Top PDF Variabilidade espacial e controle estatístico do processo de perdas na colheita mecanizada do algodoeiro.

Variabilidade espacial e controle estatístico do processo de perdas na colheita mecanizada do algodoeiro.

Variabilidade espacial e controle estatístico do processo de perdas na colheita mecanizada do algodoeiro.

RESUMO: Dentro do processo produtivo, a colheita, se mal conduzida, poderá causar prejuízos quali-quantitativos no produto final. Dessa forma, esse trabalho teve o objetivo de avaliar as perdas quantitativas, no solo e na planta, na colheita mecanizada de algodão, no ano agrícola de 2006, em Ipameri-GO, em um talhão de 1,4 ha, sendo georreferenciados 41 pontos, distanciados de 50 m no sentido da curva de nível e 9 m entre fileiras. As amostras foram coletadas colocando-se uma armação de 4,5 m 2 sobre o solo, coletando todo o algodão caído no solo e, em seguida, fez-se a coleta do algodão que permaneceu na planta após a passagem da colhedora. Além das perdas quantitativas determinaram-se o teor médio de água do algodão e o Rendimento Potencial Máximo (RPM). Foram construídas cartas de controle para verificar a qualidade da operação de colheita. Observou-se que as perdas na colheita do algodão foram altas, principalmente as perdas no solo (PS), indicando que a colhedora não apresentou boa eficiência de colheita. As perdas no solo não apresentaram dependência espacial, enquanto as perdas na planta e totais apresentaram dependência moderada e forte, respectivamente. O processo de colheita de algodão não se encontra dentro dos padrões de qualidade, sob o ponto de vista de controle estatístico de processo, devendo ser revistas as condições de colheita.
Mostrar mais

11 Ler mais

Controle estatístico de processo aplicado ao monitoramento de perdas na colheita mecanizada de cana-de-açúcar

Controle estatístico de processo aplicado ao monitoramento de perdas na colheita mecanizada de cana-de-açúcar

Para o indicador perdas totais que representam o somatório das demais perdas, o processo também foi considerado fora de controle em ambas as safras (Figuras 23 e 24). Na maioria das cartas, os pontos fora do LSC ocorreram durante os primeiros meses de safra. Apesar de conceitualmente estar fora de controle o processo de colheita mecanizada de cana-de-açúcar pode ser considerado uma operação passível de controle, pois nesses períodos parte das máquinas ainda não estão totalmente reguladas e os operadores ainda estão adaptando-se às colhedoras. Em busca de comprovar a influência que o processo de adaptação que ocorre no início de safra exerce, foram retirados os dados das 5 primeiras semanas de trabalho das Frentes das cartas de controle e, com exceção Frente 4 na primeira safra, composta por operadores mais experientes, as demais Frentes apresentaram redução de um ponto fora de controle e maioria dos pontos acima do LSC que restaram se concentraram ainda mais nas semanas iniciais.
Mostrar mais

75 Ler mais

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada diurna e noturna de cana-de-açúcar.

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada diurna e noturna de cana-de-açúcar.

Houve falta de controle do processo durante a colhei- ta diurna, embora exista pouca incidência dessas perdas (Figura 5). O processo de colheita noturna manteve-se dentro dos limites de controle de qualidade. A perda em cana inteira pode estar relacionada ao acamamento ou à presença de plantas acamadas; quando essas ocorrem em condições extremas, torna ineficiente o trabalho do levan- tador de colmo da colhedora. A área amostrada foi classi- ficada como porte ereto facilitando o trabalho da colhe- dora ocorrendo perdas em apenas algumas observações. Outro fator que pode afetar as perdas de cana inteira é a velocidade de deslocamento, que no presente trabalho não foi alterada. Neves et al. (2004) relataram associação entre perda de cana inteira e velocidade excessiva da co- lhedora, concordando com Segato e Daher (2011) que constataram a ocorrência de maiores perdas para maior velocidade de deslocamento.
Mostrar mais

8 Ler mais

Variabilidade espacial da produtividade, perdas na colheita e lucratividade da cultura de soja

