ESTÁGIO SUPERVISIONADO V

17 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

CURSO DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO

“LAUDO DE CAMARGO”

NÚCLEO DE ENSINO PRÁTICO

- N.E.P. –

ESTÁGIO

SUPERVISIONADO – V –

9ª ETAPA

(2)

UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

FACULDADE DE DIREITO “LAUDO DE CAMARGO”

9ª ETAPA – ESTÁGIO SUPERVISONADO V – 1º SEMESTRE DE 2018

OBJETIVO

Essa disciplina Estágio Supervisionado proporcionará ao aluno desenvolver técnicas e habilidades para compreensão e assimilação do processo trabalhista, a partir da Constituição Federal, em primeira e segunda instância, por meio de casos concretos, que inclusive o levará a elaborar arrazoados processuais específicos e tipificados dentro do sistema processual trabalhista; também propiciará ao aluno a compreensão e assimilação do processo criminal com ênfase no processo de conhecimento, através da técnica de processo simulado; igualmente iniciará o aluno em atividades processuais reais, por meio de sua participação em estágio propiciado pelo Escritório de Assistência Judiciária gratuita da Universidade ou outros escolhido pelo aluno, obedecendo os requisitos estabelecidos em normas da Universidade.

ARRAZOADOS JURÍDICOS-PROCESSUAIS

1.) Essas peças processuais serão elaboradas pelos alunos, com orientação e supervisão do professor específico do Núcleo de Ensino Prático, indicado no primeiro dia de aula, presente na sala 04B (grade horária afixada no quadro de avisos da sala 04B e no site do Direito: http://www.unaerp.br/direito).

1.1.) Os alunos receberão orientação desse professor em oficinas ou individualmente, conforme sua necessidade e definição do professor.

1.2.) As oficinas serão de frequência obrigatória, comprovada com chamada pelo professor, podendo ser realizadas em sala de aula ou outro local previamente informado pelo NEP.

1.3.) Após as oficinas, os trabalhos realizados pelos alunos passarão por correção pelo professor que haja realizado as oficinas, em período de correção previamente definido neste regulamento, de agendamento obrigatório;

1.4.) Essa correção será realizada por grupos de alunos, mediante prévio agendamento no Núcleo de Ensino Prático, dentro dos períodos definidos neste regulamento.

1.4.1) Esse período de agendamento dar-se-á entre os dias 15 a 28 de

(3)

1.5.) Após a correção, esses trabalhos processuais serão entregues na secretaria do NEP, com prévio e obrigatório visto do referido professor, mediante protocolo, no dia de seu vencimento, informado ao aluno no presente regulamento, disponível no site do curso e na secretaria do NEP.

1.6.) A correção do trabalho dar-se-á apenas e exclusivamente pelo professor orientador indicado no primeiro dia de aula, que realizou as oficinas.

1.7.) Apenas para orientação complementar, individual ou em grupo, haverá outro professor no NEP, em horário previamente divulgado, na sala 04B.

2) As orientações individuais do professor, previamente informado ao aluno, se darão na sala 04B, até 03(três) dias antes da data de entrega da peça processual.

2.1) Esse prazo será contado a partir do dia do vencimento do prazo, incluindo este dia na contagem.

2.2) No último dia do vencimento não haverá orientação ao aluno quanto a atividade exigida, nem pelo professor orientador e nem pelo professor de apoio.

2.3.) Esse professor não dará aprovação final ao trabalho, razão por qual não lhe dará visto ou nota.

3.) Na peça processual deverá constar, obrigatoriamente, menção à doutrina, à jurisprudência e à súmula pertinentes ao caso objeto do trabalho;

4.) Diante do sistema de prova do concurso de exame da Ordem dos Advogados do Brasil e com vistas a adaptação do aluno a esse sistema, a peça processual exigida pelo NEP deverá ser apresentada em forma MANUSCRITA, por meio de formulário próprio do referido concurso (modelo disponível no site do direito: http://www.unaerp.br/direito).

