Atraindo a atenção de Deus - Silas Malafaia

42  Download (0)

Full text

(1)
(2)

GERENCIA EDITORIAL E DE PRODUÇÃO Jefferson Magno Costa

PESQUISA, ESTRUTURAÇÃO E COPIDESQUE Patrícia Nunan 1a REVISÃO Patrícia Calhau REVISÃO FINAL Patrícia Nunan DIAGRAMAÇÃO Silvania Ferreira da Silva IMPRESSÃO E ACABAMENTO

Esdeva Ind. Gráfica

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) MALAFAIA, Silas

Atraindo a atenção de Deus I Silas Malafaia Rio de Janeiro: 2010 64 páginas ISBN: 978-85-7689-170-3

1. Bíblia - Vida cristã I. Título II.

As citações bíblicas utilizadas neste livro foram extraídas da Versão Almeida Revista e Corrigida (ARC), salvo indicação específica, e visam incentivar a leitura das Sagradas

Escrituras.

É proibida a reprodução total ou parcial do texto deste livro por quaisquer meios (mecânicos, eletrônicos, xerográficos, fotográficos etc), a não ser em citações breves, com

indicação da fonte bibliográfica.

Este livro está de acordo com as mudanças propostas pelo novo Acordo Ortográfico, que entrou em vigor a partir de janeiro de 2009.

1a edição: agosto/2010

Editora Central Gospel Ltda

Estrada do Guerenguê, 1851 - Taquara Cep: 22.713-001 Rio de Janeiro - RJ TEL: (21)2187-7000 www.editoracentralgospel.com

(3)

SUMÁRIO

Apresentação...7

CAPÍTULO 1 - O que atrai a atenção de Deus?...9

A fidelidade e a integridade...10

A retidão...13

A obediência...14

A santidade...15

A fé...18

CAPÍTULO 2 - Que atitudes nossas atraem a atenção de Deus?...21

Cultivar o hábito de orar...22

Ser generoso ...30

Quebrantar-nos diante de Deus...36

Adorar ao Senhor...38

CAPÍTULO 3 - O que a atenção de Deus nos proporciona?...45

Salvação, um favor imerecido...46

A remissão dos pecados e a reconciliação com Deus...50

A libertação do jugo de Satanás...53 APRESENTAÇÃO

Todos nós queremos ter a atenção de Deus e ser abençoados por Ele com respostas aos nossos questionamentos, soluções para os nossos problemas, curas para as nossas enfermidades, libertação de situações opressivas, provisões financeiras, resolução de crises pessoais e familiares.

(4)

Mas, sendo Deus soberano, onisciente e todo-poderoso e já tendo demonstrado por intermédio de Jesus Seus amor e interesse em nosso bem, haveria algum modo extra de atrairmos Sua atenção para nós?

De acordo com Provérbios 15.3 e com o Salmo 101.6, sim. O

primeiro texto assegura que o Senhor vê a todos ao mesmo tempo e em todo lugar, tanto maus como bons. Alude a um olhar geral. Já o segundo afirma que Ele procura atentamente os fiéis da terra, para estarem com Ele e o servirem. Alude a um olhar diferente, atento e específico de Deus.

Com base nesses textos e em outros comentados ao longo deste livro, veremos o que atrai a atenção do Senhor, que atitudes nossas podem contribuir para que sejamos alvos do olhar abençoador de Deus e o que este olhar implica efetivamente em nossa vida.

Leia esta mensagem, medite acerca do que o Senhor está tratando com você, e ponha em prática as orientações na Palavra de Deus para instruí-lo e abençoá-lo.

Boa leitura!

CAPÍTULO 01

O QUE ATRAI A ATENÇÃO DE DEUS

Será que algo poderia chamar a atenção de Deus, sendo Ele eterno, onisciente e presciente ou seja, não tendo início nem fim, existindo desde sempre e conhecendo antecipadamente todas as coisas e todos os tempos acerca do universo e dos seres que Ele criou?

(5)

Sim! Mesmo lendo atributos únicos, com a onipresença, a onipotência, e eternidade, mesmo nada sendo maravilhoso ao Seus olhos, existem algumas coisas que atraem atenção do Senhor.

Como sabemos isto? Na Bíblia, há pelo menos dois textos que falam sobre os dois modos de olhar de Deus. O primeiro está em Provérbios 15.3: Os olhos do Senhor estão em todo

lugar, contemplando os maus e os bons. Este texto alude

à onisciência de Deus, que vê a todos ao mesmo tempo e em todo lugar, tanto maus como bons. É um olhar geral. Já no Salmo 101.6, o próprio Senhor diz: Os meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que estejam comigo; o que anda num

caminho reto, esse me servirá. Aqui vemos um olhar

diferente, atento e específico.

A fidelidade e a integridade

Se Deus procura os fiéis da terra para que estejam com Ele, a fidelidade, entre outras virtudes, é algo que atrai a atenção de Deus.

O que é fidelidade? É a característica de quem tem bom caráter, é fiel e demonstra respeito por alguém e pelo compromisso assumido com outrem; é sinônimo de lealdade. Fiel é aquele que cumpre aquilo a que se obrigou.

A fidelidade a Deus está sustentada em quatro pilares. Podemos ver isso na vida de Noé, que deu um dos maiores exemplos de fidelidade na Bíblia.

Em Gênesis 6.9, é dito que Noé era varão justo em toda

(6)

tinha bom caráter; era um modelo de retidão e fidelidade a Deus para sua geração. Aqui está o primeiro pilar da fidelidade a Deus: ter uma vida reta, íntegra. Ninguém pode ser fiel a Deus sem integridade, sem retidão.

Eu fico triste e envergonhado com a falta de caráter de gente que diz ser cristã! É terrível constatar a falta de integridade de muitos que carregam Bíblia debaixo do braço. Onde vamos parar com isso?

Por que certas pessoas que se dizem evangélica compram e não pagam? Por que passam cheques sem fundos, mentem, enganam, falam mal de todo mundo, falam palavrão, entregam-se à pornografia, adquirem produtos piratas, que financiam o tráfico de drogas e outras coisas ilegais?

Por que jovens criados na igreja, filhos de cristãos fiés, cultivam amizade profunda com pessoas ímpias e deixam-se influenciar por estas, em vez de eles as influenciarem? Que

sociedade tem a justiça com a injustiça? E que

comunhão tem a luz com as trevas? (2 Coríntios 6.14).

Como um empregado que se diz cristão ter coragem de processar injustamente um patrão, para tomar dinheiro dele? Como uma pessoa que afirma temer a Deus pode associar-se a grupo de camba lacheiros e armar tramóias para tirar dinheiro do patrão ou lesar a empresa, porque um advogado mau caráter os orientou?

