Coleção da Filmoteca Ultramarina Portuguesa

79 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

Sandra Liliana Rothemberger de Jesus Lopes

Licenciada em Conservação e Restauro

Metodologias de tratamento em

Microfilmes de Acetato de Celulose

Coleção da Filmoteca Ultramarina Portuguesa

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Conservação e Restauro

Orientadora: Maria

da

Conceição

Casanova,

Professora

Doutora, Faculdade de Ciências e Tecnologia,

Universidade Nova de Lisboa.

Co-orientadora: Ana Ramos, Professora Doutora, Faculdade de

Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de

Lisboa.

Joana Silva, Dr.ª, Faculdade de Ciências e

Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa.

Júri:

Presidente: Prof. Doutora Maria João Seixas Melo Arguente: Prof. Doutor António Jorge Dias Parola Vogal: Prof. Doutora Maria da Conceição Casanova

(2)
(3)

iii

Metodologias de tratamento em Microfilmes de Acetatos de Celulose

Coleção da Filmoteca Ultramarina Portuguesa

Copyright © Sandra Liliana Rothemberger de Jesus Lopes, Faculdade de Ciências e Tecnologia,

Universidade Nova de Lisboa

A Faculdade de Ciências e Tecnologia e a Universidade Nova de Lisboa têm o direito, perpétuo e

sem limites geográficos, de arquivar e publicar esta dissertação através de exemplares

impressos reproduzidos em papel ou de forma digital, ou por qualquer outro meio conhecido

ou que venha a ser inventado, e de a divulgar através de repositórios científicos e de admitir a

sua cópia e distribuição com objetivos educacionais ou de investigação, não comerciais, desde

(4)
(5)

v

Agradecimentos

A realização desta Dissertação de Mestrado corresponde à finalização de um patamar

desta jornada académica, o qual na sua elaboração contou com o precioso auxílio de várias

pessoas, tanto a nível académico como a nível pessoal. Desta forma gostaria de agradecer

profundamente a todos aqueles que tornam este trabalho possível.

Em primeiro lugar gostaria de agradecer à Professora Doutora Conceição Casanova e à

Professora Doutora Ana Ramos, pela orientação ao longo do trabalho e pela partilha de

conhecimentos.

Também tenho a agradecer à Dr.ª Joana Silva, pela constante disponibilidade e pelo

apoio em todas as etapas deste trabalho.

Esta investigação não seria possível se não fosse pela Doutora Ana Cannas,

coordenadora do Arquivo Histórico Ultramarino, a quem agradeço pela possibilidade de

utilização dos meios do Arquivo para o estudo desta coleção.

Agradeço também ao Doutor José Carlos Rodrigues do Instituto de Investigação de

Cientifica Tropical pela análise de amostras por Cromatografia Gasosa de Pirólise.

Agradeço à Professora Doutora Maria João Melo, pela ajuda na realização e análise por

Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier.

À Dr.ª Catarina Mateus da Área de Conservação e Restauro do IICT, com especialidade

em Fotografia, que sempre mostrou disponibilidade para me ajudar e por quem tenho uma

enorme admiração.

Quero agradecer também à Dr.ª Élia Roldão, pelo apoio e disponibilidade, sendo um

trabalho solitário foi uma grande ajuda no sedimento de ideias e problemas que foram surgindo

durante o desenvolvimento do trabalho.

Aos meus familiares, mãe, pai e irmã pela compreensão, paciência e incentivo

transmitido durante todo o percurso da dissertação.

A todos os meus colegas de curso e amigos, pelo seu apoio e pela partilha de

conhecimentos e de experiências, especialmente à Joana Silva, Margarida Manarte e ao

Emanuel Santos.

E em especial à Cátia Nunes, Sílvia Fernandes, Marta Ramalho, Inês Galrão, pela força

transmitida nos momentos mais complicados, por estarem sempre presentes e acima de tudo

(6)
(7)

vii

Abstract

This dissertation is part of the Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina

Portuguesa (DigiT FUP) project, which includes the processing and scanning of a collection of

35mm microfilms in CA. The collection consists of more than half a million exposures (511.397)

of various trademarks. From this set, the Perutz trademark, is considered to bear the worst

state of preservation. It contains items considered irrecoverable, because of its total curling, unusual behavior related to the CA film’s deterioration. Therefore, this is our case study and the

main priority is to recover the information contained in the microfilm since the original

collections, on paper, are in poor condition or unavailable.

Due to an atypical decay, one of the key steps is to understand the material, with recourse to

optical microscopy for analysis of the stratigraphy and for chemical analysis by μ-Fourier

transform infrared spectroscopy and a measurement of the acidity with A-D STRIPS® and pH

surface potentiometry (plane and micro electrodes).

With the microfilms, apparently impossible to unwind, were tested and compared different

conservation treatments traditionally applied in this area like humidification and stripping which

were considered inadequate to the present deterioration and it was necessary to explore other

related photography areas, to be able to find a proven solution. The solution would be in the

field of cinema, by using the deshrinking treatment, which enabled the recovering of the image

allowing its computerization and addition into a database, with the unexpected benefit of

obtaining a permanent planning object. The 3D scanning image capture and computer

modelling was also applied to some microfilms until now without results. Thus, deshrinking

showed to be most effective, allowing a treatment likely to be expected and apparently more

definitive in time, instead of temporary and reversible flattening.

Keywords: DigiT FUP, cellulose acetate, microfilms conservation, Perutz, deshrinking.

Publications

Guest speaker at a Meeting, about Treatment of Photography and Film in Cellulose Acetate under the project Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa – DigiT FUP

Imagem Digital na dupla função de transferência de suporte e restauro documental, with

Metodologis de tratamento de microfilmes em Acetato de Celulose – caso de estudo da

Filmoteca Ultramarina Portuguesa, at Arquivo Histórico Ultramarino, Lisbon held on 15

(8)

viii Guest speaker at Workshop, Treatment of Photography and Film in Cellulose Acetate under the

project Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa – DigiT FUP Imagem

Digital na dupla função de transferência de suporte e restauro documental, with A técnica de

relaxamento de películas de 35mm - Deshrinking at Arquivo Histórico Ultramarino, Lisbon held

(9)

ix

Resumo

A presente dissertação, integra-se no projeto ‘Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa’, que inclui o tratamento e digitalização de uma coleção de microfilmes

em películas de 35 mm em AC. A coleção é composta por mais de meio milhão de exposições

(511.397) de variadas marcas comerciais. Deste conjunto, os negativos da marca Perutz são a

parte considerada em pior estado de preservação, contendo itens considerados irrecuperáveis,

devido ao seu total encurvamento e enrolamento, comportamento incomum relacionado com a

deterioração do AC. Portanto, este conjunto constitui o nosso objeto de estudo, prioritário a

recuperar a informação contida nestes microfilmes, pois as coleções originais, em papel, estão

inacessíveis e em mau estado de conservação.

Devido a uma deterioração atípica, uma das etapas principais é compreender o material,

tendo-se recorrido à MO, para análitendo-se da estratigrafia, à µ-FTIR e à medição da acidez com as A-D

STRIPS® e dois métodos de potenciometria de pH (com a utilização de dois tipos de elétrodo,

superfície plana e microelétrodo).

Nos microfilmes aparentemente impossíveis de desenrolar, foram ensaiados e comparados

neste estudo, diferentes tratamentos de C&R tradicionalmente aplicados nesta área,

designadamente humidificação e transferência de emulsão, os quais se revelaram inadequados

para as deteriorações em presença. Foi assim necessário recorrer a outras áreas afins da

fotografia, para poder encontrar uma solução já testada com sucesso, a qual estaria na área do

cinema, com o tratamento deshrinking que permitiu a recuperação da imagem possibilitando a

sua informatização e colocação em base de dados, com o benefício inesperado de uma

planificação permanente do objeto. Recorreu-se também à área da digitalização 3D e

modulação computacional, mas sem resultados até a data. Assim, o tratamento deshrinking

mostrou-se o mais eficaz sendo aprimorado, tendo-se passado de uma simples ação pontual e

reversível de planificação para uma mais definitiva.

