• Nenhum resultado encontrado

INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO-MÓDULO II EXERCÍCIO

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "INSTALAÇÕES DE ESGOTO SANITÁRIO-MÓDULO II EXERCÍCIO"

Copied!
19
0
0

Texto

(1)

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE

ESGOTO SANITÁRIO

MODULO II – EXERCÍCIO

(2)

DIMENSIONAMENTO DE UM BANHEIRO COM BANHEIRA

RAMAL DE DESCARGA CHUVEIRO UHC=2 RAMAL DE DESCARGA DE = 40 mm LAVATÓRIO UHC=1 RAMAL DE DESCARGA = DN 30 mm MÍNIMO NO MERCADO DN = 40 mm BANHEIRA UHC=3 RAMAL DE DESCARGA DE = 40 mm RAMAL DE ESGOTO UHC = 2(CH)+2(BD)+1(LV)+3(BA)=8 PELA TABELA 5 ATÉ 20 = DN =75 mm

DESCARGA RAMAL DE DESCARGA RAMAL DE DESCARGA BIDÊ - UHC=2 RAMAL DE DESCARGA = DN 30 mm MÍNIMO NO MERCADO DN = 40 mm

CAIXA SIFOANDA (FECHO HÍDRICO)

COLUNA DE VENTILAÇÃO

RAMAL DE VENTILAÇÃO CONTR. 14 UHC TABELA 7 ATÉ 17 UHC DN = 50 mm RAMAL DE

DESCARGA

RAMAL DE ESGOTO

UHC = 2 (CH)+2(BD)+1 (LV)+3 (BA) +6(BS)=14UHC PELA TABELA 5 ATÉ 20 = DN DE 75 mm;

BACIA SANITÁRIA UHC=6

RAMAL DE DESCARGA = 100 mm

TUBO DE QUEDA TABELA 7 ATÉ 17 UHC DN = 50 mm

(3)

TABELA 1 – UHC DOS APARELHOS SANITÁRIOS E

ø NOMINAL DOS RAMAIS DE DESCARGA

APARELHO

UNIDADES HUNTER DE

CONTRIBUIÇÃO - UHC

Ø NOMINAL DO RAMAL

DE DESCARGA – DN (mm)

BANHEIRA

3

40

BANHEIRA

3

40

BIDÊ

2

30 ADOTAR MÍNIMO (40)

CHUVEIRO RESIDENCIAL

2

40

LAVATÓRIO RESIDENCIAL

1

30 ADOTAR MÍNIMO (40)

PIA RESIDÊNCIAL

3

40

(4)

DIMENSIONAMENTO DO RAMAIS DE ESGOTO

SAÍDA DA CAIXA SIFONADA

APARELHOS LIGADOS À CAIXA SIFONADA

PELA TABELA 1

– Lavatório = 1 UHC

– Lavatório = 1 UHC

– Chuveiro = 2 UHC

– Bidê

= 2 UHC

– Banheira = 3 UHC

– Total

= 8 UHC

RAMAL DE ESGOTO (saída da caixa sifonada):

PELA TABELA 5 ATÉ 20 UHC DN=75 mm

PELA TABELA 5 ATÉ 20 UHC DN=75 mm

OBS.

QUANDO TIVER BANHEIRA LIGADA À CAIXA SIFONADA É CONVENIENTE ADOTAR A SAÍDA DA

CAIXA SIFONADA COM DIÂMTRO DE 75 mm, PARA EVITAR O TRANSBORDAMENTO DA

ESPUMA FORMADA DENTRO DA CAIXA SIFONADA NA DESCARGA DA BANHEIRA

(5)

TABELA 5 – DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE ESGOTO

Ø NOMINAL DO RAMAL DE

ESGOTO – DN (mm)

UHC

30 OU MENOR

1

40

3

50

6

75

20

100

160

150

620

(6)

DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE ESGOTO DO BANHEIRO

(APÓS A INTERLIGAÇÃO DO RAMAL DE ESGOTO QUE SAI DA CAIXA

SIFONADA COM O RAMAL DE DESCARGA DO VASO SANITÁRIO)

APARELHOS –

Tabela 1

– Lavatório = 1 UHC

– Lavatório = 1 UHC

– Chuveiro = 2 UHC

– Bidê

= 2 UHC

– BANHEIRA = 3 UHC

– BACIA SANIT. = 6 UHC

– Total

= 14 UHC

– PELA

Tabela 5

até 20 UHC =75 mm

(7)