Variabilidade espacial da produtividade, perdas na colheita e lucratividade da cultura de soja

Tem-se, assim, a importância econômica desta cultura, a qual ainda há muito a melhorar no processo de produção, sobretudo na diminuição das perdas de grãos que ocorrem no processo de colheita, transporte e armazenamento. De acordo com a Cámara Paraguaya de Exportadores de Cereales y Oleaginosas - CAPECO (2015), existe uma perda total próxima a 23 % da safra em cada ano. De todo o processo de produção, a operação de colheita mecanizada é uma das etapas mais importantes na produção desta cultura, uma vez que seus grãos são muito suscetíveis aos danos cau- sados pela colhedora, razão pela qual a etapa é de vital importância (REGONAT, 2007). No Paraguai recomenda-se iniciar a colheita com uma umidade de 16,5 % e finalizá-la quando chegar a 13,5 %. Portanto, perdas na colheita têm forte impacto econômico, apesar da alta tecnologia disponível para a colheita da cultura no Paraguai. Dessa maneira, podem ocorrer perdas durante este proces- so, diminuindo a produtividade e o lucro dos produtores de forma significativa. A rentabilidade final na cultura da soja está diretamente ligada à eficiência na colheita mecanizada quando realizada no estágio de maturação. No estágio de maturação inadequado, sem o devido preparo com manuten- ção e regulagem incorreta das colhedoras, ocorrem perdas consideráveis (FERREIRA et al., 2007). De acordo com Bottega et al. (2014), os fatores que podem influenciar as perdas ocasionadas pela colhedora em forma direta são: altura de corte da plataforma da colhedora, velocidade do molinete, rotação do cilindro trilhador, abertura entre cilindro e côncavo e velocidade de deslocamento da má- quina. As origens das perdas são diversas e ocorrem antes e durante a colheita. Cerca de 80 a 85 % das perdas na colheita ocorrem pela ação dos mecanismos da plataforma de corte das colhedoras; 12 % são ocasionadas pelos mecanismos internos e 3 % são causadas por deiscência natural (MA- GALHÃES, 2009).
Mostrar mais

20 Ler mais

Caracterização das perdas e distribuição de cobertura vegetal em colheita mecanizada de soja.

Caracterização das perdas e distribuição de cobertura vegetal em colheita mecanizada de soja.

RESUMO: O conceito de controle de qualidade nas operações inserido na agricultura é viabilizado por incidir diretamente nos principais objetivos do processo produtivo: retorno econômico e aumento da produtividade. A colheita mecanizada normalmente é realizada sem que haja controle efetivo para que a variabilidade das perdas fique dentro de padrões aceitáveis. Esta pesquisa teve o objetivo de determinar e caracterizar as perdas e a distribuição da cobertura vegetal após a colheita mecanizada da soja, por meio de ferramenta de controle estatístico de processo (cartas de controle). A média da perda de grãos total foi próxima do limite superior aceitável para a cultura da soja, apresentando alta variabilidade entre os pontos, tornando o processo fora de controle. A distribuição de cobertura vegetal manteve-se em processo controlado, com maior variabilidade onde o relevo foi mais inclinado. A utilização das cartas de controle foi eficiente na identificação dos pontos fora de controle e na avaliação da qualidade do processo de colheita.
Mostrar mais

10 Ler mais

CONTROLE ESTATÍSTICO APLICADO DA COLHEITA MECANIZADA DE CAFEEIROS IRRIGADOS

CONTROLE ESTATÍSTICO APLICADO DA COLHEITA MECANIZADA DE CAFEEIROS IRRIGADOS

Na avaliação realizada com as cartas de controle constatou-se para as variáveis danos às plantas e perdas na colheita que o processo permaneceu estável, pois não foram observados pontos fora dos limites superior e inferior de controle (Figuras 1 e 2), tanto nas cartas de valores individuais como nas de amplitudes. Pode-se observar que as menores amplitudes dos danos e das perdas foram obtidas para a face de exposição leste, enquanto que os danos e as perdas encontrados na face oeste apresentaram maior variabilidade, retratada pela maior distância entre os limites superior e inferior de controle encontrado para estas faces. Ainda, pode-se observar em ambas as faces que os melhores resultados de danos, ou seja, a menor variabilidade e, consequentemente, a maior proximidade dos valores junto à média, foram encontrados para a velocidade V 2 (0,45 m s -1 ), uma vez
Mostrar mais

