Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC. Contabilidade - Prof: Fernando Aprato

120 

Texto

(1)

Demonstração dos Fluxos de Caixa –

DFC

(2)
(3)

A demonstração dos fluxos de caixa tem o objetivo de apresentar aos usuários das demonstrações financeiras as modificações ocorridas no “CAIXA” de uma entidade durante um exercício social.

O conceito de CAIXA na DFC é amplo, uma vez que este representa o saldo da conta Caixa, somado, aos saldos da conta Banco e das contas de Aplicações Financeiras de Liquidez

Imediata, isto é, aplicações feitas para resgate em menos de 90 dias.

A DFC também tem que demonstrar as origens das mudanças no saldo do Caixa. O usuário da informação precisa entender se o Caixa alterou em função da atividade (operacional), se a alteração foi em função da venda de um imóvel (investimento) ou, ainda, se o Caixa melhorou porque foi feito um empréstimo (financiamento).

(4)

A finalidade das informações dispostas na DFC é auxiliar na tomada de decisões.

Portanto, essas informações, conjuntamente com aquelas apresentadas nas demais demonstrações, permitem a avaliação:

a)da capacidade da empresa gerar futuros fluxos líquidos positivos de caixa (porque demonstra quais tipos de operação geram caixa e quais a consomem);

b) da capacidade da empresa honrar seus compromissos;

c) da liquidez, solvência e flexibilidade financeira da empresa; d) da taxa de conversão de lucro em caixa;

e) da performance operacional de diferentes empresas (eliminando o efeitos dos distintos tratamentos contábeis dados a transações semelhantes);

f) do grau de precisão das estimativa passadas de fluxos de caixa;

g) Os efeitos, sobre a posição financeira da empresa, as transações de investimento e financiamento.

(5)

Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos usuários das demonstrações contábeis uma base para avaliar a capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como as necessidades da entidade de utilização desses fluxos de caixa. As decisões econômicas que são tomadas pelos usuários exigem avaliação da capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como da época de sua ocorrência e do grau de certeza de sua geração.

(6)
(7)

Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício: [...]

IV – demonstração dos fluxos de caixa; e [...]

§ 6° A companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, inferior a R$

2.000.000,00 (dois milhões de reais) não será obrigada à elaboração e publicação da

(8)

Art. 188. As demonstrações referidas nos incisos IV e V do caput do art. 176 desta Lei indicarão, no mínimo:

I – demonstração dos fluxos de caixa – as alterações ocorridas, durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, segregando-se essas alterações em, no mínimo, 3 (três) fluxos:

a) das operações;

b) dos financiamentos; e c) dos investimentos;

(9)

Atividades Operacion

ais

DFC

Atividades de Financiamento

(10)
(11)
(12)

Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos

usuários das demonstrações contábeis uma base para avaliar a capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como as necessidades da entidade de utilização

desses fluxos de caixa. As decisões econômicas que são tomadas pelos usuários exigem avaliação da capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como da época de sua ocorrência e do grau de certeza de sua geração.

Como equivalentes de caixa devemos entender a conta bancos, aplicações financeiras de liquidez imediata, etc.

(13)
(14)

3. Os usuários das demonstrações contábeis de uma entidade estão interessados em saber como a entidade gera e utiliza caixa e equivalentes de caixa. Esse é o ponto, independentemente da natureza das atividades da entidade, e ainda que o caixa seja considerado como produto da entidade, como pode ser o caso de instituição financeira. As entidades necessitam de caixa essencialmente pelas mesmas razões, por mais diferentes que sejam as suas principais atividades geradoras de receita. Elas precisam de caixa para levar a efeito suas operações, pagar suas obrigações e proporcionar um retorno para seus investidores. Assim sendo, este Pronunciamento Técnico requer que todas as entidades apresentem demonstração dos fluxos de caixa.

(15)

3.3. Benefícios das Informações

dos Fluxos de Caixa

(16)

4. A demonstração dos fluxos de caixa, quando usada em conjunto com as demais demonstrações contábeis, proporciona informações que permitem que os usuários avaliem as mudanças nos ativos líquidos da entidade, sua estrutura financeira (inclusive sua liquidez e solvência) e sua capacidade para mudar os montantes e a época de ocorrência dos fluxos de caixa, a fim de adaptá-los às mudanças nas circunstâncias e oportunidades.

As informações sobre os fluxos de caixa são úteis para avaliar a capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa e possibilitam aos usuários desenvolver modelos para avaliar e comparar o valor presente dos fluxos de caixa futuros de diferentes entidades. A demonstração dos fluxos de caixa também concorre para o incremento da comparabilidade na apresentação do desempenho operacional por diferentes entidades, visto que reduz os efeitos decorrentes do uso de diferentes critérios contábeis para as mesmas transações e eventos.

(17)

5. Informações históricas dos fluxos de caixa são frequentemente utilizadas como indicador do montante, época de ocorrência e grau de certeza dos fluxos de caixa futuros. Também são úteis para averiguar a exatidão das estimativas passadas dos fluxos de caixa futuros, assim como para examinar a relação entre lucratividade e fluxos de caixa líquidos e o impacto das mudanças de preços.

(18)
(19)

6. Os seguintes termos são usados neste Pronunciamento Técnico, com os significados abaixo especificados:

Caixa: compreende numerário em espécie e depósitos bancários disponíveis.

Equivalentes de caixa: são aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, que são prontamente conversíveis em montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor.

(20)

Atividades operacionais: são as principais atividades geradoras de receita da entidade e outras atividades que não são de investimento e tampouco de financiamento.

Atividades de investimento: são as referentes à aquisição e à venda de ativos de longo prazo e de outros investimentos não incluídos nos equivalentes de caixa.

Atividades de financiamento: são aquelas que resultam em mudanças no tamanho e na composição do capital próprio e no capital de terceiros da entidade.

(21)

!! ATENÇÃO !!

Empréstimos bancários são geralmente considerados como atividades de financiamento. Entretanto, saldos bancários a descoberto, decorrentes de empréstimos obtidos por meio de instrumentos como cheques especiais ou contas correntes garantidas que são liquidados em curto lapso temporal compõem parte integral da gestão de caixa da entidade. Nessas circunstâncias, saldos bancários a descoberto são incluídos como

componente de caixa e equivalentes de caixa. Uma característica desses arranjos

(22)

(TRASNPETRO/Técnico Jr – Administração e Controle/CESGRANRIO/2018) - A

Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC objetiva, basicamente, evidenciar a movimentação financeira da empresa, no decorrer de um exercício social.

