Tratamentos pré-germinativos

Top PDF Tratamentos pré-germinativos:

Tratamentos pré-germinativos em sementes de Schizolobium parahyba (Vell.) Blake

Tratamentos pré-germinativos em sementes de Schizolobium parahyba (Vell.) Blake

De acordo com os resultados obtidos é possível afirmar que as sementes de guapuruvu necessitam realmente de tratamentos pré-germinativos para acelerar e uniformizar a porcentagem de emergência das plântulas; tendo em vista que as sementes que não passaram por tratamentos pré-germinativos (T1) obtiveram emergência inferior a maioria dos tratamentos (58%), com exceção das sementes que foram submetidas a imersão em água quente à 90ºC por 5 minutos (T5) e imersão em água quente à 100ºC por 5 minutos (T6), as quais obtiveram 56 e 41% de emergência respectivamente (Figura 1).
Mostrar mais

6 Ler mais

Germinação e vigor de sementes de Sapindus saponaria L. submetidas a tratamentos pré-germinativos, temperaturas e substratos.

Germinação e vigor de sementes de Sapindus saponaria L. submetidas a tratamentos pré-germinativos, temperaturas e substratos.

Sapindus saponaria L. é uma árvore de grande porte distribuída especialmente na região Amazônica, sendo de grande importância para o reflorestamento de áreas degradadas, na construção civil e confecção de brinquedos. O objetivo dessa pesquisa foi testar tratamentos pré-germinativos para superar a dormência e avaliar o efeito da temperatura e do substrato na germinação das sementes de S. saponaria. O experimento foi conduzido em ambiente protegido e no Laboratório de Análise de Sementes (LAS) da Universidade Federal da Paraíba. Dois ensaios foram desenvolvidos, sendo no primeiro testados os seguintes tratamentos: imersão das sementes em ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) por 0, 15, 30, 45 e 60 minutos, analisando-se as
Mostrar mais

7 Ler mais

TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch

TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch

A principal dificuldade com essa espécie está na produção de mudas, pois suas sementes possuem um tegumento bastante resistente ao atrito, e talvez imperme áveis a água e/ou ao oxigênio. Em algumas espécies, na fase de maturação, as sementes são revestidas com suberina ou substancias lipídios, depositadas nas superfícies das sementes, tornando-as impermeáveis (Labouriau, 1983). Há vários tratamentos pré- -germinativos que poderão ser usados para vencer esta barreira natural, como escarifica ção química e mecânica, utilizados com sucesso para Mimosa bimucromata (Ferreira, 1976), Leucaena leucocephala (Àquila e Fett-neto, 1988), em Guazuma ulmifolia (Barroso et al., 1993), Acacia caven (Franco e Feltrin, 1994), adição de ácido giberélico em Trema micrantha (Davide et al., 1993), imersão em água quente Schizolobium parayba (Bianchetti e Ramos, 1981) entre outros. O conhecimento desse mecanismo é imprescindível para o estabelecimento de qualquer cultivo de esp écies nativas.
Mostrar mais

10 Ler mais

Desempenho de sementes de sapoti (Achras sapota L.) submetidas a diferentes tratamentos pré-germinativos.

Desempenho de sementes de sapoti (Achras sapota L.) submetidas a diferentes tratamentos pré-germinativos.

