REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de

31 

Texto

(1)

COMISSÃO EUROPEIA

Bruxelas, 14.3.2019 C(2019) 2020 final

REGULAMENTO DELEGADO (UE) …/... DA COMISSÃO de 14.3.2019

que complementa o Regulamento (UE) 2017/1129 do Parlamento Europeu e do Conselho no que respeita ao formato, ao conteúdo, à verificação e à aprovação do prospeto a

publicar em caso de oferta de valores mobiliários ao público ou da sua admissão à negociação num mercado regulamentado, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 809/2004

da Comissão

(2)

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

1. CONTEXTODOATODELEGADO

1.1. Contexto geral

O Regulamento (UE) 2017/1129 do Parlamento Europeu e do Conselho1 (a seguir designado «Regulamento Prospetos») produz efeitos a partir de 21 de julho de 2019. Este regulamento cria um novo conjunto harmonizado de regras que ajuda as empresas a angariar fundos nos mercados de capitais, para investir e crescer, ao mesmo tempo que ajuda os investidores a tomar decisões melhores e mais informadas. Além disso, habilita e obriga a Comissão a especificar alguns pormenores das novas regras.

A reforma dos requisitos em matéria de prospetos é uma componente importante do plano de ação para a criação de uma União dos Mercados de Capitais (plano de ação para a UMC). O presente regulamento delegado contribui para a conclusão do plano de ação, tal como previsto na Comunicação da Comissão sobre a revisão intercalar do plano de ação para a União dos Mercados de Capitais2.

Os principais objetivos da reforma das regras em matéria de prospetos são:

 facilitar a obtenção de fundos nos mercados de capitais reduzindo a burocracia e a carga administrativa que os prospetos representam para os emitentes,

 assegurar a proteção dos investidores,

 promover a convergência da supervisão a nível da UE através da harmonização dos processos de verificação e de aprovação dos prospetos em todos os Estados-Membros.

As novas regras ajudarão também a eliminar os encargos e a produzir prospetos mais reduzidos, informação de melhor qualidade e mais concisa para os investidores e um procedimento acelerado para as empresas que recorrem frequentemente aos mercados de capitais.

1.2. Objetivos do regulamento delegado

O presente regulamento delegado visa estabelecer as informações que os emitentes devem incluir no prospeto (para todos os tipos de prospetos), elaborado sob a forma de um documento único ou de documentos separados, bem como assegurar que as autoridades competentes nacionais da UE e as empresas que fazem uma oferta pública ou que procuram admitir os seus valores mobiliários à negociação em mercados regulamentados podem interpretar e aplicar de forma coerente os aspetos técnicos das novas regras em matéria de prospetos. O presente regulamento especifica e clarifica os seguintes pontos do quadro estratégico estabelecido no Regulamento Prospetos:

 o formato do prospeto, do prospeto de base e das condições finais, bem como as informações específicas que devem ser incluídas em cada prospeto;

 a especificação do conteúdo reduzido e o formato normalizado do prospeto UE Crescimento e do seu sumário específico, tendo em conta que o prospeto UE

1

Regulamento (UE) 2017/1129 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de junho de 2017, relativo ao prospeto a publicar em caso de oferta de valores mobiliários ao público ou da sua admissão à negociação num mercado regulamentado, e que revoga a Diretiva 2003/71/CE (JO L 168 de 30.6.2003, pp. 12-82).

(3)

Crescimento visa facilitar o acesso das PME aos mercados de capitais, garantindo simultaneamente a confiança dos investidores;

 as informações reduzidas a incluir no prospeto simplificado para as emissões secundárias, tendo em conta a necessidade de facilitar a obtenção de fundos nos mercados de capitais e a importância de reduzir o custo do capital;

 as informações mínimas a incluir no documento de registo universal, tendo em conta a necessidade de assegurar que este contém todas as informações necessárias sobre o emitente, a fim de ser utilizado tanto para a oferta ao público como para a admissão à negociação num mercado regulamentado de valores mobiliários representativos de capital próprio ou de valores mobiliários não representativos de capital próprio;  os critérios para a verificação dos prospetos, nomeadamente em matéria de

completude, inteligibilidade e coerência das informações prestadas, bem como os procedimentos de aprovação dos prospetos, com vista à criação de um conjunto único de regras que garanta uma aplicação coerente em toda a UE;

 os critérios para a verificação do documento de registo universal e das respetivas alterações, bem como os procedimentos de aprovação, notificação e análise desses documentos. No que diz respeito às condições para a perda do estatuto de emitente frequente, as condições estabelecidas no artigo 9.º, n.º 11, do Regulamento Prospetos foram consideradas já exaustivas. Por conseguinte, o presente regulamento delegado não estabelece condições adicionais.

1.3. Enquadramento jurídico

Em conformidade com o artigo 31.º do Acordo Interinstitucional, de 13 de abril de 2016, sobre legislar melhor, o presente regulamento delegado reúne num único ato as seis habilitações conferidas pelo Regulamento Prospetos, nomeadamente no artigo 9.º n.º 14, no artigo 13.º, n.os 1 e 2, no artigo 14.º, n.º 3, no artigo 15.º, n.º 2, e no artigo 20.º, n.º 11. O Regulamento Prospetos exige, expressa ou contextualmente (artigo 13.º, n.º 1), que a Comissão adote os correspondentes atos delegados até 21 de janeiro de 2019. Outras habilitações para a adoção de atos delegados, conferidas pelo Conselho e pelo Parlamento, não têm prazo e podem ser objeto de seguimento numa fase posterior.

O Regulamento Prospetos também habilita a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) a elaborar projetos de normas técnicas de regulamentação, que serão objeto de futuros regulamentos delegados.

2. CONSULTASANTERIORESÀADOÇÃODOATO

A Comissão incumbiu a ESMA de lhe prestar aconselhamento técnico sobre eventuais atos delegados respeitantes aos prospetos. Em 29 de fevereiro de 2017, os serviços da Comissão solicitaram formalmente o parecer técnico da ESMA. Em 6 de julho de 2017, a ESMA publicou três documentos de consulta relativos ao seu parecer técnico sobre o presente ato delegado e recebeu 128 respostas à consulta, que decorreu até 28 de setembro de 2017. A ESMA apresentou o seu parecer técnico em 28 de março de 2018. O presente regulamento delegado baseia-se nesse parecer técnico.

Para além da publicação do roteiro para esta iniciativa com vista à recolha de observações, os serviços da Comissão organizaram reuniões com as partes interessadas ao longo de 2017 e 2018 para debater as futuras medidas delegadas, incluindo um seminário dedicado em março de 2017. Na reunião do grupo de peritos do Comité Europeu dos Valores Mobiliários (EGESC), em junho de 2018, as medidas delegadas foram debatidas pelos peritos dos

(4)

Estados-Membros, com a participação de observadores do Parlamento Europeu. Este processo de consulta revelou um amplo consenso sobre o regulamento delegado.

