Grupos vulneráveis

Top PDF Grupos vulneráveis:

Óbitos no trânsito urbano: qualificação da informação e caracterização de grupos vulneráveis.

Óbitos no trânsito urbano: qualificação da informação e caracterização de grupos vulneráveis.

Os resultados reforçam também a necessida- de de estudos que monitorem medidas educa- cionais, incluindo o comportamento no trânsito, o uso de álcool e drogas pelos condutores dos veículos e pelas vítimas, incluindo os pedestres, além de análises detalhadas das vias onde ocor- rem o maior número de atropelamentos e ou- tros acidentes fatais. Contribuíram também pa- ra fomentar as discussões de intervenções mais específicas, bem como políticas de mobilidade com adequação do espaço urbano, priorizando os grupos vulneráveis, melhorias no transpor- te coletivo, efetivo controle da velocidade com ações de fiscalização rigorosas e contínuas, além de estratégias que garantam a assistência pré- hospitalar e hospitalar oportuna e qualificada.
Mostrar mais

15 Ler mais

Grupos minoritários, grupos vulneráveis e o problema da (in)tolerância: uma relação linguístico-discursiva e ideológica entre o desrespeito e a manifestação do ódio no contexto brasileiro.

Grupos minoritários, grupos vulneráveis e o problema da (in)tolerância: uma relação linguístico-discursiva e ideológica entre o desrespeito e a manifestação do ódio no contexto brasileiro.

Como podemos perceber, todos os autores indicam que minorias e grupos vulneráveis originam-se em relações de assimetria social (econômica, educacional, cultural etc.). Nessa perspectiva, minoria pode ser definida a partir de uma particularização de um grupo, já que a maioria se define por um agrupamento generalizado, ou seja, por um processo de generalização baseado na indeterminação de traços, os quais indicam um padrão de suposta normalidade, considerada majoritária em relação ao outro que destoar dele. A vulnerabilidade advém, pois, de pressões desse suposto padrão de normalidade, que pressiona tudo e todos que possam ser considerados diferentes. A violência, por sua vez, tanto pode ser física quanto
Mostrar mais

23 Ler mais

Resumo das discussões: grupos vulneráveis e direitos humanos: povos indígenas, populações tradicionais e quilombolas

Resumo das discussões: grupos vulneráveis e direitos humanos: povos indígenas, populações tradicionais e quilombolas

O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e a International Finance Corporation (IFC) partem da convicção de que é possível aprimorar a trajetória de instalação e operação grandes empreendimentos na Ama- zônia. Com base em um amplo diálogo, no qual já se engajaram mais de 90 organizações, de diversos setores, a iniciativa busca consolidar aprendizados e propor diretrizes orientadas pela promoção do desenvolvimento local. O processo organiza-se em grupos de trabalho temáticos: Planejamento Territorial e Monitoramento do Desenvolvimento; Instrumentos Financeiros; Grupos Vulneráveis e Direitos Humanos (foco em crianças, adolescentes e mulheres e em povos indígenas, comunidades tradicionais e quilombolas); Capacidades Institucionais;
Mostrar mais

7 Ler mais

Resumo das discussões: grupos vulneráveis e direitos humanos: crianças, adolescentes e mulheres

Resumo das discussões: grupos vulneráveis e direitos humanos: crianças, adolescentes e mulheres

daí, uma lista de medidas a serem adotadas por Estado, empresas e sociedade civil visando a garantia da prioridade da proteção dos direitos desses grupos vulneráveis. Também foram delimitadas linhas estruturais de uma Matriz de Responsabilidade que, a partir da avaliação de impactos em direitos humanos, busca orientar as ações das empresas e do Estado no território amazônico, oferecendo subsídios para o aprimoramento dos equipamentos sociais e para a gestão empresarial para controle de impactos. Em todos esses processos, a participação de crianças, adolescentes e mulheres é essencial para garantir a priorização de seus direitos.
Mostrar mais

6 Ler mais

DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS E SUA INFLUÊNCIA NA POLÍTICA DOS ESTADOS COM VISTAS À PROTEÇÃO DE GRUPOS VULNERÁVEIS  Paulo Junio Pereira Vaz

DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS E SUA INFLUÊNCIA NA POLÍTICA DOS ESTADOS COM VISTAS À PROTEÇÃO DE GRUPOS VULNERÁVEIS Paulo Junio Pereira Vaz

O Direito Internacional dos Direitos Humanos impulsionou a criação de várias organizações internacionais e, com elas, a elaboração e aprimoramento de diversos mecanismos de proteção e promoção desses direitos. Entretanto, várias dificuldades ainda existem. Entre elas, a necessidade de adequação dos ordenamentos jurídicos domésticos dos Estados com os Tratados Internacionais de Direitos Humanos, inclusive suas Constituições. Assim, verifica- se a influência do Direito Internacional dos Direitos Humanos na atuação política e jurídica dos Estados com vistas à proteção de grupos vulneráveis. Justifica-se a escolha do tema com o fito de colaborar para a implementação de um sistema jurídico que busca proteger e promover os direitos humanos, visando realizar a necessária adequação do Direito Interno com as normas contidas nos Tratados Internacionais de Direitos Humanos. Para enfrentamento do problema, valeu-se do método dedutivo, com apresentação de conceitos gerais que possibilitaram realizar uma análise pormenorizada da evolução do Direito Internacional dos Direitos Humanos. Para tanto, utilizou-se de pesquisa bibliográfica e documental.
Mostrar mais

28 Ler mais

Seminário participativo: direitos humanos e grupos vulneráveis: povos indígenas, populações tradicionais e quilombolas

Seminário participativo: direitos humanos e grupos vulneráveis: povos indígenas, populações tradicionais e quilombolas

Um seminário de três dias, em Brasília, com a presença de diversas lideranças dos movimentos sociais, órgãos federais, instituições financeiras e de pesquisa, consolidou a última reunião do Grupo de Trabalho (GT) em Direitos Humanos, com foco em Povos Indígenas, Populações Tradicionais e Quilombolas em 2016. O encontro teve a missão de coletar um apanhado amplo de possíveis diretrizes para as relações entre esses grupos, empresas e governos. A pauta se dedica à proteção de direitos de povos e populações tradicionais afetados pelas grandes obras na Amazônia, num contexto de inclusão, participação social e representatividade nas tomadas de decisão.
Mostrar mais

7 Ler mais

GT grupos vulneráveis e direitos humanos: foco em crianças, adolescentes e mulheres: relato segunda reunião de trabalho

GT grupos vulneráveis e direitos humanos: foco em crianças, adolescentes e mulheres: relato segunda reunião de trabalho

Indígenas,  Comunidades  Tradicionais  e  Quilombolas);  Capacidades  Institucionais  e   Articulação  das  Políticas  Públicas;  e  Ordenamento  Territorial  e  Biodiversidade.   Os  grupos  vêm  produzindo  documentos  com  subsídios  para  as  discussões  e  para  a   realização  de  oficinas  temáticas.  O  acúmulo  desses  apontamentos  será  debatido  em   seminários  específicos  e  fóruns,  que  devem  resultar  em  um  conjunto  de  orientações   com  alto  grau  de  aplicabilidade.  A  contínua  articulação  institucional  e  promoção   de   diálogo   almejam   que   todo   o   processo   possa   inspirar   aprimoramento   das   práticas  empresariais,  bem  como  das  políticas  públicas,  e  fortalecer  o  debate  pela   sociedade  civil.    
Mostrar mais

5 Ler mais

A ATUAÇÃO JURÍDICA PARA PRESERVAR OS SABERES DE GRUPOS VULNERÁVEIS A FIM DE MANTER O EQUÍLIBRIO ECOLÓGICO  Rogerio Portanova, Thiago Burlani Neves

A ATUAÇÃO JURÍDICA PARA PRESERVAR OS SABERES DE GRUPOS VULNERÁVEIS A FIM DE MANTER O EQUÍLIBRIO ECOLÓGICO Rogerio Portanova, Thiago Burlani Neves

É preciso que haja uma situação mista ou pluralística para o problema da representação dos interesses difusos. Tal, naturalmente, não precisa ser incorporada numa única proposta de reforma. O importante é reconhecer e enfrentar o problema básico nessa área: resumindo, esses interesses exigem uma eficiente ação de grupos particulares, sempre que possível; mas grupo particulares nem sempre estão disponíveis e costumam ser difíceis de organizar.