5.) A capa deverá ser, obrigatoriamente, digitada e deverá constar: nome e código

do aluno, etapa, sala, número da peça estabelecida no manual e nome da disciplina cursada, que possibilitará a imediata identificação do autor do trabalho

prático.

5.1.) O não cumprimento desses requisitos impedirá o recebimento do trabalho.

6.) As peças deverão ser entregues sempre em 02 vias, de igual teor (original e cópia).

(4)

6.1.) O aluno deverá manter sua cópia protocolada por no mínimo um ano, para eventual comprovação da entrega da peça respectiva no NEP, caso necessário.

6.2.) Após 15(quinze) dias, contados do lançamento da nota respectiva (relativa a peça entregue), essas peças serão retiradas no NEP pelo representante de sala e devolvidas aos alunos. A partir dessa entrega, cessa a responsabilidade do NEP pela guarda do respectivo trabalho.

7.) Os trabalhos idênticos ao de outro aluno ou de modelos existentes na internet, parcial ou totalmente, receberão nota zero e implicará reprovação do aluno que os apresentaram, independentemente da assunção da culpa por um aluno ou grupo.

PROCESSO SIMULADO

8) O processo simulado iniciará o aluno no trato com o processo criminal, de modo a fazê-lo compreender o modo e a forma como se realizam os atos e fatos processuais no processo de conhecimento, compreendido entre a denúncia/queixa-crime e a sentença.

8.1.) Os casos do processo simulado deverão ser retirados no NEP dia 26 de fevereiro de 2018 e a realização das atividades propostas obedecerá ao seguinte cronograma:

a) Protocolo da denúncia ou queixa-crime (Promotor de

Justiça/advogado): até 09 de março de 2018;

b) Cartório: 12 de março de 2018;

c) Retirada do processo para despacho (Juiz): a partir de 14 de março

de 2018;

d) Protocolo do despacho (Juiz): até 22 de março de 2018; e) Cartório: até 23 de março;

f) Retirada do processo pelo Advogado do Réu: a partir de 26 de

março de 2018;

g) Protocolo do Advogado do Réu: 05 de abril de 2018;

h) AUDIÊNCIA (processo simulado): de 24 de abril a 08 de junho de 2018;

i) Cartório: a partir de 11 de junho de 2018;

8.1.1) A não apresentação do protocolo até a data descrita acima, implicará na reprovação do aluno na disciplina; o protocolo somente será aceito se acompanhado do processo simulado a que se refere, ou seja, processo deverá ser devolvido em conjunto com o protocolo.

8.1.2) O aluno(a) receberá orientação de professor específico lotado no NEP, em forma de oficina, ou individualmente, para elaboração da peça

(5)

processual do respectivo processo simulado, em datas previamente definidas e indicadas abaixo;

8.1.3) A peça processual deverá ser protocolada no NEP com o prévio visto desse professor orientador;

8.1.4) Não será aceito visto de outro professor que não aquele designado para acompanhar o aluno, em oficina ou individualmente.

8.1.5) O aluno poderá se valer de orientação complementar de outro professor lotado no NEP, designado como professor de apoio, que, porém, não vistará o trabalho para protocolo.

8.2.) As alegações finais serão apresentadas em audiência de instrução e julgamento, na fase dos debates orais, assim como a sentença será proferida em audiência de instrução e julgamento, após o encerramento da instrução; o aluno deve se organizar para cumprir essas tarefas preparando-se para os debates orais e a sentença.

8.2.1.) Se os debates orais forem convertidos em escritos, pelo juiz, sua apresentação no NEP dependerá de prévio visto do professor; nesse caso, a sentença do juiz igualmente dependerá de prévio visto do professor.

8.3.) As peças processuais devem seguir os requisitos, formais e materiais, exigidos pelo CPP. Nela deverão conter identificação das partes, fatos, fundamentos jurídicos e procuradores das partes.

