manual do baterista (rui motta).pdf

95 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)
(2)

Método Para Estudo e Prática da Bateria

odos

Com variadas e modernas configurações de exercícios

Acompanha CO com 16 faixas

Inclui part

i

turas de oito músicas

compostas e arranjadas por Rui Motta

Produzido por Luciano Alves

N° Cat: 358 - M

Irmãos Vitale S/ A Indústria e Comércio www.vitale.com.br

Rua França Pinto, 42 Vlkl Mariana São Paulo SP CEP: 0-4016-000 r•: 11 557.4.-7001 fax: 11 5574-7388

(3)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Motta, Rui

Manual do baterista : método para estudo e prática da bateria: com variadas e modernas

configurações de exercícios I Rui Motta ; produzido por Luciano Alves. -São Paulo :Irmãos Vitale,

2001.

Inclui CD

1. Bateria- Métodos 2. Bateria - Música

I. Alves, Luciano, 1956-. li. Título.

01 -5293 CDD-786.919

,

lndices para catálogo sistemático: 1. Bateria : Métodos de estudo : Música

786.919

CRÉDITOS

Produção geral e editoração de partituras LUCIANO ALVES

Autoria, arranjos e transcrição das músicas RUT MOTTA

Revisão musical

RUI MOTTA

Capa

MARCIA FlALHO

Foto de contra-capa MARY AZEVEDO Gerente de projeto DENISE BORGES Produção executi,,a "= S7' ""'"'!!- T -r: !.E Gravação e mixagem do CD FERNANDO HUNGRIA Estúdio DRS - RIO DE JANEIRO Masterização CíCERO PESTANA Músicos:

Rui MOTTA (bateria, percussões adicionais e sequenciamento)

Fernando Hungria (guitarra nas músicas Triskal, Krioni, Tempestade e Bonança,

Sonora)

'

1t1arcQ Tommaso (improviso de -:ecl?f ..,:s em lliG-Ca..~:~re

(4)

,

ndice

Prefácio ~ . . . .

.

. . .

.

. . .

.

. . .

.

.

. . . 5 O autor e e + + + • + + + + • • • e e e e e e e e e e e e e e e e + e + e e • e • e • + • + e e e e e t + + + t e + t + + + + e + t + + + e e e + + + e + + + + + + t + t + + t + + + + + + + + + + + + + + + + I + + + + + + + + + + + e + + + + + + I I t t + + t + + + + t + + 7 Introdução • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 8 Como estt1da·r . . . .. . . 9

J>

~]Rt']l]H: 1l ••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••• 1 1 Desenvolvimento técnico •••••••••••••• • •••••••• •••••••••• •••••••••••••••• •••• •• ••• •• ••••••••••• •• •••••••••••••••••••••••••••••• 11 Desenvolvimento das mãos ... 11

Dinâmica das mãos • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 14 Desenvolvimento dos pés ... 21

1?

~]Rt~JB: ~ ••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••• ~~ Baquetamentos ... 2 3 Origem e função ... ... ... 23

Baqt1etamentos mistos ... ... 24

Revezamento das mãos ... .... . 24

Baquetatnentos pares e ímpares • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 25 Paradidles ... 25

Inversão e forma invertida ..•..••... ... ...••...••..•... ~~ Divisões regulares e irregulares ... 2 6 Justificando os baquetamentos ... ... 26

Baquetamentos mistos de oito toques ... 28

Como acentuar um baquetamento ... ... 29

Baquetamentos acentuados de oito toques ... 32

Multi toques . . . • . . . 3 6 Automatização de baquetamento . . . .

.

.. . . .

.

.

. . . ..

.

. . .

.

.

.

. . .

.

. . .

.

.

.

. . .

.

.

.

.

. . . .. . .

.

. . 38

Baquetamentos de seis toques ... ... 38

Baquetamentos de 12 toques . . . .. . .

.

. . . .

. .

. . .

.

' .

.

. . .

.

. . . .

.

. . . .

. . .

.

.

.

' 39

Seqüenciamento de um baquetamento ... ... ... 40

Baquetamentos seqüenciados ... ... 41

Mudança de acentuações . . .

.

.

.

. . . .. . .

.

. . .. . .

.

. 43

I\1udança de figura rítmica ... 44

Batidas lineares para acompanhamento ... 4 5 Baquetamentos ímpares .... ...•... ...• ' ••..••.••... ... ... ~~ Baquetamentos de dez e de 14 toques ... 4 7 p ]Rl~~ ~ ...•...•...•.•.••...••...•..••••••...•••••.•••..•..••••.•••••.•••••••..•...•••••••..•••••••.••••••.•..•.••••.•••••••••••'15)

Contra-tempo com duas mãos ... ' ... 4 9 A centu.ações ... ... ... ... ... . 4 9 I Ba idas com dois toques de caixa ... ' .... 4 9 Batidas com três toques de caixa . . . .. . .

.

. . .

.

.

.

. . . 52

Ba,.·das ' f i toque_ de tom-tom ... 56

(5)

Jl ~]Rt~JB: " ... ~~

Pedal duplo • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Coordenação dos pés • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Pedal duplo e caixa

Batidas mecânicas • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 59 59 61 69 Batidas em 4/4 ..... 71 Batidas em 6/8 • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 73 Jl ~]Rt~~ :; ··· ~:;

Tocando cotn base gt·avada ................... ... .. ..... ... ................... 7 5

Como praticar com o CD • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 75

Sobre o CD ... ... 76

DIA CORRIDO (Faixas 1 e 2) • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

TRISKAL (Faixas 3

KRIONI (Faixas 5 e

e 4) • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

6) • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

TEMPESTADE E BONANÇA (Faixas 7 e 8) • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

RIO-CARIBE (Faixas 9 e 1 O) • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

SONORA (Faixas 11 e 12) + I I I I I I I I I I I I I I I I • I I I I I I I I I I I t I • I • I I I I I • • • • + I I I e + t I e t e I t I I I t + I + I I + I I + + I t I t I t I I t I I I I I I I • • • • • •

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

SINCRONIA (Faixas 13 e 14)

PENSANDO EM MÚSICA (Faixas 15 c 16) • t I t I • t • • I I + I • • • I • • I I I I I I I + I I • I I I e I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I • • 1 1 1 I +

76

79

81 86 88 90

92

94

'

(6)

Prefácio

Conheço Rui Motta há alguns anos. Na verdade, há muitos anos. A primeira vez que o vi rocar foi~..-­ de rock no Teatro João Caetano (Rio de Janeiro), etn meados dos anos 70. Lá estavam o ··vímana··. o--c~....­ ~""""de Cada Dia", "O Terço" e, para fechar, os "Mutantes".

o llhar para o palco com os equipamentos montadós de cada banda, algo me chamou a atenção: a batr.:>o-l".-.r.t

... \lotta. que parecia ocupar, sozinha, 113 do espaço. A impressão era de que a banda Íria se apresentar r:::

roteru tas, ou mais. O seu setup de bateria chamava 1nais atenção do que o emaranhado de teclados que, na epoca

regressivo, se caracterizava pelo acú1nulo de instrumentos.