22 Ler mais

Impactos no comportamento e na saúde mental de grupos vulneráveis em época de enfrentamento da infecção COVID-19: revisão narrativa

Impactos no comportamento e na saúde mental de grupos vulneráveis em época de enfrentamento da infecção COVID-19: revisão narrativa

Pacientes suspeitos, infectados com o vírus da COVID-19, profissionais da saúde, de serviços essenciais e outros indivíduos em contato próximo com os pacientes afetados estão também [r]

8 Ler mais

Na lida do Policial Civil: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis

Na lida do Policial Civil: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis

Em resumo, as delegacias especializadas representaram o reconhecimento, pelo Estado, da violência contra mulheres como crime e proporcionaram maior visibilidade ao problema. A DEAM tornou-se uma referência para as vítimas, apesar dos descompassos existentes desde sua criação, como a desconexão com as demais instâncias sociais de atendimento e o pouco preparo dos funcionários que atuavam no acolhimento e orientação das usuárias. Sendo assim, os serviços ofertados não foram suficientes para resolver o moroso percurso que as mulheres tinham que percorrer para obter alguma forma de segurança e justiça em relação aos seus algozes. Ademais, a ênfase na criminalização dos agressores deixou de fora outros aspectos importantes para a proteção às mulheres vítimas de violência, como a capacitação dos agentes das delegacias dentro de uma perspectiva de gênero e a criação de casas abrigo. (PASINATO; SANTOS, 2008; TAVARES; SARDENBERG; GOMES, 2011). Desta forma, a década seguinte, 1990, trouxe consigo certa desilusão dos grupos feministas com as DDM:
Mostrar mais

167 Ler mais

Representação do Down e conflitos com o diferente: aspectos discursivos do projeto "Clarinha", uma boneca com traços da Síndrome de Down.

Representação do Down e conflitos com o diferente: aspectos discursivos do projeto "Clarinha", uma boneca com traços da Síndrome de Down.

Resumo: O presente artigo se apresenta como parte de um projeto maior, intitulado “Inserção, representação e construção identitária de minorias e grupos vulneráveis na mídia”, que utiliza o quadro teórico-metodológico da Análise Crítica do Discurso de Norman Fairclough. O interesse recai sobre o modo como esses grupos são silenciados, mesmo quando, aparentemente, são inseridos na mídia, e sobre os conflitos e embates discursivos advindos dessa tentativa de inclusão. Neste trabalho, são analisados dois textos, um publicado na revista “Época”, antes do lançamento de Clarinha, boneca com traços da Síndrome de Down, e outro publicado na “Folha de São Paulo”, após seu lançamento. A análise indica o hibridismo discursivo, apontando diferentes visões sobre o grupo que a boneca representa, havendo uma tensão entre o lado social e o objetivo publicitário. Permeando esse viés, percebe-se um despreparo geral para lidar com a diversidade.
Mostrar mais

34 Ler mais

Perspectivas da participação do fisioterapeuta no Programa Saúde da Família na atenção à saúde do idoso

Perspectivas da participação do fisioterapeuta no Programa Saúde da Família na atenção à saúde do idoso

No que se refere à prevenção de agravos e pro- moção da saúde, de um modo geral, o fisiotera- peuta pode estar contribuindo na identificação de grupos vulneráveis da área de atuação e de fato- res de risco para doenças crônicas; na investiga- ção de evidências da efetividade de ações de práti- cas de cinesioterapia/atividade física e recursos analgésicos no controle e prevenção de doenças crônicas; em campanhas de estímulo a modos de viver saudáveis com objetivo de reduzir fatores de risco; na oferta de suporte e orientações a famili- ares e cuidadores na prevenção de quedas, inca- pacidades e deformidades; na capacitação da Equi- pe de Saúde da Família, no que concerne às suas habilidades e competências profissionais; na arti- culação com gestores para mobilização de recur- sos e fortalecimento de ações para um estilo de vida saudável, construção de espaços para práti- cas de atividade física/cinesioterapia e educação em saúde e na mobilização da comunidade para transformação do ambiente para condições fa- voráveis à saúde e acessibilidade a edificações, mobiliários e espaços urbanos, etc.
Mostrar mais