Nesse contexto, a expressão “as principais atividades geradoras de receita da entidade pelas transações que envolvem a consecução de seu objeto social” corresponde à

definição técnica de a) atividades de financiamento b) atividades de investimento c) atividades operacionais d) equivalentes de caixa e) fluxos de caixa Gabarito = C

(23)

(TRASNPETRO/Técnico Jr – Administração e Controle/CESGRANRIO/2018) - Ao final de

um exercício, uma companhia apresentou os seguintes dados resumidos da Demonstração dos Fluxos de Caixa, elaborada pelo método indireto:

Se a companhia iniciou o exercício com um saldo de caixa e equivalentes de caixa de R$ 353.100,00, é correto afirmar que

a) a variação no caixa foi de R$ 32.470,00.

b) o caixa líquido ao final do exercício foi de R$ 332.620,00. c) o caixa total consumido nas atividades foi de R$ 406.050,00.

d) houve incremento nas disponibilidades financeiras ao final do exercício.

e) as atividades de investimento e de financiamento não afetaram as disponibilidades

financeiras.

Gabarito = B

Fluxo de caixa líquido das atividades operacionais R$ 385.570,00 Fluxo de caixa líquido das atividades de investimento -R$ 106.350,00 Fluxo de caixa líquido das atividades de financiamento -R$ 299.700,00

(24)
(25)

10. A demonstração dos fluxos de caixa deve apresentar os fluxos de caixa do período classificados por atividades operacionais, de investimento e de financiamento.

11. A entidade deve apresentar seus fluxos de caixa advindos das atividades operacionais, de investimento e de financiamento da forma que seja mais apropriada aos seus negócios. A classificação por atividade proporciona informações que permitem aos usuários avaliar o impacto de tais atividades sobre a posição financeira da entidade e o montante de seu caixa e equivalentes de caixa. Essas informações podem ser usadas também para avaliar a relação entre essas atividades.

12. Uma única transação pode incluir fluxos de caixa classificados em mais de uma

atividade. Por exemplo, quando o desembolso de caixa para pagamento de empréstimo

inclui tanto os juros como o principal, a parte dos juros pode ser classificada como atividade operacional, mas a parte do principal deve ser classificada como atividade de financiamento.

(26)

Atividades

Operacionais

são as principais atividades geradoras de receita da entidade e outras atividades que não são de investimento e tampouco de financiamento

Atividades de

Investimento

são as referentes à aquisição e à venda de ativos de

longo prazo e de outros investimentos não incluídos nos

equivalentes de caixa

Atividades de

Financiamento

são aquelas que resultam em mudanças no tamanho e na composição do capital próprio e no capital de

(27)
(28)

O montante dos fluxos de caixa decorrentes das atividades operacionais é um indicador de como a operação da empresa tem gerado suficientes fluxos de caixa para amortizar empréstimos, manter a capacidade operacional da entidade, pagar dividendos e juros sobre o capital próprio e fazer novos investimentos sem recorrer a fontes externas de financiamento. Envolvem todas as atividades relacionadas com a produção e entrega de bens e serviços e os eventos que não sejam definidos como atividades de investimento e

financiamento. Normalmente, relacionam-se com as transações que

(29)

13. O montante dos fluxos de caixa advindos das atividades operacionais é um indicador chave da extensão pela qual as operações da entidade têm gerado suficientes fluxos de caixa para amortizar empréstimos, manter a capacidade operacional da entidade, pagar dividendos e juros sobre o capital próprio e fazer novos investimentos sem recorrer a fontes externas de financiamento. As informações sobre os componentes específicos dos fluxos de caixa operacionais históricos são úteis, em conjunto com outras informações, na projeção de fluxos futuros de caixa operacionais.

(30)

14. Os fluxos de caixa advindos das atividades operacionais são basicamente derivados das principais atividades geradoras de receita da entidade. Portanto, eles geralmente resultam de transações e de outros eventos que entram na apuração do lucro líquido ou prejuízo. Exemplos de fluxos de caixa que decorrem das atividades operacionais são:

(a) recebimentos de caixa pela venda de mercadorias e pela prestação de serviços ;

(b) recebimentos de caixa decorrentes de royalties, honorários, comissões e outras

receitas;

(c) pagamentos de caixa a fornecedores de mercadorias e serviços; (d) pagamentos de caixa a empregados ou por conta de empregados;

(e) recebimentos e pagamentos de caixa por seguradora de prêmios e sinistros, anuidades e outros benefícios da apólice;

(f) pagamentos ou restituição de caixa de impostos sobre a renda, a menos que possam

ser especificamente identificados com as atividades de financiamento ou de investimento; e

(g) recebimentos e pagamentos de caixa de contratos mantidos para negociação imediata ou disponíveis para venda futura.

(31)

Algumas transações, como a venda de item do imobilizado, podem resultar em ganho ou perda, que é incluído na apuração do lucro líquido ou prejuízo. Os fluxos de caixa relativos a tais transações são fluxos de caixa provenientes de atividades de investimento.

Entretanto, pagamentos em caixa para a produção ou a aquisição de ativos mantidos para aluguel a terceiros que, em sequência, são vendidos, conforme descrito no item 68A do Pronunciamento Técnico CPC 27 - Ativo Imobilizado, são fluxos de caixa advindos das

atividades operacionais. Os recebimentos de aluguéis e das vendas subsequentes de tais

(32)

15. A entidade pode manter títulos e empréstimos para fins de negociação imediata ou futura (dealing or trading purposes), os quais, no caso, são semelhantes a estoques adquiridos especificamente para revenda. Dessa forma, os fluxos de caixa advindos da compra e venda desses títulos são classificados como atividades operacionais. Da mesma forma, as antecipações de caixa e os empréstimos feitos por instituições financeiras são comumente classificados como atividades operacionais, uma vez que se referem à principal atividade geradora de receita dessas entidades.

(33)

Exemplos de entradas:

(

a) recebimentos de caixa pela venda de mercadorias e pela prestação de serviços à vista; recebimento de contas a receber, no caso de vendas a prazo; recebimentos pelo desconto de duplicatas;

(b) recebimentos de caixa decorrentes de royalties, honorários, comissões e outras receitas;

(c) recebimentos de juros sobre empréstimos concedidos e sobre aplicações financeiras em outras entidades, bem como o recebimento de dividendos e juros sobre capital próprio pela participação no patrimônio de outras entidades;

(d) outros recebimentos não classificados como atividades de investimento ou financiamento, tais como o recebimento de prêmios de sinistros, indenizações (salvo as relacionadas às atividades de financiamento ou investimento).

(34)

Exemplos de saídas:

(a) pagamentos de caixa a fornecedores de mercadorias e serviços; (b) pagamentos de caixa a empregados ou por conta de empregados; (c) pagamentos de tributos aos governos federal, estadual e municipal;

(d) pagamentos de juros dos empréstimos e financiamentos obtidos. A amortização do empréstimo (do valor principal) é considerado como atividade de financiamento.

