• Nenhum resultado encontrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA"

Copied!
6
0
0

Texto

(1)

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA

SOA 071 B – Top.Soc. – Avaliação de políticas sociais – Uma análise quantitativa Informações gerais:

Carga horária: 60 horas/aula (4 créditos) Período: 1º semestre de 2011

Localização: Sala 3056, FAFICH/UFMG

Professores:

Danielle Cireno Fernandes, daniellecf@gmail.com Jeronimo Oliveira Muniz, jeronimomuniz@gmail.com

Ementa:

A disciplina enfatizará aspectos fundamentais e modelos quantitativos para a avaliação consistente e rigorosa de impacto de políticas sociais. O curso está dividido em três grandes tópicos: (1) Desigualdades sociais no Brasil contemporâneo e a emergência das políticas sociais como forma de combatê-la; (2) Conceitos básicos e estratégias para a avaliação de impacto de políticas sociais; e (3) Métodos quantitativos para análise de políticas sociais. O egresso deste curso se familiarizará com as principais desigualdades sociais brasileiras e as formas de mensurá-la, as políticas sociais utilizadas para combatê-las, e aprenderá alguns dos principais métodos quantitativos utilizados para a avaliação de tais políticas.

Pré-requisitos

Conhecimentos prévios de estatísticas de variabilidade e tendência central, testes de hipóteses, correlação e inferência são desejáveis e importantes para que o aluno acompanhe o conteúdo desenvolvido neste curso. Alunos que tenham cursado Metodologia II (SOA026), Estatística B1 (EST004) ou Econometria 1 (ECN190) certamente terão maior facilidade em assimilar o conteúdo programático deste curso. Conhecimentos de Stata ou outros programas de estatística também são bem-vindos, mas não necessários.

Avaliação:

Os alunos serão responsáveis pela apresentação e discussão de artigos selecionados durante o curso, realizarão uma prova no meio do semestre e farão exercícios utilizando bancos de dados reais, tais como dados sobre o Bolsa Família e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. O trabalho final realizado será uma opoertunidade para aplicar os conhecimentos

técnico-metodológicos apreendidos em sala. Os seguintes pesos serão usados no cálculo da nota final: 40% - Apresentação e discussão de artigos

20% - Prova com consulta feita em sala de aula

(2)

2 Cronograma das aulas

AULAS PROFESSOR DATAS ASSUNTO BIBLIOGRAFIA

Tópico 1. Desigualdade social e a necessidade de politicas sociais para combatê-las

1 Danielle e

Jeronimo 14/03 Introdução eapresentação do curso

2 Danielle 16/03 Desigualdade social Medeiros, M. 2005, cap. 2 – Desigualdade Social, riqueza e pobreza no Brasil.

3 Jeronimo 21/03 Desigualdade social Medeiros, M 2005, cap. 3 Igualdade e justiça distributiva 4 Jeronimo 23/03 Desigualdade social Medeiros, M 2005, cap. 4

Teorias de estratificação social e o estudo dos ricos.

5 Jeronimo 28/03 Desigualdade social Henriques, R. 2000, Introdução. Desnaturalizar a desigualdade e erradicar...

6 Danielle 30/03 Desigualdade social Henriques, R. 2000, cap. 1 A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil.

7 Danielle 40/03 Desigualdade social Soares, S. et al 2006

Tópico 2. Conceitos básicos para a avaliação de impacto de políticas sociais

8 Danielle 06/04 Avaliação de Programas Sociais: conceitos básicos para a construção de um desenho de pesquisa.

Clark, L. apostila;

Cano I. 2004, cap. 1, 2, 3. 9 Danielle 11/04 Avaliação de Programas

Sociais: conceitos básicos para a construção de um desenho de pesquisa.

Clark, L. apostila,

Cano I. 2004, cap. 4, 5, 6. 10 Danielle 13/04 Avaliação de Programas

Sociais: conceitos básicos para a construção de um desenho de pesquisa.

Clark, L. apostila,

Cano I. 2004, cap. 7, 8, 9. 11 Danielle 18/04 Medidas de Focalização:

Erros de vazamento; Erros de Exclusão; Incentivos Adversos.