Como pode um patrão evangélico não assina a carteira do seu empregado ou fazer ele trabalha mais de 8 horas por dia sem pagar hora extra?

(7)

Com essas atitudes levianas, muitos que alegam ser cristãos estariam demonstrando fidelidade a Deus? Claro que não, pois a fidelidade a Ele está baseada na integridade pessoal. Fidelidade sem integridade não passa de religiosidade vazia.

Como pode o povo de Deus agir assim? Que sal é esse que não salga? Que luz é essa que não ilumina?

Em Filipenses 2.12b-16, Paulo exorta a Igreja:

Operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; retendo a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, possa gloriar-me de não ter corrido nem trabalhado em vão.

A fidelidade a Deus é sustentada pela integridade.

Você quer atrair a atenção de Deus, a fim de ser abençoado por Ele? Então, acate a recomendação em Provérbios 3.3,4:

Não te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na tábua do teu coração, e acharás graça e bom entendimento aos olhos de Deus e dos homens.

A retidão

No versículo 9 de Gênesis 6, há outra característica de Noé que chamou a atenção do Senhor. Noe era varão justo e reto

(8)

Justiça é qualidade de quem age em conformidade com o que é certo, justo. Retidão é a característica de quem segue sem desvios a direção indicada pelo senso de justiça, pela equidade.

Que tipo de desvio Noé evitava, para ser considerado alguém com retidão moral e espiritual. Atente para o relato em Gênesis 6.5-9b:

E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então, arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração. E disse o Senhor: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até ao réptil e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor [...] Noé era varão justo e reto em suas gerações...

Note que, em meio à violência e à depravação moral de sua geração, Noé não se corrompeu nem se contaminou. Ele permaneceu íntegro, e achou graça aos olhos do Senhor.

O que esse olhar diferenciado de Deus em relação a Noé proporcionou a este e aos seus descendentes? Salvação. O Senhor revelou a Noé que a terra seria destruída com um grande dilúvio, instruiu-o a construir uma arca, para salvar-se das águas, e a ser um pregoeiro da justiça (2 Pedro 2.5).

A obediência

Outra característica de Noé que atraiu a atenção de Deus em relação a ele pode ser constatada no versículo 22 de Gênesis 6:

Assim fez Noé; conforme tudo o que Deus lhe mandou, assim o fez.

(9)

Note que Noé não obedeceu ao Senhor em alguns aspectos; ele acatou integralmente a vontade e as instruções de Deus.

A fidelidade a Deus é sustentada pela obediência a Ele e às Suas leis. Se alguém não obedece ao Senhor, não pode ser fiel a Ele. E, se não é fiel a El,e, não se preocupará em obedecer-lhe. E conseqüentemente não atrairá a atenção especial de Deus e não será abençoado.

O que é dito em 1 Samuel 15.22? Tem, porventura, o Senhor tanto prazer em holocaustos sacrifícios como em

que se obedeça à palavra 0 Senhor? Se uma pessoa não quer

obedecer à Palavra de Deus, não é fiel.

Noé não era perfeito. Como todo homem pecava e estava destituído da glória de Deus, mas ele não cedeu à maldade e a degradação moral da sociedade em que vivia. Ele demonstrou ter temor a Deus, guardando-se da degeneração moral e espiritual, e Deus o guardou da destruição e preservou sua descendência.

Com isso, aprendemos que a retidão, o temor ao Senhor e nosso esforço por obedecer-lhe agradam a Deus e fazem-no voltar Seu olhar para nós

A santidade

Na parte final do versículo 9 de Gênesis 6, vemos mais uma qualidade de Noé que atraiu a atenção do Senhor: Noé andava com Deus.

Uma das consequências de caminharmos com o nosso Criador diariamente é a santidade, a qual implica distância do pecado e consagração a Deus.

(10)

Quem está perto do Altíssimo mantém-se longe da iniquidade e submete-se às leis divinas, porque tem prazer nelas e na companhia do Senhor.

O pecado é como um muro, que faz separação entre nós e Deus (Isaías 59.2). Logo, para alguém andar com o Senhor, ter comunhão com Ele, precisa ser santo, separado. Deus requer isso do Seu povo: Santificai-vos e sede santos,

pois eu sou o Senhor, vosso Deus (Levítico 20.7).

Tem gente que frequenta a igreja evangélica há anos, mas deixa-se contaminar pela pornografia, o adultério, a prostituição e outras práticas terríveis dessa sociedade que jaz no maligno. Essas pessoas se deixam influenciar pelas mensagens veiculadas em novelas e músicas cantadas por artistas que "fizeram a cabeça" na macumba, para ter sucesso; elas são fãs ardorosas de personalidades famosas que desprezam Deus e adoram o diabo.

Em nosso meio, há até quem censure o pastor, quando ele alerta a Igreja para filtrar o que ouve, vê e permite entrar em sua casa: "Ih, pastor, não fale essas coisas. Estamos na pós-modernidade, nos tempos do 'evangelho light. Não aperte muito as suas ovelhas, senão elas vão embora do aprisco". Que conversa é essa? Se o pastor não alertar seu rebanho, quem o fará? Os lobos em pele de ovelha? Quem não tem compromisso com a verdade, com o evangelho genuíno de Jesus Cristo?

Em 1 Pedro 1.15,16, há uma ordem bem clara para os membros do Corpo de Cristo: Como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa

(11)

maneira do viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.

Sanlo é quem possui uma vida separada para uso exclusivo de Deus; quem observa os mandamentos do Senhor; quem está morto para o mundo, mas vivo para Deus. Santo é quem, sendo solteiro, não tem relações sexuais com quem namora, antes do casamento; ou, sendo casado, não trai seu cônjuge. Santo é quem não se envolve em fofocas, não espalha boatos, não difama nem calunia seu próximo; é quem não dá golpes, não tira vantagem de ninguém e não pega atalhos para subir na vida, usando meios escusos.

O salmista lembrou que a santidade convém à tua

casa, Senhor, para sempre (Salmo 93.5).

Viver em santidade é viver afastado do pecado. Você não pode ter comunhão com Deus nem ter a atenção dele se não for santo. Seja santo em terra. Mas Noé não apenas creu, ele agiu em toda a sua maneira de viver, e o Senhor saberá recompensá-lo!

A fé

Outra coisa que atraiu o olhar de Deus em relação a Noé é aludida em Hebreus 11.7:

Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu, e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.

