• Nenhum resultado encontrado

Doppler ultrasound in pregnancy assessment in bitches - literature review

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2017

Share "Doppler ultrasound in pregnancy assessment in bitches - literature review"

Copied!
4
0
0

Texto

(1)

ISSN 1809-4678 Med. Vet. 2011 dez.; 5(4 Supl. 1): 142

Simpósio Internacional de Diagnóstico por Imagem.

30 de Novembro a 02 de Dezembro de 2011. Recife – Pernambuco, Brasil.

Ultrassonografia doppler na avaliação da gestação em cadelas

(Doppler ultrasound in pregnancy assessment in bitches – literature review)

Carla Regina Barbieri Simões1,RobertaValeriano Dos Santos1,Luciana Carandina da Silva1*,Nereu Carlos Prestes 2,Luiz Carlos Vulcano2 e Vânia Maria Vasconcelos Machado2

1Pós Graduação/Universidade Estadual Paulista ―Júlio de Mesquita Filho‖ (UNESP)- Campus Botucatu, SP. Brasil. 2Universidade Estadual Paulista ―Júlio de Mesquita Filho‖ (UNESP)- Campus Botucatu, SP. Brasil

*Autor para correspondência: lucianacarandina@uol.com.br

Resumo

A ultrassonografia Doppler possibilita a avaliação do fluxo sangüíneo em tempo real e vem sendo amplamente utilizada no auxílio ao diagnóstico e no acompanhamento gestacional em cadelas e gatas. Esta técnica apresenta diferencial quando comparada com a ultrassonografia modo B, visto que possibilita avaliar as características hemodinâmicas vasculares, ao passo que a ultrassonografia bidimensional permite apenas o diagnóstico gestacional e a viabilidade fetal. Desta forma, o objetivo desta revisão é descrever como se caracteriza a circulação nas artérias uterinas e fetais de cadelas durante o período gestacional por meio da ultrassonografia Doppler.

Palavras chaves: Doppler, artérias uterinas, artérias fetais.

Abstract

Doppler ultrasound enables the assessment of blood flow in real time and has been widely used to aid in pregnancy diagnosis and monitoring in dogs and cats. This technique has a diferencial when compared with the B-mode ultrasound, as it allows the evaluation of vascular hemodynamic characteristics, while the two-dimensional ultrasound allows the diagnosis of pregnancy and fetal viability. Thus, the objective of this review is to describe how circulation is characterized in the uterine and fetal arteries in bitches during pregnancy using Doppler ultrasonography.

Key Words: Doppler, uterine arteries, fetal arteries.

Introdução

A utilização da ultrassonografia bidimensional associada ao Doppler colorido e pulsado fornece informações em tempo real sobre a arquitetura vascular e as características dos vasos, as quais permitem determinar a direção e o tipo de fluxo sanguíneo (SZATMARI et al., 2001; KING, 2006; CARVALHO et al., 2008). Esta técnica é amplamente utilizada em estudos do comportamento dos vasos sanguíneos uterinos e ovarianos durante o ciclo menstrual em mulheres férteis (STEER et al., 1990) e inférteis (STEER et al., 1994). Por meio desta técnica é possível auxiliar o diagnóstico das possíveis causas de perdas gestacionais (FERREIRA et al., 2007), como também monitorar a vascularização ovariana e uterina em programas de fertilização in vitro (FIV) e na transferência de embriões (COULAM et al., 1994; YANG et al., 1999; PAN et al., 2004).

Na medicina veterinária, mais especificamente na reprodução de pequenos animais, esta técnica vem sendo utilizada no diagnóstico de gestação em cadelas (NAUTRUP, 1998; DI SALVO et al., 2006; MIRANDA & DOMINGUES, 2010) e gatas (SCOTT et al., 2008; BRITO et al., 2010), assim como na caracterização da circulação das artérias uterinas e ovarianas em cadelas não gestantes (KÖSTER et al, 2001; ALVAREZ-CLAU & LISTE, 2005).

O diagnóstico da gestação e o monitoramento da viabilidade fetal são realizados rotineiramente por meio da ultrassonografia bidimensional (TEIXEIRA & WISCHRAL, 2008; KUSTRITZ, 2010), no entanto esta técnica não permite avaliar as características hemodinâmicas vasculares, o que faz necessário a utilização do Doppler.

Através do Doppler tríplex é possível aferir a circulação sanguínea uteroplacentária, o que permite a avaliação da vascularização materno-fetal, tais como o cordão umbilical e a artéria uteroplacentária, além da aorta e da veia cava caudal do feto (DI SALVO et al., 2006).

(2)

ISSN 1809-4678 Med. Vet. 2011 dez.; 5(4 Supl. 1): 143

Simpósio Internacional de Diagnóstico por Imagem.

30 de Novembro a 02 de Dezembro de 2011. Recife – Pernambuco, Brasil. Ultrassonografia Doppler na avaliação da circulação materno fetal

A ultrassonografia é considerada o método mais preciso no diagnóstico gestacional e permite o acompanhamento da gestação de uma forma menos prejudicial tanto para a fêmea quanto para o feto, comparativamente ao exame radiográfico (SERRA & GUIMARÃES, 1996).

O ultrassom no modo-B permite a avaliação do status e idade gestacional, a viabilidade fetal, e na investigação uterina e das estruturas abdominais extrarreprodutivas (KRUSTRITZ, 2005).

Segundo Franzin & Silva (1999), o aperfeiçoamento e a introdução do Doppler em cores aos equipamentos ultrassonográficos de alta resolução em seres humanos foram fundamentais para o estudo das circulações fetoplacentária e uteroplacentária, visto que permitem avaliar o grau de resistência ao fluxo sanguíneo e sua relação com o diagnóstico precoce da gestação.

Ribeiro (2007), afirma que a ultrassonografia Doppler representou um avanço na prática obstetrícia por possibilitar uma avaliação qualitativa e quantitativa das condições hemodinâmicas do feto de uma forma não-invasiva e auxiliar na prevenção de injúrias que possam comprometer o desenvolvimento gestacional e neonatal em seres humanos.

Na medicina veterinária, as avaliações ultrassonográficas com doppler vem sendo utilizada na aferição da biometria e na freqüência cardíaca fetal, com o intuito de avaliar as condições fetais (BUCCA et al., 2005). Aferições da artéria umbilical no útero e o fluxo sangüíneo fetal em gestações patológicas ainda são pouco relatadas na literatura pela técnica doppler. Em um modelo experimental canino composto por gestações patológicas, sugeriu-se que o índice de resistividade (RI) da artéria uterina pode auxiliar no diagnóstico de anormalidades gestacionais como também nas alterações que precedem o aborto (BLANCO et al., 2009). Os mesmo autores no estudo realizado em 2011 demonstraram que durante a gestação é esperado um aumento no pico de velocidade sistólica, na velocidade diastólica final e na pressão de gradiente da artéria uterina placentária. No entanto, em gestações anormais é comum cessar o aumento da velocidade diastólica final, o que está diretamente relacionado ao aumento do índice de resistividade, o que é comumente encontrado em situações de aborto, assim como ocorre em mulheres.

Durante o período gestacional ocorrem algumas alterações fisiológicas que estão relacionadas a ventilação e a hemodinâmica, o que pode afetar o feto diretamente através de seus efeitos sobre o fluxo sanguíneo. Na cadela, há um aumento na demanda metabólica resultando no aumento do débito cardíaco (DC) pela maior resistência periférica, induzida pelas alterações hormonais. Este aumento pode atingir cerca de 30 a 50%, devido ao aumento da freqüência cardíaca e do volume sistólico, porém não está relacionado a acréscimos de pressões arteriais (HALL et al., 2001).

O funcionamento cardíaco coincide com o início dos movimentos dos eritroblastos no embrião, que ocorre entre a quinta e sexta semana de prenhez. Ao iniciar o funcionamento cardíaco, é possível observar a velocidade do fluxo sanguíneo no coração e no áxis longitudinal ao embrião pela topografia aórtica. O aumento do fluxo sanguíneo e a velocidade do batimento cardíaco estão diretamente relacionados á maturidade do embrião (JI et al., 2003). O diagnóstico das anormalidades no fluxo sanguíneo da aorta fetal pode ser utilizado como parâmetro preditivo da morte perinatal (MADAZLI et al., 2001). O fluxo sanguíneo normal da veia cava caudal depende da força de contração cardíaca, complacência e pós-carga adequadas e está relacionado com a atividade sistólica e diastólica do ciclo cardíaco (DI SALVO et al., 2006; SCOTTI et al., 2008; POLISCA et al., 2010).

(3)

ISSN 1809-4678 Med. Vet. 2011 dez.; 5(4 Supl. 1): 144

Simpósio Internacional de Diagnóstico por Imagem.

30 de Novembro a 02 de Dezembro de 2011. Recife – Pernambuco, Brasil. Conclusão

Embora a caracterização ultrassonográfica do trato reprodutivo de cadelas seja extensivamente relatada, os estudos relacionados a hemodinâmica vascular são relativamente recentes na literatura. Dessa forma, a visibilização e avaliação das artérias uterinas e fetais por meio da ultrassonografia Doppler têm grande importância nas implicações clínicas nas áreas da obstetrícia e ginecologia, tanto para mulheres como nas fêmeas da espécie canina.

Referências

ALVAREZ-CLAU, A. & LISTE, R. Ultrasonographic characterization of the uterine artery in the nonestrus bitch. Ultrasound in Medicine & Biology, v. 31, p. 1583-1587, 2005.

BLANCO, P.G.; ARIAS, D.; RUBE, A.; BARRENA, J.P.; CORRADA, Y. et al. An experimental model to study resistance index and systolic/ diastolic ratio of uterine arteries in adverse canine pregnancy outcome. Reproduction Domestic Animal, v. 44, p. 164-166, 2009.

BLANCO, P.G.; RODRIGUES, R.; RUBES, A.; ARIAS, D.O. et al. Doppler ultrasonographic assessment of maternal and fetal blood flow in abnormal canine pregnancy. Animal Reproduction Science, v. 126, p. 130-135, 2011.

BOLLWEIN, H.; WEBER, F.; WOSCHEE, I.; STOLLA, R. Transrectal Doppler sonography of uterine and umbilical blood flow during pregnancy in mares.Theriogenology, v. 61, p. 499-509, 2004.

BRITO, A.B.; MIRANDA, S.A.; RUAS, M.R.; SANTOS, R.R.; DOMINGUES, S.F.S. Assessment of feline fetal viability by conceptus echobiometry and triplex Doppler ultrasonography of uterine and umbilical arteries. Animal Reproduction Scence, v. 122, p. 276-281, 2010.

BUCCA, S.; FOGARTY, U.; COLLINS, A.; SMALL, V. Assessment of fetoplacental well-being in the mare from mid-gestation to term: transrectal and transabdominal ultrasonographic features. Theriogenology, v. 64, p. 542–557, 2005.

CARVALHO, C.F.; CHAMMAS, M.C.; CERRI, G.G. Princípios físicos do Doppler em ultrassonografia. Ciência Rural, v. 38, p. 872-879, 2008.

COULAM, C.B.; BUSTILLO, M.; SOENKSEN, D.M.; BRITTEN, S. Ultrasonographic predictors of implantation after assisted reproduction. Fertility & Sterility, v. 62, p. 1004-1010, 1994.

DI SALVO, P.; BOCCI, F.; ZELLI, R.; POLISCA, A. Doppler evaluation of maternal and fetal vessels during normal gestation in the bitch. Journal of Veterinary Science, v. 81, p. 382-388, 2006.

FRANZIN, C.M.M.O.; SILVA, J.L.P. Avaliação do bem-estar fetal pela Dopplervelocimetria com mapeamento em cores. Journal of Gynecology and Obstetrics, v. 21, p. 7-12, 1999.

FELICIANO, M.A.R.; VICENTE, W.R.R.; LEITE, C.A.; MUZZI, L.A.L. Novas perspectivas no diagnóstico ultrassonográfico gestacional em cadelas: revisão de literatura. Revista Clinica Veterinária, v. 13, p. 56-60, 2008.

FERREIRA, A.M.; PIRES, C.R.; MORON, A.F.; ARAUJO, J. E. et al. Doppler assessment of uterine blood flow in recurrent pregnacy loss. International Journal Gynecology Obstetrics, v. 98, p. 115-119, 2007.

HALL, L.W.; CLARKE, K.W.; TRIM, C.M. Anaesthesia for obstetrics. In:______. Veterinary anaesthesia, London: W.B. Saunders, ed. 10, p. 481-491, 2001.

JI, R.P.; PHOON, C.K.; ARISTIZÁBAL, O.; MCGRATH, K.E.; PALIS, J.; TURNBULL, D.H. Onset of cardiac function during early mouse embryogenesis coincides with entry of primitive erythroblasts into the embryo proper. Circulation Research, v. 92, p. 133-135, 2003.

KING, A.M. Development, advances and applications of diagnostic ultrasound in animals. The Veterinary Journal, v. 171, p. 408-420, 2006.

KÖSTER, K.; POULSEN NAUTRIP, C.; GÜNZEL-APEL, A.R. A Doppler ultrasonographic study of cyclic changes of ovarian perfusion in the Beagle bitch. Reproduction, v. 122, p. 453-461, 2001.

KUSTRITZ, M.V.R. Pregnancy diagnosis and abnormalities of pregnancy in the dog. Theriogenology, v. 64, p. 755-65, 2005.

KUSTRITZ, M.V.R. Clinical canine and feline reproduction: evidence-based answers. Ames, IA: Blackwell, p. 316, 2010.

MADAZLI, R.; ULUDAG, S.; OCAK, V. Doppler assessment of umbilical artery, thoracic aorta and middle cerebralartery in the management of pregnancies with growth restriction. Acta Obstetrics Gynecology Scandinavica, v. 80, p. 702-770, 2001.

MIRANDA, S.A.; Domingues, S.F.S. Conceptus ecobiometry and triplex Doppler ultrasonography of uterine and umbilical arteries for assessment of fetal viability in dog. Theriogenology, v. 74, p. 608-617, 2010.

(4)

ISSN 1809-4678 Med. Vet. 2011 dez.; 5(4 Supl. 1): 145

Simpósio Internacional de Diagnóstico por Imagem.

30 de Novembro a 02 de Dezembro de 2011. Recife – Pernambuco, Brasil.

PAN, H.A.; WU, M.H.; CHENG, Y.C.; WU, L.H.; CHANG, F.M. Quantification of ovarian stromal Doppler signals in poor responders undergoing in vitro fertilization with three-dimensional power Doppler ultrasonography. American Journal Obstetrics & Gynecology, v. 190, p. 338-344, 2004. PHONN, C.K. Circulatory physiology in the developing embryo. Current Opinion Pediatrics, v. 13, p. 456-464, 2001.

POLISCA, A.; SCOTTI, L.; ORLANDI, R.; BRECCHIA, G. et al. Doppler evaluation of maternal and fetal vessels during normal gestation in rabbits. Theriogenology, v. 73, p. 358-366, 2010.

RIBEIRO, J.C.B.C. Ultrassonografia e Doppler colorido e suas aplicações em ginecologia e obstetrícia. Journal Reproduction Animal, julho/setembro 2008, v. 32, n. 3, p. 191-196. Disponível em: <http://www.cmng.com.br/artigo7.html>. Acesso: setembro/2007.

RIVERS, B.; JOHNSTON, G.R. Diagnostic imaging of the reproductive organs of the bitch. Methods and limitations. Small animal practice. Veterinary Clinics of North American, v. 21, cap. 3, p. 437-466, 1991.

STOWATER, J.L.; MEMON, M.A.; HARTZBAND, L.E.; TIDWELL, A.S. Ultrasonographic features of the dog uterus and fetus. Journal of Reproduction and Fertility, v. 39, p. 329-330, 1989.

SCOTTI, L.P.; DI SALVO, B. F.; PIERAMATI, C.; POLISCA, A. Doppler evaluation of maternal and fetal vessels during normal gestation in queen. Theriogenology, v. 69, p. 1111-1119, 2008.

SERRA, E.G.; GUIMARÃES, K.S. Avaliação ultrassonográfica da gestação na espécie canina. Revista Clinica Veterinária, v. 1, p. 18-19, 1996.

STEER, C.V.; CAMPBELL, S.; PAMPIGLIONE, J.S.; KINGSLAND, C.R. et al. Transvaginal colour flow imaging of the uterine arteries during the ovarian and menstrual cycles. Journal of Medicine Human Reproduction, v. 5, p. 391-395, 1990.

STEER, C.V.; TAN, A.L.; MASON, B.A.; CAMPBELL, S. Midluteal-phase vaginal color Doppler assessment of uterine artery impedance in a subfertile population. Fertility & Sterility, v. 61, p. 53-68, 1994.

SZATMARI, V.; SOTONYI, P.; VÖRÖS, K. Normal duplex doppler waveforms of major abdominal blood vessels in dogs: a review. Veterinary Radiology Ultrasound, v. 42, p. 93-107, 2001.

TEIXEIRA, M.J.D. & WISCHRAL, A. Avaliação do desenvolvimento fetal e acompanhamento da gestação e parto pela ultrassonografia em cadelas. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v. 32, p. 16-20, 2008.

Referências

Documentos relacionados

Com este controlador e o sistema orientado pelo vetor tens˜ ao da rede, ´ e poss´ıvel controlar de forma independente as potˆ encias ativa e reativa injetada na rede el´ etrica..

Localizou muitos negociantes portugueses envolvidos com esse comércio, afirmando que "no período de 1840-1855 essa comunidade de comerciantes possuía um forte perfil luso

Alguns estudos investigaram este último fator considerando indivíduos com diferentes faixas etárias crianças, adultos e idosos, e mostraram que as variáveis de pressão plantar

Visa, em geral, catalisar ações da cadeia produtiva desses bens para equacionar seus produtos, suas embalagens e sua logística reversa de embalagens e sua logística reversa, de

Artigo 9º. Corresponde ao Concello de Santiago de Compostela a cesión da explotación dos postos a particulares, mediante o outorgamento de concesións administrativas. O prazo

Resumo: Este trabalho de conclusão de curso de Publicidade e Propaganda da Universidade do Sul de Santa Catarina, tem como finalidade demonstrar todo o

Bons resultados de medicamentos homeopáticos, utilizando Calcarea carbonica e Calcarea phosphorica, foram demonstrados sobre o crescimento de frangos de corte, criados em

Em março de 2009, a aluna demonstra, com as suas postagens e textos, o quanto está adaptada com esta nova ferramenta (que para ela já é antiga). Posta imagens, fotos da sua família,