8.4.) As denúncias/queixa-crime, despachos e outras peças processuais referentes ao processo simulado só serão recebidas pelo NEP com o visto do aludido professor, assinada pelo aluno e com a observação de tratar-se de “CÓPIA”, na sua via.

8.4.1) Essas peças processuais só serão recebidas pelo NEP se acompanhada do processo a que se refere, caso o aluno dele tenha feito carga.

8.4.2.) O carimbo “CÓPIA” está à disposição dos alunos na secretaria do NEP.

8.5.) A entrega da denúncia/queixa-crime deverá ser, obrigatoriamente, digitada e acompanhada da Contrafé (03 VIAS).

8.6.) As audiências do processo simulado CRIMINAL serão realizadas no período de 24 de abril à 08 de junho de 2018, das 8h às 12h e das 18h às

(6)

22h, na Sala 01B - Sala de Audiência, em horários previamente agendados no NEP.

8.7.) Durante as audiências da atividade processo simulado, os (as) alunos (as) deverão trajar-se de acordo com o ambiente forense.

8.8.) No transcorrer das audiências da atividade processo simulado, é proibido “fumar” e “usar telefone celular”.

8.9.) O Núcleo de Ensino Prático não receberá peças e processo simulado após o prazo de vencimento estipulado.

8.10.) No dia de entrega da peça processual correspondente ao processo simulado, não haverá correção ou visto do professor.

8.11.) A participação do aluno no “processo simulado” é obrigatória e condição essencial para aprovação, independentemente da elaboração das demais atividades. Dessa forma, o aluno que não participar da atividade “processo simulado” será considerado reprovado na disciplina.

9.) O aluno deverá, obrigatoriamente, participar da Oficina de Conciliação, Mediação, Arbitragem e Negociação, que acontecerá em local previamente informado no NEP, na data e horário indicados no Trabalho nº 35; deverá apresentar relatório digitado da atividade desenvolvida na palestra, até o prazo máximo indicado; haverá controle de frequência, que valerá como comprovação da efetiva realização das atividades; para a entrega do relatório não é necessário visto do professor.

(7)

ATIVIDADE REAL

10.) A atividade real integra o estágio curricular obrigatório e constitui condição essencial para a formação e graduação do(a) aluno(a);

10.1.) Todo(a) aluno(a) deve desenvolver essa atividade na nona e décima etapas do curso;

10.2.) A carga horária mínima dessa atividade é de:

a) 290 (duzentas e noventa horas), para alunos que tenham iniciado o curso até dezembro de 2015;

b) 200 (duzentas horas), para alunos que tenham iniciado o curso a partir de janeiro de 2016.

10.2.1.) Essa carga horária deverá ser cumprida na nona e décima etapas do curso, na proporção de metade em cada uma;

10.2.2.) A atividade real deve ser realizada nessas duas etapas, no semestre em que nelas estiver matriculado o aluno, na proporção definida no item 10.2.

10.2.3.) Não é permitida compensação de horas ou de períodos de estágios anteriormente realizados em semestres diversos, exceto aquelas horas ou períodos realizados em regime de reprogramação do estágio real, prevista no item 11.

10.3.) A realização dessa atividade real é obrigatória e será reprovado o aluno que não a cumprir na forma das exigências aqui enumeradas;

10.4.) Durante o exercício da atividade real, dentro ou fora da Universidade, o aluno deverá observar necessariamente traje adequado ao ambiente forense.

REPROGRAMAÇÃO DA ATIVIDADE REAL

11.) O aluno poderá reprogramar essa atividade real, mediante requerimento escrito e dirigido ao N.E.P., justificando a necessidade para tanto, para realiza-la noutra etapa do curso, na forma da resolução nº 02 de 09 de agosto de 2017, disponível ao aluno no site do curso.