Esse mesmo texto, em outra versão bíblica, diz:

Foi pela fé que Noé ouviu os avisos de Deus sobre as coisas que iam acontecer e que não podiam ser vistas. Noé

(12)

obedeceu a Deus e construiu uma barca em que ele e a sua família foram salvos. Assim Noé condenou o mundo e recebeu de Deus a aprovação que vem por meio da fé.

Hebreus 11.7 (NTLH)

A fé que Noé tinha em Deus fez com que ele cresse na revelação do Senhor de que destruiria a formidade com essa crença, construindo a arca e abrigando-se nela com sua família. Resultado: ele foi salvo e recebeu de Deus a

aprovação que vem por meio da fé.

Fé implica confiança absoluta em algo ou alguém. A melhor definição de fé é a que está em Hebreus 11.1: Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem.

A fé atrai a atenção de Deus porque ela requer nossa confiança absoluta no caráter fiel e imutável do único e verdadeiro Deus, que é amor e trabalha a favor dos que nele esperam.

Quem espera algo do Senhor precisa crer na Sua existência e aproximar-se dele com a confiança de que Ele é bom e terá prazer em ouvir sua causa, sua petição.

Aliás, no versículo 6 de Hebreus 11, é enfatizado que sem fé é impossível agradar o Senhor, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e

que é galardoador dos que o buscam (Hebreus 11.6).

Sabe o que é galardoar? É premiar, recompensar. Deus premia, recompensa, aqueles que depositam nele a sua esperança e confiança!

(13)

Como alguém quer vencer as adversidades se não crê que Deus é soberano sobre sua vida e que Ele está no controle de tudo?

Tiago (1.6,7) ensinou que o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento e lançada de uma para outra parte. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa.

Quem deseja receber a atenção de Deus precisa crer nele. A fé comove o Senhor, bem como a fidelidade, a integridade, a retidão, a santidade e a obediência. Se você possui esses atributos, prepare-se, pois Deus está vendo você de maneira especial, e vem bênção dele sobre você e a sua geração!

Nos próximos capítulos, vamos falar sobre que atitudes nossas atraem o favor de Deus e o que o olhar gracioso dele nos assegura.

CAPÍTULO 2

QUE ATITUDES NOSSAS ATRAEM A ATENÇÃO DE DEUS?

Antes de apontarmos algumas atitudes que atraem a atenção de Deus, sinalizando que Ele é amado e respeitado, é necessário enfatizarmos que o Senhor não precisa esperar por nenhuma atitude da parte do homem para abençoá-lo. Ele é soberano e pode manifestar Sua graça, Seu favor, ao ser humano quando lhe aprouver. Contudo, pela análise de alguns episódios bíblicos, constatamos que Deus, em certas situações, em vez de simplesmente agir, tomando a iniciativa com relação a alguém, reage correspondendo à busca deste por Sua ação/intervenção.

(14)

O Senhor agiu assim, por exemplo, quando Daniel o buscou, para decifrar o sonho do rei Nabucodonosor e para obter uma interpretação correta das profecias bíblicas (Daniel 3; 9; 10); quando Cornélio jejuou para buscá-lo. Assim, destacamos certas atitudes nossas que atraem a atenção de Deus, permitindo que Ele nos responda com bênçãos maravilhosas. Dentre essas atitudes, destacamos cultivar o hábito de orar, ser generoso, ofertando com amor e liberalidade quebrantar-nos diante do Senhor e adorá-lo em espírito e verdade.

Cultivar o hábito de orar

Em Daniel 6.10, é revelado que este orava três vezes ao

dia como antes estava acostumado a fazer. Daniel

governava 40 províncias, que distavam 100, 200, 300, 400, 500 km uma da outra. Na época, não havia telefone, automóvel, avião fax, Internet, mas, mesmo assim, ele arrumava tempo para, três vezes ao dia, falar com o Senhor e buscar a face de Deus.

Sabe quais os resultados? Daniel tinha comunhão profunda com o Senhor e uma fé inabalável nele e em Sua Palavra. Quando a adversidade batia à porta, Daniel não ficava abalado nem confundi do; antes, clamava ao Senhor, e este lhe respondia dando-lhe livramentos e revelações tremendas como os que estão relatados nos capítulos 2, 6, 7 a 12.

No capítulo 9, vemos que, enquanto Daniel orava a Deus por uma revelação (provavelmente sobre as profecias acerca da restauração de Israel tendo em vista o contexto), o anjo

(15)

Gabriel veio para entregar-lhe a resposta divina. Alente para o relato de Daniel:

Estando eu ainda falando, e orando, e confessando o meu pecado e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do Senhor, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus, estando eu, digo, ainda falando na oração, o varão Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio voando rapidamente e tocou-me à hora do sacrifício da tarde. E me instruiu, e falou comigo, e disse: Daniel, agora, sai para fazer-te entender o sentido. No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; toma, pois, bem sentido na palavra e entende a visão. Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e ungir o Santo dos santos. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações. E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das

(16)

abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está 'determinado será derramado sobre o assolador.

Que revelação tremenda! Sabe por que o Senhor a concedeu a Seu servo? Porque Daniel havia atraído a atenção de Deus pela oração. Ele tinha o hábito de orar. Quando dobrava seus joelhos para buscar ao Senhor, tocava-lhe o coração.

No capítulo 10 de Daniel, vemos que Deus enviou um anjo até Seu servo com a resposta que este precisava. Daniel estava orando e jejuando há 21 dias. A resposta havia sido liberada pelo Senhor desde o primeiro dia, mas uma potestade diabólica se colocou no espaço sideral para bloquear a passagem do anjo e tentar impedir uma resposta de Deus a Daniel.

O anjo não gritou nem esperneou. Não falou nada.Voltou, e foi pedir reforço. Deus chamou Miguel, que é o comandante dos exércitos celestiais e o guarda de Israel, e incumbiu-o de resolver o problema. Miguel guerreou e abriu passagem para o anjo. Este chegou a Daniel e revelou-lhe:

Daniel, homem mui desejado, está atento às palavras que te vou dizer e levanta-te sobre os teus pés; porque eis que te sou enviado. [...] Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia, em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras. Mas o príncipe do reino da Pérsia se pôs defronte de mim vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia. Agora, vim

(17)

para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias; porque a visão é ainda para muitos dias.

Daniel 10.11-14

Preste atenção ao que o anjo disse: Daniel, homem mui desejado [...] desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por

causa das tuas palavras. A oração atrai o olhar de Deus. O

céu inteiro foi movido pelo Senhor para que um homem com quem Ele tinha comunhão recebesse uma resposta Sua!

Você pensa que Deus só responde a oraçãc de alguns privilegiados? Em Atos 10.4, é dito que embora Cornélio fosse um gentio, por suas constantes orações e pelas esmolas que dava aos pobres ele atraiu a atenção de Deus, que enviou Pedro à casa de Cornélio, para falar-lhe das boas-novas de salvação em Cristo.

