Top PDF Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil.

Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil.

Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil.

RESUMO – (Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil). O município de Bertioga, no litoral central do Estado de São Paulo, apresenta grandes extensões de restingas ainda preservadas, com reduzido número de coletas de material botânico. A rápida devastação desse tipo de ambiente, por pressão de empreendedores do ramo imobiliário e outras intervenções antrópicas, torna urgente a compilação de dados que subsidiem estratégias conservacionistas. Nesse aspecto, é aqui apresentada a caracterização florística das comunidades vegetais da região que abrange as restingas de Itaguaré, São Lourenço e Guaratuba, situada entre 23º44’-23º46’S e 45º55’-46º02’W. A classificação das comunidades vegetais seguiu, sempre que possível, os critérios estabelecidos pela Resolução CONAMA n. 7/96, legislação ambiental federal, que aprova diretrizes para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de São Paulo. Foram reconhecidas as comunidades vegetais de Praia e Dunas (33 espécies), Escrube (101), Floresta Alta de Restinga (301), Floresta Alta de Restinga Úmida (434) e Vegetação Entre Cordões (45). Foram registradas 611 espécies, representando 351 gêneros distribuídos em 106 famílias, das quais as de maior riqueza específica são: Orchidaceae (47 espécies), Myrtaceae (39), Bromeliaceae (36), Asteraceae (35), Rubiaceae (34), Fabaceae (32), Cyperaceae (23), Melastomataceae (19), Poaceae (19) e Solanaceae (15).
Mostrar mais

26 Ler mais

Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de restinga no Município de Bertioga, SP, Brasil.

Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de restinga no Município de Bertioga, SP, Brasil.

Algumas espécies típicas de ambientes alagados como Calophyllum brasiliense, Euterpe edulis e Tabebuia cassinoides (Mantovani 1992; Sztutman & Rodrigues 2002), foram encontradas nas duas áreas de estudo, o que se deve ao caráter úmido da área 1 e a presença de charcos de água entre a vegetação na área 2, sendo estes os principais locais onde tais espécies foram levantadas e, favorecendo assim as semelhanças florísticas ocorrentes entre as duas áreas. Apesar de possuírem condições edáficas diferentes, as áreas estudadas podem ser consideradas muito semelhantes floristicamente, já que apresentam índice de similaridade bastante superior a 25% (Müller- Dombois & Ellenberg 1974). Além disso, a composição florística das duas áreas foi caracterizada utilizando-se a mesma metodologia de levantamento, com o mesmo número de unidades amostrais e o mesmo critério de inclusão de indivíduos.
Mostrar mais

13 Ler mais

Densidade e composição florística do banco de sementes do solo de fragmentos de floresta de restinga no município de Bertioga–SP. Density and floristic composition of soil seed bank from fragments of restinga forest in Bertioga–SP.

Densidade e composição florística do banco de sementes do solo de fragmentos de floresta de restinga no município de Bertioga–SP. Density and floristic composition of soil seed bank from fragments of restinga forest in Bertioga–SP.

A área 1 apresenta árvores altas, com indivíduos emergentes de até mais de 20 m, epifitismo bem desenvolvido com predomínio de bromélias de grande porte, sub-bosque formado por espécies jovens do estrato arbóreo com predomínio de Myrtaceae, e pequena diversidade e quantidade de trepadeiras. O substrato apresenta espessa trama de raízes superficiais, grande quantidade de material orgânico e presença de restos vegetais semidecompostos (Ramos-Neto, 1993; Brasil, 1996). Essa área se localiza nas depressões entre os cordões litorâneos, e possui lençol freático bastante superficial podendo aflorar nas épocas mais úmidas do ano, que no período de estudo (2000 a 2002) foram representadas pelos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e março.
Mostrar mais

8 Ler mais

Estudos florísticos e fitossociológicos em comunidades vegetais de restinga da Ilha do Cardoso, Cananéia, SP.

Estudos florísticos e fitossociológicos em comunidades vegetais de restinga da Ilha do Cardoso, Cananéia, SP.

