Manual UFCD 7224 - Prevenção de Acidentes Em Contexto Domiciliário e Institucional

Texto

(1)

UFCD

UFCD

7224

7224

P

P

REVENÇÃO DE ACIDENTES EM

REVENÇÃO DE ACIDENTES EM

CONTEXTO DOMICILIÁRIO E

CONTEXTO DOMICILIÁRIO E

INSTITUCIONAL

(2)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Índice

Índice

Introdução ... 2 Âmbito do manual ... 2 Objetivos ... 2 Conteúdos programáticos ... 2 Carga horária ... 3

1.Fatores de risco de acidente em contexto domiciliário e institucional ... 4

1.1.Fatores intrínsecos: perda de funcionalidade, patologias, outras ... 8

1.2.Fatores extrínsecos: má iluminação, organização deficiente dos espaços, falhas no funcionamento de equipamentos e sistemas domésticos, outras ... 10

2.Técnicas de diagnóstico e avaliação de risco ... 11

3.Técnicas de prevenção de acidentes ... 29

3.1.Modificação do meio ambiente ... 33

3.2.Ensino do indivíduo, seus familiares e cuidadores ... 36

3.3.Técnicas de prevenção de outros acidentes em contexto institucional e domiciliário ... 43

4.Ocorrências e anomalias no apoio à prestação de cuidados ... 52

4.1.Aspetos fundamentais a transmitir ... 57

4.2.Procedimentos de registo ... 68

Bibliografia ... 71

Documentos eletrónicos ... 71

(3)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Introdução

Introdução

Âmbito do manual

Âmbito do manual

O presente manual foi concebido como instrumento de apoio à unidade de formação de curta duração nº 72247224 – Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional,institucional,

de acordo com o Catálogo Nacional de Qualificações.

Objetivos

Objetivos

 Identificar a existência de riscos nos espaços habitacionais e circundantes.

 Propor medidas preventivas e adaptações no espaço domiciliário para melhorar a

acessibilidade e a segurança.

 Efetuar o registo e transmitir ocorrências

Conteúdos programáticos

Conteúdos programáticos

 Fatores de risco de acidente em contexto domiciliário e institucional

o Fatores intrínsecos: perda de funcionalidade, patologias, outra

o Fatores extrínsecos: má iluminação, organização deficiente dos espaços,

falhas no funcionamento de equipamentos e sistemas domésticos, outra

 Técnicas de diagnóstico e avaliação de risco

o Quarto

o Sala de refeições o Sala de esta o Cozinha o Casa de banho

o Outros espaços de circulação

(4)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

o Modificação do meio ambiente

o Ensino do indivíduo, seus familiares e cuidadores

o Técnicas de prevenção de outros acidentes em contexto institucional e

domiciliário

 Ocorrências e anomalias no apoio à prestação de cuidados

o Aspetos fundamentais a transmitir o Procedimentos de registo

Carga horária

Carga horária

 25 horas

(5)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

1.Fatores de risco de acidente em

1.Fatores de risco de acidente em contexto domiciliário

contexto domiciliário

e institucional

e institucional

1.1.Fatores intrínsecos: perda de funcionalidade, patologias, outras 1.1.Fatores intrínsecos: perda de funcionalidade, patologias, outras 1.2.Fatores extrínsecos: má iluminação, organização deficiente dos 1.2.Fatores extrínsecos: má iluminação, organização deficiente dos espaços, falhas no funcionamento de equipamentos e sistemas espaços, falhas no funcionamento de equipamentos e sistemas domésticos, outras

(6)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Os acidentes são a quarta causa de morte mais comum na Europa. No entanto existem, hoje, estratégias preventivas que já provaram ser eficazes na redução de um problema de saúde pública, em grande parte, evitável.

As mudanças relacionadas com o ambiente urbano e rodoviário, a segurança dos produtos, a educação cívica e o desenvolvimento de competências, assim como a qualidade dos cuidados médicos são intervenções comprovadamente eficazes.

A prevenção dos acidentes, baseada numa intervenção de saúde pública é mais útil quando combina: estratégias de mudança dos ambientes, respostas dirigidas para os grupos mais vulneráveis e quando canaliza os resultados da investigação para a intervenção comunitária.

As estratégias de saúde pública têm um enorme potencial de prevenção de acidentes e de ganhos em saúde. Permitem reduzir o número de mortos, a severidade das lesões e o impacto das suas consequências.

No âmbito da designação Acidentes Domésticos e de Lazer cabem todos os acidentes registados durante os tempos livres da população (ocorridos em casa, em práticas desportivas, em períodos de lazer ou diversão), acidentes na rua, etc.

Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que representam risco e podem provocar acidentes. Para as crianças e para as pessoas idosas, todas as divisões da casa podem representar um enorme risco.

Os ADL têm um impacto fortemente negativo na sociedade, em termos de mortalidade e morbilidade, de custos psicológicos e emocionais das vítimas e familiares, para além de implicarem uma enorme alocação de recursos humanos e materiais na área da saúde. Nas pessoas idosas, isto é, com mais de 65 anos, e nas pessoas com deficiência os acidentes não intencionais são uma importante causa de mortalidade, morbilidade e incapacidade com elevado impacto na sua qualidade de vida.

(7)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

O envelhecimento individual é um processo dinâmico e progressivo, em que existem alterações morfológicas, funcionais e bioquímicas, com redução na capacidade de adaptação homeostática às situações de sobrecarga funcional, alterando progressivamente o organismo tornando-o mais suscetível às agressões intrínsecas e extrínsecas.

Entre as alterações apresentadas pelo idoso encontra-se a instabilidade postural, que ocorre devido às alterações do sistema sensorial e motor, levando a uma maior tendência a quedas.

Na Europa morrem, todos os anos, aproximadamente, 105.000 pessoas com mais de 65 anos devido a acidente. Anualmente, uma em cada dez pessoas idosas recebe tratamento médico devido a acidente. Neste grupo etário, a grande maioria dos acidentes ocorreu em casa e, numa percentagem significativamente inferior, na área dos transportes.

O principal mecanismo da lesão das pessoas idosas foi a queda, aumentando a sua frequência com a idade. As consequências mais frequentes das lesões foram «concussões, contusões e hematomas», isto é, traumatismos, choque violento, ferimento. O tempo médio de internamento aumenta, exponencialmente, com a idade, sendo, em média, de 11 dias nas pessoas com mais de 75 anos.

As quedas são um problema importante para as pessoas idosas e suas famílias, não apenas pela sua frequência, mas sobretudo, pelas suas consequências físicas, psicológicas e sociais.

Qualquer pessoa pode cair, mas o risco de queda aumenta com a idade, pois o envelhecimento é acompanhado por várias alterações a nível do organismo e são estas alterações que tornam as pessoas idosas mais frágeis.

Segundo dados da Direção Geral de Saúde (DGS), a principal causa de lesões em idosos é a queda, sendo que, para o grupo entre os 65-74 anos ocorre em 76% dos casos e para o grupo etário com mais de 75 anos ocorre em 90% dos casos.

As quedas são um grave problema de Saúde Pública pois representam atualmente uma ameaça à capacidade de viver de modo autónomo, cujo peso socioeconómico tem

(8)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

É de vital a importância a identificação dos fatores de risco para a redução da taxa de quedas na população idosa.

Os fatores determinantes de quedas na população idosa podem ser de natureza intrínseca (relacionados com a própria pessoa), ou de natureza extrínseca, relacionados com o ambiente e com práticas de risco.

Podemos ainda referir os fatores situacionais que são definidos como conjugações (interações) particulares de fatores intrínsecos e extrínsecos reunidos numa dada ação ou atividade realizadas pelos idosos.