LOCAL E MODO DE DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE REAL

12.) Essas atividades, de Estágio real, serão desenvolvidas no Escritório de Assistência Judiciária – EAJ – da Universidade, na prestação de assistência

(8)

judiciária gratuita aos legalmente necessitados, mediante supervisão de um dos advogados integrantes do escritório;

12.1.) A atividade real no Escritório será desenvolvida de segunda a quinta-feira, em períodos de quatro horas (manhã, das 8h às 12h; e tarde, das 13h às 17h), entre fevereiro a julho, no primeiro semestre, e entre agosto a dezembro, no segundo semestre;

12.2.) Para integrar o Escritório e desenvolver a atividade real o aluno deverá inscrever-se previamente até o décimo quinto dia do primeiro mês do semestre letivo, comprovando matrícula nas etapas exigidas;

12.3.) Na inscrição, o aluno deverá indicar dois períodos de estágio, em dias diferentes, durante a semana, na forma indicada no item 12.1, que passarão a ser os dias e horários de frequência obrigatória e intransferível do aluno, para cumprimento de sua atividade real;

12.3.1.) Somente será admitida falta justificada na forma do regimento da Universidade, mediante requerimento do aluno; admitida a justificativa apresentada pelo aluno, na forma do regime da Universidade, este deverá repor a respectiva carga perdida em dia e período reprogramado com a Coordenação do Escritório de Assistência Judiciária – EAJ;

12.4.) O início da atividade se dará com a efetiva apresentação do aluno à Coordenação do EAJ, com a comprovação de sua inscrição, a partir de quando iniciará a contagem do número de horas exigidas para essa atividade;

12.5.) Haverá controle de frequência, participação e de realização de atividades pelo aluno, mediante ficha individual em prontuário próprio, para sua avaliação final, na forma do item 15.

ATIVIDADE REAL FORA DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE

13.) Observadas as condições e formalidades previstas nesse regulamento, o aluno poderá desenvolver essa atividade real em escritório de advocacia credenciados pela ordem dos Advogados do Brasil;

13.1.) Também serão admitidos estágios profissionais, remunerados ou não, realizados perante o Poder Judiciário, Ministério Público, Procuradorias (União, Estados e Municípios);

13.2.) Para realizar essa atividade real fora do Escritório de Assistência Judiciária da Universidade, o aluno deverá formular requerimento por

(9)

meio do setor de multiatendimento, que dependerá de aprovação do Supervisor do Núcleo de Ensino Prático – NEP;

13.2.1.) No ato do requerimento o aluno deverá indicar o escritório, órgão ou entidade públicos onde realizará sua atividade real, comprovando documentalmente sua admissão no estágio, e em caso de escritório de advocacia comprovando também o seu credenciamento;

13.2.2.) O requerimento para esse fim deverá ser apresentado no multiatendimento até o décimo quinto dia do primeiro mês do semestre letivo, acompanhado dos documentos indicados no item 13.2.1.

13.2.3.) O não cumprimento dessas exigências implicará na devolução do requerimento ao aluno, para sua observação pelo aluno no prazo de dez dias contados da disponibilização desse requerimento no sistema interno da Universidade; não observados esses requisitos, o aluno terá que seguir no estágio real no Escritório de Assistência Judiciária da Universidade.

13.3.) No ato do deferimento da atividade real fora do Escritório de Assistência Judiciária –EAJ, por meio do setor de Multiatendimento, o aluno receberá ficha de avaliação de estágio real, que deverá ser apresentada no Núcleo de Ensino Prático na primeira semana do último mês do semestre letivo, com indicação da avaliação obtida pelo ano (“insatisfatória”, “regular”, “bom” e “ótimo”);

13.3.1.) Essa avaliação deverá seguir os parâmetros definidos no item 16, abaixo;

13.3.2.) Somente com a apresentação dessa ficha de avaliação de estágio real, devidamente preenchida e assinada pelo responsável pelo estágio real do aluno, com conceito dentro da exigência contida no item 15.2, é que a atividade real externa será considerada cumprida.