(35)
(36)

Relacionam-se normalmente com o aumento e a diminuição dos ativos de longo prazo

(não circulantes) que a empresa utiliza para produzir bens e serviços. Incluem a concessão

e o recebimento de empréstimos, a aquisição e a venda de instrumentos financeiros e

patrimoniais de outras entidades e a aquisição e alienação de imobilizados e de participações societárias classificadas como investimentos. Mas incluem também todas

as aplicações financeiras, inclusive as de curto prazo (exceto as que geram ativos classificáveis como equivalentes de caixa), destinadas a dar remuneração a recursos temporariamente ociosos ou a especulação.

(37)

16. A divulgação em separado dos fluxos de caixa advindos das atividades de investimento é importante em função de tais fluxos de caixa representarem a extensão em que os dispêndios de recursos são feitos pela entidade com a finalidade de gerar lucros e fluxos de caixa no futuro. Somente desembolsos que resultam em ativo reconhecido nas demonstrações contábeis são passíveis de classificação como atividades de investimento. Exemplos de fluxos de caixa advindos das atividades de investimento são:

(a) pagamentos em caixa para aquisição de ativo imobilizado, intangíveis e outros ativos

de longo prazo. Esses pagamentos incluem aqueles relacionados aos custos de

(38)

(

b) recebimentos de caixa resultantes da venda de ativo imobilizado, intangíveis e outros

ativos de longo prazo;

(c) pagamentos em caixa para aquisição de instrumentos patrimoniais ou instrumentos

de dívida de outras entidades e participações societárias em joint ventures (exceto

aqueles pagamentos referentes a títulos considerados como equivalentes de caixa ou aqueles mantidos para negociação imediata ou futura);

(d) recebimentos de caixa provenientes da venda de instrumentos patrimoniais ou

instrumentos de dívida de outras entidades e participações societárias em joint ventures

(exceto aqueles recebimentos referentes aos títulos considerados como equivalentes de caixa e aqueles mantidos para negociação imediata ou futura);

(39)

(e) adiantamentos em caixa e empréstimos feitos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos feitos por instituição financeira);

(f) recebimentos de caixa pela liquidação de adiantamentos ou amortização de

empréstimos concedidos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos de

instituição financeira);

(g) pagamentos em caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto quando

tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou futura, ou os pagamentos forem classificados como atividades de financiamento; e

(h) recebimentos de caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto

quando tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou venda futura, ou os recebimentos forem classificados como atividades de financiamento.

(40)

(e) adiantamentos em caixa e empréstimos feitos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos feitos por instituição financeira);

(f) recebimentos de caixa pela liquidação de adiantamentos ou amortização de

empréstimos concedidos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos de

instituição financeira);

(g) pagamentos em caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto quando

tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou futura, ou os pagamentos forem classificados como atividades de financiamento; e

(h) recebimentos de caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto

quando tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou venda futura, ou os recebimentos forem classificados como atividades de financiamento.

(41)

(e) adiantamentos em caixa e empréstimos feitos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos feitos por instituição financeira);

(f) recebimentos de caixa pela liquidação de adiantamentos ou amortização de

empréstimos concedidos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos de

instituição financeira);

(g) pagamentos em caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto quando

tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou futura, ou os pagamentos forem classificados como atividades de financiamento; e

(h) recebimentos de caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto

quando tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou venda futura, ou os recebimentos forem classificados como atividades de financiamento.

(42)

!! ATENÇÃO !!

De acordo com o CPC 03, algumas transações, como a venda de item do imobilizado, podem resultar em ganho ou perda, que é incluído na apuração do lucro líquido ou prejuízo. Os fluxos de caixa relativos a tais transações são fluxos de caixa provenientes de

atividades de investimento. Entretanto, pagamentos em caixa para a produção ou a aquisição de ativos mantidos para aluguel a terceiros que, em sequência, são vendidos são fluxos de caixa advindos das atividades operacionais. Os recebimentos de aluguéis e das vendas subsequentes de tais ativos são também fluxos de caixa das atividades operacionais

.

Exemplo: a empresa adquire 10 automóveis à vista que serão mantidos para aluguel e ao

final de 1 ano decide vendê-los. O valor pago na aquisição dos automóveis, as receitas recebidas pelo aluguel e pela venda posterior dos ativos serão classificados como Fluxos Operacionais e não de Investimentos.

(43)

(EBSERH/Analista Administrativo – Contabilidade/CESPE/2018) - Julgue o item seguinte, a

respeito da elaboração das demonstrações contábeis segundo os pronunciamentos do CPC e a legislação vigente.

O valor pago na aquisição de um imóvel destinado a locação a terceiro é exemplo de fluxo de caixa decorrente de atividades de investimentos.

( ) Certo ( ) Errado

(44)

(EBSERH/Analista – Gestão Hospitalar/CESPE/2018) - Acerca da função da administração

financeira hospitalar, julgue o próximo item.

As entradas e saídas de caixa devido à compra e venda de ativos imobilizados e participações não societárias correspondem ao fluxo de investimento.

( ) Certo ( ) Errado

(45)
(46)

Os fluxos de caixa provenientes das atividades de financiamento são úteis para prever as exigências sobre futuros fluxos de caixa pelos fornecedores de capital à entidade, bem como da capacidade que a empresa tem, utilizando recursos externos, para financiar as atividades operacionais e de financiamento. Relacionam-se com os empréstimos de credores e investidores da entidade. Incluem a obtenção de recursos dos proprietários e o pagamento a estes de retornos sobre seus investimentos ou do próprio reembolso do investimento; incluem também a obtenção de empréstimos junto a credores e a amortização ou liquidação destes, bem como a obtenção e pagamento de recursos de/a credores via créditos de longo prazo.

(47)

17. A divulgação separada dos fluxos de caixa advindos das atividades de financiamento é importante por ser útil na predição de exigências de fluxos futuros de caixa por parte de fornecedores de capital à entidade. Exemplos de fluxos de caixa advindos das atividades de financiamento são:

(a) caixa recebido pela emissão de ações ou outros instrumentos patrimoniais;

(b) pagamentos em caixa a investidores para adquirir ou resgatar ações da entidade;

(c) caixa recebido pela emissão de debêntures, empréstimos, notas promissórias, outros

títulos de dívida, hipotecas e outros empréstimos de curto e longo prazos;

(d) amortização de empréstimos e financiamentos; e

(e) pagamentos em caixa pelo arrendatário para redução do passivo relativo a arrendamento mercantil financeiro.

(48)

!! Atenção !!

Apesar de ser atividade relacionada à ativo imobilizado (arrendamento mercantil financeiro), o pagamento em caixa para redução de passivo relativo a arrendamento

(49)

(MPE AL/Contador/FGV/2018) - Uma entidade emitiu uma debênture, em 2014, no valor

de R$ 500.000, com juros de 8% ao ano. O valor recebido foi utilizado para a compra de máquinas, que foram utilizadas no negócio da entidade.

Em 2017, a entidade liquidou integralmente o passivo.