Na realidade, as quedas resultam da interação de múltiplos e diversos fatores de riscos e situações, muitos dos quais podem ser corrigidos; quanto maior é o número de fatores reunidos num indivíduo maior é o seu risco de queda e, portanto, devem ser estes os alvos prioritários de medidas de vigilância e prevenção de quedas.

(9)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

1.1.Fatores intrínsecos: perda de funcionalidade, patologias, outras

1.1.Fatores intrínsecos: perda de funcionalidade, patologias, outras

Fatores intrínsecos: São alterações próprias do processo de envelhecimento (diminuição de força dos músculos, equilíbrio e flexibilidade) e doenças que podem estar presentes.

História prévia de quedas História prévia de quedas

 Pelo menos uma queda no ano anterior aumenta o risco de queda no ano seguinte.

Idade avançada Idade avançada

 Na maior parte dos estudos conclui-se a associação entre o risco de quedas e o

aumento da idade.

Sexo feminino Sexo feminino

 Maior predisposição para as quedas na mulher que no homem.

Condição clínica Condição clínica

 Presença de doença como hipertensão; diabetes; doenças neurológicas ou

articulares, que alterem a força muscular, a marcha ou o equilíbrio; doenças agudas ou situações crónicas bem como hipotensão ortostática podem precipitar a queda.

Distúrbios da marcha e equilíbrio Distúrbios da marcha e equilíbrio

 Podendo ser resultantes do envelhecimento, se houver diminuição da força e da

resistência prejudicando a manutenção das atividades de vida diárias, pode levar à ocorrência de queda.

Sedentarismo Sedentarismo

 Pelo predispor a fortes alterações músculo-esqueléticas.

Estado psicológico Estado psicológico

(10)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

diminuição das atividades físicas e sociais. Estados depressivos também podem estar na srcem das quedas

Deficiência nutricional Deficiência nutricional

 Pode levar a diminuição da força muscular, distúrbios da marcha e osteoporose.

Declínio cognitivo Declínio cognitivo

 Mesmo pouco acentuado também pode conduzir a ocorrência de quedas.

Deficiência visual Deficiência visual

 Diminuição da acuidade visual.

Deficiência auditiva Deficiência auditiva

 Diminuição da acuidade auditiva.

Doenças do foro ortopédico Doenças do foro ortopédico

Doenças a nível cervical que provoquem tonturas e desequilíbrios, doenças dos pés, calos, ulcera ou dor ao caminhar também aumentam o risco de queda.

Estado funcional Estado funcional

(11)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

1.2.Fatores extrínsecos: má iluminação, organização deficiente dos

1.2.Fatores extrínsecos: má iluminação, organização deficiente dos

espaços, falhas no funcionamento de equipamentos e sistemas

espaços, falhas no funcionamento de equipamentos e sistemas

domésticos, outras

domésticos, outras

Fatores extrínsecos: Riscos ambientais, ou seja, aquelas causas de quedas, que podemos evitar com cuidados simples no ambiente dentro e fora de casa.

Até de 50% das quedas entre idosos na comunidade podem ser ocasionadas por riscos ambientais, como sendo:

 Iluminação inadequada.  Tapetes soltos ou com dobras  Móveis instáveis,

 Cadeiras de balanço,  Camas e sofás muito baixos  Superfícies escorregadias  Degraus estreitos ou altos

 Ausência de corrimãos em corredores e quartos de banho  Prateleiras demasiado altas ou demasiado baixas

 Expor-se a situações de risco, tais como subir em escadas para pegar alguma coisa

em armários, molhar plantas e abaixar-se, com dificuldade de equilíbrio

 Vestuário e sapatos inadequados

 Obstáculos no caminho, como móveis baixos, fios, pequenos objetos.  Ortóteses inadequadas.

 Tomar medicamentos que não foram receitados pelo médico e não dar prioridade à

(12)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.Técnicas de diagnóstico e avaliação de risco

2.Técnicas de diagnóstico e avaliação de risco

(13)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

A avaliação de segurança da casa permite identificar fatores que podem colocar em risco de queda um indivíduo idoso.

Muitas pessoas idosas, mas especialmente aqueles com um histórico de quedas, com dificuldades de locomoção ou de equilíbrio têm maior necessidade e podem beneficiar com uma avaliação de segurança da habitação.

A avaliação da segurança da habitação, que pode ser uma autoavaliação ou verificada por um profissional ou pelo cuidador, deve ser integrada num projeto de intervenção, combinada com outras medidas.

As modificações e as correções dos riscos detetados numa habitação são cruciais para a redução do número e da gravidade das quedas.

Um Banco de Ajudas Técnica, assim como a utilização das novas tecnologias, podem ser boas soluções para a manutenção da autonomia do idoso no seu domicílio.

(14)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.1.Quarto

2.1.Quarto

Prevenir os acidentes no quarto é uma questão de prudência.

Em casas com mais do que um piso, o quarto do idoso deve estar localizado, sempre que possível, no piso térreo.

O chão não deve ser encerado para que o piso não fique escorregadio. Deve ser utilizada borracha adesiva no chão sob os tapetes, ou removê-los.

O chão do quarto não deve ter desníveis para evitar quedas.

A altura da cama deve adequar-se às necessidades pessoais. Procure utilizar uma cama larga, com altura suficiente para que, sentado, consiga apoiar os pés no chão, evitando tonturas. Recomenda-se que esteja a uma altura entre 45 e 50 cm do chão.

Ao deitar-se, o idoso deve utilizar sempre um travesseiro para apoiar a cabeça.

O colchão não deve afundar e a roupa da cama deve ser leve. Pode ser necessário colocar um colchão ou almofadas no chão, ao lado da cama, para proteger a pessoa caso caia da

(15)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Ter em atenção que os cobertores elétricos podem ser perigosos se a pessoa for incontinente.

As camas de altura ajustável podem ser muito úteis para facilitar a entrada e saída da cama. Se for necessário, utilizar equipamento de elevação e transferência.

As barras de segurança para a cama podem ajudar a pessoa a ficar na cama durante a noite. No entanto, para algumas pessoas, as barras podem causar frustração e a pessoa pode cair ao tentar passar por cima delas.

Os interruptores devem estar ao alcance da mão quando o idoso estiver deitado na cama, para evitar levantar-se no escuro.

A distribuição dos móveis deve permitir a movimentação com um andador, bengala ou muleta. As arestas dos móveis devem ser protegidas.

No armário, a roupa deve estar acessível. Devem ser evitadas prateleiras muito altas ou muito baixas, para diminuir o esforço físico ao procurar algum objeto e evitar quedas.

A mesa-de-cabeceira deve ser estável e ter uma altura que permita fácil acesso. De preferência, deve ter bordas arredondadas e ser fixa ao chão ou à parede, para evitar que se desloque caso o idoso necessite apoiar-se nela.

Deve existir uma cadeira ou poltrona no quarto, para que o idoso se possa sentar para calçar meias e sapatos.

(16)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.2.Sala de refeições

2.2.Sala de refeições

A iluminação é essencial para a segurança.

A escolha das lâmpadas e das fontes de luz deve ser adequada a cada divisão, para a zona de passagem ou para o espaço exterior, a atividade da vida diária ou a altura do dia/noite.

O melhor é não colocar tapetes e passadeiras, mas se eles existirem, deverão estar presos ao chão, pois podem provocar tropeços ou escorregões.

Por baixo da mesa da sala de jantar não deve existir tapete. Deve ser deixado um espaço à volta da mesa para a movimentação das pessoas.

As cadeiras e as poltronas devem ter apoio de braços e costas. O assento deve ser firme, não afundar, e a altura recomendada em relação ao chão é de 45 centímetros.

