Phpmyadmin Portuguese Brasil

162 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

phpMyAdmin Documentation

phpMyAdmin Documentation

Versão 4.7.0-dev

Versão 4.7.0-dev

The phpMyAdmin devel team

The phpMyAdmin devel team

(2)
(3)

Sumário

1

1 InIntrtrododuçuçãoão 33

1.1 Funções suportadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

1.2 Teclas de atalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

1.3 Uma palavra sobre os usuários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4

2 2 ReReququisisitoitoss 55

2.1 Servidor web . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.2 PHP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.3 Banco de dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2.4 Navegador Web . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

3 3 InInststalalaçaçãoão 77

3.1 Distribuições do Linux . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

3.2 Instalar no Windows . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

3.3 Installing from Git . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

3.4 Instalar usando o Composer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

3.5 Instalar usando Docker . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

3.6 Instalação Rápida . . . 11

3.7 Verificando releases do phpMyAdmin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

3.8 armazém de configurações do phpMyAdmin . . . . . . . . . . . . . . . . 15

3.9 Atualizando uma versão antiga . . . 16

3.10 Usando os modos de autenticação . . . . . . . . . . . . . . . . 16

3.11 Protegendo sua instalação do phpMyAdmin . . . . . . . . . . . . . . . 18

3.12 Problemas conhecidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

4 4 ConConfigufiguraçraçãoão 2121 4.1 Configurações básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

4.2 Configurações de conexão de servidor . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

4.3 Configurações genéricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

4.4 Opções de autenticação por cookie . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

4.5 Painel de navegação de instalação . . . . . . . . . . . . . . . 46

4.6 Painel principal . . . 50

4.7 Estrutura de banco de dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

4.8 Modo de navegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

4.9 Modo de edição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

4.10 Configurações de exportação e importação . . . . . . . . . . . . . . . 53

4.11 Configurações de apresentação de abas . . . . . . . . . . . . . . . . 55

4.12 Opções de PDF . . . 56

(4)

4.13 Linguagens . . . 56

4.14 Configurações de servidor web . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

4.15 Configurações de tema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

4.16 Customização de design . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

4.17 Campos de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

4.18 Configurações de caixa de query SQL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

4.19 Diretórios de importar/salvar/subir do servidor web . . . . . . . . . . . . . . 62

4.20 Configurações de vários monitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

4.21 Títulos de páginas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

4.22 Configurações de gerente de temas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

4.23 Queries padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66

4.24 Configurações MySQL . . . 66

4.25 Desenvolvedor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66

4.26 Examples . . . 67

5 5 UsUser er GuGuididee 7171 5.1 Transformações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

5.2 Favoritos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

5.3 User management . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

5.4 Relações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

5.5 Gráficos . . . 78

5.6 Import and export . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

5.7 Other sources of information . . . 88

6 6 FFAQ AQ - P- Perguerguntas ntas FreFrequentequentess 9191 6.1 Servidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

6.2 Configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

6.3 Limitações conhecidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

6.4 ISPs, instalações multi-usuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

6.5 Navegadores ou SO cliente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 6.6 Usando o phpMyAdmin . . . 110 6.7 Projeto phpMyAdmin . . . 120 6.8 Segurança . . . 121 6.9 Sincronização . . . 122 7 7 InfoInformaçõrmações es aos aos DeseDesenvnvolvedolvedoreoress 123123 8 8 DistribDistribuição uição e eme empacotapacotamento mento do phdo phpMyAdmpMyAdminin 125125 8.1 Bibliotecas externas . . . 125

9 9 DirDireiteitos os autautoraoraisis 127127 9.1 Licenças da terceira parte . . . 127

10 Créditos 10 Créditos 129129 10.1 Créditos, em ordem cronológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

10.2 Tradutores . . . 135

10.3 Tradutores da documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

10.4 Créditos Originais da Versão 2.1.0 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 11 Glossário

11 Glossário 147147

12

(5)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

Conteúdo:

S

(6)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

(7)

CAPÍTULO CAPÍTULO

11

Introdução

Introdução

O phpMyAdmin pode gerenciar um servidor MySQL inteiro (precisa de um super-usuário), bem como um único banco de dados. Para fazer este último, você precisará de um usuário MySQL corretamente configurado que possa ler e escrever somente no banco de dados desejado. Cabe a você pesquisar no manual do MySQL as partes relacionadas.

1.1 Funções suportadas

1.1 Funções suportadas

Atualmente o phpMyAdmin pode:

• navegar através e eliminar bancos de dados, tabelas, views, colunas e índices

• mostrar múltiplos conjuntos de resultados através de procedimentos armazenados ou queries • criar, copiar, eliminar, renomear e alterar bancos de dados, tabelas, colunas e índices

• manutenção de servidores, bancos de dados e tabelas, com propostas para configurações de servidor • executar, editar e marcar qualquer declaração SQL, até mesmo consultas em lote

• carregar arquivos de texto em tabelas • criar 1e ler despejos de tabelas

• exportar 1dados para vários formatos: CSV , XML, PDF , ISO / IEC 26300 - textos e planilhas OpenDocument , Microsoft Word 2000, e formatos LATEX

• importar dados e estruturas MySQL de planilhas OpenDocument , assim como de arquivos XML, CSV e SQL • administrar vários servidores

• gerenciar usuários e privilégios do MySQL • verificar a integridade referencial em tabelas MyISAM

• criar consultas complexas conectando automaticamente as tabelas necessárias, utilizando o Query-by-example (QBE)

• criar gráficos PDF do layout do seu banco de dados

• pesquisar em um banco de dados inteiro ou em apenas em uma parte

• converter dados armazenados em qualquer formato usando um conjunto de funções pré-definidas, como exibir dados armazenados no formato BLOB como imagem ou como link para download

• controlar alterações em bancos de dados, tabelas e visualizações

1O phpMyAdmin pode comprimir despejos em (formatos Zip, GZip ou RFF 1952) e exportações CSV caso você use o PHP com suporte a Zlib

(--with-zlib). O suporte adequado pode precisar também de alterações no php.ini.

(8)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

• suportar tabelas InnoDB e chaves estrangeiras; veja 3.6 (removido).

• suporte a mysqli, a extensão melhorada do MySQL; veja 1.17 Which Database versions does phpMyAdmin support?