Na sequência da consulta interna realizada em julho de 2018, a fim de ter em conta as contribuições recebidas, os serviços da Comissão reviram o regulamento delegado por forma a racionalizar o seu conteúdo, melhorar a sua estrutura e tornar a redação mais clara e sólida do ponto de vista jurídico. Além disso, foram exploradas algumas oportunidades adicionais para simplificar o prospeto UE Crescimento. Apresentam-se seguidamente algumas das alterações fundamentais introduzidas no regulamento delegado:

 a fim de tornar o prospeto UE Crescimento num instrumento significativamente mais simples do que o prospeto completo para a obtenção de fundos nos mercados de capitais por parte das PME, foram introduzidas simplificações adicionais nos prospetos UE Crescimento para os valores mobiliários representativos e não representativos de capital próprio, sem comprometer a proteção dos investidores e em conformidade com os objetivos definidos no Regulamento Prospetos;

 a redação do regulamento delegado foi melhorada e alinhada de forma mais estreita com o ato primário. A título de exemplo, as referências a ações, títulos de dívida e valores mobiliários derivados incluídas no parecer técnico da ESMA foram transformadas em referências a valores mobiliários representativos de capital próprio e não representativos de capital próprio, tal como definido no Regulamento Prospetos;

 o quadro de combinação constante do parecer técnico da ESMA foi retirado e o seu conteúdo foi transposto para as disposições operacionais;

 os serviços da Comissão esclareceram que, para além da lista de critérios harmonizados para a verificação dos prospetos, as autoridades nacionais competentes podem aplicar outros critérios de verificação, se tal for necessário para a proteção dos investidores;

 os anexos do regulamento delegado, que estabelecem as informações a incluir nos diferentes tipos de prospetos, foram agrupados em 5 secções diferentes em função do tipo de documentos que constituem o prospeto a que a informação diz respeito (por exemplo, documentos de registo e notas sobre os valores mobiliários);

 a fim de melhorar a clareza e a coerência, os anexos relativos ao prospeto simplificado para emissões secundárias, que no parecer técnico da ESMA abrangem todos os tipos de valores mobiliários, foram desagregados a fim de diferenciar os valores mobiliários representativos de capital próprio e os valores mobiliários não representativos de capital próprio, em consonância com o prospeto para as emissões primárias;

 o prospeto relativo aos certificados de depósito emitidos sobre ações que, no parecer técnico da ESMA foi apresentado como um documento único, foi dividido num documento de registo e numa nota para esses valores mobiliários, em consonância com todos os outros tipos de prospetos;

 o papel das autoridades nacionais competentes e dos emitentes foi clarificado no que se refere aos casos de emitentes com um historial financeiro complexo.

Após a apresentação, durante a reunião do EGESC em setembro de 2018, de uma síntese oral sobre o ponto da situação no que se refere ao trabalho de revisão, os serviços da Comissão publicaram uma versão revista do regulamento delegado no portal «Legislar Melhor» durante um período de recolha de observações de 4 semanas, que decorreu em dezembro de 2018. No

(5)

total, 16 partes interessadas apresentaram observações no quadro desta consulta. A fim de permitir que os serviços da Comissão procedessem a uma análise pormenorizada das informações recebidas, incorporassem algumas das alterações propostas e traduzissem o ato revisto, a adoção do regulamento delegado teve de ser adiada para o início de março de 2019.

3. ELEMENTOSJURÍDICOSDOATODELEGADO

Capítulo I: Definições

Este capítulo estabelece definições que explicam a terminologia utilizada nos artigos e nos anexos do regulamento delegado.

Capítulo II: Conteúdo do prospeto

Este capítulo estabelece as informações específicas que devem ser incluídas no documento de registo (incluindo o documento de registo universal) e na nota sobre os valores mobiliários do prospeto, bem como as informações adicionais cuja inclusão possa ser necessária em função do tipo de emitente, da emissão e dos valores mobiliários a que o prospeto se refere.

Capítulo III: Formato do prospeto

Este capítulo define o formato do prospeto, do prospeto de base e das condições finais, bem como os requisitos relativos ao sumário do prospeto.

Capítulo IV: O prospeto UE Crescimento

Este capítulo aborda o conteúdo, o formato e a sequência do prospeto UE Crescimento, bem como o conteúdo e o formato do respetivo sumário específico. Em especial:

 o formato normalizado do prospeto UE Crescimento ao abrigo do regime proporcionado de divulgações é concebido de forma a facilitar a sua elaboração pelos emitentes, tornando-o mais leve, ajudando a minimizar os custos para as PME e a facilitar o respetivo acesso ao financiamento, assegurando simultaneamente a confiança dos investidores;

 o sumário específico do prospeto UE Crescimento exige apenas informação relevante já incluída no prospeto UE Crescimento e é mais curto do que os sumários dos outros tipos de prospetos.

Capítulo V: Verificação e aprovação do prospeto e análise do documento de registo universal Este capítulo aborda:

 critérios para a verificação dos prospetos, nomeadamente em matéria de completude, a inteligibilidade e coerência das informações fornecidas, bem como procedimentos de aprovação de prospetos. O presente regulamento delegado visa criar um conjunto único de regras suscetível de ser aplicado de forma coerente em toda a UE. Os critérios de verificação permitem que autoridades competentes adotem uma abordagem proporcionada em relação à verificação dos prospetos, em função das circunstâncias específicas do emitente e da emissão;

 os critérios de verificação do documento de registo universal e das respetivas alterações, bem como os procedimentos de aprovação, notificação e análise desses documentos. Estes critérios têm em conta o facto de os objetivos e critérios da revisão ex post do documento de registo universal serem harmonizados com os da verificação ex ante e dizem respeito à completude, à coerência e à inteligibilidade da informação fornecida pelo emitente.

(6)

Capítulo VI: Disposições finais

Este capítulo prevê a revogação do regulamento da Comissão3 em vigor e a entrada em vigor do regulamento delegado em 21 de julho de 2019, que coincidirá com a entrada em vigor das disposições do Regulamento Prospetos4.

3 Regulamento (CE) n.º 809/2004 da Comissão, de 29 de abril de 2004, que estabelece normas de

aplicação da Diretiva 2003/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito à informação contida nos prospetos, bem como os respetivos modelos, à inserção por remissão, à publicação dos referidos prospetos e divulgação de anúncios publicitários (JO L 149 de 30.4.2004, p. 1).

4 Ao abrigo do artigo 49.º, n.º 2, do Regulamento (UE) 2017/1129, o mesmo regulamento é aplicável a

partir de 21 de julho de 2019, com exceção do artigo 1.º, n.º 3, e do artigo 3.º, n.º 2, que são aplicáveis a partir de 21 de julho de 2018, bem como do artigo 1.º, n.º 5, primeiro parágrafo, alíneas a), b) e c), e do

(7)

REGULAMENTO DELEGADO (UE) …/... DA COMISSÃO de 14.3.2019

que complementa o Regulamento (UE) 2017/1129 do Parlamento Europeu e do Conselho no que respeita ao formato, ao conteúdo, à verificação e à aprovação do prospeto a

publicar em caso de oferta de valores mobiliários ao público ou da sua admissão à negociação num mercado regulamentado, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 809/2004

da Comissão

(Texto relevante para efeitos do EEE)

A COMISSÃO EUROPEIA,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

Tendo em conta o Regulamento (UE) 2017/1129 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de junho de 2017, relativo ao prospeto a publicar em caso de oferta de valores mobiliários ao público ou da sua admissão à negociação num mercado regulamentado, e que revoga a Diretiva 2003/71/CE5, nomeadamente, o artigo 9.º, n.º 14, o artigo 13.º, n.os 1 e 2, o artigo 14.º, n.º 3, o artigo 15.º, n.º 2, e o artigo 20.º, n.º 11,

Considerando o seguinte:

(1) O Regulamento (UE) 2017/1129 estabelece os requisitos a cumprir aquando da elaboração dos prospetos. Os requisitos relativos à verificação, à análise, à aprovação e à notificação do documento de registo universal e das eventuais alterações ao mesmo, aos requisitos relativos ao formato do prospeto, do prospeto de base e das condições finais, às informações específicas a incluir no prospeto, às informações mínimas a incluir no documento de registo universal, às informações reduzidas a incluir no âmbito do regime simplificado de divulgação para as emissões secundárias, ao conteúdo reduzido, ao formato e à sequência normalizados do prospeto UE Crescimento, ao conteúdo reduzido e ao formato normalizado do sumário específico e à verificação e aprovação dos prospetos devem ser especificados.