Cornélio não era judeu nem cristão, mas c Senhor atentou para a sinceridade dele, e o recompensou com a oportunidade de salvação e de um relacionamento estreito com Ele por intermédio de Cristo.

Orar é falar com Deus. O Senhor tem várias maneiras para falar conosco, mas nós só temos uma: pela oração. Então, como pode um cristão não orar?

Alguns alegam que não têm tempo, porque trabalham muito, e não conseguem separar um tempo para orar, ler a Bíblia, meditar sobre os ensinamentos divinos e ir à igreja. Daniel era um homem ocupadíssimo, que governava 40

(18)

pro-víncias e, como escravo na Babilônia, não podia negligenciar suas obrigações, sob o risco de morte, mas, mesmo assim, ele separava tempo para orar três vezes ao dia, como sempre fizera enquanto vivia como príncipe em Jerusalém.

Outros reclamam: "Eu oro, mas Deus não me responde". Então, eles desistem. Mas Daniel nunca desistiu de falar com o Senhor. Quando a resposta não chegou com a mesma rapidez que das outras vezes, Daniel insistiu, e 21 dias depois obteve a revelação de que precisava.

Se você tem orado ao Senhor, apresentando-lhe uma causa, um problema, e até hoje não obteve uma resposta ou uma solução, não desista. Pode estar demorando porque há uma batalha espiritual ou porque o Senhor está testando a sua fé e a sua perseverança.

Também pode ser que Deus já tenha respondido, mas você não entendeu porque esperava uma resposta diferente, ou Ele pode estar purificando suas intenções, uma vez que, como Tiago (4.3) nos advertiu: Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.

Nossas petições a Deus precisam ser feitas em conformidade com a Palavra e a vontade da Senhor. Não podem ser motivadas por egoísmo ou vingança.

Você sabia que o cativeiro de Jó foi mudadc quando ele orava pelos seus amigos (Jó 42.10)?

Preste atenção às instruções de Jesus quanto à oração, em Mateus 6.5-15:

(19)

E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário antes de vós lho pedirdes.

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém! Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.

A oração atrai a atenção de Deus. Move Seu coração a nosso favor no sentido de abrir a porta do impossível, dar a resposta, operar o milagre, trazer-nos a vitória.

Por isso Paulo recomendou:

Orai sem cessar.

(20)

Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus, orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos.

Efésios 6.17,18

Você deseja que Deus olhe de uma maneira especial para você? Então trate de orar. Não adiantará você ler mil mensagens e não tomar a atitude de orar, falar com Deus.

O diabo não tem medo de voz grossa nem de frases de efeito ditas por cristãos. O inimigo teme um cristão de joelhos diante de Deus, porque sabe que um cristão que fala com o Deus todo-poderoso tem resposta, livramentos e milagres.

Sendo assim, em casa, no trabalho, enquanto você está no trânsito, mantenha-se em oração elevando seus pensamentos a Deus e pedindo: "Senhor, guarda-me de todo mal. Abençoa a Tua Igreja, o meu pastor, os meus pais, o meu irmão. Dá-me graça. Faz um milagre. Abra as portas que eu preciso". Deus é onisciente. Ele lê seus pensamentos, sonda o seu coração, e responde a sua oração.

Ore mais! Santifique-se, e prepare-se para o que o Senhor vai fazer em sua vida e por intermédio dela!

Ser generoso

Outra atitude nossa que atrai a atenção de Deus é nossa liberalidade em relação àquilo que doamos a Ele, para Sua obra, e por amor a Ele, para socorrer os aflitos.

(21)

Bem-aventurado é aquele que atende ao pobre; o Senhor o livrará no dia do mal. O Senhor o livrará e o conservará em vida; será abençoado na terra, e tu não o entregarás à vontade de seus inimigos.

É possível uma pessoa doar algo a outrem sem amá-lo, mas é impossível amá-lo sem doar-lhe algo. É possível uma pessoa ser benevolente mesmo não amando. Contudo, quem ama não consegue não ser benevolente.

Que coisa linda é a generosidade! Ser generoso toca o coração de Deus, porque Ele é generoso e sabe o que significa dar o melhor. Ele não chegou lá no céu e disse: "escalem um anjinho da vigésima oitava potestade, para eu enviar à terra, a fim de morrer no lugar daqueles pecadores". O Senhor não cogitou a ideia de outro, a não ser Seu próprio Filho, vir morrer em nosso lugar, sendo nós ainda pecadores. Deus mandou o que tinha de melhor no céu: Seu Unigênito.

Por que existem pessoas que querem dar qualquer coisa a Deus? Elas precisam dar ao Senhor o melhor do seu tempo, do seu talento, das suas finanças. Isso atrairá a atenção do Senhor.

Ninguém engana Deus. Ele sabe quanto ganhamos e quanto gastamos. Vê como ofertamos Sabe se somos generosos ou não, se acudimos o necessitado e como o fazemos. Sabe se damos o melhor ou não.

Em Marcos 12, é registrado o momento em que Jesus estava no templo, observando os judeus depositarem sua oferta no gazofilácio. Então, veio uma mulher, e depositou

(22)

duas moedinhas. Jesus disse aos discípulos que ela deu a maior oferta a Deus.

Quantitativamente duas moedinhas eram uma oferta ínfima, mas qualitativamente era significativa, porque a mulher era uma pobre viúva e deu tudo quanto possuía.

Com essa observação de Jesus, aprendemos que Deus não se importa tanto com a quantidade do que lhe ofertamos, mas com a qualidade. Ele vê as nossas reais possibilidades e a motivação com que ofertamos.

Cada um tem uma história, um nível social um, poder aquisitivo. Se Deus olhasse a quantidade, quem é pobre estaria em desvantagem em relação aos ricos e abastados. Mas Ele olha a qualidade.

De acordo com esta lógica, uma oferta de dez reais pode ter mais qualidade do que uma de cem mil reais. Depende do padrão de vida da pessoa que ofertou e de seus critérios ao ofertar.

Tem gente que dá cinquenta reais, mas poderia dar um milhão de reais. Então, para Deus, ela deu resto; doou algo que não tem muito valor nem para si mesma, que não lhe faria falta.

Mais do que ver o que doamos, Deus considera como e por que lhe ofertamos. Logo, nossa doação não pode ser algo mecânico, leviano. Precisamos estar representados por nossa oferta; doar-nos com ela. Foi por isso que Davi, o homem segundo o coração de Deus, disse: Não vou dar como oferta ao Senhor [...] coisas que não me custaram nada

(23)

Na Bíblia há várias histórias que aludem à generosidade do Senhor manifestada a homens e mulheres que tiveram prontidão e liberalidade em ofertar-lhe algo.