• criar, editar, chamar, exportar e apagar processos e funções armazenadas • criar, editar, exportar e apagar eventos e gatilhos

• disponível em 80 linguagens diferentes

1.2 Teclas de atalho

1.2 Teclas de atalho

Atualmente o phpMyAdmin suporta os seguintes atalhos: • k - Abrir consola

• h Ir à página principal • Configurações genéricas

• d + s Seguir para a estrutura da base de dados (Assumindo que você está numa página relacionada a bases de dados)

• d + f - Procurar na base de dados (Assumindo que você está numa página relacionada a bases de dados) • t + s - Ir para a estrutura de tabelas (Apenas estando numa página relacionada a bases de dados) • t + f - Procurar tabela (Apenas estando numa página relacionada a bases de dados)

• backspace - Leva você a uma página anterior.

1.3

1.3 Uma pal

Uma palavra sob

avra sobre os usuário

re os usuárioss

Muitas pessoas têm dificuldade em compreender o conceito de gestão de usuários em relação ao phpMyAdmin. Quando um usuário se conecta ao phpMyAdmin, o nome de usuário e a senha são passados diretamente ao MySQL. O phpMyAdmin não faz gestão de contas por si só (exceto quando é permitida a manipulação das informações da conta de usuário do MySQL); todos os usuários devem ser usuários válidos do MySQL.

(9)

CAPÍTULO CAPÍTULO

22

Requisitos

Requisitos

2.1 Servidor web

2.1 Servidor web

Desde que a interface do phpMyAdmin é baseada inteiramente em seu navegador, você precisará de um servidor web (como o Apache nginx IIS ) para instalar os arquivos do phpMyAdmin nele.

2.2 PHP

2.2 PHP

• Você precisa do PHP 5.5.0 ou mais recente, com suporte à sessões, da extensão (SPL) biblioteca padrão do PHP, do suporte ao JSON, e da extensão mbstring (ver mbstring).

• Para obter suporte a upload de arquivos ZIP, você precisa da extensão zip do PHP.

• Você precisa de suporte GD2 no PHP para exibir miniaturas inline de JPEGs (“image/jpeg: inline”) com sua proporção srcinal.

• Ao usar a autenticação por cookies (o padrão), a extensão openssl é altamente recomendada. • Para suporte a barras de progresso de upload, veja 2.9 Vendo uma barra de progresso de upload .

• Para usar a importação de arquivos XML e planilhas Open Document, você precisará da extensão libxml <https://secure.php.net/libxml>.

• Para suportar reCAPTCHA na página de login, você precisará da extensão openssl <https://secure.php.net/openssl>.

• Para suportar visualização da versão mais recente do phpMyAdmin você precisará habilitarallow_url_open no arquivo :file: php.ini ou ter a extensão curl <https://secure.php.net/curl>.

• Sugestão de performance: instale a extensão ctype. Veja também:

Veja também:

1.31 O phpMyAdmin suporta o PHP 5?, Usando os modos de autenticação

2.3 Banco de dados

2.3 Banco de dados

O phpMyAdmin suporta bancos de dados compatíveis com o MySQL. • MySQL 5.5 ou mais recente

• MariaDB 5.5 ou mais recente

(10)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

Veja também: Veja também:

1.17 Which Database versions does phpMyAdmin support?

2.4 Navegador Web

2.4 Navegador Web

Para acessar o phpMyAdmin, você precisa de um navegador web com cookies e JavaScript habilitado.

Você precisa de um navegador mais atual, que suporte jQuery 2.0. Veja quais são suportados em <https://jquery.com/browser-support/ >.

(11)

CAPÍTULO CAPÍTULO

33

Instalação

Instalação

O phpMyAdmin não aplica quaisquer métodos de segurança especiais ao servidor de banco de dados MySQL. Ele ainda depende do administrador do sistema para conceder as permissões adequadas nos bancos de dados MySQL. A página Users do phpMyAdmin pode ser utilizada para isso.

Aviso:

Aviso: Usuários Mac devem saber que se você está em uma versão anterior ao Mac OS X , o Stuffit salva os forma-tos Mac vazios. Então você terá que salvar novamente no estilo BBEdit para Unix TODOS os scripts phpMyAdmin antes de enviá-los ao seu servidor, já que o PHP parece não funcionar com o caractere de término de linhas (“\r”) do Mac.

3.1 Distribuições do Linux

3.1 Distribuições do Linux

O phpMyAdmin é incluído na maioria das distribuições Linux. É recomendado usar os pacotes da distribuição quando possível - eles normalmente fornecem integração com a sua distribuição e você irá receber automaticamente atualiza-ções de segurança de sua distribuição.

3.1.1 Debian

3.1.1 Debian

Debian’s package repositories include a phpMyAdmin package, but be aware that the configuration file is maintained in /etc/phpmyadmin and may differ in some ways from the official phpMyAdmin documentation. Specifically it does:

• Configuração do servidor web (funciona com servidores Apache e lighttpd). • Creating of armazém de configurações do phpMyAdmin using dbconfig-common. • Securing setup script, see Setup script on Debian, Ubuntu and derivatives. Veja também:

Veja também:

More information can be found in README.Debian (it is installed as /usr/share/doc/phmyadmin/README.Debian with the package).

3.1.2 OpenSUSE

3.1.2 OpenSUSE

O OpenSUSE já vem com um pacote do phpMyAdmin, apenas instale os pacotes do openSUSE Build Service.

(12)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

3.1.3 Ubuntu

3.1.3 Ubuntu

Ubuntu ships phpMyAdmin package, however if you want to use recent version, you can use packages from phpMyAd-min PPA.

Veja também: Veja também:

The packages are same as in Debian please check the documentation there for more details.

3.1.4 Gentoo

3.1.4 Gentoo

O Gentoo traz o pacote do phpMyAdmin, tanto em uma configuração de fábrica quanto um com configuração webapp-config. Use emerge dev-db/phpmyadmin para instalar.

3.1.5 Mandriva

3.1.5 Mandriva

O Mandriva traz o pacote do phpMyAdmin na sua branch contrib e pode ser instalado via o Centro de Controle de sempre.

3.1.6 Fedora

3.1.6 Fedora

O Fedora traz o pacote do phpMyAdmin, mas saiba que o arquivo de configuração é guardado em /etc/phpmyadmin/ e pode ter algumas diferenças da documentação oficial do phpMyAdmin.

3.1.7

3.1.7 Red Hat Lin

Red Hat Linux Empres

ux Empresarial

arial

Red Hat Enterprise Linux itself and thus derivatives like CentOS don’t ship phpMyAdmin, but the Fedora-driven repo-sitory Extra Packages for Enterprise Linux (EPEL) is doing so, if it’s enabled. But be aware that the configuration file is maintained in /etc/phpMyAdmin/and may differ in some ways from the official phpMyAdmin documentation.