12 Ler mais

A VULNERABILIDADE DAS MULHERES ENCARCERADAS E A JUSTIÇA SOCIAL: O IMPORTANTE PAPEL DA EDUCAÇÃO NA EFETIVIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

A VULNERABILIDADE DAS MULHERES ENCARCERADAS E A JUSTIÇA SOCIAL: O IMPORTANTE PAPEL DA EDUCAÇÃO NA EFETIVIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

Diante de um cenário de enormes violações de direitos que a população carcerária feminina vivencia, verifica-se a real importância de se tra- tar da temática e dos direitos dessa população. Este trabalho, portanto, tem por objetivo retratar as violações das mulheres em situação de cárcere a partir do princípio da dignidade da pessoa humana, como valor fundante de todo o sistema jurídico-social brasileiro. Assim, procu- rou-se analisar o conceito de vulnerabilidade social, minorias e grupos vulneráveis, qualificando a mulher encarcerada como grupo vulnerá- vel, precisamente no sentindo de dar condição de igualdade em relação aos demais indivíduos da sociedade. Para a efetiva concretização dos direitos sociais, por meio das ações positivas por parte do Estado e sociedade que promovam a dignidade da pessoa humana e a garantia do mínimo vital, deve-se se passar pela adequada consideração do âmbito da norma, isto é, de seu suporte fático concreto e abstrato. Este tra- balho, entretanto, tem por objetivo retratar as violações das mulheres presas, os desafios enfrentados pelo Estado na efetivação dos direitos sociais e a relevância do direito à educação para a factual ressocialização. Empregou-se, para tanto, o método dedutivo de abordagem com o intuito de levantamento de hipóteses reflexivas sobre a temática do cárcere brasileiro e seus problemas, especificamente o encarceramento feminino e as violações de direitos sofridas pelas mulheres. Quanto aos métodos de investigação, utiliza-se o bibliográfico, a partir de uma revisão de literatura de obras, artigos de periódicos e documentos eletrônicos oficiais.
Mostrar mais

17 Ler mais

Concretização Judicial do Direito à Saúde: um contributo à sua efetivação no Brasil a partir das experiências jurisprudenciais no Direito Comparado e nas matrizes teóricas portuguesas

Concretização Judicial do Direito à Saúde: um contributo à sua efetivação no Brasil a partir das experiências jurisprudenciais no Direito Comparado e nas matrizes teóricas portuguesas

A Corte Constitucional colombiana tem dado especial proteção, no direito à saúde, para grupos vulneráveis que contam com a atenção constitucional 255 . Em sua fala na Reunião da Subcomissão para a América Latina da Comissão de Veneza, o presidente da Corte Constitucional da Colômbia, Luis Ernesto Vargas Silva inicia a apresentação ressaltando a desigualdade social que marca severamente os países da América Latina. Afirma que, deste quadro, outra vantagem não se pode tirar que não a reafirmação do compromisso das jurisdições nacionais para promover a efectividade constitucional e dos direitos sociais. “Ao termos desenvolvimentos insuficientes em situações de exclusão social, estes excluídos se tornam prioridade para os juízes, buscando o direito na constituição, a via para a eficácia e igualdade oportunidades e a cidadania activa” – assevera Silva 256 .
Mostrar mais

128 Ler mais

Epidemiol. Serv. Saúde  vol.27 número1

Epidemiol. Serv. Saúde vol.27 número1

Buscando fornecer subsídios que ampliem o conhe- cimento sobre o tema e auxiliem o setor Saúde em suas ações preventivas a partir da identificação de grupos vulneráveis, este estudo te[r]

8 Ler mais

UMA ANÁLISE CRÍTICA DA BUSCA DO  POR MEIO DO DIREITO PENAL.  Daniela Carvalho Almeida Da Costa, Daniela Ramos Lima Barreto

