• Nenhum resultado encontrado

processos de negócio

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2022

Share "processos de negócio"

Copied!
21
0
0

Texto

(1)

O potencial das redes de Petri

em modelagem e análise de

processos de negócio

(2)

Agenda

{

Motivação

{

Introdução: conceito de workflow,

importância, barreiras enfrentadas nas pesquisas desenvolvidas, redes de Petri

{

Workflow: história, modelos

{

Redes de Petri no contexto de Workflow

{

Mapeamento dos conceitos de processos de negócio em redes de Petri

{

Exemplos

(3)

Motivação

Os processos de negócio e seus projetos ganharam importância desde os inícios dos

anos de 1990 e a habilidade de

simplificarmos estes processos de forma eficiente e flexível é o fator de sucesso mais

difícil de ser alcançado pelas companhias atualmente. Esta dificuldade criou a necessidade de desenvolver e lidar com

técnicas e ferramentas adequadas para identificar, analisar e simular processos de

negócio. (Desel & Erwin, 2000)

(4)

Conceitualização de workflow

{

Aalst & Hee (2002) → processos de negócio.

{

Leymann & Roller (1997) → conjunto de atividades de

negócio, fluxo de dados e alguma

especificação de controle.

(5)

Importância

{ Janssens et al. (2000) → a estrutura dos modelos organizacionais é extremamente volátil devido as constantes alterações nas regras de negócio.

{ Desel & Erwin (2000) → Os sistemas de

gerenciamento de workflow oferecem apoio às decisões importantes. Entretanto deve-se

empregar formalismo na construção dos modelos.

{ Samilifard & Wright (2000) → As redes de Petri têm sido aplicadas com sucesso na área de

sistemas dinâmicos de eventos discretos, que são caracterizados por paralelismos e sincronização devido a fundamentação matemática e

disponibilidade de ferramentas de análise.

(6)

Principais barreiras nas pesquisas desenvolvidas até o momento

{

A ausência de técnicas mais complexas para análise do

gerenciamento do workflow é uma das

principais barreiras para as pesquisas

desenvolvidas.

(7)

Redes de Petri

As redes de Petri têm excelente potencial na minimização destes

problemas pois:

z Possuem representação gráfica;

z São de fácil aprendizado;

z Funcionam como linguagem de comunicação entre especialistas de diversas áreas;

z Permitem descrição dos aspectos estáticos e dinâmicos do sistema a ser representado;

z Usufruem de formalismo matemático, o que permite uso de ferramentas de análise;

(8)

Redes de Petri

{ Para Murata (1989), as redes de Petri são representadas por dois tipos de

componente:

z Lugar: Relacionado a uma variável de

estado do sistema;

z Transição:

Relacionado a alguma ação

realizada dentro do sistema;

(9)

Mais Redes de Petri

{ Lugares e transições são vértices do grafos associados às redes de Petri e interligam-se por arcos direcionados. São como se os lugares

fossem pré-condições e pelas transições fossem levados a outros

lugares (pós- condições);

H2

H2

O2

O2 H2O

H2O

(10)

Formalidade das Redes de Petri

{ O disparo das transições é controlado tanto pelo

número de marcas quanto pela distribuição delas nos lugares.

{ Uma transição t está habilitada se, e somente se, todos os lugares de entrada (pi P) de t são tais que M(pi)≥

e I (pi, t); esta regra habilita o disparo de uma transição mas não obriga.

{ Formalmente, a rede de Petri é dada por uma quíntupla, RP = (P, T, F, W, M0), em que:

z P é um conjunto finito de lugares;

z T conjunto finito de transições;

z F conjunto de arcos;

z W função de pesos;

z M0 marcação inicial;

z P∩T = ∅ e P∪T ≠ ∅.

(11)

Workflow Evolução Histórica

{

Década de 60 → Sistemas stand-alone cada sistema tinha uma base e uma interface;

{

Década de 70 → Criação de SGBDs

fazendo Dados ocuparem o centro das aplicações;

{

Década de 80 → Advento de sistemas gerenciadores de interface (SGI);

{

Década de 90 → Surgimento de softwares de workflow que permitiu incorporar

procedimentos de usuários diretamente

nas aplicações;

(12)

Os modelos de Workflow

{ Para Janssens et al. (2000), comparados aos modelos de BD eles tem a amadurecer pois necessitam de padrões de modelagem.

