Um mapa do mundo contemporâneo

13 

Texto

(1)

Um mapa do mundo

contemporâneo

uma leitura ético-teológica

©

©

Lourenço Stelio Rega

Estamos num novo s

Estamos num novo s

é

é

culo, num

culo, num

novo milênio, assim, o cristão,

novo milênio, assim, o cristão,

especialmente os l

especialmente os l

í

í

deres, precisam

deres, precisam

interpretar as entrelinhas de seu

interpretar as entrelinhas de seu

momento, as mudan

momento, as mudan

ç

ç

as dos

as dos

paradigmas na atualidade e saber

paradigmas na atualidade e saber

como tudo isso influencia nossa

como tudo isso influencia nossa

vida.

vida.

Quem não reflete se torna v

Quem não reflete se torna v

í

í

tima

tima

das ideologias!!!

(2)

® Vocabulário do cotidiano: fiz o que estava a fim de

fazer ... meu coração mandou ... eu fiz

Zeca Pagodinho: Deixa a vida me levar

® Reality shows: espelham os ideais éticos

contemporâneos

Big

Big BrotherBrother BrasilBrasil: intrigas, paixões e polêmicas

(que ressaltam os instintos incontrolados do “eu”) Acorrentados

Acorrentados: um rapaz acorrentado a seis moças

por 24 horas (que buscam os extremos do “eu”) ® Incertezas no campo político, social e econômico

® Erotização – sodomização coletiva

® Textos de auto-ajuda à indicam o desespero

humano em busca de socorro

UM RETRATO DA REALIDADE

UM RETRATO DA REALIDADE

® Relativismo: cada um é dono da verdade –

não temos mais um relativismo intelectual, conceitual, mas dos instintos/paixões, portanto, sem possibilidade de explicação

® Nitezsche: o sub-solo da ética

contemporânea à uma ética das paixões e dos instintos

® Ética do cotidiano:

à redução animalesca da vida - individualismo / egoísmo - situacionismo

- niilismo à vida sem sentido

® Sociedade que busca a gratificação imediata

UM RETRATO DA REALIDADE

(3)

Estilo

Estilo “

“Snoopy

Snoopy”

de vida

de vida

TRIUNFO DO INDIV

TRIUNFO DO INDIV

Í

Í

DUO

DUO

ü

ü O homem O homem éé descoberta recentedescoberta recente (Foucault)(Foucault)

ü

ü HorizontalizaHorizontalizaççãoão organizacionalorganizacional

ü

ü Deslocamento do foco para os atributos Deslocamento do foco para os atributos

humanos

humanos

Vontade do indi vVontade do indi vííduoduo

Inteligência emocional (Inteligência emocional (pqpqññinteligintelig. m. múúltiplas??)ltiplas??)

Impulsos, paixõesImpulsos, paixões

ü

ü Totalitarismo do indivTotalitarismo do indivííduoduo

ü

ü TranspersonalizaTranspersonalizaççãoão

ü

(4)

Esp

Esp

í

í

rito Cr

rito Cr

í

í

tico, falta de talentos

tico, falta de talentos

criativos

criativos

ü

ü

Jovens de hoje, filhos da gera

Jovens de hoje, filhos da gera

ç

ç

ão

ão

reprimida dos anos 60 e 70

reprimida dos anos 60 e 70

ü

ü

Vida auto

Vida auto

-

-

referida, mas sem

referida, mas sem

referencial

referencial

ü

ü

Deconsidera

Deconsidera

ç

ç

ão

ão

ao esp

ao esp

í

í

rito de

rito de

autoridade

autoridade

ü

ü

Falta de talentos criativos

Falta de talentos criativos

Sociedade industrial/manual

Sociedade industrial/manual

vs

vs. Sociedade do saber

. Sociedade do saber

ü

ü No passado davaNo passado dava--se valor ao trabalho duro que se valor ao trabalho duro que

nosso corpo produzia, hoje ao que nossa mente

nosso corpo produzia, hoje ao que nossa mente

pode fazer.

pode fazer. Hardware vs. softwareHardware vs. software

ü

ü A informaA informaçção e o conhecimento se tornaram ão e o conhecimento se tornaram

bens e patrimônio valoriz

bens e patrimônio valorizááveis.veis.