Você se lembra de Abraão? Ele não negou Isaque, o seu único filho, ao Senhor, e tornou-se pai de uma grande nação. Só em Israel hoje há mais de seis milhões de descendentes de Abraão e no mundo todo há 15 milhões. Afinal, até nós, cristãos, pela fé somos herdeiros de Abraão.

Lembra-se da história da viúva que vivia em Sarepta, citada em 1 Reis 1 7? Ela ofertou um bolo ao profeta Elias, e foi alimentada durante todo o tempo de seca e escassez.

A seca durou três anos e meio. Durante todo esse período, houve azeite e farinha na casa daquela pobre viúva, e ela pôde comer cerca de 3.832 bolos. É só fazer a conta. Multiplique três bolos por 1.277 dias (três anos e meio). Ela deu um bolo, e comeu 3.832 bolos; um bolo de manhã, um à tarde, e outro à noite; pelo menos, três refeições por dia.

Você precisa aprender um princípio: por mais que você possa doar algo e ser liberal, Deus tem sempre mais para lhe dar. A medida de Deus é sempre maior do que a nossa. Ela excede todas as expectativas humanas. Ah, se o povo de Deus entendesse isso e tivesse fé para agir em conformidade! Em Lucas 6.38, Jesus falou acerca da medida de Deus, enfatizando que ela é boa, recalcada, sacudida e transbordante.

Você já viu pipoqueiro enchendo um saco de pipocas? Ele coloca duas medidas, dá umas sacudidas no saco para acomodar as pipocas, e coloca mais duas medidas lá dentro.

(24)

Como se não bastasse, ainda despeja mais pipoca por cima, para segurarmos com as mãos.

Isto ilustra uma medida recalcada, sacudida e transbordante. É mais ou menos isso que Deus fazer em nossa vida quando aprendemos a ser liberal.

Não é só quanto às ofertas e à ajuda aos pobres que somos avaliados por Deus. Em Malaquias 3.10-12, somos instruídos:

Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança. E, por causa de vós, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; e a vide no campo não vos será estéril, diz o Senhor dos Exércitos. E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o Senhor dos Exércitos.

Esta é a única vez na Bíblia que Deus nos desafia a fazer prova dele. Em qualquer outra área, a não ser a financeira, se você desafiar Deus, estará tentando-o. A única vez que Deus aceita ser desafiado é quando você oferta e dá o dízimo.

Se você tem dado o dízimo e ofertado com generosidade para a obra de Deus, pode orar: "Deus, eu tenho ofertado e dizimado, e a Tua Palavra diz que Tu abririas as janelas do céu. Eu quero ver essas janelas abertas para mim".

Você não apenas terá as janelas do céu abertas sobre a sua vida, se der o dízimo e as ofertas devidas ao Senhor, Ele

(25)

promete repreender o devorador das suas finanças e derramar sobre você uma bênção tal, que dela [lhe]

advenha a maior abastança.

Quebrantar-nos diante de Deus

Outra coisa que atrai a atenção de Deus, que chama Sua atenção, é um coração quebrantado. O Salmo 51.17 diz: Os

sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.

Em Mateus 23.12, Jesus ensina que aquele que se exalta será humilhado, e o que se humilha será exaltado.

Em Tiago 4.6, é dito que Deus resiste aos soberbos, dá, porém, graça aos humildes.

A arrogância é abominável para Deus. Ninguém obtém nada do Senhor com arrogância. Mas, quando uma pessoa reconhece que é uma pecadora, quebranta-se e diz: "Deus, perdoa meus pecados. Deus, eu reconheço que preciso de Ti. Eu reconheço que só Tu podes me completar, porque o vazio existencial só pode ser preenchido por Ti", Deus se compadece dela e atende ao seu clamor. Ela pode ter sido uma criminosa da pior espécie, se quebrantar-se e arrepender-se de seus pecados e buscar o perdão do Senhor, Ele vai manifestar Sua graça a ela, perdoar-lhe e restaurar sua vida.

Você conhece a história do rei Manasses, em 2 Crônicas 33? Ele cometia tanta impiedade e era tão perverso que chegou a oferecer crianças em holocausto a ídolos pagãos.

(26)

Sabe o que Deus fez? Levantou a Síria, uma nação inimiga, para invadir Israel e levar cativo aquele rei.

Manassés foi preso com grilhões e posto no cárcere inferior. Diz o texto bíblico que, ali, ele se arrependeu e humilhou-se muito diante do Senhor. Manassés reconheceu que o Senhor era Deus. E Deus ouviu o clamor dele e tirou-o lá do calabouço e restituiu-lhe o reino por causa do coração quebrantado de Manassés.

A humildade e o quebrantamento atraem a atenção do nosso terno Deus. Para Ele perdoar o seu pecado, libertá-lo dessa situação opressiva, restaurar sua saúde, seu casamento, sua família, mudar a sua vida e fazer de você uma nova pessoa, humilhe-se diante das potentes mãos de Deus. Esta foi a recomendação de Pedro aos cristãos que estavam vivenciando lutas terríveis:

Revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que, a seu tempo, vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.

1 Pedro 5.5-7

Adorar ao Senhor

Sabe o que também atrai a atenção de Deus? A adoração. Adorar é prestar culto, é reconhecer o nosso Criador e Senhor como o único e verdadeiro Deus.

E louvar? É reverenciar os atributos dele e enaltecer Suas qualidades maravilhosas. Sendo assim, o louvor é uma expressão da adoração.

(27)

Eu entendo porque Davi é considerado um dos maiores adoradores na Bíblia! Porque ele foi um homem segundo o

coração de Deus, que soube reconhecer a glória, a

majestade, o poder do Senhor e buscar a vontade do Altíssimo. Davi sabia que só Deus é maravilhoso, que tudo provém dele e que o homem é totalmente dependente do Senhor.

Em 1 Crônicas 29.11-14, Davi adorou ao Senhor:

Tua é, SENHOR, a magnificência, e o poder, e a honra, e a vitória, e a majestade; porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra; teu é, SENHOR, o reino, e tu te exaltaste sobre todos como chefe. E riquezas e glória vêm de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e dar força a tudo. Agora, pois, ó Deus nosso, graças te damos e louvamos o nome da tua glória. Porque quem sou eu, e quem é o meu povo, que tivéssemos poder para tão voluntariamente dar semelhantes coisas? Porque tudo vem de ti, e da tua mão to damos.

Há inúmeros salmos, compostos por Davi, para louvar e adorar a Deus.