JJando a esperada atração principal da noite (a quarta formação dos "Mutantes") entrou em cena, a aura do

trnnsfonnou. O palco parecia flutuar. Ali, algo mágico acontecia. A platéia enlouqueceu, dançando ou

nnpossível tirar o olho do baterista ou, pelo menos, da bateria já que, do músico, só se via a imensa

foi a primeira vez que assisti, ao vivo, a um baterista inconformado em desempenhar o papel de

. A performance de Rui Motta se destacava tanto quanto qualquer insttumento solista sem que

l)s arranjos. Era a "máquina" que sustentava a base e, ao mesmo tempo, conduzia a música a novos

~. ~mente passei a entender o porquê de tantas peças em uma única bateria: o baterista era um músico

... ~-a ém da condução rítmica, enveredava pelos caminhos melódicos e harmônicos. A própria afinação

grande variedade tímbrica dos pratos eram partes primordiais dos arranjos. No solo de bateria, ficou

tt:lt::J,: ~-se de uma nova forma de conceber a execução do instrumento. Eu, que sempre fui estudioso e ... timia. fiquei impressionado como ele executava, com tamanha independência, "levadas" complexas

embro do corpo parecia ser comandado por um sistema nervoso central próprio. E, até hoje, isto ~~~~-<>na. Verdade seja dita: o baterista não pode ser um sujeito normal.

mese~- depois a banda se apresentou no Teatro TerezaRachel (Rio de Janeiro). A performance do grupo

1 ainda mais ünpressionante. Saí deste show com a intuição de que um dia tocaríamos juntos nos

e ocorreu alguns meses após.

""'---=na sala de jogos de um sítio em Itaipava (Rio de Janeiro). Era u1n misto de diversão com diversão

..,.g,.. ... -o encarávamos a tnúsica cmno trabalho (conceito que, em parte, até hoje se sustenta). Eu

\lar mais cedo que os demais (em tomo das 13 horas) para praticar técnica no piano acústico mas

... 'YT....,.~ p is logo aparecia o Rui para dar uma "canja" e, mesmo em duo, o som "rolava" para muito

_.. antas deYolume). Vinham depois o Sérgio Dias e o Paul de Castro, e o tal do ensaio começava

esmo do café. Assim, fui me tornando cada dia n1ais amigo e admirador deste baterista.

~~praticando, estudando, compondo ou tocando por puro prazer e sempre foi um profundo

... menta. Ficava horas praticando uma "levada" ou treinando manutenção de andarnento.

"""""'. CD ··_1utantes Ao Vivo" ouvi o produtor definir muito bem: "Dá para gravar perfeitan1ente ~gurança é o que não falta!"

estndou teoria musical e noções de piano, o que em muito contribuiu para seu desenvolvimento

_um CD. começou a fazer shows com sua banda e passou a gravar e a tocar com diversos

(7)

Logo aparecerem seus seguidores: iniciantes e estudantes de bateria em busca de orientação de um profissional

versátil e profundo conhecedor das técnicas do instrumento. Autornaticamente, passou a escrever seus métodos de

bateria, sempre com a preocupação de transmitir os segredos da sua técnica de forma direta e prazerosa.

Este "Manual do Baterista", seu quinto trabalho, é uma resposta direta à demanda dos próprios alunos. Na

Parte 1 (Desenvolvimento técnico), são oferecidos diversos exercícios para o desenvolvimento e articulação dos

membros do corpo envolvidos na execução da bateria. Na Parte 2 (Baquetamentos), Rui demonstra sua dedicação

e n1eticulosidade na pesquisa de todas as formas de baquetamentos. Foram incluídas indicações das mãos,

acentuações e as várias possibilidades de toques. A Parte 3 (Contra-tempo com as duas mãos) é dedicada ao uso do

contra-tempo aplicado às batidas. A Parte 4 (Pedal duplo) apresenta exercícios para coordenação dos pés de forma

que possam ser utilizados nas variadas batidas. A Parte 5 (Tocando com a base gravada) pode ser considerada um

bônus: é possibilitado ao estudante executar seu instrumento juntamente com o professor. Foram gravadas oito

músicas em CD, com destaque sonoro para a bateria. Lendo as partituras e ouvindo o CD percebe-se cada nuança

da execução de Rui Motta. .

Mesmo sendo tecladista, posso endossar o trabalho de Rui Motta na didática da bateria, pois tive o privilégio

de produzir e editorar todos os seus livros. Este manual, por exemplo, exigiu um ano de trabalho constante. Muitos

exercícios e textos foram por ele aprimorados durante sua produção de forma a intensificar e, simultaneamente,

facilitar o aprendizado dos alunos.

O Brasil, país do ritmo, ganha este importante registro, resultado do trabalho de um de seus bateristas mais

o

expreSSIVOS.

(8)

..sei do em Niterói (RJ), no dia 15 de Julho de 1951, Rui Castro Motta (Rui Motta) é autoditada na bateria.

~ebeu as primeiras noções de divisão rítmica aos 24 anos, através do tecladista Luciano Alves, e,

- - n· •· .. ente, de hannonia, com Izidoro Kutno, com quem teve aulas particulares. Também estudou piano por

.

ropna.

os 15 anos, formou o trio "Os Apaches", que tocava em festas de bairro, conquistando confiança para

g:I:~rr. posteriormente, o grupo de baile "Os Corujas", que se apresentava por todo o estado do Rio de Janeiro.

~ crio variava entre o samba, bolero, balada e iê-iê-iê. A importância desse período se traduz pela experiência

.._.__:o e versatilidade que adquiriu, resultado das constantes apresentações nas quais interpretava músicas dos

ariados estilos.

o r Yolta de 1968, surgiu o "Veludo Elétrico", quando começou a desenvolver seu lado criativo, já que o grupo

músicas próprias, fazendo então os primeiros "concertos"- como eram chan1ados os shows de bandas de

:::da nesta fase, formou, com mais três músicos, o "Sociedade Anônima", quarteto que promoveu um

- ":te passo em direção ao seu amadurecimento musical. O grupo se destacou no cenário do rock emergente

""-I_ .... ,.,_ ... pelo bom gosto dos ananjos e pela qualidade das composições.

Em 1972, foi convidado a integrar os "Mutantes" em sua fase pós-tropicalista. Segundo o autor, representou

---~ -õo no que se refere à arte de se expressar musicalmente. Com os "Mutantes", Rui Motta gravou três discos

LP- e um compacto duplo), ganhando, por dois anos consecutivos, o reconhecimento como o melhor baterista,

-"--'·"-o com a pesquisa da revista Rock. Em 1977 foi para a Itália, onde se apresentou com o grupo e participou

·~. ações com músicos locais.