9 Ler mais

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada de sementes de amendoim

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada de sementes de amendoim

O amendoim é uma cultura que possui o seu fruto sob a superfície do solo, exigindo que sua colheita seja realizada em duas etapas denominadas arranquio e recolhimento. Neste processo ocorrem perdas de grau variado, as quais variam espacialmente e temporalmente, com influência direta sobre a qualidade da semente produzida. Pressupondo que as perdas na colheita mecanizada de amendoim apresentem variabilidade temporal e que, portanto, o local de amostragem possa interferir na determinação dos valores obtidos, este trabalho teve como objetivo avaliar, por meio do controle estatístico de processo, as perdas quantitativas no arranquio e recolhimento do amendoim, bem como, avaliar estatisticamente a qualidade das sementes após a colheita. Para a coleta dos dados foi montada uma malha de 42 pontos amostrais, nos quais foram avaliadas as perdas visíveis, invisíveis e totais no arranquio, as perdas na plataforma, as perdas visíveis totais e perdas totais na colheita. Também foram determinados parâmetros de caracterização da colheita do amendoim, tais como teor de água do solo e das vagens, matéria seca, dimensões da leira, cobertura vegetal, fluxo de material colhido, bem como foram realizadas avaliações da qualidade fisiológica das sementes. O teor de água das vagens e do solo foi adequado à operação de arranquio. As perdas visíveis, invisíveis e totais no arranquio apresentaram distribuição assimétrica e instabilidade segundo o controle estatístico. Somente as perdas totais na colheita de amendoim tiveram distribuição normal no recolhimento. Todas as variáveis de caracterização do material recolhido (exceto impurezas minerais) e o índice da velocidade de germinação para a qualidade fisiológica das sementes apresentaram distribuição normal.
Mostrar mais

100 Ler mais

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada de cana-de-açúcar.

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada de cana-de-açúcar.

O início da produção em empresas e indústrias começa no término da produção de matéria- prima que, no caso da cana-de-açúcar, é representado pela colheita. Esse é o ponto fundamental para avaliar a qualidade do material que será processado, por isso estudos avaliando as perdas na colheita são importantes. Segundo BONILLA (1995), algumas ferramentas destacam-se no Controle Estatístico de Processo (CEP), sendo elas: histogramas, cartas de controle por variáveis, medidas de tendência central (média aritmética, mediana e moda), medidas de dispersão (amplitude, desvio-padrão e coeficiente de variação) e medidas de assimetria e de curtose. Diversos autores utilizam a carta de controle em seus experimentos, possibilitando observar variações ou oscilações em operações agrícolas que estejam fora dos padrões especificados para o processo. A carta de controle é composta por uma linha média e outras duas linhas (superior e inferior), que representam os limites de controle e os valores característicos do processo. Os limites de controle são estimados pelo valor médio, somado ou subtraído a três vezes o desvio-padrão. Quando todos os pontos do gráfico se localizam entre os limites de controle, considera-se que o processo está sob controle. Quando, no mínimo, um ponto se localiza fora desses limites, considera-se que o processo está fora de controle.
Mostrar mais

13 Ler mais

Perdas na colheita mecanizada de soja (Glycine max) no município de Maripá - PR.

Perdas na colheita mecanizada de soja (Glycine max) no município de Maripá - PR.

Quando analisado P Total , nota-se praticamente a mesma tendência de PP, a qual não é significativa (Figura 2), mostrando ser possível realizar uma colheita com qualidade razoável com máquinas mais velhas (Cunha & Zandbergen, 2007). As perdas mais altas nas máquinas com tempo de uso maior podem ser consequência dos requisitos de projeto haja vista que elas foram dimensionadas para produtividades inferiores às atuais e para outras cultivares (Pinheiro Neto & Troli, 2003). As perdas menores nas máquinas novas podem estar relacionadas à maior tecnologia embarcada, como sensores de perda e regulagens elétricas, que facilitam o acerto do conjunto.
Mostrar mais

6 Ler mais

Monitoramento da operação de colheita mecanizada de sementes de soja.