RESUMO - O sapotizeiro (Achras sapota L.) é cultivado principalmente para a produção de frutos, encontrando-se entre os mais apreciados pela população das áreas onde cresce. Sua propagação pode dar-se através de enxertia ou diretamente por sementes, dando origem aos chamados pés-francos. Considerando o fato de que muitas das espécies florestais e frutíferas apresentam o fenômeno de dormência, e diante da necessidade de se intensificar estudos que melhor expliquem tal processo, o objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de diferentes tratamentos pré-germinativos em sementes de sapoti, visando a acelerar e uniformizar a germinação de suas sementes. O ensaio foi conduzido em casa de vegetação do Departamento de Fitotecnia, CCA/UFPB, Areia-PB, sendo utilizados os seguintes tratamentos: imersão em água a 60°C por 1, 2 e 3 minutos; corte lateral (ao embrião) com e sem embebição em água por 24 horas; corte distal (ao embrião) com e sem embebição em água por 24 horas; corte lateral+distal (ao embrião) com e sem embebição em água por 24 horas e a testemunha (ausência de tratamento). Efetuados os tratamentos, foi realizada a semeadura em bandejas contendo areia lavada e autoclavada, utilizando-se de quatro repetições de 25 sementes. As características avaliadas foram: percentagem e índice de velocidade de emergência, comprimento de raiz e de hipocótilo e peso de matéria seca de planta. O delineamento experimental foi o Inteiramente Casualizado, e os contrastes entre as médias foram realizados através do teste de Duncan, ao nível de 5% de probabilidade. As sementes de sapoti exibiram maior emergência (81%) e índice de velocidade de emergência (0,58) quando submetidas ao corte lateral, sem embebição. O corte das sementes seguido de embebição por 24 horas não foi eficiente para acelerar a emergência e o índice de velocidade de emergência de plântulas de sapoti. A imersão em água a 60°C, independentemente do tempo utilizado, não deve ser recomendada como tratamento pré-germinativo para sementes de sapoti.
Mostrar mais

4 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos em sementes de mamona (Ricinus communis L.).

Tratamentos pré-germinativos em sementes de mamona (Ricinus communis L.).

RESUMO – As sementes de mamona têm germinação lenta e irregular, resultando, muitas vezes, em estande desuniforme no campo, o que pode ser atribuído à provável diiculdade de absorção de água pelas sementes. O trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de tratamentos pré-germinativos no desempenho de sementes de mamona. Foram utilizados cinco lotes de sementes de mamona, cultivar AL-Guarany, que foram submetidos aos seguintes tratamentos: testemunha (sementes intactas), escariicação com lixa, remoção da carúncula, remoção do tegumento, imersão em água por 12 e 24 horas, remoção da carúncula + imersão em água por 12 e 24 horas, escariicação com lixa + imersão em água por 12 e 24 horas, germinação a 10ºC/7 dias e a 25ºC/5 dias, germinação a 10ºC/7 dias e a 30ºC/5 dias e envelhecimento acelerado a 41ºC/48h e 100% UR. Após cada tratamento, com exceção dos tratamentos de germinação a 10ºC, as sementes foram submetidas ao teste de germinação, a 25ºC, avaliando-se a porcentagem de plântulas normais aos sete e 14 dias após a semeadura. Em geral, todos os tratamentos pré-germinativos contribuíram para aumentar a porcentagem de germinação das sementes de mamona em relação à testemunha. Os tratamentos mais eicientes para acelerar a germinação das sementes foram a escariicação com lixa e a remoção da carúncula ou de todo o tegumento. No entanto, considerando a praticidade de aplicação, a escariicação com lixa pode ser recomendada para acelerar e aumentar a germinação das sementes de mamona.
Mostrar mais

8 Ler mais

Germinação e vigor de sementes de melancia com diferentes ploidias submetidas a tratamentos pré-germinativos.

Germinação e vigor de sementes de melancia com diferentes ploidias submetidas a tratamentos pré-germinativos.