O estudo foi realizado em trecho de floresta situada na planície arenosa litorânea da região norte do Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC), entre os paralelos 25º03’05” e 25º18’18”S e os meridianos 47º53’48” e 48º05’42”W, no Município de Cananéia, litoral sul do Estado de São Paulo, em uma área denominada Restinga da Trilha para o Morro das Almas. A formação florestal estudada apresenta porte baixo e aberto, tendo sido explorada no passado como roça de subsistência e retirada de madeira. Atualmente é utilizada para fins de educação ambiental. O clima da região é do tipo Af, segundo Köppen, tropical constantemente úmido. A precipitação média anual é de 2.248mm, sem ocorrência de estação seca. A temperatura média anual é de 21,3ºC, podendo a máxima chegar a 39ºC (Setzer, 1946; Pinto, 1998). As planícies litorâneas elevam-se 2 a 3 metros em relação ao nível médio do mar (Giulietti et al., 1974), apresentando depósitos litorâneos de origem recente, pleistocênicos e holocênicos relacionados à Transgressão Santos (Suguio & Martin, 1978). Os solos são classificados como podzol, de textura arenosa, pobres em nutrientes e fortemente ácidos (Brasil, 1960; Sugiyama, 1998).
Mostrar mais

141 Ler mais

Ocorrência e caracterização de galhas de insetos em áreas de restinga de Bertioga (São Paulo, Brasil).

Ocorrência e caracterização de galhas de insetos em áreas de restinga de Bertioga (São Paulo, Brasil).

Os Coleoptera (Curculionidae) induziram cinco morfotipos de galhas em cinco famílias vegetais: Annonaceae (em Rollinia sericea R. E. Fr., n = 1); Ebenaceae (em Diospyros brasiliensis Mart. ex. Miq., n = 1); Fabaceae (em Andira fraxinifolia Benth.; n = 1); Melastoma- taceae (Tibouchina pulchra Cogn., n = 1) e Myrtaceae (em Gomi- desia fenzliana O. Berg, n = 1). Na região neotropical, a associação de Coleoptera galhadores com Diospyros brasiliensis e Gomidesia fenzliana já era conhecida. As espécies de Annonaceae registradas, até então, como hospedeiras de Coleoptera galhadores eram Portu- laca oleracea L. e Xilopia aromatica (Lam.) Mart., portanto esse é o primeiro registro em Rollinia sericea. Em Fabaceae, galhas de Coleoptera ocorrem em seis espécies de plantas, incluindo Andira sp. Com relação às Melastomataceae, não havia registros prévios. Os Coleoptera galhadores estavam associados, até o momento, na região neotropical, com 14 famílias de plantas, sendo mais freqüentes nas Fabaceae e Asteraceae (Maia 2006).
Mostrar mais

31 Ler mais

Análise estrutural de florestas de restinga associadas a depósitos marinhos pleistocênicos e holocênicos na Bacia do Rio Itaguaré, Bertioga (SP)

Análise estrutural de florestas de restinga associadas a depósitos marinhos pleistocênicos e holocênicos na Bacia do Rio Itaguaré, Bertioga (SP)

Esse fenômeno parece ser explicado pela ocorrência de raízes sempre pouco profundas (dis- tribuídas a profundidades em geral inferiores a 60 cm), solos muito friáveis, nível de lençol freáti- co alto e clima caracterizado por muitas chuvas e ventos durante todo o ano (segunda área de maior pluviosidade do Brasil) (SOUZA et al. 2009). LAURENCE & YENSEN (1991) associaram o aumento na taxa de mortalidade de indivíduos ar- bóreos adultos em florestas tropicais ao efeito de borda, que permitiria a maior entrada de ventos fortes no interior da floresta.
Mostrar mais

14 Ler mais

Florística de um trecho de floresta de restinga no município de Guarapari, Espírito Santo, Brasil.

Florística de um trecho de floresta de restinga no município de Guarapari, Espírito Santo, Brasil.

Na floresta de restinga do PEPCV há ocorrência de duas espécies citadas na lista de plantas ameaçadas de extinção segundo o IBAMA: Pavonia alnifolia e Mollinedia glabra (Mello-Filho et al. 1992), além de Cattleya harrisoniana considerada por Fraga (2000) como criticamente em perigo. A presença de espécies que podem ser enquadradas em alguma das categorias de plantas ameaçadas de extinção, juntamente com outras de ocorrência restrita à restinga de Setiba (Neomitranthes obtusa), realça a importância desta unidade de conservação e justifica maior proteção deste Parque frente à ação antrópica, servindo como referência para outras áreas de restinga do Estado carentes de preservação, cuja composição florística ainda é desconhecida, como o extremo sul (e.g. Praia das Neves) e o litoral de Linhares. Fraga (2000) mencionou a necessidade de preservação deste último trecho pelo pequeno grau de pressão antrópica e a presença de espécies exclusivas de Orquidaceae.
Mostrar mais

11 Ler mais

Florística e estrutura de comunidades arbóreas em cerrados de Rondônia,Brasil.