(2) O conteúdo e o formato de um prospeto dependem de uma série de fatores, como o tipo de emitente, o tipo de valor mobiliário, o tipo de emissão, bem como o eventual envolvimento de um terceiro na qualidade de garante e a existência ou inexistência de uma admissão à negociação. Por conseguinte, não é adequado estabelecer os mesmos requisitos para todos os tipos de prospetos. Em vez disso, devem ser estabelecidos requisitos específicos de informação, que devem ser combinados em função desses fatores e do tipo de prospeto. Tal não deve, no entanto, impedir que um emitente, oferente ou pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado forneça no seu prospeto a informação mais completa de que disponha.

(3) A fim de garantir a segurança jurídica e aumentar a transparência para os investidores, os emitentes devem indicar no seu documento de registo universal se este foi aprovado pela autoridade competente ou apenas notificado e publicado sem aprovação prévia.

(8)

(4) Os requisitos de informação simplificados para as emissões secundárias devem ter em conta as especificidades dos valores mobiliários representativos de capital próprio e dos valores mobiliários não representativos de capital próprio.

(5) Os organismos de investimento coletivo de tipo fechado têm objetivos de investimento específicos e podem estar sujeitos a restrições ao investimento específicas. Os documentos de registo desses organismos devem, por conseguinte, estar sujeitos a requisitos de informação específicos.

(6) Atendendo à relação indireta entre o investidor e as ações subjacentes aos certificados de depósito, é importante que o investidor disponha de informações sobre o emitente das ações subjacentes. Por conseguinte, para além das informações sobre o certificado de depósito e o respetivo emitente, o prospeto para os certificados de depósito deve incluir informações sobre as ações subjacentes e o respetivo emitente.

(7) A informação contida nos prospetos para valores mobiliários não representativos de capital próprio deve ser adaptada ao nível de conhecimentos e competências de cada tipo de investidor. Os prospetos para valores mobiliários não representativos de capital próprio nos quais os pequenos investidores podem investir devem, por conseguinte, ser sujeitos a requisitos de informação mais abrangentes e distintos dos aplicados aos prospetos para valores mobiliários não representativos de capital próprio que são reservados a investidores qualificados.

(8) A obrigação de elaborar um prospeto aplica-se aos valores mobiliários não representativos de capital próprio emitidos por países terceiros e respetivas autoridades regionais e locais caso essas entidades pretendam realizar uma oferta pública de valores mobiliários na União ou pretendam que os seus valores mobiliários sejam admitidos à negociação num mercado regulamentado. Atendendo à natureza singular dessas entidades públicas, devem ser estabelecidos requisitos de informação específicos.

(9) Os investidores devem poder compreender a situação de um emitente com um historial financeiro complexo, bem como os efeitos esperados de uma transação que envolva um compromisso financeiro significativo. Por conseguinte, esses emitentes devem ser obrigados a incluir no prospeto informações adicionais nesse sentido.

(10) Habitualmente, nos casos em que os valores mobiliários são passíveis de troca por, ou convertíveis em, ações já admitidas à negociação num mercado regulamentado, os acionistas e os investidores já dispõem de informações sobre as ações subjacentes a esses valores mobiliários. Por conseguinte, basta acrescentar ao prospeto uma declaração que indique o tipo de ação subjacente e o local onde podem ser obtidas informações sobre esta última.

(11) Os investidores podem querer investir em valores mobiliários passíveis de troca por, ou convertíveis em, ações que sejam ou venham a ser emitidas pelo emitente desses valores mobiliários ou por uma entidade pertencente ao grupo desse emitente, e que ainda não tenham sido admitidas à negociação num mercado regulamentado. Esses investidores devem dispor da mesma informação que os investidores que investiram diretamente nessas ações relativamente à capacidade do emitente das ações subjacentes para continuar as suas operações e sobre o seu endividamento relativamente à sua capitalização. Por conseguinte, o prospeto deve conter uma declaração relativa ao fundo de maneio, bem como uma declaração relativa à capitalização e endividamento do emitente das ações subjacentes.

(9)

(12) Os valores mobiliários derivados implicam riscos específicos para os investidores visto que, a título de exemplo, as perdas podem ser mais elevadas do que o investimento realizado e o subjacente nem sempre é admitido à negociação num mercado regulamentado, pelo que as informações sobre esse subjacente podem não estar disponíveis. Alguns valores mobiliários não representativos de capital próprio, como as obrigações estruturadas, também incorporam determinados elementos característicos dos valores mobiliários derivados. Consequentemente, a nota sobre os valores mobiliários deve conter informações adicionais sobre o subjacente de um valor mobiliário derivado ou sobre a componente de derivado do valor mobiliário não representativo de capital próprio bem como, quando aplicável, uma declaração sobre as perdas potenciais que os investidores poderão ter de suportar.

(13) Caso seja elaborado um prospeto de base para os valores mobiliários associados a, ou respaldados por, um ativo subjacente, esse prospeto de base deve conter todas as informações sobre o tipo de ativo subjacente, caso esse ativo seja conhecido à data de aprovação do prospeto de base. As condições de mercado podem, no entanto, alterar a escolha do ativo subjacente dentro de uma categoria de ativos subjacentes. Por conseguinte, os pormenores específicos relativos a esse ativo subjacente só devem ser incluídos nas condições finais do prospeto de base.

(14) As garantias destinam-se a assegurar a realização efetiva dos pagamentos relacionados com o valor mobiliário. Tendo em conta a diversidade potencial das garantias, devem ser estabelecidos requisitos de informação claros relativamente à natureza e ao âmbito das mesmas.

(15) O formato do prospeto, do prospeto de base e das condições finais deve ser especificado, definindo a ordem pela qual a informação exigida deve ser divulgada. No entanto, devido ao caráter polivalente do documento de registo universal, os emitentes que optem por elaborar e publicar um documento de registo universal em cada exercício devem beneficiar de uma maior flexibilidade no que diz respeito à ordem das informações a fornecer nesse documento.

(16) Embora o prospeto de base deva conter todas as informações disponíveis à data da sua elaboração, deve ser possível deixar em branco os elementos relativos a informações específicas que só estarão disponíveis numa fase posterior e que serão incluídas nas condições finais, ou incluir uma lista dessas informações em falta.

(17) Nem sempre é necessário incluir um sumário no prospeto, o que não impede, no entanto, a inserção de uma secção de recapitulação. Contudo, para evitar induzir em erro os investidores, este recapitulativo não deve ser designado por sumário a menos que cumpra todos os requisitos relativos aos sumários.

(18) O prospeto UE crescimento visa reduzir os encargos administrativos, em especial para as PME. Por conseguinte, é oportuno simplificar a elaboração dos prospetos UE crescimento, definindo uma ordem fixa para a apresentação das informações. No entanto, a fim de assegurar que as informações são apresentadas de forma coerente e consistente com os diferentes modelos empresariais, deve ser concedida flexibilidade no que diz respeito à ordem de apresentação dos elementos de informação no interior de cada secção do prospeto UE crescimento.

