Mem de Sá

Top PDF Mem de Sá:

Mem de Sá, o herói contrariado: a releitura  de Cecília Meireles da gesta de José de Anchieta / Mem de Sá, the Counteracted Hero: Cecília Meireles’ Review of José de Anchieta’s Saga

Mem de Sá, o herói contrariado: a releitura de Cecília Meireles da gesta de José de Anchieta / Mem de Sá, the Counteracted Hero: Cecília Meireles’ Review of José de Anchieta’s Saga

2.1 A gesta de Anchieta: dimensão histórica e dimensão mítica Para analisar como Meireles retomou a gesta de Anchieta é preciso antes apresentar as complexas questões que circundaram a fixação do texto do jesuíta. De Gestis Mendi de Saa, de José de Anchieta, é considerada a primeira obra da literatura de caráter ficcional escrita em solo brasileiro, e apresenta como herói o português Mem de , que ocupou o cargo de governador-geral do Brasil entre 1558 e 1571. Segundo Carolina Michaëllis Vasconcelos, ao vir para o Brasil, teve a missão de ‟implantar o império da justiça entre gente totalmente avessa às prescrições do direito e austeridade das leis; limpar de aventureiros e corsários aquelas costas marítimas; assegurar a posse da formosa bahia do Rio de Janeiro” (VASCONCELOS, 1885, p. 796). Mais especificamente, Mem de dedicou-se a combater os franceses entre 1560 e 1565, povo que intencionava estabelecer no local a “França Antártica”. Em 1565, a família , composta por Estácio de , Mem de e seu filho Fernão de , morto em combate, derrotou por fim a França e fundou a cidade do Rio de Janeiro.
Mostrar mais

18 Ler mais

Março 2017 Tese de Doutoramento em História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa Mem de Sá Um Percurso Singular no Império Quinhentista Português Marisa Pires Marques

Março 2017 Tese de Doutoramento em História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa Mem de Sá Um Percurso Singular no Império Quinhentista Português Marisa Pires Marques

testemunhas no documento legal que impôs as suas últimas vontades e no qual vemos reflectida a sua mentalidade e os valores que marcaram toda a sua vida. Escrito três anos antes de morrer, nele constatamos o quão contraditório foi no seu quotidiano de governador e de homem de negócios. Ignorar as suas contradições seria ignorar a complexidade de que era formado, sobretudo ao chegar ao Brasil, onde a sua vida privada se desdobrou em tantos cenários como aqueles que viveu na sua vida pública ao serviço da Coroa de Portugal. Para compreender o Governador em funções durante mais tempo no Brasil e no Império, com uma vida longa e cheia, precisamos pensar num espelho no qual se reflectem muitas facetas movidas pelo desejo de enriquecimento e pela ambição de ver a ascensão em termos de estatuto social dos seus dois filhos, Francisco e Filipa de . Estes eram os seus legítimos herdeiros à altura da sua morte e as suas maiores preocupações à altura da redacção do seu testamento e é por isso que as matrizes do futuro que lhes gizou ocupam tanto espaço no mesmo. Os riscos que tomou como Governador e homem de negócios compensaram os esforços e os perigos que enfrentou, sobretudo o desgosto de ver morrer o seu filho Fernão de no Espírito Santo em 1558, 1259 por terem possibilitado a concretização dos seus maiores desejos, a criação de um morgado para o seu filho e o bom casamento da sua filha, Filipa de . Este era o corolário da sua vida e a maior herança que lhes podia deixar. Para consegui-lo, relembrou a Coroa dos serviços prestados no Instrumento de serviços (o qual vai ser utilizado pelos seus filhos, Francisco e Filipa de com o mesmo fim) que elaborou na cidade do Salvador a 7 de Setembro de 1570 depois de conhecida a nomeação do seu sucessor, D. Luís de Vasconcelos. 1260 Ao lembrar a Coroa de fazer uma “assinalada mercê” para os seus filhos, Mem de invocava a graça régia, o principal mecanismo de mobilidade social e sobretudo, fonte de legitimidade de todos os
Mostrar mais

307 Ler mais

Epopeia e religião: fronteiras entre mito e história

Epopeia e religião: fronteiras entre mito e história

Resumo: Estudo da presença de Deus e de Jesus em epopeias estrangeiras e brasileiras, a saber: A saga de Mem de , Memorial da infância de Cristo e Triunfo do Divino Amor, Anchieta ou O evangelho nas selvas, Christ e A cabeça calva de Deus, com o intuito de observar o modo como as fronteiras entre mito e história foram trabalhadas em poemas épicos religiosos ou de contaminação religiosa, com destaque para a importância do plano literário como agente de releitura de imagens míticas religio- sas e de reinvenção da própria história. Espera-se também, com este breve estudo, contribuir para a constatação da permanência do épico como materialidade da arte literária em que mito e história ganham aderência através do heroísmo épico, resultando em expressões de importante caráter cul- tural, por revelarem pontos de vista que traduzem a experiência humano-existencial através dos tempos e dos espaços.
Mostrar mais