Palavras-chave: DigiT FUP, acetato de celulose, conservação de microfilmes, Perutz, deshrinking

Divulgação do Trabalho

Oradora convidada para um Encontro sobre Tratamento de Fotografia e Filmes em Acetato de

(10)

x estudo da Filmoteca Ultramarina Portuguesa, no Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa,

realizado a 15 de Dezembro de 2014.

Oradora convidada para o Workshop sobre Tratamento de Fotografia e Filmes em Acetato de

Celulose no âmbito do projeto Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa – DigiT FUP, Imagem Digital na dupla função de transferência de suporte e restauro documental, A técnica de relaxamento de películas de 35mm – Deshrinking, no Arquivo

(11)

xi

Índice

Agradecimentos ... v

Abstract ... vii

Resumo ... ix

Lista de figuras ... xiii

Lista de tabelas ... xvii

Lista de Abreviaturas, Siglas e Símbolos ... xix

Introdução ... 1

1. Enquadramento da coleção ... 1

2. Descrição da coleção ... 2

3. Contextualização histórica dos negativos em película ... 2

4. Negativos em Acetato de celulose ... 4

4.1. Caracterização ... 4

4.2. Produção... 4

4.3. Aditivos ... 5

4.4. Estratigrafia ... 5

4.5. Deterioração ... 6

Identificação material e métodos aplicados... 8

1. Caracterização material da coleção da FUP ... 8

2. Identificação preliminar ... 9

2.1. Testes de flutuação e de difenilamina ... 9

2.2. Microscopia ótica (MO) ... 9

2.3. Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier (µ-FTIR) ... 10

3. Avaliação do estado de preservação da coleção ... 11

3.1. Principais fenómenos de deterioração ... 11

3.2. Avaliação do estado de encurvamento ... 11

3.3. Avaliação da acidez das películas ... 12

4. Propostas de tratamento ... 13

4.1. Stripping... 14

4.2. Deshrinking ... 14

4.3. Outras metodologias de tratamento ... 15

4.4. Digitalização 3D ... 16

Discussão de resultados... 17

1. Identificação preliminar ... 17

2. Métodos de exame e análise ... 17

(12)

xii

2.2. Microscopia Ótica (MO) ... 17

2.3. Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier (µ-FTIR) ... 18

2.4. Avaliação do estado de preservação da coleção ... 21

2.5. Avaliação da acidez das películas ... 21

3. Proposta de tratamento ... 23

3.1. Stripping... 23

3.2. Deshrinking ... 23

3.3. Outras metodologias de tratamento ... 25

3.4. Outras abordagens: digitalização 3D ... 26

Conclusões ... 26

Bibliografia ... 28

Anexos ... 31

Anexo I – Descrição, armazenamento e acondicionamento da coleção FUP ... 31

Anexo II – Microscopia ótica (MO) ... 33

Anexo III - Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier (µ-FTIR) ... 35

Anexo IV – Cálculo do Grau de substituição ... 40

Anexo V – Descrição das deteriorações dos microfilmes Perutz ... 41

Anexo VI - Descrição fotográfica das deteriorações dos microfilmes Perutz ... 42

Anexo VII – Medição da acidez com as A-D STRIPS® ... 44

Anexo VIII – Medição da acidez com potenciómetro ... 44

Anexo IX – Stripping ... 48

Anexo X – Solventes ... 48

Anexo XI – Deshrinking – Tratamento de teste ... 49

Anexo XII – Deshrinking – Tratamento final ... 52

Anexo XIII – Tratamento Deshrinking – Resultado final ... 54

Anexo XIV – Outras metodologias de tratamento... 55

(13)

xiii

Lista de figuras

Figura 1 - Formação da cadeia de celulose pela união de unidades β-D-glucose, com a

representação das posições dos grupos hidroxilo. ... 4

Figura 2 - Esquema da obtenção do acetato de celulose a partir da acetilação da celulose. ... 5

Figura 3 - Estratigrafia típica de um negativo em acetato de celulose. ... 6

Figura 4 - Os diferentes estados de deterioração centrados no seu encurvamento, iniciando-se à esquerda com um microfilme de grau 1 – sem curvatura até ao grau 5 – totalmente encurvado. ... 12

Figura 5 - Estrutura do glicerol (C3H8O3). ... 15

Figura 6 - Insígnia identificativa do filme em AC – NONFLAM. ... 17

Figura I.1 - Microfilme da marca Perutz da coleção FUP (5 fotogramas). ... 31

Figura I. 2 - Imagem exemplificativa da documentação microfilmada seguida ao primeiro fotograma da coleção FUP. ... 31

Figura I. 3 - Imagem exemplificativa do primeiro fotograma de cada tira da coleção FUP, contendo informação sobre o arquivo e o teor da documentação microfilmada. ... 31

Figura I. 4 - Microfilme exemplificativo com uma bolsa de acondicionamento, presente em toda a coleção FUP. ... 31

Figura I. 5 - Armários de armazenamento da coleção FUP no depósito do AHU. ... 32

Figura I. 6 - Módulo de armazenamento dos negativos da coleção, dividida em 12 secções. ... 32

Figura I. 7 - Exemplo de um módulo dividido em 3 gavetas. ... 32

Figura I. 8 - Microfilmes da marca Perutz de diferentes modelos com a numeração 27 (em cima) e 23 (em baixo). ... 32

Figura I. 9 - Conjunto de microfilmes de uma secção, com diferentes encurvamentos. ... 32

Figura I. 10 - Vista de cima de uma gaveta, com o acondicionamento dos microfilmes Kodak, sem encurvamento. ... 32

Figura II. 1 - Microfilme da coleção FUP da marca Ferrania (negativo de cota 02-02-05_65) (esq.). ... 33

Figura II. 2 - Microfilme da coleção FUP da marca Kodak (negativo de cota 19-02-03_52)(dir.). 33 Figura II. 3 - Rolo da coleção FUP da marca comercial Agfa Film (esq.). ... 33

Figura II. 4 - Rolo da coleção FUP da marca Agfa Gevaert (dir.).. ... 33

(14)

xiv Figura II. 6 - Imagem estratigráfica, do negativo Perutz, capturadas por microscópio ótico com

luz ultravioleta - Filter set 2, à direita com ampliação de 10x (200μm) e à esquerda 20x (100 μm)

(1 – emulsão; 2 – suporte). ... 34

Figura III. 1 - Espectro de μ-FTIR da camada de emulsão de uma amostra do microfilme de encurvamento 3 (10-01-06_80)... 35

Figura III. 2 - Espectro de μ-FTIR da camada do suporte da amostra E do microfilme de encurvamento 3 (10-01-06_80). ... 36

Figura III. 3 - Espectro de μ-FTIR de amostras recolhidas do suporte do microfilme em Bom estado de preservação (09-03-12_150). ... 36

Figura III. 4 - Espectro de μ-FTIR das amostras (A,B,C,D e E) recolhidas do suporte, do microfilme com o grau de encurvamento 1 (10-02-09_47). ... 37

Figura III. 5 - Espectro de μ-FTIR das amostras (A,B,C,D e E) recolhidas do suporte, do microfilme com um grau de encurvamento 2 (10-01-10_86). ... 37

Figura III. 6 - Espectro de μ-FTIR das amostras (A,B,C,D e E) recolhidas do suporte, do microfilme com o grau de encurvamento 3 (09-03-08_20). ... 38

Figura III. 7 - Espectro de μ-FTIR das amostras (A,B,C,D e E) recolhidas do suporte, do microfilme com o grau de encurvamento 5 (10-01-01_151). ... 38

Figura III. 8 - Espectro de μ-FTIR das amostras (A,B,C,D e E) recolhidas do suporte, do microfilme com o grau de encurvamento 4 (09-03-10_13). ... 39