(17)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Os cantos e arestas dos móveis, em que a pessoa se possa magoar, devem ser removidos ou suavizados. Devem ser evitadas esquinas de vidro, metal ou materiais cortantes em mesas de apoio.

Os armários devem ser rotulados para ajudar a pessoa a encontrar ou a guardar as coisas. Devem ser revistos, de forma a reduzir o número de itens de cada artigo e manter apenas algumas das coisas mais utilizadas.

Devem ser retirados os objetos afiados, como por exemplo utensílios para a lareira, abre cartas e tesouras, que possam causar ferimentos à pessoa.

Os utensílios coisas mais utilizados devem ser colocados de modo a ser de alcance fácil, para dissuadir a pessoa de subir para chegar aos armários mais altos.

(18)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.3.Sala de estar

2.3.Sala de estar

Prevenir os acidentes na sala é uma questão de conforto.

Deve verificar-se se existem elementos na sala que possam constituir uma barreira à independência ou à segurança da pessoa, como por exemplo:

 Arestas dos móveis;

 Tapetes e Revestimento do chão solto;  Disposição da sala;

 Armários e a forma como estão organizados;  Iluminação e brilho;

 Tomadas e fios elétricos.

Se for necessário modificar a sala, tentar mantê-la o mais familiar possível.

Procure utilizar cores claras nas paredes e aumentar a iluminação, tornando-a três vezes mais forte que o normal, para compensar dificuldades visuais.

(19)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

A iluminação adequada na sala pode ajudar à identificação dos objetos e promover uma circulação segura. Uma boa regra é completar a iluminação com candeeiros de fácil manutenção.

Opte por sofás e poltronas confortáveis, com assentos que não sejam demasiado macios, e que facilitem os atos de sentar e levantar.

Evitar cadeiras de balanço, pois facilitam as quedas.

É importante manter a sala organizada e retirar quaisquer obstáculos do caminho, especialmente nos sítios de passagem.

Mesas ou outros móveis que sejam muito utilizados como apoio devem ser fixados às paredes.

Os pisos antiderrapantes devem ser usados e deve evitar-se encerar o chão.

Deve sinalizar-se com equipamento próprio pavimentos molhados e escorregadios, realizando a limpeza destes em horário de menor probabilidade de passagem da pessoa idosa.

O revestimento do chão não deve estar solto e as bordas dos tapetes não devem estar levantadas, de forma a evitar que a pessoa tropece.

Os Tapetes e passadeiras devem dispor de tiras antiderrapantes e devem existir o mínimo possível

Devem ser colocados protetores nas tomadas e verificar se as mesmas não estão sobrecarregadas com adaptadores duplos.

(20)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.4.Cozinha

2.4.Cozinha

Prevenir os acidentes na cozinha é uma questão de precaução.

A cozinha deve ser bem iluminada, especialmente nas áreas do fogão, lava-loiça e bancada.

Não devem ser colocadas cortinas ou outros materiais que possam incendiar-se perto do fogão.

O exaustor deve ser limpo regularmente, exaustor, assim como os filtros deste.

O sistema de ventilação da cozinha deve ser ligado ao exterior e nunca a outros espaços como o sótão, garagem ou cave.

Na cozinha, muitos dos riscos estão relacionados com a confeção dos alimentos e no manuseamento de utensílios como facas, fogões a gás, armários de difícil acesso ou louças, por exemplo.

(21)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

A distribuição dos móveis em forma de L permite ao idoso ter sempre um ponto de apoio enquanto se movimenta.

Os armários não devem ficar em locais muito altos. Os objetos que são pouco utilizados devem ser guardados nos armários superiores e os de uso frequente, em locais de fácil acesso.

Os artigos devem ser arrumados de forma a que não seja necessário esticar-se nem encurvar-se se para os alcançar.

Os utensílios devem, sempre que possível, ser adaptados às limitações do idoso.

A mesa de cozinha deve ser firme e imóvel. As cadeiras devem ter aplicação de antiderrapantes nos pés de apoio.

Prevenir os acidentes com a eletricidade implica ter em atenção as condições dos fios, fichas, tomadas, interruptores mas também as condições de funcionamento dos eletrodomésticos.

Os principais acidentes relacionados com a energia elétrica são o choque elétrico e/ou eletrocussão, a queimadura, o incêndio e o curto‐circuito.

Para os evitar devem ser tidas em conta as normas de instalação, funcionamento e manutenção dos equipamentos, a imprescindibilidade de ligação à terra de fogões, fritadeiras, ferro de engomar, termoacumuladores, etc.

As torradeiras, jarros ou ferros de engomar que se desligam automaticamente são os aparelhos mais seguros.

Os fornos elétricos e os micro-ondas devem ser instalados em local de fácil acesso.

(22)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Ao cozinhar, as pegas das frigideiras e dos tachos devem estar viradas para a parte de trás do fogão.

Alguns modelos mais recentes de fogões a gás possuem um dispositivo de segurança que corta automaticamente o gás, caso não exista chama.

A botija de gás deve ser instalada, sempre, fora da cozinha.

O forno micro-ondas poderá ser útil para aquecer a comida fornecida por um serviço de apoio domiciliário. Assinalar que não podem ser utilizados, no micro-ondas, recipientes de metal.

No frigorífico, manter os produtos em lugares fixos de forma a serem facilmente localizados.

Se a pessoa tem dificuldade em lembrar-se de fechar o frigorífico, pode-se elevá-lo ligeiramente à frente. Isto irá fazer com que a porta se feche, caso tenha sido deixada aberta.

Deve evitar-se colocar peso nas portas do frigorífico, utilizando as prateleiras que não exijam que se baixe ou levante muito os braços.

Os interruptores devem estar colocados perto das portas.

Os medicamentos devem ser verificados para averiguar se têm tampas de segurança, devendo ser retirados os medicamentos fora da validade.

(23)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.5.Casa de banho

2.5.Casa de banho

A casa de banho é a divisão mais pequena da casa mas uma das mais perigosas.

Deve colocar-se na porta um símbolo, palavra ou desenho, para sinalizar a casa de banho. Durante a noite, deixar uma luz de presença na casa de banho e colocar luzes ao longo do percurso entre o quarto e a casa de banho.

O espaço útil da casa de banho deve ser suficiente para duas pessoas.

Modificar a abertura da porta para o exterior ou substituir a porta por uma porta de fole, se existir a probabilidade de ter que de assistir a pessoa dentro da casa de banho.

Deve ser retirada a chave da casa de banho para que a pessoa não se tranque no seu interior.

Devem ser removidos os tapetes e verificar se o chão não tem irregularidades de forma a evitar quedas.

(24)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

O piso da casa de banho deve ser antiderrapante. Os produtos de limpeza a serem usados devem ser de secagem rápida e o mais antiderrapantes possível.

Os produtos de limpeza devem ser retirados da casa de banho.

Devem ser removidas as prateleiras de vidro e superfícies cortantes.

É recomendável substituir a banheira pelo chuveiro.

A inexistência de barras de apoio junto da sanita ou banheira ou auxiliares de mobilização, devem levar o cuidador do idoso a providenciá-las logo que possível, tais como:

 Colocação de barras de suporte na banheira, chuveiro e sanita. As barras de

segurança que são fixadas à parede são mais seguras do que as fixadas na parte lateral da banheira. As barras de segurança devem ter um acabamento antiderrapante.

 Aplicação de tapetes de borracha antiderrapante na banheira ou chuveiro.  Montar uma cadeira de chuveiro com mangueira de duche manual.

Utilizar um dispensador de sabão líquido fixado à parede é mais seguro. Os outros podem causar ferimentos em caso de queda.

Pode ser necessário retirar a base do duche de modo a facilitar a entrada da pessoa.