:"\.partir de 1978, começou a atuar em shows e gravações, no Brasil e no exterior, ao lado de artistas e 1núsicos

.. ey Matogrosso, Marina, Moraes Moreira, Steve Hackett (ex-guitarrista do ''Genesis"), Zé Ramalho,

~~.,..,..;....a • Sá & Guarabyra e Fernando Moura, entre outros. Paralelamente, gravou diversas trilhas para cinema e

j:ngles para comerciais, além de ter integrado os grupos "Via Láctea", "Etiketa" e "KGB".

Se:: primeiro trabalho solo foi o disco "Mundos Paralelos", lançado em 1993 e, posteriormente, relançado em

_....__~·.... · o elogiado pela crítica. Neste mesmo ano, teve seu primeiro método de bateria editado, "Bateria em Todos

ci..., ··.referência obrigatória no setor pela comprovada eficiência. Estes lançamentos ampliaram seu campo de

lilli:!t.:zn

profissional, o que lhe pern1itiu incluir em sua agenda apresentações em workshops e shows com seu grupo, o na & Banda".

Err. 1997 foi lançado, pela Innãos Vital e Editores, seu segundo método, o "Curso de Bateria", em três volumes -- que tomou-se em poucos meses campeão absoluto de vendas em sua categoria. A C. Ibafiez, maior fábrica

etas do país, lançou, ainda neste ano, um modelo exclusivo com sua assinatura, o I 002 Rui Motta.

O an eguinte foi marco de mais um lançamento, o seu "Vídeo-Workshop", no qual colocou em prática uma

'n.Pn: sucedida idéia de registrar em imagens um conjunto de conceitos, modelos de exercícios, performance

e bateria. Em 2000 gravou seu segundo CD "Sinestesia", com apoio e distribuição exclusiva da CERA TTI.

~,,. Rio de Janeiro. Rui Motta mantém um curso individual profissionalizante para bateristas. Atualmente,

PLIIll- o ~ançamento de ma:s um CD e u....'ê... em suas apresentações ao vivo e gravações, os produtos das

~~, C

m

-fEZ_ F CHER.. R:' '.:e -E L-\KE.

(9)

-

--Seqüência de estudo

Alguns modelos de exercícios se estenderão através das Seqüências de Estudo. Significa que devem se:

novamente praticados dentro da nova configuração requisitada. Fica claro no texto o que deve ser feito.

,

E importante também que você invente seus próprios formatos.

Andamento

O estabelecimento dos andamentos para os exercícios deste livro ficará a seu critério, de acordo com S"G1-"7

possibilidades técnicas. Portanto, cada modelo de exercício deve ser executado dentro de um andamento que v

=-considere musical.

A regra básica é a de que só obterá os frutos da conquista dos andamentos mais rápidos quando estiver tocar:...:.

com absoluto domínio nos mais lentos, pois a música é uma estrada que deve ser percorrida passo a passo, atra ... ec;

de muitas e muitas "horas de vôo" empregadas na prática constante. No entanto, o corpo é como o motor de.~~

automóvel que, para alcançar as altas velocidades, deve estar devidamente testado e amaciado. Isso quer dizer q-...

os andamentos rápidos devem ser praticados (mas não priorizados ), para que a "máquina" do seu corpo esteja seii!p:-....

acostumada a funcionar dentro de um padrão de rendimento mais alto do que o habitual.

Convenção da escrita

Usaremos a seguinte convenção para a colocação dos instrumentos da bateria na pauta:

Tom-tom 1

J

Tom-tom 2 Caixa I

Surdo

J

Prato de condução ou contra-tempo com a mão, conforme especificado

J

Bumbo (pé direito)

J

Bumbo (pé esquerdo)

J

Batida no aro com a baqueta

deitada (Rim shot latino)

J

Contra-tempo tocado com o pé

(10)

PARTE 1

Desenvolvimento técnico

~ .... ..u.udo mencionamos a preparação técnica do baterista, estamos nos referindo a fatores como Equilíbrio,

~.._.e, . Flexibilidade, Resistência, Dinâmica e Tonicidade, dos pés e das mãos.

primeiros estágios, você desenvolve o controle das vias (pés e mãos) para coordenar um ritmo qualquer.

ece à medida que consegue articular os toques dentro de uma combinação definida de Figuras Ríttnicas . ... ~Jção Motora usada na bateria é justamente este processo de organizar e dispor ordenadamente os

para configurar o ritmo.

continuidade deste estágio inicial de controle conduz, automaticamente, ao Equilíbrio (Balanceamento, JllL..Iae ou Estabilização) quando, então, começa a dispor de suas vias com mais eficiência.

-e[ocidade é, em parte, desenvolvida naturalmente com a prática constante, mas para obter-se um

~ específico o andamento dos exercícios deve receber um tratamento especial que favorecerá a

.-..-~ .... e a Resistência (este último, com a multiplicação dos compassos em andamentos rápidos) .

... ~ ~. entretanto, uma grande interatividade entre todos estes tópicos descritos. Ao praticar um deles,

:2.n:1ente desenvolvem-se os demais.

e fiei os dos exercícios de Dinâmica são alcançados através da prática das acentuações, gerando níveis

.:at!e rie volume e aumentando a Tonicidade, que é a capacidade de explosão para gerar, por exemplo, um

olume através de um ~ovimento estreito, rápido e concentrado.

Desenvolvimento das mãos

l'll"'"'.t,..,..,~ .:ie exercícios diviqido em três séries. Com algumas exceções, estão dispostos na forma ambidestra,

re;.-ezamento das mãos, para inverter o Baquetamento.

Cada exercício deve ser tocado, no mínimo, quatro vezes em três andamentos diferentes: lento, méd1o-rápido e máximo.

m1:o inicial (lento) é usado para automatizar o exercício e "esquentar" as mãos. Defina esse

_ mpasso que tenha o( s) tempo( s) com o maior número de toques e o exercício será executado com

~:lto médio-rápido deve ficar cerca de 20 pontos acima do lento. Se o lento estiver em 80 bpm, por

,

:C;U;-r-.''""'11~ .... será em tomo de 100 bpm. E preciso observar que estes números valem apenas como

.... &.Orla um deve definir o seu andamento inicial de acordo com a capacidade técnica, que pode estar ... ~, e emplificado.

-~ . .., máximo. maior esforço será exigido, dentro dos padrões ainda não explorados, como se o

=-p'~cão do limite - habituais. o que. efetivamente, deve acontecer. Nessa etapa, uma dor

t~a., em geraL e de\ e r tolerada denrro de um limite pessoal de avaliação), para que os braços

am

da e A de des entre o exercícios. Quando sentir sinais de

(11)

... RIE .~ -Toques · pies

Toque na caixa

com.

o contra-tempo com o pé em semínimas para o primeiro andamento, e em mínimas para

urro dois. As barras inclinadas significam repetição do tempo anterior, com o mesmo Baquetamento.

D E D E D E D E D E D E D E • • - E D E D E D E D E D E D E D E D E

-

2

2

• • -,:) O E D E E D E D E D • • .. D E D E D E D E D E

-• • E D E D • • ,

SERIE B - Toques duplos

Toque na caixa marcando o contra-tempo com o pé em semínimas para o prüneiro andamento e em mínimas

para os outros dois.