Gráfico IV. 1 - Gráfico de OH/C=O vs. GS………....40

Gráfico IV. 2 - Exemplo de uma curva gaussiana, ajustada ao pico C=O, para determinação da sua área e aplicação da fórmula/curva de calibração de Samios et al. para determinar o GS. .... 40

Gráfico V. 1 - Quantificação dos microfilmes enquadrados nos diferentes estágios de deterioração do AC. ... 41

Gráfico V. 2 - Quantificação dos microfilmes dos diferentes níveis de encurvamento. ... 41

Figura VI. 1 - Bolhas no lado do suporte e à esq. no lado da emulsão ... 42

Figura VI. 2 - Formação de canais, no lado do suporte à esq. e no lado da emulsão à dir.. ... 42

Figura VI. 3 - Encurvamento dos negativos, com o grau de encurvamento 4 à esq. e com grau de encurvameno 5 à dir. ... 42

Figura VI. 4 - Deformação ao longo dos microfilmes ao longo do negativo (esq.). ... 42

Figura VI. 5 - Deformação apenas nas extremidades do negativo (dir.). ... 42

Figura VI. 6 - Separação da emulsão do suporte (esq.). ... 43

Figura VI. 7 - Emulsão levantada do suporte (dir.). ... 43

Figura VI. 8 - Destacamento da emulsão – lacunas. ... 43

(15)

xv Figura VII. 1 - Medição da acidez com as A-D STRIPS® aos microfilmes de encurvamento 3, 4 e 5.

... 44

Figura VIII. 1 - Medição de potenciometria com o microeléctrodo. ... 44

Figura VIII. 2 - Medição de potenciometria com o elétrodo de contacto. ... 45

Figura VIII. 3 - Microfilme em B.E.P (09-03-12_150), visualizado por lupa binocular antes da

medição do pH com o elétrodo de superfície plana (esq.).. ... 47

Figura VIII. 4 - Mancha esbranquiçada, resultante depois da medição do pH com o elétrodo de

superfície plana (dir.). ... 47

Figura VIII. 5 - Ondulação dos microfilmes provocadas pela medição do pH com o elétrodo de

superfície plana. ... 47

Figura IX. 1 - Microfilme depois de submetido ao tratamento transferência de emulsão. ... 48

Gráfico XI. 1 - Gráfico de Temperatura e Humidade Relativa durante o tratamento deshrinking

realizados nos microfilmes finais (encurvamento 4 (09-03-10_13) e encurvamento 5

(10-01-01_152)). ... 49

Figura XI. 1 - À direita início do tratamento deshrinking de teste, nos primeiros fotogramas de

encurvamento 4 (09-03-10_13) (direita) e encurvamento 5 (09-03-11_51) (esquerda). ... 49

Figura XI. 2 - À esquerda tratamento deshrinking de teste ao fim de 45 minutos nos primeiros

fotogramas dos microfilmes de encurvamento 4 03-10_13) (direita) e encurvamento 5

(09-03-11_51) (esquerda). ... 49

Figura XI. 3 - Enrolamento do fotograma de encurvamento 4 (09-03-10_13) (direita) no sentido

inverso, comparativamente, ao início do tratamento. ... 50

Figura XI. 4 - Planificação dos fotogramas com as molas de orelhas metálicas nos bordos

perfurados dentro do recipiente. ... 50

Figura XI. 5 - Planificação com molas metálicas em tensão co o auxílio de camarões metálicos

sobre espuma de polietileno. ... 50

Figura XI. 6 - Fotograma de encurvamento 5, fim de 20 horas de tratamento na atmosfera de

solventes (não desenrolou). ... 50

Figura XII. 1 - Início do tratamento deshrinking, nos microfilmes de encurvamento 4

(09-03-10_13) (direita) e encurvamento 5 (10-01-01_152) (esquerda). ... 52

Figura XII. 2 - Tratamento deshrinking, passados 4 horas, na atmosfera de solventes,

observando-se que os microfilmes de encurvamento 4 (09-03-10_13) (direita) e encurvamento

5 (10- 01-01_152) (esquerda), estavam mais flexíveis e mais enrolados que inicialmente. ... 52

Figura XII. 3 - Colocação das molas metálicas ao longo das bordas do microfilme... 52

Figura XII. 4 - Planificação com gaps da aplicação de cartão grey white®, e molas metálicas do

(16)

xvi Figura XII. 5 - Planificação dos microfilmes sob pesos, entre holitex®, e mata-borrão. ... 52

Figura XIII. 1 - Negativo de encurvamento 4 (09-03-10_13), antes do tratamento deshrinking. . 54

Figura XIII. 2 - Negativo de encurvamento 4 (09-03-10_13), depois do tratamento deshrinking.54

Figura XIII. 3 - Negativo de encurvamento 5 (10-01-01_152), antes do tratamento deshrinking.

... 54

Figura XIII. 4 - Negativo de encurvamento 5 (10-01-01_152), depois do tratamento deshrinking.

... 54

Figura XIV. 1 - Tratamento inicial de humidificação (acetona e água), ao fotograma de

encurvamento 4 (10-03-03_54)... 55

Figura XIV. 2 - Fim do tratamento de humidificação (acetona + água), ainda dentro do recipiente

de solventes, ao fotograma de encurvamento 4 (10-03-03_54) da marca Perutz (dir.). ... 55

Figura XIV. 3 - Tratamento inicial de humidificação (água) ao fotograma de encurvamento 4

(10-03-03_53) da marca Perutz (esq.). ... 56

Figura XIV. 4 - Fim do tratamento de humidificação (água) ainda dentro do recipiente de

solventes, ao fotograma de encurvamento 4 (10-03-03_53) da marca Perutz (dir)... 56

Figura XV. 1 - Melhor resultado de um fotograma na escala de cinzentos (12 MP) em

binarização. ... 58

Figura XV. 2 - Melhor resultado de um fotograma na escala de cinzentos (40 MP) em binarização

... 58

Figura XV. 3 - Melhores resultados de um fotograma na escala de cinzentos (12 MP) com Filtro

Gabor. ... 58

Figura XV. 4 - Melhores resultados de um fotograma na escala de cinzentos (40 MP) com Filtro

Gabor. ... 59

Figura XV. 5 - Melhor resultado do fotograma em HDR (12 MP) em binarização... 59

Figura XV. 6 - Melhores resultados de um fotograma em HDR (12 MP) com Filtro Gabor. ... 59

(17)

xvii

Lista de tabelas

Tabela 1 - Valores da medição do carácter ácido de alguns microfilmes da marca Perutz através

de AD-STRIPS® e potenciometria de pH. ... 21

Tabela II. 1 - Imagens estratigráficas da aresta de corte de fabrico, com a visualização do seu

padrão dos filmes selecionados para MO. ... 33

Tabela IV. 1 - Dados do cálculo do C=O da curva gaussiana de uma amostra recolhida do

suporte. ... 40

Tabela VII. 1 - Tabela de avaliação do teor de acidez quantificado pelas AD-STRIPS, com as

condições de preservação da pelicula e as suas respetivas recomendações. ... 44

Tabela VIII. 1 - Resultados das medições da acidez dos microfilmes, com o elétrodo de contacto

de superfície plana. ... 45

Tabela VIII. 2 - Resultados das medições da acidez dos microfilmes, com o micro elétrodo de

contacto. ... 46

Tabela XI. 1 - Imagens captadas por lupa binocular antes do tratamento deshrinking de teste em

fotogramas; à esquerda antes do tratamento e à direita depois do tratamento. ... 51

Tabela XII. 1 - Imagens captadas por lupa binocular antes do tratamento deshrinking; à esquerda

antes do tratamento e à direita depois do tratamento. ... 53

Tabela XIV. 1 - Antes e depois do tratamento de humidificação com acetona + água no

microfilme de encurvamento 4 (10-03-03_54). ... 55

Tabela XIV. 2 - Antes e depois do tratamento de humidificação com água no microfilme de

(18)
(19)

xix

Lista de Abreviaturas, Siglas e Símbolos

AC Acetato de celulose

ACB Acetato de celulose butirato

ACP Acetato de celulose propionato

AHG Arquivo Histórico de Goa

AHU Arquivo Histórico Ultramarino

B.E.P. Bom Estado de Preservação

DAC Diacetato de celulose

DigiT FUP Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa

FUP Filmoteca Ultramarina Portuguesa

GS Grau de substituição

GPC/SEC Cromatografia líquida de exclusão molecular

HR Humidade Relativa

IICT Instituto de Investigação Cientifica Tropical

IST Instituto Superior Técnico

MO Microscopia ótica

NC Nitrato de celulose

PET Politereftalato de etileno

T Temperatura

TAC Triacetato de celulose

(20)
(21)

1

Introdução

1.