Assinale a opção que indica a classificação do resgate da debênture na Demonstração dos Fluxos de Caixa (método direto) da entidade, em 31/12/2017.

a) Fluxo de caixa consumido pela atividade operacional.

b) Fluxo de caixa consumido pela atividade de investimento. c) Fluxo de caixa consumido pela atividade de financiamento. d) Fluxo de caixa gerado pela atividade de investimento.

e) Fluxo de caixa gerado pela atividade de financiamento. Gabarito = C

(50)

3.9. Apresentação do Fluxo de Caixa

das Atividades Operacionais

(51)

18. A entidade deve apresentar os fluxos de caixa das atividades operacionais, usando alternativamente:

(a) o método direto, segundo o qual as principais classes de recebimentos brutos e pagamentos brutos são divulgadas; ou

(b) o método indireto, segundo o qual o lucro líquido ou o prejuízo é ajustado pelos efeitos de transações que não envolvem caixa, pelos efeitos de quaisquer diferimentos ou apropriações por competência sobre recebimentos de caixa ou pagamentos em caixa operacionais passados ou futuros, e pelos efeitos de itens de receita ou despesa associados com fluxos de caixa das atividades de investimento ou de financiamento.

(52)

20. De acordo com o método indireto, o fluxo de caixa líquido advindo das atividades

operacionais é determinado ajustando o lucro líquido ou prejuízo quanto aos efeitos de: (a) variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar;

(b) itens que não afetam o caixa, tais como depreciação, provisões, tributos diferidos, ganhos e perdas cambiais não realizados e resultado de equivalência patrimonial quando aplicável; e

(c) todos os outros itens tratados como fluxos de caixa advindos das atividades de investimento e de financiamento. Alternativamente, o fluxo de caixa líquido advindo das atividades operacionais pode ser apresentado pelo método indireto, mostrando-se as receitas e as despesas divulgadas na demonstração do resultado ou resultado abrangente e as variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar.

(53)

20. De acordo com o método indireto, o fluxo de caixa líquido advindo das atividades

operacionais é determinado ajustando o lucro líquido ou prejuízo quanto aos efeitos de: (a) variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar;

(b) itens que não afetam o caixa, tais como depreciação, provisões, tributos diferidos, ganhos e perdas cambiais não realizados e resultado de equivalência patrimonial quando aplicável; e

(c) todos os outros itens tratados como fluxos de caixa advindos das atividades de investimento e de financiamento. Alternativamente, o fluxo de caixa líquido advindo das atividades operacionais pode ser apresentado pelo método indireto, mostrando-se as receitas e as despesas divulgadas na demonstração do resultado ou resultado abrangente e as variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar.

(54)

20A. A conciliação entre o lucro líquido e o fluxo de caixa líquido das atividades operacionais deve ser fornecida, obrigatoriamente, caso a entidade use o método direto para apurar o fluxo líquido das atividades operacionais. A conciliação deve apresentar, separadamente, por categoria, os principais itens a serem conciliados, à semelhança do que deve fazer a entidade que usa o método indireto em relação aos ajustes ao lucro líquido ou prejuízo para apurar o fluxo de caixa líquido das atividades operacionais.

(55)

Para divulgar o fluxo de caixa oriundo das atividades operacionais, pode ser utilizado o método direto ou indireto. O FASB e o IASB recomendam que as empresas utilizem o método direto, mas é facultada a elaboração do fluxo das operações pelo método indireto, ou método da conciliação.

O Pronunciamento Técnico CPC 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa faculta a utilização tanto do método direto, quanto do indireto. No entanto, assim como o FASB, exige para a

empresa que utilize o método direto a conciliação entre o lucro líquido e o fluxo de caixa líquido das atividades operacionais. A conciliação deve apresentar, separadamente, por categoria, os principais itens a serem conciliados, à semelhança do que deve fazer a entidade que use o método indireto em relação aos ajustes ao lucro líquido ou prejuízo para apurar o fluxo de caixa líquido das atividades operacionais.

(56)
(57)

31. Os fluxos de caixa referentes a juros, dividendos e juros sobre o capital próprio recebidos e pagos devem ser apresentados separadamente. Cada um deles deve ser

classificado de maneira consistente, de período a período, como decorrentes de atividades operacionais, de investimento ou de financiamento.

32. O montante total dos juros pagos durante o período é divulgado na demonstração dos fluxos de caixa, quer tenha sido reconhecido como despesa na demonstração do resultado, quer tenha sido capitalizado, conforme o Pronunciamento Técnico CPC 20 – Custos de Empréstimos

.

(58)

33. Os juros pagos e recebidos e os dividendos e os juros sobre o capital próprio recebidos são comumente classificados como fluxos de caixa operacionais em instituições financeiras. Todavia, não há consenso sobre a classificação desses fluxos de caixa para

outras entidades. Os juros pagos e recebidos e os dividendos e os juros sobre o capital

próprio recebidos podem ser classificados como fluxos de caixa operacionais, porque eles entram na determinação do lucro líquido ou prejuízo. Alternativamente, os juros pagos e os juros, os dividendos e os juros sobre o capital próprio recebidos podem ser classificados, respectivamente, como fluxos de caixa de financiamento e fluxos de caixa de investimento, porque são custos de obtenção de recursos financeiros ou retornos sobre investimentos.

(59)

34. Os dividendos e os juros sobre o capital próprio pagos podem ser classificados como fluxo de caixa de financiamento porque são custos da obtenção de recursos financeiros.

Alternativamente, os dividendos e os juros sobre o capital próprio pagos podem ser classificados como componente dos fluxos de caixa das atividades operacionais, a fim de auxiliar os usuários a determinar a capacidade de a entidade pagar dividendos e juros sobre o capital próprio utilizando os fluxos de caixa operacionais.

34A. Este Pronunciamento encoraja fortemente as entidades a classificarem os juros, recebidos ou pagos, e os dividendos e juros sobre o capital próprio recebidos como fluxos de caixa das atividades operacionais, e os dividendos e juros sobre o capital próprio

pagos como fluxos de caixa das atividades de financiamento. Alternativa diferente deve ser seguida de nota evidenciando esse fato.

(60)

RESUMINDO

Classificação Principal Classificação Alternativa

Juros recebidos Atividades

OPERACIONAIS INVESTIMENTOAtividades de

Juros pagos Atividades

OPERACIONAIS FINANCIAMENTOAtividades de Dividendos e Juros sobre o capital

próprio recebidos OPERACIONAISAtividades INVESTIMENTOAtividades de Dividendos e Juros sobre o capital

(61)

(CEMIG/Analista – Gestão – Contábil Jr/FUMARC/2018) - Acerca da Demonstração dos

Fluxos de Caixa de uma Sociedade Comercial, está CORRETO o que se afirma em:

a) A integralização de capital, com a entrega de um terreno, é apresentada

simultaneamente como caixa consumido na atividade de investimento e caixa gerado na atividade de financiamento.

b) Na liquidação de um empréstimo obtido, o pagamento dos juros pode ser classificado

como atividade operacional ou de financiamento, mas o principal da dívida deve ser classificado como atividade de financiamento.

c) O lucro líquido é apresentado como componente da atividade operacional quando a

Demonstração do Fluxo de Caixa é elaborada pelo método direto.

d) O pagamento de parcela de arrendamento mercantil financeiro, realizado pelo

arrendatário, deve ser classificado na atividade operacional.

