UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARCELO TAKAO TANO PROMOÇÃO DA CONCORRÊNCIA NO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL: DESAFIOS E PANORAMA REGULATÓRIO

Texto

(1)

MARCELO TAKAO TANO

PROMOÇÃO DA CONCORRÊNCIA NO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL: DESAFIOS E PANORAMA REGULATÓRIO

CURITIBA 2020

(2)

PROMOÇÃO DA CONCORRÊNCIA NO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL: DESAFIOS E PANORAMA REGULATÓRIO

D issertação apre se n ta d a ao curso de M estrado P rofissional do P rogram a de D e senvolvim ento E conôm ico, S etor de C iê n cia s S ociais Aplicadas, U niversidade Federal do Paraná, com o requisito parcial à o b tenção do título de M estre em Econom ia.

O rientador: Prof. Dr. V inicius Klein

CURITIBA 2020

(3)

Bibliotecário: Eduardo Silveira - CRB 9/1921

Tano, Marcelo Takao

Promoção da concorrência no Sistema Financeiro Nacional: desafios e panorama regulatório / Marcelo Takao Tano. - 2020.

102 p.

Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Economia, do Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Orientador: Vinicius Klein. Defesa: Curitiba, 2020.

1. Concorrência. 2. Sistema Financeiro Nacional. 3. Regulação. I. Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Sociais Aplicadas. Programa de Pós-Graduação em Economia. II. Klein, Vinicius. III. Título.

(4)

U N IV E R S ID A D E F E D E R A L D O P A R A N Á

P R Ó -R E IT O R IA DE P E S Q U IS A E P Ó S -G R A D U A Ç Ã O P R O G R A M A D E P Ó S -G R A D U A Ç Ã O E C O N O M IA - 4 0 0 0 1 0 1 6 0 5 1 P7

TERMO DE APROVAÇÃO

O s m em bros da B anca E xam inadora d e s ign ad a pelo C o le g iad o do P rogram a de P ó s -G ra d u a ç ã o e m E C O N O M IA da U niversidade

Federal do P aran á foram convocados para re a liza r a arguição da D issertação de M e strado de M A R C E L O T A K A O T A N O intitulada:

P R O M O Ç Ã O D A C O N C O R R Ê N C IA N O S IS T E M A F IN A N C E IR O N A C IO N A L : D E S A F IO S E P A N O R A M A R E G U L A T Ó R IO , sob

orientação do Prof. Dr. V IN IC IU S K L E IN , qu e após te re m inquirido o aluno e rea liza d a a a va lia çã o do trabalho, são de p a rec e r pela

sua A P R O V A Ç Ã O no rito de defesa.

A ou torga do títu lo de m es tre e s tá s u je ita à h o m o lo g aç ã o pelo c o le g iad o , a o a te n d im e n to d e to d a s as in d ic a çõ e s e c o rre ç õ e s

solicitadas pela banca e ao pleno aten dim ento das d e m an d a s regim entais do Program a de P ó s -G raduação.

C U R IT IB A , 13 de Abril de 2 0 2 0 .

Assinatura Eletrônica

2 2 /0 7 /2 0 2 0 1 3 :4 6 :3 6 .0

V IN IC IU S KLEIN

Presidente da B anca Exam inadora (U N IV E R S ID A D E F E D E R A L D O P A R A N Á )

Assinatura Eletrônica 2 2 /0 7 /2 0 2 0 1 3 :1 9 :4 4 .0 A D A L T O A C IR A L T H A U S J U N IO R A valiador Interno (U N IV E R S ID A D E F E D E R A L D O P A R A N Á ) Assinatura Eletrônica 2 2 /0 7 /2 0 2 0 1 4 :2 6 :5 6 .0 E D U A R D O O L IV E IR A A G U S T IN H O A valiador Externo (P O N T IF ÍC IA U N IV E R S ID A D E C A T Ó L IC A D O P A R A N Á ) A V . P R E F E IT O L O T H A R IO M E IS S N E R , 6 3 2 - C U R IT IB A - Paran á - Brasil C E P 8 0 2 1 0 -1 7 0 - Tel: (4 1) 3 3 6 0 -4 4 6 4 - E-m ail: ppgeco n@ ufp r.br

D ocum ento assinado eletro nicam en te de acordo com o disposto na legislação fe d e ra l Decreto 8 5 3 9 de 0 8 de outubro de 2 0 1 5 . G e ra d o e autenticado pelo S IG A -U F P R , com a seguinte identificação única: 4 7 1 8 6

Para autenticar este documento/assinatura, acesse https://www.prppg.ufpr.br/siga/visitante/autenticacaoassinaturas.jsp e insira o codigo 47186

(5)

Agradeço primeiramente a Deus, por ter me dado forças para nunca desistir deste sonho.

Aos meus familiares, por estarem comigo desde o início e com quem poderei contar por toda a vida.

À toda a família Tamada, por ser minha segunda família em mais esta etapa da vida.

Aos meus amigos que viveram junto comigo os momentos bons e os momentos desafiadores da vida.

Ao meu orientador, Vinicius Klein, por ter depositado em mim sua confiança, por acreditar na minha capacidade de desenvolver um bom trabalho e por durante o período de convivência ter se mostrado uma fonte de inspiração e admiração para mim.

Enfim, a todos que direta ou indiretamente colaboraram para a conclusão deste trabalho.

(6)

it even if the odds are not in your favor" Elon Musk

(7)

A crise financeira iniciada nos EUA em 2008 gerou impacto em diversas economias mundiais e mostrou o quão danosos são os efeitos desencadeados por estas crises, fato este que corrobora para a necessidade de intervenção regulatória no mercado financeiro, tanto visando mitigar falhas de mercado quanto para amenizar os efeitos que eventuais crises possam ocasionar. A partir de 2008, houve uma mudança na postura de atuação dos reguladores (tornando as regras de atuação mais rígidas para as instituições financeiras) e também houve o surgimento de novos modelos de negócios baseados em tecnologias inovadoras que apareceram não só com a proposta de prover melhores produtos e serviços ao consumidor por meio de soluções tecnológicas e aumentar a competição no mercado financeiro (em especial no setor bancário), mas também trouxeram desafios para a atuação dos reguladores, dada a complexidade e rapidez do desenvolvimento dos negócios emergentes.

Neste contexto, o presente trabalho defende a necessidade de promoção da concorrência no sistema financeiro nacional no cenário de concentração bancária, de forma a melhorar o bem-estar dos consumidores. Assim, inicialmente será apresentado o cenário de concentração bancária nacional e as características dos entrantes inovadores do mercado financeiro (fintechs). Em seguida, são apresentados os desafios regulatórios que tangenciam as atividades dessas empresas tecnológicas (exigindo uma abordagem regulatória mais ampla e flexível) e são apresentados casos de desconexão regulatória e de investidas dos bancos contra as fintechs. Por fim, elenca-se os avanços no panorama regulatório e iniciativas que buscam favorecer a promoção da concorrência no sistema financeiro nacional com a finalidade de aumentar o bem-estar do consumidor.

Palavras-chave: Concorrência. Fintech. Regulação. Sistema Financeiro Nacional.

(8)

The financial crisis that started in the USA in 2008 had an impact on several world economies and showed how harmful the effects triggered by these crises are, a fact that corroborates the need for regulatory intervention in the financial market, both to mitigate market failures and to mitigate the effects that any crises may cause. As of 2008, there was a change in the attitude of regulators (making the rules of operation more rigid for financial institutions) and there was also the emergence of new business models based on innovative technologies that appeared not only with the proposal to provide better products and services to consumers through technological solutions and to increase competition in the financial market (especially in the banking sector), but also brought challenges to the performance of regulators, given the complexity and speed of the development of emerging businesses.

In this context, the present work defends the need to promote competition in the national financial system in the scenario of banking concentration, in order to improve the well-being of consumers. Thus, initially the scenario of national banking concentration and the characteristics of innovative financial market entrants (fintechs) will be presented. Then, the regulatory challenges that pertain to the activities of these technological companies are presented (requiring a broader and more flexible regulatory approach) and cases of regulatory disconnection and investing of banks against fintechs are presented. Finally, the list of advances in the regulatory landscape and initiatives that seek to favor the promotion of competition in the national financial system in order to increase consumer well-being are listed.