3.2

3.2 Insta

Instalar no Wi

lar no Windo

ndows

ws

The easiest way to get phpMyAdmin on Windows is using third party products which include phpMyAdmin together with a database and web server such as XAMPP.

Você pode ler mais sobre essas opções na Wikipédia.

3.3 Installing from Git

3.3 Installing from Git

You can clone current phpMyAdmin source from https://github.com/phpmyadmin/phpmyadmin.git: git clone https://github.com/phpmyadmin/phpmyadmin.git

Additionally you need to install dependencies using Composer: composer update

(13)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

composer update --no-dev

3.4 Instalar usando o Composer

3.4 Instalar usando o Composer

Você pode instalar o phpMyAdmin usando Composer, contudo, não está atualmente disponível no repositório padrão

Packagist devido a suas limitações técnicas.

A instalação é possível, adicionando nosso repositório <https://www.phpmyadmin.net/packages.json>:

composer create-project phpmyadmin/phpmyadmin --repository-url=https://www.phpmyadmin.net/packages.j

3.5 Instalar usando Docker

3.5 Instalar usando Docker

phpMyAdmin comes with a Docker image, which you can easily deploy. You can download it using: docker pull phpmyadmin/phpmyadmin

The phpMyAdmin server will be executed on port 80. It supports several ways of configuring the link to the database server, which you can manage using environment variables:

PMA_ARBITRARY PMA_ARBITRARY

Allows you to enter database server hostname on login form. Veja também:

Veja também:

$cfg[’AllowArbitraryServer’] PMA_HOST

PMA_HOST

Host name or IP address of the database server to use. Veja também:

Veja também:

$cfg[’Servers’][$i][’host’] PMA_HOSTS

PMA_HOSTS

Nomes de host ou endereços IP dos servidores de banco de dados que serão utilizados, separados por vírgulas. Nota:

Nota: Used only if PMA_HOST is empty. PMA_VERBOSE

PMA_VERBOSE

Verbose name the database server. Veja também:

Veja também:

$cfg[’Servers’][$i][’verbose’] PMA_VERBOSES

PMA_VERBOSES

Comma separated verbose name the database servers. Nota:

Nota: Used only if PMA_VERBOSE is empty. PMA_USER

PMA_USER

Nome do usuário a ser utilizado para Modo de autenticação por configuração.

(14)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

PMA_PASSWORD PMA_PASSWORD

Senha a ser utilizada para Modo de autenticação por configuração. PMA_PORT

PMA_PORT

Porta do servidor de banco de dados a ser utilizado. PMA_ABSOLUTE_URI

PMA_ABSOLUTE_URI

O endereço qualificado (https://pma.example.net/) onde o proxy reverso torna o phpMyAdmin dis-ponível.

Veja também: Veja também:

$cfg[’PmaAbsoluteUri’]

By default, Modo de autenticação por cookies is used, but if PMA_USER and PMA_PASSWORD are set, it is switched to Modo de autenticação por configuração.

Nota:

Nota: The credentials you need to login are stored in the MySQL server, in case of Docker image there are various ways to set it (for exampleMYSQL_ROOT_PASSWORDwhen starting MySQL container). Please check documentation for MariaDB container or MySQL container.

Additionally configuration can be tweaked by /www/config.user.inc.php. If th is fil e ex ists, it will be loaded after configuration generated from above environment variables, so you can override any configuration variable. This configuraiton can be added as a volume when invoking docker using -v /some/local/directory/config.user.inc.php:/www/config.user.inc.php parameters.

Veja também: Veja também:

Veja Configuração para uma descrição detalhada das opções de configuração.

3.5.1 Docker Volumes

3.5.1 Docker Volumes

You can use following volumes to customise image behavior: /www/config.user.inc.php

Can be used for additional settings, see previous chapter for more details. /sessions/

Directory where PHP sessions are stored. You might want to share this for example when uswing Modo de autenticação tradicional.

3.5.2 Docker Examples

3.5.2 Docker Examples

To connect phpMyAdmin to given server use:

docker run --nam e myadmin -d -e PMA_HOST=dbhost -p 8080:80 phpmyadmin/phpmyadmin Para conectar o phpMyAdmin para uso de mais servidores:

docker run --nam e myadmin -d -e PMA_HOSTS=dbhost1,dbhost2,dbhost3 -p 8080:80 phpmyadmin/phpmyadmin

Para usar opção arbitrária do servidor:

docker run --name myadmin -d --link mysql_db_server:db -p 8080:80 -e PMA_ARBITRARY=1 phpmyadmin/phpm You can also link the database container using Docker:

(15)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

docker run --name phpmyadmin -d --link mysql_db_server:db -p 8080:80 phpmyadmin/phpmyadmin Rodando com configurações adicionais:

docker run --name phpmyadmin -d --link mysql_db_server:db -p 8080:80 -v /some/local/directory/config

3.5.3 Usando docker-compose

3.5.3 Usando docker-compose

Alternatively you can also use docker-compose with the docker-compose.yml from <https://github.com/phpmyadmin/docker>. This will run phpM yAdmin with arbitrary server - allowing you to specify MySQL/MariaDB server on login page.

docker-compose up -d

3.6 Instalação Rápida

3.6 Instalação Rápida

1. Escolha um kit de distribuição adequado na página de Downloads do phpmyad min.net. Alguns kits contêm somente as mensagens em Inglês, outros contêm todos os idiomas no formato UTF-8 (este é o recomendado na maioria das situações), outros contêm todos os idiomas e todos os conjuntos de caracteres. Vamos supor que você escolheu um kit cujo nome se parece com phpMyAdmin-x.x.x-all-languages.tar.gz. 2. Certifique-se de que você baixou um arquivo autêntico, veja Verificando releases do phpMyAdmin. 3. Descompacte a distribuição (não se esqueça de descompactar os subdiretórios): tar -xzvf

phpMyAdmin_x.x.x-all-languages.tar.gz no documento raiz de seu servid or. Se você não tem acesso direto ao documento raiz, coloque os arquivos em um diretório em sua máquina local e, após a etapa 4, transfira o diretório para seu servidor web utilizando, por exemplo, o protocolo ftp.

4. Certifique-se que todos os scripts possuam o dono apropriado (caso o PHP seja executado em modo de segurança com alguns scripts tendo o proprietário diferente de outros scripts, poderá haver um problema). Veja a 4.2 Qual o meio preferido de tornar o phpMyAdmin seguro contra acessos maliciosos? e a 1.26 Eu acabei de instalar o phpMyADmin no documento raiz do IIS mas eu recebo o erro “Nenhum arquivo de entrada especificado” quando tento rodar o phpMyAdmin. para sugestões.