(62)

(EMAP/Analista Portuário II – Financeira e Auditoria Interna/CESPE/2018) - Com relação

à elaboração das principais demonstrações contábeis previstas na normatização vigente, julgue o item seguinte.

O pagamento de um empréstimo que inclua juros e amortização do principal pode ser classificado como transação que afeta o fluxo de caixa de atividades operacionais e de atividades de financiamento, simultaneamente.

( ) Certo ( ) Errado

(63)
(64)

O FASB não faz referência às transações de desconto de duplicatas para fins da demonstração de fluxos de caixa. Mas o IASB e o Pronunciamento Técnico CPC 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa tocam, mesmo que indiretamente, nas transações relativas ao desconto de duplicatas ao indicar que as antecipações de caixa feitas junto a instituições financeiras sejam classificadas nas atividades operacionais, quando estas derivarem de outras transações que envolvam o negócio principal da empresa.

(65)

3.12. Transações Que Não Envolve Caixa

ou Equivalentes de Caixa

(66)

43. Transações de investimento e financiamento que não envolvem o uso de caixa ou

equivalentes de caixa devem ser excluídas da demonstração dos fluxos de caixa. Tais transações devem ser divulgadas nas notas explicativas às demonstrações contábeis, de modo que forneçam todas as informações relevantes sobre essas atividades de investimento e de financiamento.

(67)

44. Muitas atividades de investimento e de financiamento não têm impacto direto sobre os fluxos de caixa correntes, muito embora afetem a estrutura de capital e de ativos da entidade. A exclusão de transações que não envolvem caixa ou equivalentes de caixa da demonstração dos fluxos de caixa é consistente com o objetivo de referida demonstração, visto que tais itens não envolvem fluxos de caixa no período corrente.

Exemplos de transações que não envolvem caixa ou equivalente de caixa são:

(a) a aquisição de ativos, quer seja pela assunção direta do passivo respectivo, quer seja por meio de arrendamento financeiro;

(b) a aquisição de entidade por meio de emissão de instrumentos patrimoniais; e (c) a conversão de dívida em instrumentos patrimoniais.

(68)

(SEDF/AGE – Contabilidade/CESPE/2017) - Com referência à elaboração de

demonstrações contábeis, julgue o item seguinte à luz da legislação societária, dos princípios fundamentais da contabilidade e dos pronunciamentos contábeis do CPC.

A conversão de dívida da entidade em instrumentos patrimoniais dessa mesma entidade tem de ser representada, na demonstração dos fluxos de caixa, como um fluxo de caixa relacionado com as atividades de financiamento.

( ) Certo ( ) Errado

(69)
(70)

Existem dois métodos de elaboração da DFC:

1. Método Direto; 2. Método Indireto.

De acordo com o CPC 03 (R2), é facultado a empresa utilizar qualquer dos dois métodos para elaboração da DFC.

A principal diferença entre os dois métodos limita-se a apresentação dos fluxos das

atividades operacionais. Os fluxos das atividades de financiamento e de investimento são

(71)
(72)

O método direto apresenta todas as entradas e saídas de caixa, ou seja, todas as

operações de recebimentos brutos de dinheiro e de pagamentos brutos de dinheiro demonstradas em três atividades distintas: operacionais, financiamento e investimento.

(73)

Demonstração do Fluxo de Caixa – Método Direto 1. Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais

+ Recebimentos de clientes

+ Recebimentos de juros e dividendos

+ Outros recebimentos provenientes das operações (-) Pagamentos a fornecedores

(-) Pagamentos de salários e encargos sociais dos empregados

(-) Pagamentos de despesas operacionais e de despesas antecipadas (-) Pagamentos de impostos, taxas e contribuições

(-) Outros pagamentos decorrentes de operações

(74)

2. Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento

+ Recebimento do principal de empréstimos e financiamentos concedidos + Recebimentos da alienação de ativos imobilizado e intangível

+ Recebimentos da alienação de investimentos permanentes (-) Desembolsos de empréstimos e financiamento concedidos

(-) Pagamentos pela aquisição, à vista, de investimentos permanentes (-) Pagamentos pela aquisição, à vista, de ativos imobilizado e intangível

(75)

3. Fluxo das Atividades de Financiamento

+ Recebimentos por integralização de capital pelos sócios (em dinheiro) + Recebimentos de empréstimos e financiamentos obtidos

+ Outros recebimentos de financiamentos

(-) Pagamento do principal de empréstimos e financiamentos obtidos (-) Outros pagamentos decorrentes das atividades de financiamento

= Caixa Líquido (gerado/consumido) nas atividades de financiamento 4. Variação Líquida de Caixa (1 + 2 + 3)

5. Saldo inicial de Caixa mais Equivalente de Caixa

(76)

Para determinarmos os recebimentos e pagamentos decorrentes da relação da entidade, quando este valor não for fornecido diretamente, precisamos analisar cada conta.

Com base no saldo inicial e no saldo final da conta, bem como nos valores das vendas (ou compras) relacionadas, conseguimos determinar os fluxos de recebimento (por exemplo: de clientes) e de pagamento (por exemplo: a fornecedores) gerados pela entidade.

Saldo Inicial + Entradas – Saídas = Saldo Final da Conta

Os saldos iniciais e finais das contas (por exemplo, Fornecedores e Clientes) são obtidos no Balanço Patrimonial, e as entradas e saídas na DRE.

(77)
(78)

De acordo com o método indireto, o fluxo de caixa líquido advindo das atividades

operacionais é determinado ajustando o lucro líquido ou prejuízo quanto aos efeitos de:

(a) variações ocorridas no período nos estoques e nas contas operacionais a receber e a pagar;

(b) itens que não afetam o caixa, tais como depreciação, provisões, tributos diferidos, ganhos e perdas cambiais não realizados e resultado de equivalência patrimonial quando aplicável; e

(c) todos os outros itens tratados como fluxos de caixa advindos das atividades de investimento e de financiamento.

(79)

O método indireto faz a conciliação entre o lucro líquido e o caixa gerado pelas operações, por isso é também chamado de método da conciliação. Para tanto, é necessário:

a) remover do lucro líquido os diferimentos de transações que foram caixa no passado,

como gastos antecipados, crédito tributário etc. e todas as alocações no resultado de eventos que podem ser caixa no futuro, como as alterações nos saldos das contas a receber e a pagar do período;

b) remover do lucro líquido as alocações ao período do consumo de ativos não circulante

e aqueles itens cujos efeitos no caixa sejam classificados como atividades de investimento ou financiamento: depreciação, amortização de intangível e ganhos e perdas na venda de imobilizado e/ou em operações em descontinuidade (atividades de investimento); e ganhos e perdas na baixa de empréstimos (atividades de financiamento); e

(80)

c) adicionar ao lucro líquido todos os fluxos de caixa ocorridos no período mas que já

tenham sido alocados ao lucro líquido em períodos passados (como recebimentos de vendas a prazo ou pagamentos de despesas a prazo) ou que ainda serão alocados ao lucro líquido em períodos futuros (como recebimentos de adiantamentos de clientes ou pagamentos de despesas antecipadas).

