Coordenação de curso

No documento REGULAMENTO INTERNO (páginas 176-180)

Artigo 11.º Coordenador de curso

1) O coordenador de curso é um interveniente com grande responsabilidade no curso vocacional. É ele o dinamizador que congrega todas as sinergias necessárias para o sucesso do curso. É também o apoio de todos os elementos envolvidos no curso e o interlocutor entre a escola e o mundo do trabalho.

2) Para cada turma do ensino vocacional é nomeado um coordenador de curso.

Artigo 12.º

Mandato do coordenador de curso 1) O coordenador de curso é nomeado pelo diretor.

2) O mandato do coordenador de curso é de dois anos, tempo de duração do curso. O coordenador de curso poderá ser substituído por conveniência de serviço.

3) O coordenador de curso tem direito à atribuição de um crédito na componente não letiva semanal para o desenvolvimento das suas funções a atribuir em cada ano letivo pelo diretor.

Artigo 13.º

Competências do coordenador de curso

2) Ao coordenador de curso compete:

a) Assegurar a articulação curricular entre as diferentes disciplinas e componentes de formação do curso;

b) Organizar e coordenar as atividades pedagógicas e administrativas a desenvolver no âmbito da formação vocacional, em sintonia com o diretor de turma e em articulação com os professores/formadores;

c) Acompanhar a progressão modular dos alunos e o cumprimento da recuperação das horas de formação em falta resultantes da integração tardia do aluno no curso/turma;

d) Verificar o cumprimento do cronograma de cada disciplina, dando conhecimento, no final de cada período, ao coordenador dos cursos da via qualificante de situações de desvio;

e) Elaborar e ratificar o cronograma e os elencos modulares das disciplinas e componentes de formação do curso;

f) Participar nas reuniões dos conselhos de turma de articulação curricular ou outras, no âmbito das suas funções;

g) Assegurar a articulação com as entidades de acolhimento para a realização dos estágios formativos, identificando-as, fazendo a respetiva seleção, preparando protocolos, procedendo à distribuição dos formandos por cada entidade e coordenando o acompanhamento dos mesmos, em estreita relação com o orientador e o monitor responsáveis pelo acompanhamento do aluno;

h) Articular com o Coordenador dos cursos da via qualificante os procedimentos necessários à realização do estágio formativo;

i) Garantir a articulação com os serviços com competência em matéria de apoio socioeducativo, através do diretor de turma;

k) Manter atualizado o dossiê técnico - pedagógico de curso, que deverá contemplar a matriz curricular, o cronograma das disciplinar, planificações, pautas modulares/UFCD, protocolos e planos de estágio formativo;

l) Acompanhar a atualização do dossiê de turma, da responsabilidade do diretor de turma, que deverá contemplar a relação de alunos, o horário da turma, pauta de avaliação final de período, convocatórias e atas das reuniões pedagógicas e de avaliação, e outros documentos no âmbito de apoio a alunos;

m) Coordenar o acompanhamento e a avaliação do curso, elaborando um relatório para conhecimento do coordenador dos cursos da via profissionalizante e da direção;

SECÇÃO III DIRETOR DE TURMA

Artigo 14.º Competências

2) Ao diretor de turma compete, para além do previsto na legislação em vigor e no Regulamento Interno, Subsecção III – Coordenação de turma.

a) Organizar e manter atualizado os dossiês de gestão da turma.

b) Acompanhar, de forma personalizada, todos os formandos da turma, ajudando-os a gerir o seu percurso de formação.

c) Presidir aos conselhos de turma de validação da avaliação sumativa interna.

d) Entregar aos Encarregados de Educação, no final de cada período, uma ficha de informação sobre o percurso formativo dos alunos.

e) Garantir a articulação, em matéria de apoio socioeducativo, em colaboração com o coordenador de curso.