(19) A fim de permitir a flexibilidade e incentivar a utilização do prospeto UE Crescimento, este último deve poder ser constituído por documentos distintos. Para evitar o risco de duplicação de informações, devem ser estabelecidos requisitos pormenorizados e adaptados ao tipo de valores mobiliários em questão para o

(10)

documento de registo específico, por um lado, e para a nota sobre os valores mobiliários específica, por outro, estabelecendo uma distinção entre valores mobiliários representativos de capital próprio e não representativos de capital próprio. (20) O sumário específico do prospeto UE Crescimento deve fornecer aos investidores as

informações essenciais necessárias para decidirem quais as ofertas de valores mobiliários que pretendem estudar em maior profundidade, analisando o prospeto no seu conjunto. Por conseguinte, o sumário deve indicar as características essenciais do emitente, os riscos associados a este último e aos valores mobiliários oferecidos, bem como os termos e condições gerais da oferta. No entanto, tendo em conta que o sumário específico é apenas uma introdução ao prospeto UE Crescimento e tem de ser lido juntamente com as outras partes, o conteúdo do sumário específico deve ser coerente com essas outras partes. A fim de garantir que a dimensão do sumário específico é adaptada à dimensão reduzida do prospeto UE Crescimento, o número de páginas do sumário deve ser limitado.

(21) A fim de assegurar que as autoridades competentes aplicam normas harmonizadas em toda a União no que se refere à verificação dos prospetos e, em especial, à completude, inteligibilidade e coerência das informações contidas nos projetos de prospetos, devem ser estabelecidos critérios para a verificação dos prospetos. Esses critérios devem aplicar-se a todo o projeto de prospeto e a todas as partes que o constituem, incluindo o documento de registo universal e as eventuais alterações e adendas ao prospeto. (22) Deve ser assegurado um elevado nível de proteção dos investidores. Para o efeito,

sempre que necessário, as autoridades competentes devem ser autorizadas a ter em conta critérios adicionais para a verificação da completude, da coerência e da inteligibilidade dos projetos de prospetos, a fim de adaptar essa verificação às características específicas de cada prospeto.

(23) Alguns emitentes estão envolvidos em atividades comerciais muito específicas, que exigem um conhecimento profundo das atividades em causa para se poder compreender plenamente os valores mobiliários por eles emitidos. É o caso, por exemplo, de uma empresa imobiliária, que pode ser obrigada a divulgar um relatório de avaliação do qual constem todos os dados relevantes para efeitos da avaliação de bens imobiliários importantes. Por conseguinte, as autoridades competentes devem poder adotar uma abordagem proporcionada e exigir, se necessário, que esses emitentes especializados incluam no prospeto informações específicas e adaptadas sobre essas atividades, indo além das informações exigidas aos emitentes não especializados.

(24) Tendo em conta a rápida evolução dos mercados de valores mobiliários, é possível que determinados tipos de valores mobiliários, não abrangidos pelos anexos do presente regulamento, venham a ser oferecidos ao público ou admitidos à negociação. Nesse caso, para permitir que os investidores tomem uma decisão de investimento informada, as autoridades competentes devem decidir, em consulta com o emitente, o oferente ou a pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado, quais as informações que devem ser incluídas no prospeto.

(25) A fim de promover a eficiência no processo de elaboração do prospeto e eliminar encargos desnecessários, é oportuno permitir a omissão de elementos de informação previstos nos anexos do presente regulamento que não sejam pertinentes para o emitente ou para os valores mobiliários oferecidos ou admitidos à negociação num mercado regulamentado.

(11)

(26) O controlo e aprovação dos prospetos é um processo iterativo. Como tal, a decisão da autoridade competente de aprovar o projeto de prospeto pode incluir várias sessões de análise do projeto de prospeto e consequentes melhorias por parte do emitente, do oferente ou da pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado, a fim de assegurar que o projeto de prospeto cumpre as normas de completude, inteligibilidade e coerência. A fim de proporcionar segurança quanto ao processo de aprovação, é necessário especificar quais os documentos que devem ser fornecidos às autoridades competentes nas diferentes fases do processo de aprovação. (27) Por razões de eficiência, as autoridades competentes devem ser autorizadas a efetuar

uma verificação simplificada caso o projeto de prospeto repita informações já verificadas ou analisadas.

(28) Para que autoridades competentes possam pesquisar termos ou palavras específicos nos documentos notificados e, deste modo, assegurar um processo de verificação dos prospetos eficiente e atempado, os projetos de prospetos e as informações que os acompanham devem ser apresentados em formato eletrónico passível de pesquisa e através de meios eletrónicos que a autoridade competente considere aceitáveis.

(29) Os emitentes, oferentes ou pessoas que solicitam a admissão à negociação num mercado regulamentado devem estar aptos a indicar à autoridade competente a forma como responderam às questões por ela notificadas. Cada projeto de prospeto apresentado à autoridade competente, com exceção do primeiro projeto, deve, por conseguinte, incluir uma versão consolidada, em que todas as alterações feitas ao projeto apresentado anteriormente estejam claramente realçadas, bem como uma versão «limpa», em que essas alterações não estejam realçadas.

(30) Para minimizar os atrasos no processo de verificação, as autoridades competentes devem poder identificar rapidamente os requisitos de informação que não são aplicáveis ou não são relevantes. Para esse efeito, as autoridades competentes devem ser informadas dos dados que não tenham sido incluídos no projeto de prospeto.

(31) A fim de simplificar a elaboração dos prospetos e, deste modo, facilitar a mobilização de capitais pelas empresas estabelecidas na União, bem como assegurar a aplicação de normas comuns para a verificação e aprovação dos prospetos, todos os requisitos relacionados com o formato, o conteúdo, a verificação e a aprovação dos prospetos devem ser estabelecidos num único regulamento.

(32) Uma vez que o presente regulamento delegado substitui o Regulamento (CE) n.º 809/2004 da Comissão6, este último tornou-se obsoleto, pelo que deve ser revogado.

(33) Por motivos de coerência, a aplicação do presente regulamento deve ser adiada até à data de aplicação do Regulamento (UE) 2017/1129,

6

Regulamento (CE) n.º 809/2004 da Comissão, de 29 de abril de 2004, que estabelece normas de aplicação da Diretiva 2003/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito à informação contida nos prospetos, bem como os respetivos modelos, à inserção por remissão, à publicação dos referidos prospetos e divulgação de anúncios publicitários (JO L 149 de 30.4.2004,

(12)

ADOTOU O PRESENTE REGULAMENTO:

CAPÍTULO I

DEFINIÇÕES

Artigo 1.º

Definições

Para efeitos do presente regulamento, entende-se por:

(a) «Valores mobiliários respaldados por ativos», os valores mobiliários não representativos de capital próprio que:

i) representam um interesse em ativos, incluindo quaisquer direitos destinados a assegurar o serviço financeiro desses ativos, o recebimento ou o recebimento atempado, pelos detentores desses ativos, dos montantes pagáveis ao abrigo dos mesmos,

ii) são garantidos por ativos e as condições dos valores mobiliários preveem pagamentos calculados por referência a esses ativos;

(b) «Mercado de país terceiro equivalente», um mercado de um país terceiro que foi considerado equivalente a um mercado regulamentado, em conformidade com os requisitos estabelecidos no artigo 25.º, n.º 4, terceiro e quarto parágrafos, da Diretiva 2014/65/UE do Parlamento Europeu e do Conselho7;

(c) «Estimativa de lucros», uma previsão de lucros relativa a um exercício financeiro encerrado e para o qual os resultados ainda não foram publicados;

(d) «Previsão de lucros», uma declaração que indica, expressamente ou implicitamente, um valor, ou um valor mínimo ou máximo, para o nível provável de lucros ou prejuízos no exercício financeiro corrente ou em exercícios financeiros futuros, ou que contém dados a partir dos quais pode ser efetuado um cálculo desse valor relativamente a lucros ou prejuízos futuros, ainda que não seja mencionado nenhum valor específico e a palavra «lucro» não seja utilizada;

(e) «Mudança significativa dos valores brutos», uma variação superior a 25 % em um ou mais indicadores da dimensão da atividade do emitente.