ü

ü Na sociedade de informaNa sociedade de informaçção, a orientaão, a orientaçção do ão do

tempo

tempo éé voltada para o futurovoltada para o futuro

ü

ü Realidade virtual Realidade virtual –– mas, banalizamas, banalizaçção ão ééticatica

ü

ü A A autoridadeautoridadevem pelo conhecimentovem pelo conhecimento

ü

ü Tornar a BTornar a Bííblia e a Teologia mais concretasblia e a Teologia mais concretas

ü

(5)

GERA

GERA

Ç

Ç

ÃO DA VELOCIDADE

ÃO DA VELOCIDADE

ü

ü GeraGeraçção da cibernão da cibernéética, dos tica, dos supersuper-

-computadores

computadores

ü

üAlteraAlteraçção no conceito de tempo, inclusive do ão no conceito de tempo, inclusive do

tempo de resposta

tempo de resposta

ü

üReduReduçção dos contatos pessoaisão dos contatos pessoais

ü

üManutenManutençção de uma geraão de uma geraçção paralela de ão paralela de

“analfabetos digitaisanalfabetos digitais””

ü

üEngodos do mundo cibernEngodos do mundo cibernéético:tico:

à

à trabalho trabalho ààdistânci a, em casadistânci a, em casa

à

à maior tempo para o las ermaior tempo para o las er

à

à mas, vida mas, vida ononlinelineo tempo todoo tempo todo

à

à aumento do es tress eaumento do es tress e

REALIDADE VIRTUAL

REALIDADE VIRTUAL

ü

ü BanalizaBanalizaçção ão éética tica

ü

ü Amplifica o alcance dos atributos humanosAmplifica o alcance dos atributos humanos

ü

ü Igrejas Igrejas virtuaisvirtuais??

ü

ü PastorPastor--RamboRambo vs. vs. cooperatividadecooperatividade

ü

ü Devolver ao crente o direito de exercer seus Devolver ao crente o direito de exercer seus

dons

dons

ü

ü Lares Lares virtuaisvirtuais, em que cada fam, em que cada famíília serlia seráá

s

(6)

SUBSTITUI

SUBSTITUI

Ç

Ç

ÃO DA PESSOA PELA

ÃO DA PESSOA PELA

M

M

Á

Á

QUINA

QUINA

ü

üO homem urbano não saber viver sem energia O homem urbano não saber viver sem energia

el

eléétrica, banco trica, banco onon lineline, telefone celular, etc., telefone celular, etc.

ü

üEstamos ficando Estamos ficando maquinoplmaquinopléégicosgicos

ü

ü Ansiedade pelas novidades tecnolAnsiedade pelas novidades tecnolóógicas gicas

(s

(sííndrome de Atenas)ndrome de Atenas)

ü

üDesempregoDesemprego

AUMENTO DOS DILEMAS

AUMENTO DOS DILEMAS

É

É

TICOS

TICOS

ü

ü Desenvolvimento tecnolDesenvolvimento tecnolóógico se voltando gico se voltando

para fins civis

para fins civis

ü

ü No meio cientNo meio cientíífico os fico os religiosos são tidos religiosos são tidos

como

como os que ficaram para tros que ficaram para trááss, como sub, como sub-

-desenvolvidos

desenvolvidos

ü

ü TransvaloraTransvaloraççãoãode todos os valores de todos os valores (Nietzsch e)(Nietzsch e)

A moral kantiana possui o

A moral kantiana possui o imperativo categimperativo categóóricorico

(dever

(dever--ser) e o imperativo hipotser) e o imperativo hipotéético. Nietzsche tico. Nietzsche

propõe o

propõe o imperativo da naturezaimperativo da natureza, isto , isto éé, o , o

resgate dos instintos da natureza humana.