1 10 DE E D D E E D E E D D ... D D E E L. D D E E D E E D D - D D E E E E D D

-L D O E E D E E D D =. ~ D E E

-= -=

o :::>

I

I

I

E E D D E E D D E E E D E • • • • • • • •

I

li

(12)

Q'~~:t

'P'J

...

ne .. . ~· i'!r~.~..---~ =-- __,._._.... ~--'JW!- ::~:·idualm~:e :ltra\és dos _.f -1::iroque:. Obsen:-e _ ... ~

.... , .. ~Jizante do i7l'u~a:rt~r'T"t"'-~-.. ..., ... ~as mãos não impede que elas dividam o mesmo exercí~io ..

a:: tenha. no 6/8, o contra-tempo com o pé em semínimas pontuadas ou, ainda, mínima;:, :pO.u..~a·-~~ ~ __ ______

~-~--:olh2 e conveniência dos andamentos. Para o 2/4 e o 4/4, por serem exercícios de andamcn o: r!ü:t:i

'-""·'--- f

. :...Ja manter a marcaçao em sermmmas.

-

ow

-....

-D =. E

-,_. ...

---

-E D E D D D E

2

D

2

E E D D D D D D O :l D O D E E E E • • D E E E D D D E E E E D D D D D D D D D D E E E E E E E E E E E E E E E c:

-2

2

E E E

-I

--

~

-D D D D E E E E E

---

-

-- -

---

t: -

-D -D -D -D -D -D E E E E E E -D -D -D -D -D -D E E E E E E E D D D D D D E E E E E E D - - - ~----6----~ ..____ 6 _ ____, •

-• •

(13)

Dinâmica das mãos

Exercícios divididos em cinco séries. Toque na caixa diferencianâo com clareza as figuras acentuadas das não

acentuadas, criando dois níveis de Dinâtnica betn definidos. Em sua maior parte, os exercícios estão escritos na

forma ambidestra. ,

SERIE A- Toques simples

Acompanhamento do contra-tempo com o pé em semínimas ou mínimas, dependendo do andamento .

u o E O E

0

0

E O E E O E

00

E o E

0

0

E o E o E o E E O E O E O E E O E O E O E E O E O E E O E E O E E O E E O E E D E D E O E D E O E O E ~DE ~=

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

O E o E o >-O E o E o O E O E O o E o E o > O E O E O O E O E O O E O E O O E O E O O E O E O O E D E O >- >-O E D E D :::;,. > O E D E D D E O E O > ::> O E O E D ::> > E O E o E o E o E

2

E O E o E o E o E

2

E O E O E O E O E

2

E o E o E o E o E

2

E o E o E O E o E O E O E

2

E O E O E O E O E O E O E

2

> > E O E O E O E O E O E O E

2

>-E O >-E O E O E O E O E O E

2

:::;,. E O E O E O E D E

2

>- > E O E D E O E D E

2

E O E O E O E O E

2

>- > E D E D E D E O E

2

> >-E D E D E O E D E D E O E

2

> ::> ::> > E O E O E O E O E D E D E

2

> ::> > >-• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

(14)

u E O E O E O E O E E O E O E O E E D E D E O E ~o

====

E O E D E D E 4 > > > > > > E D E D E D E > > > E D E D E D E

EJD

====

> >

2

2

2

2

2

2

2

2

SÉRIE B - Toques duplos

-

--,

.

• • • •

> ::::> > D E D E O D E D E D >- > O E O E D D E D E D > > > > D E D E D > > > > D E D E D > > > D E D E D > > ::::> ::::> D E D E D E

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-9

-,

.

• • •

• f

,

.

• •

r-> > ::::> >- ~ E D E D E O E O

2

E D E D E D E D E O E C!

=

2

E O E O E D E D E D E O :::

2

E D E D E D E D E D ·E D

=

2

> > E D E D E D E D E D E D E

2

> > > > E D E O E D E D E D E D E

2

> > > > > > > > > E D E D E D E D E D E D :::

2

> > > > > > >>>-::::> E D E D E D E D E D E O :::

2

> > > >- > > >

>-Os Toques Duplos com dinâmicas diferentes (acentuado e não acentuado) constituem uma contribuicà

para o Balanceamento das mãos. Nestes exercícios, o andamento será mais lento, pois a articulação de ~

Duplos en1 intensidades diferentes toma-se mais dificultosa. Aplique o mesmo acompanhamento do co'ltrn--...c.._,,. ....

com o pé dos exercícios anteriores.

O E E D D E E D E E O D E E D O

=

2

I

2

O E E - D D E E D E E D O E E D O

=

(15)

v

v

v

v

~

o o r 11 m m o r 11 O m m o m m o o -1-1-m m o o m ;I t ~@]

v

v

v

v

v

v

~ o o m m o o m m o m m o o m m o o m

v

v

v

v

v

v

v

v

[f]

o o m m o o m m o m , 11 m ~no o m m o o 1 m ~ ~[ill

v

v

v

v

v

v

v

v

o o m m o o m m o m m o I • • 0 m m o o m ~

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

o o m m o o m m o o m m o m m o o , m •• ~ m o o m m o o m

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

~

o o m m o o , 11 m m o o m m o m m

JJ:

, m

--

m o o m m o o , m ~

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

~

o o m m o o , 11m ~ m o o m m o m m o o m m o o m m o o m

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v v

v

~ o o m m o o m m o o m m o m m o o m m o o m m o o m

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

B

o o 'IIm ~ m o o m m o o m m o m m o o m m o o m m o o m ~B

v

v

v

v

o o m m o o m m o m L-1-1m o r • • O m m o o m ~

v

v

v

v

v

v

G

o o m m o o m m o m m o I • • 0 m m o o 1 m ~ ~B

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

v

o o m m o o m m o o m m o '

--

m , •• m o o m m o o m m o o r m ~

v

v

~

G

o o m m o o m m o m m o o m m o o m v

v

[ w

'

j

o o m m ~o o m m o m m o o m m o o m ~

(16)

pontuada_~

2

2)

D,_.~D,...~D E E E

2

2

d 10 D D E E E

2

2

- D D D E E E o

2

- O D D E E E

2

:::> :::> D D D E E E

2

Q D D E E E

2

J D D E E E

2

-...,

-

O D E E E

2

2

·~

-::une:ros andamentos. mantenha o conna-tempo com o p:e em s-21:r:::===1

axtmo. toque-o em mínimas pontuadas, dando um toque para cada d

-D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D > D D D E E E E D D D > > > > D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D > > > > D D D E E E E D D D D D D E E E E D D D > > D D D E E E E D D D > > > :::> > > > o E

-

-

-

-

-

- c

-2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

í)

-E E

-

::: E E

-

~ E E E E E E O E E E D E E E D E E E D > :::> E E E O

I

E E E J > > E E E

-E E

-

-E

-- .... ,..., = ~

-

...., > > >

(17)

-D D D E E E E D D D E E E D

2

2

• • ~ o .... llllll!o~o .. E E E D D D E E E E D D D

2

E E E D

2

• • D D D E E E E D D D E E E D

2

2

• • @]o~o.,...