Pode, ainda, ser necessário retirar as portas do polibã e substitui-las por uma cortina de forma a facilitar o acesso e a assistência.

Deve existir uma iluminação adequada para ajudar à visibilidade da borda da banheira ou da base do duche.

Os toalheiros, torneiras e lavatório não devem ser utilizados como apoio, porque não suportam o peso de uma pessoa.

(25)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Deve ser adquirido um assento elevatório para a sanita ou um assento de sanita com braços. Se a altura da sanita for mais elevada, menores serão os esforços para sentar e levantar.

Água e eletricidade não ligam, por isso, na casa de banho os riscos aumentam. Deve ter-se especial cuidado com a instalação elétrica, o circuito elétrico e a sua proximidade com o sistema de abastecimento de água.

Os interruptores e as tomadas elétricas devem localizar-se em áreas secas da casa de banho. Devem ser instalados protetores nas tomadas.

Aquecer a casa de banho é importante, uma vez que facilita à pessoa despir-se e lavar-se. No entanto, alguns aquecedores apresentam problemas de segurança.

Utilizar lâmpadas de aquecimento é mais seguro. Os radiadores de parede podem ser uma boa opção, desde que sejam colocados a uma altura elevada. Se utilizar outro tipo de aquecedores, estes devem proteções e desligar-se automaticamente.

O interruptor deve estar perto da porta.

(26)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

2.6.Outros espaços de circulação

2.6.Outros espaços de circulação

Em contexto domiciliário Em contexto domiciliário

Portas Portas

 Deverão ter uma largura mínima de 80 cm. Se forem de correr, pelo menos uma delas

deverá ter essa essa dimensão e as guias deverão ser embutidas no chão para evitar o degrau.

 Se as portas da casa de banho tiverem travas de segurança, é importante que possam

ser abertas por fora.

 As maçanetas devem ser de madeira, de alavanca ou puxador.

Janelas Janelas

 É melhor que sejam de correr para evitar acidentes quando se abrirem para dentro.  Nas janelas com dobradiça, as maçanetas deverão ser de alavanca através de

manivela acessível, situados no máximo a 120 cm de altura a partir do chão.

Chão e Soalhos Chão e Soalhos

(27)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

A presença de desníveis como degraus ou escadas, bem como pisos escorregadios ou encerados é uma das principais causas de quedas e fraturas, pelo que deverão ser acautelados através de algumas medidas simples e pouco onerosas:

 Colocação de antiderrapantes para criar aderência em tapetes, orlas de carpetes

presas ao chão.

 Carpetes com pelo raso.  Cera antiderrapante nos soalhos.

 Fios elétricos longe dos sítios de passagem (fios telefónicos, extensões elétricas)

Escadas Escadas

As escadas são fonte de inúmeros acidentes, de modo que é essencial dotá-las de equipamentos que possam prevenir quedas:

 Boa iluminação com interruptores ao cimo e ao fundo da escada.  Corrimão bilateral bem fixo e afastado da parede.

 Degraus largos e livres de obstáculos, sem tapetes ou passadeiras  Adaptação de cadeira de transporte ao Corrimão

As escadas devem estar em boas condição e desobstruídas de qualquer objeto quepossa causar quedas.

 As escadas devem ter tiras antiderrapantes.

Exterior da casa Exterior da casa

Os espaços envolventes, como pátios, jardins ou quintais são contêm igualmente armadilhas promotoras de acidentes e devem ser objeto de reformulação logo que o idoso comece a apresentar algum grau de limitação:

 Reparação de fendas no pavimento e/ou buracos no relvado.  Remoção de objetos suscetíveis de fazer tropeçar.

 Caminhos bem iluminados

Substituição de degraus por rampas de acesso

 Os acessos devem estar sempre arranjados e desobstruídos.  Caso tenha corrimão no acesso a casa, este deve estar seguro.

 As portas, os degraus e os passeios devem ser nivelados e bem iluminados.

(28)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 Preferencialmente, a porta de entrada não deve ter degraus. Se tal se verificar, estes

devem ser nivelados.

Em contexto institucional Em contexto institucional

O edifício e as instalações devem ser mantidos em bom estado, reparando-se todos os eventuais estragos, avarias ou situações anómalas, logo que detetados.

A higiene e a limpeza de todo o edifício, mobiliário e demais equipamento, devem ser permanentemente asseguradas.

A organização do espaço físico tem de ter em conta o acesso e a mobilidade. As divisões e os corredores devem ter dimensões que permitam a circulação de cadeiras de rodas, andarilhos e macas e, sempre que as condições do edifício o tornem necessário, assegurar a existência de elevadores e a sua funcionalidade.

As escadas e rampas devem ter corrimãos, respeitar o nível de inclinação adequado e o piso deve ser antiderrapante.

As opções referentes à iluminação devem ser cuidadas, tendo nomeadamente em conta as características e funções de cada espaço, as exigências de boa visão, amenidade, recolhimento e ambiente agradável para todos e cada um dos residentes.

Devem evitar-se, nomeadamente, tons e intensidades de luz agressivos e despersonalizantes.

A temperatura ambiente deve ser mantida dentro de valores adequados.

Alguns residentes têm, por vezes, falhas de memória. O espaço físico pode ajudá-los a contextualizar a sua situação. Elementos como espelhos, relógios e calendários, bem como quadros com motivos relativos às estações do ano e outros aspetos do quotidiano, constituem meios de orientação temporo-espacial muito úteis.

(29)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Devem ser de tamanho suficiente e estar colocados em locais bem visíveis, para chamarem a atenção e serem facilmente consultados. Também a sinalética utilizada em toda a estrutura residencial deve ser clara e facilmente percetível.

O estado de conservação e funcionamento do equipamento fixo ou móvel da estrutura residencial tem consequências diretas na segurança e no bem-estar dos residentes.

Todos os equipamentos e materiais devem ser periodicamente inspecionados e, sempre que necessário, reparados. Para evitar acidentes, o espaço deve ser organizado de forma a permitir a circulação fácil de cadeiras de rodas e/ou andarilhos e o pavimento deve ser antiderrapante.

(30)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

3.Técnicas de prevenção de acidentes

3.Técnicas de prevenção de acidentes

3.1.Modificação do meio ambiente 3.1.Modificação do meio ambiente

3.2.Ensino do indivíduo, seus familiares e cuidadores 3.2.Ensino do indivíduo, seus familiares e cuidadores

3.3.Técnicas de prevenção de outros acidentes em contexto institucional 3.3.Técnicas de prevenção de outros acidentes em contexto institucional e domiciliário

(31)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

A prevenção das quedas reveste-se de uma importância extrema, pela sua capacidade de diminuir a morbilidade e a mortalidade bem como os custos em cuidados de saúde diferenciados e internamento em lares.

Vários estudos têm demonstrado que a prevenção dos fatores de risco podem reduzir consideravelmente o número de quedas. Programas de prevenção de quedas eficazes e de menor custo envolvem avaliação de risco sistemático e intervenções dirigidas aos riscos.

Sendo um problema real que acarreta graves consequências e sérias limitações à população idosa torna-se urgente a sua prevenção, com base numa promoção de saúde adequada, com vista à autonomia, independência e consequente qualidade de vida.

Boas práticas baseadas na evidência provam a possibilidade de reduzir em 38% as lesões nos idosos através de métodos com custos eficazes. A diminuição da incidência de lesões pode melhorar a qualidade de vida e reduzir os custos dos serviços de saúde.

A OMS identifica, no seu relatório global sobre prevenção de quedas na velhice, fatores de proteção de quedas nos idosos como estando às mudanças comportamentais e modificações ambientais, uma vez que defende serem estes os fatores passíveis de modificação.