(7)

O super

O super

-

-

homem de Nietzsche

homem de Nietzsche

No super homem h

No super homem h

á

á

uma

uma

transmuta

transmuta

ç

ç

ão de valores

ão de valores

orgulho, personalidade criadora, risco (sem medo), amor ao distante (busca do super-homem) Valores

superiores

humildade, piedade, amor ao próximo, bondade, objetividade

Valores inferiores

Cr

Cr

í

í

tica de Nietzsche

tica de Nietzsche

à

à

moral

moral

tradicional

tradicional

®

Para Nietzsche a moral aceitável é a

glorificação de si mesmo.

®

Ele defende uma moral dos fortes

contra uma moral dos fracos. Ao

fazer a crítica da moral tradicional,

Nietzsche preconiza a

“transvaloração de todos os

valores”.

(8)

ATENUA

ATENUA

Ç

Ç

ÃO DE FRONTEIRAS

ÃO DE FRONTEIRAS

ü

ü Fronteiras raciais, ideolFronteiras raciais, ideolóógicas, religiosasgicas, religiosas

ü

ü Os grupos radicais tende rão a se tornar Os grupos radicais tende rão a se tornar

minorias

minorias

ü

ü ÉÉpoca de dipoca de diáálogo e de diversidade de logo e de diversidade de

identidades e modelos

identidades e modelos

ü

ü ApologApologéética tica ““dialogaldialogal””

ü

ü Consistência nos fundamentos bConsistência nos fundamentos bííblicos e blicos e

teol

teolóógicos para evitar ser gicos para evitar ser ““esponjaesponja””

ü

ü Não haverNão haveráálugar para militância da lugar para militância da

suspeita suspeita

Crescimento do misticismo

Crescimento do misticismo

religioso e esoterismo

religioso e esoterismo

ü

ü DescrenDescrençça na razão (modernidade tardia)a na razão (modernidade tardia)

ü

ü Busca pelo Busca pelo ““home m(deus)home m(deus)--interiorinterior””

ü

ü NeoNeo--pentecostalismopentecostalismo, Nova, Nova--EraEra

ü

ü DescrDescréédito contra instituidito contra instituiççãoão

ü

(9)

Crescente processo de

Crescente processo de

seculariza

seculariza

ç

ç

ão

ão

ü

üO homem neste novo sO homem neste novo sééculo crê mais em seu culo crê mais em seu

pr

próóprio potencialprio potencial

ü

ü DDescarteescarte de Deus e a entronizade Deus e a entronizaçção do ão do

homem

homem

ü

ü De um lado, estDe um lado, estáácrescendo o misticis mo crescendo o misticis mo

religioso e esoterismo, de outro, est

religioso e esoterismo, de outro, estáá

havendo a predominância de uma

havendo a predominância de uma

mentalidade tecnocrata

mentalidade tecnocrata--secular que nega a secular que nega a

transcendência da vida e os meios de

transcendência da vida e os meios de

comunica

comunicaçção em massa disseminam esses ão em massa disseminam esses

conceitos.

conceitos.

Predominância num

Predominância num

é

é

rica de

rica de

jovens e idosos

jovens e idosos

ü

üPirâmide populacional Pirâmide populacional àà alteraalteraçção do perfilão do perfil

ü

üSerSeráá preciso treinar lideranpreciso treinar liderançça capacitada a a capacitada a

lidar com os desafios da juventude e dos

(10)

Amplia

Amplia

ç

ç

ão da lideran

ão da lideran

ç

ç

a da

a da

mulher

mulher

ü

ü A mulhe r estA mulhe r estáádescobrindo que tambdescobrindo que tambéém m éé

gente

gente –– tem sentimentos, pensa e pode fazertem sentimentos, pensa e pode fazer

ü

ü AmpliaAmpliaçção da tensão macho vs. fêmeaão da tensão macho vs. fêmea ... O teu desejo ser

... O teu desejo seráápara o teu marido e ele te governarpara o teu marido e ele te governaráá((G nG n3.16) 3.16)