13.4.) O aluno que se desvincular dessa atividade real externa durante o semestre letivo deverá comunicar imediatamente o Núcleo de Ensino Prático (NEP), para inserir-se no Escritório de Assistência Judiciária da Universidade ou comprovar novo vínculo de estágio real.

DISPENSA DA ATIVIDADE REAL

14.) Serão dispensados dessas atividades alunos que estejam no exercício de cargo, emprego ou função incompatível com o exercício da advocacia, tais como:

(10)

policial civil ou militar, agente fiscal de rendas, auditor do Tesouro Nacional, serventuário da Justiça, entre outros, nos termos da legislação estadual e federal em vigor;

14.1.) Para obter a dispensa, nesse caso, o aluno deverá formular requerimento no multiatendimento, comprovando o impedimento, até o décimo quinto dia do primeiro mês do semestre letivo ou em até quinze dias da data em que o impedimento surgiu.

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE REAL

15.) Na avaliação da atividade real levar-se-á em conta:

a) a efetiva participação do aluno(a) no atendimento do usuário do serviço de assistência jurídica gratuita que se vale do serviço do Escritório de Assistência Judiciária – EAJ, sob a supervisão de um de seus advogados; b) a efetiva resolução dos casos trazidos ao aludido escritório pelo usuário do serviço;

c) o número de casos que terá resolvido, sempre com apoio do referido profissional, durante o período da atividade real;

d) a efetiva elaboração de peças processuais (petição inicial, contestação, réplica, reconvenção, alegações finais, recursos, petições avulsas etc); e) zelo na elaboração das peças processuais e seu conteúdo, com doutrina e jurisprudência pertinentes ao caso;

f) pesquisas de jurisprudência e doutrina;

g) participação em audiências, acompanhado de advogado; h) acompanhamento de processos, físicos e digitais;

i) frequência do aluno e o efetivo cumprimento da carga horária exigida; j) efetivo cumprimento de horários e normas do estágio real;

k) outras atividades atribuídas ao estagiário pelo profissional da área de sua atuação.

15.1.) Essa avaliação será feita pela Coordenação do Escritório de Assistência Judiciária Gratuita – EAJ, juntamente com o advogado que houver acompanhado o aluno durante o estágio real;

15.2.) Somente será considerado aprovado nessa atividade o aluno que apresentar avaliação com conceito “bom” e “ótimo”;

15.3.) Para esse fim, a Coordenação emitirá ficha de avaliação de estágio real, até uma semana após o término do período de estágio real, da qual o aluno terá conhecimento por meio do Núcleo de Ensino Prática, inclusive para eventual impugnação da avaliação apresentada;

15.4.) Os alunos que realizarem a atividade real fora do Escritório de Assistência Judiciária da Universidade, na forma do item 13, apresentará

(11)

essa ficha de avaliação de estágio real na primeira semana do último mês do semestre letivo;

OBSERVAÇÕES GERAIS

16.) O Núcleo de Ensino Prático não receberá peças, trabalhos e relatórios após o prazo de vencimento estipulado.

17.) Caso o aluno não entregue alguma das peças ou receba nota igual a zero por deficiência ou cópia, será considerado atividade não cumprida e o aluno será reprovado independentemente do cumprimento das demais atividades.

18.) O prazo para pedido de revisão das notas das peças é de 05 (cinco) dias, contados da data da sua disponibilização da nota no site da Unaerp, no aluno Online/NEP.

19.) A avaliação da disciplina Estágio Supervisionado V será feita através da atribuição de nota aos trabalhos, inclusive a atividade “processo simulado”, que é obrigatória, além de exame final.

19.1.) Será considerado aprovado na disciplina o aluno que obtiver nota final igual ou superior a cinco.