RESUMO - Sementes triplóides e tetraplóides de melancia apresentam problemas de germinação, havendo a necessidade do emprego de tratamentos visando minimizar este problema. Técnicas para melhorar a germinação são importantes para aumentar o potencial de desempenho das sementes e, por conseguinte, a uniformidade das plantas em condições de campo. O presente trabalho teve como objetivo verificar o efeito de tratamentos pré-germinativos em sementes diplóides, triplóides e tetraplóides de melancia. As sementes foram submetidas à maceração; escarificação mecânica + ácido giberélico (GA 3 ); escarificação; ácido giberélico (GA 3 ). Após a aplicação dos tratamentos, as sementes foram colocadas para germinar em rolos de papel germitest embebido com água destilada na proporção de 2,5 vezes seu peso e mantidas em germinador à temperatura de 25°C. Foram realizadas avaliações de porcentagem de germinação e crescimento de plântulas aos 5 e 12 dias. A avaliação da emergência de plântulas foi realizada no interior de uma casa-de-vegetação coberta com sombrite 50%, em bandejas plásticas com solo. Foram realizadas contagens diárias do número de plântulas emergidas até a estabilização da emergência das mesmas, considerando-se emergidas aquelas que apresentavam os cotilédones expostos. Foram determinadas as porcentagens de emergência e o índice de velocidade de emergência de plântulas. Apesar dos tratamentos pré- germinativos empregados nos três tipos de sementes não serem eficientes no aumento da germinação e emergência de plântulas de melancia, observou-se que o GA 3 e a escarificação, empregados separadamente e em associação, promoveram maior crescimento de plântulas oriundas de sementes diplóides e tetraplóides e que a maceração também contribuiu para maior crescimento de plântulas tetraplóides.
Mostrar mais

5 Ler mais

Coloração do fruto, tratamentos pré-germinativos e sua relação com a germinação e a qualidade de mudas de Aegiphila sellowiana Cham

Coloração do fruto, tratamentos pré-germinativos e sua relação com a germinação e a qualidade de mudas de Aegiphila sellowiana Cham

A baixa taxa de emergência, principalmente nos frutos alaranjados, indica que esses frutos estavam imaturos, pois em média apenas 9,5% deles emergiram; contrastando com 31,5 % de emergência nos frutos vermelhos (Tabela 8). Segundo Marcos Filho (1979) são boas as possibilidades de se utilizar a coloração para identificar a maturidade fisiológica das sementes. Tratamentos pré-germinativos para superar a dormência em sementes de Albizia lebbeck (tegumento claro e escuro) possibilitaram baixa porcentagem de germinação (% G), na 1ª contagem, para sementes claras e % G maiores para as escuras o que foi atribuído a uma provável imaturidade fisiológica nas sementes claras (BENEDITO et al., 2009).
Mostrar mais

74 Ler mais

Germinação de sementes de palmeira-ráfia: efeito de tratamentos pré-germinativos.

Germinação de sementes de palmeira-ráfia: efeito de tratamentos pré-germinativos.

O aumento nos valores porcentuais de germinação por ação das giberelinas também já foi relatado em vários trabalhos com diferentes espécies de frutíferas (DUARTE, 1982). Segundo Metivier (1986), giberelinas e citocininas estão envolvidas na quebra da dormência de sementes de diferentes espécies, causando diminuição na velocidade média de germinação, sendo esse fato muito importante, pois o tempo médio de germinação é considerado como a primeira etapa para a redução no tempo de formação da muda. Os tratamentos pré- germinativos de sementes da palmeira-ráfia, utilizando- se os reguladores de crescimento GA 3 e BAP, não influenciaram a porcentagem de germinação e o índice de velocidade de emergência das sementes da espécie.
Mostrar mais

6 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos em sementes de Myracrodruon urundeuva Freire Allemão.

Tratamentos pré-germinativos em sementes de Myracrodruon urundeuva Freire Allemão.

A dormência é o fenômeno pelo qual sementes de determinada espécie, mesmo sendo viáveis e tendo todas as condições ambientais favoráveis para tanto, não germinam. Tais sementes requerem tratamentos pré-germinativos para aumentar a percentagem de germinação (CARVALHO e NAKAGAWA, 2000). Diversos fatores podem induzir à dormência das sementes como impermeabilidade do tegumento à água e aos gases, embriões imaturos ou rudimentares, presença de substâncias promotoras ou inibidoras de crescimento, exigências especiais de luz ou de temperatura, entre outras (CARVALHO e NAKAGAWA, 2000).
Mostrar mais

8 Ler mais

EMERGÊNCIA E ESTABELECIMENTO DE PLÂNTULAS DE Guazuma ulmifolia LAM. EM FUNÇÃO DE DIFERENTES TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS.