{ Para Oberweiss (1996) os modelos deveriam incluir uma especificação dos seguintes

aspectos:

z Atividades e suas sincronizações;

z Tarefas e recursos determinados para atividades;

z Regras do negócio;

z Tratamento de exceções;

z Aspectos temporais (deadline, durações, etc.);

{ Os modelos podem ser simulados e analisados para melhorar os processos descritos e para planejar a alocação de recursos.

(13)

Redes de Petri no contexto de Workflow

{ Cada tarefa é representada por uma transição corespondente e lugares representam as pré’s e pós condições;

{ Vantagens (Oberweis):

z Integração de dados e aspectos comportamentais;

z Apoio concorrente e corporativo;

z Níveis diferentes de formalidade;

z Disponibilidade de técnicas de análise;

z Flexibilidade;

z (Merz et al.) Combinação de fundamentação

matemática, representação gráfica compreensiva e possibilidade de simulações e verificações;

(14)

Workflow-net

{

Workflow-net tem apenas um lugar fonte (source) e um absorção (sink).

{

Correção é verificada pela propriedade sound. Um workflow-net é sound, o

procedimento termina com uma marca no local de absorção e todos outros lugares vazios. Além disso, não existe nenhuma transição morta (dead) e todas as tarefas devem ser passíveis de serem

executadas;

(15)

Workflow-net

{

Os seis tipos de processos de

negócio

identificados pela Workflow

Management

Coalition podem ser mapeados

dentro da rede de

Petri.

(16)

Workflow-net

{

Na modelagem e execução de

processos de negócio são relevantes as seguintes perspectivas:

z

Fluxo de controle ou processo;

z

Recurso;

z

Dados;

z

Tarefas;

z

Operação;

(17)

Mapeamento dos conceitos de processos de negócio em redes de Petri

A utilização de um processo em um sistema de gerenciamento de

processos de negócio indica

necessidade de gerenciamento de uma categoria particular. Tal

processo define as tarefas que

precisam ser executadas. Um

grande processo pode consistir de

subprocessos, tarefas e condições.

(18)

Mapeamento dos conceitos de processos de negócio em redes de Petri

{

As condições:

z Asseguram tarefas em ordem correta;

z Verificam se o estado pode ser estabelecido;

{

Há 4 condições básicas para construção de rotas de negócio. Cada uma com

uma correspondência em redes de Petri:

z Seqüencial;

z Paralela;

z Seletiva;

z Repetitiva;

(19)

Exemplos

(20)

Exemplos

(21)

Exemplos

Referências

Documentos relacionados

auxiliar na criação de KPI’s. Fonte: Elaborado pela autora com base nos Quadros de 1 a 10 dessa dissertação.. O Quadro 13 apresenta os resultados trabalhados e que possuem

A tabela 25 apresenta os resultados brutos desta avaliação em relação à característica busca e a tabela 26 exibe o resultado ponderado para esta característica.. A tabela 27

● O SW-CMM (Capability Maturity Model for Software) é um modelo de capacitação de processos de software, desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute) e patrocinado

Nesta reunião, o ScrumMaster trabalha junto com o Proprietário do Produto e a Equipe de Desenvolvimento para definir qual a carga de tempo que cada funcionalidade do Product

Esse conjunto de função consiste naquelas funções não diretamente relacionada à definição, ao gerenciamento, ao desenvolvimento e ao teste de software, mas que não

 Inclusão: Incluir é uma relação direta entre dois casos de usos, implicando que o comportamento do caso de uso incluído é.. inserido no comportamento do caso de

Comunicação são, com freqüência, praticamente as mesmas apresentadas no Diagrama de Seqüência, porém com um enfoque diferente, visto que este diagrama não se preocupa com

Em geral, baseia-se em um Caso de Uso definido pelo diagrama de mesmo nome e apóia-se no Diagrama de Classes para determinar os objetos das classes envolvidas em um processo, bem