(81)

Demonstração do Fluxo de Caixa – Método Indireto 1. Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais

Resultado Líquido do Exercício (Lucro ou Prejuízo Líquido)

1º Ajuste (Receitas e Despesas que não tem efeito no caixa e que não pertencem as Atividades Operacionais)

+ Depreciação, Amortização e Exaustão

(+/-) Perda de Equivalência Patrimonial/Ganho de Equivalência Patrimonial (+/-) Prejuízo/Lucro na venda de bens ou direitos do ativo não circulante 2º Ajuste (Variação dos ativos e passivos ligados as Atividades Operacionais)

+ Diminuição das contas do Ativo Circulante e do AÑC RLP, exceto Disponível (-) Aumento das contas do Ativo Circulante e do AÑC RLP, exceto Disponível

+ Aumento das contas do Passivo Circulante e do Passivo Não Circulante (-) Diminuição das contas Passivo Circulante e do Passivo Não Circulante = Caixa Líquido (gerado/consumido) nas atividades operacionais

(82)

2. Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento

+ Recebimento do principal de empréstimos e financiamentos concedidos + Recebimentos da alienação de ativos imobilizado e intangível

+ Recebimentos da alienação de investimentos permanentes (-) Desembolsos de empréstimos e financiamento concedidos

(-) Pagamentos pela aquisição, à vista, de investimentos permanentes (-) Pagamentos pela aquisição, à vista, de ativos imobilizado e intangível

(83)

3. Fluxo das Atividades de Financiamento

+ Recebimentos por integralização de capital pelos sócios (em dinheiro) + Recebimentos de empréstimos e financiamentos obtidos

+ Outros recebimentos de financiamentos

(-) Pagamento do principal de empréstimos e financiamentos obtidos (-) Outros pagamentos decorrentes das atividades de financiamento

= Caixa Líquido (gerado/consumido) nas atividades de financiamento 4. Variação Líquida de Caixa (1 + 2 + 3)

5. Saldo Inicial de Caixa mais Equivalente de Caixa

(84)

O lucro ou prejuízo líquido está sujeito a dois tipos de ajustes:

1º Ajuste: Os decorrentes de Receitas e Despesas que não tem efeito no caixa e que não

pertencem as Atividades Operacionais.

Exemplos:

a) Despesas de depreciação reduzem o lucro, mas não reduzem o caixa. Portanto, devem ser revertidas (somadas) ao lucro líquido.

b) O resultado positivo de equivalência patrimonial (ganho), por outro lado, aumenta o lucro, mas não aumenta o caixa. Por isso, deve ser subtraído o lucro líquido. Ao contrário, o resultado negativo de equivalência patrimonial (perda) deve ser somado ao lucro líquido. c) O ganho na venda à vista de ativos não circulantes aumenta o lucro da entidade e o Caixa. Porém, como não pertencem às atividades operacionais, devem ser subtraídos do lucro líquido.

(85)

2º Ajuste: Os decorrentes da variação dos ativos e passivos ligados as Atividades

Operacionais.

a) Somar as reduções nos saldos das contas do Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo

vinculadas às operações, exceto disponível.

Exemplo: A redução do saldo da conta clientes indica que os recebimentos do período

(créditos) superaram as vendas a prazo.

Em outras palavras, a redução do saldo da conta clientes, de um ano para o outro, mostra que a empresa recebeu mais do que o valor das vendas computadas no período.

Assim, a redução na conta clientes (e outros ativos circulantes e realizável a longo prazo) deve ser somada ao lucro líquido.

(86)

b) subtrair os acréscimos nos saldos das contas do Ativo Circulante e Realizável a Longo

prazo vinculadas às operações, exceto disponível.

Exemplo: O aumento dos saldos das contas a receber, de um ano para o outro, evidencia

que apenas parte das receitas de vendas foram, de fato, recebidas pela empresa. A outra parte foi vendida a prazo, não aumentando o Caixa.

Observação: O Caixa e os Equivalentes de Caixa não integram as variações das contas do

(87)

c) somar os acréscimos nos saldos das contas do Passivo Circulante e Exigível a Longo

Prazo vinculados às operações;

Exemplo: Os acréscimos nos saldos das contas do Passivo Exigível, em contas vinculadas às

operações, significam que os pagamentos em dinheiro foram menores que as despesas efetivamente incorridas pela entidade. Por isso, estes acréscimos são somados ao Lucro.

d) subtrair as reduções nos saldos das contas do Passivo circulante e Exigível a Longo Prazo

vinculadas às operações.

Exemplo: Aqui, o raciocínio é inverso o do item c. As reduções nos saldos das contas de

Passivo Exigível dão a entender que os desembolsos financeiros realizados pela entidade foram maiores que as despesas efetivamente incorridas no período e, por isso, tais valores devem ser subtraídos do lucro líquido.

(88)

(SEGEP MA/Analista executivo – Contador/FCC/2018) - A Cia. Sem Caixa apresentou a

(89)

Com base nos valores apresentados acima, para a elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa pelo Método Indireto, o valor do Lucro Líquido Ajustado para determinação do Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais, sem considerar os efeitos das variações do capital circulante, é, em reais,

a) 110.000,00. b) 125.000,00. c) 100.000,00. d) 85.000,00. e) 105.000,00. Gabarito = C

(90)

5. Conciliação lucro líquido versus caixa das

operações

(91)

Caso seja utilizado o método direto para apurar o fluxo líquido de caixa gerado pelas operações, exige-se a evidenciação em Notas Explicativas da conciliação deste com o lucro líquido do período. Essa conciliação deve refletir, de forma segregada, as principais classes dos itens a conciliar. É obrigatório evidenciar separadamente as variações nos saldos das contas Clientes, Fornecedores e Estoques.

Se for utilizado o método indireto, é exigida a evidenciação em Notas Explicativas dos montantes de juros pagos (exceto as parcelas capitalizadas), juros, dividendos e juros sobre capital próprio recebidos e valores do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido pagos durante o período.

(92)

(ABIN/OTI – Área 1/CESPE/2018) - De acordo com as normas contidas nas legislações de

contabilidade aplicáveis às demonstrações contábeis, julgue o item que se segue.

Na elaboração da demonstração de fluxo de caixa (DFC) pelo método direto, é facultado à entidade fornecer a conciliação entre lucro líquido e fluxo de caixa líquido das atividades operacionais.