EMERGÊNCIA E ESTABELECIMENTO DE PLÂNTULAS DE Guazuma ulmifolia LAM. EM FUNÇÃO DE DIFERENTES TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS.

Este trabalho testou a influência de métodos de escarificação térmica e mecânica na emergência e estabelecimento de plântulas de Guazuma ulmifolia. As sementes foram submetidas aos tratamentos pré-germinativos de (1) escarificação mecânica (lixa), e (2) escarificação térmica (água quente), além do tratamento-controle (3) no qual as sementes foram deixadas intactas. O tratamento feito com escarificação térmica diferiu dos demais tratamentos, apresentando o maior número de plântulas emergidas. As sementes tratadas com lixa obtiveram a menor porcentagem de emergência, não diferindo do tratamento-controle. Para o índice de velocidade de germinação não foi verificada diferença significativa entre os tratamentos e o pico de emergência de plântulas foi entre o 13º e 15º dia de incubação em todos os tratamentos. Quanto ao estabelecimento, o crescimento (altura, diâmetro e número de folhas e de nós) das plântulas diferiu entre os tratamentos pré-germinativos. Observou-se maior crescimento das plântulas após suas sementes passarem por escarificação térmica. Assim, a escarificação com água quente é o método mais adequado para quebra da dormência das sementes de Guazuma ulmifolia, proporcionando plântulas mais vigorosas.
Mostrar mais

10 Ler mais

TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Hibiscus sabdariffa L. (Malvales - Malvaceae)

TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES DE Hibiscus sabdariffa L. (Malvales - Malvaceae)

Observando a porcentagem de sementes dormentes (Tabela 1), verifica-se que as sementes imersas em água destilada a 70 ºC por 10 min apresentaram resultados superiores em comparação aos demais tratamentos pré-germinativos, garantindo dessa forma, menores respostas fisiológicas das sementes. Esses resultados corroboram com os obtidos por Scalon et al. (2008), os quais verificaram que o tratamento com choque térmico não permitiu a germinação das sementes de cipó-São-João [Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers] em nenhuma das temperaturas de incubação estudadas.
Mostrar mais

8 Ler mais

TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES FLORESTAIS DA AMAZÔNIA: VI - MUIRAJUBA Apuleia leiocarpa (VOG.) MACBRIDE VAR. molaris SPR. ex BENTH. (LEGUMINOSAE).

TRATAMENTOS PRÉ-GERMINATIVOS EM SEMENTES FLORESTAIS DA AMAZÔNIA: VI - MUIRAJUBA Apuleia leiocarpa (VOG.) MACBRIDE VAR. molaris SPR. ex BENTH. (LEGUMINOSAE).

com 12 tratamentos pré-germinativos: testemunha (sem tratamento); imersão em ácido sullürico concentrado (96%) por diferentes períodos (5, 10, 15, 20 e 30 minutos), imersão em água quen[r]

9 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos em sementes de araçá-boi (Eugenia stipitata).

Tratamentos pré-germinativos em sementes de araçá-boi (Eugenia stipitata).

RESUMO - O araçá-boi (Eugenia stipitata) é uma fruteira nativa com grande potencial agroindustrial. Suas sementes são intolerantes ao dessecamento e apresentam dormência, o que diiculta sua propagação. O objetivo do trabalho foi analisar as características de germinação das sementes de araçá-boi submetidas a diferentes tratamentos pré-germinativos: retirada parcial do tegumento, lixiviação e fracionamento. A germinação das sementes intactas e com retirada parcial do tegumento foi realizada em dois ambientes: casa de vegetação e viveiro telado com sombrite de 50%. Para a lixiviação, as sementes foram colocadas em balde e submetidas à lixiviação, em água corrente, por até 90 dias, com intervalos de 10 dias. O fracionamento das sementes foi realizado de acordo com a posição da zona meristemática de protrusão da raiz e parte aérea (fracionamento transversal e longitudinal). A retirada parcial do tegumento das sementes de araçá-boi diminui o tempo médio de germinação de 91 para 48 dias, com 100% de emergência. As sementes de araçá-boi mantidas submersas em água corrente por até 50 dias mantêm a viabilidade e o vigor. As frações de sementes que apresentam a protuberância meristemática formam plântulas normais, com as mesmas características de germinação das sementes intactas, porém os diferentes tipos de fracionamento não aceleraram nem uniformizaram a germinação das sementes.
Mostrar mais