Florística e estrutura de comunidades arbóreas em cerrados de Rondônia,Brasil.

The Neotropical savannas, locally called “cerrado”, are Brazil’s second largest and diverse biome, constituting a heterogeneous physiognomic and floristic mosaic from which more than 6,000 species have been reported to date. This study describes and analyzes the floras and structures of four tree communities from dry savannas in the municipality of Vilhena, Rondônia, Brazil. The study areas were: savanna with trees “cerradão” (Area 1), savannas wich bushes or “campo sujo” (Area 2), and two savanna woodlands or “cerrado” sensu stricto (Areas 3 and 4). In each area an transect measuring 10 x 1,000 m (1 ha) was placed at random and divided into 100 quadrats of 10 x 10 m. All living and dead woody plants with circumference ³ 10 cm at ground level were included in the survey. “cerradão” was the richest in species, had the greatest plant diversity, and showed the largest basal area. The percentages of dead trees were highest in areas that had been recently burned. The most species-rich and abundant plant families were Vochysiaceae, Ochnaceae, Guttiferae, Malpighiaceae and Melastomataceae. The most important species were Qualea multiflora and Byrsonima crassifolia (area 1), Eugenia sp. and Miconia sp.1. (area 2), Ouratea hexasperma and Caraipa savannarum (area 3) Ouratea hexasperma and Pouteria sp3. (area 4). Most species (53%; N=92 spp.) were found in only one of the four areas, indicating that the selection of priority areas for biological conservation should take into account the whole of the savanna mosaic. Tree mortality caused by fire was different among the four study areas, probably as a function of burning recurrency, the degree of flammability, and historical factors involving land use.
Mostrar mais

12 Ler mais

A Comuna de Paris no Brasil — Outubro Revista

A Comuna de Paris no Brasil — Outubro Revista

112 - outubro especializados e assalariados, que se definiam como artistas, tendo como referência o passado de organização artesanal do trabalho, mas já enfrentando as vicissitudes do trabalhar para outrem em troca de um salário. Este segmento começara a ser mais claramente identificado, na Corte, alguns anos antes. Em 1858 ocorreu um movimento que ficou registrado como a primeira greve no Brasil, uma greve de tipógrafos, que reivindicando aumento salarial paralisaram o trabalho nas folhas diárias do Rio. Cientes do potencial do seu ofício, publicaram inclusive um jornal diário – o Jornal dos Tipógrafos –, das páginas do qual se extrai uma concepção sobre a especificidade do artista, trabalhador especializado que merecia ser mais bem tratado, pois portava a dignidade de um ofício. Mas, brotavam das páginas do jornal, também, as denúncias da exploração patronal dos trabalhadores submetidos ao assalariamento. A bancar o jornal e organizar os tipógrafos estava uma associação constituída com objetivos mutuais, a Imperial Associação Tipográfica Fluminense. 20
Mostrar mais

10 Ler mais

Estudo de comunidades de foraminíferos em manguezal do Rio Itapanhaú, Bertioga-SP, aplicado à reconstrução paleoambiental

Estudo de comunidades de foraminíferos em manguezal do Rio Itapanhaú, Bertioga-SP, aplicado à reconstrução paleoambiental

As estruturas das comunidades não variaram de forma significativa entre os níveis dos testemunhos. As espécies dominantes foram Ammonia tepida, Ammonia parkinsoniana e Elphidium spp., presentes em todas as amostras (Tabela 1). No total foram encontradas 21 espécies, 13 calcárias e 8 aglutinantes, algumas delas ilustradas na Figura 3. As espécies aglutinantes mais comuns são Arenoparrella mexicana , Haplophragmoides wilberti e Trochamina inflata que, somadas, quase nunca ultrapassam abundância relativa maior que 0,05. A densidade de tecas variou de 84 a 320 tecas/mL, sendo que em todos os casos foi necessário apenas 1 mL para atingir uma abundância próxima ou maior que 100 tecas.
Mostrar mais

24 Ler mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE JUIZ DE FORA EM 2011 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE JUIZ DE FORA EM 2011 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Pesquisadores como Fernando Abrucio (2009), na pesquisa Práticas Comuns dos Diretores Eficazes, promovida pela Fundação Victor Civita, reconhecem a capacitação profis[r]