( ) Certo ( ) Errado

(93)
(94)

RESUMO DOS JUROS, DIVIDENDOS E JCP

Classificação Principal Classificação Alternativa

Juros Recebidos Atividades

OPERACIONAIS INVESTIMENTOAtividades de

Juros pagos Atividades

OPERACIONAIS FINANCIAMENTOAtividades de Dividendos e Juros sobre o capital

próprio recebidos OPERACIONAISAtividades INVESTIMENTOAtividades de Dividendos e Juros sobre o capital

(95)

RESUMO EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

TIPO SAÍDA RECEBIMENTO

PRINCIPAL JUROS

CONCEDIDOS INVESTIMENTOAtividades de INVESTIMENTOAtividades de OPERACIONAISAtividades

TIPO ENTRADA PAGAMENTO

PRINCIPAL JUROS

(96)

RESUMO DOS FLUXOS DE CAIXA

Fluxos Impacto no Ativo

Não Circulante Impacto no Passivo Não Circulante

Operacional NÃO NÃO

Financiamento NÃO SIM

(97)

RESUMO DO IMPACTO DO AUMENTO ou DIMINUIÇÃO DO ATIVO e PASSIVO na DFC Grupo Patrimonial Aumento ou Diminuição Impacto na DFC

ATIVO AUMENTO DIMINUI

ATIVO DIMINUI AUMENTO

PASSIVO AUMENTO AUMENTO

(98)
(99)

Balanço Patrimonial em 31/12/20X1 e 31/12/20X2

ATIVO 31/12/X1 31/12/X2 PASSIVO 31/12/X1 31/12/X2

Ativo Circulante 48.000 53.800 Passivo Circulante 28.000 32.000

Caixa 1.000 1.200 Fornecedores 20.000 27.000

Bancos 19.000 19.600 Salários a Pagar 8.000 5.000

Duplicatas a Receber 8.000 15.000

Estoques 20.000 18.000

Ativo Não Circulante 27.000 41.200 Passivo Não Circulante 25.000 35.000

Investimentos Empréstimos 25.000 35.000

Participações em empresas 10.000 18.000 Patrimônio Líquido 22.000 28.000

Imobilizado Capital Social 12.000 17.000

Equipamentos 18.000 25.200 Reservas de Lucros 10.000 11.000 (-) Depreciação Acumulada (6.000) (7.000)

Intangível

Patentes 5.000 5.000

(100)

Demonstração do Resultado – Período de 01/01/20X2 a 31/12/20X2

Receita de Vendas 50.000

(-) Custo das Mercadorias das Vendidas (28.000)

= Lucro Bruto 22.000 (-) Despesas Operacionais Vendas (6.000) Salários (10.500) Depreciação (1.000) Financeiras (2.000)

= Lucro Operacional Líquido 2.500

+ Resultado Positivo de Equivalência Patrimonial 2.000

= Lucro Antes do Imposto de Renda 4.500

(-) Imposto de Renda (3.500)

(101)

Informações adicionais:

1) Aumento de Empréstimos de Longo Prazo: R$ 2.000 refere-se a juros (despesas financeiras) que não foram pagas no ano; R$ 8.000 refere-se a novos empréstimos.

2) O aumento do Capital Social foi integralizado pelos sócios em dinheiro.

Para o cálculo dos valores do fluxo de caixa – método direto, usamos sempre a fórmula:

Saldo Inicial + Entradas – Saídas = Saldo Final da Conta

Geralmente, os saldos iniciais e finais vêm do Balanço Patrimonial; as entradas vêm da DRE.

(102)

Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais 1) Recebimento de Clientes (duplicatas a receber)

Saldo Inicial da conta duplicatas a receber = 8.000 (+) Entradas (vendas) = 50.000

(-) Saídas (recebimentos) = ???

(=) Saldo Final da conta duplicatas a receber = 15.000

(103)

2) Pagamentos a fornecedores: neste caso, precisamos primeiro calcular as compras de

mercadorias, e depois os pagamentos a fornecedores.

2.1. Compra de mercadorias

Saldo Inicial Estoques = 20.000 (+) Entradas (compras) = ????? (-) Saídas (CMV) = 28.000

(=) Saldo Final Estoque = 18.000

(104)

2.2. Fornecedores

Saldo Inicial da conta fornecedores = 20.000 (+) Entradas (compras) = 26.000

(-) Saídas (pagamentos) = ?????

(=) Saldo Final da conta fornecedores = 27.000

(105)

3) Pagamento de salários (salários a pagar)

Saldo Inicial da conta salários a pagar = 8.000 (+) Entradas (despesa de salários) = 10.500 (-) Saída (pagamentos) = ????

(=) Saldo Final da conta salários a pagar = 5.000

(106)

4) Pagamento de Impostos (Impostos a recolher)

Como não existe saldo na conta imposto a recolher no balanço patrimonial, subtende-se que todo o imposto devido no ano foi efetivamente pago. Assim, o pagamento de impostos coincide com a despesa de impostos no ano.

Pagamento de impostos = R$ 3.500,00.

5) Quanto às despesas de vendas, devemos considerar que foram integralmente pagas no

(107)

Fluxo de Caixa das Atividades de Investimentos

6) O valor da compra de participações societárias em empresa é igual ao saldo final de 20X2 menos o saldo final de 20X1 e menos o valor do Resultado Positivo de Equivalência Patrimonial. Este valor aumenta o saldo da conta de investimentos, mas não aumenta o caixa.

1) Compra de Participações Societárias = 18.000 - 10.000 - 2.000 = 6.000,00. 2) Compra de Equipamentos = 25.200 – 18.000 = R$ 7.200,00.

(108)

Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamentos

Como o valor de R$ 2.000,00 das despesas financeiras não foram pagas, este valor foi contabilizado no Passivo Não Circulante como Empréstimos.

Assim, o valor da contratação de empréstimos em 20X2 é igual ao saldo da conta de empréstimos em 20X2 menos o saldo dessa conta em 2011 e menos as despesas financeiras não pagas.

1) Contratação de novos empréstimos = 35.000 - 25.000 - 2.000 = 8.000,00. 2) Integralização do Capital Social = 17.000 - 12.000 = R$ 5.000,00

.