Enquadramento da coleção

A presente dissertação integra-se no projeto ‘Digitalização e Tratamento da Filmoteca Ultramarina Portuguesa’ (DigiT FUP), financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e coordenado

pela Professora Doutora Conceição Casanova, também orientadora da presente dissertação, que inclui

o tratamento e digitalização de uma coleção de microfilmes em película de 35 mm em acetato de

celulose (AC).

A Filmoteca Ultramarina Portuguesa (FUP) foi fundada em 1952, tornando-se um fundo

arquivístico de excelência, por tentar reunir em microfilme a documentação existente sobre a

expansão e a missão dos portugueses no mundo, dispersa por vários locais geográficos. A

documentação da FUP é constituída por mais de meio milhão de exposições (511.397), onde se pode

destacar o acervo do Arquivo Histórico de Goa (AHG), cujas coleções originais, em papel, em parte

estão já inacessíveis devido ao seu mau estado de preservação e/ou destruição em consequência das

condições climatéricas da região. Este foi um dos fundamentos para que em 1951 fossem tomadas

medidas preventivas para a salvaguarda da documentação contida no arquivo, através da sua

microfilmagem, não se limitando à documentação da AHG, mas estendendo-se também a outros

arquivos e bibliotecas nacionais e estrangeiras, sobretudo de países de expressão portuguesa (de

África, ao Oriente e Extremo Oriente) (SOUSA, 1986).

A coleção em estudo pertence ao Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT),

encontrando-se atualmente depositada no Arquivo Histórico Ultramarino (AHU). Esta é constituída

por microfilmes1 em acetato de celulose (AC) de cerca de 20 marcas comerciais distintas, de negativos

e positivos, estando alguns perfurados e outros não.

Quando a coleção foi sujeita a um levantamento do seu estado de preservação, verificou-se

que a parte considerada em pior estado correspondia a um conjunto de microfilmes de marca alemã

Perutz 2. Este conjunto contém uma pequena percentagem de imagens já consideradas ilegíveis,

1

Processo pelo qual os documentos em suporte de papel, ou outro, são transferidos para outro suporte como o microfilme ou disco ótico, mantendo a mesma inteligibilidade dentro do plano de classificação. Habitualmente este processo só pode ser efetuado para os documentos previstos na lei e respeitando os regulamentos específicos de transferência de suporte, para que as cópias obtidas a partir deste possam ter valor probatório. (Consultado a 22-01-2014, disponível em:

https://www.cgd.pt/Institucional/Patrimonio-Historico/Arquivo-Historico/Documents/Glossario-Arquivistico.pdf

2

O filme Perutz surge na indústria fotográfica pelas mãos de Otto Perutz (1847–1922), no ano de 1880 com a fundação da sua empresa Otto Perutz Trockenplattenfabrik em Munique. O químico alemão foi responsável pelo desenvolvimento da produção industrial das Eosin-Silver-Plates cruciais para o desenvolvimento da fotografia a cores. No entanto no ano de 1897 a empresa é vendida, e agrega-se à Agfa em 1964 (Consultado a 22-01-2014 na Wikipédia, disponível em:

(22)

2 devido ao total encurvamento e enrolamento do suporte em tiras, formando pequenos rolos de filme,

na direção perpendicular à da bobine, um comportamento incomum relacionado com a deterioração

dos filmes em AC. Devido ao seu estado quebradiço, fragilizado e com perda de flexibilidade, os filmes

encontram-se numa condição impossível de desenrolar, em que a sua manipulação é difícil sem causar

danos suplementares na emulsão e no suporte, havendo o perigo de perda da informação.

Pelas razões apontadas e de acordo com os objetivos do projeto DigiT FUP, a atual dissertação

foca-se na pequena percentagem de microfilmes em pior estado de preservação, ou seja nos

microfilmes de marca Perutz

.

Como tal serão investigados os fenómenos responsáveis pelo seu encurvamento e enrolamento, com o desígnio de desenvolver metodologias de tratamento para a

recuperação da informação neles contidos. Salienta-se o elevado valor histórico destes microfilmes,

enquanto reproduções de documentos que na sua maioria igualmente em muito mau estado de

preservação ou então são já inexistentes.

2.

Descrição da coleção

A coleção reúne microfilmes em rolos e tiras em negativos a preto e branco de AC. O conjunto

em estudo perfaz um total de 1760 microfilmes em tiras de 35mm (187 x 35mm) da marca Perutz.

Cada microfilme contém entre 5 a 6 fotogramas (Figura I.1), correspondendo o primeiro aos

elementos de referência, como a indicação do Arquivo (Arquivo Histórico do Estado da Índia – Goa), a

natureza da coleção (Livro das Monções do Reino Nº81), a data (1770-1772) e os seguintes ao texto

de páginas do livro reproduzido (Figura I.2 a I.3).

Os negativos estão acondicionados em bolsas (plástico e papel) do mesmo tamanho que o

negativo (Figura I.4), com a respetiva identificação no bordo superior, onde podemos ler por exemplo

10-03-03 Monções 158-B 51, em que a primeira numeração corresponde à localização de

acondicionamento, nomeadamente, ao módulo, à gaveta e à secção, seguida da natureza da coleção e

os últimos números correspondem à cota do microfilme (Figura I.4a e I.4b). A coleção está

armazenada em vários armários de metal, num total de 126 módulos, em que cada um contém 12

secções (Figura I.5 e I.6), cada módulo divide-se em 3 gavetas (Figura I.7). Os microfilmes em estudo

cobrem um total de 33 módulos dos armários e cada secção varia entre 30 a 80 negativos.

Os negativos Perutz, apresentam nos bordos a numeração 23 ou 27, que em termos visuais

correspondem a uma coloração diferente dos negativos. Os microfilmes Perutz 23 têm uma cor mais

amarelada e no caso dos Perutz 27, são películas mais transparentes (Figura I.8).

3.

Contextualização histórica dos negativos em película

No final do século XIX, são introduzidos na indústria fotográfica os filmes flexíveis, com

suportes em plástico. Surgem da ambição de se pretender suportes mais flexíveis e leves, por

(23)

3 introdução deste tipo de filmes permitiu a possibilidade de produção de múltiplas imagens num único

filme, criando assim um mercado para o fotógrafo amador, que consequentemente se tornou no

maior consumidor de fotografia (OSTERMAN et al, 2007; MOSCIARO, 2010).

Os primeiros filmes flexíveis produzidos na indústria fotográfica eram em nitrato de celulose (NC)

(c.1889 - c.1950), seguidos do AC (c. 1908 - atualmente), e por fim o poliéster (politereftalato de

etileno – PET) (1955 - atualmente) (PAVÃO, 1997, VALVERDE, 2004).