(9)

FIGURA 1 - RADAR FINTECHLAB A G O /15...41 FIGURA 2 - RADAR FINTECHLAB JU N /19... 41 FIGURA 3 - ABORDAGENS REGULATÓRIAS EM RELAÇÃO AO MODELO

(10)

GRÁFICO 1

GRÁFICO 2

- VALOR DE MERCADO DOS PRINCIPAIS GRUPOS

FINANCEIROS E BIGTECHS

-ABRIL/19... 49 - PERCENTUAL DAS CAPTAÇÕES LÍQUIDAS DA XP

CORRETORA POR BANCO DE ORIGEM EM JANEIRO DE 2017... 65 GRÁFICO 3 - EVOLUÇÃO DAS TRANSAÇÕES BANCÁRIAS POR

(11)

TABELA 1 - EVOLUÇÃO DA CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA...25

TABELA 2 - EVOLUÇÃO DO QUANTITATIVO DE INSTITUIÇÕES AUTORIZADAS... 26

TABELA 3 - SÍNTESE DOS INDICADORES DE CONCENTRAÇÃO (2016­ 2018) ... 27

TABELA 4 - ÍNDICE DE LERNER - CRÉDITO...29

TABELA 5 - ÍNDICE DE LERNER - SER VIÇ O S ... 30

TABELA 6 - INDICADOR DE BOONE...31

TABELA 7 QUANTITATIVO DE INSTITUIÇÕES AUTORIZADAS -DEZEMBRO/2019...79

(12)

ABFintechs - Associação Brasileira de Fintechs ABDE - Associação Brasileira de Desenvolvimento AC - Ato de Concentração

ADCT - Ato das Disposições Constitucionais Transitórias ANPD - Autoridade Nacional de Proteção de Dados API - Application Programming Interfaces

APP - Aplicativo

ASIC - Australian Securities and Investments Commission ATM - Automated Teller Machine

BAT - Baidu, Alibaba e Tencent BCB - Banco Central do Brasil

BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento CADE - Conselho Administrativo de Defesa Econômica CVM - Comissão de Valores Mobiliários

DECEM - Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro DLT - Distributed Ledger Technology

FCA - Financial Conduct Authority

FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos FSB - Financial Stability Board

FSRA - Financial Services Regulatory Authority GAFA - Google, Amazon, Facebook e Apple GDPR - General Data Protection Regulation GFIN - Global Financial Innovation Network IFs - Instituições Financeiras

IHHn - Índice de Herfindahl-Hirschman Normalizado IoT - Internet of Things

LAB - Laboratório de Inovação Financeira

LBTR - Liquidação pelo Valor Bruto em Tempo Real LGPD - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

LIFT - Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas NFC - Near-field Communication

(13)

PRA - Prudential Regulation Authority

PROEF - Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Federais PROER - Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional

PROES - Programa de Incentivo à Redução do Setor Público Estadual na Atividade Bancária

PSP - Prestador de Serviço de Pagamento SCD - Sociedade de Crédito Direto

SDM - Superintendência de Desenvolvimento de Mercado SEC - Securities and Exchange Comission

SEP - Sociedade de Empréstimo entre Pessoas SFN - Sistema Financeiro Nacional

SOI - Superintendência de Proteção e Orientação aos Investidores SPI - Sistema de Pagamentos Instantâneo

SPB - Sistema de Pagamentos Brasileiro Susep - Superintendência de Seguros Privados TED - Transferência Eletrônica Disponível

(14)

1 INTRODUÇÃO...16 2 SFN E FINTECHS... 23 2.1 SFN E CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA... 23 2.2 FINTECHS... 35 3 DESAFIOS REGULATÓRIOS... 43 3.1 CASO FAIRPLACE... 53

3.2 CASO ITAÚ UNIBANCO E XP INVESTIMENTOS...55

3.3 CASO BRADESCO E GUIABOLSO...65

3.4 ANÁLISE DOS ESTUDOS DE C A S O ... 69

4 PANORAMA REGULATÓRIO E NOVOS DESAFIOS... 75

4.1 PANORAMA REGULATÓRIO...76

4.2 NOVOS DESAFIOS... 81

4.2.1 Sistema de Pagamentos Instantâneo... 81

4.2.2 Open Banking...87

4.2.3 S andbox... 92

5 CONCLUSÃO...98

(15)
(16)

1 INTRODUÇÃO

Afirmações como a “expressiva quantidade de desbancarizados” e o "elevado spread bancário1” no país são frequentes nas mídias e muitas vezes associadas à baixa concorrência no setor bancário2.

Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva identificou a existência de 45 milhões de desbancarizados em 2019, significando que um em cada três brasileiros não possuiria conta bancária. Segundo dados do Banco Mundial3, os fatores que explicariam porque os brasileiros não possuem uma conta bancária seriam os seguintes: falta de recursos suficientes, preço alto dos serviços ofertados, utilização da conta de uma pessoa da família, distância até as instituições bancárias, falta de confiança nas instituições financeiras e a falta de documentação necessária para a abertura da conta. Estimativas são de que essa parcela não atendida pelos serviços bancários tradicionais movimente anualmente no país mais de R$ 800 bilhões4. Por outro lado, a população com acesso aos serviços bancários encontra-se frente a elevados spreads bancários5, sendo o Brasil o detentor do segundo maior spread bancário do mundo, atrás apenas de Madagáscar6.

1 O spread bancário é a diferença, em percentual, entre a taxa de ju ro s pactuada em operações de em préstim o e fin a n ciam e n to (taxa de aplicação) e a taxa de captação (rem uneração paga pelas instituições fin a n ce ira s em aplicações fin a n ce ira s com o objetivo de ca p ta r recursos para co n ce d e r em préstim os). É im portante sa lie n tar que o spread bancário não corresponde ao lucro auferido pelas instituições fin a n ce ira s ao co n ce d e r em préstim os.

2 N EXO JO R N AL. C o m o a c o n c e n tra ç ã o b a n c á ria a fe ta o PIB b ra s ile iro . 2020. D isponível e m :< h ttp s://w w w .n e xo jo rn a l.co m .b r/exp re sso /2 0 2 0 /0 2 /1 8 /C o m o -a -co n ce n tra çã o -b a n cá ria - afe ta -o -P IB -b ra sile iro -se g u n d o -e ste -e stu d o > A cesso em: 18/02/2020.

V A LO R E C O N Ô M IC O . S p re a d s o b e 1,4 p o n to a p e s a r d e b a ix a d a S e lic . 2020. D isponível e m :< h ttp s ://va lo r.g lo b o .co m /fin a n ca s/n o ticia /2 0 2 0 /0 1 /3 0 /sp re a d -so b e -1 4 -p o n to -a p e sa r-d e - b a ixa-da-selic.ghtm l > A cesso em: 18/02/2020.

3 W orld Bank, T he G lobal F index Database: M e a s u rin g F in a n c ia l In c lu s io n a n d th e F in te c h R e v o lu tio n . 2018. D isponível em: < h ttp s://b it.ly/2 H V H n tu > A cesso em: 10/10/2019.

4 É P O C A N EG Ó C IO S. B ra s il te m 45 m ilh õ e s d e d e s b a n c a riz a d o s . 2019. D isponível em: < h ttp s://e p o ca n e g o cio s.g lo b o .co m /B ra sil/n o ticia /2 0 1 9 /0 8 /b ra sil-te m -4 5 -m ilh o e s-d e -

d e sb a n ca riza d o s-d iz-p e sq u isa .h tm l> A cesso em: 15/10/2019.

5 C onform e m encionado pelo e conom ista F ernando V eloso “O spread bancário m édio no Brasil é de 22,7% , mas ele é m uito m ais elevado no segm ento de recursos livres, a lcançando 39,9% . Já o crédito direcionado, que inclui opera çõ e s de fin a n ciam e n to su b sid ia d o do BN D E S para em presas, e do Banco do Brasil e C aixa E conôm ica Federal para os setores rural e im obiliário, é de apenas 3 ,7 % ”. D isponível em: < http s://b lo g d o ib re .fg v.b r/p o sts/p ro p o sta -d o -se n a d o -p a ra - red u zir-o -sp re a d -b a n ca rio > A cesso em: 10/10/2019.

6 D isponível em: < h ttp s://w w w .in fo m o ne y.co m .b r/m in h a s-fin a n ca s/sp re a d -b a n ca rio -d o -b ra sil-e - o-2 o -m a is-a lto -d o -m u n d o -e n te n d a -p o r-q u e /> A cesso em: 10/10/2019.

(17)

Estudo recente apresentado por Ornelas, Silva e Van Doornik (2020) com mais de 13 milhões de observações de empréstimos para empresas realizados pelos bancos comerciais privados no período de 2006 a 2015 mostrou a relação inversa entre concorrência e spreads, reforçando a teoria de exercício de poder de mercado por parte dos bancos. Os resultados mostraram o comportamento de “capturar e extrair renda” adotado pelos bancos privados no Brasil, situação na qual inicialmente são oferecidas taxas de juros mais baixas ao cliente (captura) e, posteriormente, aumentam-se as taxas de juros com a evolução do relacionamento (extrair rendas)7. Também foi evidenciado que quando as empresas mudam para bancos privados nos quais não possuíam relacionamento, pagam juros mais baixos.