CAPÍTULO II

CONTEÚDO DO PROSPETO

S

ECÇÃO

1

I

NFORMAÇÃO MÍNIMA A INCLUIR NOS DOCUMENTOS DE REGISTO

Artigo 2.º

Documento de registo para valores mobiliários representativos de capital próprio

No caso dos valores mobiliários representativos de capital próprio, o documento de registo deve conter as informações referidas no anexo 1 do presente regulamento, exceto se for elaborado em conformidade com os artigos 9.º, 14.º ou 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129.

7 Diretiva 2014/65/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, relativa aos

(13)

Artigo 3.º

Documento de registo universal

Um documento de registo que seja elaborado em conformidade com o artigo 9.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 2 do presente regulamento.

Artigo 4.º

Documento de registo para emissões secundárias de valores mobiliários representativos de capital próprio

Um documento de registo específico para valores mobiliários representativos de capital próprio que seja elaborado em conformidade com o artigo 14.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 3 do presente regulamento.

Artigo 5.º

Documento de registo para unidades de participação em organismos de investimento coletivo de tipo fechado

No caso das unidades de participação emitidas por organismos de investimento coletivo de tipo fechado, o documento de registo deve incluir as informações referidas no anexo 4.

Artigo 6.º

Documento de registo para certificados de depósito emitidos sobre ações

No caso dos certificados de depósito emitidos sobre ações, o documento de registo deve conter as informações referidas no anexo 5.

Artigo 7.º

Documento de registo para valores mobiliários não representativos de capital próprio oferecidos no mercado de retalho

No caso dos valores mobiliários não representativos de capital próprio que não os referidos no artigo 8.º, n.º 2, do presente regulamento, o documento de registo deve conter as informações referidas no anexo 6 do presente regulamento, exceto se for elaborado em conformidade com os artigos 9.º, 14.º ou 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129, ou contiver as informações referidas no anexo 1 do presente regulamento.

Artigo 8.º

Documento de registo para valores mobiliários não representativos de capital próprio oferecidos no mercado grossista

1. No caso dos valores mobiliários não representativos de capital próprio referidos no n.º 2, o documento de registo deve conter as informações referidas no anexo 7 do presente regulamento, exceto se for elaborado em conformidade com os artigos 9.º, 14.º ou 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129, ou contiver as informações referidas nos anexos 1 a 6 do presente regulamento.

2. O requisito referido no n.º 1 aplica-se aos valores mobiliários não representativos de capital próprio que satisfazem uma das seguintes condições:

(a) Destinam-se a ser exclusivamente negociados num mercado regulamentado, ou num segmento específico de um mercado regulamentado, ao qual só possam ter

(14)

acesso investidores qualificados para efeitos da negociação desses valores mobiliários;

(b) Têm um valor nominal unitário de pelo menos 100 000 EUR ou, na ausência de valor nominal individual, só podem ser adquiridos, aquando da sua emissão, por um valor igual ou superior a 100 000 EUR por valor mobiliário.

Artigo 9.º

Documento de registo para emissões secundárias de valores mobiliários não representativos de capital próprio

Um documento de registo específico para valores mobiliários não representativos de capital próprio que seja elaborado em conformidade com o artigo 14.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 8 do presente regulamento, exceto se contiver as informações referidas no anexo 3 do presente regulamento.

Artigo 10.º

Documento de registo para valores mobiliários respaldados por ativos

Em derrogação dos artigos 7.º e 8.º, um documento de registo que seja elaborado para valores mobiliários respaldados por ativos deve incluir as informações referidas no anexo 9.

Artigo 11.º

Documento de registo para valores mobiliários não representativos de capital próprio emitidos por países terceiros ou respetivas autoridades regionais ou locais

Em derrogação dos artigos 7.º e 8.º, um documento de registo que seja elaborado para valores mobiliários não representativos de capital próprio emitidos por países terceiros ou respetivas autoridades regionais ou locais deve incluir as informações referidas no anexo 10.

S

ECÇÃO

2

I

NFORMAÇÃO MÍNIMA A INCLUIR NAS NOTAS SOBRE OS VALORES MOBILIÁRIOS

Artigo 12.º

Nota para valores mobiliários representativos de capital próprio ou unidades de participação emitidas por organismos de investimento coletivo de tipo fechado

No caso dos valores mobiliários representativos de capital próprio ou das unidades de participação emitidas por organismos de investimento coletivo de tipo fechado, a nota sobre os valores mobiliários deve conter as informações referidas no anexo 11 do presente regulamento, exceto se for elaborada em conformidade com os artigos 14.º ou 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129.

Artigo 13.º

Nota para emissões secundárias de valores mobiliários representativos de capital próprio ou unidades de participação emitidas por organismos de investimento coletivo

de tipo fechado oferecidos

Uma nota sobre valores mobiliários específica para valores mobiliários representativos de capital próprio ou unidades de participação emitidas por organismos de investimento coletivo do tipo fechado que seja elaborada em conformidade com o artigo 14.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 12 do presente regulamento.

(15)

Artigo 14.º

Nota para certificados de depósito emitidos sobre ações

No caso dos certificados de depósito emitidos sobre ações, a nota sobre valores mobiliários deve conter as informações referidas no anexo 13.

Artigo 15.º

Nota para valores mobiliários não representativos de capital próprio oferecidos no mercado de retalho

No caso dos valores mobiliários não representativos de capital próprio que não os referidos no artigo 8.º, n.º 2, do presente regulamento, a nota sobre os valores mobiliários deve conter as informações referidas no anexo 14 do mesmo regulamento, exceto se for elaborada uma nota sobre os valores mobiliários específica em conformidade com os artigos 14.º ou 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129.

Artigo 16.º

Nota para valores mobiliários não representativos de capital próprio oferecidos no mercado grossista

No caso dos valores mobiliários não representativos de capital próprio referidos no artigo 8.º, n.º 2, do presente regulamento, a nota sobre os valores mobiliários deve conter as informações referidas no anexo 15 do presente regulamento, exceto se contiver as informações referidas no anexo 14 do presente regulamento ou se for elaborada uma nota sobre os valores mobiliários específica em conformidade com os artigos 14.º ou 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129.

Artigo 17.º

Nota para emissões secundárias de valores mobiliários não representativos de capital próprio

Uma nota sobre valores mobiliários específica para valores mobiliários não representativos de capital próprio que seja elaborada em conformidade com o artigo 14.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 16 do presente regulamento.

S

ECÇÃO

3

I

NFORMAÇÕES ADICIONAIS A INCLUIR NO PROSPETO

Artigo 18.º

Historial financeiro complexo e compromisso financeiro significativo de emitentes de valores mobiliários representativos de capital próprio

1. Caso o emitente de um valor mobiliário representativo de capital próprio possua um historial financeiro complexo, ou tenha assumido um compromisso financeiro significativo, o prospeto deve incluir informações adicionais relativas a uma entidade distinta desse emitente, como referido no n.º 2.