5. Agora você deve configurar sua instalação. Existem dois métodos que podem ser utilizados. Tradicionalmente, os usuários têm que modificar uma cópia do arquivoconfig.inc.phpmanualmente, mas agora um script de instalação no estilo assistente é fornecido para aqueles que preferem uma instalação gráfica. Criar um arquivo config.inc.php continua sendo a maneira mais rápida para iniciar e é necessária para certas funcionalida-des avançadas.

3.6.1 Criando o arquivo manualmente

3.6.1 Criando o arquivo manualmente

Para criar manualmente o arquivo, basta usar o seu edito r de texto para criar o arquivo config.inc.php (você pode copiar o config.sample.inc.php para obter um arquivo com configurações mínimas) no diretório principal do phpMyAdmin (o que contém o index.php). O phpMyAdmin carrega primeiro o libraries/config.default.php e então, substitui estes valores com o que for encontrado em config.inc.php. Se o valor padrão de uma determinada configuração estiver ok, então não haverá necessi-dade de incluí-lo no config.inc.php. Você provavelmente precisa só de algumas diretivas para começar; uma configuração simples pode se parecer assim:

<?php

// use here a value of your choice at least 32 chars long $cfg['blowfish_secret'] = '1{dd0`<Q),5XP_:R9UK%%8\"EEcyH#{o';

(16)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

$i=0; $i++;

$cfg['Servers'][$i]['auth_type'] = 'cookie'; // if you insist on "root" having no password:

// $cfg['Servers'][$i]['AllowNoPasswordRoot'] = true; `

?>

Ou, se você prefere não receber toda vez uma solicitação de acesso: <?php

$i=0; $i++;

$cfg['Servers'][$i]['user'] = 'root';

$cfg['Servers'][$i]['password'] = 'cbb74bc'; // use here your password $cfg['Servers'][$i]['auth_type'] = 'config';

?>

Aviso:

Aviso: Storing passwords in the configuration is insecure as anybody can then manipulate with your database. Para uma explicação completa sobre todos os valores de configuração possíveis, consulte a seção Configuração neste documento.

3.6.2

3.6.2 Usand

Usando o script de insta

o o script de instalação

lação

Em vez de editar manualmente o arquivo config.inc.php, você pode usar a ferramenta de configuração do phpMyAdmin. Primeiro você deve criar manualmente uma pasta chamada config no diretório do phpMyAdmin. Esta é uma medida de segurança. Em um sistema Linux/Unix, você pode usar os seguintes comandos:

cd phpMyAdmin

mkdir config # create directory for saving

chmod o+rw config # give it world writable permissions

Nota:

Nota: Following documentation covers default behavior of phpMyAdmin. Some distributions have changed this, please check following sections for information on this topic.

E para editar uma configuração existente, copie o arquivo primeiro:

cp config.inc.php config/ # copy current configuration for editing chmod o+w config/config.inc.php # give it world writable permissions

Em outras plataformas, basta criar a pasta e verificar se o seu servidor tem direitos de leitura e escrita sobre ele. A 1.26 Eu acabei de instalar o phpMyADmin no documento raiz do IIS mas eu recebo o erro “Nenhum arquivo de entrada

especificado” quando tento rodar o phpMyAdmin. pode te ajudar com isso.

Em seguida, abra seu navegado e visite o diretório onde você instalou o phpMyAdmin, com o sufixo /setup. Se você tiver uma configuração existente, use o botãoCarregarpara trazer seu conteúdo para o painel de configuração. Observe que as alterações não serão salvas no disco até que se escolha ‘‘Salvar‘‘ as alterações não serão salvas no disco até que se escolha ‘‘Salvar‘‘ na área Configuração da tela. Normalmente, o script salva o novo arquivo config.inc.php no diretório config/, mas se o servidor não tiver as permissões apropriadas, você poderá ver o erro “Não foi possível carregar ou salvar a configuração.” Certifique-se que o diretório config/ existe e que ele tem as permissões apropriadas - ou utilize o link Download para salvar o arquivo de configuração localmente e enviá-lo (via FTP ou outros meios semelhantes) para o local correto. Após o arquivo ser salvo, ele deve ser movido para fora do diretórioconfig/e as permissões devem ser restauradas, novamente como uma medida de segurança:

(17)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

mv config/config.inc.php . # move file to current directory

chmod o-rw config.inc.php # remove world read and write permissions

rm -rf config # remove not needed directory

Agora, o arquivo está pronto para o uso. Você pode escolher revisar ou editar o arquivo com seu editor favorito, caso você prefira definir algumas opções avançadas que o script de instalação não fornece.

1. Se você estiver usando a “configuração”auth_type, recomendamos que você proteja o diretório de instalação do phpMyAdmin, pois esta configuração não exige que o usuário digite uma senha para acessar a instalação do phpMyAdmin. É recomendado utilizar um método de autenticação alternativo, por exemplo com HTTP-AUTH em um arquivo .htaccess ou mudar a auth_type para cookie ou http. Veja a ISPs, instalações multi-usuário para informações adicionais, especialmente a 4.4 O phpMyAdmin sempre dá um “Acesso negado” quando uso a autenticação por HTTP..

2. Open the main phpMyAdmin directory in your browser. phpMyAdmin should now display a welcome screen and your databases, or a login dialog if using HTTP or cookie authentication mode.

Setup script on Debian, Ubuntu and derivatives Setup script on Debian, Ubuntu and derivatives

Debian and Ubuntu have changed way how setup is enabled and disabled, in a way that single command has to be executed for either of these.

To allow editing configuration invoke: /usr/sbin/pma-configure To block editing configuration invoke: /usr/sbin/pma-secure

Setup script on openSUSE Setup script on openSUSE

Some openSUSE releases do not include setup script in the package. In case you want to generate configuration on these you can either download srcinal package from <https://www.phpmyadmin.net/ > or use setup script on our demo server: <https://demo.phpmyadmin.net/STABLE/setup/ >.

3.7 Verificando releases do phpMyAdmin

3.7 Verificando releases do phpMyAdmin

Since July 2015 all phpMyAdmin releases are cryptographically signed by the releasing developer, who through January 2016 was Marc Delisle. His key id is 0xFEFC65D181AF644A, his PGP fingerprint is:

436F F188 4B1A 0C3F DCBF 0D79 FEFC 65D1 81AF 644A

and you can get more identification information from <https://keybase.io/lem9>.