Identifica a mudança comportamental para estilos de vida saudáveis como ponto basilar para evitar quedas e promover um envelhecimento saudável e manutenção da independência, como sendo o consumo de álcool moderado, ausência de hábitos tabágicos, manutenção de peso adequado e manutenção de níveis adequados de atividade física.

Segundo a mesma fonte, é necessário tomar medidas de prevenção com o intuito de se manter a segurança e facilitar a autonomia e a manutenção das atividades de vida diária.

A magnitude dos acidentes e o seu impacto na saúde das pessoas idosas torna-as num grupo particularmente vulnerável, exigindo, por isso, ações intersectoriais continuadas e sustentadas.

(32)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

É neste sentido que surge O Programa Nacional de Prevenção de Acidentes, ao estabelecer uma plataforma conceptual e operacional de intervenção.

Para que possa responder a todos os desafios, o Programa Nacional de Prevenção de Acidentes desenvolve-se em dez eixos estratégicos:

1. Reforçar a ação comunitária na promoção da segurança e na prevenção dos acidentes, através da aplicação de uma abordagem de saúde pública à problemática das lesões não intencionais.

2. Capacitar os profissionais para a promoção da segurança, a prevenção dos acidentes e o desenvolvimento de aptidões para gerir o risco.

3. Defender a criação de condições ambientais favoráveis à segurança.

4. Reorientar os serviços de saúde para a prestação de cuidados de qualidade à vítima e o apoio às necessidades dos indivíduos e das comunidades.

5. Ação intersectorial para a promoção da segurança e da saúde, abrindo o diálogo com os sectores sociais, económicos, políticos e outros.

6. Legislar, regulamentar e normalizar.

7. Investigação epidemiológica sobre os acidentes

8. Avaliar o impacto das ações no nível de saúde das populações.

9. Monitorizar os progressos e a implementação do Programa Nacional de Prevenção de Acidentes.

10. Cooperar com organizações internacionais, nomeadamente a OMS e a Comissão Europeia, na implementação das Resoluções aplicáveis.

No que concerne especificamente à prevenção de acidentes na população idosa

 Articulação intersectorial com atividades específicas dos planos de prevenção de

acidentes e de promoção da saúde, nomeadamente:

o Programa Nacional para a Saúde das Pessoas Idosas na prevenção dos

acidentes domésticos e de lazer e na utilização segura dos transportes;

o Plano Nacional de Promoção da Acessibilidade para a aplicação da legislação

sobre acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada a Hospitais e Centros de Saúde e outros edifícios públicos;

(33)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

o Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária para a inclusão de ações

específicas sobre prevenção dos acidentes de viação com pessoas idosas, especialmente, enquanto peões;

 Colaborar na sensibilização da população em geral sobre a prevenção dos acidentes

com pessoas idosas ou em situação de dependência, através de:

o Ações sobre promoção da segurança e prevenção das quedas, das

intoxicações acidentais, dos afogamentos, das queimaduras e dos acidentes de viação com pessoas idosas.

 Colaborar na capacitação da comunidade (Autarquias, Lares, Centros de Dia,

Associações de Idosos, etc.) sobre a prevenção dos acidentes, através de:

o Divulgação de boas práticas sobre promoção da segurança, acessibilidade a

serviços, equipamentos e produtos seguros;

o Workshops a nível local.

 Colaborar na sensibilização dos profissionais de saúde, segurança social e outros

sobre prevenção dos acidentes com pessoas idosas ou em situação de dependência, quer vivam na sua casa ou em lares residenciais, através de:

o Produção de Recomendações sobre estratégias de intervenção eficazes;

Elaboração de Protocolos de avaliação funcional do equilíbrio e do risco de queda das pessoas idosas e com deficiência;

o Produção de recomendações sobre avaliação do risco de queda, formas de

prevenção efetivas e sinalização de pessoas idosas e pessoas com deficiência com qualquer grau de risco;

o Produção de Recomendações sobre prevenção dos acidentes domésticos e

promoção da atividade física, melhoria do equilíbrio e da flexibilidade, alimentação e nutrição dirigidas às pessoas idosas e adaptadas às suas necessidades específicas.

(34)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

3.1.Modificação do meio ambiente

A adaptação ambiental está relacionada com mudanças no meio ambiente ou no espaço físico que facilitem a acessibilidade e mobilidade de pessoas que tenham algum tipo de dificuldade física, comportamental ou sensorial (visão, audição):

 É fundamental conhecer a capacidade de mobilidade da pessoa idosa, para que

possam ser realizadas adaptações que resolvam os seus problemas específicos.

 Um dos primeiros passos a dar, quando temos a missão de reorganizar o dia-a-dia

para facilitar o convívio, diz respeito à organização da casa.

 As casas normalmente são construídas e mobiliadas de uma maneira que as tornam

verdadeiras armadilhas que favorecem os riscos de acidentes, especialmente para crianças e idosos.

 Não se costuma pensar na prevenção de acidentes quando se constrói ou se decora

uma residência.

 É importante lembrar que o ambiente domiciliar é construído ao longo de toda a vida

levando-se em conta as expectativas pessoais. Portanto, é necessário paciência e compreensão ao modificar um ambiente, mesmo que para maior segurança do próprio idoso

 Utilizar tabela com controlo dos medicamentos para evitar repetir a medicação ou

ficar sem tomar.

A adaptação do espaço domiciliário é um serviço que visa promover a melhoria das acessibilidades, bem-estar e qualidade de vida do cliente.

Os colaboradores do SAD devem, sempre que necessário, orientar e apoiar o cliente e/ou pessoa próxima para algumas modificações no espaço habitacional, mobiliário, ajudas técnicas, entre outras, com vista a permitir maior segurança, conforto ao cliente e funcionalidade das ações e tarefas a desempenhar.

(35)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

• Ajudas técnicas – compra/aluguer de cama articulada e/ou cadeira de rodas;

andarilho; cadeira de banho giratória; caixas de comprimido partidor; caixa de comprimidos semanal; alteador de sanita com braços; bengala extensível; spray antiderrapante para banheira e duche; camisa de dormir aberta nas costas; detetor de fumos fotoelétrico; talheres com cabo ergonómico e flexível; entre outras; resguardos descartáveis;

• Afastar obstáculos, p.e. mobiliário, ou outros que dificulte ou coloque em perigo a mobilidade e integridade física. Por exemplo, retirar tapetes por serem uma das maiores causas de queda; não deixar fios de telefone, eletricidade e outros no caminho;

• Ter espaços bem iluminados;

• Existência de aparelhos de comunicação que facilitam a vida do cliente dando-lhe

maior autonomia, p.e telefone SOS, serviço telealarme, computadores e internet específicos para pessoas com doença neuro-motora;

Usar uma lâmpada especial, luz de presença no quarto do cliente (em caso de doença).

Todas as ações e tarefas executadas devem ser registadas no impresso IMP01.PC08no impresso IMP01.PC08 –

Apoio nas atividades Instrumentais d

Apoio nas atividades Instrumentais da Vida Quotidianaa Vida Quotidiana, com indicação da data, hora e responsável pelas ações (v. exemplo a seguir).

(36)
(37)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

3.2.Ensino do indivíduo, seus familiares e cuidadores

3.2.Ensino do indivíduo, seus familiares e cuidadores

A educação sobre fatores de risco e de proteção é uma estratégia essencial, para capacitar os idosos sobre os riscos de acidente, os prestadores de serviços de saúde ou de assistência social a pessoas de risco, mas que, só por si não é efetiva. A educação individual funciona melhor para idosos que tem problemas de audição, visão ou necessidades especiais. As sessões em grupo permitem uma maior interação social, discussão informal, troca de

experiências, facilitando a motivação para a adoção de comportamentos mais seguros e reduzindo a ansiedade.