2. Relativamente à entidade distinta do emitente, as informações adicionais são todas as informações referidas nos anexos 1 e 20 do presente regulamento de que os investidores necessitam para efetuar uma avaliação informada, como referido no artigo 6.º, n.º 1, e no artigo 14.º, n.º 2, do Regulamento (UE) 2017/1129, como se essa entidade fosse o emitente do valor mobiliário representativo de capital próprio.

(16)

Essas informações adicionais devem ser precedidas de uma explicação clara que indique as razões pelas quais essas informações são necessárias para que os investidores efetuem uma avaliação informada e devem especificar os efeitos do historial financeiro complexo ou do compromisso financeiro significativo para o emitente ou para a sua atividade.

3. Para efeitos do n.º 1, um emitente deve ser considerado como tendo um historial financeiro complexo caso se verifiquem cumulativamente as seguintes condições: (a) À data da elaboração do prospeto, a informação referida nos anexos relevantes

não representa de forma exata a empresa do emitente;

(b) A inexatidão referida na alínea a) afeta a capacidade dos investidores para efetuar uma avaliação informada, como referido no artigo 6.º, n.º 1, e no artigo 14.º, n.º 2, do Regulamento (UE) 2017/1129;

(c) São necessárias informações adicionais relativas a uma entidade distinta do emitente para que os investidores possam efetuar uma avaliação informada, como referido no artigo 6.º, n.º 1, e no artigo 14.º, n.º 2, do Regulamento (UE) 2017/1129.

4. Para efeitos do n.º 1, entende-se por compromisso financeiro significativo um acordo vinculativo com vista a realizar uma transação passível de provocar uma variação superior a 25 % em um ou mais indicadores da dimensão da atividade do emitente.

Artigo 19.º

Valores mobiliários passíveis de troca ou convertíveis em ações

1. No caso dos valores mobiliários passíveis de troca por, ou convertíveis em, ações que estejam admitidas à negociação num mercado regulamentado, a nota sobre os valores mobiliários deve conter, a título de informação adicional, as informações referidas no número 2.2.2 do anexo 17.

2. No caso dos valores mobiliários passíveis de troca por, ou convertíveis em, ações que são ou serão emitidas pelo emitente, ou por uma entidade pertencente ao grupo desse emitente, e que não são admitidas à negociação num mercado regulamentado, a nota sobre os valores mobiliários deve igualmente conter as seguintes informações adicionais:

(a) As informações referidas nos números 3.1 e 3.2 do anexo 11 no que diz respeito a esse emitente ou a essa entidade pertencente ao grupo do emitente; (b) As informações referidas no anexo 18 relativamente à ação subjacente.

3. No caso dos valores mobiliários passíveis de troca por, ou convertíveis em, ações que são ou serão emitidas por um terceiro emitente e que não são admitidas à negociação num mercado regulamentado, a nota sobre os valores mobiliários deve conter, a título de informação adicional, as informações referidas no anexo 18.

Artigo 20.º

Valores mobiliários que dão origem a obrigações de pagamento ou de entrega associadas a um ativo subjacente

1. No caso dos valores mobiliários, que não os referidos no artigo 19.º, que conferem o direito de subscrever ou adquirir ações que são ou serão emitidas pelo emitente ou por uma entidade pertencente ao grupo desse emitente e que são admitidas à

(17)

negociação num mercado regulamentado, a nota sobre os valores mobiliários deve conter, a título de informação adicional, as informações referidas no anexo 17.

2. No caso dos valores mobiliários, que não os referidos no artigo 19.º, que conferem o direito de subscrever ou adquirir ações que são ou serão emitidas pelo emitente ou por uma entidade pertencente ao grupo desse emitente e que não são admitidas à negociação num mercado regulamentado, a nota sobre os valores mobiliários deve também conter as seguintes informações adicionais:

(a) As informações referidas no anexo 17, com exceção das informações referidas no número 2.2.2 do mesmo anexo;

(b) As informações referidas no anexo 18 relativamente à ação subjacente.

3. No caso dos valores mobiliários, que não os referidos no artigo 19.º, que estão associados a um subjacente que não as ações referidas nos n.os 1 e 2 do presente artigo, a nota sobre os valores mobiliários deve conter, a título de informação adicional, as informações referidas no anexo 17.

Artigo 21.º

Valores mobiliários respaldados por ativos

No caso dos valores mobiliários respaldados por ativos, a nota sobre os valores mobiliários deve igualmente conter as informações adicionais referidas no anexo 19.

Artigo 22.º

Garantias

No caso dos valores mobiliários não representativos de capital próprio que incluem garantias, a nota sobre os valores mobiliários deve igualmente conter as informações adicionais referidas no anexo 21.

Artigo 23.º

Consentimento

Caso o emitente ou a pessoa responsável pela elaboração do prospeto consinta no seu uso como referido no artigo 5.º, n.º 1, segundo parágrafo, do Regulamento (UE) 2017/1129, o prospeto deve conter as seguintes informações adicionais:

(a) As informações referidas no anexo 22, números 1 e 2A, do presente regulamento, caso o consentimento seja dado a um ou mais intermediários financeiros especificados;

(b) As informações referidas no anexo 22, números 1 e 2B, do presente regulamento, caso o consentimento seja dado a todos os intermediários financeiros.

CAPÍTULO III

FORMATO DO PROSPETO

Artigo 24.º

Formato do prospeto

1. Caso o prospeto seja elaborado sob a forma de um documento único, deve ser composto pelos seguintes elementos, respeitando a ordem a seguir indicada:

(18)

(a) Um índice;

(b) Um sumário, se tal for exigido nos termos do artigo 7.º do Regulamento (UE) 2017/1129;

(c) Os fatores de risco referidos no artigo 16.º do Regulamento (UE) 2017/1129; (d) Todas as outras informações referidas nos anexos do presente regulamento que

devam ser incluídas nesse prospeto.

O emitente, o oferente ou a pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado pode decidir a ordem pela qual as informações referidas nos anexos do presente regulamento são apresentadas no prospeto.

2. Caso o prospeto seja elaborado sob a forma de documentos separados, o documento de registo e a nota sobre os valores mobiliários devem ser compostos pelos seguintes elementos, respeitando a ordem a seguir indicada:

(a) Um índice;

(b) Os fatores de risco referidos no artigo 16.º do Regulamento (UE) 2017/1129; (c) Todas as outras informações referidas nos anexos do presente regulamento que

devam ser incluídas nesse documento de registo ou nessa nota sobre os valores mobiliários.

O emitente, o oferente ou a pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado pode decidir a ordem pela qual as informações referidas nos anexos do presente regulamento são apresentadas no documento de registo e na nota sobre os valores mobiliários.

3. Caso o documento de registo seja elaborado sob a forma de um documento de registo universal, o emitente pode incluir os fatores de risco referidos no n.º 2, alínea b), entre as informações referidas na alínea c) do mesmo número, desde que esses fatores de risco continuem a ser identificáveis como uma secção única.

4. Caso o documento de registo universal seja utilizado para efeitos do artigo 9.º, n.º 12, do Regulamento (UE) 2017/1129, as informações constantes desse documento de registo universal devem ser apresentadas em conformidade com o [SP inserir uma referência ao Regulamento Delegado da Comissão, de 17 de dezembro de 2018, que complementa a Diretiva 2004/109/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas de regulamentação sobre a especificação de um formato eletrónico único de comunicação de informações]8.

5. Se a ordem das informações referidas no n.º 1, alínea d), e no n.º 2, alínea c), for diferente da ordem em que essas informações são apresentadas nos anexos do presente regulamento, as autoridades competentes podem solicitar que seja fornecida uma lista de referências cruzadas que indique os números, nesses anexos, a que essas informações correspondem.