O NC é um material bastante robusto e resistente à manipulação, contudo tem a grande

desvantagem da sua instabilidade química, sendo extremamente inflamável. Isto deve-se à formação

de dióxido de azoto (NO2) que ao reagir com humidade atmosférica forma ácido nítrico, compostos

oxidantes, bastante reativos (SELWITZ, 1988; SHASHOUA, 2008). Este fenómeno dizimou muitas

coleções em NC, contribuindo assim para a sua descontinuidade, acabando por ser substituído, na

década de 50, pelo AC (VALVERDE, 2004).

A produção do AC inicia-se em 1897, mas até à obtenção de um material considerando estável e

com características físicas capazes de substituir o seu antecessor, foram desenvolvidas várias

variantes, desde o diacetato de celulose (DAC), o acetato de celulose butirato (ACB), o acetato de

celulose propionato (ACP) e o triacetato de celulose (TAC) (EATON, 1985; PAVÃO, 1997; JAMISON,

2004; VALVERDE, 2004). O DAC foi produzido e comercializado a partir de 1912, mas verificou-se ser

um material inferior ao nitrato de celulose, pois com o envelhecimento apresentava pouca resistência

à humidade e ao calor, aumentando a sua predisposição ao encolhimento (EATON et al, 1985). Em

resposta à sua instabilidade, em 1927 produziu-se o ACP e o ACB. O ACP era usado essencialmente

para filmes amadores de 16mm e 8mm e o ACB foi frequentemente utilizado para películas de raios-X

e películas de filmes profissionais. Ambos os filmes representam uma melhoria em relação ao DAC,

nomeadamente por apresentarem uma menor capacidade de retenção da humidade e uma maior

estabilidade dimensional, resultando numa menor instabilidade física e maior flexibilidade. Apesar de

apresentarem qualidades superiores ao DAC, eram materiais que não possuíam a resistência nem a

rigidez que o NC oferecia. Desta forma o ACP foi descontinuado, e no caso do ACB, devido às suas

aplicações em outras áreas, continuou-se a sua produção (HORVATH, 1987; VALVERDE, 2004;

JOHANSEN, 2004). Na década de 50, produz-se o TAC, com excelentes propriedades químicas e físicas.

Apesar de não possuir a mesma flexibilidade que o NC, comparativamente, o encolhimento do

negativo é bastante menor do que o do DAC. Na década de 60, o TAC é destronado pela inserção de

um suporte bastante mais estável quimicamente, o PET. Este polímero sintético reúne as propriedades

desejáveis para o filme, conseguindo assim fixar-se no mercado até aos nossos dias. No entanto,

paralelamente, a utilização do TAC manteve-se por apresentar características físicas superiores ao

(24)

4

4.

Negativos em Acetato de celulose

4.1.

Caracterização

O acetato de celulose é um material que apresenta um comportamento reversível quando

aquecido, definindo-se assim como um polímero termoplástico (KLEMM et al, 1998; SHASHOUA,

2008), pertencente à família dos ésteres de celulose. O AC é um derivado da celulose, uma

matéria-prima orgânica, abundante na natureza principalmente em plantas (algodão, linho) e na madeira. A

celulose caracteriza-se por ser um homopolímero linear de comprimento variável constituído por

unidades de β-D-glucopiranose, com ligações β(14) glicosídicas, sendo por isso um polímero de

grande peso molecular (KAMIDE, 2005; LI et al, 2010). As suas cadeias são formadas por perda de

água entre as moléculas de glucose, e por esse motivo as unidades estruturais são denominadas de

anidroglucose e cada unidade sua possui grupos hidroxilo nas posições C(2), C(3) e C(6), e nas posições

C(1) e C(4), tem terminações de natureza distinta, como um aldeído e um álcool respetivamente

(KLEMM et al, 1998; SHASHOUA, 2008) (Figura 1).

Figura 1 - Formação da cadeia de celulose pela união de unidades β-D-glucose, com a representação das posições dos grupos hidroxilo (REILLY,1993).

4.2.

Produção

O AC é obtido a partir de uma reação de acetilação da anidroglucose, que se caracteriza pela

substituição parcial ou total dos grupos hidroxilo por grupos acetilo. Para que ocorra essa reação e

uma nova conformação molecular é adicionado à celulose esterificada ácido acético, anidrido acético

e catalisadores, como o ácido sulfúrico e / ou perclórico (EDGE et al. 1988; KLEMM et al, 1998, p.170).

O AC pode adquirir diferentes propriedades consoante o seu grau de substituição (GS), que pode

variar de 0 no caso da celulose a 3 no caso do TAC (SAMIOS et al, 1997).

O TAC foi o primeiro filme a ser produzido na família dos AC, tinha os grupos laterais

totalmente acetilados (GS=3). No entanto, este material era apenas solúvel em solventes dispendiosos

e tóxicos, limitando assim a sua acessibilidade. Desta forma, produziu-se o DAC, parcialmente

desacetilado a partir do TAC, de forma a obter um material com um menor GS, que, por sua vez, era

(25)

5 inicia uma produção em larga escala, pois a sua manufatura tornou-se mais económica e menos tóxica

de sintetizar; mantendo a sua produção como já mencionado até aos dias de hoje (CHANDA, 2000;

VALVERDE, 2004).

Figura 2 - Esquema da obtenção do acetato de celulose a partir da acetilação da celulose (SILVA, 2009).

4.3.

Aditivos

Durante a manufatura dos filmes em AC, são adicionados diversos aditivos à sua composição

com o intuito de melhorar as propriedades químicas e físicas do polímero:  Antioxidantes - para retardar a degradação por oxidação;

 Estabilizadores UV – para proteger contra a radiação UV;

 Plastificantes – para o tornar mais flexível, reduzindo a temperatura de transição vítrea;  Lubrificantes – para prevenir a aderência a outros materiais;

 Retardadores de chama – para inibir a ignição.

Sendo elementos fundamentais para a estabilidade do polímero devem possuir certas

características como, estabilidade a temperaturas e pressões elevadas de processamento; capacidade

de permanecer na formulação do polímero durante o seu tempo de vida útil, sem que ocorram

migrações ou evaporações, baixa toxicidade e odor, entre outras (SHASHOUA, 2008).

4.4.

Estratigrafia

Os negativos fotográficos são materiais que se estruturam em diferentes camadas

sobrepostas, o suporte, a emulsão, camada(s) adesiva(s), camada curvatura e/ou camada

anti-halo e camada de proteção (Figura 3) (CILIBERTO et al, 2013).

O suporte define-se por ser a base de aderência dos restantes elementos que constituem o

negativo fotográfico. É um material idealmente transparente, resistente à humidade, a químicos de

processamento e à manipulação. A emulsão é a camada onde se encontra o registo da imagem, sendo

composta, nas películas flexíveis, por gelatina, um material de origem animal, bastante estável,

transparente, que mantém dispersos os cristais de halogeneto de prata sensíveis à luz, impedindo que

se toquem e se aglutinem(REILLY,1986; EATON et al, 1985).Estas são camadas independentes, unidas

Diacetato de celulose Triacetato de celulose

(26)

6 através de finas camadas adesivas que conferem estabilidade ao filme; normalmente é usada uma

amálgama podendo ser de NC ou AC e gelatina formando uma pequena camada, ou então, o suporte

é embebido numa solução de álcool e gelatina permitindo a aderência de ambas as camadas

(JOHANSEN, 2004; VALVERDE, 2004).

A camada anti-curvatura tem por objetivo principal, aliviar a tensão criada pela emulsão no suporte

com a adição de uma outra camada de gelatina no lado oposto, mas nem sempre se verifica a sua

existência. A camada anti-halo pode ser adicionada à camada anti-curvatura ou pode ser colocada

entre a emulsão e o suporte ou mesmo junto com a emulsão. Esta camada contém corantes que têm

por objetivo prevenir a formação da luz refletida do halo, com a absorção de luz não desejada de

certas gamas do espectro (OBLSCHLIIGER et al, 1969; GLAFKIDÉS, 1987; REILLY, 1993). Tem também

como objetivo reduzir a sua dispersão, evitando o efeito de enevoamento nas zonas de luminosidade

intensa permitindo uma melhor definição da imagem (SCHARF, 1982). Por fim, pode ser aplicada uma

camada fina de proteção de gelatina por cima da emulsão, funcionando como barreira a poluentes

atmosféricos, poeiras, humidade relativa, temperatura e à manipulação incorreta (GASPARD, 2007).