9 Ler mais

Substratos alternativos e tratamentos pré-germinativos na germinação in vitro de sementes de Pinus taeda L..

Substratos alternativos e tratamentos pré-germinativos na germinação in vitro de sementes de Pinus taeda L..

Diversos trabalhos têm sido realizados com o cultivo in vitro de espécies do gênero Pinus, como: P. patula (McKELLAR et al., 1994), P. elliottii (BURNS et al., 1991), P. heldreichii (STOJIEIÉ et al., 1999) e P. taeda (LI e HUANG, 1996; PULLMAN et al., 2003). Tais pesquisas são, em seu maior número, ligadas à embriogênese somática, processo mais difícil e trabalhoso, tanto pelos explantes necessários (os quais geralmente necessitam de coleta em estágio imaturo) quanto pela execução laboratorial. Em contrapartida, a germinação in vitro das sementes oferece maior facilidade nos trabalhos, possibilidade de multiplicação por organogênese direta, juvenilidade e maior variabilidade num mesmo lote, possibilitando melhoramento e seleção. Desta forma, os objetivos deste trabalho foram desenvolver protocolos para a obtenção de plantas germinadas in vitro de P. taeda, avaliar o uso de substratos alternativos e analisar o efeito de tratamentos pré-germinativos na otimização da germinação.
Mostrar mais

10 Ler mais

MARISTELA ROSÁLIA ANASTÁCIO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DOS FRUTOS, TRATAMENTOS PRÉ- GERMINATIVOS E VARIABILIDADE DA EMERGÊNCIA DE PLÂNTULAS DE MOROTOTÓ (Schefflera morototoni)

MARISTELA ROSÁLIA ANASTÁCIO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DOS FRUTOS, TRATAMENTOS PRÉ- GERMINATIVOS E VARIABILIDADE DA EMERGÊNCIA DE PLÂNTULAS DE MOROTOTÓ (Schefflera morototoni)

O objetivo do trabalho foi avaliar a influência do estádio de maturação dos frutos nos atributos físicos e de germinação de pirênios de Schefflera morototoni submetidos a tratamentos pré-germinativos. Frutos com coloração verde e verde-arroxeada foram coletados de 14 indivíduos, despolpados em água corrente, descartando-se, após contabilização, os pirênios chochos, com endosperma retraído e oxidado, utilizando-se os uniformes (com endosperma esverdeado ocupando toda a cavidade do pirênio). O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 5 (estádios de maturação dos frutos e tratamentos pré-germinativos), com quatro repetições em parcelas contendo 25 pirênios. Verificou-se que para maior capacidade e velocidade de germinação dos pirênios, os frutos devem ser colhidos quando apresentarem coloração verde-arroxeada, descartando-se àqueles com pirênios chochos, endosperma retraído ou oxidado. A capacidade de germinação dos pirênios com endosperma uniforme varia entre 50 e 60%, com início do processo em cerca de 40 dias após semeadura, se estendendo por até 60 dias em vermiculita. Pirênios despolpados, secos e embebidos em água a 60 o C por 5 minutos, seguida da embebição em água à temperatura ambiente por 12 horas iniciam o processo de germinação em menor tempo, em relação aos despolpados, secos, escarificados e embebidos por 6 horas. O endocarpo dos frutos é permeável e rígido, no entanto, apresenta abertura natural quando embebido.
Mostrar mais

58 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos e procedência de sementes do tucumã-do-amazonas para a produção de mudas.