20.) O cálculo da nota final da disciplina Estágio Supervisionado será feito levando-se em consideração: a soma da média aritmética das peças com peso quatro mais a média dos trabalhos cujas especificações apresentamos a seguir: nota do processo simulado com peso dois mais nota do exame com peso quatro.

21.) O Estágio Supervisionado V é disciplina curricular, portanto, provas, exame e outras avaliações estarão sujeitas a regulamentos e normas estabelecidas pela Universidade.

Observação: A imagem da Universidade, do aluno e do futuro jurista depende do seu interesse, atenção e educação no cumprimento das atividades que lhes são confiadas. Deverá, portanto, o aluno observar os princípios éticos e tratar as autoridades e funcionários, com respeito e urbanidade.

(12)

9ª ETAPA – ESTÁGIO SUPERVISIONADO –V –

Observação 1: Não faça as atividades propostas sem antes ler atentamente o regulamento indicado nos itens 01 a 21, para o melhor aproveitamento do conteúdo das tarefas propostas e o estrito cumprimento das normas do estágio supervisionado.

Observação 2: A correta utilização da língua portuguesa, a estética da petição, a correta qualificação das partes, a lógica entre o fato e a fundamentação, os pedidos e a referência a supostos documentos juntados com a petição serão levados em consideração na correção.

Dados necessários para a elaboração das peças, sob o aspecto legal, que não estão nos casos hipotéticos, deverão ser informados com traço. Ex: (CPF _______, RG _______, Advogado ____________, etc), sendo vedada a identificação do aluno na petição, devendo a mesma ser feita em folha de rosto, inclusive com o código do aluno.

A-) SOLUÇÃO DOS SEGUINTES CASOS PRÁTICOS

Trabalho nº 30

Joana trabalhou na residência da família Moraes de 15/06/2017 a 15/09/2017, data na qual teve baixa em sua CTPS, mediante salário de R$ 1.000,00. A família do ex-empregador vive em São Paulo/SP. Joana foi contratada a título de experiência por 45 dias, findos os quais nada foi tratado e Joana continuou trabalhando normalmente. Joana realizava todas as atividades do lar, iniciando o trabalho às 7h e saindo às 16 h, de segunda à sexta-feira, com trinta minutos de intervalo. Joana tinha descontado do seu salário 10% referente ao vale-transporte, além de sua cota-parte do INSS e 25% do valor da alimentação consumida no emprego. Joana fazia a limpeza dos 3 banheiros existentes na residência, mas não recebia qualquer adicional. Em determinada ocasião, Joana viajou com a família por 4 dias úteis para Gramado/RS. Nessa ocasião, trabalhou como babá das 8h às 17h, desfrutando de uma hora de almoço. Na data da dispensa, recebeu as seguintes verbas: férias proporcionais de 3/12 avos acrescidas de 1/3 e 13º salário proporcional de 3/12 avos.

QUESTÃO: Você foi procurado por Joana para, na condição de advogado(a),

(13)

pertinente em defesa dos interesses da trabalhadora, sem criar dados ou fatos não informados.

PRAZO MÁXIMO PARA PROTOCOLO: ATÉ 28/03/2018

Trabalho nº 31

O Ministério Público do Trabalho ingressou com Ação Civil Pública, requerendo, mediante tutela de urgência, a declaração da nulidade do ato de demissão coletiva dos professores da “Faculdade do Futuro Ltda”, ato possivelmente abusivo em virtude da recontratação do mesmo número de professores com salários inferiores àqueles até então praticados, fundamentando o pedido inicial no art. 7º, I, combinado com artigo 8º, VI, CF, e Convenção nº 158 da OIT, que provoca a necessidade imperiosa da negociação coletiva prévia à demissão coletiva, com o Sindicatos dos Professores do Estado de São Paulo, representativo da categoria em questão.

O Juiz da 4ª Vara do Trabalho de São Paulo, indeferiu momentaneamente o pedido de liminar, que deverá ser apreciada na audiência UNA designada para data próxima.