No Salmo 71.8, por exemplo, vemos a disposição de Davi para adorar ao Senhor diariamente, por isso ele rogou:

Encha-se a minha boca do teu louvor e da tua glória todo o dia.

No Salmo 34.1, ele prometeu: Louvarei ao Senhor em todo tempo, o seu louvor estará continuamente na minha boca.

(28)

No Salmo 68.4, exortou o povo de Deus a louvar e adorar também: Cantai a Deus, cantai louvores ao seu nome, louvai aquele que vai sobre os céus, pois o seu nome é Jeová; exultai diante dele.

O povo cristão sabe pedir muito bem. Sabe agradecer mais ou menos. Contudo, é fraco em adorar.

De um modo geral, 95% do tempo é gasto na oração é para pedir. São comuns petições do tipo: "Senhor, quero isso. Preciso que me dês"; "Senhor, abra esta porta, porque Tu és o Deus da provisão! A prata e o ouro Te pertencem"; "Senhor, é a décima vez nessa oração que eu Te peço isso. Tu és o Deus todo-poderoso. Tu não me deixarás envergonhado. Eu sou fiel a Ti, Senhor, inclusive nos dízimos e nas ofertas". Quando está para finalizar a oração, o cristão diz: "Senhor, eu te dou graças por tudo. Glorificado seja o Pai, o

Filho e o Espírito Santo". Pronto, acabou a oração! Não existe adoração!

Adorar não é pedir nem agradecer. É louvar o Senhor com palavras que enalteçam Sua grandeza, Seu poder e Sua glória; que expressem nosso amor, nossa reverência e nossa admiração por Ele.

Adorar é reconhecer quem Deus é: "Senhor, Tu és grande! És poderoso! És o único Deus verdadeiro! Tu és digno de glória, de honra, de louvor e de majestade" Tu estás assentado num alto e sublime trono. Tu fazes tudo o que Te apraz! Tu és cheio de glória e de majestade! Santo, santo, santo és, Senhor! Toda a terra está cheia da Tua glória. Não

(29)

há outro como Tu. Glória ao Pai, ao Filho, ao Espírito Santo. A Deus, seja o louvor e o domínio para sempre. Aleluia!"

Sabe por que a adoração atrai Deus? Sábios e ignorantes procuram Deus. Brancos, negros, amarelos procuram Deus. Americanos, africanos, europeus, asiáticos procuram Deus. Pobres e ricos procuram Deus. Todo tipo de gente procura Deus, mas só tem uma classe de gente que Deus procura: os verdadeiros adoradores, que o adoram em espírito e em

verdade (João 4.23).

Apesar de a maioria dos evangélicos conhecer esse texto e saber o que é adoração, não a praticam. Alguns até se propõem a ir à igreja para prestar um culto a Deus, mas conversam o tempo todo, falam da vida de todo mundo, reparam nas pessoas, parece que foram contratados como críticos, pois reclamam do culto, do louvor, do coral, da mensagem, do pregador.

As pessoas vão à igreja porque querem, porque decidiram, e deveriam ser fiéis à sua decisão. Contudo, muitas ficam agoniadas, pensando na demora do ônibus, nos problemas em casa ou nas contas a pagar. Algumas ficam ansiosas para o culto acabar. Seria melhor elas terem ficado em casa, porque o culto delas não vale nada para Deus.

Como deve ser o nosso culto? Racional. O que é um culto racional? É uma adoração prestada ao Senhor no domínio da nossa vontade e razão.

O Senhor não obriga ninguém a cultuá-lo. Então, se você quer prestar culto a Deus, mantenha uma atitude de adorador. Diga-lhe: "Pai, estou aqui porque estou diante de

(30)

um Deus incomparável, único, verdadeiro. A Ti, a glória, a honra, o louvor, a adoração! Eu estou aqui prestando culto ao Senhor. Tu és digno!"

Há outros que vão à igreja, e perturbam quem está do lado deles, porque falam alto e não deixam as pessoas próximas ouvirem a pregação. Infelizmente, tem gente que não demonstra ter educação. Mas, se ela quer ser alvo da atenção de Deus, precisa educar-se e aprender a ser bênção para outros!

Quer outro exemplo? O pastor finaliza a mensagem e pede às pessoas presentes para ficarem de pé no momento do apelo, para intercederem pelos que aceitaram Jesus como seu Salvador. Nesse momento, vários mal-educados começam a sair. Então, um visitante, que não conhece o protocolo do culto, pensa que aquilo que será dito dali para frente não será importante ou que o culto já acabou, e vai embora também.

Esses pseudocrístãos não sabem ganhar nem quem está dentro da igreja, que dirá quem está lá fora, no mundão! Eles precisam aprender que, quando uma pessoa ou um casal visita a igreja e não consegue um lugar para se sentar, devem levantar-se prontamente para dar lugar ao visitante. Mas, alguns deles entram em "oração", e fingem que os visitantes não estão ali, de pé, ao seu lado.

Como servos do Senhor e seguidores de Jesus, nós, cristãos, devemos receber as pessoas bem em nossa casa e na igreja. Em situações desconfortáveis, devemos negar a nós mesmos, para educadamente recebermos a pessoa que nos

(31)

visita, a fim de que ela se sinta bem acomodada para prestar um culto a Deus e bem recebida em nosso meio, a fim de retornar.

Outros acabam com a ordem do culto, gritando em línguas estranhas, para roubar a atenção dos irmãos. Alguns alegam que fazem isso porque não conseguem controlar a efusão do Espírito Santo. Conseguem sim. O Espírito está sujeito ao profeta. Além disso, o Espírito Santo é educado, não é espírito de bagunça, mas de ordem e decência.

Em suma, a adoração envolve vários aspectos e protocolos. Que, como cristãos, possamos aprender a oferecer a Deus uma adoração genuína e o perfeito louvor! Que nossa adoração seja manifesta não apenas com nossos lábios, mas com todo o nosso ser e reflita-se em nossas escolhas, atitudes, em nosso modo de ser e de agir. Afinal, como disse Jesus: A hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o

adorem (João 4.23)!

Que a sua adoração possa atrair a atenção de Deus, e você possa ser abençoado com a presença maravilhosa dele!

CAPÍTULO 3 O QUE A ATENÇÃO DE DEUS NOS

PROPORCIONA?

Quando alguém, pelo seu jeito de ser e de agir, chama a atenção de Deus, fazendo com que Ele o veja de forma diferenciada, especial, uma coisa é certa: Ele lhe manifestará Sua graça, Seu favor, e lhe permitirá ter experiências tremendas com Ele, a fim de que o conheça mais, cultive um

(32)

relacionamento profundo com Ele e beneficie-se da Sua Lei e da Sua aliança, a qual implica salvação, bênçãos, cuidado, proteção e vitória.