16 Ler mais

Évila Cristina Vasconcelos de Sá

Évila Cristina Vasconcelos de Sá

A família de Henriqueta Galeno pode ser considerada abastada, pois seguia os moldes da elite fortalezense dos fins do século XIX e início do XX. Seu provedor, Juvenal Galeno, oriundo de estirpe cafeicultora da Serra de Aratanha, teve formação no Liceu do Ceará e concluiu seus estudos em Agronomia no Rio de Janeiro. Ao retornar para a capital cearense, foi deputado estadual em 1859. (ANDRADE, 1948). Posteriormente, exerceu o cargo de inspetor da instrução pública no estado e de bibliotecário público, entre os anos de 1889 e 1908. Sustentou seus rebentos em escolas particulares, tais como a Escola Imaculada Conceição e Liceu do Ceará. Sua casa, pomposa, com vários compartimentos e com excelente mobiliária para o período, foi lócus de apresentação de saraus literários e eventos políticos, possuindo até auditório. (, 1971). Assim, por seguir a prole de grande prestígio social, pode-se considerar que Henriqueta Galeno teve uma “privilegiada” formação intelectual que subsidiou sua atuação como educadora, literata e feminista.
Mostrar mais

20 Ler mais

A confissão de Sá-Carneiro

A confissão de Sá-Carneiro

Vê Você, eu sofro porque sinto próxima a hora em que o recreio vai acabar, em que é forçoso entrar para as aulas. Talvez não me compreenda nestas palavras, mas eu não tenho paciência nem força para lhe falar mais detalhadamente: Em suma não creio em mim, nem no meu curso, nem no meu futuro. Já tomei várias decisões desde que aqui estou e um dia senti, na verdade senti cheio de orgulho, que me chegara finalmente a força necessária para desaparecer. Ilusão dourada! Na manhã seguinte essa força remediável tinha desaparecido. E então resolvi voltar à Lisboa, sepultar dentro de mim ambições e orgulhos. Mas não tive também força para o fazer. Sorria-me Paris e, lá ao longe, um fiozinho de esperança que todas as aspirações dentro de mim me fizeram ver como um facho resplandecente. (-CARNEIRO, 2004, p. 37)
Mostrar mais

14 Ler mais

ANTHERO ADELINO DE SÁ

ANTHERO ADELINO DE SÁ

rolao branco e roklo pardo ou cabecinha (parte periférica do miolo) e farello (pó da casca). Depois da peneirarão, as farinhas mais finas e de maior preço, Lêem menos substancia[r]

113 Ler mais

ANTHERO ADELINO DE SÁ

ANTHERO ADELINO DE SÁ

rolao branco e roklo pardo ou cabecinha (parte periférica do miolo) e farello (pó da casca). Depois da peneirarão, as farinhas mais finas e de maior preço, Lêem menos substancia[r]

113 Ler mais

Rafael de Sá Marques

Rafael de Sá Marques

Conforme apresentado na revisão de literatura no item 2.2 Índicie de Meritocracia (pág.. Os resultados da regressão confirmaram a hipótese de que graus mais altos de impleme[r]

93 Ler mais

CLAUDIO ALVES DE SÁ

CLAUDIO ALVES DE SÁ

enquadrar este morador da cidade a novos hábitos para a sobrevivência e não a. caçada que se tomaria dispendiosa caso mantivesse seus animais pagando os[r]

47 Ler mais

A Lógica da Velocidade dos Elementos do Capital

A Lógica da Velocidade dos Elementos do Capital

I, 3a edição, editor CEDAM, Padua, 1945 SÁ, António Lopes de, A produtividade e a eficiência nos pequenos e médios negócios, edição Ediouro, Rio de Janeiro, 1993 SÁ, António Lopes de, Te[r]

17 Ler mais

Um ´ındice baseado em ´arvores de sufixos comprimidas com baixo consumo de mem´oria

Um ´ındice baseado em ´arvores de sufixos comprimidas com baixo consumo de mem´oria

