PARTO ATIVO: UMA COLETÂNEA DE RELATOS

Texto

(1)

PARTO ATIVO: UMA COLETÂNEA DE RELATOS

Parto do Princípioé uma Rede de mulheres que se uniram pelos mais diversos motivos, todos eles convergindo para o desejo de difundir informação e apoio, para que mais e mais mulheres possam vivenciar um evento que talvez seja o mais intenso que uma mulher pode experimentar: o parto de seu filho.

Apesar de milhares de mulheres brasileiras darem à luz todos os dias, a Parto do Princípio entende que, notadamente nas grandes Capitais, perderam-se ao longo do tempo as noções do parto como um momento de intensidade, concentração, beleza e prazer. A arte e a história de antigas civilizações, e mesmo de civilizações

contemporâneas isoladas da cultura ocidental, nos mostram o quanto a fertilidade e o ato de parir já foram considerados atos sagrados, símbolos de criação, prazer e amor.

Dentre os diversos projetos de atuação da nossa Rede, está a elaboração e publicação do livro que por ora intitulamos Parto Ativo: Uma Coletânea de Relatos. São relatos verdadeiros, escritos por mulheres que vivenciaram o parto de forma ativa – ou seja, foram as protagonistas. São partos em que a intervenção médica só ocorreu quando necessária, demonstrando inclusive o quão

excepcionais são tais intervenções quando há respeito e conhecimento do processo fisiológico do parto.

Os relatos falam por si só, levando-nos a compreender e visualizar todo o processo de trabalho de parto. É freqüente a menção a outros relatos lidos por essas mulheres anteriormente a seus partos, muitas vezes referências mais determinantes para lidar com todo o processo do que informações que elas obtiveram por outras fontes. Além disso, são extremamente ricas em emoções, inspirando o leitor ao mesmo tempo em que informa – uma forma de educar com prazer.

(2)

DADOS DO PROJETO

Conteúdo

Relatos de parto de mulheres da nossa Rede ou simpatizantes que nos ofereceram suas histórias como inspiração para outras mulheres. São exemplos da realidade brasileira do parto. Os relatos incluem:

• O caminho que elas percorreram até escolherem como queriam dar à luz a seus filhos

• Informações que lhes foram necessárias e fontes de inspiração.

• As incertezas, os medos e as reviravoltas da hora “P”.

• Os resultados... seus bebês em seus braços.

Fotos ilustrativas e textos inspiradores sobre parto intercalam-se aos relatos.

Quem lê

Mulheres gestantes ou não que sentem-se atraídas por histórias de empoderamento onde as protagonistas aprenderam a usar suas forças para estreiarem num dos papéis mais importantes femininos:

o de mãe.

Mulheres empoderadas que usam os relatos de inspiração para enfrentarem os momentos mais desfiadores de suas vidas.

Mulheres e homens que querem conhecer os diversos caminhos existentes para vivenciarem a fase de gestação e parto de maneira consciente.

Educadores, obstetars e profissionais da saúde de modo geral que optam por conhecer e ouvir a voz da “mulher gestante”.

(3)

Custo

Opção 1– Livro de relatos (texto corrido) editado com 144 páginas em papel pólen rustic 85g, tamanho fechado 14x21 cm, impressão de miolo em uma cor, capa 4 cores em papel supremo 250g, tiragem 2000 exemplares

Custo final R$ 17.700,00

Opção 2– Livro de relatos (versão luxo) editado com 112 páginas em papel couché fosco 115g, tamanho fechado 15x15 cm, impressão de miolo a 4 cores, capa dura 4 cores, tiragem 2000 exemplares

Custo final R$ 32.100,00

Nesses custos estão calculados a coordenação geral, edição de arte pertinente ao projeto, edição de textos, editoração eletrônica, revisão dos textos e uso/adequação das fotos enviadas pelas autoras dos relatos.

OBJETIVO

Como objetivo final, o projeto usa de conteúdo próprio para arre- cadar recursos para a Rede e ao mesmo tempo familiarizar o público em geral com o processo do Parto Ativo, o protagonismo da mulher e o resultado mais “humanizado” que um nascimento pode assumir.

A seguir, alguns trechos de relatos de parto

“Então, a cada relato legal que eu lia, também ia me dando vontade e curiosidade de passar por um parto diferente; queria ver até onde os meus limites iriam e o que era o tão bem almejado Parto Natural!”

Relato de parto de Danielle Balassiano Ptak - Nascimento do Felipe

(4)

“De repente ouvi meu marido falando “Tô vendo a cabecinha!”.

A Ana Cris pegou o espelho e me mostrou... Pronto! Meu mundo mudou... NÃO TINHA MAIS DOR!!!! Me concentrei em sentir o resto do corpinho sair... os pezinhos... e a vi! Inteirinha nas mãos da parteira, roxa, ensaguentada, mas linda!!!!!”

Relato de parto de Vanessa Strauss - Nascimento de Heloisa

“Só agora posso entender o real significado de protagonizar o parto. É uma experiência totalmente diferente, única e sublime.”