No capítulo anterior, falamos de atitudes que podem atrair o olhar diferenciado do Senhor em relação a nós, trazendo a provisão de nossas necessidades emocionais, psicológicas, físicas e materiais e expressando Seu amor, Seu cuidado e Seu favor a nós. Neste capítulo, vamos concen-trar-nos em bênçãos espirituais e eternas, que o nosso Deus bondosamente nos concede, em especial a salvação, a remissão dos nossos pecados, a libertação do jugo de Satanás e do sistema mundano e a vida eterna, uma vez que, como disse Paulo: o Reino de Deus não é comida nem

bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo

(Romanos 14.1 7) e que se esperamos em Cristo só nesta

vida, somos os mais miseráveis de todos os homens (1

Coríntios 15.17)

Salvação, um favor imerecido

A primeira coisa que o olhar especial de Deus nos proporciona é graça, o favor imerecido dele para conosco, trazendo-nos salvação e todas as bênçãos inerentes.

Atente novamente para o relato em Gênesis 6.5-9b:

E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então, arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração. E disse o Senhor: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até

(33)

ao réptil e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor [...] Noé era varão justo e reto em suas gerações...

Sendo Noé varão justo e reto em suas gerações,

chamou a atenção de Deus porque não adotou as mesmas práticas perversas de seus contemporâneos; antes, permaneceu íntegro, e achou graça aos olhos do Senhor.

O que a graça proporcionou a Noé? Conhecimento sobre Deus e sobre o futuro, livramento, proteção, direção e bênçãos.

Os ímpios não temiam a Deus e não sabiam o que Ele ia fazer. Mas a Noé o Senhor revelou que destruiria toda aquela geração perversa. Os ímpios não foram poupados do dilúvio, mas Noé e sua família foram favorecidos pelo Senhor, com Sua aliança, que lhes assegurou um recomeço e o privilégio de ter iniciada uma nova linhagem humana a partir deles.

O que isso tem a ver conosco hoje? A arca que abrigou Noé e sua família do dilúvio e os conduziu a salvo rumo a uma nova vida tipifica Cristo, o nosso Salvador, em quem estamos abrigados do dilúvio do açoite (Isaías 28.15,18), que se abaterá sobre todos aqueles que rejeitaram a salvação oferecida por Deus.

Em 1 Pedro 3.20-22, este apóstolo fala do simbolismo da arca e do dilúvio e, em 2 Pedro 3.1-13, ele compara a geração perversa dos últimos dias à da época de Noé, enfatizando que, assim como esta pereceu pelas águas, aquela perecerá pelo fogo da ira de Deus, que destruirá a terra e seus habitantes, mas novos céus e nova terra, em que habita a

(34)

justiça, serão destinados aos salvos, conforme a promessa do Senhor aos Seus eleitos.

O Senhor Jesus já havia ensinado a Seus discípulos acerca do fim dos tempos e de Sua volta, alertando-os:

E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.

Mateus 24.37-39,42

Resta-nos fazer como Noé: crer em Deus, guardar-nos do mal, dar crédito às revelações bíblicas, atentando para a salvação que nos é oferecida por Deus em Cristo e abrigando-nos nele, em quem o Pai nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais

(Efésios 1.3) e deu-nos vida plena e eterna.

Para todos nós que já ouvimos acerca de Jesus e do plano de salvação e já experimentamos alguma manifestação da graça, do favor imerecido de Deus, fica a advertência em Hebreus 2.2-4:

Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição, como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos, depois, confirmada pelos que a ou-viram; testificando também Deus com eles, por sinais, e

(35)

milagres, e várias maravilhas, e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade?

A remissão dos pecados e a reconciliação com Deus Tudo na Bíblia aponta para o plano de salvação em Cristo, pois, como observou o apóstolo Paulo, em Colossenses 1.15-20:

[Jesus Cristo] é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência, porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus.

Quer outro exemplo na Bíblia de símbolo, além da arca, que aponta para Cristo e para a manifestação do favor divino, que trouxe bênçãos a um ser humano?

Em Gênesis 4.4,5, é dito que Abel deu uma oferta a Deus dos primogênitos das suas ovelhas, e atentou o Senhor

para Abel e para a sua oferta. Caim, o irmão de Abel,

também havia ofertado, mas para Caim e para a sua oferta não atentou.

Em outra versão bíblica, em vez de atentou o Senhor

(36)

de Abel e de sua oferta. Isto porque o verbo hebraico

sha'ah, traduzido como atentou (ARC) OU agradou-se (ARA),

significa olhar atentamente, considerar com cuidado e apreço.

Em outras palavras, Deus viu Abel ofertar, assim como já tinha visto Caim; contudo, algo na oferta de Abel chamou a atenção do Senhor, atraindo novamente o olhar dele e causando-lhe comoção, prazer. A oferta de Abel despertou ternura no coração de Deus, e fez com que Ele abençoasse o ofertante.

O que teria chamado a atenção de Deus na oferta de Abel? Teria sido a qual idade, uma vez que o jovem separou as primícias do melhor de suas ovelhas para Deus, reconhecendo o senhorio e a primazia deste sobre tudo? Caim também não havia oferecido as primícias daquilo que representava seu labor, assim como Abel? Por que Deus atentou para a oferta de Abel, e não para a de Caim?

Aparentemente, ambos os irmãos demonstraram gratidão e sinceridade ao ofertar o seu melhor a Deus. Contudo, segundo alguns estudiosos da Bíblia, a oferta de Caim, dos frutos da terra, lembrava ao Senhor a maldição que sobreveio à terra pelo pecado de Adão (Gênesis 3.17-19), enquanto o fato de Abel ter sacrificado um animal apontava para seu conhecimento da necessidade de expiação do pecado adâmiço e para a morte vicária do Cordeiro de Deus, que tiraria o pecado do mundo. Assim, tanto a qualidade da oferta como a reflexão e a motivação de Abel teriam feito com que o Senhor atentasse para Abel e o abençoasse.

(37)

É como se, com sua oferta, Abel dissesse a Deus: "Este animal primogênito que ofereço a ti em holocausto representa a minha vida totalmente consagrada a Ti neste altar. Este cordeiro puro e incontaminado está sendo sacrificado em meu lugar, a fim de que eu seja perdoado por Ti, porque quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue

não há remissão (Hebreus 9.22)".

Ainda que Abel não tenha tido plena consciência quanto ao simbolismo do animal que ele ofereceu a Deus em sacrifício, o Senhor aceitou aquela oferta, sinalizando de algum modo (que o relato bíblico não revela) que se agradou dela. Caberia ao jovem pensar no porquê, a fim de descobrir sua dimensão profética, que apontava para a prometida

semente da mulher, que esmagaria a cabeça da serpente

(Gênesis 3.15), remindo toda a humanidade do pecado que ela recebeu como herança de Adão.

É assim que, ao longo de cada livro bíblico, Deus vai descortinando Seu plano de salvação para a humanidade e revelando-nos vários aspectos do Seu Filho amado, que é o bom Pastor que cuida das ovelhas e as conduz em segurança a pastos verdejantes, o Servo sofredor, o Cordeiro que tira o pecado do mundo, o Sumo Sacerdote perfeito e eterno, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, a quem Ele sujeitou todas as coisas que estão nos céus e na terra.

(38)

Agora, preste atenção ao seguinte texto que fala acerca do olhar de Deus atento ao sofrimento de Seu povo e pronto a libertá-lo da opressão egípcia.

E aconteceu, depois de muitos destes dias, morrendo o rei do Egito, que os filhos de Israel suspiraram por causa da servidão e clamaram; e o seu clamor subiu a Deus por causa de sua servidão. E ouviu Deus o seu gemido e lembrou-se Deus do seu concerto com Abraão, com Isaque e com Jacó; e atentou Deus para os filhos de Israel e conheceu-os Deus.

Êxodo 2.23-25

Os israelitas estavam no Egito desde a época de José, quando houve uma grande fome na terra e os descendentes de Jacó se fixaram lá, a fim de sobreviver à escassez que se abateu sobre todas as outras nações (ver Gênesis 30—49). Deus já havia revelado a Abraão que os descendentes deste peregrinariam numa terra que não era a deles durante 400 anos e que as últimas gerações seriam escravizadas, mas seriam libertas por Ele, sairiam com grandes riquezas e retornariam a Canaã (ver Gênesis 15.13-16).

No episódio narrado em Êxodo 2, após 430 anos de Israel no Egito, vemos que, quando o clamor dos descendentes de Abraão, Isaque e Jacó se tornou mais intenso, Deus se manifestou a eles, enviando Moisés de volta ao Egito, para libertar os hebreus e conduzi-los à Terra Prometida.

Mais uma vez na narrativa bíblica há vários elementos que apontam para nossa situação aflitiva nos desertos deste mundo, para o plano divino de redimir e salvar a humanidade e para Cristo, como o Libertador de toda a humanidade.

(39)

O faraó representa o diabo, que, por meio da nossa aquiescência ao pecado, cega nosso entendimento quanto à liberdade em Cristo e aos projetos de Deus para nós, subjugando-nos à escravidão e fazendo-nos amargar a vida. O Egito simboliza o mundo, o sistema desigual e maligno comandado por Satanás. Os israelitas representam aqueles que foram destinados à salvação, mas ainda estão vivendo como escravos numa terra que não é a sua. Moisés representa Jesus, o nosso Libertador e o Mediador da nova e eterna aliança, que nos assegura paz, segurança, liberdade e vida abundante numa terra abençoada, onde manam leite e mel. O deserto a ser transposto do Egito até Canaã representa nossa vida recém-liberta do pecado rumo ao céu.

Tendo em vista esses elementos simbólicos, concluímos que aqueles que estão em Cristo já foram libertos da escravidão do pecado e do sistema mundano quando entenderam o plano de salvação, arrependeram-se de seus pecados, clamaram ao Senhor por libertação e aceitaram Jesus como seu Libertador e novo Senhor. Mas ainda lhes resta um deserto a atravessar rumo à cidade celestial, cujo

artífice e construtor é Deus (Hebreus 11.10).

Não é à toa que, em Apocalipse 15.3, quando a trombeta soar anunciando a volta de Jesus para buscar a Sua Igreja, os remidos que ainda estiverem vivendo na terra e forem vitoriosos sobre a Grande Tribulação, durante o governo do Anticristo, entoarão o cântico de Moisés e o cântico do

Cordeiro (ver Êxodo 15.21), louvando ao Senhor pela grande

(40)

Sabe o que isto também nos ensina? Entre outras coisas, que, em meio a uma situação terrível que pessoas possam estar enfrentando, o Senhor está atento até aos gemidos inexprimíveis em palavras daquelas que estão clamando a Ele por libertação do jugo do pecado e do inferno, e que Ele tem todo o poder para libertar, remir e salvá-las a qualquer momento que julgue conveniente.

Sabe por quê? Porque Deus ama o ser que Ele criou à Sua imagem e semelhança. Porque o inferno, onde será lançado o diabo e todos os demônios, não foi criado para o homem. Porque, para libertar a humanidade do jugo pesado do diabo e livrá-la da condenação eterna, Deus enviou Seu próprio Filho para morrer em nosso lugar na cruz, a fim de que o nosso pecado fosse perdoado, a nossa culpa fosse expiada, o jugo de Satanás sobre nós fosse quebrado, e fôssemos reconciliados com o Pai, passando a desfrutar de toda a sorte de bênçãos espirituais em Cristo, podendo viver como reis e sacerdotes num Reino eterno de justiça, paz, alegria, amor, vida abundante; sem doenças, enfermidades, tristeza, pecado.

Você já parou para pensar na amplitude da obra de Cristo para resgatá-lo do reino das trevas para Seu Reino de amor? Você já entregou o controle da sua vida a Cristo? Já clamou a Ele por libertação, ajuda, livramento dessa situação opressiva que você tem vivido? Se não o fez, faça agora! Diga:

"Senhor, eu li esta mensagem, e percebi que Tu és bom, que a Tua vontade é perfeita, que me amas e tens um plano de salvação para mim. Atenta para o meu clamor a Ti nesta

(41)

hora. Concede a libertação e o livramento de que preciso para ter renovada minha comunhão contigo e para que eu seja uma pessoa íntegra, reta, temente a Ti, fiel a Ti e obediente à Tua Palavra. Assim, serei uma testemunha eficaz da Tua bondade e da Tua maravilhosa salvação a todos aqueles que conviverem comigo. Eu Te peço isso em nome de Jesus, Teu Filho, que vive e reina para todo o sempre."

Os olhos do Senhor estão em todo lugar,

con-templando os maus e os bons (Provérbios 15.3). Mas

lembre-se do que Ele revela no Salmo 101.6: Meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que estejam comigo; o

que anda num caminho reto, esse me servirá. Seja fiel a

Deus, sirva-o com zelo e sinceridade, a fim de que possa desfrutar da sua maravilhosa presença por toda a eternidade!

(42)

Figure

Updating...

References

Related subjects :