QUESTÃO: Por ocasião da realização da audiência, como advogado da

instituição de ensino apresente a medida cabível, inclusive para evitar o reconhecimento formal da revelia.

PRAZO MÁXIMO PARA PROTOCOLO: ATÉ 28/03/2018

Trabalho nº 32

Você foi contratado(a) como advogado(a) pela sociedade empresária Sandália Feliz Ltda., que lhe exibe cópia de sentença prolatada pelo juízo da 3ª Vara do Trabalho de Ribeirão Preto (processo 123, movido por Valentino Garrido, brasileiro, solteiro, auxiliar de estoque) e publicada no dia anterior, na qual o juiz reconheceu que, após o pagamento das verbas resilitórias, houve acordo e outro pagamento de R$ 2.000,00 perante uma Comissão de Conciliação Prévia (CCP) criada na empresa, sem ressalva, mas rejeitou a preliminar suscitada pela ré, compreendendo que a realização do acordo na CCP geraria como efeito único a dedução do valor pago ao trabalhador. Sobre o pedido de duas horas extras diárias, o juiz as deferiu porque foi confessada a sobrejornada pelo preposto, determinando, ainda, a sua integração nas demais verbas (13º salário, férias, FGTS e repouso semanal remunerado), e, em relação ao repouso semanal

(14)

majorado pelas horas extras deferidas, sua integração no 13º salário e nas férias. O juiz deferiu outros 15 minutos de horas extras pela violação a artigo da CLT, que garante esse intervalo antes do início de sobrejornada. O juiz deferiu indenização por dano estético de R$ 5.000,00 porque o trabalhador caiu de uma alta escada existente no estoque e, com o violento impacto sofrido na queda, teve a perda funcional de um dos rins, conforme Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT) emitida.

QUESTÃO: Diante do que foi exposto, elabore a medida judicial adequada para

a defesa dos interesses da sociedade empresária, sabendo que as custas foram fixadas em R$ 200,00 sobre o valor arbitrado de condenação de R$ 10.000,00.

PRAZO MÁXIMO PARA PROTOCOLO: ATÉ 06/06/2018

Trabalho nº 33

Joseli Ribeiro”, viúva do motorista de caminhão “Antônio dos Santos”, ingressou com reclamação trabalhista em face da empresa “Roda o Brasil LTDA”, que com o falecido mantinha um contrato regular de emprego, requerendo a condenação por danos morais cumulada com pensão por morte, bem como o reconhecimento da responsabilidade objetiva do empregador. Narra na inicial o falecimento do seu esposo em serviço, envolvido em acidente na BR-123, ocasião em que conduzia o veículo da empresa reclamada. A 5ª Vara do Trabalho de Ribeirão Preto, ao proferir sua sentença, negou o reconhecimento do direito da viúva ao dano moral ricochete, em face da nova redação do art. 223-B da CLT, introduzido pela Lei nº 13.467/17, que restringe a titularidade dos danos extrapatrimoniais à pessoa física que presta serviços à empresa. Através de Acórdão proferido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, foi mantida integralmente a decisão de 1ª instância.

QUESTÃO: Como advogado(a) da reclamante propor a medida judicial cabível. PRAZO MÁXIMO PARA PROTOCOLO: ATÉ 06/06/2018

Trabalho nº 34

Durante o trâmite da execução do processo que “Jota Lima” move em face de “Móveis Queiroz Ltda”, não foram encontrados bens da pessoa jurídica suficientes para satisfação dos créditos trabalhistas reconhecidos através de sentença. O Juiz da 3ª Vara do Trabalho de Ribeirão Preto, que preside a execução, determinou a desconsideração da personalidade jurídica, por insuficiência patrimonial, redirecionando a execução ao sócio ativo “Zé das

(15)

Neves”. A mediada mostrou-se infrutífera, já que o mesmo não possui ativos financeiros suficientes para suportar a execução. Em um segundo momento, o Juiz da Execução incluiu o sócio retirante “Luiz Gustavo”, que através de registro na Jucesp retirou-se do quadro societário da reclamada em 21 de janeiro de 2014, vindo a presente demanda ser distribuída apenas em 24 de janeiro de 2016, embora o exequente tenha prestado seus serviços durante o período que ambos os sócios figuravam no quadro societário.