Monitoramento da operação de colheita mecanizada de sementes de soja.

A operação de colheita mecanizada de sementes demanda que as regulagens das colhedoras sejam dinâmicas, fato que afeta diretamente a qualidade da operação e dos grãos colhidos. Desta forma, o objetivo do presente trabalho foi monitorar, em intervalos regulares de tempo, a qualidade da operação de colheita de sementes de soja realizada simultaneamente por duas colhedoras de grãos, com emprego do controle estatístico de qualidade (CEQ). O trabalho foi realizado em um campo de produção de sementes na região de Catalão, GO, onde foram monitorados o desempenho operacional das colhedoras, as perdas quantitativas na colheita e as perdas qualitativas das sementes. Observou-se que as colhedoras monitoradas operaram em condições semelhantes porém as regulagens na folga do cilindro e na rotação do rotor otimizaram os índices de perdas mantendo a qualidade das sementes colhidas. Assim, todos os índices de perda avaliados, tanto as perdas quantitativas como os valores das perdas qualitativas, se encontraram dentro dos limites de controle estatístico o que permite se atribuir qualidade e coniabilidade para a operação de colheita mecanizada de sementes.
Mostrar mais

6 Ler mais

Remoções de favelas na cidade do Rio de Janeiro: uma história do tempo presente — Outubro Revista

Remoções de favelas na cidade do Rio de Janeiro: uma história do tempo presente — Outubro Revista

compulsória dos moradores dos morros para regiões pouco urbani- zadas, afastadas do centro da cidade e de suas fontes de emprego – o que foi uma clamorosa negação do direito à cidade a milhares de pes- soas –, é considerado como altamente benéfico à população atingida. A revisão histórica que possibilitou ao jornalista chegar a uma vi- são tão positiva do programa de remoção foi a diferenciação entre os “assentamentos” realizados durante as administrações de Carlos Lacerda e de Negrão de Lima: “Com a vitória de Negrão de Lima, opositor de Lacerda, o programa se desvirtuou” (idem, ibidem). No entanto, essa tentativa de tornar mais complexa a análise do processo histórico das remoções acaba promovendo a sua simplificação; afi- nal, no tocante às favelas, as ações de ambos os governos podem ser representadas dentro de um mesmo quadro de especulação imobiliá- ria, tentativa de segregação espacial (motivada pelo estigma histórico imposto aos favelados) e incremento da construção civil, emoldura- do pelo ideal desenvolvimentista de renovação urbana da metrópole (Valladares, 1980, p. 30-35).
Mostrar mais

20 Ler mais

Variabilidade espacial de atributos químicos do solo e produtividade do algodoeiro

Variabilidade espacial de atributos químicos do solo e produtividade do algodoeiro

A dependência espacial dos atributos solo e produtividade do algodoeiro foi estudada através da análise de semivariogramas (Tabela 2). O exame dos semivariogramas revelou que a variável K apresentou efeito pepita puro, ou seja, ausência de dependência espacial no espaçamento adotado. Para as demais variáveis, o espaçamento amostral utilizado foi adequado para verificar a dependência espacial. Os dados da variável CTC foram ajustados ao modelo exponencial e os dados das demais variáveis foram ajustados ao modelo esférico. Vários autores têm obtido melhores ajustes usando o modelo esférico exponencial (Corá et al., 2004; Montanari et al., 2008). A semivariância nos modelos exponencial e esférico aumenta com a distância entre as amostras até um valor constante (patamar ou semivariância total) a uma dada distância de amostragem (alcance).
Mostrar mais

9 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:

Perpassada por diferentes lugares, cada uma vai descortinando o ambiente, o trabalho, as vivências cotidianas. Ester a partir dos filhos das mulheres educando-os; Mirian: a partir do engajamento nas pastorais sociais da igreja; Judite: uma mulher atenta as transformações do seu lugar e da sua cultura na relação com a juventude, dentro da escola. Dona Luana é como pequena produtora, na sua relação com as plantas, os bichos e sua família. Taís e Jezabel como empregadas de várias empresas da região, Brígida como empregada e agora tendo a terra para trabalhar e a liberdade de produzir dentro dos valores produtivos que acredita e que aprendeu. Maria: como irrigante, lidando com os problemas de política do DNOCS, com a produção dentro dos parâmetros das empresas e ao mesmo tempo, rompendo com essa lógica e produzindo para subsistência da família de forma variada. Rita Maria com o olhar de quem acompanhou, pela associação de moradores, o processo de chegada das políticas públicas como concessão para chegada das empresas pela associação de moradores e Sophia como jovem estudante, filha de uma das lideranças da Comunidade assassinada pela pistolagem da região.
Mostrar mais

364 Ler mais

Comportamento dos óxidos de ferro da fração argila e do fósforo adsorvido, em diferentes sistemas de colheita de cana-de-açúcar.

Comportamento dos óxidos de ferro da fração argila e do fósforo adsorvido, em diferentes sistemas de colheita de cana-de-açúcar.

O estudo foi realizado em duas áreas vizinhas, com diferentes históricos de manejo: sistema de colheita mecanizada e sem queima (cana crua - CC), por sete anos, com grande quantidade de resíduos da cultura sobre a superfície do solo; e sistema de colheita manual e com queima (cana queimada - CQ), por 30 anos (Figura 1). Os canaviais instalados nas áreas passaram por uma renovação no ano de 2006; a coleta das amostras para análises químicas e físicas foi realizada no ano posterior, logo após o primeiro corte. Na renovação, ocorreram as seguintes operações: subsolagem, erradicação química da soqueira, aplicação de 2 t ha -1 de calcário dolomítico e 1 t ha -1 de
Mostrar mais

12 Ler mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR NA IMPLEMENTAÇÃO DE MODELOS DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO METROPOLITANA VII DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR NA IMPLEMENTAÇÃO DE MODELOS DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO METROPOLITANA VII DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Ainda na mesma etapa de planejamento e a partir da análise realizada, os diversos atores do processo elaboram dois planos de ação: um pedagógico e outro, ambiental. Ambos com ações a serem executadas visando ao alcance de metas estabelecidas para melhoria da qualidade da educação. Ao longo do ano, a execução das ações é monitorada e acompanhada com vistas à correção de medidas e/ou àpadronização de boas práticas. Ométodo,que se constitui como um ciclo, está sempre se movimentando entre as etapas em um micro ou macrocampo específico. Assim, a GIDE foi implementada em todas as escolas de ensino regular,tendo ficado os Integrantes do Grupo de Trabalho (IGT)responsáveis pela orientação e acompanhamento das escolas para que cada uma delas atingisse as metas propostas pela SEEDUC. À Diretoria Regional Pedagógica, coube, paralalemente,acompanhar e avaliar os gestores através dos resultados obtidos.
Mostrar mais

106 Ler mais

Estudo da distribuição de tamanho e composição iônica de aerossóis e seus efeitos na capacidade de nuclear gotas de nuvens

Estudo da distribuição de tamanho e composição iônica de aerossóis e seus efeitos na capacidade de nuclear gotas de nuvens

Em termos de emissão de carbono, os biocombustíveis ganharam mercado em relação aos combustíveis fósseis uma vez que o carbono emitido durante a queima do biocombustível volta a se fixar novamente no vegetal durante seu processo de crescimento por fotossíntese. Porém, por outro lado, todos os outros constituintes envolvidos, desde o plantio até a colheita, também devem ser contabilizados nesse balanço como: nitrogênio, fósforo, enxofre e potássio. Em especial, o nitrogênio reativo é incorporado à produção por meio da fertilização e é disponibilizado, em algum momento do sistema produtivo, seja em sistema terrestre ou aquático, causando a eutrofização em lagos e rios por meio do excesso de nitrogênio. Ele contribui também para a chuva ácida através da formação de ácido nítrico, podendo também, catalisar reações atmosféricas que geram ozônio (CARDOSO; MACHADO; PEREIRA, 2008; ALLEN; MACHADO; CARDOSO, 2011., MACHADO; CARDOSO; ALLEN, 2008, GARCIA, CARDOSO; SANTOS, 2013, KULMALA; PETÄJÄ, 2011). Portanto, a expansão da cultura deve ser cuidadosamente acompanhada, principalmente quando a produção é destinada à exportação, pois, neste caso, o prejuízo ambiental é ainda maior, uma vez que o país produtor é quem arca com as emissões oriundas da produção.
Mostrar mais