A redução no quantitativo de instituições financeiras no setor nas últimas décadas corrobora o argumento, bem como o aumento nos índices de concentração bancária. Neste contexto, muito se discute sobre a necessidade de aumentar a competição no setor, de modo tanto a reduzir os custos ao consumidor, quanto levar a inclusão financeira a segmentos populacionais que hoje não são atendidos.

Contudo, o sistema bancário apresenta características que o tornam mais complexo de se analisar tanto em termos de regulação quanto de concorrência, dado o potencial impacto que este pode gerar na economia (como exemplos negativos de seus efeitos temos a recente crise de 2008 e a quebra da Bolsa de Valores de Nova York em 1929).

Enquanto autores como Keeley (1990) e Allen e Gale (2004) defendem a estabilidade da concentração, argumentando que o excesso de competição poderia causar problemas na estabilidade do setor bancário, autores como Boyd e Nicoló (2005) evidenciam a fragilidade da concentração bancária. Para Keeley, o aumento da competição no mercado forçaria os gestores a tomar maior risco em nome dos acionistas, dado que a concorrência reduziria os lucros tanto dos

7 C onform e citam Ornelas, Silva e Van D o o rn ik (2020): “ [...] Loans from firm s sw itch in g to a

p riva te b a n k with no p re vio u s re la tio n sh ip h a ve a sp re a d a ro u n d 32 b a sis p o in ts lo w e r than re n e w in g the loan with the sam e bank. W hen sw itching b a c k to a b a n k with an existing relationship, firm s face a sp re a d 15 b a sis p o in ts h ig h e r than the re n e w in g case... There is a p o sitiv e asso cia tion b e tw e e n the duration o f the b a n k-firm relationship, m e a s u re d both in ye a rs a n d in n u m b e r o f loans, a n d spreads. The sixth loan o f a b an k-firm re la tio n sh ip h a s a sp re a d h a lf p e rce n ta g e p o in t h ig h e r than the first one, w hile the 15th loan h a s a sp re a d one pe rce n ta g e p o in t h ig h e r than the first loan. This in cre a sin g sp re a d also a ffects firm s a fte r sw itching to a n e w p riva te bank."

(18)

gestores quanto dos acionistas. Allen e Gale afirmam que o aumento do risco poderia também ser devido a uma exposição bancária maior ao contágio nos mercados competitivos. Nesta situação, um choque adverso poderia causar a insolvência de um banco, que geraria uma reação em cadeia falindo todas as demais instituições expostas a esta, sendo uma forte fonte de risco sistêmico. Já para Boyd e Nicoló, a cobrança de taxas de juros mais altas em um mercado bancário menos competitivo realçaria o comportamento de tomada de risco dos tomadores de empréstimos, aumentando a probabilidade de ocorrência de risco sistêmico.

Dentre as características específicas do sistema bancário podemos citar o sistema de reservas fracionárias, o descasamento de maturidade entre os ativos e passivos, bem como a elevada interligação dos mercados interbancários e do sistema de pagamentos, fatores estes que demonstram a suscetibilidade do setor ao risco sistêmico. Bandt e Hartmann (2000) definem evento sistêmico como aquele no qual "más notícias” sobre uma instituição financeira, ou sua insolvência, produzam uma sequência de efeitos adversos em outras instituições financeiras, ou mesmo na economia real.

Justifica-se assim a necessidade da regulação prudencial8 no setor financeiro visando não só a manutenção da estabilidade financeira, mas também para garantir a concorrência no setor.

Neste contexto, o presente trabalho propõe-se a evidenciar o cenário de concentração bancária nacional e a necessidade de promoção da concorrência no sistema financeiro nacional com o objetivo de aumentar o bem-estar dos consumidores.

Na primeira parte deste trabalho é apresentada a evolução do cenário de concentração bancária nacional que traz à tona a discussão quanto a necessidade de atuação de regulação e concorrência no setor. Em seguida é apresentada a definição de fintechs, que prometem (ao menos, em tese) aumentar a concorrência no setor bancário nacional, seja pela simples entrada de novos ofertantes de serviços financeiros no setor, seja pelas tecnologias

8 A regulação prudencial e stabelece requisitos para as instituições fin a n ce ira s com foco no g e re n cia m e n to de riscos e nos requerim entos m ínim os de capital para fa ze r face aos riscos de co rre nte s de suas atividades, v isa n d o a m inim ização de eventuais riscos sistêm icos.

(19)

trazidas pelos novos agentes (que em conjunto aumentariam a concorrência, trariam eficiência e melhorariam o bem-estar dos consumidores).

Na segunda parte adiciona-se a discussão referente aos desafios regulatórios no sistema financeiro que vieram à tona com o advento de novas tecnologias disruptivas e que são utilizadas por novos agentes (fintechs e BigTechs) na oferta de produtos e serviços por vias digitais. Do ponto de vista dos consumidores o movimento seria visto com entusiasmo, dada uma possível melhora na qualidade dos produtos e serviços ofertados pelos novos agentes e a inclusão financeira de segmentos populacionais que não eram atendidos até então pelas instituições estabelecidas no mercado. Quanto as já estabelecidas instituições financeiras estas estariam postas em sinal de alerta tanto pelas fintechs (too small to care) quanto pelas BigTechs (too large to ignore), sendo a entrada desses agentes no mercado fator de acirramento de competição no setor. Demonstra-se por meio de três casos nacionais (Fairplace, XP Investimentos e GuiaBolso) as dificuldades para a consolidação e as investidas realizadas pelos grandes bancos contra as fintechs que ameaçam seus negócios.

Conforme aborda Viscusi (2005) a evolução do pensamento acerca da regulação dividir-se-ia em três estágios: I) Análise Normativa como Teoria Positiva; II) Teoria da Captura e III) Teoria Econômica da Regulação.

O primeiro estágio indicaria quando a regulação deveria ocorrer, sendo esta justificada em indústrias que apresentassem falhas de mercado, alguns exemplos contemplariam o monopólio natural e as externalidades. Ambas as falhas apresentam ineficiências na alocação produtiva, justificando a intervenção governamental para corrigi-las e aumentar o bem-estar social.

Críticas à Teoria Positiva como a falta de mecanismos de testes para verificar se a regulação gerada ocorreu para corrigir as falhas de mercado e pouca evidência para apoio teórico levou ao desenvolvimento do segundo estágio: a Teoria da Captura. Neste segundo estágio, mais alinhada às evidências empíricas, a regulação seria vista como pró-produtor, tendendo a aumentar seus lucros. Segundo a Teoria da Captura, os legisladores e/ou as agências reguladoras seriam capturados pela indústria ao longo do tempo, agindo em favor dos regulados, configurando assim a captura.

(20)

Apesar da maior aderência empírica em comparação à Teoria Positiva, a Teoria da Captura também apresenta fragilidades como a falta de explicação sobre como a regulação seria controlada pela indústria, já que existem outros grupos de interesse como consumidores e trabalhadores, apenas aceitando ser pró-produtor. Outra questão a se levar em conta seriam as fortes evidências de regulações que não foram apoiadas pela indústria e resultavam em menores lucros aos regulados9.

Uma mudança de paradigma ocorre a partir de 1971, com o trabalho de George Stigler intitulado “ The Theory o f Economic Regulatiorí’10, no qual aponta que o Estado possuiria o poder coercitivo e grupos de interesse que conseguissem convencê-lo a usar este poder em seu benefício aumentariam o seu próprio bem-estar. Adicionalmente, os agentes seriam racionais e escolheriam as ações que maximizariam a sua utilidade. Essas premissas permitiram a construção de uma teoria propriamente dita sobre regulação, prevendo quais indústrias seriam reguladas e quais seriam as formas de regulação.

Desde então surgiram outras contribuições para o desenvolvimento da Teoria Econômica da Regulação, notadamente as trazidas por Peltzman (1976) e Becker (1983). Para Peltzman, os legisladores seriam movidos pelo desejo de manutenção de seus cargos, assim, a legislação seria projetada para maximizar o seu apoio político. Enquanto isso, os grupos de interesse ofertariam apoio político em troca de uma regulação favorável para si. Na disputa entre os grupos provavelmente sairiam vencedores os pequenos grupos bem organizados11 ao

9 C om o exem plo estariam as regulações de preços do petróleo e do gás natural e as regulações so cia is sobre meio a m biente se g u ra n ça do produto e do trabalhador.