TABELA 4 – DIMENSIONAMENTO DE TUBO DE QUEDA

DN DO

TUBO DE

QUEDA

NÚMERO MÁXIMO DE UHC

PRÉDIO ATÉ 3

PAVIMENTOS

PRE’DIO COM MAIS DE 3

PAVIMENTOS

QUEDA

(mm)

PAVIMENTOS

PAVIMENTOS

1 PAVIMENTO

EM TODO TUBO

30

2

1

2

40

4

2

8

50

10

6

24

75

30

16

70

100

240

90

500

100

240

90

500

150

960

350

1.900

200

2.200

600

3.600

250

3.800

1.000

5.600

300

6.000

1.500

8.400

(8)

DIMENSIONAMENTO DO TUBO DE QUEDA

(CONSIDERANDO UM PRÉDIO DE 4 PAVIMENTOS + TÉRREO (PILOTIS))

DIMENSIONAMENTO NO PAVIMENTO:

– TOTAL DE CONTRIBUIÇÃO 1 PAVIMENTO = 14UHC

– PELA TABELA (4) ATÉ 16 UHC DN= 75 mm

– PELA TABELA (4) ATÉ 16 UHC DN= 75 mm

PORÉM O MÍNIMO POR TER BACIA SANIT. DN = 100 mm

DIMENSIONAMENTO EM TODO O TUBO:

– TOTAL DE CONTRIBUIÇÃO = 14UHC X 4 PAVI. = 56 UHC

– PELA TABELA (4) ATÉ 70 UHC DN = 75 mm

– PORÉM O MÍNIMO POR TER BACIA SANIT. DN = 100 mm

ADOTA-SE O MÍNIMO PARA BACIA SANITÁRIA

DN=100 mm

(9)

DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE VENTILAÇÃO

• PELA TABELA 7:

– GRUPO COM VASOS SANITÁRIOS

– TOTAL DE CONTRIBUIÇÃO = 14 UHC

– TOTAL DE CONTRIBUIÇÃO = 14 UHC

– ATÉ 17 UHC DN = 50 mm

• PELA TABELA 6:

– DISTÂNCIA MÁXIMA DO DESCONECTOR

AO TUBO VENTILADOR PARA RAMAL DE

VENTILAÇÃO

DIÂMETRO

=

50

mm

VENTILAÇÃO

DIÂMETRO

=

50

mm

(10)

TABELA 7

DIMENSIONAMENTO DOS RAMAIS DE VENTILAÇÃO

GRUPO DE APARELHOS SEM VASOS

GRUPO DE APARELHOS COM VASOS

GRUPO DE APARELHOS SEM VASOS

SANITÁRIOS

GRUPO DE APARELHOS COM VASOS

SANITÁRIOS

UHC

DN DO RAMAL DE

VENTILAÇÃO (mm)

UHC

DN DO RAMAL DE

VENTILAÇÃO (mm)

ATÉ 2

30

ATÉ 17

50

3 A 12

40

18 A 60

75

13 A 18

50

-

-19 A 36

75

-

-19 A 36

75

-

(11)

-TABELA 6

DISTÂNCIA MÁXIMA DE UM DESCONECTOR AO TUBO VENTILADOR

Ø NOMINAL DO RAMAL DE

ESGOTO – DN (mm)

DISTÂNCIA MÁXIMA (m)

30 OU MENOR

0,70

40

1,00

50

1,20

75

1,80

100

2,40

(12)

COLUNA DE VENTILAÇÃO

MÍNIMO 2,00

TUBO VENTILADOR PRIMÁRIO

3,00

3,00

3,00

4o. PAV.

3o. PAV.

COLUNA DE VENTILAÇÃO

2o. PAV.

RAMAL DE VENTILAÇÃO

TUBO DE QUEDA

3,00

3,00

1o. PAV.