A lista de referências cruzadas referida no primeiro parágrafo deve identificar os eventuais números, nos anexos do presente regulamento, que não tenham sido incluídos no projeto de prospeto devido à natureza ou ao tipo do emitente, dos valores mobiliários, da oferta ou da admissão à negociação.

6. Caso não seja exigida uma lista de referências cruzadas em conformidade com o n.º 5, ou caso esta lista não seja apresentada voluntariamente pelo emitente, pelo

(19)

oferente ou pela pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado, o projeto de prospeto deve indicar, na margem, os elementos de informação relevantes previstos nos anexos do presente regulamento aos quais a informação no projeto de prospeto corresponde.

Artigo 25.º

Formato do prospeto de base

1. Um prospeto de base que seja elaborado sob a forma de um documento único deve ser composto pelos seguintes elementos, respeitando a ordem a seguir indicada: (a) Um índice;

(b) Uma descrição geral do programa da oferta;

(c) Os fatores de risco referidos no artigo 16.º do Regulamento (UE) 2017/1129; (d) Todas as outras informações referidas nos anexos do presente regulamento que

devam ser incluídas nesse prospeto de base.

O emitente, o oferente ou a pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado pode decidir a ordem pela qual as informações referidas nos anexos do presente regulamento são apresentadas no prospeto de base.

2. Caso o prospeto de base seja elaborado sob a forma de documentos separados, o documento de registo e a nota sobre os valores mobiliários devem ser compostos pelos seguintes elementos, respeitando a ordem a seguir indicada:

(a) Um índice;

(b) Na nota sobre os valores mobiliários, uma descrição geral do programa da oferta;

(c) Os fatores de risco referidos no artigo 16.º do Regulamento (UE) 2017/1129; (d) Todas as outras informações referidas nos anexos do presente regulamento que

devam ser incluídas no documento de registo e na nota sobre os valores mobiliários.

O emitente, o oferente ou a pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado pode decidir a ordem pela qual as informações referidas nos anexos do presente regulamento são apresentadas no documento de registo e na nota sobre os valores mobiliários.

3. Os emitentes, oferentes ou pessoas que solicitam a admissão à negociação num mercado regulamentado podem reunir dois ou mais prospetos de base diferentes num documento único.

4. Caso o documento de registo seja elaborado sob a forma de um documento de registo universal, o emitente pode incluir os fatores de risco referidos no n.º 2, alínea c), entre as informações referidas na alínea d) do mesmo número, desde que esses fatores de risco continuem a ser identificáveis como uma secção única.

5. Caso o documento de registo universal seja utilizado para efeitos do artigo 9.º, n.º 12, do Regulamento (UE) 2017/1129, as informações constantes desse documento de registo universal devem ser apresentadas em conformidade com [SP inserir uma referência ao Regulamento Delegado da Comissão, de 17 de dezembro de 2018, que complementa a Diretiva 2004/109/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que

(20)

diz respeito às normas técnicas de regulamentação sobre a especificação de um formato eletrónico único de comunicação de informações].

6. Se a ordem das informações referidas nos n.os 1 e 2, alínea d), for diferente da ordem pela qual essas informações são apresentadas nos anexos do presente regulamento, as autoridades competentes podem solicitar que seja fornecida uma lista de referências cruzadas indicando os números, nos anexos, a que essas informações correspondem. A lista de referências cruzadas referida no primeiro parágrafo deve identificar os eventuais números, nos anexos do presente regulamento, que não tenham sido incluídos no projeto de prospeto de base devido à natureza ou ao tipo do emitente, dos valores mobiliários, da oferta ou da admissão à negociação.

7. Caso não seja exigida uma lista de referências cruzadas em conformidade com o n.º 6, ou caso esta lista não seja apresentada voluntariamente pelo emitente, pelo oferente ou pela pessoa que solicita a admissão à negociação num mercado regulamentado, o projeto de prospeto de base deve indicar na margem os elementos de informação relevantes previstos nos anexos do presente regulamento aos quais a informação no projeto de prospeto de base corresponde.

Artigo 26.º

Informações a incluir no prospeto de base e nas condições finais

1. As informações referidas como «categoria A» nos anexos 14 a 19 e no anexo 27 do presente regulamento devem ser incluídas no prospeto de base.

2. As informações referidas como «categoria B» nos anexos 14 a 19 e no anexo 27 do presente regulamento devem ser incluídas no prospeto de base, com exceção dos detalhes que não sejam conhecidos à data da aprovação desse prospeto de base. Esses detalhes devem ser inseridos nas condições finais.

3. As informações referidas como «categoria C» nos anexos 14 a 19 e no anexo 27 do presente regulamento devem ser inseridas nas condições finais, a menos que sejam conhecidas à data da aprovação do prospeto de base. Nesse caso, devem ser inseridas nesse prospeto de base.

4. Para além das informações referidas nos n.os 2 e 3 do presente artigo, as condições finais só podem conter as informações referidas no anexo 28 do presente regulamento. O formulário das condições finais referido no artigo 8.º, n.º 2, alínea a), do Regulamento (UE) 2017/1129 deve indicar quais são as informações, de entre as referidas no anexo 28 do presente regulamento, que devem ser especificadas nas condições finais.

5. As condições finais não podem contradizer a informação incluída no prospeto de base.

Artigo 27.º

Sumário do prospeto

1. Um eventual recapitulativo do prospeto só deve utilizar o termo «sumário» se cumprir os requisitos estabelecidos no artigo 7.º do Regulamento (UE) 2017/1129. 2. Caso o sumário de um prospeto deva ser objeto de adenda em conformidade com o

artigo 23.º do Regulamento (UE) 2017/1129, as novas informações devem ser integradas no sumário desse prospeto de tal forma que permita aos investidores identificar facilmente as alterações. As novas informações devem ser integradas no

(21)

sumário do prospeto mediante a elaboração de um novo sumário ou a introdução de uma adenda ao sumário original.

CAPÍTULO IV

O PROSPETO UE CRESCIMENTO

Artigo 28.º

Documento de registo UE Crescimento para valores mobiliários representativos de capital próprio

Um documento de registo específico para valores mobiliários representativos de capital próprio que seja elaborado em conformidade com o artigo 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 24 do presente regulamento.

Artigo 29.º

Documento de registo UE Crescimento para valores mobiliários não representativos de capital próprio

Um documento de registo específico para valores mobiliários não representativos de capital próprio que seja elaborado em conformidade com o artigo 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 25 do presente regulamento.

Artigo 30.º

Nota UE Crescimento para valores mobiliários representativos de capital próprio

Uma nota sobre os valores mobiliários específica para valores mobiliários representativos de capital próprio que seja elaborada em conformidade com o artigo 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 26 do presente regulamento.

Artigo 31.º

Nota UE Crescimento para valores mobiliários não representativos de capital próprio

Uma nota sobre os valores mobiliários específica para valores mobiliários não representativos de capital próprio que seja elaborada em conformidade com o artigo 15.º do Regulamento (UE) 2017/1129 deve conter as informações referidas no anexo 27 do presente regulamento.