10 S tig le r (1971): “ The ce n tra l tasks o f th e th e o ry o f eco n o m ic re g u la tio n are to explain w ho w ill

re ce ive the b e n e fits o r bu rd e n s o f regulation, w hat form re g u la tio n w ill take, a n d the e ffe cts o f re g u la tio n upon the allocation o f re s o u rc e s " [...] “The state ha s one b a s ic re so u rce w hich in pu re p rin cip le is n o t sh a re d with even the m ig h tie st o f its citizens: the p o w e r to coerce. " [...] “ These p o w e rs p ro vid e the p o ssib ilitie s fo r the utilization o f the state b y na in d u s try to in cre a se its p rofitability. " [...] “We p ro p o se the g e n e ra l h yp o th e sis: e ve ry in d u s try o r occupation th a t has e nough p o litic a l p o w e r to utilize the state w ill se e k to co n tro l entry. In addition, the re g u la to ry P o licy w ill often be so fa sh io n e d as to re ta rd the ra te o f grow th o f n e w firms".

11 Isso explicaria porque a m aioria das regulações favorecia os produtores, sendo estes tip ica m e n te em m enor núm ero e recebendo g randes benefícios da regulação. Em co n tra p o siçã o estariam os m ilhões de co n su m id o re s no qual a regulação poderia se r prejudicial no agregado, m as o im pacto a cada um dos co n su m id o re s seria pequeno. A d icio n a -se ainda a d ificu ld a d e de co o rdenação dos interesses dos m ilhões de consum idores.

(21)

invés dos grandes grupos fracamente organizados (estes possuiriam a desvantagem dos “caronas”)12.

Enquanto o modelo de Stigler/Peltzman é baseado em um legislador ou regulador que pauta sua ação regulatória visando maximizar seu apoio político, Becker (1983) aborda a competição entre os grupos de interesse assumindo que a regulação é usada para aumentar o bem-estar dos grupos de interesse mais influentes13. Algumas das importantes conclusões que podem ser extraídas do trabalho de Becker são que as políticas regulatórias que melhoram o bem-estar tendem a ser implementadas em detrimento das que não melhoram e também que setores afetados por falhas de mercado tendem a ser regulados (pois há espaço para ganhos de bem-estar) mas o que determinaria a atividade regulatória seria a relativa influência dos grupos de interesse e a sua eficiência em pressionar reguladores e legisladores.

Apesar de ainda apresentar limitações empíricas, a Teoria Econômica da Regulação apresenta importante avanço no entendimento da atuação regulatória governamental do ponto de vista ortodoxo.

Cabe salientar que o presente trabalho não tem por finalidade a investigação da atuação regulatória do sistema financeiro sob o olhar das teorias econômicas ortodoxas até então vigentes, mas pretende traçar um panorama de

12 P eltzm an (1976): “ To su m m a rize the a rg u m e n t briefly, the size o f the d o m in a n t g roup is lim ite d

in the first in sta n ce b y the absence o f som e th in g like o rd in a ry-m a rke t-d o lla r voting in politics. Voting is in fre q u e n t a n d co n ce rn e d with a p a c k a g e o f issues. In the case o f a p a rtic u la r issue, the v o te r m u s t sp e n d re so u rce s to in fo rm h im s e lf a b o u t its im p lica tio n s fo r his w ealth a n d w hich p o liticia n is like ly to sta n d on w hich side o f the issue. That in fo rm a tio n co st w ill ha ve to o ffse t p ro sp e ctive gains, a n d a v o te r with a sm a ll p e r capita stake w ill not, therefore, in c u r it. In con se q u e n ce th e n u m e ric a lly large, d iffuse in te re s t g ro u p is u n like ly to be an e ffe ctive bidder, a n d a p o lic y in im ic a l to the in te re st o f a n u m e ric a l m a jo rity w ill n o t be a u to m a tica lly rejected. A s e co n d m a jo r lim it on e ffe ctive g ro u p size arises from costs o f organization. It is n o t enough fo r the su cce ssfu l g ro u p to re co g n ize its interests; it m u st organize to tra n sla te this in te re s t into s u p p o rt fo r th e p o liticia n who w ill im p le m e n t it. This m eans n o t o n ly m o b ilizin g its ow n vote, b u t co n trib u tin g re so u rce s to th e su p p o rt o f the a p p ro p ria te p o litic a l p a rty o r p o licy: to finance cam paigns, to p e rsu a d e o th e r voters to su p p o rt o r a t le a s t n o t o p pose the p o lic y o r candidate, p e rh a p s o cca sio n a lly to b rib e those in office. W hile there m a y be som e e co n o m ie s o f scale in this o rganization o f su p p o rt a n d neu tra liza tio n o f opposition, these m u st be lim ited. The la rg e r the g roup th a t seeks the transfer, th e n a rro w e r the b a se o f the opposition a n d the g re a te r are the p e r capita stakes th a t de te rm in e the strength o f opposition, so lo b b yin g a n d cam p a ig n in g costs w ill rise fa s te r than g ro u p size. The c o st o f o ve rco m in g "free rid e rs" w ill also rise fa s te r than g ro u p size. This d ise co n o m y o f scale in p ro vid in g re so u rce s then acts as a n o th e r lim it to the size o f th e g roup th a t w ill u ltim a te ly d om inate the p o litic a l process. "

13 B ecker (1983): “P o litica l in flu e nce is n o t sim p ly fixe d b y the p o litic a l process, b u t can be

e xp a n d e d b y exp e d itu re s o f tim e a nd m o n e y on ca m p a ig n s contributions, p o litic a l advertising, a n d in o th e r w ays th a t e xe rt p o litic a l pressure. P o litic a l e q u ilib riu m h a s the p ro p e rty th a t all g ro u p s m a xim ize th e ir in co m e s b y spending th e ir o p tim a l a m o u n t on p o litic a l pressure, given the p ro d u c tiv ity o f th e ir expenditures, a n d the b e h a v io r o f o th e rs g ro u p s [...]. "

(22)

como os instrumentos regulatórios podem ser adaptados as necessidades de maior flexibilidade, dada a rápida evolução dos modelos de negócios propiciados pela evolução tecnológica.

O avanço das inovações é um fato, ainda que não seja um objetivo direto da regulação, estas podem ser entendidas como um meio para aumentar a competitividade e reduzir ineficiências no mercado, levando a um ganho de bem- estar. Cabe assim ao regulador a tarefa de garantir a estabilidade do sistema financeiro sem prejudicar a entrada de novas empresas no mercado nem inibir a inovação. É necessária a atuação do regulador de uma forma dinâmica para garantir a segurança jurídica para os novos modelos de negócio e para os consumidores, bem como mitigar possíveis riscos sistêmicos ao trazer os novos agentes para o universo regulado.

Por fim, são evidenciadas algumas iniciativas e avanços regulatórios que caminham no sentido de propiciar o aumento da concorrência, inovação e eficiência no sistema financeiro nacional.

(23)

2 SFN E FINTECHS

Mercados financeiros desenvolvidos e saudáveis são essenciais para o desenvolvimento dos países. A sua complexidade faz com que autoridades regulatórias tomem cuidado redobrado em sua regulação e fiscalização a fim de evitar grandes problemas tanto no sistema financeiro quanto nos demais setores econômicos. Podemos citar como exemplo os problemas decorrentes da insolvência de uma instituição financeira, que poderia ocasionar um evento de risco sistêmico nas demais instituições financeiras, onde a quebra de várias instituições impactaria também a economia real. Assim, entender a sua composição e o seu funcionamento são de suma importância para identificar oportunidades de melhoria orgânica no sistema financeiro e consequentemente propiciar melhoria no bem-estar da sociedade. A seguir será discutido o atual cenário do sistema financeiro nacional, que possui alto teor de concentração, e posteriormente introduzido os novos agentes que prometem concorrer com as instituições até então estabelecidas no sistema financeiro nacional, as fintechs.

2.1 SFN E CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA

O Sistema Financeiro Nacional (SFN)14 é composto por um conjunto de entidades e instituições responsáveis pela promoção da intermediação financeira, tendo como representante mais emblemático a figura dos bancos. Segundo Santos (2000) um dos importantes papéis dos bancos na economia é a intermediação financeira entre os agentes econômicos superavitários (aplicadores de recursos) e os agentes econômicos deficitários (demandantes de recursos). Assim, os intermediários financeiros seriam essenciais por prover serviços de divisibilidade e transformação de riscos, que os emprestadores não poderiam obter por si mesmos devido aos custos de transação envolvidos.

14 O SFN é com posto por agentes norm ativos, sup e rviso re s e operadores. De m aneira pragm ática, os órgãos norm ativos d e term inam as regras g e ra is para o fu n cio n a m e n to do sistem a, os su p e rviso re s fiscalizam o cum prim ento das norm as, e nquanto os operadores realizam as fu n çõ e s de in term ediação no sistem a, ofertando os serviços financeiros.