60 Ler mais

POSSIBILIDADES DE USO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL DO AMAZONAS NA GESTÃO DAS ESCOLAS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

POSSIBILIDADES DE USO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL DO AMAZONAS NA GESTÃO DAS ESCOLAS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

Exceto os municípios que têm receitas para fazer frente às suas obrigações constitucionais, por gerarem receitas com petróleo (Carauari e Coari), com o PIM (Manaus) ou tur[r]

137 Ler mais

ALESSANDRA KELLY DE CARVALHO UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA PROMOVIDA PELO ESTADO DE MINAS NA SRE DE CONSELHEIRO LAFAIETE NO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

ALESSANDRA KELLY DE CARVALHO UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA PROMOVIDA PELO ESTADO DE MINAS NA SRE DE CONSELHEIRO LAFAIETE NO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O ponto principal que norteou esse trabalho foi conhecer o processo de formação continuada promovida pela SEE para os analistas da equipe da SRE que atuam especificamente com a implementação do Programa de Intervenção Pedagógica (PIPATC). Buscou apresentar especificamente a estrutura PIPATC, uma vez que sua proposta é promover a transformação em sala de aula, através da qualificação da atuação dos professores alfabetizadores, que é realizada diretamente pela equipe de analistas da regional. O programa faz parte de uma política pública do Governo de Minas, e tem como lema “Toda criança lendo e escrevendo até os oito anos de idade ”. O estudo sobre a estrutura de formação continuada oferecida pela SEE fez parte intrínseca desse trabalho, a fim de reconhecer as ações de sucesso e conhecer os desafios ainda presentes nesse processo, a fim de propor outras estratégias para o processo de formação continuada da equipe regional de maneira a contribuir com o atendimento das necessidades verificadas na escola. A construção desse trabalho foi feita utilizando instrumentos metodológicos como análise de documentos, aplicação de questionário, realização de entrevistas e estudo bibliográfico. Dessa forma, todo o trabalho serviu de parâmetro para a construção de uma proposta de potencialização do processo de formação, no sentido de fortalecer a discussão sobre o processo pedagógico a fim de promover um aperfeiçoamento do trabalho do analista educacional junto aos profissionais da escola nas três dimensões: institucional, profissional/pedagógica e humana.
Mostrar mais

106 Ler mais

A INFLUÊNCIA DO DISCURSO PUBLICITÁRIO UTILIZADO PARA A MODA INFANTIL NO PROCESSO DE ADULTIZAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS DO SEXO FEMININO

A INFLUÊNCIA DO DISCURSO PUBLICITÁRIO UTILIZADO PARA A MODA INFANTIL NO PROCESSO DE ADULTIZAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS DO SEXO FEMININO

Os estudos tendo como foco as crianças consumidoras emergiram em meados da década de 1970 nos Estados Unidos, com o objetivo de entender e explorar o conhecimento das mesmas sobre as marcas, os produtos, os preços e a influência no processo de decisão de compra da família (JOHN, 1999). Segundo esse mesmo autor, as organizações apresentam um interesse crescente em relação ao público infantil e isso acontece por três razões principais: a) as crianças possuem dinheiro próprio para gastar, sendo esses recursos advindos de seus pais; b) elas exercem um importante poder de influência na decisão de compra familiar; e, além disso, c) as crianças representam um mercado futuro e de grande potencial, pois tendem a serem fiéis às marcas que elas conheceram na infância, além de serem menos influenciadas pelos aumentos dos preços.
Mostrar mais

105 Ler mais

Show all 10000 documents...