4.5.

Deterioração

O AC surge em substituição do NC, uma vez que era necessário retardar as suas propriedades

de inflamabilidade, constituindo este um dos fatores mais catastróficos para as coleções. Contudo, o

AC é um material muito propenso a deteriorações, quer devido à instabilidade da sua composição

química, quer devido à sua suscetibilidade em condições ambientais, de temperatura (T) e humidade

relativa (HR) incorretas (SHASHOUA, 2008). Também está sujeito a deteriorações quando exposto a

gases poluentes, como ácidos ou bases (por exemplo, na presença de outros filmes degradados),

iniciando ou acelerando o seu processo de degradação química (HORVATH, 1987; PAVÃO, 1997).

A identificação e compreensão dos vários mecanismos de deterioração do AC são pois

fundamentais para a preservação das coleções. A avaliação do seu estado de preservação pode ser

caracterizada em 6 estágios (HORVATH, 1987; VALVERDE, 2004; FISCHER, 2008) descritos

sucintamente a seguir, nos quais se deferência entre autores, podendo assim ocorrer

independentemente da ordem proposta:

(27)

7  Nível 1 - O negativo não apresenta níveis de deterioração;

 Nível 2 - Odor a ácido acético – síndrome do vinagre; encolhimento e fragilidade do suporte;

 Nível 3 - Os negativos começam a enrolar e surgem pequenas manchas de coloração;

 Nível 4 - O negativo começa a deformar irregularmente;

 Nível 5 - Ocorre a formação de bolhas como também de cristais;

 Nível 6 - Formação de canais em ambos os lados do filme e destacamento da emulsão.

Quando o AC inicia o seu processo de deterioração, este manifesta-se com um odor muito forte a

vinagre, conhecido como a síndrome do vinagre. O fenómeno processa-se devido à presença de água,

causando hidrólise do material, mais concretamente ocorre uma desacetilação, processo contrário ao

da sua formação. Os grupos laterais acetilo (COCH3) são lentamente removidos da cadeia de celulose e

substituídos por grupos hidróxilo (OH), que consiste na libertação de ácido acético (CH3COOH)

(PAVÃO, 1997; SHASHOUA, 2008).Iniciado o seu processo de desacetilação, ocorre não só um

rearranjo como uma despolimerização, com a cisão das cadeias de anidroglucose, tornando assim o

polímero mais pequeno (JOHANSEN, 2004). Despolimerização que também pode ser provocada pela

libertação de solventes residuais usados no processamento do negativo, que surgem geralmente com

o seu envelhecimento. Como resultado, observa-se uma diminuição das propriedades mecânicas do

polímero, levando a uma perda de flexibilidade que consequentemente torna o suporte frágil, com

menor resistência à humidade e com tendência ao encolhimento, encurvamento e enrolamento

(HORVATH, 1987; REILLY, 1993). Devido à libertação do ácido acético, ocorre a despolimerização que

provoca ao encolhimento das cadeias de anidroglucose, levando assim à migração dos plastificantes,

com o aparecimento de bolhas e depósitos cristalinos no suporte, que se manifestam como pequenas

erupções. Isto também deve-se à incompatibilidade química dos plastificantes com o polímero, que

perde a sua capacidade de retenção expelindo-os como já mencionado (CUDELL et al, 2011; REILLY,

1993). Estes aglomerados vão permanecer inicialmente na sua forma líquida, mas quando em

contacto com a atmosfera poderão cristalizar (JAMISON, 2004). Em casos mais extremos podem levar

à rutura da emulsão, resultando na perda de legibilidade da imagem.

Geralmente os plastificantes introduzidos no filme fotográfico correspondem, em média, a

12% a 15% do peso do filme e estão normalmente distribuídos por toda a superfície do suporte

plástico. Desempenham uma dupla função, a primeira é abrandar a taxa de combustão do filme

tornando-o menos inflamável, e a segunda é o de reduzir a sua instabilidade dimensional com as

variações de humidade relativa (REILLY, 1993).

Esta dissertação debruça-se sobre a deterioração mais significativa da coleção em estudo: o

fenómeno de encurvamento e enrolamento, deterioração invulgar, senão inédita na proporção aqui

(28)

8 Jamye Jamison3, à semelhança dos negativos em estudo, a deterioração de encurvamento na coleção

do Arquivo de Eliot Elisofon no Centro de Investigação Harry Ransom Humanities da Universidade de

Texas em Austin (JAMISON, 2004). O artigo explora as possíveis causas de deterioração, focando-se

essencialmente na falta da camada anti-curvatura, impedindo a sua sustentação quando o suporte

começa a deteriorar-se. Talvez este seja um dos motivos para que os negativos Perutz apresentem

encurvamento e enrolamento, pormenor que será explorado mais à frente na análise por MO,

aquando da visualização da sua estratigrafia.

Havendo um grande desconhecimento da marca, interessa explorar todos os aspetos da sua

composição que possam justificar este comportamento e citando David Horvath esta deterioração poderá também depender da “…composition and proportion of solvent mixtures, and the conditions of manufacture on the deformation of cellulose ester films.”4

Com o levantamento do estado de preservação da coleção foi possível observar que no início

de cada secção os negativos apresentam, encurvamentos de nível 5 e assim que se avança para o seu

fim, os negativos já têm encurvamentos entre o 1 e 2 (Figura I.9). Este fenómeno, talvez se deva ao

facto dos módulos não estarem totalmente preenchidos ou seja, quanto maior o espaço disponível,

maior a deformação e quantidade de filmes enrolados no conjunto de filmes acondicionados. Esta

característica não foi observada nos restantes módulos da coleção FUP (Figura I.10). Esta sucessão de

encurvamento também se verifica ao longo do módulo, no qual independentemente da presença das

secções, os negativos localizados mais à frente apresentam uma maior percentagem de negativos com

encurvamento 3, 4 e 5 que no final do módulo. O que poderá significar que os negativos da frente

estão mais suscetíveis ao encurvamento, possivelmente devido às variações da HR e T. Este facto leva

a considerar se a coleção em estudo não tivesse sido retirada da bobine e cortada em tiras,

possivelmente esta deterioração não teria ocorrido nesta proporção.

Identificação material e métodos aplicados

1.

Caracterização material da coleção da FUP

Tendo como objetivo prioritário a recuperação da informação contida nos negativos e sendo

para tal necessário proceder a tratamentos de conservação e restauro, que permitam planificar o

negativo de modo a recuperar a legibilidade dos microfilmes, tornou-se indispensável aprofundar o

conhecimento material sobre a coleção em estudo antes de qualquer intervenção. Visou-se assim

3

JAMISON, J., A Survey of Photographic negative collections from 1925-1950: some results and observations , Topics in Photographic Preservation, 10, (2004) p.10

4

(29)

9 proceder à identificação do material dos microfilmes, recorrendo-se à aplicação de técnicas analíticas

parauma caracterização rigorosa da natureza físico-química tanto do polímero como da emulsão. Foi

também identificada a estratigrafia dos negativos em estudo e de outras marcas pertencentes à

coleção da FUP, como base de comparação. Por fim, foi determinado o Grau de Substituição (GS) dos

negativos em estudo.

2.

Identificação preliminar

Num primeiro contacto com a coleção, a identificação da natureza do material base pode ser

realizada por observação à vista desarmada. Aspetos como o levantamento e caracterização dos

fenómenos de deterioração; a observação de marcas, impressões ou códigos nos bordos do filme, que

são uma fonte importantíssima de informação; como a sua data de produção que irá auxiliar no

enquadramento cronológico da tipologia de filme (PAVÃO, 1997; FISCHER et al, 2010). Assim,

realizou-se uma obrealizou-servação e um exame pormenorizado do conjunto de negativos sob estudo.