A empresa reclamada ingressou com Embargos à Execução em favor da exclusão da responsabilidade do sócio retirante, o que foi negado pelo Juízo.

QUESTÃO: Diante da decisão que mantém o sócio retirante na execução, como

advogado(a) da reclamada, promova a medida judicial cabível para a defesa dos seus interesses (isenção da responsabilidade do referido sócio).

PRAZO MÁXIMO PARA PROTOCOLO: ATÉ 06/06/2018

Trabalho nº 35 – Oficina de Conciliação, Mediação, Arbitragem e Negociação (apresentar 01 relatório)

Dia 04 de maio de 2018, às 08h. Dia 04 de maio de 2018, às 19h.

OBS. O aluno deverá, obrigatoriamente, participar da Oficina de Conciliação, Mediação, Arbitragem e Negociação, mediante prévia inscrição, que acontecerá em local previamente definido pelo Núcleo de Ensino Prático - NEP, na data e horário definido acima; deverá apresentar relatório digitado da atividade desenvolvida na palestra, até o prazo máximo indicado abaixo; haverá controle de frequência, que valerá como comprovação da efetiva realização das atividades; para a entrega do relatório não é necessário visto do professor.

PRAZO MÁXIMO PARA PROTOCOLO: ATÉ 18/05/2018

Trabalho nº 36 – Processo Simulado Penal

OFICINA I – PROMOTORES DE JUSTIÇA / ADVOGADOS DO RÉU Diurno – 26 de fevereiro de 2018, às 08h

Noturno – 26 de fevereiro de 2018, às 19h.

OFICINA II – JUÍZES DE DIREITO Diurno – 16 de março de 2018, às 09h

(16)

Noturno – 14 de março de 2018, às 19h

OFICINA III – ADVOGADOS DE DEFESA Diurno – 26 de março de 2018, às 8h

Noturno – 26 de março de 2018, às 19h.

ATIVIDADE REAL

Trabalho nº 37 – Atividade real

A). Início da Atividade Real no Escritório de Assistência Jurídica: 05 de

fevereiro de 2018;

B). Período de inscrição na Atividade Real: de 05 à 16 de fevereiro de 2018;

C). Prazo máximo de solicitação de Atividade Real externa: até 05 de março de

2018;

D). Prazo de solicitação de dispensa: até 05 de março de 2018;

E). Período de entrega da ficha de avaliação de Estágio Real externo: de 04 a 08

de junho de 2018;

OFICINAS

A) Reclamação trabalhista e contestação

Dia 22 de fevereiro de 2018, às 08h, Prof. Marcelo Dia 22 de fevereiro de 2018 às 19h, Prof. Márcio

B) Recursos trabalhistas

Diurno: Dia 05 de abril de 2018, às 08h, Prof. Marcelo

Noturno: Turma B - Dia 02 de abril de 2018, às 19h, Prof. Márcio Turma C - Dia 03 de abril de 2018, às 19h, Prof. Márcio

PERÍODOS DE CORREÇÃO

A) Reclamação trabalhista e contestação

Diurno – Prof. Marcelo

Dias 01, 08, 15 e 22 de março.

Noturno – Prof. Márcio

(17)

B) Recursos trabalhistas

Diurno – Prof. Marcelo

Dias 26 de abril, 10, 17 e 24 de maio.

Noturno – Prof. Márcio

Dias 26 de abril, 10, 17 e 24 de maio.

PERÍODO DE AGENDAMENTO PARA CORREÇÃO: DE 15 À 28 DE FEVEREIRO (diurno e noturno)

Imagem

Referências

temas relacionados :