Esta educação deve ser feita por profissionais treinados e incluir propostas concretas para a resolução dos problemas apresentados pelos idosos.

As apresentações deverão ser adaptados às dificuldades visuais do grupo, tendo em atenção o tamanho da letra e o fundo de contraste e, os materiais utilizados serem adequados à cultura e ao nível de literacia das pessoas.

A educação e a sensibilização para os fatores de risco de acidente doméstico e de lazer deverá incluir os responsáveis pelo design e pela construção de habitações e de espaços públicos frequentados pelos idosos.

As medidas preventivas a tomar relativamente às quedas nos idosos envolvem orientações aos idosos e seus familiares sobre:

 Os riscos das quedas bem como das suas consequências;  A segurança do ambiente em que vive e circula;

 O estilo de vida no que se refere a dieta e exercício físico;

 A avaliação da situação global e periódica incluindo a função cognitiva, distúrbios de

humor capacidade de realização de atividades de vida diária e condições sociais;

 A racionalização de prescrição e correção da medicação;  A avaliação oftalmológica anual;

(38)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 A indicação de fisioterapia e exercícios físicos;  A correção de fatores de risco ambiental

 As medidas de promoção da saúde com orientação para a prevenção e tratamento

de osteoporose.

Estudos recentes mostram que a prática do exercício físico na adolescência e na idade adulta leva à diminuição da ocorrência de quedas, da osteoporose e outras doenças crónicas.

Existe uma série de cuidados que podemos adotar na vida cotidiana para reduzir as possibilidades de sofrer uma queda em casa.

Procedimentos seguros Procedimentos seguros

Subir e descer escadas Subir e descer escadas

Sempre que existirem corrimãos e suportes, apoie-se neles. O risco de queda é menor se subir ou descer em diagonal. Ao subir o degrau, incline o tronco para a frente; ao descer o degrau, evite inclinar a cabeça e o tronco para trás pois essa posição facilita a queda.

O peso do corpo recai sempre sobre a perna que se encontra mais à frente; o mais seguro é adiantar primeiro a perna mais ágil para subir e a menos ágil ao descer.

Sentar-se e levantar-se Sentar-se e levantar-se

Para sentar numa cadeira ou poltrona, deverá colocar-se de costas para o assento sentindo-o nas pernas e ajudandsentindo-o csentindo-om sentindo-os braçsentindo-os para realizar sentindo-o msentindo-ovimentsentindo-o.

(39)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Para levantar, coloque-se na beira do assento empurrando com os ombros e os braços para facilitar o movimento para a frente.

Utilização da casa de banho Utilização da casa de banho

Se houver barras de apoio, sempre as utilize. As mesmas devem estar fixas ao tijolo e não ao azulejo. É importante não caminhar descalço e utilizar sempre calçado antiderrapante

Deitar e levantar da cama Deitar e levantar da cama

Para deitar na cama, coloque-se de costas para a mesma, perto do travesseiro, e sente-se. Incline lateralmente o tronco até apoiar a cabeça no travesseiro, levantando primeiro a perna mais próxima da cama.

(40)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Para levantar da cama, deverá colocar-se primeiro de barriga para cima. Dê início ao movimento incorporando o pescoço e a cabeça, aproximando o queixo do peito e logo a seguir os ombros, enquanto apoia os cotovelos e as palmas das mãos sobre a cama.

Em seguida, deverá tirar a perna mais próxima da beirada da cama enquanto faz um movimento de rotação sobre as nádegas e acaba de elevar o tronco até ficar sentado.

Vestir-se e despir-se Vestir-se e despir-se

Se estiver de pé, é conveniente ter um ponto de apoio em frente e uma cadeira ou poltrona atrás. Se perder o equilíbrio com facilidade, o melhor é vestir-se sentado. É conveniente ter a roupa previamente preparada, para evitar inclinações e movimentações desnecessárias.

As peças de vestuário devem ser largas, confortáveis e fáceis de vestir, devendo estar arrumadas nos armários a uma altura adequada, para evitar esforços como, por exemplo, ter de ficar nas pontas dos pés.

Para se calçar também se deve sentar. Além disso, deve escolher um tipo de calçado adequado. Os sapatos com ponta de bico fino, com saltos muito altos, que são muito largos, que não se adaptam ao pé, ou que têm cordões, são especialmente perigosos.

(41)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Para realizar as tarefas da casa, deve utilizar escovas, esfregões e aspiradores de cabos longos para evitar ter que se inclinar. Todas as atividades que podem ser feitas sentado, como passar a ferro, descascar batatas, entre outras, evitam a perda de equilíbrio e tenha tonturas.

A tábua de passar deve ser leve e aconselha-se que a máquina de lavar seja de carregamento por cima, mesmo que não seja possível introduzir a roupa sentados e com o cesto perto de si.

É totalmente desaconselhável subir escadas para limpar ou colocar cortinas. Deve esperar que alguém o ajude.

Fazer as compras Fazer as compras

Se utilizar bengala, muletas ou andador, deve levar estes apoios sempre consigo e fazer pequenas pausas. Escolha lojas perto de sua casa e compre pessoalmente apenas os artigos fáceis de transportar.

Peça para entregar em casa os itens mais pesados.

Os carrinhos são muito úteis para transportar as compras, porque asseguram também o equilíbrio durante a caminhada.

Cuidados que devem ser tomados pelas pessoas idosas, nas ruas e locais

Cuidados que devem ser tomados pelas pessoas idosas, nas ruas e locais públicospúblicos não adaptados

não adaptados:

 Usar sapatos bem adaptados aos pés e com antiderrapantes;

 Evitar usar sandálias ou chinelos, que são mais difíceis de se adaptar aos pés;  Ter sempre no bolso ou carteira, uma relação de contatos em caso de emergência:

nome, telefone, endereço;

 Também ter sempre em mãos: o seu tipo sanguíneo e comunicado se, é alérgico a

alguma coisa, se é diabético e outras informações importantes;

 Evitar calçadas irregulares;

(42)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 Ao fazer sinal para o autocarro ou táxi, segurar um suporte, se tiver (ex. bengala)

para evitar o desequilíbrio;

 Ao subir e descer do autocarro pedir ajuda, sempre que necessário, e esperar que o

veículo esteja totalmente parado para se levantar e sair;

 No calor usar roupas leves e tentar ter sempre em mãos uma garrafinha de água para

hidratar.

Alguns cuidados específicos com pessoas idosas com demência:

 Todas as soluções, medicação e produtos tóxicos devem ser removidos e guardados

em local seguro e trancado;

 Tesouras, lâminas de barbear, lixas metálicas e outros objetos potencialmente

perigosos devem ser removidos sem concessões;

 Pílulas e objetos pequenos brilhantes e coloridos são uma verdadeira tentação para

que sejam colocados na boca;

 Todos os aparelhos elétricos, secadores, rádios, aquecedores etc. devem ser

removidos assim como fios e extensões;

Os objetos de uso pessoal e de higiene devem somente atender às necessidades básicas e elementares: uma toalha, sabão líquido, escova e pasta dental e papel higiênico. Todos os outros objetos devem estar em local seguro.

Cuidados adicionais Cuidados adicionais

 Quando as pessoas idosas se levantam subitamente da cama para a posição em pé,

podem ter uma queda brusca da pressão arterial e sofrer risco de acidentes.

 Todas as pessoas idosas devem passar de uma posição para a outra

Gradualmente. Deve primeiro sentar-se, respirar calmamente de 5 a 10 vezes e aí sim, ficar em pé.

 Toda pessoa idosa que cai deve ser examinada por um médico, uma vez que a causa

do acidente pode dever-se a uma série de condições, como arritmias (irregularidade nos batimentos do coração), acidente vascular cerebral (derrame), etc.