Relato de Parto de Marina Maria - Nascimento da Ana Catarina

“Mas partos não se fazem só de boa vontade, precisa ter um algo mais. É preciso acreditar na mulher e na natureza.”

Relato de parto de Patrícia Merlin - Nascimento do Pedro

“Era muito bom, sinceramente dava até gosto sentir as

contrações e saber que a Maria Clara estava bem perto de chegar.”

“Algumas vezes a contração vinha tão forte que eu fechava os olhos e dizia “não, não, não...”. E a Ingrid falava: “Não Edwiges, é SIM!” Aí eu trocava para “Sim, sim, sim...” hehehehe”

“Foi um momento mágico onde é difícil traduzir a experiência maravilhosa do parto normal e como é enriquecedor vivê-lo, como fortalece e como nos leva lá no fundo da nossa essência feminina.”

Relato de parto de Edwiges Figueiredo - Nascimento da Maria Clara

“De repente senti aquela força pra começar a empurrar, ainda estava deitada de lado, "saí da partolândia e desci para Terra" senti uma movimentação pelo quarto, os médicos ajeitando as coisas.

Percebi que estava começando a acabar.”

Relato de Parto de Mariana Betioli- Nascimento da André

(5)

“Na hora das contrações era muito reconfortante olhar para pessoas tão queridas que estavam ali me dando força, o Gu que tinha uma ligação de olhar que anestesiava a alma, a minha irmã com um olhar tão sereno, e a Ana Cris com aquele olhar tão confiante, de quem diz vamos lá que parir é sua vocação!”

Relato de parto de Relze Fernandes - Nascimento do Pedro

“Olhei para minha filha, uma menina nascida com a força da natureza, minha cura, que será um dia mulher e passará pela maravilhosa experiência de parir um filho. Assim como eu, minha mãe e minha avó parimos. Como todas as mulheres antes de nós fizeram. Um ciclo se fechou e recomeçou hoje com o nascimento da Lis, nome que significa lírio, ao amanhecer, no início da primavera.”

Relato de parto de Ana Paula Caldas - Nascimento da Lis

“Era a natureza brincando comigo novamente, mostrando que não há regras, não existe um modelo. Cada parto é um parto. É por isso que tantas mulheres são violentadas com cesáreas, porque se espera um padrão, não acreditam no parto, acreditam em números.

Mas como querer que o Divino encaixe-se num padrão? É um capricho humano idiota querer controlar a natureza.”

Relato de parto de Débora Regina - Nascimento do João Felipe

“Se não estivesse em casa rodeada de mulheres, sem medo de gritar e fazer força, sem medo de que alguém fosse sugerir uma cesárea, sabendo que todos ali acreditam na minha capacidade de dar à luz, não teria sido tão bom. Se não fosse pela minha cunhada, que sempre acreditou em parto em casa, não teria sido tão fácil para eu tomar esse caminho. Se não fosse pelo meu marido

acreditar infinitamente em mim, não teria sido tão gratificante. E se não fosse Deus sorrir para todos nós aquele dia, não teríamos sido tão felizes.”

Relato de parto de Analy Uriarte - Nascimento da Bruna

(6)

“… a dra. Andréa foi se posicionar, e eu a vi abrindo um sorriso pro Dr. Jorge e dizer: "Ele tá aqui, o bebê desceu!" Ninguém acreditou! Dr.Jorge mandou fazer força. Fiz duas vezes, a Dra.

Andréa falou: “Espera um pouco, não faz força agora.” Então ouvi o Teo chorar. Ele nasceu assim, façinho. Dr. Jorge mandou colocar sobre meu colo, ele parou de chorar na hora, foi muito emocionante mesmo! Eu tinha conseguido. Não acreditei.”

Meire Shiraishi - Nascimento do Teo

“... quando entrei no raio do centro obstétrico a chata da

enfermeira quis fazer o exame de toque e a cada grito de contração que eu dava, me debruçando no chão (ficar de 4 era a única

posição que eu tolerava), ela me olhava com aquela cara de: “Ai, coitada, pra que tanto sofrimento?” Bom, fez a p*rra do toque e constatou que eu estava com 5 cm... eu pensei: “Só isso depois de tanta dor?” Eram umas oito da noite, que prometia ser longa... Aí ela começou com aquelas perguntas intermináveis para a

internação, “Ai que ódio! Eu queria matá-la, jogá-la na Av Paulista, mandá-la tomar no c*, que eu queria ficar sozinha com a minha dor e ter meu filho...”

... “A partir daí só piorou, eu não conseguia pensar em nada, só sentia a dor, gritava: “Cadê o Rô, eu quero o Rôôôôôôôôôôôôôôô!

Merda de internação! Eu quero eleeeeeeeeeeeeee...”

... “Juro que queria ser como aquelas que entram dentro de si mesmas, que controlam respiração para evitar dor, mas eu não pensava, não vou mentir, a única coisa que eu fazia era gritar e gritar e gritar…”

Relato de Parto da Andrea Carvalho - Nascimento do Ian

Imagem

Referências

temas relacionados :