11111

o E E E

2

~

~

"'-1

,_______, "'-1

~

,________. 1---jf---= D D E E E E D D D D E E E D

2

• • ,

SERIE D - Toques quádruplos

Considere o contra-tempo com o pé em semínimas para os dois primeiros andamentos e en1 mínimas para o

terceiro. D D D E E E E D D D D E E E E E D D D D E E E E D

2

2

• • ~ ~ D D E E E E D D D D E E E E E D D D D E E E E O

2

2

• • ~ D D D D E E E E E D D D D E E E E D

2

2

• • D D D E E E E D D D D E E E E E D D D D E E E E D

2

2

• • D D D E E E E D D D D E E E E E D O O D E E E E D

2

2

• • D D E E E E D D D D E E E E E D D D D E E E E D

2

2

• • D O D D E E E E E D D D D E E E E D

2

2

• •

(18)

-=

E E E D ~

2

9

-I

D D O E E E E D D O O E E E E E D D O D E E E E

2

2

> > > > D D O E E E E O D O O E E E E E O O O O E E E E O

2

> > > > > > > > > > O O O E E E E O O O D E E E E E D O D O E E E E D

2

2

> > > > > ::> > >I O O O O E E E E E O O O D E E E E D

2

2

> > ::>>- > > > > O O O D E E E E O O O D E E E E E O D D O E E E E :

2

2

> > > > ::> > > > > iJ O O O E E E E D O O O E E E E E O D O D E E E E D

2

2

> > > > :: O D O E E E E D O O O E E E E E O O O O E E E E O

2

2

> > >- > > >- > > > > > > O O O E E E E D O O O E E E E E O O O O

2

2

> > ::>> ::> > ::> >- > >

Seqüência de estudo (movimentação do braco_ : repita os exercícios anteriores com a"' figuras ?~Q~-~~~--=­

tmn-1n:: ,...,._Toque na caixa a::; figuras não

(19)

.... ERIE E - Exercícios de oito toques

E.~erc1cios não ambidestros. Os oito toques consecutivos de cada mão não permitem um andamento muito

",..., ... o. Portanto. considere o contra-tempo com o pé em semínimas.

o o o E E E E E E E E • • • • D D o E E E E D D o E E E E • • • • E E E E o o o E E E E • • • • o o D E E E E o o o E E E E • • • • o D D E E E E o D O E E E E • • • • D D D E E E E o o o E E E E • • • • o o o E E E E o o o E E E E • • • • E E E E E E E E o o o o o o o E E E E E E E E •

Seqüência de estudo (movimentação dos braços): repita os exercícios anteriores com as figuras acentuadas da direita tocadas no surdo e as da esquerda, no tom-tom. Toque na caixa as figuras não acentuadas.

Os exercícios do capítulo Baquetamento são, paralelamente a seus

(20)

De s exercícios de mãos podem ser transpostos para os pés. com objeti';.-os e .r ;JU...~~~;:::

idêntico,:,_ ! ... ~- 'ando-se o uso da baqueta, o qual, pela propriedade de quicar, toma a mão mais ... a.~,...._:_.""­

especialmente nos Toques Duplos e nos Multitoques. Assim, selecione os de sua preferência, tocando o bum...

---lugar da mão direita e o contra-tempo com o pé no lugar da esquerda.

Nos exercícios de Dinâmica, convém ressaltar uma dificuldade maior do pé esquerdo no contra-tempo ~'""'::c;; ...

ser um instrumento de boa resposta neste tópico, quando tocado com o pé.

Os três modelos de exercícios aqui apresentados são considerados mn complemento do trabalho anteri _

,

SERIE A - Abordagem individualizante

Este modelo prioriza o desenvolvimento individual dos pés, através do Multitoques. Acompanham·... ~ :::::..-.:..;,.

opcional do prato de condução em semínimas ou colcheias. O bumbo está escrito acima da linha e o contra-te::-..,..- .._

com o pé, abaixo da mesma.

r-:;1 ,...- 3 ----,

L2J

...- 3---.

2

r - - 3 - ,

2

• •

2

• •

SÉRIE B - Conjunto dos pés

No segundo tempo do quarto compasso, as semínímas são convenientes para a inversão dos toques . .-\companhamento do prato de condução em colcheias, resultando em três vias. Bumbo acima da linha e contra

-empo com o pé, abaixo.

2

2

• •

2

2

• •

2

2

• •

2

2

• • • •

21

(21)

,

S:ERIE C - Conjunto dos pés (com inversão)

Os toques são invertidos no segundo tempo. Acompanhamento do prato de condução em colcheias. Bumbo

acima da linha e contra-tempo com o pé, abaixo.

2

2

2

2

• •

2

2

• •

2

2

• •

2

2

• •

(22)

P~~TE

2

Baquetamentos

São combinações de toques derivados dos Toques Fundamentais:

D- Toque simples com a mão direita

E-

Toque simples com a mão esquerda

Toque é o som percussivo produzido por um agente convencional (baqueta, vassourinha e etc. <L ... .__...

onvencional como, por exemplo, as mãos batendo diretamente nos instrumentos da bateria.

Os Baquetamentos são independentes das Divisões Rítmicas, e podem ser escritos em qualquer comb ·

-e figuras.

Origem e função

Os Baquetamentos são a razão de ser da própria bateria e da percussão, pois sem os toques não existe ~ ~

't_ ,·ariadas formas que serão colocadas neste livro para serem praticadas, constituirão um verdadeiro e comp ....

cabulário" capaz de expressar, com movimentos simples e lógicos, toda configuração rítmica que e=.·

mlquer tipo de combinação de instrumentos, viabilizando acentuações em um ou mais toques, em to~

~ mpassos e Figuras Rítmicas.

Note que os Baquetamentos são aplicáveis a todos os tipos de acompanhamento (batidas linea:-es ... Aultâneas) e de Fraseamento, com variações para grandes e pequenas viradas, moviinentos rítmicos e ...,_..__.. escritos ou improvisados.

Toda essa amplitude de uso que os Baquetamentos são capazes de nos legar é proveniente dos desdobram .... "---~

~~ intercombinações dos Baquetamentos Básicos que são os seguintes:

Toques Simples -formados por dois Toques Fundamentais diferentes: DE e ED

Toques Duplos - formados por dois Toques Fundamentais iguais: DD e EE

Toques Triplos - formados por três Toques Fundamentais iguais: DDD e EEE

Toques Quádruplos- formados por quatro Toques Fundamentais iguais: DDDD e EEEE

Os Baquetamentos com mais de dois toques iguais (triplos e quádruplos, por exemplo) são . ... --..'"""~---'-~

~são viáveis os Multitoques com cinco ou mais toques iguais. Todos os Multitoques são Baqu~.__.

