PROJETO BÁSICO IFSP CAMPUS SÃO PAULO

97 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

PROJETO BÁSICO

IFSP

CAMPUS SÃO PAULO

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE

SERVIÇOS DE ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETO

EXECUTIVO PARA REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DE TODO O

COMPLEXO EDIFICADO DO CAMPUS SÃO PAULO DO IFSP, COM

PROCESSO DE APROVAÇÃO LEGAL.

(2)

I – OBJETO

Contratação de empresa especializada para elaboração e desenvolvimento de Projeto Executivo necessário à Reforma, Adequação e Ampliação de todo o Complexo Edificado do Campus São Paulo do IFSP, com Processo de Aprovação Legal, conforme informações, orientações e diretrizes contidas nesta Especificação (Projeto Básico) e em seus anexos (vide anexos I a VII).

II – CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO

Trata-se de produzir, primeiramente, o Levantamento Cadastral e das Instalações Prediais Hidrossanitárias, Elétricas e afins, existentes no Complexo Edificado do Campus São Paulo do IFSP, além do Cadastramento Arbóreo, como base necessária para, em seguida proceder à Elaboração e Desenvolvimento de Projeto Executivo de Arquitetura, de Estrutura, de Instalações Prediais Hidrossanitárias, de Impermeabilização, Elétricas, de SPDA (Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas), de Rede de Gás, de Acessibilidade, e para Proteção e Combate à Incêndio, e por fim, de Paisagismo para o Campus São Paulo do IFSP. Todos os projetos serão necessários para a Reforma, Adequação e Ampliação dos blocos edificados, - sendo mais especificamente: para o Bloco A, no Saguão para a entrada da edificação, na cantina, nos setores administrativos e nas atuais salas da Reitoria para Laboratórios de Informática; para o Bloco D, na conclusão de laboratórios na região central para a área de Eletrotécnica; para os Blocos E e F, na construção de novos laboratórios, reforma de salas e banheiros para a área da Mecânica; para o Bloco H, na readequação de laboratórios e reforma de salas e banheiros para a área da Construção Civil; para a construção do Restaurante Estudantil; para construção do Bloco B, para Auditório e Salas-ambiente de Artes, - todos com suas interligações, interfaces e interferências com os demais blocos.

Por fim, deve-se produzir documentação necessária ao encaminhamento para Aprovação Legal de todo o Complexo Edificado junto aos órgãos públicos, como a Prefeitura Municipal de São Paulo, e o Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo. Todos estes serviços estão previstos em área dentro do próprio Campus São Paulo, situado à Rua Pedro Vicente, nº 625 – São Paulo - SP.

(3)

III – DESCRIÇÃO DO OBJETO

Item Descrição do Objeto Unidade Quant. Valor Estimado

01

Serviços de Contratação de empresa especializada para elaboração e desenvolvimento de Projeto Executivo necessário à Reforma, Adequação e Ampliação de todo o Complexo Edificado do Campus São Paulo do IFSP, com Processo de Aprovação Legal.

Serviço 01

R$ 854.745,21

(Oitocentos e Cinquenta e Quatro Mil, Setecentos

e Quarenta e Cinco Reais, e Vinte e Um

Centavos).

IV – OBJETIVO

O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer diretrizes para a elaboração e desenvolvimento de Projeto Executivo discriminado no Item II - Caracterização do Objeto.

V – JUSTIFICATIVA

Para oferecer instalações adequadas, modernas e que atenda as necessidades dos alunos, servidores e a comunidade em geral, a reforma, adequação e ampliação dos atuais blocos do Campus São Paulo do IFSP visa disponibilizar uma melhor e mais adequada infraestrutura de espaços físicos aos mais de 26 cursos profissionalizantes, implantados e aos novos a serem propostos, de Licenciaturas e de Formação Técnica, nos níveis Secundário e Superior, ampliando e equipando espaços propícios às atividades acadêmicas, complementares e de convívio do corpo discente, como os voltados à refeição, como o Restaurante Estudantil, e às atividades culturais, como o Auditório e Salas-ambiente de Artes.

Com isso, pode-se oferecer ensino público de qualidade, a propiciar condições favoráveis à formação e qualificação profissional nos diversos níveis e modalidades de ensino, suporte ao desenvolvimento da atividade produtiva, oportunidades de geração e disseminação de conhecimentos científicos e tecnológicos e estímulo ao desenvolvimento socioeconômico local e regional.

(4)

tecnológica, e promover a inclusão social pela formação qualificada de mão-de-obra.

Ainda, para propiciar plenas condições de segurança e acessibilidade a todos os usuários, alunos, servidores e comunidade em geral, pretende-se ter todo o complexo edificado do Campus São Paulo do IFSP regularizado e aprovado junto aos órgãos públicos, como a Prefeitura do Município de São Paulo (PMSP), e o Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

VI – FUNDAMENTO LEGAL

Este Projeto Básico é redigido e está fundamentado de acordo com a Lei nº. 8.666/93, de 21 de junho de 1993, com redação dada pela Lei nº. 8.883/94, de 08 de junho de 1994; e suas alterações posteriores.

VII – QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DA CONTRATADA

A empresa projetista prestadora do serviço técnico deverá apresentar equipe técnica com profissional(is) técnico(s) responsável(is), devidamente habilitado(s), para os serviços propostos, junto com recolhimento de RRT (Registro de Responsabilidade Técnica) junto ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo – CAU- SP, no caso de arquitetos, e de ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) junto ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo - CREA-SP, no caso de engenheiros. Toda a documentação deverá ser identificada por este(s) profissional(is) responsável(is), com número de CAU-SP / CREA-SP, e devidamente assinada.

A empresa projetista deverá apresentar atestado de capacidade técnica, expedido por pessoa jurídica de direito público ou privado, devidamente registrado no Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo – CAU- SP e/ou Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo - CREA-SP, conforme o caso, que comprove ter capacidade para execução de Projeto Executivo de reforma, adequação e ampliação de conjunto edificado com características semelhantes e de complexidade tecnológica e operacionais equivalentes ou superiores as do objeto, conforme exigência do Edital.

(5)

VIII – ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS

A elaboração e desenvolvimento do Projeto Executivo resulta da necessidade de reforma, adequação e ampliação de espaços para o Campus São Paulo do IFSP. Os serviços técnicos serão executados de acordo com os seguintes anexos:

ANEXO I Escopo dos Serviços

ANEXO II Elementos do Projeto Executivo

ANEXO III Etapas para Elaboração do Projeto Executivo

ANEXO IV Diretrizes para Elaboração do Projeto Executivo

ANEXO V Orientações para Apresentação do Projeto Executivo

ANEXO VI Estimativa de Custos (Planilha Orçamentária)

ANEXO VII Cronograma Físico-Financeiro

ANEXO VIII Croqui de Implantação de Arquitetura

IX – PRAZO DO CONTRATO

O prazo para a execução e conclusão dos serviços técnicos do objeto, acima caracterizado, deverá ser fixado em 360 (trezentos e sessenta) dias consecutivos, a partir do recebimento da Ordem de Serviço pelo IFSP. O tempo de vigência do Contrato será de 450 (quatrocentos e cinquenta) dias consecutivos, a contar da data de assinatura, admitida a prorrogação deste prazo nos termos da lei, conforme, por exemplo, a necessidade de prazo para Aprovação Legal.

X – DO PAGAMENTO

O faturamento será realizado por medição, após a entrega e o aceite de cada etapa, conforme Anexo VII deste Projeto Básico. O pagamento será efetuado em até 30 (trinta) dias da data de recebimento da nota fiscal e ou fatura, desde que estejam atestadas e aprovadas pela fiscalização; e após verificação de regularidade fiscal junto ao SICAF – Sistema de Cadastramento de Fornecedores, do Governo Federal.

(6)

XI – DEVERES DA CONTRATANTE

Compete à Contratante

1. Assegurar o livre acesso de representantes da Contratada a todos os locais onde se fizerem necessários os serviços;

2. Acompanhar e fiscalizar a execução dos serviços;

3. Anotar em registro próprio todas as ocorrências relacionadas com a execução dos serviços contratados, determinando o que for necessário à regularização das faltas ou irregularidades observadas;

4. Efetuar o pagamento à Contratada de acordo com o estabelecido no Contrato. 5. Fiscalizar a execução do objeto nos termos do art. 67 da Lei 8.666/93.

XII – OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA

Compete à Contratada:

1. Elaborar o Projeto Executivo de que trata este Projeto Básico, discriminado no Item II - Caracterização do Objeto, no preço e prazo estipulados, dentro da boa técnica e dos padrões usuais em trabalhos dentro deste gênero e vulto, em obediência absoluta ao solicitado no Projeto Básico, às leis Municipais, Estaduais e Federais aplicáveis, e às Normas da ABNT e de outros Órgãos e/ou Concessionárias competentes, como o Corpo de Bombeiros, em vigor;

2. Garantir a exeqüibilidade e compatibilidade entre si dos projetos apresentados, se responsabilizando pelas eventuais alterações que se façam necessárias para o futuro desenvolvimento do mesmo;

3. Ceder ao Instituto Federal de São Paulo os direitos patrimoniais sobre o projeto em referência, conforme capítulo VI, art. 111 da Lei nº 8.666/93, e dar por quitados todos os direitos patrimoniais a ele relativos para que o IFSP possa dele se utilizar como bem lhe aprouver, podendo inclusive repeti-lo em outros locais sem que nenhum pagamento extra seja devido ao autor.

4. Nomear Responsável Técnico (engenheiro civil ou arquiteto) com experiência profissional, responsável pelos serviços, com o objetivo de garantir o bom andamento

(7)

dos trabalhos. Este profissional terá a obrigação de reportar-se, sempre que houver necessidade, à Fiscalização do IFSP e tomar as providências devidas e pertinentes. O Responsável Técnico deverá ter disponibilidade para ser convocado a qualquer instante dentro do horário comercial para prestar esclarecimentos, recebimento de novas instruções ou discutir interferências trazidas pelos demais projetos.

5. Executar levantamento planialtimétrico cadastral georeferenciado, sondagem do terreno, e quaisquer outros levantamentos e ensaios necessários, bem como as necessárias consultas a qualquer entidade Privada, Municipal, Estadual ou Federal, para a elaboração dos projetos às suas expensas;

6. Não alterar os Responsáveis Técnicos, subcontratar ou transferir no todo ou em parte os serviços adjudicados sem prévia e expressa anuência do IFSP;

7. Manter os profissionais Responsáveis Técnicos respondendo pelos projetos elaborados por eles, durante as execuções das obras civis, caso haja necessidade de adequações;

8. Providenciar o necessário registro e aprovação dos projetos junto ao CAU-SP, CREA-SP, Prefeitura, e demais Órgãos e/ou Concessionárias competentes;

9. Prestar os serviços dentro do parâmetro de rotinas estabelecidas pelo IFSP e legislação vigente, fornecendo todos os documentos solicitados, inclusive os relatórios de materiais em quantidade, qualidade e tecnologia adequadas, com as recomendações aceitas pela boa técnica, normas e legislações e re-executar serviços considerados não satisfatórios, sempre que solicitado pela Fiscalização;

10. Atualizar, sem qualquer ônus para a Contratante, no período de 02 (dois) anos após a entrega dos projetos executivos, se for necessário, os valores constantes das Planilhas Orçamentárias elaboradas;

11. Participar de reuniões agendadas por representantes da Administração e Fiscalização do IFSP, com o objetivo de analisar e submeter à aprovação os serviços até então executados, bem como definir novas ações de trabalho;

12. Responder por todos os ônus referentes ao fornecimento ora contratado, impostos, seguros, taxas, encargos sociais e obrigações trabalhistas e civis, decorrentes do objeto

(8)

13. Manter durante a execução do contrato todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação;

14. Responsabilizar-se integralmente pelos serviços contratados, em cumprimento às suas obrigações, além das obrigações constantes deste Projeto Básico e das estabelecidas em lei sobre licitações, nos termos da lei vigente, ou quaisquer outros que vierem a substituí-los, alterá-los ou complementá-los;

15. Responsabilizar-se, como Licitante vencedora, pela análise de documentação e a verificação de falhas, omissões ou erros com relação às leis, às normas e à boa técnica, o que dispõe o inciso IX e X do art. 6º da Lei 8666/93.

XIII – FISCAIS DO CONTRATO

Serão definidos para a Fiscalização do contrato, observando o atendimento aos serviços especificados no objeto, acima caracterizado, os servidores do IFSP:

Alexandre Kenchian, arquiteto – CPF nº 086.261.678-65

Cíntia Gonçalves Mendes da Silva, eng. eletricista – CPF nº 094.295.678-88

XIV – DISPOSIÇÕES GERAIS E CONSIDERAÇÕES FINAIS

Integra este Projeto Básico, em anexo, os documentos discriminados no item VII Especificação dos Serviços: Programa de Necessidades; Elementos do Projeto Executivo; Etapas para Elaboração do Projeto Executivo; Diretrizes para Elaboração do Projeto Executivo; Orientações para Apresentação do Projeto Executivo; Estimativa de Custos (Planilha Orçamentária); e Cronograma Físico-Financeiro.

Todos estes documentos são objeto deste Contrato, e são relativos aos serviços de elaboração e desenvolvimento de Projeto Executivo necessário à Reforma, Adequação e Ampliação de todo o Complexo Edificado, com Processo de Aprovação Legal, do Campus São Paulo do Instituto Federal de São Paulo - IFSP.

A garantia dos serviços deve ser de acordo com as normas técnicas e legislações vigentes.

(9)

serviço será dispensada.

São Paulo, 18 de maio de 2015. Autor do Projeto Básico

_________________ Alexandre Kenchian Coordenador de Projetos Diretoria de Administração Campus São Paulo (SPO) - IFSP

(10)

ANEXO I

ESCOPO DOS SERVIÇOS PARA PROJETO EXECUTIVO DE REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO

ÁREA DO TERRENO E DE CONSTRUÇÃO EXISTENTES

O terreno pertencente ao do Instituto Federal de São Paulo está localizado em área institucional do Campus São Paulo, situado à Rua Pedro Vicente, 625 – São Paulo - SP, e possui área de 58.765,02 m².

Sobre o terreno, possui área construída de 28.206,00 m², distribuídos em em 5 blocos interligados, a saber: Bloco A, onde fica a nave central da edificação, com o saguão principal, cantina, setores administrativos e salas de aula; Bloco C, onde concentra as áreas de Informática e Eletrônica, Bloco D, com os laboratórios da área de Eletrotécnica, de Ciências e setores administrativos, Bloco E e Bloco F, ambos com laboratórios da área de Mecânica; e Bloco H, voltado à área de Construção Civil. Além deste complexo, possui construções menores como Galpão de Artes, Garagem para Veículos, Vestiário esportivo, Quiosque e Guaritas nas três portarias (A, B e C).

ÁREA TOTAL DE CONSTRUÇÃO A SER REGULARIZADA E APROVADA

Desde a época do projeto original do conjunto edificado do Campus São Paulo, da década de 1970, a legislação pertinente e vigente tem sido continua e sistematicamente alterada visando a maior segurança e usabilidade dos usuários das edificações. Porém, processos de obras para ampliação, reforma e manutenção executados desde sua construção não têm atendido às atualizações legais sancionadas pelos poderes públicos estaduais e municipais.

Assim, para propiciar plenas condições de segurança e acessibilidade a todos os usuários, alunos, servidores e comunidade em geral, pretende-se ter todo o conjunto edificado do Campus São Paulo do IFSP regularizado e aprovado junto aos órgãos públicos oficiais.

(11)

Para tanto, sobre a área edificada, será necessário o Levantamento Físico Cadastral de todo o Complexo do Campus, para encaminhamento de Processo de Regularização e Aprovação Legal completa junto aos órgãos públicos, como a Prefeitura do Município de São Paulo (PMSP), em atendimento às Legislações Municipais de Cadastro Imobiliário, Segurança e Acessibilidade, e o Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo, em atendimento à Legislação Estadual de Prevenção e Combate à Incêndio.

Neste processo, deverão constar as novas construções a serem incorporadas ao conjunto edificado, como o Restaurante Estudantil e o Bloco B, ambos a serem projetados, e o Bloco G, já em fase de implantação da construção.

A previsão para toda a área construída do Campus a ser regularizada e aprovada é composta pela área já construída, de 28.206,00 m², mais a área a ser construída, de cerca de 38.220,00 m² (compreende 1.106,00 m² do Restaurante Estudantil, 2.960,00 m² do Bloco B e 34.154,00² do Bloco G), com total estimado em 66.426,00 m².

Para o processo de Regularização e Aprovação Legal, estão previstos os seguintes serviços:

- Levantamento Físico Cadastral do conjunto edificado do Campus;

- Elaboração de Projeto de Regularização e Aprovação Legal junto à Prefeitura do Município de São Paulo (PMSP);

- Elaboração de Projeto de Acessibilidade, para aprovação junto à Prefeitura do Município de São Paulo (PMSP);

- Elaboração de Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio, exigido pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo;

- Elaboração de Projeto Executivo para Reforma dos espaços e instalações, em atendimento às Normas Técnicas quanto à acessibilidade, segurança e adequação legal do conjunto edificado;

- Elaboração de Projeto Executivo para Reforma e Adequação dos espaços e instalações, em atendimento às Normas Técnicas quanto à Prevenção e Combate à Incêndio do conjunto edificado.

(12)

Além do levantamento físico e processo de aprovação da edificação, será necessário o Levantamento e Cadastramento de todo o conjunto arbóreo em toda a área verde do Campus, em que será elaborado e apresentado Planilha com a identificação botânica dos exemplares arbóreos contendo: nome comum e nome científico; a origem - nativa ou exótica; mensuração do diâmetro à altura do peito – DAP e altura do exemplar; determinação do estado de sanidade biológica; identificação dos exemplares constantes da lista oficial das espécies ameaçadas de extinção, conforme Portaria IBAMA nº 37-N de 03/04/92;

Associado ao levantamento, será feito a Identificação de cada um dos exemplares arbóreos através de uma pequena plaqueta (alumínio) numerada e fixada aos mesmos através de um cordão elástico (não deverá ser utilizado pregos na fixação das placas para evitar danos ao exemplar e possível multa em função da Lei n 14.902/2009, do Município de São Paulo). A extensão de toda a área verde do Campus onde se encontra o conjunto arbóreo a ser cadastrado compreende uma área de 38.577,75 m²,

ÁREA DE CONSTRUÇÃO EXISTENTE A SOFRER REFORMA

A área já construída do Campus deverá sofrer, em vários de seus blocos e ambientes componentes, reforma para adequação funcional e renovação dos elementos construtivos e de acabamento. Para tanto, serão necessários todos os Projetos Executivos para a Reforma, Adequação e Ampliação dos blocos edificados, com suas interligações, interfaces e interferências com os demais blocos.

Especificamente, deverão ser projetados: para o Bloco A, no Saguão para a entrada da edificação na cantina, no setor administrativo, e nas atuais salas da Reitoria para Laboratórios de Informática; para o Bloco D, na conclusão de laboratórios na região central para a área de Eletrotécnica; para os Blocos E e F, na construção de novos laboratórios, reforma de salas e banheiros para a área da Mecânica; e para o Bloco H, na readequação de laboratórios e reforma de salas e banheiros para a área da Construção Civil.

A premissa da concepção a ser apresentada no Estudo Preliminar de Arquitetura para Reforma, deverá respeitar o máximo possível às características das edificações existentes, assim como as áreas a serem construídas e os materiais de acabamento a serem propostos para elaboração em conjunto do Programa de Necessidades. Permitem-se alterações, quando necessárias, desde que em concordância com a Fiscalização do IFSP.

(13)

Ainda, para propiciar condições adequadas e modernas de ocupação, segurança e usabilidade dos espaços do Campus São Paulo, a partir de levantamento das condições dos espaços construídos e de novas demandas didáticas, de cursos e laboratórios, dos espaços destinados a laboratórios, salas de aula e de professores a serem produzidos, junto aos blocos de laboratórios das áreas de Eletrotécnica, Mecânica e Construção Civil, faz-se necessário a construção de novas salas no interior dos blocos, adequação de salas com novas divisões de espaços, e troca dos materiais de acabamento de todos os ambientes por materiais de construção mais resistentes ao uso e desgaste, além de aspecto mais agradável e com claridade para os ambientes.

Readequação do Bloco A, no Saguão para a entrada da edificação, e de demais áreas do Setor Administrativo

Trata de reforma para adequação da entrada do Campus São Paulo, com ampliação do saguão principal do Bloco A, e remodelação da Portaria A, na parte externa do Campus (junto à Rua Pedro Vicente), integrando ao conjunto edificado. Também para a reforma de demais áreas, como a do Setor Administrativo – Diretoria, Setor Médico e Banheiros, com readequação das salas para novas divisões espaciais e novos materiais de acabamento, troca de materiais e de instalações hidrossanitárias dos banheiros, e execução de instalações elétricas e de rede lógica.

No projeto original do conjunto edificado do Campus São Paulo, da década de 1970, não foi previsto uma entrada formal às suas dependências, o que acarretou, em suas várias fases de construção ao longo dos últimos 40 anos, na descaracterização e identificação desse acesso formal para alunos, professores, servidores e comunidade que frequenta o Campus.

A necessidade desta identificação visual e institucional da entrada do Campus, associado às questões mais recentes de acessibilidade apresentadas por novas normatizações e órgãos públicos de regularização imobiliária, e ainda às questões de segurança, para controle de acesso dos frequentadores e de pessoas indesejadas, leva à conclusão da determinação para a execução de projeto elaborado para a reforma e adequação física e espacial da área específica para a caracterização formal da entrada do Campus São Paulo do IFSP, acompanhando as características arquitetônicas do seu conjunto

(14)

Para tanto, a solução a ser adotada é a adequação dos espaços atualmente ocupados pela biblioteca do Campus, - a ser deslocada para o novo Bloco G, a ser construído, - com a ampliação do saguão principal do Bloco A até a área externa próxima à Portaria A do Campus. Também a remodelação e integração da Portaria A (junto à Rua Pedro Vicente) ao conjunto edificado. A área de intervenção é de 544,0 m² p/ área do saguão; 87,5 m² para portaria A; cerca de 200,0 m² para área externa a ser coberta; e em torno de 250,0 m² para as demais áreas do Setor Administrativo.

Devem ter os serviços de: 1). desocupação da atual biblioteca para o novo Bloco G, a ser construído, com retirada de divisórias, forros e demais materiais; 2). execução de rampa de acesso do nível da área externa ao nível do saguão (cerca de 1,50 m de desnível), em atendimento às normas de acessibilidade; 3). troca da caixilharia na face externa da edificação, para instalação de novos elementos com portas de acesso; 4). execução de alvenarias divisórias para as salas administrativas nos pisos abaixo e do mezanino lateral; 5). execução de adequação das instalações prediais de elétrica, iluminação e rede lógica; 6). recuperação estrutural e dos materiais constituintes da guarita e cobertura da Portaria A, de concreto armado, com o intuito de evitar o colapso estrutural e dar novo acabamento; e 7). execução de cobertura de interligação da Portaria A ao saguão principal do conjunto edificado.

Reforma da Cantina para Laboratório de Gastronomia

Trata-se da readequação de toda a área da atual cantina do campus São Paulo do IFSP para transformação em ambientes didáticos destinados a laboratórios da área de Gastronomia.

Atualmente, a cantina tem ambientes de: cozinha industrial, salão e balcão de atendimento, salão de refeições, depósitos, vestiários e pequeno caixa/escritório, ocupando o piso inferior do Bloco ‘A’ do conjunto edificado do Campus São Paulo. Contudo, há a necessidade de reforma de todos esses espaços, pois apresentam problemas de desgaste dos materiais e instalações, devidos à deterioração pelo uso continuado desde a sua construção sem manutenção, na década de 1970.

Com a necessidade de reforma física e de suas instalações, pretende-se a readequação desse espaço para transformação em laboratórios de gastronomia para os cursos da área de

(15)

Turismo, propícia devido às características construtivas, principalmente no que se refere às instalações da cozinha industrial e dos espaços configurados para recepção de eventos.

Para tanto, a solução a ser adotada, pretende-se a redefinição espacial da cozinha industrial, dos salões de atendimento e refeição, dos depósitos e vestiários, e dos ambientes didáticos, com novas divisões espaciais e novos materiais de acabamento, troca de materiais e das instalações hidrossanitárias e de gás.

A área de intervenção é de 930,0 m², sendo previsto os serviços de: 1). demolição de alvenarias e divisórias; 2). demolição das camadas de acabamento; 3). remoção das instalações prediais existentes; 4). regularização das superfícies de acabamento com argamassa; 5). execução de novas alvenarias; 6). execução das instalações hidrossanitárias em todas as áreas molhadas; 7). aplicação de argamassa de granilite nos pisos, com soleiras e rodapés; 8). aplicação de novos materiais de acabamento nos ambientes: cozinha industrial, laboratórios, salão e salas; 9). instalação das caixilharias: guarda-corpos, portas e janelas; instalação de forros; e 10). execução das demais instalações prediais: elétrica e rede lógica.

Reforma das Salas da Atual Reitoria, para Laboratórios de Informática

Trata-se da readequação das salas da atual Reitoria do IFSP para transformação em ambientes didáticos destinados a laboratórios da área da Informática, quando da desocupação da mesma.

Atualmente, a Reitoria do IFSP ocupa espaço de salas administrativas inserido no pavimento superior do Bloco ‘A’ do conjunto edificado do Campus São Paulo. Contudo, há a necessidade de mudança de toda a estrutura administrativa do IFSP para local próprio, o que disponibilizará esse espaço para uso do Campus São Paulo.

A partir da desocupação, será necessária a readequação desse espaço para transformação em laboratórios de computadores para os cursos da área da Informática, propícia devido às características construtivas, principalmente no que se refere ao piso elevado por onde se distribui a rede elétrica e lógica.

Assim, a utilização desse espaço para os laboratórios de computação, cria as condições adequadas de ocupação e usabilidade, propiciando uma identidade física deste local, a ser

(16)

destinado especificamente para a área de Informática do Campus São Paulo, incorporando ainda as salas de professores e de coordenação.

Para tanto, a solução a ser adotada, pretende-se a redefinição espacial das salas de laboratórios, de professores e coordenação, com fechamento de alvenaria, aplicação de acabamento e execução das instalações elétricas e de rede lógica.

A área de intervenção é de cerca de 1.800,00 m², com serviços previstos de: 1). demolição de alvenarias e divisórias; 2). demolição das camadas de acabamento; 3). remoção das instalações prediais existentes; 4). troca dos elementos do piso elevado que apresentarem avarias; 5). execução de novas alvenarias e divisórias; 6). instalação das caixilharias: guarda-corpos, portas e janelas; e 6). execução das instalações prediais de elétrica e rede lógica.

Reforma dos Laboratórios de Eletrotécnica do Bloco D – Setor Central

Trata-se de retomada do espaço de reforma não concluído, com readequação dos ambientes didáticos de laboratórios, salas de aulas e de professores da área de Eletrotécnica, no Bloco D, do conjunto edificado do Campus.

Em processo licitatório anterior, por motivos contratuais, houve a interrupção e, por consequência, não conclusão da obra no Bloco D no espaço central, onde se previa a construção de novas salas no nível superior e acabamento nos espaços de nível inferior.

Assim, é necessária a conclusão da obra, incorporando novas soluções de acabamento e de ocupação dos espaços, atendendo a atual demanda da área de Eletrotécnica, usuária do bloco. Para tanto, a solução a ser adotada é a retomada da reforma do Bloco D - Eletrotécnica, (obra paralisada) com conclusão da área central, pavimentos inferior e superior, com fechamento de alvenaria, aplicação de materiais de acabamento e execução das instalações prediais.

A área de intervenção é de 2.240,0 m²; e os serviços previstos são: 1). limpeza e retirada de material inservível; 2). regularização das superfícies de acabamento com argamassa; 3). conclusão de estrutura metálica para salas em mezanino; 4). execução de novas alvenarias; 5). aplicação de argamassa de granilite nos pisos, com soleiras e rodapés; 6). aplicação de novos materiais de acabamento nos ambientes: laboratórios e salas; 7).

(17)

instalação das caixilharias: guarda-corpos, portas e janelas; 8). instalação de forros; e 9). execução das demais instalações prediais: elétrica e rede lógica.

Reforma de Salas e Laboratórios de Mecânica, e Banheiros dos Blocos E e F

Trata-se de readequação dos ambientes didáticos, na construção de novos de laboratórios, reforma de salas de aulas e de professores, e de banheiros, da área de Mecânica, nos Blocos E e F, incluindo o subsolo, do conjunto edificado do Campus.

Verifica-se que maioria dos espaços, e principalmente os banheiros, apresentam problemas de desgaste dos materiais e instalações, devendo passar por processo de reforma, devidos à deterioração pelo uso continuado desde a construção sem manutenção do conjunto edificado do campus, na década de 1970.

Para tanto, a solução a ser adotada é reforma dos Blocos E e F, da Mecânica, com execução de mezanino para novos laboratórios, readequação de laboratórios, salas de aula e de professores, com novas divisões espaciais e novos materiais de acabamento, troca de materiais e de instalações hidrossanitárias dos banheiros, e execução de instalações elétricas e de rede lógica.

A área de intervenção é de 1.180,0 m², sendo previsto os serviços de: 1). demolição de alvenarias e divisórias; 2). demolição das camadas de acabamento; 3). remoção das instalações prediais existentes; 4). regularização das superfícies de acabamento com argamassa; 5). execução de estrutura de concreto e/ou metálica para salas em mezanino; 6). execução de novas alvenarias; 7). execução das instalações hidrossanitárias nos banheiros e demais áreas molhadas; 8). aplicação de argamassa de granilite nos pisos, com soleiras e rodapés; 9). aplicação de novos materiais de acabamento nos ambientes: laboratórios, salas e banheiros; 10). instalação das caixilharias: guarda-corpos, portas e janelas; instalação de forros; e 11). execução das demais instalações prediais: elétrica e rede lógica.

Reforma de Laboratórios e Banheiros do Bloco H, de Construção Civil

Trata-se de readequação dos ambientes didáticos, na construção de novos de laboratórios, reforma de salas de aulas, de espaços didáticos e de convívio, e de banheiros,

(18)

Assim como para os demais blocos do conjunto edificado, as salas, os laboratórios técnicos, e principalmente os banheiros, apresentam problemas de desgaste dos materiais e instalações, devendo passar por processo de reforma, devidos à deterioração pelo uso continuado desde a construção sem manutenção do conjunto edificado do campus.

Para tanto, a solução a ser adotada é a readequação dos laboratórios técnicos, salas de aula e de professores, com novas divisões espaciais e novos materiais de acabamento, troca de materiais e de instalações hidrossanitárias dos banheiros, e execução de instalações elétricas e de rede lógica.

A área de intervenção é de 1.360,0 m²; e os serviços previstos são: 1). demolição de alvenarias e divisórias; 2). demolição das camadas de acabamento; 3). remoção das instalações prediais existentes; 4). regularização das superfícies de acabamento com argamassa; 5). execução de estrutura de concreto e/ou metálica para salas em mezanino; 6). execução de novas alvenarias; 7). execução das instalações hidrossanitárias nos banheiros e demais áreas molhadas; 8). aplicação de argamassa de granilite nos pisos, com soleiras e rodapés; 9). aplicação de novos materiais de acabamento nos ambientes: laboratórios, salas e banheiros; instalação das caixilharias: guarda-corpos, portas e janelas; instalação de forros; e 10). execução das demais instalações prediais: elétrica e rede lógica.

ÁREA TOTAL DE REFORMA DAS INSTALAÇÕES PREDIAIS

Também, desde a época do projeto original do conjunto edificado do Campus São Paulo, da década de 1970, as instalações prediais principais de rede elétrica e hidrossanitárias não sofreram uma revisão e atualização completa, não obstante novas tecnologias para os sistemas elétricos e hidráulicos têm sido disponibilizados continuamente. O que se constata é uma infindável sequência de manutenções e adequações possíveis às instalações, conforme se apresentam os defeitos e avarias decorrentes do uso constante e prolongado do conjunto edificado.

Assim, para propiciar plenas condições de segurança e funcionamento de todas as instalações prediais a todos os espaços físicos de salas de aula, laboratórios técnicos de perfil industrial e didático, áreas de convívio e espaços administrativos, para atendimento a usuários, alunos, servidores e comunidade em geral, pretende-se ter todo o conjunto edificado do Campus São Paulo do IFSP com suas instalações adequadas e atualizadas. Para tanto,

(19)

sobre a área edificada, será necessário o Levantamento Físico Cadastral de todas as instalações prediais do Complexo do Campus, especificamente das Instalações Hidrossanitárias (água fria, esgoto e águas pluviais), de Gás, de Rede Elétrica de Energia, de Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas, de Sistema de Proteção e Combate à Incêndio, de Rede Lógica. Este levantamento objetiva a elaboração de Projeto Executivo para as novas instalações prediais a serem completa e adequadamente substituída ou restaurada, conforme as condições que as instalações existentes apresentem.

Reforma da Impermeabilização dos Reservatórios de Água

Trata-se de reforma para impermeabilização de todos os reservatórios inferiores e superiores de água do conjunto edificado do Campus São Paulo. Não tem havido, desde a construção do conjunto edificado, processo permanente de manutenção dos reservatórios de água, o que permite afirmar a necessidade de execução de uma nova impermeabilização dos mesmos, que procede pela preocupação na economia do consumo de água, quer seja para preservação deste recurso natural, quer seja para a economia financeira dos recursos públicos.

Para tanto, deve-se proceder à especificação completa de todos os serviços de contratação de empresa especializada para recuperação estrutural, se necessário, e impermeabilização da superfície de concreto dos reservatórios inferiores e superiores de água; constando os serviços de: 1). limpeza da superfície dos reservatórios; 2). recuperação estrutural das superfícies de concreto, onde necessário; 3). remoção de camadas deterioradas de material impermeabilizante; e 4). aplicação de material asfáltico e/ou resinoso novo de impermeabilização.

Reforma e Adequação Completa das Instalações Hidrossanitárias

Trata-se da recuperação e adequação da rede de instalações hidrossanitárias de todo o conjunto edificado do Campus São Paulo. Da mesma forma que para a recuperação da impermeabilização dos reservatórios de água, não tem havido, desde a construção do conjunto edificado do Campus São Paulo, na década de 1970, processo permanente de

(20)

fria, seja do sistema de captação e condução de efluentes sólidos, seja da rede de captação e condução de águas pluviais.

Do mesmo modo, procede a preocupação na economia do consumo de água, para preservação do recurso natural e dos recursos financeiros da instituição. Para tanto, se faz necessária toda uma revisão e substituição da tubulação, conexões, metais e louças sanitárias a partir de um novo projeto a ser elaborado para atender a novas demandas de consumo de água do Campus.

Para tanto, a solução a ser adotada, deve-se propor Projeto Executivo para nova rede de instalações hidrossanitárias de água, esgoto e águas pluviais, a partir do levantamento da rede hidrossanitária existente, considerando como área de intervenção, toda a área construída do Campus, de 28.206,00 m².

Projeto e Construção de Nova Cabine Primária de Energia

Trata-se de elaboração de projeto para construção de nova cabine primária de energia para novas demandas de carga existentes a serem levantadas pelo conjunto edificado do Campus.

Assim como para a reforma de readequação de toda a rede de instalações elétricas, para a entrada de energia do Campus São Paulo, desde a construção do conjunto edificado, na década de 1970, tem-se exigido um aumento de demanda, conforme os espaços construídos foram apresentando em algum momento de remodelação de laboratórios técnicos didáticos, por exemplo. Com isso, a cabine primária de energia tem se apresentado obsoleta, no contexto geral das instalações, considerando a necessidade de um novo centro de transmissão e transformação para atender a novas demandas de energia.

Para isso, se faz necessária todo um redimensionamento dessa cabine primária de energia, a partir do levantamento da demanda de carga elétrica existente, e da demanda prevista final de energia elétrica para o Campus São Paulo, para a elaboração de um novo projeto para atender a novas demandas de consumo de energia do Campus.

(21)

Trata-se de projeto para recuperação e adequação da rede de Instalações Elétricas, de Iluminação Interna e Externa e de Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas (SPDA) de todo o conjunto edificado do Campus São Paulo.

Toda rede de instalações elétricas, de iluminação interna e externa e de SPDA do Campus São Paulo tem sido, desde a construção do conjunto edificado, na década de 1970, alterado e ampliado conforme a demanda específica que cada espaço construído apresentou em algum momento de readequação de laboratórios técnicos didáticos, por exemplo. Essas alterações locais não foram adequadamente analisadas no contexto geral das instalações considerando carga elétrica e demanda de energia.

Ainda, muitas das instalações apresentam-se obsoletas, abaixo da demanda energética e com materiais como quadros de distribuição, fiação, conduítes, terminais e iluminação em condições precárias para uso, pela falta de processo permanente de manutenção de toda a rede de instalações prediais, desde a entrada, passando pela cabine primária e aterramentos até os quadros e perfilados de distribuição e terminais de tomadas, interruptores e luminárias.

Para tanto, se faz necessária toda uma revisão e substituição dos elementos da rede destas instalações prediais, a partir do levantamento da rede elétrica, de iluminação e de SPDA existente, para a elaboração de um novo projeto para atender a novas demandas de consumo de energia do Campus, considerando como área de intervenção, toda a área construída do Campus, de 28.206,00 m².

Adequação das Instalações de Rede Lógica (Cabeada e Sem Fio)

Trata-se de projeto para adequação da Rede de Lógica Cabeada e Rede Lógica Sem Fio de todo o conjunto edificado do Campus São Paulo. Todo o sistema de instalações de rede lógica do Campus São Paulo tem sido, desde a construção do conjunto edificado, na década de 1970, executado conforme a demanda específica que cada bloco e espaço construído solicita para adequação funcional dos laboratórios técnicos didáticos e salas administrativas.

Essas instalações não têm sido atualizadas conforme a tecnologia de dados requer, assim como não têm sido projetados em um contexto único do conjunto edificado do Campus,

(22)

necessária toda uma revisão e substituição dos equipamentos e redes de cabos de lógica, a partir do levantamento da rede lógica existente, e da demanda de acesso a dados, para um novo projeto a ser elaborado para atender a todo o conjunto edificado do Campus, nessa nova realidade da Tecnologia da Informação, considerando como área de intervenção, toda a área construída do Campus, de 28.206,00 m².

ÁREA ESTIMADA DE CONSTRUÇÃO NOVA A SER PROJETADA

De acordo com a estrutura funcional prevista para o Campus São Paulo do IFSP, e suas interligações, interfaces e interferências com os demais blocos, deverá ser considerada a área construída estimada da edificação e os ambientes a serem implantados, na elaboração dos Projetos Executivos de Arquitetura, Estrutural e de Instalações Prediais, necessários para sua construção.

Está previsto o projeto para novas edificações a serem construídas, devendo ter área total de 4.066,00 m², distribuídos entre os blocos de Restaurante Estudantil, em pavimento único com pequeno mezanino e área estimada de 1.106,00 m², e o bloco B, para Auditório e Salas-ambiente de Artes, com três pavimentos, e área estimada em 2.960,00 m², considerando todos os ambientes, - exceto aqueles destinados a estacionamento. Para o desenvolvimento do Projeto Executivo de ambos os blocos, será considerado como base o Anteprojeto de Arquitetura já elaborado, disponibilizado juntamente com o Croqui de Implantação de Arquitetura (vide anexo VIII).

Projeto de Restaurante Estudantil

Trata-se de edificação a ser construída em pavimento único, destinada a Restaurante Estudantil, com salão refeitório com cobertura própria e independente para acomodação de 396 pessoas em conjuntos de 36 mesas, cozinha industrial equipada, vestiários para funcionários, sanitários para o público, espaço de estar e convívio, e lanchonete para refeições rápidas, além de mezanino com salas de convívio.

Pretende-se, com isto, proporcionar para toda a comunidade do Campus São Paulo, o fornecimento de alimentação de qualidade e baixo custo, principalmente aos estudantes, - a fim de fortalecer e fomentar a assistência estudantil, - através de equipamentos e instalações

(23)

adequadas, modernas e que atenda as exigências de funcionamento de uma cozinha industrial. O espaço servirá ainda para encontro e convívio da comunidade estudantil promover atividades não acadêmicas.

Projeto do Bloco B: Auditório e Salas-ambiente de Artes

Trata-se de edificação a ser construída com Auditório, com capacidade para cerca de 700 pessoas, Foyer e Espaços Técnicos, além de Salas-ambiente para ensino e desenvolvimento de atividades voltadas à área artística, como Salas de Dança, Salas de Teatro, Ateliês de Artes Plásticas, Salas e Estúdios de Música, entre outros.

Pretende-se, com isto, oferecer instalações adequadas, modernas e que atenda às necessidades dos alunos, servidores e a comunidade em geral, para grandes eventos da comunidade do Campus, como formaturas, palestras técnicas ou sociais, e apresentação de manifestações artísticas, em um auditório de médio a grande porte, visando acompanhar o grande crescimento que o Campus São Paulo do IFSP vem obtendo, por conta dos mais de 26 cursos implantados e aos novos a serem propostos, de Licenciaturas e de Formação Técnica, nos níveis Secundário e Superior.

Além do auditório, em vista do atendimento aos cursos do Ensino Médio e das Licenciaturas, e também para formação geral dos alunos, pretende-se oferecer espaços adequados ao exercício e desenvolvimento das manifestações artísticas plásticas, cênicas e musicais, concentrando e otimizando em um bloco só todas as instalações e equipamentos voltados a essas atividades.

A construção da edificação compreende três níveis, compreendendo: 1º Piso Inferior com alguns Ateliês e Estúdio de Artes; Pavimento Térreo com saguão de entrada, plateia principal, palco e área técnica para o Auditório; Mezanino com balcão para o Auditório; no mesmo nível do 1º Piso Superior com as demais Salas Ambiente, Ateliês e Estúdios de Artes. Além disso, está previsto a interligação do edifício com o Bloco ‘A’ existente, por meio de passarela e corredor, de acesso ao saguão principal.

(24)

Os dados para a estimativa de custos, (contendo um conjunto de arquivos de projeto elaborado por uma empresa contratada em 2002), assim como demais esclarecimentos e documentos disponíveis poderão ser fornecidos quando da vistoria prévia do local, necessária devido a algumas reformas realizadas nos blocos existentes do Campus.

Esta vistoria deverá ter agendamento junto a Coordenadoria de Projetos e Obras do Campus São Paulo do IFSP (CPO - SPO).

(25)

ESCLARECIMENTO QUANTO AO PROJETO BÁSICO DE UMA OBRA CIVIL

Entende-se que legalmente o Projeto Básico, por imposição IX do art. 6º da lei 8.666/93 e suas alterações, é representado pelo:

“conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução, devendo conter os seguintes elementos:

a) desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar todos os elementos constitutivos com clareza;

b) soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de formulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto executivo e de realização das obras e montagem;

c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para sua execução;

d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações provisórias e condições organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução;

e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua programação, a estratégia de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados necessários em cada caso.

f) orçamento detalhado do custo global da obra fundamentado em quantitativos de serviços e fornecimentos propriamente avaliados.”

O que remete ao entendimento de que o Projeto Básico, por imposição legal, deve contemplar todas as especialidades necessárias e pertinentes à obra. Não se restringindo a uma única disciplina (i.e. Arquitetura), mas envolvendo todas as demais (i.e. Fundações, Estruturas, Instalações, etc.).

(26)

ANEXO II

ELEMENTOS DO PROJETO EXECUTIVO

O Projeto Executivo será composto de peças gráficas (plantas com desenhos representando o objeto a ser construído) e documentos (caderno de especificações e encargos, planilha de quantitativos e preços e cronograma físico-financeiro, todos relativos às especificações de execução da obra), para cada uma das disciplinas de projeto: conforme segue abaixo.

PEÇAS GRÁFICAS

Devem conter todas as informações abaixo discriminadas: 1. PROJETO DE ARQUITETURA

 Planta de Situação, com a apresentação de croqui de localização do terreno, sem escala, abrangendo uma área aproximada de 200m além das divisas do lote.

 Planta de Implantação, com representação de toda a área do terreno, com a indicação de todos os elementos naturais do terreno e locação de todos os blocos edificados e elementos construtivos.

 Projeto de Terraplenagem, com representação dos níveis naturais do terreno e de patamarização para a implantação do conjunto edificado, com indicação dos movimentos de terra necessários e locação dos pontos de referência obtidos em levantamento planialtimétrico.

 Planta de Locação, com indicação das estacas de locação e das réguas de gabarito para a construção dos blocos.

 Plantas Baixas dos pavimentos, com representação de todos os pavimentos e da cobertura, indicação e detalhamento de todos os espaços e elementos construtivos.  Cortes Longitudinais e Transversais, com representação em corte dos elementos construtivos, quantos forem necessários, com indicação de altura e medidas verticais para a plena legibilidade do projeto.

(27)

 Fachadas, com representação de todas as elevações de cada um dos blocos edificados e elementos locados nos espaços externos.

 Plantas de Detalhamento Executivo, com representação em escala ampliada de todos os elementos construtivos, com indicação de tipo, especificação de materiais e dimensionamento das áreas molhadas, paginação de pisos e forros, caixilhos e peças metálicas especiais, escadas e rampas, alvenaria e elementos vazados, cobertura e condução de águas pluviais e demais elementos construtivos, todos necessários ao bom entendimento do projeto.

 Projeto de Leiaute de Mobiliário/Equipamentos, com representação de todos os ambientes com indicação de arranjo e especificação dos itens de mobiliário e equipamentos.

2. PROJETOS COMPLEMENTARES A ARQUITETURA

 Projeto de Instalação do Canteiro de Obra, com representação gráfica da locação do canteiro de obras, com indicação de locação de alojamento, vestiário, refeitório, escritório técnico, almoxarifado e depósito de materiais, e galpão de serviços.

 Projeto de Luminotécnica, com representação de iluminação externa e interna aos ambientes, com indicação de luminária e locação dos pontos de instalação por eixos cotados.

 Projeto de Acessibilidade a Portadores de Deficiências, com representação dos elementos de acessibilidade, em atendimento à norma específica, com indicação de tipo, dimensões e locação das peças e elementos componentes, como rampas, piso tátil de alerta e direcional, abertura e tamanho de portas e acessos, corrimãos e barras de apoio, e equipamentos sanitários.

 Projeto de Comunicação Visual e Sinalização, com representação gráfica, na identificação dos símbolos, tipos e cores utilizados na comunicação visual e sinalização.  Projeto de Tratamento Acústico, com representação de elementos construtivos e de instalação para tratamento acústico de ambientes específicos, quando necessários,

(28)

caso de auditórios e salas de aula, com indicação e locação de materiais e componentes utilizados.

 Projeto de Paisagismo, com representação gráfica dos elementos de paisagismo e solução arquitetônica da paisagem externa com indicação e especificação das espécies de vegetação utilizadas, com locação de árvores, arbustos e áreas gramadas.

 Projetos de Aprovação junto aos órgãos competentes relacionados, com a apresentação de conjunto de plantas com todas as informações necessárias ao processo de aprovação da construção junto aos órgãos públicos competentes, (órgãos municipais e/ou estaduais, como secretarias de obras, de urbanismo, de defesa do patrimônio ambiental e artístico/histórico, entre outros afins), Prefeitura Municipal e/ou Estadual (secretarias de obras, de defesa do patrimônio ambiental e artístico/histórico, entre outros afins)

 Perspectiva Artística (Maquete Eletrônica), com representação artística, em várias vistas, do conjunto arquitetônico, implantado e ambientado no terreno, com humanização dos espaços, elaborado com recursos de computação gráfica.

3. ESTRUTURA

 Projeto de Fundações (infraestrutura), com representação da solução construtiva e detalhamento para apoio e fixação dos blocos edificados no solo, acompanhado do relatório de sondagem do terreno.

 Projeto Estrutural (superestrutura), com representação gráfica para a solução da estrutura dos blocos edificados, conforme a definição de projeto para Estrutura Metálica, Estrutura de Pré-moldados de Concreto Armado e/ou Estrutura Convencional de Concreto Armado.

4. IMPERMEABILIZAÇÃO

 Projeto de Impermeabilização, com representação da solução técnica e detalhamento para estanqueidade e impermeabilização dos blocos edificados, no solo,

(29)

acompanhado de laudo de impermeabilização e especificação técnica dos produtos aplicados.

5. INSTALAÇÕES PREDIAIS

A. Projeto de Instalações Elétricas, com cabine de entrada e aprovação da concessionária, representação gráfica dos quadros de distribuição e circuitos, para rede de energia normal e estabilizada, de emergência e de blocos autônomos.

B. Projeto de Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA), com representação gráfica dos circuitos de proteção e aterramento dos blocos edificados C. Projeto de Rede Lógica de Dados, Telefonia e Interfonia, com representação gráfica dos quadros de distribuição e circuitos para rede lógica de dados; telefonia e interfonia, com controle de acessos.

D. Projeto de Sistema Áudio Visual e de Circuito Fechado de Televisão (CFTV) Digital, com representação dos circuitos e locação dos equipamentos do sistema de áudio visual e do circuito fechado de TV.

E. Projeto de Instalações Hidrossanitárias, com representação gráfica da rede de abastecimento de água fria, da rede de captação e condução de esgoto, da rede de drenagem de águas pluviais e da rede de irrigação para os jardins.

F. Projeto de Instalações de Abastecimento de Gás, com representação gráfica da tubulação da rede de abastecimento de gás, natural (GN) ou liquefeito de petróleo (GLP), conforme fonte de abastecimento.

G. Projeto de Climatização, com representação e indicação de equipamentos e elementos necessários para condicionamento de ar, exaustão e ventilação dos ambientes construídos.

H. Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio, com representação e indicação de todos os itens necessários de prevenção e combate a incêndio, com aprovação junto ao Corpo de Bombeiros, como locação de hidrantes e extintores; detenção e alarme de incêndio, rede de sprinklers; sinalização de incêndio, Iluminação de Emergência, etc.

(30)

DOCUMENTOS

Devem conter todas as informações abaixo discriminadas:

1. ÍNDICE DE PROFISSIONAIS E PLANTAS

O índice de Profissionais e Plantas deverá apresentar todos os Profissionais Responsáveis Técnicos por cada um e todos os itens do Projeto Executivo, sob sua responsabilidade técnica.

Especificamente, para cada um desses projetos deverá ser apresentada conjuntamente cópia de Registro de Responsabilidade Técnica (RTT) junto ao CAU-SP e de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) junto ao CREA-SP, com a taxa de recolhimento bancária paga.

Assim, deverá ser identificado o(s) Responsável(is) Técnico(s) com indicação de nome, atividade profissional conforme sua atribuição legal, e número de registro no CAU-SP (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo) para: 1). Projeto de Arquitetura; e CREA-SP (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Estado de São Paulo), para: 2). Projeto Estrutural; 3). Projeto de Impermeabilização; 4). Projeto de Instalações Elétricas e afins; 5). Projeto de Instalações Hidrossanitárias e afins; 6). Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio; 7). Projeto de Climatização (quando houver) 8). Projeto de Instalação de Elevadores (quando houver); e 9). Planilha Orçamentária e Cronogramas (necessariamente).

Nesse mesmo documento deverá ser discriminada a listagem geral de todas as peças gráficas, e todas as pranchas constantes no conjunto do Projeto Executivo subdivididos em cada um dos projetos, em tabela contendo as seguintes colunas, com os dados obtidos nos carimbos de cada prancha:

Assunto Nº Folha Data Arquivo

 Assunto: Deverá ser discriminado o Titulo e a Especialidade do projeto, assim como o Assunto da prancha;

 N° Folha: Deverá ser indicado o numero da prancha na forma N/T, sendo N = número de prancha e T = total de pranchas;

(31)

 Data: Deverá ser indicada a data de elaboração do projeto referente à prancha, com indicação das revisões existentes;

 Arquivo: Deverá ser indicado o nome do arquivo eletrônico, entregue juntamente com o material impresso, em formato ‘pdf’, relativo à prancha correspondente.

2. CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E ENCARGOS

O Caderno de Especificações Técnicas e Encargos tem a finalidade de definir o objeto da licitação (obra ou serviço), bem como estabelecer os requisitos, condições e diretrizes técnicas e administrativas para sua execução.

Deve compor dos seguintes documentos:  Memorial Descritivo de Arquitetura;  Memorial Descritivo de Estrutura;

 Memorial Descritivo de Instalações Prediais;  Memorial Descritivo de Impermeabilização;  Memórias de cálculo para:

a) estrutura e de fundações; b) demanda de carga elétrica;

c) dimensionamento de alimentadores elétricos e suas proteções; d) volume dos reservatórios de água (consumo e reservas técnicas); e) carga térmica dos ambientes (individualmente);

f) índice luminotécnico; g) tratamento acústico;

h) tráfego para dimensionamento dos elevadores (quando previstos). Neste conjunto de documentos, devem ser especificados:

(32)

2) Especificações técnicas detalhadas, definindo com clareza e precisão:

a) as características dos materiais a serem utilizados, sendo que marcas ou modelos serão meramente referenciais e poderão ser substituídos por outros equivalentes, ou seja, com mesma função, desempenho técnico, especificações e certificações;

b) os Procedimentos de Execução dos Serviços (PES) para a obra; c) os aspectos e desempenho final desejados;

3) Descrição pormenorizada das estruturas, contendo: tipo de estrutura, técnicas de execução, especificações e controle tecnológico dos materiais;

4) Descrição pormenorizada de cada uma das instalações prediais, detalhando suas características técnicas, seus princípios de funcionamento, bem como, todas as recomendações necessárias, quanto às técnicas ideais de execução e aos padrões exigidos pelas concessionárias locais;

5) Sugere-se que, para elaboração do Caderno de Especificações Técnicas e Encargos, seja utilizado o modelo da Portaria no 2.296, de 23 de julho de 1997 – “Manual de Obras Públicas - Práticas da SEAP” – PROJETO e referência dos “Catálogos Técnicos” do FDE.

3. PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

A Planilha Orçamentária, de quantitativos e preços, deverá ser elaborada pela contratada com o objetivo de definir os custos das obras ou serviços, objeto dos projetos e especificações, oferecendo orçamento detalhado de todos os materiais e serviços necessários para a execução da obra, de acordo com os projetos, na forma sintética e analítica

Para a elaboração da Planilha Orçamentária é indispensável que a contratada esteja de posse de todas as Peças Gráficas do Projeto Executivo, do Caderno de Especificações Técnicas e Encargos, e demais documentos técnicos relativos aos serviços ou obras a serem executados.

(33)

A contratada deverá considerar todos os encargos sociais e trabalhistas, conforme legislação em vigor, incidentes sobre o custo da mão-de-obra, sendo que deverá ser apresentada a composição dos Encargos Sociais, incidentes sobre o custo da obra, calculados com valor embutido diretamente sobre os itens de serviços discriminados.

Deverá também apresentar a composição do LDI (ou BDI) – Lucros (ou Benefícios) e Despesas Indiretas, sendo que o valor percentual estipulado deverá ser aplicado ao final dos cálculos de custo da obra, em que será estipulado o custo total da obra sem o LDI e com o LDI.

A Planilha Orçamentária deverá constar no cabeçalho: a). unidade contratante, b). identificação da obra, c). local da obra, d). data de elaboração da planilha, e). data-base e referência dos valores obtidos nos índices de preços, f). porcentagem estipulada para os Encargos Sociais, g). porcentagem estipulada para o LDI (ou BDI).

A Planilha Orçamentária deverá ser apresentada na forma Sintética, elaborada com subdivisão em grupos de serviços executados, sendo por cada bloco edificado (de salas de aula, administrativo, quadra poliesportiva, etc.); serviços gerais (instalação de canteiro de obras, serviços preliminares e de entrega final); e serviços nas áreas externas (como drenagem, pavimentação, urbanização, iluminação externa, etc.).

Deste modo, a Planilha deverá ser montada em estrutura matricial, com indicação única dos itens de serviços discriminados, unidade e custo unitário; e locação de quantidades e custos previstos em colunas por cada grupo de serviços executados.

Assim, no corpo da Planilha, deverão constar as seguintes colunas, conforme modelo abaixo e esclarecimento a seguir:

OBRA: (MODELO) BLOCOS

Item Ref. Código Discriminação Unid. Quant. Total

Custo Unitário

(R$)

Serviços gerais Bloco A Bloco ‘N’... Áreas externas CUSTO TOTAL (R$) Quant./ Bloco Custo / Bloco Quant./ Bloco Custo / Bloco Quant./ Bloco Custo / Bloco Quant./ Bloco Custo / Bloco

 Item: Deverá ser indicada, necessariamente, a relação e numeração de itens de serviço, conforme as mesmas utilizadas no Caderno de Especificações Técnicas e Encargos;

(34)

 Código: Deverá ser indicado o código relacionado ao item identificado na fonte de consulta, obtido nos índices de preços oficiais utilizados;

 Discriminação: Deverá ser discriminado os serviços previstos na obra, conforme a mesma discriminação feita no Caderno de Especificações Técnicas e Encargos, e compatível com a discriminação feita nos índices de preços oficiais utilizados, identificado pela referência e código;

 Unidade: Deverá ser indicada a unidade para o item de serviço a ser utilizado, considerando a quantidade unitária;

 Quant. Total: Deverá ser lançada a quantidade total prevista dos itens de serviço para toda a obra, considerando a somatória de todos os blocos, ou grupos de serviços executados;

 Custo Unitário (R$): Deverá ser indicado o valor unitário para o item de serviço discriminado, obtido nos índices de preços oficiais utilizados;

 Quant. / Bloco: Deverá ser lançada a quantidade prevista dos itens de serviço para cada um dos blocos, ou grupos de serviços executados, da obra;

 Custo / Bloco: Deverá ser calculado o custo estipulado para o item de serviço discriminado, para cada um dos blocos ou grupos de serviços executados da obra;  Custo Total (R$): Deverá ser indicado o valor calculado para o item de serviço discriminado, a partir da quantidade total prevista do item para toda a obra, considerando a somatória de todos os blocos, ou grupos de serviços executados.

E no rodapé da Planilha, em cada folha impressa, deverá ser identificado o Responsável Técnico pela sua elaboração, com indicação de nome, atividade profissional e número de registro no CREA-SP (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Estado de São Paulo).

A Planilha Orçamentária Sintética deverá ser acompanhada de Planilha Analítica, em que deverão constar as composições de todos os custos unitários, conforme modelo de referência adotado pela PINI/TCPO.

Quanto aos índices de preços oficiais utilizados, deverá prioritariamente ser adotado o valor referenciado pelo SINAPI - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da

(35)

Construção Civil, publicação oficial da Caixa Econômica Federal (CEF) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na falta de itens de serviços indicados no SINAPI, podem ser utilizados outros índices oficiais ou de publicações reconhecidas, como os da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação, do Estado de São Paulo), da CPOS (Companhia Paulista de Obras e Serviços, do Estado de São Paulo), da Editora PINI, entre outros; e como última opção, obter o valor do item a partir de pesquisa de mercado, com apresentação de três propostas orçamentárias. Em todos os casos, esses índices deverão estar especificamente indicados na Planilha Orçamentária, na data base vigente mais próxima à sua elaboração e apresentação.

Por fim, junto à Planilha Orçamentária, deverá ser apresentada pelo mesmo Responsável Técnico a sua Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) junto ao CREA-SP específica; e Nota Técnica, assinada, em atendimento à Lei Nº. 11.768, de 14/08/2008, no § 5º do Artigo 109, em que afirma:

“declarar expressamente que os quantitativos e custos constantes de referidas planilhas estão compatíveis com os quantitativos do projeto de engenharia e os custos do SINAPI – Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, elaborado e publicado pela Caixa Econômica Federal, com data-base no mês indicado”.

4. CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO

Em associação à Planilha Orçamentária, o Cronograma Físico-Financeiro é a representação gráfica do plano de execução da obra e do desembolso dos recursos previstos e necessários nos intervalos de tempo programados. Deve contemplar todas as fases de execução desde a mobilização da obra, passando pelas etapas de serviços previstas no projeto, até a desmobilização final do canteiro de obras.

As planilhas e gráficos devem englobar o desenvolvimento físico e financeiro da obra, tendo por objetivo o seguinte:

Desenvolvimento Físico: demonstrar a previsão da evolução física dos serviços a serem executados, na unidade de tempo de um mês, permitindo avaliações periódicas de ajuste do plano de execução da obra;

Imagem

Referências

temas relacionados :