Beginning in January 2016, the release manager is Isaac Bennetch. His key id is 0xCE752F178259BD92, and his PGP fingerprint is:

3D06 A59E CE73 0EB7 1B51 1C17 CE75 2F17 8259 BD92

and you can get more identification information from <https://keybase.io/ibennetch>.

Some additional downloads (for example themes) might be signed by Michal ˇCihaˇr. His k ey i d i s 0x9C27B31342B7511D, and his PGP fingerprint is:

(18)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

63CB 1DF1 EF12 CF2A C0EE 5A32 9C27 B313 42B7 511D

and you can get more identification information from <https://keybase.io/nijel>.

You should verify that the signature matches the archive you have downloaded. This way you can be sure that you are using the same code that was release d. You should also veri fy the date of the signature to make sure that you downloaded the latest version.

Cada arquivo é acompanhado por um arquivo de extensão .asc que contém a assinatura PGP do arquivo. Uma vez que ambos os arquivos estejam no mesmo diretório, você será capaz de validar assinatura:

$

$ gpg --verify phpMyAdmin-4.5.4.1-all-languages.zip.asc

gpg: Signature made Fri 29 Jan 2016 08:59:37 AM EST using RSA key ID 8259BD92 gpg: Can't check signature: public key not found

Como você pode ver, o gpg adverte sobre o fato de desconhecer a chave pública. Neste ponto você deve seguir um dos seguintes passos:

• Baixar o chaveiro do nosso servidor de download e depois importa-lo: $

$ gpg --import phpmyadmin.keyring • Baixar e importa a chave de um dos servidores: $

$ gpg --keyserver hkp://pgp.mit.edu --recv-keys 3D06A59ECE730EB71B511C17CE752F178259BD92 gpg: requesting key 8259BD92 from hkp server pgp.mit.edu

gpg: key 8259BD92: public key "Isaac Bennetch <bennetch@gmail.com>" imported gpg: no ultimately trusted keys found

gpg: Total number processed: 1 gpg: imported: 1 (RSA: 1)

Isso vai melhorar um pouco a situação - neste ponto você pode verificar que a assinatura da chave fornecida é válida mas ainda não pode confiar no nome usado na chave:

$

$ gpg --verify phpMyAdmin-4.5.4.1-all-languages.zip.asc

gpg: Signature made Fri 29 Jan 2016 08:59:37 AM EST using RSA key ID 8259BD92 gpg: Good signature from "Isaac Bennetch <bennetch@gmail.com>"

gpg: aka "Isaac Bennetch <isaac@bennetch.org>" gpg: WARNING: This key is not certified with a trusted signature!

gpg: There is no indication that the signature belongs to the owner. Primary key fingerprint: 3D06 A59E CE73 0EB7 1B51 1C17 CE75 2F17 8259 BD92

O problema é que qualquer um pode criar uma chave com este nome. Você precisa garantir que a chave é de fato da pessoa em questão. O GNU Privacy Handbook cobre este tópico no capitulo Validating other keys on your public keyring. O método mais confiável é encontrar o desenvolvedor pessoalmente e trocar as chaves, contudo você pode também se basear numa rede de confiança. Desta forma você pode confiar numa chave indiretamente através da assinatura digital de outros, que encontraram o desenvolvedor pessoalmente. Por exemplo, veja como a chave de Isaac está conectada à chave de Linus.

Uma vez que a chave seja considerada confiável, os avisos não serão mais exibidos: $

$ gpg --verify phpMyAdmin-4.5.4.1-all-languages.zip.asc

gpg: Signature made Fri 29 Jan 2016 08:59:37 AM EST using RSA key ID 8259BD92 gpg: Good signature from "Isaac Bennetch <bennetch@gmail.com>" [full]

Se a assinatura for inválida (o arquivo foi alterado), você receberá um erro claro independente do fato de chave estar marcada como confiável ou não:

$

$ gpg --verify phpMyAdmin-4.5.4.1-all-languages.zip.asc

gpg: Signature made Fri 29 Jan 2016 08:59:37 AM EST using RSA key ID 8259BD92 gpg: BAD signature from "Isaac Bennetch <bennetch@gmail.com>" [unknown]

(19)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

3.8 armazém de configurações do phpMyAdmin

3.8 armazém de configurações do phpMyAdmin

Alterado na versão 3.4.0: Prior to phpMyAdmin 3.4.0 this was called Linked Tables Infrastructure, but the name was changed due to extended scope of the storage.

For a whole set of additional features ( Favoritos, comments, SQL-history, tracking mechanism, PDF -generation, Transformações, Relações etc.) you need to create a set of special tabl es. Those tables can be located in your own database, or in a central database for a multi-user installation (this database would then be accessed by the controluser, so no other user should have rights to it).

3.8.1 Configuração Zero

3.8.1 Configuração Zero

Em muitos casos, esta estrutura de banco de dados pode ser automaticamente criada e configurada. Isso é chamado de modo “Configuração Zero” e pode ser particularmente útil em situações de hospedagem compartilhada. O modo “Zeroconf” está no padrão, para desabilitar a configuração $cfg[‘ZeroConf]‘ para falso.

Os três cenários a seguir estão cobertos pelo modo de Configuração Zero:

• Quando entrar no banco de dados onde as tabelas de armazenamento de configura ção não estão presentes, o phpMyAdmin fornece a criação delas pela tab Operações.

• Quando entrar num banco de dados onde as tabelas já existem, o programa automaticamente detecta isso e começa a usá-las. Esta é a situação mais comum: depois que as tabelas são inicialmente criadas automaticamente elas são continuamente usadas sem perturbar o usuário: isso é muito útil também em hospedagem compartilhada onde o usuário não está habilitado para editar config.inc.php e usualmente o usuário tem acesso somente para um banco de dados.

• Quando tiver acesso a múltiplos bancos de dados, se o usuário primeiro entra num banco de dados contendo as tabelas de armazenamento de configuração então muda para outro banco de dados, o phpMyAdmin continua a usar as tabelas do primeiro banco de dados; o usuário não é sugerido a criar mais tabelas em um novo banco de dados.

3.8.2

3.8.2 Manua

Manual de configur

l de configuração

ação

Por favor, olhe em seu diretório./sql/, onde você encontraria um arquivo chamado create_tables.sql. (Se você está usando um servidor Windows, preste especial atenção a 1.23 Eu estou rodando o MySQL em uma máquina Win32. Cada vez que eu crio uma nova tabela, a tabela e os nomes das colunas são mudados para letras minúsculas!). Se você já tinha esta infraestrutura e:

• atualizou para o MySQL 4.1.2 ou mais recente, favor utilize o arquivo sql/upgrade_tables_mysql_4_1_2+.sql.