(109)

DFC pelo Método Direto 1. Fluxo das Atividades Operacionais

+ Recebimentos de Clientes + 43.000,00

( - ) Pagamentos a Fornecedores - 19.000,00

( - ) Pagamentos de Salários -13.500,00

( - ) Pagamentos de Despesa de Vendas - 6.000,00

( - ) Pagamentos de Impostos - 3.500,00

(110)

DFC pelo Método Direto 2. Fluxo das Atividades de Investimentos

( - ) Pagamentos pela aquisição de participações em empresas - 6.000,00

( - ) Pagamentos pela aquisição de equipamentos - 7.200,00

= Caixa Líquido gerado pelas atividades de Investimentos - 13.200,00 3. Fluxo das Atividades de Financiamento

( + ) Recebimentos pela integralização do Capital Social pelos sócios + 5.000,00

( + ) Recebimentos de Empréstimos Obtidos + 8.000,00

= Caixa Líquido gerado pelas atividades de Financiamento + 13.000,00

4 = Variação Líquida de Caixa (1+2+3) 800,00 5 = Saldo Inicial das Disponibilidades (Caixa + Bancos) 20.000,00 6 = Saldo Final das Disponibilidades (4=5) 20.800,00

(111)

DFC pelo Método Indireto 1. Fluxo das Atividades Operacionais

+ Lucro Líquido do Exercício + 1.000,00

( + ) Despesas com Depreciação + 1.000,00

( + ) Despesas Financeiras (que não foram pagas) + 2.000,00

( - ) Ganho da Equivalência Patrimonial - 2.000,00

( = ) Lucro Líquido do Exercício Ajustado + 2.000,00

( - ) Aumento de Duplicatas a Receber (15.000,00 – 8.000,00) - 7.000,00

( + ) Diminuição do Saldo dos Estoques + 2.000,00

( + ) Aumento de Fornecedores 7.000,00

( - ) Diminuição de Salários a Pagar - 3.000,00

(112)

DFC pelo Método Indireto 2. Fluxo das Atividades de Investimentos

( - ) Pagamentos pela aquisição de participações em empresas - 6.000,00

( - ) Pagamentos pela aquisição de equipamentos - 7.200,00

= Caixa Líquido gerado pelas atividades de Investimentos - 13.200,00 3. Fluxo das Atividades de Financiamento

( + ) Recebimentos pela integralização do Capital Social pelos sócios + 5.000,00

( + ) Recebimentos de Empréstimos Obtidos + 8.000,00

= Caixa Líquido gerado pelas atividades de Financiamento + 13.000,00

4 = Variação Líquida de Caixa (1+2+3) 800,00 5 = Saldo Inicial das Disponibilidades (Caixa + Bancos) 20.000,00 6 = Saldo Final das Disponibilidades (4=5) 20.800,00

(113)

(TCM BA/Auditor Estadual – Controle Externo/CESPE/2018) - De acordo com o Comitê de

Pronunciamentos Contábeis (CPC), na demonstração de fluxos de caixa, quando do pagamento de empréstimo bancário, a parcela relativa a juros e a parcela relativa a amortização do principal classificam-se como

a) atividade operacional e atividade de investimento, respectivamente.

b) atividade de investimento e atividade de financiamento, respectivamente. c) atividade operacional e atividade de financiamento, respectivamente.

d) atividade de financiamento, em ambos os casos. e) atividade operacional, em ambos os casos.

(114)

(TCM BA/Auditor Estadual – Controle Externo/CESPE/2018) - De acordo com o CPC,

constitui exemplo de fluxo de caixa associado a atividades de investimento

a) o pagamento a fornecedores de mercadorias e serviços. b) o recebimento de caixa decorrente de royalties.

c) o recebimento de caixa por seguradora de prêmios e sinistros. d) o ganho ou a perda na alienação de imóveis.

e) o pagamento a empregados ou por conta de empregados. Gabarito = D

(115)

(ALERS/Contador/FUNDATEC/2018) - Determinada sociedade empresária apresenta sua

demonstração dos fluxos de caixa.

Em relação à referida demonstração, assinale a alternativa correta.

a) O método indireto requer conciliação entre o lucro líquido e o caixa das operações

anexas ao fluxo de caixa.

b) O método direto à conciliação entre o lucro líquido e o caixa das operações pode ser

feito no próprio corpo da demonstração do fluxo de caixa.

c) As atividades operacionais podem ser apresentadas pelo método direto ou pelo

indireto.

d) O lucro líquido é apresentado, quando da elaboração do fluxo de caixa, como

componente da atividade operacional pelo método direto.

e) O pagamento de dividendos deve ser classificado na atividade de investimento. Gabarito = C

(116)

(SEFAZ GO/Auditor/FCC/2018) - São apresentados a seguir os Balanços Patrimoniais em

31/12/2015 e 31/12/2016, e a Demonstração do Resultado do ano de 2016 da empresa Comércio de Produtos Populares S.A. (valores expressos em reais):

(117)
(118)

Considere que os imóveis foram vendidos em 02/01/2016 e que durante o ano de 2016 a empresa não vendeu investimentos nem veículos, não liquidou qualquer empréstimo, não pagou as despesas financeiras e pagou os dividendos constantes do balanço de 31/12/2015.

Com base nestas informações, é correto afirmar que o fluxo de caixa das atividades de

a) investimento foi R$ 396.000,00, negativo. b) financiamento foi R$ 894.000,00, positivo. c) investimento foi R$ 480.000,00, negativo. d) investimento foi R$ 324.000,00, negativo. e) financiamento foi R$ 864.000,00, positivo. Gabarito = A

(119)

(ALERO/Analista Legislativo – Contador/FGV/2018) - Em 01/12/2016, uma empresa de

consultoria adquiriu computadores para utilizar em sua atividade de prestação de serviços por R$50.000. Do valor, metade foi pago à vista e o restante foi pago em 02/01/2017.

Assinale a opção que indica a correta classificação na Demonstração dos Fluxos de Caixa da empresa em 31/12/2016 e em 31/12/2017, respectivamente.

a) Atividade de investimento e atividade operacional.

b) Atividade de investimento e atividade de financiamento. c) Atividade operacional e atividade de financiamento.

d) Atividade operacional e atividade operacional.

e) Atividade de investimento e atividade de investimento. Gabarito = B

(120)

(TER PE/Analista Judiciário - Contabilidade/FCC/2017) - Considerando que a demonstração dos

fluxos de caixa (DFC) apresenta informações relevantes sobre a capacidade das entidades na geração de caixa, assinale a opção correta.

a) Compõem o fluxo de atividades de investimento os recebimentos de caixa decorrentes de

royalties, honorários e comissões, que não entram na apuração do lucro líquido da entidade.

b) O valor da venda de ativos de longo prazo não incluídos nos equivalentes de caixa deve ser

classificado na DFC como fluxo das atividades de investimento.

c) O fluxo de caixa de uma entidade é representado pelo cálculo de entradas de caixa ou

equivalentes de caixa em determinado espaço de tempo.

d) Uma entidade comercial, tendo adquirido mercadorias para revenda no valor de R$ 80.000,

pagando 50% no ato, deverá registrar na DFC uma atividade de financiamento que consumiu caixa no valor de R$ 40.000.

e) Caso uma sociedade empresária tenha sido constituída com capital de R$ 200.000, dos quais R$

100.000 tenham sido integralizados em dinheiro e R$ 60.000 em terrenos, com o saldo restante em capital a integralizar, a DFC deverá apresentar atividades de financiamento que geraram caixa no valor de R$ 140.000.

Imagem

Referências

temas relacionados :