UMA ANÁLISE CRÍTICA DA BUSCA DO POR MEIO DO DIREITO PENAL. Daniela Carvalho Almeida Da Costa, Daniela Ramos Lima Barreto

Importa lembrar, que as exposições dos grupos vulneráveis a situações de desrespeito, violações de direitos e específicas formas de violência, está ligada à condição de “subordinação de status” , aproveitando o argumento de Fraser, a que estão submetidos. Estes grupos enquadram-se na descrição que faz a autora das “coletividades bivalentes”, grupos que sofrem tanto com a má distribuição econômica como com o não reconhecimento cultural e legal. Nessa perspectiva, a superação da injustiça a que estão submetidos, deveria se dar em duas frentes: de um lado, transformações de ordem político-econômica a eliminar a falta de acesso aos bens materiais necessários a uma vida digna que os aflige, e, de outro, a desconstrução dos padrões culturais institucionalizados, que os impedem de atuar de forma igual, paritária, no centro das decisões políticas. Pelas suas contradições e limitações, acredita-se não se prestar o Direito Penal, como instrumento de reconhecimento em nenhuma dessas abordagens.
Mostrar mais

31 Ler mais

Avaliação de risco em casos de violência contra a mulher perpetrada por parceiro íntimo

Avaliação de risco em casos de violência contra a mulher perpetrada por parceiro íntimo

As mulheres são mais vulneráveis a violências ocorridas em ambientes domésticos e cometidas por pessoas conhecidas, enquanto os homens são mais vulneráveis nos esp[r]

235 Ler mais

Saúde do trabalhador nos estudos de impactos de refinarias de petróleo.

Saúde do trabalhador nos estudos de impactos de refinarias de petróleo.

0,5 ponto: exposição a poluentes químicos 0,5 ponto: uso de indicadores da saúde pública 0 ponto: identificação de grupos de trabalhadores vulneráveis 0 ponto: desenvolvimento de cenário[r]

7 Ler mais

Tendências recentes no mercado de trabalho: pesquisa de emprego e desemprego.

Tendências recentes no mercado de trabalho: pesquisa de emprego e desemprego.

Além do forte crescimento do desemprego aberto, bem como da sua incidência em grupos específicos da PEA, alguns entre os mais vulneráveis, verificou-se um agrava- mento ainda maior das condições de desemprego na me- dida em que o tempo médio de procura por trabalho pas- sou de 22 semanas, em 1995, para 51 semanas, em 2002, ou seja, um aumento de cerca de 150,0% no tempo neces- sário para a obtenção de um novo emprego (Gráfico 14). Ademais, elevou-se substancialmente o conjunto de trabalhadores que compõem o chamado “desemprego de longa duração”, referente àqueles desempregados há mais de um ano buscando trabalho. De fato, de acordo com o Gráfico 15, a participação desse grupo, que correspondia a 6,4% do total de desempregados, em 1995, passou para 24,1%, em 2002. Diminuiu bastante, portanto, a partici- pação dos desempregados obtendo uma nova ocupação em menos de 30 dias: em 1995 eles eram 29,9% do total, pas- sando para 14,6% em 2002.
Mostrar mais

13 Ler mais

O ativismo de direitos humanos brasileiro nos relatórios da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (1970-2015)

O ativismo de direitos humanos brasileiro nos relatórios da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (1970-2015)

De fato, a transição para o regime democrático no Brasil trouxe, além da maior mobilização dos movimentos e organizações em torno dos direitos humanos, uma mudança em suas estratégias de atuação. Se antes esses grupos estavam articulados enquanto movimentos de oposição e resistência ao regime, com o fim da ditadura eles passaram a participar ativamente do processo de redemocratização do país, contribuindo inclusive para a redação da nova Constituição Brasileira, promulgada em 1988 (SANTOS, 2007). Essa aproximação entre sociedade civil e governo também pode ser vista nas políticas de compensação para os abusos ocorridos durante a ditatura, que de acordo com Engstorm (2011) foram articuladas a partir de uma estreita colaboração entre esses dois lados.
Mostrar mais

37 Ler mais

Show all 9849 documents...