(24)

O sistema bancário nacional passou por forte transformação e consolidação em 1994 com a adoção do Plano Real, com a instituição do Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (PROER)15 em 1995 e com a criação do Programa de Incentivo à Redução do Setor Público Estadual na Atividade Bancária (PROES) em 1996. Destaca-se ainda um terceiro programa, aprovado em 2001, denominado Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Federais (PROEF)16

Conforme Nakane e Alencar (2004), entre 1994 e 2003, o número de instituições financeiras bancárias no Brasil sofreu uma redução de cerca de 33%, resultado de liquidações bancárias, fusões, aquisições, privatizações e entrada de novos bancos estrangeiros. Desde então, o processo de concentração aumentou, situação que traz à tona o papel e a atuação dos reguladores do setor.

A concentração neste período seria também resultado inicialmente, no pós-real, devido ao fim do "lucro inflacionário”. Posteriormente, com a queda da taxa de juros, as concentrações eram devidas à busca de ganhos de escala por parte dos bancos.

A Tabela 1, apresentada por Silva (2013), demonstra a evolução da concentração bancária no Brasil entre 2000 e 2013. Os números demonstram a evolução do grau de concentração do mercado bancário, com maior destaque para os segmentos de crédito rural e imobiliário. Os quatro maiores bancos apresentavam 51,7% dos ativos totais do sistema financeiro (CR4) em 2000 e em 2013 apresentavam 69,4% dos ativos totais do sistema financeiro.

15 O PROER, d e stinado às instituições privadas, foi criado pelo M edida P rovisória n° 1.179 de 03 /1 1/1995 e p o steriorm ente convertida na Lei n° 9.710 de 19/11/1998, que d isp u nh a sobre m edidas de fortalecim ento do S istem a F inanceiro Nacional. O program a possuía os seguintes objetivos: (I) a sse g u ra r a liquidez do sistem a bancário por meio de linhas especiais de crédito ga ra n tin d o o equilíbrio de ativos e passivos da instituição beneficiária; (II) liberação de recursos provenientes da reserva m onetária para as instituições fina n ce ira s a d q u irir outras; (III) fle xib iliza çã o de lim ites opera cio na is das instituições financeiras; e (IV) benefícios e tra ta m e n to s fisca is d ife re n cia d o s para as desp e sa s provenientes da reestruturação bem com o de perdas dela resultantes.

16 Para uma descriçã o a profundada d e sse s program as, suas fin a lid a d e s e o instrum ental adotado co n su lta r V erçosa (2001, p. 257).

(25)

T A B E L A 1 - E V O LU Ç Ã O D A C O N C E N T R A Ç Ã O B A N C Á R IA

Discriminação Ativo Depósito Crédito Empréstimo Financiam ento Rural Im obiliário Ano: 2000 CR41 51,7 51,3 52,9 49,8 37,8 80,2 91,8 CR82 67,0 67,9 67,9 65,3 55,0 89,7 95,7 HHI3 838,60 841,50 870,90 773,90 535,80 3382,40 6585,90 Ano: 2007 CR4 53,2 54,9 53,4 53,1 51,2 74,0 86,7 CR8 73,4 74,7 75,5 73,8 76,3 84,6 97,7 HHI 861,10 917,70 930,50 886,30 935,20 3337,20 4432,90 Ano: 2013 CR4 69,4 70,9 71,4 71,1 62,9 82,6 90,7 CR8 85,3 86,5 86,7 87,0 84,0 91,0 99,3 HHI 1338,00 1386,70 1441,70 1420,60 1239,00 4520,60 4855,90

FONTE: Banco C entral do Brasil (2013). N O TA : v alores em pontos percentuais

1 / C R 4 rep resenta a proporção dos negócios do s 4 m aiores bancos, e m relação a o total do sistem a financeiro.

2 / C R 8 rep resenta a proporção dos negócios do s 8 m aiores bancos, e m relação a o total do sistem a financeiro.

3 / H H I é o índice de c oncentração de H erfin d a h l-H irs c h m an.

Corroborando para o cenário de concentração, verificamos na Tabela 2 a evolução da quantidade de instituições autorizadas a funcionar no sistema financeiro nacional. Os dados mostram que no período de 2008 a 2018 houve uma redução do número de instituições autorizadas pelo BCB a funcionar (de 2.423 para 1.677). Essa alteração é resultado tanto pela busca de uma maior racionalização e ganhos de escala por parte das instituições quanto pela saída das instituições por perda de competitividade no setor.

Analisando apenas o segmento bancário (que concentra cerca de 90% dos ativos do sistema), verificamos uma pequena redução (de 182 instituições bancárias em 2008, para 172 instituições bancárias em 2018)1 7.

17 A s instituições bancárias são cla ssifica d a s nas se g u inte s m odalidades: banco com ercial, banco de investim ento, banco m últiplo, banco de câm bio, banco de d e se n vo lvim e n to e caixa econôm ica. O banco m últiplo é constituído por no m ínim o d uas carteiras operacionais, sendo uma de la s ob rig a to ria m e n te a carteira com ercial ou de in ve stim ento/desenvolvim ento, e as d em ais escolhidas pela instituição bancária entre as carteiras de crédito fin a n ciam e n to e investim ento, crédito im obiliário e a rrendam ento m ercantil. A m odalidade caixa econôm ica, por sua vez, com preende as e m presas públicas com a utorização e specífica para realizar o pera çõ e s bancárias, e é representada atualm ente som ente pela C aixa E conôm ica Federal.

(26)

T A B E L A 2 - E V O LU Ç Ã O DO Q U A N T IT A T IV O DE IN S TIT U IÇ Õ E S A U T O R IZ A D A S

S e g m e n to 2 0 0 8 2 0 0 9 2 0 1 0 2 011 2 0 1 2 2 0 1 3 2 0 1 4 2 0 1 5 2 0 1 6 2 0 1 7 2 0 1 8

B anco Múltiplo 1 3 8 1 4 5 1 3 9 1 3 9 1 3 8 1 3 2 1 3 0 132 1 3 3 1 3 2 131

B anco C o m erc ia l1 21 19 2 0 21 2 3 2 3 2 2 21 21 21 2 0

B anco de D esenvolvim ento 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4

C a ix a s Econôm icas Federal 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

B anco de Investim ento 18 16 15 14 14 14 14 13 14 13 12

B anco de C âm bio 0 0 2 2 2 3 3 3 3 3 4

S u b to ta l u n iv e r s o s u p e r v is io n a d o

b a n c á r io 182 185 181 181 182 177 174 174 176 174 172

S o c ie d a d e de C rédito,

Financiam en to e Investim ento 5 5 5 8 61 6 0 5 9 5 8 5 5 5 3 5 3 5 6 5 8

S o c ie d a d e de A rre n d a m e n to Mercantil 3 6 3 4 3 3 31 3 0 2 9 2 7 2 7 2 5 2 4 21 S o c ie d a d e de C rédito Im obiliário2 e A ssociação de Poupança e 18 17 14 14 12 11 9 8 4 3 3 Em préstim o S o c ie d a d e de C rédito ao M ic ro e m p re e n d ed o r e à E m presa de 4 7 4 6 4 5 42 4 0 3 8 4 0 4 0 3 8 3 8 3 6 P equ e n o Porte A g ê n c ia de Fom ento 12 14 15 16 16 16 16 16 16 16 16 C o m p a n h ia H ipotecária 6 6 7 8 7 8 7 8 9 7 6 S o c ie d a d e de C rédito Direto - - - - - - - - - - 1

S u b to ta l o u tra s in s titu iç õ e s d e

c ré d ito n ã o b a n c á r ia s 174 175 175 171 164 160 154 152 145 144 141 C o o p erativa de Crédito 1 46 2 1 4 1 6 1 3 7 7 1 3 2 8 1 2 6 9 1 2 0 9 1 1 6 3 1 1 1 3 1 0 7 8 1 0 2 3 9 7 7 S u b to ta l n ã o -b a n c á r io e c o o p e r a tiv a d e c ré d ito 1636 1591 1552 1499 1433 1369 1317 1265 1223 1167 1118 S o c ie d a d e C orretora de T ítulo s e V a lo re s Mobiliários 10 7 1 0 9 1 0 7 1 0 0 9 5 9 3 9 2 8 7 7 9 75 6 8 S o c ie d a d e C orretora de C âm bio 4 5 4 5 4 4 4 9 5 7 62 6 6 6 3 6 3 61 6 3 S o c ie d a d e D istribuidora d e Título s e V a lo re s Mobiliários 13 6 1 2 7 1 2 7 1 2 7 1 1 8 1 1 6 1 0 8 102 101 9 5 9 4 S u b to ta l In te r m e d ia ç ã o 288 281 278 276 270 271 266 252 243 231 225 Instituição de P ag a m en to - - - - - - - - 1 6 10 S u b to ta l In s titu iç õ e s d e P a g a m e n to - - - - - - - - 1 6 10 S o c ie d a d e A dm inistradora de C onsórcio 3 1 7 3 0 9 301 2 8 4 2 2 2 1 9 9 1 8 6 172 1 6 6 1 5 6 1 5 2 S u b to ta l A d m in is tr a d o r a d e C o n s ó r c io 3 1 7 3 0 9 301 2 8 4 2 2 2 1 9 9 186 172 1 66 1 5 6 1 5 2 S u b to ta l u n iv e r s o s u p e r v is io n a d o n ã o b a n c á r io 2241 2181 2131 2 0 5 9 1 9 2 5 1 8 3 9 1 76 9 1 68 9 1 63 3 1 5 6 0 1 5 0 5 T o ta l 2 4 2 3 2 3 6 6 2 3 1 2 2 2 4 0 2 1 0 7 2 0 1 6 1 94 3 1 86 3 1 80 9 1 7 3 4 1 6 7 7