2.1.

Testes de flutuação e de difenilamina

A identificação também pode ser realizada através da aplicação de testes destrutivos, em que

se recolhe uma pequena amostra, permitindo assim uma identificação mais imediata.

O teste de flutuação foi o primeiro a ser realizado na coleção, com o princípio básico de

distinção das películas em NC das mesmas em AC devido às suas diferenças de densidade5, com a

colocação da amostra numa solução de tricloroetileno e tricloetano (PAVÃO, 1997; BENNETT et al,

1999; MOSCIARO, 2010; FISCHER et al, 2010). Este teste foi ainda complementado e confirmado com

a realização do teste de difenilamina, que consiste na identificação do material através da colocação

de uma pequena gota da solução de difenilamina (0,5%) em ácido sulfúrico sobre o fragmento

recolhido do negativo, o qual adquire a coloração azul profundo no caso de um filme em NC, mas no

caso dos filmes em AC e em PET, não se observa coloração, mantendo-se as amostras transparentes

(WILLIAMS, 2004; PAVÃO, 1997). No entanto, temos que ter em conta que estes testes, para além de

serem destrutivos, exigem a recolha de uma pequena amostra para análise e muitas vezes não são

conclusivos, podendo o estado de deterioração do material influenciar os resultados.

2.2.

Microscopia ótica (MO)

A MO permite a visualização detalhada dos filmes e das suas camadas estratigráficas. O

método foi aplicado às tiras da marca em estudo Perutz, como aos negativos já em tiras da marca

Ferrania e Kodak (Figura II.1 e II.2) e aos rolos da marca Agfa L AGEPE FF e Agfa Gevaert (Figura II.3 e

II.4) presentes na coleção, para fins de comparação dos resultados observados. De forma a

compreender qual a estratigrafia dos microfilmes, foram realizados vários testes para perceber qual a

5

(30)

10 melhor forma de produzir um corte longitudinal no filme, que permitisse a observação das diferentes

camadas no MO.

A recolha das amostras foi realizada, aplicando 3 métodos de corte distintos: tesoura, bisturi e

azoto líquido. Além disso, observou-se ainda a aresta de corte do fabricante, permitindo assim a

observação sob microscópio ótico de 4 superfícies distintas. O procedimento para a recolha das

amostras desdobra-se nas seguintes etapas: 1) realização do corte; 2) observação sob lupa binocular;

3) observação sob MO. Obtida a amostra do microfilme, esta é posicionada no MO, o mais

verticalmente possível com a aresta de corte virada para cima, entre molas de orelhas de 15mm, pois

foi o utensilio disponível que criava menos interferências na imagem com a dispersão da luz visível.

Para a primeira recolha de amostra, utilizou-se uma tesoura, material simples e de fácil

acessibilidade e manuseamento. A amostra foi posicionada, como atrás indicado, com a aresta de

corte virada para cima. O que se verifica é um pequeno declive criado pela tesoura, resultando numa

aresta na qual a estratigrafia é pouco visível.

O segundo método de corte foi a sua realização com o bisturi; a pressão da lâmina do bisturi

deixou impressa no suporte uma pequena ondulação na aresta do corte.

O terceiro método de corte foi realizado com o azoto líquido (N2) num fotograma, que se foi

quebrando em pequenas dimensões com o auxílio de uma pinça. Este método, devido à utilização da

pinça como instrumento de corte, não permitiu a precisão de corte necessária, resultando em arestas

arredondadas e no destacamento entre a emulsão e o suporte.

O quarto método consistiu na visualização da estratigrafia do filme pela aresta de corte do

fabricante. Neste corte é possível ver a impressão de um padrão dentado (variável, dependendo do

fabricante), permitindo uma maior distribuição das forças físicas aplicadas sobre o negativo na zona de

corte, havendo menos enrolamento (Tabela II.1), quando as folhas industriais de AC são

transformadas em rolos fotográficos de 35mm (SILVA, 2009). Este método permitiu, posicionar-se a

amostra o mais verticalmente possível, tornando-se a aresta de corte do fabricante a selecionada

como método de visualização das distintas camadas estratigráficas dos microfilmes em estudo e

restantes negativos da coleção, para efeitos de comparação.

2.3.

Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier (µ-FTIR)

A análise por µ-FTIR complementou em parte o exame realizado sob MO, permitindo

determinar a presença dos diversos compostos que compõem estratigraficamente o microfilme,

nomeadamente esclarecer sobre a presença ou ausência das camadas adesivas. Esta informação é de

particular importância para a aplicação de tratamentos de conservação e restauro à coleção, como

perceber se poderá ser um fator na deterioração do material. Também complementou os testes

analíticos destrutivos (Testes de flutuação e de difenilamina) para a identificação do material,

(31)

11 Pretendeu-se ainda que as análises por µ-FTIR facilitassem a compreensão dos fenómenos de

deterioração observadas a nível macroscópico e permitissem estabelecer uma relação com a alteração

dos materiais, observada a nível molecular. A partir da aplicação da curva de calibração desenvolvida

no artigo Preparation, Characterization and Biodegradation Studies on Cellulose Acetates with Varying

Degrees of Substitution por Samios et al, foi ainda possível calcular o grau de desacetilação do

material, quantificando o seu estado de deterioração atual.

Foram recolhidas 5 micro amostras de 6 negativos, em – B.E.P. (09-03-12_150); Encurvamento

1 (10-02-09_47); Encurvamento 2 (10-01-10_86); Encurvamento 3 (09-03-08_20); Encurvamento 4

(09-03-10_15); Encurvamento 5 (10-01-01_151).

3.

Avaliação do estado de preservação da coleção

3.1.

Principais fenómenos de deterioração

Numa primeira fase, foi realizada uma avaliação do estado de preservação e conservação da

coleção, por observação das deteriorações presentes quer na emulsão como no suporte (Anexo V),

enquadrando os microfilmes Perutz nos diferentes estágios de deterioração mencionados

anteriormente.

Segundo um dos autores, David Horvath, esta metodologia de deterioração dos negativo em

AC, consiste num Condition Report, com 9 dados informativos, que segundo o autor, possivelmente

irão permitir relacionar as deteriorações de diferentes marcas comercias de negativos em AC

manufaturados na mesma data. Este método estabelece assim um padrão onde os arquivistas e

conservadores podem avaliar as suas coleções e antever as suas possíveis deteriorações (HORVATH,

1987).

3.2.

Avaliação do estado de encurvamento

O segundo parâmetro de avaliação incide num estudo mais aprofundado, centrando-se na

deterioração mais significativa da coleção, a qual consiste no encurvamento e em casos mais

extremos, num completo enrolamento dos microfilmes.

Foi assim criada uma escala de encurvamento, definindo-se 5 graus distintos: o 1º grau –

microfilme sem curvatura visível; no 2º grau as partes laterais das tiras de filme revelam uma curvatura

inicial entre 5° e 20° da base; no 3º grau as partes laterais distanciam-se consideravelmente da base

entre 40° a 60° da base; no 4º grau as partes laterais começam a enrolar distanciando-se da base com

um mínimo de 60° a 90°; no 5º grau as partes laterais sobrepõem-se dando uma volta de 180° –

microfilme totalmente enrolado (Figura 4). Este critério de avaliação e a metodologia aplicada é

essencial para selecionar os negativos sobre os quais se irá intervir e para monitorizar os resultados

(32)

12 Figura 4 - Os diferentes estados de deterioração centrados no seu encurvamento, iniciando-se à esquerda com

um microfilme de grau 1 – sem curvatura até ao grau 5 – totalmente encurvado.

3.3.

Avaliação da acidez das películas

3.3.1.