FERNANDES, R. &

PAZELLO, E. T. Avaliação de Políticas Sociais: Incentivos Adversos, Focalização e Impacto

12 Danielle 20/04 Avaliação de Politicas

Sociais alcances e limites COHEN, Ernesto e FRANCO 1993. Cap 4, 5 13 Danielle 25/04 Tipos de avaliação e

modelos de avaliação COHEN, Ernesto e FRANCO 1993. Cap. 7, 8. 14 Danielle 27/04 Metodologias de

(3)

3 básicos

15 Danielle 02/05 Metodologias de

Avaliação: a ligação entre a formulação e a

avaliação do projeto

Manual de formulação e avaliação de projetos sociais.

16 Jeronimo 04/05 Marco Lógico Manual de formulação e

avaliação de projetos sociais. 17 Jeronimo 09/05 Construção de

indicadores: conceitos Conceitos Januzzi ver capitulos 18 Jeronimo 11/05 Construção de indicadores: Propriedades aplicadas à avaliação de politicas sociais Ministério do Planejamento 19 16/05 PROVA

Tópico 3. Métodos quantitativos para avaliação de impacto de políticas sociais

20 Jeronimo 18/05 Modelos contrafactuais Morgan and Winship 2007, pp. 1-30

21 Jeronimo 23/05 Modelos contrafactuais Morgan and Winship 2007, pp. 31-50; Holland 1986

22 Jeronimo 25/05 Gráficos aciclicos diretos

(GAD) Morgan and Winship 2007, cap. 3; Robins 2001 23 Jeronimo 30/05 GAD II: seleções

endógenas Morgan and Winship 2007, 179-181; Pearl 2003 24 Jeronimo 06/06 Pareamento e

igualamento Morgan and Winship 2007, cap. 4; Rosenbaum and Rubin 1983; Imai, King, Stuart 2008; Ho et al 2007

25 Jeronimo 08/06 Analise de regressão Triola 2008, cap. 10 26 Jeronimo 13/06 Análise de regressão Triola 2008, cap 10

27 Jeronimo 15/06 Analise de regressão Morgan and Winship 2007, cap. 5

28 Danielle 20/06 Simulações e apresentações (melhoradas) de resultados

King, Tomz and Wittenberg 2000

29 Danielle 22/06 Decomposição

contrafactual (Oaxaca-Blinder)

Campante, Crespo e Leite 2004; Jann 2008;

30 Danielle 27/06 Analise fatorial Mignot, S. cap 4 31 Danielle e

(4)

4

Bibliografia básica:

BRASIL. Ministério do Planejamento e Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos – SPI.

CAMPANTE, Filipe R.; CRESPO, Anna R. V.; LEITE, Phillippe G. P. G.. Desigualdade salarial entre raças no mercado de trabalho urbano brasileiro: aspectos regionais. Rev. Bras. Econ., Rio de Janeiro, v. 58, n. 2, June 2004. Disponivel on line através do site:

http://www.scielo.br/pdf/rbe/v58n2/a03v58n2.pdf

Cano I. 2004. Introdução à Avaliação de Programas Sociais, 2dn ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.

CEPAL. 1997. Manual de formulação e avaliação de projetos sociais, CEPAL/ OEA/ CENDEC.

COHEN, Ernesto e FRANCO, Rolando. Avaliação de Impacto de Projetos Sociais. Rio de Janeiro: editoraVozes, 1993.

FERNANDES, R. & PAZELLO, E. T. Avaliação de Políticas Sociais: Incentivos Adversos, Focalização e Impacto In: LISBOA, M.B. & MENEZES-FILHO, N. A. (Org.) Microeconomia e

Sociedade no Brasil. Ri o de Janeiro: Contracapa Livraria, 2001.

HENRIQUES, R. 2000. Desigualdade e Pobreza no Brasil. IPEA.

Ho, DE, K Imai, G King, EA Stuart. 2007. “Matching as Non-parametric Preprocessing for Reducing Model Dependence in Parametric Causal Inference.” Political Analysis 15: 199-236.

Holland, P. 1986. "Statistics and Causal Inference." Journal of the American Statistical Association, 81(396): 945-960. Read: 945-949, 954-955, 959.

Imai, K, G King, and EA Stuart. 2008. “Misunderstandings Between Experimentalists and Observationalists about Causal Inference.” Journal of the Royal Statistical Society, Ser. A 171(2):481-502.