FONTE: Unicad, R elatório de E conom ia B ancária (BCB), 2018

1 / Inclui os bancos estrangeiro s (filiais no p a ís ) 2 / Inclui soc ie d a d e s d e crédito imobiliário (R e p as s a d o ra s / S C IR ), que não po dem c a p ta r recursos junto a o público

3 / F o ram con s id era d a s a s instituições na s seg uin tes situações: "A utorizadas s em A tividade" "A utorizadas em Atividade"; "Em A dm . Especial Tem porária"; "Em Intervenção" e "Paralisadas"

(27)

Já quando analisamos o setor não bancário (detentor de 10% dos ativos do sistema) verificamos uma variação de 2.241 instituições para 1.505 (redução de 736 instituições no período)18. Cabe também destaque para o setor de intermediação, onde houve uma concentração nas corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários, resultado do crescimento do modelo de negociação eletrônica via home brokers, que aflorou a competição entre as instituições, levando a saída dos agentes menos eficientes ou com pouca escala operacional.

T A B E L A 3 - S ÍN TE S E DOS IN D IC A D O R E S DE C O N C E N T R A Ç Ã O (2016-2018)

Segm ento bancário e não Segm ento bancário

Indicadores bancário Segm ento bancário comercial

Dez- Dez- Dez- Dez- Dez- Dez- Dez-

Dez-A tivo Total Dez-2016 2017 2018 2016 2017 2018 2016 2017 2018

IHHn 0,1149 0,1139 0,1089 0,1398 0,1396 0,1333 0,1452 0,1449 0,1389 RC5 71,2% 70,8% 69,3% 81,2% 81,1% 79,5% 82,7% 82,6% 81,2% Equivalente do IHHn 8,7 8,8 9,2 7,2 7,2 7,5 6,9 6,9 7,2 Depósito Total IHHn 0,1544 0,1411 0,1297 0,1710 0,1566 0,1447 0,1740 0,1593 0,1479 RC5 81,3% 80,0% 78,4% 85,6% 84,3% 82,9% 86,4% 85,0% 83,8% Equivalente do IHHn 6,5 7,1 7,7 5,8 6,4 6,9 5,7 6,3 6,8 Operações de Crédito IHHn 0,1291 0,1276 0,1250 0,1629 0,1614 0,1530 0,1723 0,1780 0,1630 RC5 74,3% 73,0% 70,9% 83,3% 83,4% 82,2% 85,7% 85,8% 84,8% Equivalente do IHHn 7,7 7,8 8,3 6,1 6,2 6,5 5,8 5,9 6,1

FONTE: R elatório de E conom ia B ancária (BCB), 2018

Para mensurar o nível de concentração setorial, dois indicadores muito utilizados são o índice de Herfindahl-Hirschman Normalizado (IHHn)19 e a Razão

18 D estaca-se a redução das coo p e ra tiva s de crédito, induzidas por fu sõ e s e incorporações

estim uladas pelo BCB e alinhadas as práticas in ternacionais (E xem plo: em 2016, na H olanda, 106 cooperativas de crédito em atuação no país e o Banco R a b o ba n k fu n d ira m -se num a única instituição, den o m in a d a C ooperatieve R a b o ba n k U.A)

19 O índice de H erfin d a h l-H irsch m a n (IH H ) é utilizado pelas a utoridades nacionais e

in ternacionais de defesa da con co rrê ncia com o instrum ento a cessório na avaliação de níveis de con ce n tra çã o econôm ica. Em sua ve rsã o norm alizada, o IHHn, o índice é obtido pelo so m a tó rio do q uadrado da participação na form a decim al de cada instituição financeira (IF) no m ercado considerado: IHHn = (IF1 )2 + (IF2 )2 +... + (IFj)2, resultando num núm ero entre zero e

um. B aseado no G uia para A nálise de A tos de C oncentração, d ivulgado pelo C om unicado n° 22.366, de 27 de abril de 2012, o BCB considera que m ercados que registram valores corre sp o nd e n te s ao IHHn situ a d o s entre 0 e 0,1000 são considerados de baixa concentração;

(28)

de Concentração dos Cinco Maiores (RC5)2 0, usados inclusive pelo BCB para

monitoramento do SFN, com foco na manutenção de sua estabilidade.

A Tabela 3 apresenta os índices IHHn, RC5 e Equivalente do IHHn21

considerando os níveis de agregação:

- Segmento bancário e não bancário (b1+b2+b3+b4)22

- Segmento bancário (b1+b2) - Segmento bancário comercial (b1)

A análise dos índices de concentração do período recente analisado indica uma redução de concentração nas três variáveis e nos três segmentos (ainda que permaneça elevado o grau de concentração).

Cabe salientar que o fato de um mercado ser concentrado não necessariamente significa ineficiência, inclusive alguns mercados praticamente exigem a concentração para serem eficientes (a exemplo dos monopólios naturais). Para verificar a eficiência de um mercado precisamos verificar se existe competição neste mercado, de forma a que sejam oferecidos melhores serviços para a coletividade.

Neste sentido, medidas para avaliar o grau de competição nos setores econômicos amplamente utilizadas são os indicadores de Lerner (1934) e Boone (2008). O indicador de Lerner mede a razão entre o markup e o preço, sendo um markup relativo, no qual quanto menor a elasticidade-preço da demanda2 3, maior

é o indicador de Lerner. Assim, quanto maior for o poder de mercado auferido pela instituição, maior a margem de lucro obtida e maior o valor do indicador de Lerner. Já o indicador de Boone mede a sensibilidade da participação de mercado das instituições financeiras a variações no custo marginal. Assim,

acim a de 0,1000 até 0,1800, de m oderada concentração; e acim a de 0,1800 até 1, de elevada concentração.

20 A razão de concentração de ordem k é um índice positivo que fornece a parcela de m ercado das k m aiores e m presas da indústria (k = 1, 2, ..., n). Q uanto m aior o v a lo r do índice, m aior é o poder exercido pelas k m aiores em presas.

21 O “ equivalente núm ero IH H n” (n), que retrata o núm ero de instituições fin a n ce ira s (IF's), com participação idêntica no m ercado, que ge ra ria o m esm o IHHn observado, i.e. IHHn=1/n. Por exem plo, um e q u ivale n te núm ero IHHn igual a 7 indica que o IHHn observado seria IHHn = 1/7. Portanto, q u a n to m aior a concentração, m aior o IHHn e m enor o e q uivalente núm ero IHHn. 22 O se gm ento (b1) engloba os bancos com erciais, os m últiplos com carteira com ercial e as

caixas econôm icas; (b2) os bancos m últiplos sem carteira com ercial e os bancos de investim ento; (b3) as coo p e ra tiva s de crédito e (b4) os bancos de desenvolvim ento.

23 A elasticid a d e -p re ço da d em anda pode s o frer va ria çõ e s tanto do lado do co n su m id o r (exem plo: p referências do consum idor) q uanto nas restrições estru tu ra is de oferta setorial.

(29)

situações em que alterações nos custos marginais não resultem em mudanças na participação de mercado indicam baixa concorrência.24

A seguir, nas Tabelas25 4, 5 e 6 são apresentados os resultados das estimações realizadas para três períodos: I) 2000-2018; II) 2000-2008 (pré-crise) e III) 2009-2018 (pós-crise)26. T A B E L A 4 - IN D IC A D O R DE LE R N E R - C R É D ITO S e g m e n to 2000-2018 2000-2008 2009-2018 S istem a B ancário 0,559 0,661 0,468 B ancos Públicos 0,374 0,482 0,277 B ancos Privados 0,580 0,682 0,489

FONTE: R elatório de E conom ia B ancária (BCB), 2018

Nota: Os v a lo re s representam a m édia da m ediana de cada sem estre d urante o período indicado.

Os dados da Tabela 4 indicam que houve uma melhora nas condições de concorrência bancária na área de crédito, havendo uma redução do índice de 0,661 (pré-crise) para 0,468 (pós-crise), movimento este que foi acompanhado tanto pelos bancos privados quanto pelos bancos públicos, demonstrando redução na capacidade dessas instituições de repasse dos custos ao tomador final de crédito.