• atualizou para o phpMyAdmin 4.3.0 ou mais recente a partir do 2.5.0 ou mais recente (<= 4.2.x), favor utilize o arquivo sql/upgrade_column_info_4_3_0+.sql.

e então crie novas tabelas importando o arquivo sql/create_tables.sql.

Você pode usar seu phpMyAdmin para criar as tabelas para você. Lembre-se que você pode precisar de privilégios especiais (administrador) para criar o banco de dados e as tabelas, e que o script pode precisar de alguns ajustes, dependendo do nome do banco de dados.

Depois de importar o arquivo sql/create_tables.sql, você deverá especificar os nomes de tabela em seu arquivo config.inc.php. As diretivas utilizadas para isso podem ser encontradas na seção Configuração. Você deverá também ter um usuário de controle (configurado em $cfg[’Servers’][$i][’controluser’] e/ou $cfg[’Servers’][$i][’controlpass’]) com os direitos adequados para estas tabelas. Por exemplo, você pode criá-la usando a instrução a seguir:

(20)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

GRANT

GRANT SELECSELECTT, INSERT INSERT, UPDATE UPDATE, DEL DELETE ETE ONON <pma_db>.* TOTO 'pma'@'localhost' IDENTIFIED BYBY 'pmapass';

3.9 Atualizando uma versão antiga

3.9 Atualizando uma versão antiga

A

Aviso: viso: NevNeverer extract the new version over an existing installation of phpMyAdmin, always first remove the old files keeping just the configuration.

This way you will not leave old no longer working code in the directory, which can have severe security implicati-ons or can cause various breakages.

Basta copiar o arquivo config.inc.php de sua instalação anterior para a instalação recém descompac-tada. Os arquivos de configuração de versões anti gas podem requerer alguns ajustes, já que algumas op-ções foram alteradas ou removidas. Para a compatibilidade com o PHP 5.3 e anterior, remova a declaração set_magic_quotes_runtime(0); que está próxima ao final de seu arquivo de configuração.

Você não não deve copiar o arquivo libraries/config.default.php sobre o config.inc.php porque o ar-quivo de configuração padrão é específico desta versão.

Um upgrade completo pode ser realizado em poucos passos:

1. Download the latest phpMyAdmin version from <https://www.phpmyadmin.net/downloads/ >. 2. Rename existing phpMyAdmin folder (for example to phpmyadmin-old).

3. Unpack freshly donwloaded phpMyAdmin to desired location (for example phpmyadmin). 4. Copy config.inc.php‘ from old location (phpmyadmin-old) to new one (phpmyadmin). 5. Test that everything works properly.

6. Remover backup de versões passadas (phpmyadmin-old).

Se você tiver atualizado o seu servidor MySQL a partir de uma versão anterior a 4.1.2 para a versão 5.x ou mais recente e se você usa a configuração de armazenamento do phpMyAdmin, você deve executar o script SQL encontrado no arquivo upgrade_tables_mysql_4_1_2+.sql.

Se você atualizou o phpMyAdmin para a versão 4.3.0 ou mais recente a partir da 2.5.0 ou mais recente (<= 4.2.x) e usa o armazenamento de configuração do phpMyAdmin, você deve executar o script SQL encontrado em sql/upgrade_column_info_4_3_0+.sql.

Do not forget to clear the browser cache and to empty the old session by logging out and logging in again.

3.10

3.10 Usan

Usando os modos de aute

do os modos de autentica

nticação

ção

Os modos de autenticação por HTTP e cookies são recomendados num ambiente multi-usuário ambiente multi-usuário onde você deseja dar aos usuários acesso ao seus próprios banco de dados e não quer eles mexendo com os demais. Independentemente, saiba que o Internet Explorer parece apresentar muitos bugs quando a cookies, pelo menos até a versão 6. Mesmo em um ambiente de usuário único ambiente de usuário único, prefira usar o modo HTTP ou de cookies para que o seu usuário/senha não estejam expostos no arquivo de configuração.

Os modos de autenticação HTTP e cookie são mais seguros: a informação de login do MySQL não precisa estar definida no arquivo de configuração do phpMyAdmin (exceto, possivelmente, para a $cfg[’Servers’][$i][’controluser’]). Embora, saiba que a senha é transferida em texto explícito, a menos que você esteja usando o protocolo HTTPS. Em modo cookie, a senha é armazenada, encriptada com o algo-ritmo AES blowfish, em um cookie temporário.

(21)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

Então, cada um dos usuários reais& devem receber um conjunto de privi´ légios em um conjunto específico de banco de dados. Normalmente você não deveria dar privilégios globais a um usuário comum, a menos que você entenda o impacto/riscos destes privilégio s (é o mesmo que criar um super usuário). Por exemplo, para conceder ao usuário *real_user todos os privi´legios no banco de dados user_base:

GRA

GRANT NT ALLALL PRIVILEGES ONON user_base.* TOTO 'real_user'@localhost IDENTIFIED BYBY 'real_password'; O que o usuário pode fazer agora é completamente controlado pelo sistema de gerenciamento de usuários do MySQL. Com o modo de autenticação por HTTP ou cookies, você não precisa preencher os campos user/password dentro da configuração $cfg[’Servers’].

Veja também: Veja também:

1.32 Eu posso usar autenticação HTTP com o IIS?, 1.35 Eu posso usar autenticação HTTP com o Apache CGI?, 4.1 Eu sou um ISP. Eu posso instalar uma cópia central do phpMyAdmin ou eu preciso instalar ela para cada cliente?, 4.2 Qual o meio preferido de tornar o phpMyAdmin seguro contra acessos maliciosos?, 4.3 Eu recebo erros quanto a não ser capaz de incluir um arquivo em /lang ou /libraries.

3.10.

3.10.1

1 Modo de auten

Modo de autenticaç

ticação HTTP

ão HTTP

• Utiliza o HTTP como método básico de autenticação e permite você entrar como qualquer usuário válido do MySQL.

• É suportado pela maioria das configurações PHP. Para suporte a IIS ( ISAPI ) usando CGI PHP veja 1.32 Eu posso usar autenticação HTTP com o IIS?, para uso com Apache CGI veja 1.35 Eu posso usar autenticação HTTP com o Apache CGI?.

• When PHP is running under Apache’s mod_proxy_fcgi (e.g. with PHP-FPM), Authorization headers are not passed to the underlying FCGI application, such that your credentials will not reach the application. In this case, you can add the following configuration directive:

SetEnvIf Authorization "(.*)" HTTP_AUTHORIZATION=$1

• Veja também a 4.4 O phpMyAdmin sempre dá um “Acesso negado” quando uso a autenticação por HTTP. sobre não usar o mecanismo .htaccess junto com o modo de autenticação ‘ HTTP‘.