SECÇÃO IV Professor / Formador

Artigo 15.º

Autoridade, Direitos e Deveres

2) Para além do previsto no Regulamento Interno, Secção I – Pessoal Docente e Subsecção I direitos e deveres, o professor/formador de um curso vocacional deverá:

j) Conhecer o modelo curricular e os objetivos dos cursos vocacionais.

k) Elaborar a planificação anual e planificações específicas de cada módulo, entregando cópia ao representante do grupo disciplinar, para arquivo no dossiê de grupo disciplinar, e outra cópia ao coordenador de curso, para arquivar no dossiê de curso.

l) Cumprir integralmente os elencos modulares: número de horas/tempos destinados à lecionação dos respetivos módulos no correspondente ano de formação.

m) Elaborar pauta de avaliação de cada módulo / UFCD e entregar, em duplicado, ao coordenador de curso.

n) Assinar os termos referentes a cada módulo realizado pelos formandos.

o) Elaborar planos de reposição de horas e planos de recuperação das aprendizagens para os formandos com falta de assiduidade.

p) Elaborar lista de conteúdos, critérios e instrumentos de avaliação para os formandos que requerem avaliação aos módulos em atraso nas épocas especiais.

Artigo 16.º

Faltas e reposição de aulas

1) Face à exigência de lecionação da totalidade das horas previstas para cada disciplina, de forma a assegurar a certificação, torna-se necessária a reposição das aulas não lecionadas pelos professores / formadores, com a maior brevidade possível.

2) Os registos de faltas dos professores / formadores, bem como a respetiva justificação, obrigatoriamente apresentada nos termos e prazos legalmente previstos, são provisórios, só se tornando definitivos se os tempos letivos em falta não forem compensados.

3) A gestão da compensação das horas em falta deve ser planeada em reunião da Equipa Pedagógica de acordo com o previsto na Subsecção IV.B - Cumprimento do Plano de Estudo, do Regulamento Interno do AEMTG.

CAPÍTULO III ALUNO / FORMANDO

SECÇÃO I DIREITOS E DEVERES

Artigo 17.º Direitos e deveres

1) Para além dos direitos enunciados no Estatuto do Aluno e Ética Escolar e no Regulamento Interno da escola, o aluno tem direito a:

a) Participar na formação em harmonia com os programas, metodologias e processos de trabalho definidos;

b) Beneficiar de seguro escolar durante o tempo de formação, incluindo o estágio formativo;

c) Usufruir de material de suporte pedagógico à aprendizagem, assim como de material para o desenvolvimento de trabalhos específicos do curso (fichas de trabalho e de apoio);

2) Constituem deveres do aluno, para além dos enunciados no Estatuto do Aluno e Ética Escolar e no Regulamento Interno, cumprir todos os princípios inerentes a uma formação, cujo objetivo é a inserção no mercado de trabalho, nomeadamente:

a) Assiduidade;

b) Pontualidade;

c) Respeito;

d) Responsabilidade;

Artigo 18.º

Regime de assiduidade e cumprimento das horas de formação

1) Os alunos têm de assistir a pelo menos 90% dos tempos letivos de cada módulo integrando as componentes geral, complementar e vocacional e participar integralmente, 100%, no estágio de formação.

2) Caso se verifique o incumprimento do previsto no número anterior, o professor de cada disciplina ou o orientador do estágio formativo, em parceria com responsável-tutor da entidade acolhedora, deverá estabelecer um plano de recuperação do aluno a submeter à equipa pedagógica para aprovação.

3) Quer o dever de assiduidade, quer a ultrapassagem dos limites de faltas estão regidos pelo previsto na lei 51/2012 de 5 de Setembro (EAEE) e na Subsecção II – Faltas, do Regulamento Interno do AEMTG.

Artigo 19.º Visitas de estudo

1) As visitas de estudo e saídas de escola fazem parte do plano de formação.

2) Deverão ser cumpridos os procedimentos constantes da Subsecção II – Visitas de Estudo, do Regulamento Interno do AEMTG.

CAPÍTULO IV

No documento REGULAMENTO INTERNO (páginas 176-180)