Q- Toques Simples tanto poden1 erconsiderados umBaquetamento de dois toques 1 DE e ED como_ ----'-~

~= Toque. Fundam · Toque Fundamental com a direita 1 D ' é também !lm

(23)

Baquetamentos mistos

Os desdobramentos e combinações dos Toques Simples, assim como as combinações dos outros Baquetamentos

Básicos. foiinam todos os outros possíveis. Veja alguns exemplos:

Desdobramentos dos Simples

Combinações dos Simples

Co1nbinações dos Duplos

Combinações dos Triplos

Combinações dos Quádtuplos

DEDE c EDED I 11 I I 1\ I DED e EDE l___/L__j L-..A...J DDEE e EEDD \ 11 I \ 1\ I DDDEEE e,EEEPDI? DDDDEEEEeEEEEDDDD

As combinações dos Baquetamentos de denominações diferentes miginam os Baquetamentos Mistos:

Simples e Duplos Duplos e Simples Simples e Triplos Triplos e Simples Duplos e Triplos Triplos e Duplos DEDD e EDEE I 1\ I \ /1 I DEE e EDD L J \ _ _ / L_!\ I DDED e EEDE I 1\ I \ 1\ I pqE

1

e~ DEEE e EDDD L . A . _ _ J L . A . _ _ J

pEpDD,

e

,ED"EEE, pDJ1E; e,EEEJ), pDI{Eq e,EE~p~ PQEEE, e

,EEpDI}

pn:q,EE; e,EEE"Dq

Os Toques Sünples e os Duplos são os menores Baquetamentos possíveis e suas combinações originam a maioria dos Baquetamentos Mistos usados rotineiramente pelo baterista, incluindo os Paradidles e seus derivados.

Revezamento das mãos

O Revezamento das mãos é um fator determinante para a decomposição dos Baquetamentos. Na formação do Baquctamento Misto,[lEI;g por exemplo, temos a seguinte decomposição:

Toque Simples (D) +duplos (EE)

+

simples (D)

Se o considerássemos como Simples

+

Simples (DE+ED) estaria errado, pois os Toques Sünples só se desdobram e se combinam pelo revezamento das mãos (DEDE, EDED, DED, EDE, etc.).

Arepetição(ourepetições)dealgunsBaquetamentosMistosgeramumanovadecomposição.OBaquctatnento

pE

1

pq

(simples DE+ duplos DD) por exemplo, quando repetido, fica da seguinte maneira:

pEpDD8D:q

(simples DE+ triplos DDD +simples E + duplo DD)

As repetições do Baquetamento,I{EE,g configuram uma combinação dos Duplos: DEEDDEED

(24)

únpar de e e

-~ ... ~ .._,_ ~c;. : BaqJetamentos podem ser pares ou ímpares. Exemplo de um Baquetamento

Eies. escrito em dois compassos diferentes que se alternam através das repetições:

E E D E

O mesmo Baquetamento escrito em 7/4:

D E D E E D E

Paradidles

Neste livro praticaremos os Baquetamentos de cinco, seis, sete, oito, dez, 12 e 16 toques. Dentre as formas

de oito toques, três são citadas no método do baterista Gene Krupa (Copyright 1938 by Robbim Music Corporation)

s.ob o nome de Paradidles. Suas notações aparecem no compasso 2/2, em semínimas, começando com a esquerda,

. orno a segu1r. E D E E D E D D Paradidle 1 > E E D E D D E D Paradidle 2 > E D D E D E E D Paradidle 3 >

O termo Paradidle provém das combinações de toques do Paradidle 1. A primeira parte da palavra (para) indica

simples, e a segunda ( didle), os duplos.

Os Paradidles são, portanto, Baquetamentos Mistos de oito toques, com inversão.

Inversão e forma invertida

A Inversão, quando existente, acontece nos Baquetamentos pares, dividindo-os em dois períodos, implicando

revezamento das mãos. Veja exemplo do Paradidle 1, escrito em semicolcheias:

E D E E D E D D

J

j

j

J J

J

j

J

Primeiro período - ED EE Segundo período - DEDD

A fonna Invertida ocorre no Baquetamento por jnteiro, dando origem a um outro. Todos os Baquetamentos

~a sua respectiva Forma Invertida. Nos exemplos a seguir. a coluna da direita mostra as Formas lnYertidas.

(25)

ED --- DE

DD --- EE

DDEDEE ---

----

---

EEDEDD

DEI)DE---ED~ED

Nos Baquetamentos Invertidos, basta que se troque a ordem dos períodos para que se chegue à sua fo1· •

Invertida:

DDEDEEDE --

----

---

EEDEDDED

Divisões regulares e irregulares

Uma Divisão Rítmica é regular quando existe eqüidistância entre seus toques como nos exemplos a segujr_

As figuras ligadas têtn o mesmo intervalo de tempo.

Exemplos de Divisões Rítmicas irregulares:

• • •

Como já foi visto, os Baquetamentos independem das Divisões Rítmicas. Assim, é possível a inversão de um

Baquetamento articulado numa divisão irregular:

D E D D

• •

Inversão

Justificando os baquetamentos

Os Baquetamentos são condicionados unicamente à escolha do baterista, juntam ente com o contexto musical

no qual ele está atuando. Muitas vezes até determina o próprio contexto.

Pela total plasticidade rítmica de que são capazes, adaptam-se a qualquer situação peculiar dos Fraseamentos,

Solos e Batidas lineares e simultâneas dos pés e das mãos, além de constituírem grandes agentes do desenvolvimento

puratnente técnico. Cabe a você ter a devida dose de imaginação e discernimento para aplicá-los. Para exetnplificar,

observe o seguinte Fraseamento:

(26)

.--LT'-'o.-~ ... _ '!'la cabeça do segundo tempo. isso i!Ilp ,_._. -~- o Baqu ... ~-

!liDa=:.:

~~-para arerut _.,_,. ... -en:o. ficaria como escrito a seguir, evitando ouso dos ToquesDuplosemtare'h..~-=

... er:entes. qnan ... ""' nata je Figuras Rítmicas rápidas como as semicolcheias:

Ressalva-se, entretanto, o uso dos Toques Duplos em instrumentos diferentes, em semicolcheias OU<[. ...

rnra figura, desde que se queira este efeito. A necessidade dos movimentos estreitos e diretos é um critério ,Q25:::l.J:

para o desenvolvimento da velocidade dos toques quando combinados em instrumentos diferentes.

O E O E O

Observe o seguinte exemplo:

Se quiséssemos substituir o último toque do surdo por um de caixa, este Baquetan1ento ficaria m

-~çonfortável e teríamos de mudá-lo para o seguinte:

O E O O E

Dessa maneira, o Fraseamento estaria viabilizado por um Baquetamento direto, evitando o cruzamen:o ...

,... acos que aconteceria se o primeiro Baquetamento fosse mantido. A escolha dos toques do Fraseamento de;_ :;anto, objetivar a simplicidade dos movimentos. Como há inúmeras situações rítmicas, não é dificil se adro:: ... ecessidade da prática dos Baquetamentos, para que se esteja apto a esc o lhe r rápida e automaticamente as ~.LJIRioLJ -'--"-.