93 Ler mais

A HORA DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR No 613/2011: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LIMEIRA – SP – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A HORA DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR No 613/2011: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LIMEIRA – SP – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O presente trabalho objetiva investigar como uma escola da Rede Pública Municipal de Ensino de Limeira – SP apropriou-se e utilizou o tempo da Hora de Trabalho[r]

177 Ler mais

Plano de Gestão de Resíduos Hospitalares em Centros de Saúde – Normas de Orientação Clínica

Plano de Gestão de Resíduos Hospitalares em Centros de Saúde – Normas de Orientação Clínica

Nesse sentido, deve constar a defi nição das responsabilidades, dos deveres e dos códigos de boa prática, para os diferentes grupos profi ssionais que, trabalhando diariamente no CS/ES[r]

116 Ler mais

Florística e montagem de comunidades na Caatinga do norte da Bahia, Brasil

Florística e montagem de comunidades na Caatinga do norte da Bahia, Brasil

RESUMO: Estudos recentes mostram que os processos de facilitação são importantes para a organização de muitas comunidades vegetais, principalmente em ambientes estressantes. Além dos fatores abióticos, as relações filogenéticas têm sido consideradas como reguladores cruciais das interações entre espécies. Assim, este capítulo tem como objetivo analisar o papel da facilitação na estrutura e composição de comunidades vegetais da Caatinga por meio de testes embasados na estrutura filogenética. Foram amostradas 196 moitas ou patches de vegetação de Caatinga, nas proximidades da rodovia BR-235 e na Estação Biológica de Canudos. Também, foi feito um levantamento florísticos e fitossociológico em seis parcelas de 20 m x 50 m localizadas ao longo da rodovia BR-235, três que apresentaram a vegetação configurada em moitas e três que mostraram vegetação segregada espacialmente, considerando-se todos os indivíduos lenhosos com circunferência a altura do solo (CAS) ≥ 10 cm e altura ≥ 1 m. As espécies herbáceas/subarbustivas foram inventariadas mediante duas subparcelas de 10 m x 10 m dentro das parcelas de 20 m x 50 m. A estrutura e diversidade filogenética das comunidades foi analisada mediante o software Phylocom 4.2. Foram verificadas as potencias espécies facilitadoras, sendo as pioneiras Poincianella microphylla, P. pyramidalis e Tacinga palmadora as mais frequentes. Alguns traços funcionais das espécies facilitadoras foram categorizados, resultando a altura e capacidade de rebrota importantes atributos para a facilitação. Os resultados obtidos demonstraram que as espécies ocorrentes nas moitas estão predominantemente sobredispersas filogeneticamente e as áreas que apresentaram um padrão de vegetação configurada em moitas mostraram uma maior riqueza de herbáceas. Por conseguinte, a facilitação poderia considerar-se como uma importante regra de montagem que dirige a organização e manutenção da diversidade de comunidades vegetais da Caatinga.
Mostrar mais

126 Ler mais

Possibilidade para a Sustentabilidade na Zona Costeira Paulista MESTRADO EM GEOGRAFIA

Possibilidade para a Sustentabilidade na Zona Costeira Paulista MESTRADO EM GEOGRAFIA

Consideramos ser relevante a abordagem da temática sobre o Estado, especialmente no que se refere a sua organização, tendo em vista os desdobramentos que ocorrem no âmbito do pacto federativo do Brasil, que será elemento importante de nossa analise, por quanto esta noção define a divisão de atribuições e competências dos entes federados. Por vezes, a atuação dos órgãos governamentais pode causar conflitos judiciais, uma vez que os três níveis de governo devem proteger e fiscalizar, no caso de nossa abordagem, o meio ambiente. Assim, um dos desafios da implantação do projeto Fazenda Acaraú é superar o conflito da competência na temática ambiental, sobretudo, na gestão do ordenamento territorial da Zona Costeira 5 .
Mostrar mais

72 Ler mais

EMISSÕES DO SETOR DE AGROPECUÁRIA

EMISSÕES DO SETOR DE AGROPECUÁRIA

É interessante notar que durante os últimos 40 anos os focos de emissão de GEE ao longo do território brasileiro acompanharam a expansão agrícola nacional. Nos anos 70, por exemplo, 60% das emissões de GEE brasileiras estavam concentradas nos esta- dos do Sul e Sudeste, dominados pelas produções de carne e leite nos estados do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo. À medida que o Brasil expandiu sua fronteira agrícola, aproximadamente 30% das emissões nacionais foram deslocadas para a re- gião Centro-Oeste, especialmente para o estado do Mato Grosso, como mostram os mapas da Figura 10. Atualmente, esse estado é uma das principais fronteiras agrícolas do mundo, concentrando o maior rebanho bovino e a maior produção de soja nacional, produtos que são exportados principalmente para a Europa e Ásia.
Mostrar mais