Analisando o indicador de Lerner para Serviços verificamos uma queda em todos os segmentos observando o período pré-crise e pós crise, tendência esta que também foi presenciada na análise do índice para crédito. Porém, a redução verificada no mercado de serviços foi menor que a verificada para o

24 Para uma análise d e talhada da m etodologia de cálculo dos indicadores de L erner e Boone, consultar: R elatório de E conom ia B ancária (2018) e R elatório de E conom ia B ancária (2017). 25 No estudo foram e stim a d a s trê s e sp e cificaçõ e s do m odelo d e scrito pela E quação (5),

depe n d e n d o do produto considerado. A esp e cificaçã o 1 considera com o produtos o estoque de crédito e d em ais ativos (ativos - estoque de crédito); a esp e cificaçã o 2 inclui tam bém os ativos de te so u ra ria (T ítulos e V alores M obiliários - TVM ); e a esp e cificaçã o 3 inclui, além dos ativos considerados na especificação 2, o núm ero de pacotes de serviços. A inclusão de pacotes de serviços na função de custos das instituições fin a n ce ira s tem a finalidade de filtra r e ventuais e feitos cruzados entre ta xa s de ju ro s cobradas nas opera çõ e s de crédito e a tarifa cobrada pela utilização de cesta de serviços fin a n ce iro s prestados, principalm ente, por grandes instituições fin a n ce ira s de varejo. A s T ab e la s 4, 5 e 6 levam em con sid era çã o a especificação 3 (m odelo m ais amplo).

26 Neste período ve rifica -se uma am pliação da oferta de serviços fin a n ce iro s e aum ento da eficiência bancária, com o aum ento do uso de serviços de a u toatendim ento em tra n sa çõ e s via

(30)

mercado de crédito, podendo indicar um possível efeito substituição, onde a diminuição do markup de serviços seria menor devido a absorção de parte da perda do markup de crédito.

T A B E L A 5 - IN D IC A D O R DE LE R N E R - S E R V IÇ O S

S e g m e n to 2 0 00-2018 2000-2008 2 0 09-2018

S istem a B ancário 0,875 0,907 0,846

B ancos Públicos 0,816 0,862 0,774

B ancos Privados 0,889 0,921 0,860

FONTE: R elatório de E conom ia B ancária (BCB), 2018

O indicador de Boone tem como hipótese de que firmas com baixo custo marginal de produção operariam com margem operacional mais elevada, situação que permitiria “sacrifício’ de parte da margem, reduzindo preços, para obter maior participação de mercado. Intuitivamente, a eficiência empresarial levaria a concentração do mercado.

Espera-se que indicador de Boone (p) seja negativo, visto que bancos com baixo custo marginal ganhariam participação de mercado e, quanto menor for este parâmetro, maior o grau de competição27.

Assim, analisando os dados da Tabela 6, verificamos que houve uma melhora nas condições competitivas de crédito bancário pós-crise de 2008 (indicador evoluiu de -0,0794 para -0,1867). Quanto ao indicador de Boone para serviços verificamos o sinal positivo em todos os recortes temporais, o que pode indicar que os clientes seriam pouco sensíveis a preço exclusivamente e levariam em conta outros fatores como segurança, pacote de serviços ou comodidade para concentrar seus negócios em apenas uma instituição.

27 R essalta-se ainda o caso em que o p possa se r positivo, situação na qual os bancos com m aiores custos m arginais ganhariam participação de m ercado por m eio da prestação de serviços d ife re n cia d o s e de boa qualidade, para um público que não to m a ria suas decisões apenas por preços, m as sim por um conjunto de serviços prestados pelos bancos.

(31)

T A B E L A 6 - IN D IC A D O R DE BO O NE E s p e c ific a ç ã o 2000-2018 2000-2008 2 0 09-2018 C rédito (M odelo 1) -0,1336*** (0,0229) -0,0909*** (0,0229) -0 ,2 0 2 6 *** (0,0331) C rédito (M odelo 2) -0,1214*** (0,0233) -0,0847*** (0,0232) -0 ,1 8 0 7 *** (0,0317) C rédito (M odelo 3) -0,1209*** (0,0245) -0,0794*** (0,0246) -0 ,1 8 6 7 *** (0,0329) # Obs 3.481 3.481 3.481 S erviços 0,1216*** 0,0936* 0,1347*** (M odelo 3) (0,0392) (0,0481) (0,0381) # Obs 2.098 2.098 2.098

FONTE: R elatório de E conom ia B ancária (BCB), 2018

Nota: N a estim a ç ã o d a função d e custo total, a especificação M odelo 1 inclui crédito e de m ais ativos; a M od elo 2 inclui crédito, T V M e de m ais ativos; e a M od elo 3 inclui crédito, T V M , Total de C lientes e de m ais ativos. (*) significante a 10% ; (**) significante a 5% ; e (***) significante a 1% . O erro-p ad rão é indicado entre parên teses.

Assim, de modo geral, os indicadores de Lerner e Boone evidenciam que houve uma elevação do grau de concorrência entre as instituições financeiras ao se analisar os períodos pré-crise (2000-2008) e pós-crise (2009-2018). No entanto, também se verificou um aumento da concentração no período analisado, seja pelo próprio crescimento orgânico das empresas mais eficientes seja por atos de concentração (fusões e aquisições), havendo relativa estabilidade no biênio 2017-2018.

Um fator adicional que corroborou para o cenário de concentração no setor bancário foi a existência de barreiras à entrada, barreiras estas que dificultam a entrada de novos agentes e consequentemente geram uma redução competitiva no setor, favorecendo os já estabelecidos. Podemos elencar cerca de três grandes barreiras à entrada no setor bancário: as tecnológicas, as regulatórias e as informacionais.

Referente as barreiras tecnológicas podemos mencionar os grandes investimentos necessários em infraestrutura e armazenamento de dados que são necessários para a prestação de serviços e manter atendimento ao cliente, bem como suportar a capilaridade pelo território nacional.

Quanto as barreiras regulatórias estas priorizam questões referentes a manutenção da estabilidade do sistema e sua solidez, mas que limitam a entrada

(32)

de novos agentes no setor. Conforme argumentam Curado e Dodl (2017) exigir- se-ia das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BCB um valor de capital mínimo28 realizado e patrimônio líquido bastante elevado como uma forma de minimizar o risco de que uma instituição entrante e relativamente frágil viesse a apresentar problemas de solidez, valor este exigido que seria compatível para instituições já estabelecidas no mercado mas seriam pesadas exigências para empresas entrantes e em desenvolvimento. A medida seria uma alternativa do ponto de vista da manutenção da estabilidade do sistema, mas também seria vista como uma barreira a entrantes (através do viés de seleção) e poderia gerar eventuais ineficiências alocativas29.

Outro exemplo de barreira regulatória seria a diferenciação de capital estrangeiro e capital nacional nas instituições, sendo a participação de capital estrangeiro sujeita à aprovação do Presidente da República, via Decreto Presidencial, para poder atuar no setor financeiro nacional. Tal trâmite pode ser

28 R esolução n° 2.607: “[..] Art. 1° Os lim ites m ínim os de capital realizado e p atrim ônio líquido a baixo esp e cificad o s devem se r p e rm anentem ente o bservados pelas instituições fin a n ce ira s e d em ais instituições a utorizadas a fu n cio n a r pelo Banco C entral do Brasil: I - R $17.500.000,00 (dezessete m ilhões e qu in he n to s mil reais): banco com ercial e carteira com ercial de banco m últiplo; II - R $ 1 2 .500.000,00 (doze m ilhões e q u in he n to s mil reais): banco de investim ento, banco de desenvolvim ento, corre sp o nd e n te s carteiras de banco m últiplo e caixa econôm ica; III - R $7.0 0 0 .0 0 0 ,0 0 (sete m ilhões de reais): so cie d ad e de crédito, fin a n ciam e n to e investim ento, sociedade de crédito im obiliário, s o cie d ad e de a rrendam ento m ercantil e corre sp o nd e n te s carteiras de banco m últiplo; IV - R $ 3 .0 00.000,00 (três m ilhões de reais): com panhia hipotecária; V - R $ 1.500.000,00 (um m ilhão e q u in he n to s mil reais): sociedade corretora de títu lo s e v a lo re s m obiliários e so cie d ad e d istribuidora de títu lo s e valores m obiliários que R esolução n° 2.607, de 27 de m aio de 1999. adm inistrem fundos de investim ento nas m odalidades regula m e n ta d a s pelo B anco C entral do Brasil - exceto fundos de investim ento em q uotas de fu n d o s de investim ento - ou so cie d ad e s de investim ento, que sejam habilitadas à realização de operações com prom issadas, bem com o realizem operações de g a ra n tia firm e de subscrição de v a lo re s m obiliários para revenda, de conta m argem e/ou de sw a p em que haja a ssunção de q u a isqu e r d ireitos ou obrig a çõ e s com as contrapartes; VI - R $ 550.000,00 (qu in h e n to s e cinquenta mil reais): so cie d ad e corretora de títu lo s e valores m obiliários e so cie d ad e d istrib u id o ra de títu lo s e v a lo re s m obiliários que exerçam atividades não incluídas no inciso anterior; VII - R $ 350.000,00 (trezentos e cinquenta mil reais): sociedade

corretora de câm bio. [..]”. D isponível

e m :< h ttp s ://w w w .b cb .g o v.b r/p re /n o rm a tivo s/re s/1 9 9 9 /p d f/re s_ 2 6 0 7 _ v2 _ P .p d f> A cesso em: 10/02/2020.

