ANÁLISES E ESTATÍSTICAS SOBRE A CONSTRUÇÃO E A DISPONIBILIZAÇÃO PÚBLICA DO ACERVO CELPE-BRAS

14 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

ANÁLISES E ESTATÍSTICAS SOBRE A CONSTRUÇÃO E A DISPONIBILIZAÇÃO PÚBLICA DO ACERVO CELPE-BRAS

Ellen Yurika Nagasawa1 Juliana Roquele Schoffen2

Resumo

O Exame Celpe-Bras é o único exame oficialmente aceito como comprovação de proficiência em Português como Língua Adicional no Brasil. Este trabalho relata a construção e a disponibilização online do acervo do Exame Celpe-Bras e a posterior análise do material compilado. Após a construção do acervo, que está disponível no endereço www.ufrgs.br/acervocelpebras, realizamos análises estatísticas sobre as provas e documentos públicos do exame. Este trabalho contribui para a área de Português como Língua Adicional, uma vez que o acervo desenvolvido possibilita estudos acadêmicos mais amplos, influenciando no potencial de impacto do Exame Celpe-Bras nas políticas linguísticas e em seus efeitos retroativos no ensino, além de poder gerar subsídios para o desenvolvimento de material didático que contemple os gêneros do discurso como possibilidades de trabalho sobre a linguagem e aprendizagem de modos de participação em práticas sociais através da leitura e escrita em Língua Portuguesa.

Palavras-chave: Exame Celpe-Bras. Português com Língua Adicional. Exame de Proficiência.

1 Introdução

O presente artigo perfaz um recorte do trabalho realizado no projeto de pesquisa “Resgatando a história do Exame Celpe-Bras: desenvolvimento e análise de um banco de dados reunindo documentos públicos, provas aplicadas e estudos realizados sobre o Exame”3

, desenvolvido no Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul a partir de agosto de 2013.

O objeto de pesquisa do projeto é o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras), outorgado pelo Ministério da Educação, sendo o único exame oficialmente aceito como reconhecimento de proficiência em Português como Língua Adicional (PLA) pelo governo brasileiro.

O conceito de proficiência que fundamenta o Exame consiste no “uso adequado da língua para desempenhar ações no mundo” (BRASIL, 2006, p. 3), que, segundo Schoffen (2009, p. 35), é uma proposta de “avaliar a proficiência em Língua Portuguesa não através

1

Licencianda em Letras Português-Inglês pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, bolsista FAPERGS, orientada pela Profa. Dra. Juliana Roquele Schoffen. E-mail: ellennagasawa@gmail.com

2 Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Membro da Comissão Técnico-Científica do Exame Celpe-Bras. E-mail: julianaschoffen@gmail.com

3Grupo de pesquisa composto também por Gabrielle Rodrigues Sirianni e Bárbara Petry Machado, ambas licenciandas em Letras pela UFRGS.

(2)

da medição de conhecimento gramatical ou de conhecimento específico de vocabulário, mas através da capacidade de agir no mundo em situações simulares às reais”. O Celpe-Bras, dessa forma, propõe-se a avaliar o potencial do candidato para interagir em português em situações da vida cotidiana, acadêmica e de trabalho no Brasil.

Uma portaria da Secretaria de Educação Superior, publicada em 11 de Junho de 1993 no Diário Oficial da União (DOU), constituiu a primeira comissão elaboradora do Exame Celpe-Bras. A comissão foi composta por seis professores de universidades brasileiras4 e tinha o propósito de “desenvolver as ações necessárias à elaboração de um teste padronizado de português para estrangeiros”. Desde lá, o Celpe-Bras sempre contou com uma Comissão Técnico-Científica, composta por professores da área de Português como Língua Adicional, responsável por coordenar os eventos de elaboração e correção do Exame, bem como assessorar o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep) nos credenciamentos de novos postos aplicadores e nas decisões relativas ao Celpe-Bras5.

Apesar da importância adquirida pelo Exame Celpe-Bras ao longo da sua história, não existia ainda um banco de dados que reunisse todos os documentos públicos produzidos pelo MEC e pelo Inep em relação ao exame, tampouco um acervo com o material das provas já aplicadas. Entendeu-se, então, que era urgente a criação de um banco de dados que contasse a história do Exame Celpe-Bras a fim de disponibilizá-la publicamente para estudo e pesquisa.

Para relatar o trabalho, o texto foi organizado em três seções: na primeira seção é apresentado o Exame Celpe-Bras, sua importância, o contexto de início da pesquisa e os objetivos do projeto; na segunda seção, é descrita a metodologia utilizada na construção e disponibilização online do acervo; e na última seção, são expostos alguns resultados de análises estatísticas do acervo. Nas considerações finais do texto, são apresentadas algumas reflexões sobre o impacto da construção e disponibilização pública do acervo do Exame Celpe-Bras na área de PLA.

4Luiz Cassemiro dos Santos, Raimundo Hélio Leite, Maurício de Pinho Gama, Margarete Schlatter, José Carlos Paes de Almeida Filho e Maria Jandyra Cunha.

5Membros titulares da atual Comissão Técnico-Científica: Edleise Mendes Oliveira Santos, Jerônimo Coura Sobrinho, Juliana Roquele Schoffen, Leandro Rodrigues Alves Diniz, Matilde Virginia Ricardi Scaramucci, Patrícia Maria Campos de Almeida e Regina Lucia Peret Dell’Isola. Portaria n 407, de 29 de setembro de 2015.

(3)

2 O Exame Celpe-Bras

O Celpe-Bras, como já dito é o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros, desenvolvido pelo governo brasileiro. O exame é composto por duas partes, uma Parte Escrita, na qual o examinando responde por escrito a quatro tarefas, através das quais demostra, integrada à produção escrita, compreensão oral de um vídeo e um áudio, e compreensão escrita de dois textos, em um tempo máximo de três horas. Já na Parte Oral, são avaliadas compreensão e produção oral. O examinando é avaliado durante vinte minutos em uma interação oral com o entrevistador a partir de Elementos Provocadores que ilustram “tópicos do cotidiano e de interesse geral” (BRASIL, 2006, p. 15).

2.1 A importância do Exame Celpe-Bras

A primeira aplicação oficial do Exame aconteceu no ano de 1998 e contou com 127 examinandos que realizaram o exame em cinco universidades brasileiras (UFPE, UFRGS, UFRJ, UnB, Unicamp) e três em países do Mercosul (Argentina, Paraguai e Uruguai) (SCHLATTER et al., 2009, p. 5), totalizando oito postos aplicadores.

No gráfico a seguir, é possível visualizar o crescimento do número de examinandos inscritos no Exame Celpe-Bras desde esta primeira aplicação:

Figura 1: Crescimento do número de examinandos. Adaptado de SCHLATTER et al. (2009).

Disponível em:

(4)

A partir 1999, o Celpe-Bras passou a ser aplicado duas vezes por ano. Em 2009, a responsabilidade por sua aplicação passou do MEC para o Inep, o órgão responsável pelo Celpe-Bras a partir de então. Em 2015, somando as duas edições anuais, o total de examinandos ultrapassou 10 mil. Atualmente, o Exame é realizado em 90 Postos Aplicadores credenciados, sendo 25 deles em território brasileiro e 65 em outros 35 países dos continentes americano, africano, europeu e asiático.

Abaixo, uma figura que mostra a localização dos postos aplicadores credenciados para aplicar o Exame Celpe-Bras:

Figura 2: Postos Aplicadores Credenciados. FONTE: Inep.

Disponível em: www.ufrgs.br/acervocelpebras/estatisticas

Atualmente, o Celpe-Bras é pré-requisito ao ingresso de estudantes convênio em Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras por meio do Programa de Estudante Convênio (PEC-G) e para atuação profissional em diversas áreas, como saúde, comércio exterior e diplomacia. Essas exigências contribuem para configurar o Celpe-Bras “como uma ação de política linguística mais ampla (com propósitos não restritos a fins acadêmicos) e, portanto, tornando-o um exame de alta relevância (high-stakes) e com um maior potencial de impacto” (SCHLATTER et al., 2009, p. 4).

Diferentes políticas linguísticas vêm sendo implementadas no Brasil, e o Exame Celpe-Bras contribui para o crescimento da área de Português como Língua Adicional nesse cenário. Isso é evidenciado na crescente integração dos países do Mercosul e, mais

(5)

recentemente, na inclusão do PLA no programa do governo federal Idiomas Sem

Fronteiras, que foi instituído em 14 de Novembro de 2014, sob a Portaria N° 973. A

portaria apresenta como um dos objetivos do programa “fortalecer o ensino de idiomas no país, incluindo o da língua portuguesa, e, no exterior, o da língua portuguesa e da cultura brasileira”.

2.2 O material relativo ao Celpe-Bras disponível na internet até 2014

O material sobre o Exame Celpe-Bras disponível na internet para acesso público até o início de nosso projeto de pesquisa, em agosto de 2013, estava disperso em diferentes portais do MEC e do Inep. Na página do MEC, é possível ter acesso a um caderno de questões da Parte Escrita do Exame aplicado em abril de 2007, um Manual do Candidato, publicado em 2006, e mais algumas portarias e editais de resultados. Já na página atual do Exame no Inep, é possível acessar um Manual do Examinando – Versão Eletrônica Simplificada, de 2012, um Guia do Participante, de 2013, e portarias e editais desde 2010. A existência de um acervo completo do Celpe-Bras, reunido apenas em um local da internet, organizado e disponível para consulta pública, era um desejo antigo de pesquisadores acadêmicos da área, professores de PLA e profissionais envolvidos na aplicação do Exame.

2.3 Objetivos do Projeto de Pesquisa

O projeto de pesquisa “Resgatando a história do exame Celpe-Bras: desenvolvimento e análise de um banco de dados reunindo documentos públicos, provas aplicadas e estudos realizados sobre o Exame” teve por objetivo, primeiramente, suprir a inexistência de um banco de dados do Exame. A partir da publicação do acervo, foi objetivo do projeto também analisar os materiais do acervo a fim de verificar os conceitos teórico-metodológicos expressos nos documentos e o construto teórico subjacente às provas.

3 Metodologia

A construção do acervo Exame Celpe-Bras foi iniciada estabelecendo contato com funcionários responsáveis pelo Celpe-Bras no MEC e no Inep, com membros atuais e

(6)

anteriores da Comissão Técnico-Científica do Exame e também com coordenadores dos Postos Aplicadores credenciados a fim de resgatar os materiais utilizados nas provas já aplicadas. Trabalhamos, principalmente, com materiais provenientes dos acervos pessoais das professoras Margarete Schlatter (UFRGS) e Matilde Scaramucci (Unicamp), ambas membros integrantes da primeira Comissão Técnico-Científica do Exame.

Para a compilação da legislação referente ao Exame, foi realizada busca nos Diários Oficiais da União desde o ano de 1993. Para a compilação de estudos acadêmicos realizados a partir do Exame, por sua vez, foi realizada busca em sistemas de informação de bibliotecas de universidades brasileiras.

Após a compilação do material, foi realizada a edição e digitalização com programas específicos para cada mídia: áudio, vídeo e texto. Finalmente, foi desenvolvida uma página online dentro do domínio da UFRGS para upload e disponibilização pública do acervo, lançado no dia 19 de setembro de 2014.

4 Resultados

Os resultados da construção do acervo Celpe-Bras se referem à quantificação de materiais relativos ao Exame que foram disponibilizados, resgatando a história do Celpe-Bras e tornando-a pública com o lançamento do site e das análises realizadas a partir dele.

O site é de acesso fácil e rápido, e os arquivos estão disponíveis para visualização ou download. Na Página Inicial, é apresentado o projeto, com as boas-vindas e os agradecimentos, além dos nomes dos órgãos responsáveis pela realização do acervo. Na segunda aba, Um Pouco de História, é possível ler o artigo Celpe-Bras; avaliação, ensino

e formação de professores de português como língua adicional, de autoria de Margarete

Schlatter, que conta brevemente a trajetória do Exame. Na terceira aba, Acervo, está disponibilizado o material compilado das provas já aplicadas do Celpe-Bras desde sua primeira aplicação em 1998. Em Manuais é possível encontrar manuais, guias e relatórios publicados do Exame. A quinta aba, Pesquisas, é a seção na qual estão compilados os trabalhos acadêmicos realizados sobre o Exame. Na aba Estatísticas, é possível encontrar algumas estatísticas sobre o Celpe-Bras descritas na terceira seção deste trabalho. Na penúltima aba, Legislação, estão disponibilizadas Portarias, Editais, Despachos do Ministro, Despachos do Reitor, Resoluções e Afastamentos relacionados ao Exame desde 1993. Finalmente, na última aba, Contato, é possível conhecer a equipe responsável pela

(7)

construção do acervo e o link para o site de inscrições do Exame Celpe-Bras. Abaixo, a visualização da página inicial do site com as abas descritas:

Figura 3: Página Inicial do acervo Celpe-Bras

Disponível no endereço www.ufrgs.br/acervocelpebras

4.1 Acervo Celpe-Bras

O acervo do Exame foi disponibilizado na página www.ufrgs.br/acervocelpebras e já apresenta mais de 67 mil acessos desde 122 diferentes países do mundo até a data de envio desta publicação6, segundo dados do programa de contagem de acessos Google Analytics.

No portal, estão disponíveis todos os cadernos de questões da Parte Escrita do Exame já aplicados, totalizando 35; 34 vídeos e 29 áudios utilizados na Parte Escrita7; 30 conjuntos de Elementos Provocadores e Roteiros de Interação Face a Face da Parte Oral; 7 Manuais do Candidato; 7 Manuais do Aplicador da Parte Escrita e 3 da Parte Oral; 52 trabalhos acadêmicos realizados a partir do exame; além de legislações referentes ao Celpe-Bras de 1993 até o ano atual.

6

Dezembro de 2015.

7

O material de áudio e vídeo ainda não está completo no site devido ao tipo de mídia utilizado nas primeiras aplicações do Exame. Algumas fitas magnéticas de gravação de áudio e vídeo (fita cassete e videocassete VHS) sofreram grande influência do tempo, impossibilitando sua reprodução. Seguimos trabalhando na recuperação desse material a fim de disponibilizá-lo no acervo.

(8)

4.2 Estatísticas

No decorrer do desenvolvimento do trabalho de construção do acervo, foram percebidas mudanças ocorridas no Exame ao longo do tempo. Essas mudanças foram sistematizadas e são apresentadas na aba “Estatísticas” na página do acervo. A seguir, apresentamos resumidamente cada uma das estatísticas realizadas:

4.2.1 Mudanças no Caderno de Questões

Nas primeiras edições do Exame, os textos-base das tarefas III e IV da Parte Escrita eram editados. Na primeira aplicação de 1999, por exemplo, partes do texto da Tarefa III foram suprimidas com o propósito de serem preenchidas pelo examinado, que deveria responder ao enunciado da tarefa preenchendo o quadro em branco que originalmente era apresentado pela reportagem.

Na segunda edição de 2000, foi utilizado o único texto não autêntico8 da história do Exame como um dos textos-base da Tarefa III. O texto simulava uma mensagem eletrônica de um amigo estrangeiro no Brasil ao qual o examinando deveria responder com outra mensagem eletrônica dando sua opinião sobre a programação de passeio turístico na cidade do Rio de Janeiro.

A partir de 2001, os textos-base das Tarefas III e IV são apresentados sempre na íntegra, apenas adaptados para a formatação do exame. A partir de 2008, eles passam a ser apresentados na mesma página do enunciado da tarefa, como se mantém até hoje.

Em relação às Tarefas I e II, o formato inicial do exame, em 1998, apresentava a Tarefa I como tarefa de áudio e a Tarefa II como tarefa de vídeo. A partir da segunda aplicação de 2004, as tarefas foram invertidas, passando a ser a Tarefa I a tarefa de vídeo e a Tarefa II a tarefa de áudio.

4.2.2 Mudanças no Caderno de Respostas

No início, o caderno de respostas do Celpe-Bras era adaptado para cada tarefa. A Tarefa III da segunda aplicação do Exame de 1999, por exemplo, apresentava um quadro de Argumentos Favoráveis e outro quadro de Argumentos Contrários para ser preenchido pelo

8 Considera-se um texto não autêntico aquele que não foi escrito com outro propósito social diferente de ser utilizado na avaliação dos examinandos do Exame Celpe-Bras.

(9)

examinando, que extrairia os argumentos do texto-base da tarefa. Às vezes, a folha de respostas era adaptada ao gênero do discurso solicitado pela tarefa, como na segunda aplicação do ano de 2002, em que a Tarefa II solicitava que o examinando escrevesse uma mensagem eletrônica para um amigo e o Caderno de Respostas apresentava o formato de e-mail para ser preenchido.

Na segunda aplicação do ano de 2010, o Exame apresentou o último quadro para resposta na Tarefa IV, na qual o examinando deveria responder a perguntas de uma pesquisa de opinião e justificar as respostas. Desde 2011, o caderno de respostas da Parte Escrita do Exame foi padronizado e apresenta 30 linhas para todas as tarefas.

4.2.3 Mudanças no tempo de duração da Parte Escrita

O Exame Celpe-Bras teve sua primeira aplicação oficial em 1998, sendo permitidas no máximo 2 horas para a realização da Prova Escrita. Eram estipulados 45 minutos para as tarefas de áudio e vídeo (Tarefas I e II) e 1 hora e 15 minutos para as tarefas de leitura (Tarefas III e IV).

Na segunda edição do ano de 1999, a divisão do tempo fica mais detalhada e são estabelecidos 15 minutos para a tarefa de áudio e 30 minutos para a tarefa de vídeo. O restante do tempo continua sendo dividido para as Tarefas III e IV.

Em 2004-2, o tempo total para a realização da Parte Escrita aumenta para 2 horas e 30 minutos, sendo indicado na capa da prova que 45 minutos são para o áudio e vídeo e 1 hora e 45 minutos para as tarefas de leitura. Porém, na página de instruções da prova, a divisão é apresentada diferentemente: 25 minutos para o vídeo, 25 minutos para o áudio e 1 hora e 40 minutos para as Tarefas III e IV. O mesmo ocorre na primeira aplicação do ano seguinte, 2005-1. Finalmente, em 2005-2, a capa concorda com a divisão interna das instruções, estipulando 50 minutos para áudio e vídeo e 1 hora e 40 minutos para leitura.

Já em 2011-2, o tempo total de duração da Parte Escrita aumenta para 3 horas, sendo 30 minutos destinados para a Tarefa I (vídeo) e 2 horas e 30 minutos paras as Tarefas II (áudio), III e IV (leitura).

4.2.4 Mudanças no layout da capa do Caderno de Questões da Parte Escrita

Analisamos a evolução do layout das capas da Parte Escrita do Exame, que passou por cinco grandes mudanças desde a criação do primeiro design. Essas mudanças são

(10)

apresentadas abaixo:

Figure 4: Exemplo de capas que representam as cinco grandes mudanças de layout do Caderno de Questões da Parte Escrita do Celpe-Bras.

A primeira versão de capa do Caderno de Questões da Parte Escrita do Exame trazia em um fundo cinza o logotipo com o contorno geográfico do Brasil nas cores verde e amarela sob o nome Celpe-Bras, em azul. Além disso, apresentava em fontes pretas o nome do Ministério da Educação e do Desporto, da Secretaria de Educação Superior e o nome do exame, Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros. Abaixo, indicava ainda que se tratava da Parte Coletiva do Exame de Proficiência em Língua Portuguesa com a data de aplicação e o tempo de prova.

Os layouts de 2003 a 2007 mostram o mapa do mundo com o Brasil no centro. As cores de fundo da capa e algumas fontes variaram a cada edição, mas em geral a fonte é branca e não mais preta. O logotipo inicial é substituído pelo logotipo que permanece até hoje, que segundo Diniz (2014, p. 26) “remete à bandeira do Brasil, pela presença do semilosango e do semicírculo interno, bem como pelas cores azul, amarela e verde”. Nessas edições, já não aparecem os nomes dos órgãos do governo, porém o nome completo do Exame tem mais enfoque, e é indicado, além de Parte Coletiva, o nome Caderno de Questões, com a data de aplicação e o tempo de prova.

A terceira grande mudança ocorreu na segunda edição de 2007, quando o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (CESPE) da Universidade de Brasília se tornou responsável pela aplicação do Exame. O fundo da capa do Caderno de Questões passou a ser mais claro, variando de branco a cinza, e o mapa do mundo passa a ser pequeno e não traz grande enfoque ao Brasil além do contorno geográfico. As cores de fontes variam entre azul, verde, marrom e preto. Além do logotipo do Exame, a capa do Caderno de Questões apresenta também do logotipo do CESPE.

(11)

A responsabilidade pela aplicação do Celpe-Bras passa do MEC para o Inep na segunda edição de 2009, e a capa do Caderno de Questões reflete bem essa mudança. As cores de fundo da capa do Caderno de Questões dessa edição são bem fortes, variando entre vermelho, laranja e amarelo. Em destaque, aparece o contorno físico de várias pessoas em cores igualmente fortes, abaixo do nome completo do Exame em fontes brancas. Continuam aparecendo as seguintes informações: Parte Coletiva, Caderno de Questões, data de aplicação e tempo de prova. No canto inferior direito, encontram-se os logotipos do Celpe-Bras, do Inep, do MEC e do Governo Federal.

A última grande mudança na capa do Caderno de Questões acontece a partir de 2010, quando o uso das cores verde, amarelo e azul se torna padrão para o layout da capa, onde aparecem formas geométricas que alteram essas três cores. O estilo da fonte passa a ser sempre o mesmo, e as cores variam entre branco e preto. Os quatro logotipos continuam aparecendo, exceto nas edições de 2010-2, 2011-1 e 2014-2, nas quais o logotipo do governo federal é suprimido. As informações constantes na capa continuam as mesmas até 2011-1. A partir dessa edição, o tempo total de duração da prova já não aparece mais nas capas dos Cadernos de Questões da Parte Escrita do Exame, que era chamada de Parte Coletiva até 2010-2, mas passa a ser chamada de Parte Escrita a partir de 2011-2.

4.2.5 Mudanças nos Elementos Provocadores da Parte Oral

Nas primeiras aplicações do Exame, os Elementos Provocadores da Parte Oral tinham títulos para os materiais apresentados, como “A moça de biquíni”, de 1999-2, que apresentava uma foto de uma jovem de biquíni na beira da praia sendo observada por três senhoras vestidas com roupas de inverno. Em 2001, não aparece nenhum título nos Elementos Provocadores, e em 2002-2, alguns apresentam títulos enquanto outros não.

A partir de 2003-2, os Elementos Provocadores passam a ser numerados e não apresentam mais o nome “Elemento Provocador” nem títulos. A partir de 2005-2 o novo logotipo do Exame aparece, porém ainda em preto e branco. Na edição de 2006-1, os Elementos Provocadores são chamados de “Fichas” e, em 2006-2, de “Textos”, porém, já em 2007, eles voltam a ser chamados de “Elementos Provocadores”. A partir de 2006-2, a data de aplicação passa a constar abaixo do logotipo do Exame, que ganha cor a partir da edição de 2007-2, quando aparece também o logotipo do CESPE.

Já sob responsabilidade do Inep, a partir de 2009-2 os Elementos Provocadores ganham os logotipos do Inep, do Ministério da Educação e do Governo Federal. Esse último,

(12)

contudo, deixa de aparecer a partir de 2010-2, como é possível ver na figura abaixo: Figure 5: Exemplo de Elementos Provocadores que mostram as mudanças mencionadas acima.

5 Conclusão

A disponibilização pública online do acervo desenvolvido por nosso projeto de pesquisa resgata a história do Exame Celpe-Bras, auxilia professores e alunos de Português como Língua Adicional e facilita estudos acadêmicos mais amplos sobre o Exame, visto que viabiliza a consulta à história e aos materiais autênticos do Celpe-Bras por parte de pesquisadores que podem utilizar o acervo como corpus de pesquisas, contribuindo para o contínuo aperfeiçoamento do Exame.

O acervo disponível também pode auxiliar na capacitação de examinadores do Exame, já que possibilita a utilização de materiais autênticos em cursos de capacitação e permite que os futuros examinadores conheçam melhor o construto do Exame ao acessar a legislação, os manuais e os estudos acadêmicos disponibilizados no site.

O acevo público do Exame Celpe-Bras constituiu o corpus que tornou possíveis a descrição e a análise das 136 tarefas da Parte Escrita do Exame aplicadas entre 1998 e 2014, segunda etapa do projeto de pesquisa (NAGASAWA; SIRIANNI, 2015), que por sua vez possibilitaram conferir a proposta de natureza comunicativa do exame, que propõe tarefas que se assemelham a situações da vida real com diferentes usos sociais da língua, compondo, assim, um repertório único de multiplicidade de gêneros discursivos que variam conforme os propósitos comunicativos e os interlocutores envolvidos no contexto de comunicação. Esta compreensão do uso dos gêneros do discurso para aferir a proficiência em língua portuguesa

(13)

pelo Exame Celpe-Bras é de imprescindível importância para refletir sobre o ensino e o processo de produção de material didático com vistas à preparação de examinandos (NAGASAWA, 2015).

Acreditamos, a partir do exposto, que o acervo de provas e documentos públicos do Celpe-Bras colabore para que o Exame siga aumentado seu potencial de impacto nas políticas linguísticas relativas ao Português como Língua Adicional, contribuindo para que o Celpe-Bras siga sendo um instrumento de divulgação e promoção da Língua Portuguesa e da cultura brasileira.

ANALYSES AND STATISTICS ON CELPE-BRAS DATABASE’S DEVELOPMENT AND ONLINE AVAILABILITY

Abstract

The Celpe-Bras test is the only officially accept exam that certificates proficiency in Portuguese as an Additional Language in Brazil. This work reports the development and the online availability of the Celpe-Bras database and the subsequent analysis of the compiled material. After the construction of the database, which is available at www.ufrgs.br/acervocelpebras, we performed statistical analyzes about the tests and public documents. This study contributes to the field of Portuguese as an Additional Language, since the database allows a wide-ranging of academic studies, influencing the impact potential of Celpe-Bras on language policies and its washback in education, in addition to produce subsidies for didactic material development that considers discourse genres as opportunities to learn about language and ways to participate in social practices through Portuguese reading and writing.

Keywords: Celpe-Bras. Portuguese as an Additional Language. Proficiency Test.

Referências

ACERVO CELPE-BRAS. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras.

BRASIL. Manual do candidato do Exame Celpe-Bras. Brasília, Secretaria de Educação Superior (SESu), MEC, 2006.

DINIZ, L. R. A. Políticas uni/bi/multilaterais de certificação de proficiência em português: uma análise do certificado de proficiência em língua portuguesa para estrangeiros (Celpe-Bras). In: DELL’ISOLA, Regina Lúcia Péret (Org.). O exame de proficiência Celpe-Bras

em foco. Campinas: Pontes Editores, p. 15-36, 2014.

INEP. Postos Aplicadores Credenciados para aplicação do Celpe-Bras. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/outras_acoes/celpe_bras/postos_aplicadores/2014/pos

tos_aplicadores_31072014.pdf> Acesso em: 05 dez. 2015.

NAGASAWA, E. Y. Proposta de sequência didática de Leitura e Produção Textual em aulas de Português como Língua Adicional para preparação ao Exame Celpe-Bras. In: Revista Bem

(14)

NAGASAWA, E. Y; SIRIANNI, G. R. Os gêneros do discurso na avaliação de proficiência

em português como língua adicional no exame CELPE-BRAS. Trabalho apresentado como

pôster no Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, Universidade de São Paulo, 2015.

SCHLATTER, M.; SCARAMUCCI, M. V. R., PRATI, S., ACUÑA, L. Celpe-Bras e Celu: impactos da construção de parâmetros comuns de avaliação de proficiência em português e em espanhol. In: FONTANA, Mónica Zoppi. (Org.) O português do Brasil como língua

transnacional. Campinas: RG, p.95-122, 2009.

SCHOFFEN, J. R. Gêneros do discurso e parâmetros de avaliação de proficiência em

português como língua estrangeira no exame Celpe-Bras. Tese de Doutorado em Letras.

Imagem

Referências

temas relacionados :