92 Ler mais

Determinantes de comunidades de formigas em restinga

Determinantes de comunidades de formigas em restinga

Por não apresentam um banco de sementes persistente, apresentarem grande sensibilidade ao fogo e processo de recuperação mais lento do que outros ecossistemas, as Restingas são consideradas frágeis do ponto de vista ecológico (Salimon et al., 2001; Teixeira et al., 2005, Vieira et al., 2008). Estes fatores, somados à sua localização geográfica, fazem das Restingas ambientes extremamente suscetíveis a perturbações antrópicas. As zonas costeiras do mundo estão entre os ambientes mais populosos (Croosland et al., 2005). Atualmente no Brasil, mais de 42 milhões de pessoas residem no litoral. O que corresponde a uma densidade demográfica de 122,8 habitantes por quilômetro quadrado, cinco vezes maior do que a densidade média nacional (Brasil, 2005). Mesmo protegidos pela legislação brasileira, o qual se refere às Restingas como Áreas de Preservação Permanente (Brasil, 1999; 2002), estes ecossistemas vêm sofrendo acelerado processo de desmatamento e destruição devido à urbanização, especulação imobiliária e turismo. Estima-se que grandes proporções destes ecossistemas estejam sendo perdidos sem que haja conhecimentos acerca de sua composição e funcionamento (Rocha et al., 2007).
Mostrar mais

83 Ler mais

Caracterização fisionômica de fragmentos vegetacionais do distrito de Rubião Júnior, minicípio de Botucatu, São Paulo

Caracterização fisionômica de fragmentos vegetacionais do distrito de Rubião Júnior, minicípio de Botucatu, São Paulo

Desde a década de 1990, vários setores da sociedade vêm se mobilizando para reduzir a derrubada do Cerrado. Em 1995, através da Secretaria do Meio Ambiente, foi instituído o Programa Estadual para a Conservação da Biodiversidade (PROBIO/SP). No processo de implantação do PROBIO/SP, foi identificada a necessidade de ampliação da proteção dos remanescentes de cerrado do Estado de São Paulo (Mendonça et al 2002). Para realizar um diagnóstico da situação das áreas de cerrado e propor diretrizes para a sua conservação, a coordenação do PROBIO/SP e a Sociedade Botânica de São Paulo (SBSP) organizaram o Workshop "Bases para Conservação e Uso Sustentável das Áreas de Cerrado do Estado de São Paulo" em 1995 (SMA 1997). Entre 1995 e 1998, o PROBIO/SP promoveu várias reuniões entre pessoas interessadas na conservação do cerrado paulista. Destas reuniões nasceu o projeto "Viabilidade de conservação dos remanescentes de cerrado do estado de São Paulo", financiado pela FAPESP, no âmbito do Programa BIOTA. O objetivo foi estudar a viabilidade econômica nas áreas consideradas mais prioritárias para conservação, que foram identificadas no Workshop do Cerrado de 1995 (Bitencourt & Mendonça 2004).
Mostrar mais

117 Ler mais

Diversidade e bioprospecção de actinobactérias isoladas de manguezais

Diversidade e bioprospecção de actinobactérias isoladas de manguezais

Os manguezais são ecossistemas particulares que se estabelecem em regiões tropicais costeiras de todo o globo originando-se a partir do encontro de águas doces e salgadas formando águas salobras. A comunidade microbiana diversificada é fundamental para a ciclagem de nutrientes e, portanto, manutenção da biodiversidade faunística e florística nestes ambientes. É nas imediações das raízes (rizosfera) que os microrganismos encontram os substratos que necessitam para sua proliferação.

11 Ler mais

No Brasil, um caderno técnico sobre viabilidade de projetos de mobilidade urbana com base em transporte sobre trilhos - Mobilitas

No Brasil, um caderno técnico sobre viabilidade de projetos de mobilidade urbana com base em transporte sobre trilhos - Mobilitas

A elaboração de um Plano de Mobilidade Urbana, assim como o planejamento de uma rede específica de transporte público sobre trilhos, demanda a realização da etapa prévia de diagnóstico [r]

72 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados