) Zelar pela tempestiva apresentação dos graus de avaliação, quando houver;

e) Exercer todas as demais atividades necessárias ao êxito do curso, evento ou grupo de estudos sob sua responsabilidade

Capítulo III

Do Conselho Técnico Administrativo

Art. 21 - O Conselho Técnico Administrativo (C.T.A.) é o órgão normativo e consultivo, destinado a colaborar na consecução dos objetivos, da filosofia e dos rumos da Escola, compõe-se dos seguintes membros:

(7)

I - Membros permanentes:

a) o Diretor-Geral da Escola, seu presidente nato;

b) o Presidente da AMAB, ou pessoa por ele indicada;

c) o Vice-Diretor ;

d) o Coordenador Administrativo;

e) o Coordenador Geral de Cursos;

II - Membros honorários: em número de até 5, indicados pelo Diretor-Geral da Escola, dentre pessoas com reconhecida atuação na área educacional.

§ 1º O C.T.A será presidido pelo Diretor-Geral em exercício pelo mesmo período de sua gestão.

§ O C.T.A reunir-se-á sempre que convocado por seu Presidente ou por pelo menos 1/5 de seus membros.

Art. 22- Compete ao Conselho Técnico-Administrativo, além de outras atribuições previstas neste Estatuto, as seguintes:

a) aprovar ou alterar o Regimento Interno da Escola;

b) aprovar a programação orçamentária anual;

c) opinar sobre quaisquer assuntos que lhe sejam submetidos pelo Diretor da Escola;

d) decidir a respeito de casos omissos neste Estatuto;

e) aprovar o plano anual de atividades da Escola;

f) aprovar condições e normas para outorga de medalhas, prêmios e/ou láureas instituídos pela Escola.

g) Sugerir as medidas necessárias ao cumprimento do Regimento Interno da EMAB;

h) tomar conhecimento do relatório anual da Direção da Escola;

i) opinar sobre questões institucionais da Escola submetidos a sua apreciação.

Capítulo IV

Do Conselho de Educação

Art. 23 O Conselho de Educação, destinado à orientação pedagógica e avaliação institucional da EMAB, será composto por cinco membros, indicados pelo Diretor-Geral da Escola, dentre pessoas com reconhecida atuação na área educacional, para a respectiva gestão, com as seguintes atribuições:

a) Acompanhar a implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional;

b) Examinar as propostas encaminhadas à Direção;

c) Avaliar internamente a instituição, no aspecto pedagógico, criando os mecanismos e instrumentos necessários ao cumprimento dessa finalidade;

(8)

d) Propor as correções e alterações que se fizerem necessárias a partir da avaliação interna;

e) Assessorar a Direção na elaboração de projetos, regimentos e regulamentos, quanto aos aspectos pedagógicos e relativos à legislação educacional;

f) Fornecer subsídios para a elaboração do Plano Anual da Escola;

g) Outras atividades inerentes aos aspectos pedagógicos e educacionais.

Capítulo V

Dos Serviços Administrativos Art. 24 - Os serviços administrativos compreendem:

I - Secretaria, dirigida pelo Secretário-Geral da Escola, assessorado por dois auxiliares, podendo esse quadro ser ampliado conforme a necessidade, mediante solicitação fundamentada da Diretoria.

A secretaria é responsável pelo material necessário ao funcionamento da Escola, escrituração, arquivos e fichários relativos a todas as atividades da EMAB e ainda superintendência dos serviços de biblioteca, informática e serviços gerais.

II - Serviço de pessoal e finanças, dirigido por Tesoureiro, assessorado por auxiliares em número compatível com as necessidades, responsável pelo planejamento, realização e controle de receitas e despesas, incumbindo-lhe:

a) controlar a efetividade do pessoal, orientando sobre seus direitos e fiscalizando o cumprimento de seus deveres;

b) controlar o recebimento das contribuições e demais receitas da Escola;

c) atuar para manter em equilíbrio a situação financeira da Escola de acordo com o seu planejamento;

d) de tudo prestar contas ao Diretor-Geral.

III - Serviço de Tecnologia da Informação, dirigido por profissional habilitado, com a atribuição de gerenciar, desenvolver e implementar todo o serviço de informática necessário ao desenvolvimento das atividades da EMAB, definidos nesse Regimento;

IV - Biblioteca e Videoteca, dirigidas por Bibliotecário habilitado, com a atribuição de avaliar o acervo existente, propor a sua ampliação e adequação às necessidades da EMAB;

V - Assessoria de Comunicação e Imprensa, dirigida por profissional habilitado, assessorado por auxiliares, com a atribuição de gerenciar, desenvolver e implementar as atividades necessárias ao serviço de comunicação e imprensa;

VII - serviços gerais de manutenção, limpeza e transporte, submetido à Secretaria-Geral, dotado dos recursos materiais necessários.

Parágrafo único Enquanto não forem criados esses serviços e assessorias, as necessidades de trabalho serão supridas pelo quadro de colaboradores existentes na AMAB.

Art.26 - Os serviços administrativos a serem implementados na medida da necessidade operacional da Escola, serão de responsabilidade do seu Secretário-Geral e do seu Tesoureiro, sob a coordenação do Diretor-Geral, que encaminhará, anualmente no mês de novembro, à Presidência da

(9)

AMAB, a previsão orçamentária do ano seguinte.

Parágrafo único Enquanto não implementado o orçamento próprio da instituição, as despesas serão custeadas mediante solicitação de pagamento acompanhada da justificativa.

TÍTULO IV

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 27 - Os Professores da Escola serão escolhidos, prioritariamente entre Magistrados, por sua reconhecida capacidade profissional e didática, recebendo remuneração adequada.

Art. 27 - A Escola poderá instituir medalhas, prêmios e/ou láureas a serem concedidos aos alunos participantes dos cursos ministrados, ou a outras personalidades, estabelecendo condições e normas para sua viabilização.

Art. 28 - Os atos da direção da Escola serão publicados no Diário da Justiça Eletrônico, no site da EMAB ou na imprensa local.

Art. 29 - O presente Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação pela Assembléia Geral da Associação dos Magistrados da Bahia e somente por ela poderá ser reformado.

Art. 30 - Ficam revogados regimentos anteriores e outras disposições em contrário.

Salvador,

Imagem

Referências

temas relacionados :