ü

ü Tanto o machismo como o feminismo são Tanto o machismo como o feminismo são

produto de uma deturpada compreensão do

produto de uma deturpada compreensão do

papel da mulher e do home m na sociedade

papel da mulher e do home m na sociedade

ü

ü SerSeráápreciso definir claramente o papel da preciso definir claramente o papel da

mulher como cristã, atrav

mulher como cristã, atravéés de um profundo s de um profundo

e

e desapaixadodesapaixado estudo deste assunto na Bestudo deste assunto na Bííblia, blia,

à

àluz dos ensinos de Jesusluz dos ensinos de Jesus

Processo de urbaniza

Processo de urbaniza

ç

ç

ão em

ão em

convulsão

convulsão

ü

ü AmpliaAmpliaçção da urbanizaão da urbanizaçção, mas tambão, mas tambéém sua m sua

degrada

degradaççãoão

ü

üFacilidade de vida vs. Qualidade de vida nos Facilidade de vida vs. Qualidade de vida nos

grandes centros urbanos

grandes centros urbanos

ü

üTensões sociaisTensões sociais

ü

üAumento da violência urbana e suburbanaAumento da violência urbana e suburbana

ü

üSaturaSaturaçção no trânsitoão no trânsito

ü

üFuga das populaFuga das populaçções financeiramente mais ões financeiramente mais

capazes para

(11)

Aumento de doen

Aumento de doen

ç

ç

as

as

ocupacionais e da urbanidade

ocupacionais e da urbanidade

ü

ü““A vida cotidiana faz mal A vida cotidiana faz mal ààsasaúúdede””

ü

üO exercO exercíício profissional / vida urbana cio profissional / vida urbana cuasacuasa

tensão cont

tensão contíínuanua

ü

üAusência do senso de pertenAusência do senso de pertenççaa

ü

üTraumas sofridos pelas famTraumas sofridos pelas famíílias lias ààdesfragdesfrag-

-menta

mentaççãoão

ü

üAumentos da manifestaAumentos da manifestaçção de doenão de doençças as psicopsico-

-som

somááticasticas

Duas possibilidades de leitura do

Duas possibilidades de leitura do

mundo

mundo

O caráter é essencialm ente corrompido e enganoso O caráter humano é

essencialment e bom e confiável

A justiça é vista à luz do que Deus considera reto, correto A justiça é vista do ponto de

vista humano

O sofrimento humano pode ter significado teleológico e pode

ser necessário O sofrimento humano deve ser

evitado a todo custo

Ética objetiva vindo de fonte externa ao homem Ética subjetiva vindo do interior

do homem

Realidade da criação dentro da soberania divina Realidade humana Óptica divina Cosmovisão humana a partir de Deus a partir do homem Leitura teológica Leitura antropológica

(12)

Deus não

Deus não escolhe os capacitados, escolhe os capacitados,

capacita os escolhidos.

capacita os escolhidos.

Fazer ou não fazer algo depende tamb

Fazer ou não fazer algo depende tambéém m

da nossa vontade e perseveran

da nossa vontade e perseverançça.a. Albert Einstein

Albert Einstein

Não

Não devemos orar por tempos fdevemos orar por tempos fááceis,ceis,

mas por l

mas por lííderes fortes de carderes fortes de carááter. ter.

Não devemos orar por tarefas iguais ao

Não devemos orar por tarefas iguais ao

nosso poder, mas por poder

nosso poder, mas por poder

igual

igual ààs nossas tarefass nossas tarefas.. Philip

PhilipBrooksBrooks

Web-site:

www.etica.pro.br

www.etica.pro.br

E-mail:

rega@etica.pro.br

rega@etica.pro.br

(13)

Um mapa do mundo

contemporâneo

uma leitura ético-teológica

por Lourenço Stelio Rega ©

Autorizada a exposição pública apenas no formato completo desta reflexão citando-se a fonte. Pequenas citações poderão ser feitas, sempre indicando-se a fonte. Favor não reproduzir ou copiar

Imagem

Referências

temas relacionados :