Jann, Ben. 2008. The Blinder-Oaxaca decomposition for linear regression models. The stata Journal 8(4): 453-479. Disponivel on line atraves do site:

http://repec.ethz.ch/ets/papers/jann_oaxaca.pdf

JANNUZZI, P. 2004. Indicadores Sociais no Brasil. 3ª. Edição. Editora Alinea. Campinas, SP. JANNUZZI, P. 2005. Indicadores Sociais no Brasil. Revista do Serviço Público 56(2): 137-160. Disponível através do site: http://www.conei.sp.gov.br/ind/ind-sociais-revista-serv-publico.pdf KAZMIER, LEONARD. Estatística Aplicada à Economia e Administração. São Paulo:

(5)

5 KING, Gary, TOMZ, Michael and WITTENBERG, Jason. 2000. Making the most of statistical analyses: improving interpretation and presentation. American Journal of Political Science 44(2): 341-355.

LMCS. Apostila Básica para o Uso do SPSS. Laboratório de Metodologia em Ciências Sociais-UFMG. 2000.

MEDEIROS, M 2005. O que faz os Ricos ricos. São Paulo: Hucitec: ANPOCS.

MINGOT, SUELI APARECIDA. Análise de Dados Através de Estatística Multivariada: uma Abordagem Multivariada. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

MORGAN, Stephen L., and WINSHIP, Christopher. 2007. Counterfactuals and Causal Infer-ence: Methods and Principles for Social Research. Cambridge: Cambridge

University Press.

Rosenbaum and Rubin. 1983. “The Central Role of the Propensity Score in Observational Studies for Causal Effects.” Biometrika 70: 41-55.

SOARES, S. at al. 2006. Programas de transferência de renda no Brasil: impactos sobre a desigualdade. Texto para Discussão, IPEA.

STEVENSON, WILLIAM J. Estatística Aplicada à Administração. São Paulo: Happer & Row do Brasil, 1981.

Robins, JM. 2001. “Data, Design, And Background Knowledge in Etiologic Inference.” Epidemiology 12:313-320.

ROSSI, Peter H., LIPSEY, Mark e FREEMAN, Howard. 2004. Evaluation: a systematic ap-proach, 7th edition. Sage Publications.

TRIOLA, Mario F. Introdução à estatística. 10ª. edição. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

Bibliografia complementar:

FARIA, Carlos Aurelio. 2005. A politica de avaliação de políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais 20 (59): 97-109.

Gráficos acíclicos

Pearl, J. 2003. “Statistics and Causal Inference: A Review.” Test Journal 12(2):281-345 (with discussions). Read: 281-306, 312-318.

Analise de regressão:

(6)

6 Freedman, DA. 1983. “A Note on Screening Regression Equations.” American

Statistician 37:152-5.

Pareamento:

Abadie, Alberto, David Drukker, Jane Leber Herr, and Guido W. Imbens. 2004. "Implementing Matching Estimators for Average Treatment Effects in Stata." Stata Journal 4(3): 290-311.

Referências

Documentos relacionados

Sequence alignment (nucleotide) of untranslated region of Nellore myostatin gene with Bos indicus (AY794986) and Bos taurus (AB076403) sequences, and positioning of

Estar imerso em um contexto de reflexão sobre si mesmo implica investimentos na formação continuada e na aprendizagem ao longo da vida, o que exige, de certa maneira,

A compostagem é uma alternativa biotecnológica de tratamento de resíduos sólidos orgânicos com finalidades agronômicas (YU et al, 2011) sendo utilizada também como

Com o conhecimento do sistema de gestão de projetos utilizado da empresa e com base em referencial teórico sobre gerenciamento de projetos, fez-se a análise do

In the present work a relatively complex phase change transient heat transfer problem is solved by coupling the spreadsheet iteration facility with the time increase required by

Depois do aceite do anexo 01 pelo coordenador de curso, o estagiário/aluno deverá indicar seu professor supervisor o qual deverá aceitar orientar o aluno (Anexo

Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, 1994.. BH:

a) o conteúdo previsto (sólido ou líquido) é utilizado no ensaio ou é substituído por simulativo de características físicas essencialmente iguais.. b) para caixas e