Conforme visto, devido ao algoritmo incremental proposto por Hon et al. [HLS + 07], a implementac¸˜ao proposta mostra-se muito eficiente quanto `a mem´oria de pico utilizada durante a construc¸˜ao, re- querendo pouco mais que o espac¸o final para representac¸˜ao da estrutura. Em comparac¸˜ao ao ´ındice SuDS, a implementac¸˜ao neste trabalho mostra-se muito mais eficiente caso haja pouca mem´oria dispon´ıvel, visto que este ´ındice requer um fator maior que 4× de mem´oria em relac¸˜ao ao tamanho da entrada para sua construc¸˜ao. J´a o ´ındice n˜ao-comprimido usa um fator de 12× de pico de mem´oria em relac¸˜ao ao tamanho da entrada, o que pode tornar o seu uso invi´avel quando pouca mem´oria est´a dispon´ıvel.
Mostrar mais

91 Ler mais

José Carlos de Sá Cardoso

José Carlos de Sá Cardoso

O objectivo deste questionário é ajudar a perceber hábitos de consumo de bebidas alcoólicas e traçar perfis dos indivíduos que cometem este delito, ou seja o Cr[r]

46 Ler mais

Vânia Catarina Cruz Sá

Vânia Catarina Cruz Sá

Tal como a resistência verificada para outros grupos de antibióticos, nichos ecológicos extrahospitalares como animais para consumo humano, ambiente de produção animal, humano[r]

35 Ler mais

Gisela Maria Coelho de Sá

Gisela Maria Coelho de Sá

Como afirma Dubar, para além das formas identitárias se construírem e reconstruírem ao longo da vida, integram-se num processo mais vasto de interacção com os outros, o que implica uma[r]

157 Ler mais

Nicanor Palhares Sá: uma homenagem

Nicanor Palhares Sá: uma homenagem

“O professor Nicanor Palhares se qualifica em seu memorial para Professor Titular como ‘pau-rodado’. Alguém que fixa residência apenas até a próxima enchente, quando torna a seguir errante por um rio. No entanto, se fosse assim, não teria permanecido tanto tempo na UFMT nem contribuído tão significativamente para o seu desenvolvimento.

15 Ler mais

CAMILA EMILIANE MENDES DE SÁ

CAMILA EMILIANE MENDES DE SÁ

Galls induced by Schizomyia macrocapillata – Galls were spheroid, with long reddish hairs covering the external surface, occurring either isolated (figure 7) or in coalescence (grouped[r]

9 Ler mais

Sá, Mara Campos Queirós de

Sá, Mara Campos Queirós de

Num estudo onde se pretendeu examinar a possibilidade de erupção espontânea de caninos maxilares inclusos e deslocados após a extracção dos caninos decíduos e a [r]

78 Ler mais

Dissertação Mestrado Cláudia Sá

Dissertação Mestrado Cláudia Sá

desempenha a sua Ação Humanitária, Cooperação e Desenvolvimento num contexto de formação internacional para a Restauração do Direito da Criança à Saúde, formando e[r]

102 Ler mais

Sá de Miranda, trovador e poeta

Sá de Miranda, trovador e poeta

Alguns trovadores mantêm o costume galego-português de forjar a perspectiva feminina, escrevendo em nome de algumas damas reais da corte manuelina. de Miranda também compôs do ponto de vista feminino, o cantar velho “Sola me dexaste”, e outro, em diálogo, cantar de moças ao adufe, “Naquela serra”, e ainda o cantar de moças, “Menina fermosa”. A poesia mirandina recolhida no Cancioneiro de Resende mostra-se muito densa para a trivialidade do salão, sendo que o poeta não deixou nunca de freqüentar com suas trovas as recolhas quinhentistas e seiscentistas, sobretudo com os cantares escritos na perspectiva feminina. Uma dama da corte de D. Maria, Leonor de Mascarenhas, a marquesa de Pescara portuguesa, segundo de Miranda, compõe duas sextilhas em resposta a ele e a Bernardim Ribeiro, em dois diálogos poéticos ao gosto provençal, “Ua cousa cuidava eu” e “Vi sinais: o mal é grande”, que não foram editados no Cancioneiro de Resende em 1516. Quem os salva do esquecimento é o próprio de Miranda reunindo-os em sua obra, quando as ofertou ao príncipe no início dos anos 1550 (Manuscrito D). 10 Os diálogos poéticos dessa dama da corte manuelina
Mostrar mais

15 Ler mais

Outro soneto de Sá de Miranda

Outro soneto de Sá de Miranda

No que respeita à expressão luso-castelhana mirandina, importa salientar que o desastre do Monte de Condessa, tardia cruzada contra Ceuta, em 1553, no qual muitos cavaleiros portugueses [r]

16 Ler mais

Show all 5916 documents...