PAV. TÉRREO

RAMAL DE

ESGOTO

(13)

DIMENSIONAMENTO DA COLUNA

CADA UMA DAS 4 COLUNAS CONSIDERADAS :

CONTRIB.EM UHC = 14 X4 = 56 UHC

CONTRIB.EM UHC = 14 X4 = 56 UHC

ALTURA TOTAL COLUNA VENTIL. = 4 X 3 + 2 + 2 = 16 m

PELA TABELA 8:

– TQ DN 100 mm;

– ATÉ 140 UHC;

– H= ATÉ 20m;

– DIÂMETRO TABELADO DN = 60 mm

– DIÂMETRO TABELADO DN = 60 mm

– ADOTAR COLUNA DN MÍNIMO = 75 mm

(TUBO DISPONÍVEL NO MERCADO)

(14)

TABELA 8

DIMENSIONAMENTO DA COLUNA E BARRILETE DE VENTILAÇÃO

DN DO TUBO DE QUEDA OU RAMAL

DE ESGOTO

UHC

DIÂMETRO NOMINAL DO TUBO DE VENTILAÇÃO (mm)

30 40 50 60 75 100 150 200 250 300 COMPRIMENTO MÁXIMO PERMITIDO (m)

30 (40) 2 9 - - - -40 8 15 46 - - - -40 10 9 30 - - - -50 12 9 23 61 - - - - -50 20 8 15 46 - - - - -75 10 - 13 46 110 317 - - -75 21 - 10 33 82 247 - - -75 21 - 10 33 82 247 - - -75 53 - 8 29 70 207 - - -75 102 - 8 26 64 189 - - -100 43 - - 11 26 76 299 - -100 140 - - 8 20 61 229 - -100 320 - - 7 17 52 192 - -100 530 - - 6 15 46 177 - -150 500 - - - - 10 40 305 -150 1100 - - - - 8 31 238 -150 2000 - - - - 7 26 201 -150 2900 - - - - 6 23 183 -200 1800 - - - 10 73 286 200 3400 - - - 7 57 219 200 5600 - - - 6 49 186 200 7600 - - - 5 43 171 250 4000 - - - 24 94 293 250 7200 - - - 18 73 225 250 11000 - - - 16 60 192 250 15000 - - - 14 55 174

(15)

DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE DE VENTILAÇÃO

CONSIDERANDO 4 COLUNAS INTERLIGADAS:

– CONTRIBUIÇÃO = 4 X 56 UHC = 224 UHC

– TRECHO HORIZONTAL DO BARRILETE =10 m

– TRECHO HORIZONTAL DO BARRILETE =10 m

– COMPRIMENTO TOTAL = 16 + 10 m = 26 m

PELA TABELA 8:

PELA TABELA 8:

– TQ DN 100 mm;

– ATÉ 320 UHC;

– H= ATÉ 52m;

– DIÂMETRO DO BARRILETE DN = 75 mm

(16)

DIMENSIONAMENTO DE SUBCOLETOR E COLETOR

(17)

TABELA 3 - DIMENSIONAMENTO DE COLETORES

E SUBCOLETORES PREDIAIS

DN DO TUBO

NÚMERO MÁXIMO DE UHC

DN DO TUBO

(mm)

DECLIVIDADES MÍNIMAS (%)

0,5

1

2

4

100

-

180

216

250

150

-

700

840

1.000

200

1.400

1.600

1.920

2.300

250

2.500

2.900

3.500

4.200

300

3.900

4.600

5.600

6.700

400

7.000

8.300

10.000

12.000

(18)

DIMENSIONAMENTO DE

SUBCOLETORES E COLETORES

• PELA TABELA 3: ATÉ 180 UHC E i= 1% = ø 100 mm PORTANTO:

• TRECHO 1 = 2 = 56 UHC =

ø 100 mm

• TRECHO 1 = 2 = 56 UHC =

ø 100 mm

• TRECHO 3 = 4 = 112 UHC =

ø 100 mm

• PELA TABELA 3: ATÉ 700 UHC E i= 1% = ø 150 mm PORTANTO:

• TRECHO 5 = 224 UHC E i= 1% =

ø 150 mm

• TRECHO 5 = 224 UHC E i= 1% =

ø 150 mm

(19)

DIMENSIONAMENTO DE SUBCOLETOR E COLETOR

CONSIDERAR 4 COLUNAS CADA UMA CONTRIBUINDO COM 44 UHC

TRECHO 1= 56 UHC

i=2%

i= 1%

i= 1%

TRECHO 3= 112

TRECHO 5= 224 UHC

ø= 100 mm

ø= 100 mm

ø= 200 mm

44 UHC

TRECHO 1= 56 UHC

44 UHC

44 UHC

44 UHC

i= 1%

PELA TABELA 3: ATÉ 180 UHC E i= 1% = ø 100 mm PORTANTO:

TRECHO 1 = 2 = 56 UHC =

ø 100 mm

TRECHO 3= 112

UHC

TRECHO 5= 224 UHC

ø= 100 mm

i= 1%

TRECHO 1 = 2 = 56 UHC =

ø 100 mm

TRECHO 3 = 4 = 112 UHC =

ø 100 mm

PELA TABELA 3: ATÉ 700 UHC E i= 1% = ø 150 mm PORTANTO:

TRECHO 5 = 224 UHC E i= 1% =

ø 150 mm

TRECHO 2= 56 UHC

Referências

Documentos relacionados

Planejar, organizar, controlar e assessorar as organizações nas áreas de recursos humanos, patrimônio, materiais, informações, financeira, tecnológica, entre outras;

• Nem todas as cargas devem ser conectadas.. Um módulo de energia de caixa de embutir que se comunica com um processador HomeWorks através de uma linha de RF não pode ter conexões

Existem vários tipos de instrumentos que auxiliam a gestão financeira (ver MORAES; OLIVEIRA, 2011; KUHN, 2012; SARDAGNA, 2016, 2018; para mais detalhes), porém no

Como tema apresenta uma comparação de custos, através da orçamentação do projeto considerando a aplicação dos sistemas construtivos em concreto armado com vedação de “tijolos

Passou depois a examinar os apparelhos de Solei!, que servem para medir a inclinação dos ângulos dos eristaes, os apparelhos de Barresswil, para ensaios de assucar, e diversos

A fim de contextualizarmos a discussão, inicialmente iremos refletir sobre os dois tipos de conhecimento – implícito e explícito – envolvidos no processo de

lado a aleatoriedade presente. Seguidamente o objetivo do estudo estatístico pode ser o de estimar uma quantidade ou testar uma hipótese, utilizando-se técnicas estatísticas

Para pensarmos como a psicanálise pode se inscrever no campo de pesquisa parece-nos necessário fazer uma breve distinção entre a pesquisa teórica e o estudo de campo, para então,

Em pacientes idosos ou com insuficiência renal, a dose diária de 1 comprimido de 40 mg não deve ser excedida, a não ser em terapia combinada para erradicação do Helicobacter pylori,

Figura 14 – Ligação Válvula de Escoamento com Válvula Disco.. Instalada o Ofurô faz-se a conexão desses com o tubo de espera, que está ligado à caixa sifonada, para evitar o

Em resumo, talvez seja a primeira vez que você leia isso, mas a história das eleições eletrônicas grita dizendo que o voto impresso surgiu para que o voto

ESGOTO SECUNDÁRIO: É à parte do esgoto que vai dos aparelhos de utilização até a caixa sifonada ou sifões e não têm contato com os gases provenientes do coletor público ou

Demonstrou-se, com as VMT’s verificadas na subestação Campo Grande Almoxarifado, que a quantidade de variações momentâneas de tensão num dado circuito é diretamente influenciada

Algumas condições responsáveis pela NOIA-NA de causas determinadas, como os distúrbios vasculares e hema­ tológicos trombogênicos e as embo­ lias, causam a isquemia

0 trabalho foi divido ern 3 principais partes: na primeira parte foi realizada uma recapitula<;ao te6rica do conceito de comunica<;ao empresarial e a sua

Quanto à caixa sifonada analisada, observou-se a inexistência do sifão, como demostrado na figura 6, assim como nos outros banheiros não existe fecho hídrico, ocasionando

Juntamente com os comportamentos de “parada na espera”, foi executada por E.caerulea em algumas situações (0,46%) a movimentação lenta da perna para trás

É a parte do esgoto que não está em contato com os gases provenientes do coletor público ou fossa séptica.. Vai dos aparelhos de utilização até a caixa sifonada Inclui ramal

Desdobramento dos tipos de adubos orgânicos (esterco bovino; mix; palha de carnaúba e sem adubação) dentro dos sistemas de cultivo (solteiro e consorciado) para

No Mergulho 1 será realizada a captura dos exemplares relevantes (espécimes ainda não registrados, ou possíveis novas ocorrências); ao final do mergulho os

Como o algoritmo genético forneceu valores de despacho maiores para os geradores 2 e 3, podemos dizer que os respectivos pontos de conexão são mais vantajosos para conexão de geração

Still there is no absolute consensus but in general, the neuro-fuzzy term consensus but in general, the neuro-fuzzy term means a type of system characterized for

O ramal de esgoto de uma caixa sifonada é dimensionado segundo a Tabela 13 que relaciona o diâmetro do ramal de descarga com a UHC para os aparelhos sanitários que não estão presentes