29 C onform e argum entam C urado e Dodl (2017): [...] “ Em época de m odelos de negócios intensivos em te c n o lo g ia (o que gera um am plo leque de possibilidades), um v a lo r de capital arbitrado previam ente se to rn a inconsistente. Na linguagem de plano de negócios, são os planos operacional e m ercadológico que definem o plano financeiro. No caso de correção dos v a lo re s d e finidos na R esolução n° 2.099, de 1994 (com redação pela R esolução n° 2.607, de 1999), q u a lq u e r referencial que se utilize tra d u zirá uma 'pad ro n iza çã o ' artificial de m odelos de negócios, indo de encontro aos resultados alm ejados de eficiência para o SFN. Ou ainda, com base em qual tecnologia, estrutura de custos, natureza das operações, e d em ais va riá ve is a serem consideradas, esse capital inicial seria d e te rm in a d o ? ”.

(33)

presenciado na conjugação normativa da Constituição Federal (ADCT 52) e Circular 331730 do BCB , respectivamente:

“A r t 52. A té que sejam fixadas as condições do art. 192, são vedados:

I - a instalação, no País, de novas agências de instituições financeiras d o m icilia d a s no exterior;

II - o aum ento do percentual de participação, no capital de instituições fin a n ce ira s com sede no País, de pessoas física s ou ju ríd ica s residentes ou d o m icilia d a s no exterior.

P arágrafo único. A v e d a ção a que se refere este artigo não se aplica às auto riza çõ e s resultantes de acordos internacionais, de reciprocidade, ou de interesse do G overno b ra sile iro .” .

“Art. 5° Em face da a d m issib ilid a d e prevista no art. 52, parágrafo único, do Ato das D isposições C o n stitu cion a is T ransitórias, os pleitos de que tra ta o art. 1° se rã o a nalisados com vista s ao respectivo e n ca m inham ento à de lib e ra çã o do E xcelentíssim o S e nhor P residente da República.

P arágrafo único. Um a ve z editado o d ecreto presidencial, o Banco C entral do Brasil com unicará fo rm a lm e n te a decisão aos interessados, para que possam ad o ta r as p rovidências com p le m e n ta re s previstas na re gulam entação em v ig o r.”.

O rito processual além de possuir riscos operacionais possui discricionariedade e opacidade no processo de avaliação, dado o fato de não existirem prazos máximos obrigatórios para serem cumpridos, ficando assim a mercê dos agentes responsáveis, além de ser uma prática antiquada em um contexto de globalização financeira.

Entretanto, recentemente ocorreram avanços no sentido da desburocratização do processo de entrada de instituições estrangeiras no país. Por meio do Decreto n° 10.02931 de 26 de setembro de 2019, fica delegado ao BCB o reconhecimento como de interesse do Governo brasileiro a instalação, no

30 D ispõe sobre p rocedim entos a serem o bservados na fo rm a liza çã o de pleitos para participação ou aum ento de participação estra n g e ira no capital de instituições fin a n ce ira s e dem ais instituições au to riza d a s a fu n cio n a r pelo Banco C entral do Brasil, bem com o para instalação, no País, de agências de instituições fin a n ce ira s d o m icilia d a s no exterior.

31D isponível em: < h ttp ://w w w .p la n a lto .g o v.b r/ccivil_ 0 3 /_ a to 2 0 1 9 -2 0 -2 -2 /-2 0 1 9 /d e cre to /D 1 0 0 -2 9 .h tm > A cesso em: 10/10/-2019.

Imagem

Referências

  1. https://www.prppg.ufpr.br/siga/visitante/autenticacaoassinaturas.jsp
  2. h ttp s://w w w .n e xo jo rn a l.co m .b r/exp re sso /2 0 2 0 /0 2 /1 8 /C o m o -a -co n ce n tra çã o -b a n cá ria - afe ta -o -P IB -b ra sile iro -se g u n d o -e ste -e stu d o
  3. h ttp s ://va lo r.g lo b o .co m /fin a n ca s/n o ticia /2 0 2 0 /0 1 /3 0 /sp re a d -so b e -1 4 -p o n to -a p e sa r-d e - b a ixa-da-selic.ghtm l
  4. h ttp s://b it.ly/2 H V H n tu
  5. h ttp s://e p o ca n e g o cio s.g lo b o .co m /B ra sil/n o ticia /2 0 1 9 /0 8 /b ra sil-te m -4 5 -m ilh o e s-d e - d e sb a n ca riza d o s-d iz-p e sq u isa .h tm l
  6. http s://b lo g d o ib re .fg v.b r/p o sts/p ro p o sta -d o -se n a d o -p a ra -
  7. h ttp s://w w w .in fo m o ne y.co m .b r/m in h a s-fin a n ca s/sp re a d -b a n ca rio -d o -b ra sil-e -o-2 o -m a is-a lto -d o -m u n d o -e n te n d a -p o r-q u e /
  8. h ttp s ://w w w .b cb .g o v.b r/p re /n o rm a tivo s/re s/1 9 9 9 /p d f/re s_ 2 6 0 7 _ v2 _ P .p d f>
  9. h ttp ://w w w .p la n a lto .g o v.b r/ccivil_ 0 3 /_ a to 2 0 1 9
  10. h ttp ://w w w .p la n a lto .g o v.b r/ccivil_ 0 3 /_ a to 2 0 1 5
  11. h ttp s://w w w 2 5 .se n a d o .le g .b r/w e b /a tivid a d e /m a te ria s/-/m a te ria /1 3 8 7 9 0
  12. h ttp ://w w w .p la n a lto .g o v.b r/ccivil_ 0 3 /_ A to 2 0 1 9 -2 0 2 2 /2 0 1 9 /D e cre to /D 9 8 5 4 .h tm
  13. http s://b it.ly/2 Q 4 F w Y C >
  14. http s://b it.ly/2 C v9 B sp >
  15. h ttp s ://w w w .b cb .g o v.b r/co n te n t/e stab ilid a d e fin a n ce ira /D o cu m e n ts/O rg a n iza ca o /m e m o ran d o _ ca d e _ b c _ 2 8 0 2 2 0 1 8 .p d f
  16. h ttp s://w w w 1 .fo lh a .u o l.co m .b r/m e rca d o /2 0 1 8 /0 9 /fa ze n d a -e n tra -e m -a ca o -d o -b ra d e sco -co n tra -g u ia b o lso .sh tm l>
  17. h ttp ://w w w .p la n a lto .g o v.b r/ccivil_ 0 3 /L E IS /L 4 5 9 5 .h tm >
  18. https://w w w .b cb .g o v.b r/e sta tistica s
  19. h ttp ://w w w .cvm .g o v.b r/e xp o rt/site s/cvm /le g isla ca o /in stru co e s/a n e xo s/5 0 0 /in st5 8 8 .p d f>
  20. h ttp s://w w w .se c.g o v/in ve stm e n t/im -g u id a n ce -2 0 1 7 -02 .p d f
  21. http s://b it.ly/3 cd zH R 5 >
  22. http s://b it.ly/2 P sV R o
  23. h ttp s://b it.ly/3 2 rM P O g
  24. h ttp s://b it.ly/2 u u 7 0 h Q >
  25. h ttp s://b it.ly/2 H X w 5 o v
  26. h ttp ://w w w .p la n a lto .g o v.b r/ccivil_ 0 3 /_ a to 2 0 1 5 -2 0 1 8 /2 0 1 8 /le i/L 1 3 7 0 9 .h tm
  27. http s://b it.ly/3 7 Z E T F a >
  28. http s://b it.ly/2 H Z h u Je >
  29. h ttp s://b it.ly/3 9 6 lM K I
  30. h ttp s://w w w .e u ro p a rl.e u ro p a .eu /R e gD ata /e tu d e s/S T U D /2 0 1 8 /6 1 9 0 2 7 /IP O L _ S T U (2 0 1 8 )6 1902 7 _ E N .p d f
temas relacionados :