Tratamentos pré-germinativos e procedência de sementes do tucumã-do-amazonas para a produção de mudas.

de modo independente das temperaturas e períodos utilizados (FERREIRA; GENTIL, 2006; NAZÁRIO; FERREIRA, 2010). No entanto, outras condições de embebição ou choques térmicos podem favorecer a germinação, desde que seja atingido o grau de umi- dade de 30% nas sementes com máximo desempenho germinativo (FERREIRA; GENTIL, 2006; NAZÁ- RIO; FERREIRA, 2010). Em seu trabalho, Nazário e Ferreira (2010) comentam sobre a necessidade da combinação da embebição com outros tratamentos pré-germinativos para promover a germinação das sementes do tucumã-do-amazonas. Costuma-se ado- tar a troca diária da água de embebição como um dos tratamentos para facilitar a germinação (FERREIRA; GENTIL, 2006; NAZÁRIO; FERREIRA, 2010).O aumento da frequência de troca de água pode au- mentar a taxa de oxigênio, favorecendo o processo de germinação.
Mostrar mais

8 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos em sementes de duas espécies do gênero Poincianella.

Tratamentos pré-germinativos em sementes de duas espécies do gênero Poincianella.

RESUMO - Objetivou-se nesse trabalho avaliar o efeito de diferentes tratamentos pré- germinativos em sementes de Poincianella bracteosa e Poincianella pyramidalis. Foram testados os seguintes tratamentos: embebição em água por 24 horas; embebição em água a 80 ºC até atingir a temperatura ambiente; escarificação com lixa; escarificação com lixa seguida da embebição em água por 24 horas; escarificação química com ácido sulfúrico concentrado por 30 segundos, 1; 5 e 10 minutos e a testemunha. A avaliação do efeito dos tratamentos foi feita pelas variáveis: germinação, primeira contagem e índice de velocidade de germinação, comprimento da raiz principal e da parte aérea e a determinação da massa seca da raiz e da parte aérea das plântulas. Concluiu-se que as sementes de P. bracteosa e P. pyramidalis não apresentam dormência tegumentar.
Mostrar mais

7 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos em sementes de Faveira-orelha-de-macaco (Enterolobium schomburgkii Benth).

Tratamentos pré-germinativos em sementes de Faveira-orelha-de-macaco (Enterolobium schomburgkii Benth).

Germinação de sementes de Faveira-orelha-de-macaco(Enterolobium schomburgkii) após diferentes tratamentos pré-germinativos. Os melhores tratamentos para superar a dormência das sementes[r]

8 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos e temperaturas para a germinação de sementes de Apeiba tibourbou Aubl..

Tratamentos pré-germinativos e temperaturas para a germinação de sementes de Apeiba tibourbou Aubl..

Embora tenha estimulado o processo de germinação das sementes por meio da protrusão da radícula, a temperatura de 35 °C, independentemente do tratamento pré-germinativo aplicado, inibiu o desenvolvimento subsequente do processo germinativo, impedindo completamente a formação de plântulas normais e favorecendo a deterioração e morte das sementes, constatada pela liberação de exsudados no meio germinativo e pelo desenvolvimento de fungos na superfície das sementes. Fato semelhante ocorreu em sementes de Euterpe edulis M. (Andrade et al., 1999), Brosimum gaudichaudii (Añez et al., 2002) e de Amburana acreana (Ducke) A. C. Sm. (Bello et al., 2008).
Mostrar mais

10 Ler mais

Tratamentos pré-germinativos em sementes de acácia.

Tratamentos pré-germinativos em sementes de acácia.

sulfúrico puro por uma hora seguido de lavagem em água. Os três tratamentos constantes nas regras são mais demorados e trabalhosos do que o estudado e aqui apresentado para utilização em sementes da Acacia mangium. Além disso é possível otimizar o processo sem o uso do ácido sulfúrico, uma vez que os riscos de lesões nas pessoas leigas são grandes.

8 Ler mais

Show all 10000 documents...