Nota:

Nota: There is no way to do proper logout in HTTP authentication, most browsers will remember credentials until there is no different successful authentication. Because of this this method has limitation that you can not login with same user after logout.

3.10.

3.10.2

2 Modo de autenti

Modo de autenticação por cook

cação por cookies

ies

• Nome de usuário e senha são armazenados em cookies durante a sessão e senha é eliminada quando termina. • With this mode, the user can truly log out of phpMyAdmin and log back in with the same username (this is not

possible with Modo de autenticação HTTP).

• Caso queira permitir aos uuários usar qualquer hostname para conectar (em vez de somente o que está no configurado no config.inc.php), veja $cfg[’AllowArbitraryServer’].

• As mentioned in the Requisitos section, having the openssl extension will speed up access considerably, but is not required.

(22)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

3.10.3 Modo de autenticação tradicional

3.10.3 Modo de autenticação tradicional

• Este modo é uma forma conveniente de usar as credenciais de outro aplicativo para autenticar phpMyAdmin para implementar uma solução de signon simples.

• A outra aplicação tem para armazenar informações de login para os dados da sessão (ver: config:option:

$cfg[’Servers’][$i][’SignonSession’]) ou você precisa implementar um script para retornar as credenciais (veja: config:option: $cfg[’Servers’][$i][’SignonScript’]).

• Quando as credenciais não estiverem disponíveis, o usuário SERÁ redirecionado para: con-fig:option:$cfg[’Servers’][$i][’SignonURL’], onde você lidará com o processo de login.

O exemplo básico de como salvar credenciais em uma sessão está disponível como: file:’examples/signon.php‘: Como alternativa, você também pode usar esta forma para integrar com OpenID como mostrado em :file:’examples/openid.php‘:

Se você pretende passar as credenciais usando algum outro método, deve implementar um envoltório em PHP para pegar os dados e inserí-los em $cfg[’Servers’][$i][’SignonScript’]. Há um exemplo bem básico em examples/signon-script.php:

Veja também: Veja também:

$cfg[’Servers’][$i][’auth_type’], $cfg[’Servers’][$i][’SignonSession’], $cfg[’Servers’][$i][’SignonScript’], $cfg[’Servers’][$i][’SignonURL’], Example for signon authentication

3.10.4 Modo de autenticação por configuração

3.10.4 Modo de autenticação por configuração

• Este modo é às vezes o menos seguro porque obriga você a preencher os campos $cfg[’Servers’][$i][’user’] e $cfg[’Servers’][$i][’password’] (e como resul-tado, qualquer um pode ler o seu arquivo config.inc.php e pode descobrir seu nome de usuário e senha).

• Na seção ISPs, instalações multi-usuário, existe um trecho explicando como proteger o seu arquivo de configu-ração.

• Para segurança adicional neste modo, você poderia considerar a autenticação pelas direti-vas de configuração via Host $cfg[’Servers’][$i][’AllowDeny’][’order’] e $cfg[’Servers’][$i][’AllowDeny’][’rules’].

• Diferentemente de cookies e HTTP, esta opção não requer um usuário autenticado quando estiver carregando o site phpMyAdmin pela primeira vez. Isto é proposital mas pode permitir qualquer usuário ter acesso a sua instalação. O uso de algum método restritivo é recomendado, talvez um arquivo .htaccess com uma diretiva HTTP-AUTH ou então bloquear as requisições HTTP de entrada no mínimo em um dos seus roteadores ou firewall seria suficiente (qualquer um dos dois métodos está além do escopo deste manual mas são facilmente encontrados no Google).

3.11 Protegendo sua instalação do phpMyAdmin

3.11 Protegendo sua instalação do phpMyAdmin

O time phpMyAdmin trabalha bastante para tornar essa aplicação segura, embora sempre exista meios de tornar sua instalação mais segura:

• Follow our Security announcements and upgrade phpMyAdmin whenever new vulnerability is published. • Serve phpMyAdmin on HTTPS only. Preferably, you should use HSTS as well, so that you’re protected from

(23)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

• Ensure your PHP setup follows recommendations for production sites, for example display_errors should be disabled.

• Remove the test directory from phpMyAdmin, unless you are developing and need test suite. • Remova o diretório “setup” do phpMyAdmin, você provavelmente não irá usá-lo após a instalação inicial. • Escolher corretamento um método de autenticação - Modo de autenticação por cookies provavelmente é a

melhor escolha para hospedagem compartilhada.

• Deny access to auxiliary files in./libraries/or./templates/subfolders in your webserver configura-tion. Such configuration prevents from possible path exposure and cross side scripting vulnerabilities that might happen to be found in that code. For the Apache webserver, this is often accomplished with a .htaccess file in those directories.

• Geralmente é uma boa ideia proteger a instalação pública do phpMyAdmin contra acesso por robôs já que eles normalmente não fazem nada de bom lá. Você pode fazer isso usando o arquivo robots.txt na raiz do seu servidor web ou limitar o acesso pela configuração do servidor web, veja a 1.42 Como eu posso evitar que robôs acessem o phpMyAdmin?.

• In case you don’t want all MySQL users to be able to access phpMyAdmin, you can use $cfg[’Servers’][$i][’AllowDeny’][’rules’] to limit them or $cfg[’Servers’][$i][’AllowRoot’] to deny root user access.

• Consider hiding phpMyAdmin behind an authentication proxy, so that users need to authenticate prior to pro-viding MySQL credentials to phpMyAdmin. You can achieve this by configuring your web server to request HTTP authentication. For example in Apache this can be done with:

AuthType Basic

AuthName "Restricted Access"

AuthUserFile /usr/share/phpmyadmin/passwd

Require valid-user

Once you have changed the configuration, you need to create a list of users which can authenticate. This can be done using the htpasswd htpasswd utility:

htpasswd -c /usr/share/phpmyadmin/passwd username

• Se você tem medo de ataques automatizados, ativar o Captcha através das opções $cfg[’CaptchaLoginPublicKey’] e $cfg[’CaptchaLoginPrivateKey’] podem ser uma opção.

• Alternative approach might be using fail2ban as phpMyAdmin logs failed authentication attempts to syslog (if available)

3.12 Problemas conhecidos

3.12 Problemas conhecidos

3.12.1 Users with column-specific privileges are unable to “Browse”

3.12.1 Users with column-specific privileges are unable to “Browse”

If a user has only column-specific privileges on some (but not all) columns in a table, “Browse” will fail with an error message.