 O uso de acessórios para marcha, como bengalas, deve ser prescrito e orientado por

fisioterapeutas para a maneira correta no uso desses recursos. Juntamente com a adoção de um programa de atividade física, com vistas a fortalecer a musculatura e

(43)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 O principal objetivo para prevenir quedas acidentais é manter as pessoas

(44)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

3.3.Técnicas de prevenção de outros acidentes em contexto institucional e domiciliário

Intoxicações

As intoxicações acidentais são a terceira causa de lesão não intencional nas pessoas com m ais de 65 anos. Os medicamentos, os alimentos retardados e o monóxido de carbono são a s principais causas de intoxicação.

Intoxicações medicamentosas Intoxicações medicamentosas

Fatores de risco:

 Sobredosagem.

 Hipersensibilidade do organismo, srcinando reações alérgicas aos medicamentos.  Reação derivada das peculiaridades genéticas do paciente.

 Interações entre medicamentos.  Efeitos secundários dos medicamentos.

 Efeitos teratogénicos dos medicamentos (provocam alterações na estrutura e funções

do organismo).

(45)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Embora todos os medicamentos possuam uma ação benéfica mais ou menos específica, a maioria deles, mesmo administrados nas doses corretas, podem igualmente srcinar vários efeitos secundários adversos, de maior ou menor envergadura.

No entanto, o principal perigo da maioria dos medicamentos é a sua administração incorreta, em doses demasiado elevadas, pois podem srcinar uma verdadeira intoxicação. De facto, a intoxicação por medicamentos constitui, atualmente, um fenómeno bastante frequente, sobretudo nas pessoas idosas e nas crianças mais pequenas.

Embora praticamente qualquer medicamento, administrado em doses elevadas, possa provocar uma intoxicação, os que mais frequentemente provocam este perigo são os analgésicos, por serem os mais utilizados, e os sedativos e hipnóticos, de utilização mais comum nos idosos.

Caso se esteja perante uma pessoa que evidencie sinais e sintomas graves de uma intoxicação aguda, deve-se chamar o corpo médico o mais rápido possível.

De qualquer forma, enquanto a assistência médica não chega, deve-se tentar obter o máximo de informação sobre as possíveis causas de intoxicação: de que substância se trata, quando e qual a quantidade ingerida ou inalada e quais os sinais e sintomas que o intoxicado apresenta, informações fundamentais para que os médicos possam identificar com exatidão o tóxico e proceder rapidamente ao tratamento correspondente.

Para além disso, enquanto se aguarda pelo corpo médico, deve-se igualmente efetuar algumas medidas de primeiros socorros, de modo a reduzir ou travar a entrada ou disseminação do tóxico ao longo do organismo.

Em caso de intoxicação por via digestiva, deve-se provocar o vómito da vítima, por exemplo, desencadeando o seu estímulo através da introdução de um par de dedos na garganta e mediante a ingestão de goles de água morna com sal ou com produtos específicos, como o xarope de ipecacuanha.

(46)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Todavia, deve-se referir que a provocação do vómito encontra-se contraindicada quando o problema é provocado pela ingestão de substâncias corrosivas, porque a nova passagem das mesmas pelas vias digestivas em direção ao exterior pode agravar as lesões internas e, quando a vítima se encontra inconsciente, pode correr o risco de o conteúdo do estômago ser desviado para o pulmão e srcinar o desenvolvimento de uma pneumonia de aspiração.

Por outro lado, não se deve igualmente administrar qualquer medicamento ou o presumível antídoto ao intoxicado sem o prévio consentimento de um médico.

Para além disso, caso o paciente esteja inconsciente, enquanto se aguarda pela assistência médica, deve-se mantê-lo deitado de lado, na posição lateral de segurança, para se evitar que, caso o paciente vomite, o material seja desviado para os pulmões.

Por último, se a vítima não respirar ou o fizer com muita dificuldade, deve-se proceder à respiração boca a boca.

Intoxicações por gás Intoxicações por gás

Fatores de risco:

 Utilização de aparelhos de aquecimento antigos.

(47)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 Adoção de comportamentos inadequados (ex.: esquecer a torneira/ bico do gás

aberta).

Ação:

 Compre apenas aparelhos que obedeçam às normas de segurança;

 A instalação, reparação e manutenção dos aparelhos, incluindo a substituição dos

tubos de alimentação, deve ser feita por técnicos de gás devidamente acreditados;

 Guarde as garrafas de gás em locais apropriados, de preferência com materiais

incombustíveis e bem ventilados e, sempre que possível, no exterior da habitação ou junto de uma janela;

 Mantenha as garrafas de gás a uma distância superior a meio metro de radiadores,

tomadas e interruptores elétricos e a 1,50 metros de chamas;

 Nunca instale esquentadores na casa de banho;

 Nunca instale garrafas de gás propano no interior da sua habitação;  Nunca guarde garrafas de gás na cave;

 Nunca movimente as garrafas de gás, mesmo quando parcialmente vazias, sem

fechar a válvula de corte do redutor;

 Nunca deite garrafas com gás (coloque-as sempre com o redutor para cima);  Nunca ligue interruptores durante a substituição de garrafas vazias por cheias.  Em caso de suspeita de fuga de gás

 Feche as válvulas de segurança do contador e de corte do redutor;  Abra as janelas e portas da habitação, para ventilar;

 Não faça lume, não fume e apague quaisquer chamas;

 Não ligue ou desligue das tomadas os aparelhos elétricos e eletrodomésticos;  Remova para o exterior a garrafa suspeita de ter a fuga de gás;

 Nunca use a chama para localizar ou detetar fugas de gás;

 Chame os bombeiros ou os técnicos da empresa que instalou e faz a manutenção do

equipamento.

(48)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Os Idosos são muitas vezes alvo fácil de atropelamentos enquanto peões e de acidentes como condutores.

A maior parte dos idosos desloca-se mais devagar do que os jovens, o que deve ser salvaguardado quando se trata de dimensionar, por exemplo, uma passagem de peões, e deva ser respeitado pelos condutores.

Dado o processo de envelhecimento a que estão sujeitos, vêem reduzidas progressivamente as suas capacidades físicas e cognitivas, embora eles próprios nem sempre se apercebam das suas limitações. Estas limitações associadas à pressão do ambiente rodoviário, que não é complacente com tais situações, torna-os utentes da via especialmente vulneráveis no trânsito.

Este grupo etário apresenta uma elevada taxa de mortalidade, relacionada com a sua maior debilidade física e por apresentarem maior dificuldade na recuperação pós-acidente.

As suas dificuldades de locomoção, as dificuldades sensoriais ao nível da visão e da audição, tornam-nos vítimas fáceis

(49)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Os Profissionais de Saúde podem ser intervenientes ativos neste âmbito promovendo ações na Comunidade (Lares, Centros de Dia, etc.), onde se discuta e chame a atenção para esta problemática.

Comportamentos seguros:

 Circular sempre nos passeios e nestes do lado direito. Caso não haja passeio, circule

do lado esquerdo, de frente para os veículos e o mais longe possível da faixa de rodagem.

 Quando circular em grupo, em passeios estreitos, bermas ou em estradas sem berma

ou passeio, caminhar em fila indiana.

 Atravessar sempre num local seguro: passadeira, junto a uma passagem para peões

ou junto a sinais luminosos.

 Evitar atravessar em locais junto a veículos estacionados, caixotes do lixo. Arbustos

ou outro tipo de obstáculos que o possam esconder, assim como junto a curvas, cruzamentos e entroncamentos sem passagens protegidas.

