7. Caso clínico

7.1. Apresentação do caso clínico

7.1.1. Dados do paciente:

● Nome: Loki;

● Espécie: Felina; ● Raça: Europeu comum;

● Coloração: Cinzento e branco, tigrado;

● Sexo e estatuto reprodutivo: Macho, castrado; ● Idade: 1ano e 5 meses;

● Temperamento: Agressivo;

7.1.2. Anamnese

O “Loki” foi apresentado à consulta no dia 28 de novembro de 2019, cujo motivo foi a presença de uma lesão medial ao dígito I do membro torácico direito. Até à data sempre tinha sido um gato saudável, mas na semana anterior à consulta, os tutores aperceberam-se da presença de uma pequena lesão alopécica focal. Segundo os donos, o “Loki” manifestava prurido ligeiro, tendo classificado o mesmo com o grau 2, numa escala de 0 a 10.

O “Loki” foi adotado com dois meses, momento em que realizou o teste FIV/FeLV (negativo), e desde então, não tem tido acesso à rua, analogamente ao gato adulto com quem coabitava. As suas vacinas estavam em dia, mas a última desparasitação tinha sido aproximadamente quatro meses anteriores à consulta, com uma pipeta de selamectina (Stronghold ®).

7.1.3. Exame geral, dermatológico e exames complementares de

diagnóstico

Numa primeira abordagem, realizando um exame de estado geral, não se observou qualquer alteração digna de registo. Tendo em conta que o “Loki” era um gato agressivo, não se deixando manipular, foi sedado com a associação de medetomidina (0,02mg/Kg) com quetamina (2,2mg/Kg), por via intramuscular (IM), para se proceder a um exame dermatológico mais pormenorizado. Ao exame sob a lâmpada de Wood, próximo da lesão, e na restante extensão corporal, não se verificou qualquer fluorescência das hastes dos pelos. Posteriormente, procedeu-se à colheita de amostras para exames complementares. Na periferia desta lesão, realizou-se um teste de fita-cola, uma raspagem superficial e colheram-se amostras de pelos para a realização de dois tricogramas na prática clínica e para a realização de cultura fúngica em laboratório de referência. Esta colheita foi realizada a partir da periferia da lesão, extraíndo os pelos com uma pinça hemostática estéril, na direção do seu crescimento. Neste procedimento, notou-se que o destacamento dos pelos foi facilitado. A extração de pelos foi realizada somente após de ter passado uma compressa com álcool 70%, com ligeira pressão, na margem das lesões, de modo a minimizar o desenvolvimento de contaminantes no meio de cultura. Os pelos

destinados para cultura fúngica em laboratório externo foram enviados dentro de um envelope de papel. De seguida, realizou-se uma tricotomia cautelosa na região afetada e observação minuciosa da lesão. Esta era alopécica, de forma anelar com aproximadamente 3 cm de diâmetro e apresentava um halo hiperémico em redor (Figura 21).

Figura 21- Aparência da lesão do “Loki” antes da tricotomia (A) e após a tricotomia (B); (Fotografias da autora).

Nem a observação da lâmina do teste de fita-cola, nem o exame da raspagem cutânea, foram conclusivos para obtenção de um diagnóstico. Na análise dos tricogramas, averiguou-se que as raízes dos pelos estavam normais, mas observaram-se zonas compatíveis com a presença de dermatófitos: pelos de maior diâmetro, com a superfície das hastes dos pelos com aparência irregular e perda de demarcação das diferentes estruturas do pelo (Figura 22).

Figura 22- Tricograma de pelos extraídos da periferia da lesão (ampliação de 100x) (Fotografia da autora).

7.1.4. Decisão clínica no dia da primeira consulta

Devido à forte suspeita de dermatofitose, foi indicado ao tutor que realizasse a aplicação diária de uma espuma que continha na sua composição nitrato de miconazol (2%) e digluconato de clorohexidina (2%) (Hexaderma Plus ®), tendo sido apontado que a deixasse atuar durante 10 minutos, e posteriormente, que o excesso fosse removido com uma compressa humedecida. Alertou-se ainda para a importância de utilizar luvas na aplicação do produto e foi recomendado o uso de colar isabelino pelo paciente durante o período de tratamento. Foi realizado reforço da desparasitação, novamente com uma pipeta desparasitante (Stronghold ®). Nesse dia, foi colhida uma amostra de sangue para realização de análises bioquímicas séricas isoladas, de ALT e gama glutamil transferase (GGT), em laboratório externo, de modo a verificar se o “Loki” apresentava as devidas condições de saúde para iniciar um protocolo com antifúngico sistémico. Tendo em conta as características altamente contagiosas da dermatofitose, foi recomendado aos tutores que mantivessem os seus dois gatos em divisões distintas e que não partilhassem quaisquer objetos, comedouros, bebedouros ou liteiras. Relativamente às limpezas da casa, foi aconselhado que a aspirassem regularmente, para eliminar o máximo de detritos com material infecioso, e que as superfícies duras fossem lavadas e desinfetadas com frequência. Foi ainda indicado que todos os produtos têxteis que contactassem com os gatos fossem lavados na máquina de lavar roupa, com regularidade.

7.1.5. Progressão clínica

 30 de novembro 2019: os resultados das análises bioquímicas dos parâmetros hepáticos ALT e GGT revelaram-se normais. Apesar de nesse dia ainda não ter chegado o resultado da cultura fúngica, iniciou-se à mesma um protocolo de tratamento de dermatofitose com uma solução oral de 10mg/ml de Itraconazol (Itrafungol ®). Esta decisão foi devida ao facto de a apresentação clínica da lesão ser muito sugestiva dessa doença, e mesmo que o resultado posteriormente chegasse negativo, poderia ser um falso negativo. O protocolo estabelecido consistia num ciclo de tratamento pulsátil com 5mg/Kg de Itraconazol, SID, PO (semana de tratamento, seguida de semana de pausa), num total de 8 semanas.

 9 de dezembro 2019: Resultado da cultura fúngica revelou ser negativo;

 10 de dezembro 2019: Reavaliação da lesão. Esta estava a cicatrizar bem, mas ainda era visível um halo hiperémico na sua periferia;

 18 de dezembro 2019: Nova colheita sanguínea para monitorização da ALT e GGT em laboratório externo (que posteriormente se verificaram dentro dos valores de referência);  Ao fim das 8 semanas de protocolo: Reavaliação lesão. Neste dia, já se apresentava resolvida e o pelo a crescer novamente. Notou-se resistência dos pelos ao puxá-los para a obtenção de amostras para repetição do tricograma. No exame microscópico não observaram alterações dignas de registo, portanto teve alta.

No documento Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. Clínica e Cirurgia de Animais de Companhia. Nancy Cruz Novo Cantante (páginas 90-93)