Medição com A-D STRIPS® e pH

Antes da aplicação de qualquer metodologia de tratamento, mediu-se a acidez dos

microfilmes através de dois métodos distintos, as A-D STRIPS® um método muito simples e

potenciometria de pH de contacto. Foram utilizados dois tipos diferentes de elétrodos, o primeiro, um

elétrodo de superfície plana e o segundo com o microelétrodo (Figura VIII.1 e VIII.2). Os resultados

obtidos pelos dois métodos serão complementares e será avaliada a sua concordância.

As A-D STRIPS® são tiras comerciais impregnadas do corante indicador verde de bromocresol,

também conhecido como tetrabromometacresolsulfonoftaleína, que quando expostas ao ácido

acético mudam a sua coloração, permitindo determinar, por comparação com a escala de referência o

nível de acidificação, num dado ambiente (Tabela VII.1) (LAVÉDRINE, 2003). É um método de análise

específico para filmes em AC, que permite quantificar o ácido acético libertado num espaço fechado. A

informação obtida possibilitou determinar as condições de preservação do negativo, priorizando

quanto à urgência de intervenção (REILLY, 1993).

A determinação do pH é uma medição mais direta, traduzindo-se numa maior precisão dos

dados obtidos na acidez dos microfilmes, pela medição da concentração de iões de hidrogénio [H+],

numa determinada solução:pH= - log [H+].

A deterioração do AC, como referido anteriormente, conduz à formação de ácido acético o

qual altera o pH do filme diminuindo o seu valor inicial devido ao aumento do seu caráter ácido. Sendo

assim, a medição do pH será uma técnica bastante elucidativa para monitorizar a evolução da

deterioração dos microfilmes.

Para a medição com as A-D STRIPS® foram selecionados 3 microfilmes com o grau de

encurvamento 3, 4 e 5, os quais foram colocados dentro de embalagens individuais em PET, neste

caso construída especialmente para este propósito, de forma a criar o referido ambiente fechado

(Figura VII.1). As tiras foram colocadas junto dos microfilmes, na reserva do AHU, no dia 22 de

(33)

13 Para as medições do pH, foram selecionados 6 negativos: - B.E.P. (09-03-12_150);

Encurvamento 1 (10-02-09_47); Encurvamento 2 (10-01-10_86); Encurvamento 3 (09-03-08_20);

Encurvamento 4 (09-03-10_15); Encurvamento 5 (10-01-01_151), respetivamente. No caso da

medição com o elétrodo de superfície plana foram realizadas 3 medições em 3 pontos diferentes e no

caso da medição com o microelétrodo apenas 1 medição em também 3 pontos diferentes.

4.

Propostas de tratamento

No universo de Arquivo, o conteúdo informativo da documentação é um dos aspetos

fundamentais, já que esta é, essencialmente, utilizada para fins de consulta, pesquisas e investigações,

etc.. Acresce que neste caso em particular, o nosso objeto de estudo, sendo um microfilme, é já uma

cópia, ainda que seja necessário ter em conta que parte uma parte significativa dos originais em papel,

possivelmente, já não existem. Assim, ao refletir sobre a aplicação de metodologias de tratamento

nestes microfilmes, tem de se ter em vista a preservação dos valores (históricos e de memória) e

assim estabelecer definir o estado ideal de preservação da coleção, nunca desconsiderando as suas

futuras funcionalidades (APPELBAUM, 2007).

Perante coleções de AC deteriorados, a medida de preservação normalmente aplicada

cinge-se, essencialmente, a um controlo da HR e T. Dependendo sempre do grau de deterioração do

material, os materiais fotográficos em AC, podem ser acondicionados em depósitos frios ou então

congelados de modo a retardar os fenómenos de deterioração (HENDRIKS, 2007; O'CONNOR, 1999).

No entanto, antes do seu acondicionamento e armazenamento, os negativos são digitalizados de

modo a poderem estar disponíveis numa plataforma digital e facilitar a sua consulta, sem que sejam

removidos das suas condições de armazenamento preventivo. Contudo, perante os fenómenos de

deterioração que a coleção em estudo apresenta, as medidas de conservação preventiva descritas,

não podem ser aplicadas na sua totalidade, sendo que neste caso a problemática central consiste na

ilegibilidade das imagens de alguns negativos, devido ao seu encurvamento e enrolamento. Portanto,

tornou-se indispensável ponderar e refletir sobre alternativas menos convencionais, procurando

tratamentos provenientes da bibliografia desta área específica e fora dela, para ser adaptados às

condições dos microfilmes em estudo, avaliando os prós e contras das opções possíveis.

Esta é uma coleção que já tinha sido anteriormente digitalizada, no entanto na data dessa

primeira ação para a sua introdução em base de dados, os negativos já se encontravam em mau

estado de preservação, resultando em imagens digitais de pouca qualidade e em alguns casos

impercetíves ou difícil leitura. Portanto as metodologias de tratamento vão ter como objetivo

prioritário a planificação do filme, de forma a recuperar a imagem e assim conseguir digitalizações de

(34)

14

4.1.

Stripping

6

Como primeira metodologia de intervenção, havia já sido equacionado pela

conservadora-restauradora, com especialidade em fotografia do IICT. É um tratamento desenvolvido pela empresa

Chigado Albumen Works, com provas dadas do método em negativos em AC de médio formato. O

tratamento consiste na separação da emulsão do suporte, que é depois transferida para um suporte

mais estável. Este tratamento baseia-se na dissolução das camadas adesivas, num meio não aquoso,

formado por uma combinação de solventes (metanol, acetona, metil etil cetona ou butanona)

(WOODS, 1991; MUNSON, 1997).

4.2.

Deshrinking

7

A segunda metodologia de tratamento equacionada, denominada por deshrinking, foi

equacionada, após pesquisa exaustiva sobre tratamentos que fizessem face à deterioração mais

significativa deste conjunto de microfilmes, encontrando-se durante este estudo uma única referência

bibliográfica (READ et al, 2000). Do nosso conhecimento este tratamento apenas é aplicado em filmes

cinematográficos tanto em NC como em AC, que apresentam deformações e/ou encolhimento;

perante as semelhanças de materiais e fenómenos de deteriorações observados na coleção,

decidiu-se tentar a sua aplicação em alguns negativos da coleção.

Diante de um suporte fragilizado e uma emulsão fissurada e bastante quebradiça, para alguns

negativos a manipulação física resultará, possivelmente, na quebra do suporte ou destacamento da

gelatina. Com este método a manipulação inicial do objeto é mínima, preservando-se assim o estado

físico do microfilme, o que nos levou a considerar testar esta metodologia. O deshrinking consiste na

colocação dos negativos num recipiente, ao qual é adicionado uma combinação de solventes: acetona,

glicerol e água (1:1:3), preenchendo alguns centímetros da sua base. Seguidamente é posicionada

uma grelha no seu interior (acima do nível dos solventes na base do recipiente) e o objeto a tratar; por

fim o recipiente é tapado, criando um microclima isolado. Os negativos permanecem selados numa

atmosfera saturada com vapores dos solventes, em que, segundo a literatura, o tempo dependerá da

temperatura, podendo variar, entre meses a cerca de 10°C ou semanas a cerca de 30°C. Neste caso, o

seu efeito foi bastante mais rápido do que esperado, tendo relaxado o material numa questão de

horas a temperatura ambiente (25°C) (consultar Gráfico XI.1). Quando em contacto com os solventes

o filme expande, chegando a atingir o seu estado original, podendo assim ser digitalizado. No entanto,

a bibliografia alerta para o facto de este tratamento ser temporário, uma vez que a acetona é um

solvente extremamente volátil, ao retirar-se os microfilmes do recipiente, ela evapora rapidamente,

voltando o filme ao seu estado inicial de encurvamento ou enrolamento (READ et al, 2000).

6

Termo não traduzido para português, por não existir uma tradução definitiva e clara na terminologia de conservação e restauro da fotografia.

7

Imagem

temas relacionados :