Artigo 32.º

Formato do prospeto UE Crescimento

1. Um prospeto UE Crescimento que seja elaborado sob a forma de um documento único deve ser composto pelos seguintes elementos, respeitando a ordem a seguir indicada:

(a) Um índice;

(b) se aplicável, todas as informações inseridas mediante remissão nos termos do artigo 19.º do Regulamento (UE) 2017/1129,

(c) O sumário específico;

(d) Caso o prospeto UE Crescimento seja elaborado sob a forma de um prospeto de base, uma descrição geral do programa de oferta;

(22)

(e) As informações referidas no anexo 24, secção 1, ou no anexo 25, secção 1, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários;

(f) As informações referidas no anexo 24, secção 2, ou no anexo 25, secção 2, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários;

(g) Caso os valores mobiliários representativos de capital próprio sejam emitidos por um emitente com uma capitalização bolsista superior a 200 000 000 EUR, as informações referidas no anexo 26, secção 2, do presente regulamento; (h) As informações referidas no anexo 24, secção 3, e no anexo 26, secção 3, ou as

informações referidas no anexo 25, secção 3, e no anexo 27, secção 2, em função do tipo de valores mobiliários;

(i) As informações referidas no anexo 26, secção 4, ou no anexo 27, secção 3, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários;

(j) As informações referidas no anexo 26, secção 5, ou no anexo 27, secção 4, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários;

(k) As informações referidas no anexo 24, secção 4, ou no anexo 25, secção 4, do presente regulamento em função do tipo de valores mobiliários;

(l) As informações referidas no anexo 24, secção 5, ou no anexo 25, secção 5, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários;

(m) As informações referidas no anexo 24, secção 6, ou no anexo 25, secção 6, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários;

(n) Caso os valores mobiliários não representativos de capital próprio incluam garantias, as informações referidas no anexo 27, secção 5, do presente regulamento;

(o) As informações referidas no anexo 24, secção 7, ou no anexo 25, secção 7, do presente regulamento, em função do tipo de valores mobiliários.

2. Caso um prospeto UE Crescimento seja elaborado sob a forma de documentos separados, o documento de registo UE Crescimento e a nota sobre os valores mobiliários UE Crescimento devem ser compostos pelos seguintes elementos, respeitando a ordem a seguir indicada:

(a) Documento de registo UE Crescimento: i) um índice,

ii) se aplicável, todas as informações inseridas mediante remissão nos termos do artigo 19.º do Regulamento (UE) 2017/1129,

iii) qualquer outra informação referida no anexo 24 ou 25 do presente regulamento que, em função do tipo de valores mobiliários, deva ser incluída no documento de registo UE Crescimento, seguindo a ordem das secções estabelecidas nesses anexos.

(b) Nota UE Crescimento sobre os valores mobiliários representativos de capital próprio:

i) um índice,

ii) se aplicável, todas as informações inseridas mediante remissão nos termos do artigo 19.º do Regulamento (UE) 2017/1129,

(23)

iii) uma descrição geral do programa, caso se trate de um prospeto de base, iv) qualquer outra informação referida no anexo 26 ou 27 do presente

regulamento que, em função do tipo de valores mobiliários, deva ser incluída na nota UE Crescimento sobre os valores mobiliários, seguindo a ordem das secções estabelecidas nesses anexos.

3. Um prospeto UE Crescimento que seja elaborado quer sob a forma de um documento único, quer sob a forma de documentos separados, pode assumir a forma de um prospeto de base.

4. As PME, os emitentes e os oferentes referidos no artigo 15.º, n.º 1, do Regulamento (UE) 2017/1129 devem seguir a ordem das secções dos anexos do presente regulamento. Podem, no entanto, desviar-se da ordem pela qual são apresentados os elementos de informação nessas secções.

Artigo 33.º

Sumário específico para o prospeto UE Crescimento

1. O sumário específico do prospeto UE Crescimento deve fornecer as informações essenciais de que os investidores necessitam para compreender a natureza e os riscos do emitente, do garante e dos valores mobiliários que estão a ser oferecidos.

2. O conteúdo do sumário específico deve ser exato, apropriado, claro e não deve induzir em erro.

3. O sumário específico deve ser coerente com as outras partes do prospeto UE Crescimento.

4. O sumário específico deve ser elaborado sob a forma de um documento curto, escrito de forma concisa e com um máximo de seis páginas de formato A4, quando impresso. O sumário específico deve:

(a) Ter uma apresentação e disposição que facilitem a leitura, com carateres de tamanho legível;

(b) Ser redigido numa linguagem clara, não técnica e concisa, que facilite a compreensão da informação e a sua inteligibilidade para os investidores.

O primeiro parágrafo também se aplica caso as informações sejam apresentadas sob a forma de quadro.

5. O sumário específico deve conter as informações referidas no anexo 23 do presente regulamento.

6. O sumário específico não pode conter referências cruzadas a outras partes do prospeto UE Crescimento nem inserir informações por remissão.

7. O sumário específico pode utilizar sub-rubricas para apresentar as informações referidas no anexo 22, secções 2, 3 e 4, do presente regulamento.

8. O número total de fatores de risco referidos no anexo 23, números 2.3.1, 3.3, alínea d), e 3.4.1, do presente regulamento e incluídos no sumário específico não deve ser superior a 15.

(24)

9. Caso os valores mobiliários estejam também sujeitos ao Regulamento (UE) n.º 1286/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho9, a autoridade competente do Estado-Membro de origem pode exigir que as PME, os emitentes e os oferentes referidos no artigo 15.º, n.º 1, do Regulamento (UE) 2017/1129 substituam as informações referidas no anexo 23, número 3, do presente regulamento, pelas informações previstas no artigo 8.º, n.º 3, alíneas c) a i), do Regulamento (UE) n.º 1286/2014.

10. Caso a substituição referida no n.º 9 não seja exigida pela autoridade competente do Estado-Membro de origem, as PME, os emitentes e os oferentes referidos no artigo 15.º, n.º 1, do Regulamento (UE) 2017/1129 podem substituir as informações referidas no anexo 23, secção 3, do presente regulamento pelas informações previstas no artigo 8.º, n.º 3, alíneas c) a i), do Regulamento (UE) n.º 1286/2014.

11. Caso a informação referida nos n.os 9 e 10 seja substituída, essa informação deve ser incluída sob a forma de uma secção distinta do sumário específico, devendo essa secção ser claramente identificada como incluindo as informações previstas no artigo 8.º, n.º 3, alíneas c) a i), do Regulamento (UE) n.º 1286/2014.

12. O número máximo de páginas do sumário específico referido no n.º 4 pode ser acrescido de:

(a) Uma página adicional em formato A4, caso o sumário específico contenha informações sobre uma garantia associada aos valores mobiliários;

(b) Duas páginas adicionais em formato A4, caso o sumário específico abranja vários valores mobiliários que diferem apenas em aspetos muito limitados, como o preço de emissão ou a data de vencimento;

(c) Três páginas adicionais em formato A4, caso seja feita uma substituição de informações como referido nos n.os 9 e 10.

Para efeitos da alínea c), caso o sumário específico abranja vários valores mobiliários que diferem apenas em aspetos muito limitados, como o preço de emissão ou a data de vencimento, podem ser utilizadas três páginas adicionais em formato A4 para cada valor mobiliário.

Artigo 34.º

Adendas ao sumário específico do prospeto UE Crescimento

Caso o sumário específico de um prospeto UE Crescimento deva ser objeto de adenda em conformidade com o artigo 23.º do Regulamento (UE) 2017/1129, as novas informações devem ser integradas no sumário específico desse prospeto UE Crescimento de tal forma que permita aos investidores identificar facilmente as alterações. As novas informações devem ser integradas no sumário específico do prospeto UE Crescimento mediante a elaboração de um novo sumário específico ou a introdução de uma adenda ao sumário específico original.

9 Regulamento (UE) n.º 1286/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de novembro de 2014,

Imagem

Referências

temas relacionados :