,

__ ;;quadas. E importante ressaltar que este critério também deve levar em consideração a questão do andam_,__._.... __ ~

.;.~r que pode mudar totalmente as possibilidades de uso dos Baquetamentos para atender aos Fra

seamen·o-A seamen·o-Ambidestria, por ser uma importante condição ligada ao instrumento, também justifica a práti -a---....

'-iaetamentos. Assim, será parciahnente praticada em todas as formas onde houver a inversão. Exemplo:

Inversão

Os Baquetamentos também são muito utilizados no formato de Batida linear para as mãos. Neste case.

u.-~olher uma combinação que dê à mão esquerda condição de tocar as figuras acentuadas com os T Oqtie- e-....J'~-~

(27)

Baquetamentos mistos de oito toques

Considere os padrões de repetição estabelecidos em "Como Praticar". Toque na caixa com o contra-tempo

, , . com o pe, em sem1n1mas.

D

o==

E

==

==

o

E

o E

0

O

~=E:;::::::::::;

O

=~E

E o

ITJ

O

==

E

==

O

==

E

D o

12]

o

~=

E

:;::::::::::;

E

=~

o

E o

0

O

~=

E

;:::::::::;

E

=~

O

E o

[2iJ

o

==

E

==

E

==

o

o E

@]

O

~=

E

:;:::::::;

O

==

O

E o

~

O

==

E

==

O

==

O

E E

~

E

==

O

==

E

==

O

E E

~ E

~=

O

;::::;

E

==

O

o E

~

E

==

O

==

E

==

O

o E o o E o E o E E o o E E o E o E E o E o E o E o E o E o o o E D o • • • • • • • • • • • • • • • • • •

.

I

.

I

• •

.

I

• • • • •

00

=

E o E E o E o • •

0

O

==

E

==

O

==

E

E o E E • •

ITJ

O

==

E

:;::::::;

D

=~

E

o o E E • •

[I]

o

~=

E

;:::::::::;

E

=~

o

E o o E • •

~

O

==

E

==

E

==

O

E E o E • •

@]

O

==

E

==

O

==

D

E D E o • • •

~

O

~=

E

;:::::::;

D

=~

O

E o E E • •

~

E~=

O

:;:=

E

:;:::~

O

E o o E • E E o o • •

~

E==

O

==

E

==

O

o E E o • •

~

E

~=

O

:;:::::::::::;

O

=~

E

o o E o • • Paradidle 3 ~ E O O E o E E o • • .J

~

E

;::::=

O

=::::;

O

==

E

I

,__---i

I E o o

(28)

--

E o 28 -

=

--

-

E

-

c:: - E ~::;=::::;::::~ • • Paradidle 1 D E

E

D

E

E D o E E o E • •

@]

D==D==E

==

D

D E ---D E D E E D E • • •

§]

D ~:;::::=== D E D E D E --

-D E D E D D E I • o E E D E D E

~ E

~=E:;:::::;

D

=~

E

D E E c • • E D E

ê]

E

~=

E

;::::::;

O

=~

E

E D E o • • D E D D E o

8]

E~:E:;::::::::;D

=~

D

E o E • •

Como acentuar um baquetamento

A. acentuações determinam a dinâmica dos Baquetamentos. Podem ser aplicadas em qualquer fig.;.:a

delas. O critério de suas colocações deve ser orientado pela musicalidade e depende das combina""-_

Quando distribuídas pelos instrumentos da bateria, as

Acentuações constituem um eficiente e interessante meio para se chegar aos Fraseamentos.

:>oO'll'e uma série de modelos de acentuações possíveis usando o Baquetamento DDED EDEE. E,~ .... '~'~--... _...~

:ta:Jme1n1o separadamente, na caixa, em semicolcheias, no compasso 2/4.

final de cada grupo os Baquetamentos são transcritos para o formato de Fraseamen

u~ distribuídos entre os tom-tons e o surdo, e os não acentuados tocados na caixa.

O D E O E D E E

(29)

Acentuando um toque simples

1. DDED EDEE 2. DDED =- EDEE 3. DDED EDEE ==- 4.DDED EDEE

==-D ==-D E ==-D E D E E D D E D E D E E D D E D E D E E D D E D E D E E

5.

Acentuando dois toques simples

6. DDED EDEE ==- 7. DDED ==- EDEE ==-- 8.DDED EDEE =-

=-

::=-9. DDED EDEE =- 10. DDED ==-==- EDEE ll .DDED EDEE

==-==-12.

D D E D E D E E D D E D E D E E D D E D E D E E

13.

Acentuando três toques simples

14. DDED EDEE 15. DDED EDEE 16. DDED EDEE 17.DDED EDEE ==-=-

=-18.

Acentuando quatro toques simples

19. DDED =-==-EDEE

20.

Acentuando um simples

+

um duplo

21. DDED EDÊÊ 22. DDED =- EDEE ==-==- 23. DDED EDEE 24. DDED ==- ==- EDEE

==-==- ==-

(30)

=-=--

-

-

- -

--

-- --

....,.,__.

__

E ::

=

- E '""; E ----

-

-

-

-

-- --

-··-·~ 30.

Acentuando dois simples + um duplo

31. DDED EDEE ::-==- 32. DDED EDEE 33. DDED ::- EDEE ::=- =-==- 34. DDED =- .,_

ED=-=

=-35. DDED EDEE 36. DDED EDEE ==-==- ~==- 37. DDED =- =- EDEE ~===- 38. DDED ::- ::-

=-39. DDED EDEE 40. DDED ::::::- ~ ==- EDEE ==-- 41 . DDED :::- ~ ===- EDEE ==- 42. DDED ~ ===- :=-- : -ED.:.

D D E D E D E E O D E D E D E E D D E D E D E E D D E D E D=:::: 43. 44. 45. Acentuando um duplo ::-

=-46. DDED EDEE 47. DDED EDEE ==-

=--+8 .

. -\centuando dois duplos

(31)

Acentuando um simples + dois duplos =-=-~

51. DDED EDEE =-:=o- 52. DDED =- =-

=- ,...::=-EDEE 53. DD=- =- ED

EDEE

~ ::a- ::::>- ~:>o-54. DDED EDEE D D E D E D E E D D E D E D E E DD E D E D E E DD E D E D E E 55.

Acentuando dois simples + dois duplos

~~==-~

56. DDED EDEE =-==-

57.

DDED

=- ==- ==- ==-

EDEE

~>- 58. DDED

EDEE

==- =-

==-59. DDED

EDEE

=- =-=- 60.

DDED

==- ==- ==-

EDEE

==- >-==- 61. DDED

EDE

E

D D E D E D E E 62. D D E D E D E E D D E D E D E E D D E D E D E E 63.

::;

.. -:JJ. 71_ -:J_ r o

...

...

..

-r

J71.7l•

/. .._

,.

I q

Baquetamentos acentuados de oito toques

Baquetamentos Mistos com acentuações diversas. Exercícios apresentados em três séries.

,

SERIE A -Acentuação dos toques simples

No segundo compasso, o Baquctamento é mantido, mudando as acentuações.