 Se estiver para atravessar numa passadeira, coloque-se do lado direito para não se

encontrar com os peões que atravessam no outro sentido. Olhe à esquerda, à direita e novamente à esquerda para verificar quais os sentidos do trânsito e saber de onde podem surgir os veículos.

 Deixe passar todos os veículos e prepare-se para atravessar quando todos os veículos

tiverem passado ou parado.

 Durante a noite, use material retrorrefletor, que é mais visível sob as luzes dos

veículos.

 Quando sair do autocarro, nunca atravesse por trás ou pela frente. Espere até que o

autocarro se afaste e atravesse só quando vir a estrada e for visto pelos condutores.

(50)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Incêndios

Em caso de incêndios em edifícios, os idosos, cuja idade é superior a 65 anos, correm um risco maior devido à sua mobilidade mais reduzida. Tendo isto em conta, é importante estar sempre preparado para conseguir abandonar a sua habitação o mais depressa possível.

Segurança em Casa

 Sempre que possível tenha o seu quarto no rés-do-chão para facilitar uma eventual

saída em caso de emergência.

 Como medida de segurança, poderá instalar detetores de incêndio em todas as

instalações da sua casa, incluindo os quartos e a garagem.

 Deve instalar em sua casa um sinal de alarme. Quando está a dormir, ao invés de

despertar, o fumo de um incêndio poderá levar a um estado de sono profundo.

 Se tiver problemas de audição procure no mercado alarmes que contornem esta

situação, como por exemplo, que emitem um alarme por vibrações e com luz.

 Pratique regularmente simulações de incêndio e os caminhos que tem de percorrer

para abandonar a sua residência em caso de emergência.

 Se tiver dificuldades em deslocar-se e necessitar de ajuda certifique-se que há alguém

que em caso de emergência possa vir em seu auxílio. No caso dessa pessoa não estar sempre disponível, deve ter a certeza que mesmo assim haverá alguém que virá em seu socorro.

(51)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 Mantenha sempre um telemóvel perto de si. Se ficar encurralado poderá ligar para os

bombeiros e pedir ajuda.

Segurança em Residências e Centros de Dia

 Ao contrário de uma habitação privada, estes espaços têm uma grande concentração

de pessoas. Nestes casos, as regras de prevenção e segurança que se aplicam são naturalmente mais rígidas e exigentes.

 As residências e centros de dia devem estar sempre equipados com alarmes e

detetores de incêndio.

 O edifício deverá ter equipamentos para combate de incêndio, como extintores ou

carretéis. A instalação de sprinklers é aconselhada como uma mais-valia para a segurança.

 As zonas onde se encontram e circulam pessoas com mobilidade reduzida devem ser

situadas ao nível do rés-do-chão.

 Os elevadores devem ter proteção para que não funcionem como uma chaminé em

caso de incêndio.

Se pessoas com mobilidade limitada circularem nos andares superiores, os lares devem possuir zonas de refúgio onde estas possam, em caso de emergência, aguardar por auxílio.

 O número de funcionários presentes no edifício, mesmo durante a noite, deve ser

suficiente para evacuar todos os idosos que precisem de auxílio.

 Nestes espaços é proibida a utilização de grades ou outros equipamentos que

dificultem o acesso de equipas de segurança.

 As diferentes divisões do edifício devem estar separadas com portas corta-fogo para

evitar/retardar a propagação em caso de incêndio.

 Os edifícios com mais de 50 pessoas (clientes e funcionários) têm de ter duas saídas

de emergência, sendo que uma delas deve ser utilizada somente para esse efeito.

As portas das saídas de emergência devem estar sempre equipadas com barras

antipânico.

 As saídas de emergência nunca devem estar a uma distância superior a 30 metros de

qualquer ponto do edifício.

(52)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

 A sinalização que indica as saídas de emergência deve ser visível em qualquer zona

do edifício.

 A utilização ou arrumação de materiais inflamáveis ou que possam facilmente explodir

(materiais de limpeza ou garrafas de oxigénio) deve ser efetuada com todas as precauções.

Todos os profissionais das instituições deverão estar familiarizados com os locais onde se encontram os alarmes de fogo, o equipamento para o combater e o dispositivo de corte da corrente elétrica, bem como dos caminhos a utilizar em caso de evacuação (junto aos elevadores e em locais estratégicos).

Procedimentos em caso de evacuação de emergência:

1 – Todo o equipamento deve ser desligado, tendo em conta que esta operação não deve aumentar os riscos já existentes.

2 – Fechar entradas de ar para, para isolar o fogo e reduzir a quantidade de oxigénio disponível para a combustão (janelas, portas, etc.), exceto em caso de fuga de gás. 3 – Deixar o local o mais rapidamente possível, dirigindo-se para a saída mais próxima, sem sair do seu percurso de evacuação, nem demorar-se para recuperar bens pessoais. Não deve utilizar os elevadores dos edifícios (cuja alimentação estará cortada por ação do alarme de incêndio), deve sempre que necessário utilizar as escadas.

4 – Após abandonar o edifício deve dirigir-se para o ponto de encontro designado. Não deve colocar-se na rua nem em locais que possam prejudicar as operações de socorro.

5 – No ponto de encontro as pessoas devem agrupar-se segundo os locais onde se encontravam aquando do alarme, de modo a detetar pessoas que possam ainda estar no interior do edifício. Esta falta deve ser imediatamente comunicada a um elemento responsável ou Bombeiros.

6 – A pessoa ou pessoas que provocaram ou detetaram o incidente devem colocar-se à disposição dos Bombeiros e dos responsáveis de colocar-segurança, para colaborar no ataque ao problema.

(53)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

4.Ocorrências e anomalias no apoio à prestação de

4.Ocorrências e anomalias no apoio à prestação de

cuidados

cuidados

4.1.Aspetos fundamentais a transmitir 4.1.Aspetos fundamentais a transmitir 4.2.Procedimentos de registo

(54)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Emergência é sempre uma situação grave que acontece de repente e que requer uma ação imediata com a finalidade de resguardar a vida da pessoa. A pessoa cuidada por estar mais frágil e debilitada pode, de uma hora para outra, ter uma piora súbita em seu estado geral ou sofrer um acidente.

Esteja atento para perceber uma emergência e procure ajuda para lidar com essa situação de maneira firme e segura. Portanto, a emergência requer cuidados imediatos, com a finalidade de evitar complicações graves ou a morte da pessoa cuidada.

Deve haver um plano de primeiros socorros, elaborado com a colaboração das entidades de saúde competentes, nomeadamente, bombeiros, INEM, centros de saúde, cruz vermelha, -ou pelo menos ser sujeito ao seu aval.

O plano deve identificar claramente os procedimentos a tomar e quem fica responsável pela execução dos mesmos. Este plano deve ser revisto periodicamente.

A formação em primeiros socorros é vital no funcionamento de uma estrutura residencial. Pode nomeadamente ser solicitada aos bombeiros, à Cruz Vermelha ou outras entidades competentes.

Todos os colaboradores devem receber informação e treino sobre como atuar em situações de emergência. Eis alguns princípios a ter em conta:

 Avaliar rapidamente a situação e verificar se ela não constitui um perigo também para

o socorrista;

 Não demorar a pedir ajuda;

 Informar o melhor possível o serviço de emergência sobre o ocorrido e a situação em

que o mesmo ocorreu.

O SAD tem identificadas as situações globais de emergência e a forma de atuação (verver impresso IMP02.IT02.PC05

impresso IMP02.IT02.PC05 – SOS SOS – v. exemplo a seguir). Todos os intervenientes

(colaboradores, cliente e/ou pessoa(s) próxima(s) têm conhecimento dos procedimentos a efetuar em caso de emergência.

(55)
(56)

ufcd 72247224 - Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional

Imagem

Referências

temas relacionados :