D E D D E D D E • • • • • • • > > E D E E D E E D E D E E D E E D • • • • • • E E D E D E D D • •

(32)

- -

--

,_ - -

-

-

-

-

. - :J =

= ::

8

=

3 .=. - - -

- - - -

- - - -

-

--• • D E E O c O

=

O O E E O E O E O • • • • E D O E O E O O E O O E O O E O • • • - E O D E O E O E E O O E O E O E E O O E E O E O • • • • - ~ E D E O O E O D E O E O O E O • • • • E v E D D E O O E D E D O E O O • • • • E : O E E O E O E E O E E O E O • • > > . ,

SERIE B - Acentuação dos toques duplos

Exercícios em oito compassos com os Toques Duplos da mão direita tocados no surdo e os da esquerda, no

om. As formas DEDE DEDD e EDED EDEE são usadas como ponte nos compassos quarto e oitavo, para

o Baquetamento principal possa ser invertido no quinto compasso e na volta para o começo.

- -

=

D O E E O E E O E D E O E E

2

2

O E D E O E O O E D D E D E O E E D E O E O E E

2

2

,::: D E E O E O O E O E O E O O E O E O O E O E E O E O E O E E

2

E O E O E O E E

2

2

;::

--

~ O E D E O E D E O O E D E E D O E O E O E O E O E E

-

2

(33)

OCO

E E O E O E O

2

O E O E O E O O E O O E D E D E E D E O E D E E

2

0

0

E D E E D E O D E D E D E D O E D E D D E D E

2

E D E D E O E D

2

D E D E D E D D E D E E D D E E E D E D E D E E

2

QD E E D E D E D ~

2

D E D E O E D D E D O E D E D E

2

E D E D E D E E E D E O E D E E E D E D E D E E ,

SERIE C - Combinações de acentos

Exercícios escritos em 16 compassos de 2/4, com Toques Simples e Duplos acentuados em duas, três ou quatro

figuras. As formas DEDE DEDD e EDED EDEE funcionam como ponte nos compassos 4, 8, 12 e 16.

[2]0 E D D E O D E D E D E D E O D E D E E D E E D

2

E D E D E D E E

2

D E D D E D D E D E D E D E D D E D E E D E E O E D E D E D E E

2

2

O E D E O E O O E O O E O E D D E D E D E D E E

2

2

D E D E D E D D E O D E D E O D E D E D E D E E

2

2

0

0

E D E E D E E D E O E D E O O E O E D D E D D

2

., E O E D E D E E

2

(34)

...

=

~

-._

-

--

-,_

-

-=. c O E o

=

=

O E :: :J E D O E E O C. D D E E ~ D E D E O - :J D E D E O :. :: D E E D E E ~ E E O E I D D E D ::. O D E D :: D E D E E - ::. O E E :: E 9

-D E -D E -D E D D E D E E D D E D D E D E D E D D E D E E D D E D

2

D E D E D E D D E E D E D E E D

2

O E D E D E O D E E D E D E E D

2

D E D E O E O O E O E E D E D E

2

2

D E D E O E D O E O D E D D E D

2

O E D E D E D D E D O E O O E D

2

D E D E D E D D E D E D E E D E D E D E D E D O E D E O E E O E D E D E D E D D E E D E O E D D

2

D E D E D E D D E E D E D E D D

2

- --

-

E - 1::- - = -

-

-?

-E D E :

-

-

-

...

-

-

....

-2

• E D E O

2

E D E O

-

-

-

-

-

E

-2

E D E D C. D E :::

2

E D E O c O E E

2

E D E D E D :: E

2

E D E O E D :: E

2

E O E D E D E ::

2

E O E D E D E E

2

E D E D E D E E

2

E D E D E D E E

2

E D E D E D E E

2

-

(35)

--Multitoques

Exercícios apresentados em duas séries, com os Toques Simples e os Duplos combinados cotn os Triplos na

Série A, e com os Quádruplos na Série B. Toque na caixa. ,

SERIE A - com toques triplos

Em alguns exercícios como no número 1, por exemplo, os Toques Triplos só se configuram a partir do segundo

compasso.

~

O~=E;::::::;:E

=~O

o E o o

0

D~=E;::::::;:O =~D

E E o o

• •

• •

0

O==E;:::::::;:E

=~E

o o o E

0

E==D:;:::::O::;:::~E

E o E E

• • • •

0

E · D

========

E E D D E E

0

E~=O;:::::::;:O

=~O

E E D E • • • •

0

E==E;:::::::;:E

=~D

E E o o

0

D==O==E==D

E E E o • • • •

0

O==O;::::::;:E

=~E

D D E o

~

D==O;::=O==E

o o E E

• •

• •

G

o==E==E==o

o E E E

(E]

E~=E:;::::::;:O

=~O

E E o E

• •

• •

@]

E~=O:;::::::;:D

=~E

o o D E

~

E==E=:E;::~O

o D E D

• •

@]

O==O:;:::::::;:E

=~O

o E E o

~

E~=O:;:::::O:;::~E

D D E E

• • •

@]

E==D:;:::::;O

=~O

~

E==E==O=~O

2

o E D D E D D E • • •

@]

D~=D:;::::::::;E

==E

E D E E

~

E==D==O=~E

E E D D

~

E~=E:;:::::::::;D

=~E

E D D D

§) D==E

==E==E

D D E D • • •

êj

D==E===E

==E

D D E E

~

E==E

==O:;:::~D

o E D E

• • • E D D D E E E •

cyp

D

==

D

==

E

= =

!:.

E

I

.

I

l

.

• • •

• •

=

I

I

(36)

-

-

--

-

-

-

-

;:-- ....

-

--•

• •

-§]

D

==

D

==

E

===

E

--

-- -

-

-

-

-. .._

-

- D E E D

-• • •

-:::

[E]

E~=D==E===

E

D D E D D D E D D E • • • • E D D D E E D E D E E D o E • • D E E D E E

~

O==E ==E==:::=

O

E. E E o • • • • ,

ERIE B - com toques quádruplos

Em alguns exercícios como no número 1, por exemplo, os Toques Quádruplos só se configuram a p artir do

;::ndo compasso.

-

E D E E D D D

0

D==E==D ==

E

E E E o • • • E o E D D D E E o D D D E • • • • E D D E D o o

0

D

==

E

==

D

==

D

D D E D • • •

-

E E E E D E D

0

D

==

E

==E ==E

E D D E • • • • E E D E E E E

~

D==

E

==

E

==

E

E D E E • • • • E D D D D E E

@]

D==

E

==

D

==

D

E E E E • • • • D E D D D D E

B

E==o==D==

E

D D D D • • • • D E E E E D

~

E==O==E==E

E E D E • • •

~

E==

D

==E==E

-

--- o E E E E D D D D D D • • • • o D o E E D E ~ D D D E D D E D • • • • • o E D E E E E

§)

D==

O

==E==E

E E D E • • •

§]

E==

E

==

D

==E

-

--

-

-- --

-

....

-

-

E E o D

-

• •

(37)

Imagem

Referências

temas relacionados :