As a workaround, a bookmarked query with the same name as the table can be created, this will run when using the “Browse” link instead. Issue 11922.

(24)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

3.12.2 Trouble logging back in after logging out using ‘http’ authentication

3.12.2 Trouble logging back in after logging out using ‘http’ authentication

When using the ‘http’ auth_type, it can be impossible to log back in (when the logout comes manually or after a period of inactivity). Issue 11898.

(25)

CAPÍTULO CAPÍTULO

44

Configuração

Configuração

All configurable data is placed in config.inc.php in phpMyAdmin’s toplevel directory. If this file does not exist, please refer to the Instalação section to create one. This file only needs to contain the parameters you want to change from their corresponding default value inlibraries/config.default.php(this file is not inteded for changes).

Veja também: Veja também:

Examples for examples of configurations

Se um parâmetro estiver faltando de seu arquivo, você pode simplesmente adicionar outra linha ao arquivo. Esse arquivo é para sobrescrever os padrões; se você quiser usar o valor padrão não será necessário adicionar uma linha aqui.

Os parâmetros que são relativos ao design (como cores) estão localizados em themes/themename/layout.inc.php. Você pode também querer criar os arquivos config.footer.inc.php e config.header.inc.php para adicionar um código específico no início e final de cada página do seu site.

Nota:

Nota: Algumas distribuições (ex: Debian ou Ubun tu) armazenam o arquivo config.inc.php em /etc/phpmyadmin em vez de na pasta sources do phpMyAdmin.

Aviso:

Aviso: Os usuários Mac devem saber que caso você esteja usando uma versão anterior ao Mac OS X , o PHP não funcionará muito bem com o caractere de final de linha (\r) do Mac. Então certifique-se de selecionar a opção que permite usar o caractere de final de linha *nix (\n) no seu editor de texto antes de salvar um script que você tenha modificado.

4.1

4.1 Confi

Configuraç

gurações bási

ões básicas

cas

$cfg[’PmaAbsoluteUri’] $cfg[’PmaAbsoluteUri’] Type Type string Default value Default value ’’

Alterado na versão 4.6.5: This setting was not available in phpMyAdmin 4.6.0 - 4.6.4.

Sets here the complete URL (with full path) to your phpMyAdmin installation’s directory. E.g. https://www.example.net/path_to_your_phpMyAdmin_directory/. Note also that the URL on most of web servers are case sensitive (even on Windows). Don’t forget the trailing slash at the end.

21 21

(26)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

Starting with version 2.3.0, it is advisable to try leaving this blank. In most cases phpMyAdmin automatically detects the proper setting. Users of port forwarding or complex reverse proxy setup might need to set this. Um bom teste é navegar numa tabela, editar um registro e salvá-lo. Deveria aparecer uma mensagem de erro se o phpMyAdmin estiver tendo problemas em auto-detectar o valor correto. Se você encontrar um erro que isto deva ser configurado ou se o código de auto-detectação falhar em detectar o caminho, por favor envie um relatório de bug para o nosso rastreador de bugs para podermos melhorar o código.

Veja também: Veja também:

1.40 Quando acesso o phpMyAdmin via um proxy reverso do Apache, o login por cookies não funciona. , 2.5 Cada vez que eu tento inserir ou mudar um registro ou eliminar um banco de dados ou tabela, um erro 404 (página não encontrada) é mostrado ou, com a autenticação por cookie ou HTTP, é pedido para que eu entre novamente. Qual o problema?, 4.7 A janela de autenticação é mostrada mais de uma vez, porque?, 5.16 Com o Internet Explorer, eu recebo erros de JavaScript “Acesso negado”. Ou eu não consigo fazer o phpMyAdmin funcionar dentro do Windows.

$cfg[’PmaNoRelation_DisableWarning’] $cfg[’PmaNoRelation_DisableWarning’]

Type Type boolean Default value Default value false

A partir da versão 2.3.0 o phpMyAdmin oferece muitos recursos para trabalhar com tabelas mestre/estrangeiras (veja a configuração $cfg[’Servers’][$i][’pmadb’]).

Se você tentou definir uma configuração e ela não funcionar para você, dê uma olhada na página Structure de um banco de dados onde você gostaria de usá-la. Você vai encontrar um link que analisa porque essas configurações foram desativadas.

Se você não quiser usar essas funções configure esta variável paratruepara que a mensagem pare de aparecer. $cfg[’SuhosinDisableWarning’]

$cfg[’SuhosinDisableWarning’] Type

Type boolean Default value Default value false

Um alerta é exibido na página principal se o pacote Suhosin for detectado.

Você pode configurar esse parâmetro para true para que esta mensagem pare de aparecer. $cfg[’LoginCookieValidityDisableWarning’]

$cfg[’LoginCookieValidityDisableWarning’] Type

Type boolean Default value Default value false

Um alerta é disparado na página principal se o parâmetro session.gc_maxlifetime do PHP estiver mais baixo do que o cookie de validade configurado no phpMyAdmin.

Você pode configurar esse parâmetro para true para que esta mensagem pare de aparecer. $cfg[’ServerLibraryDifference_DisableWarning’]

$cfg[’ServerLibraryDifference_DisableWarning’] Type

Type boolean Default value Default value false

Um aviso é mostrado na página principal se houver uma diferença entre a biblioteca MySQL e a versão do servidor.

Você pode configurar esse parâmetro para true para que esta mensagem pare de aparecer. $cfg[’ReservedWordDisableWarning’]

$cfg[’ReservedWordDisableWarning’] Type

(27)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

Default value Default value false

Esse aviso é exibido na página Estrutura de uma tabela se um ou mais nomes de campos forem iguais a palavras reservadas do MySQL.

Se você quiser desativar esse aviso, você pode configurá-la para true e o aviso não será mais exibido. $cfg[’TranslationWarningThreshold’] $cfg[’TranslationWarningThreshold’] Type Type integer Default value Default value 80

Mostra aviso a respeito de traduções incompletas em certa seção. $cfg[’SendErrorReports’]

$cfg[’SendErrorReports’] Type

Type string Default value

Default value ’perguntar’

Define o comportamento padrão do relatório de erros do JavaScript.

Sempre que um erro for detectado na execução do JavaScript, um relatório de erro poderá ser enviado ao time do phpMyAdmin se o usuário concordar.

O padrão de’perguntar’irá perguntar ao usuário toda vez que houver um novo relatório de erro. No entanto você pode definir esse parâmetro como ’sempre’ para enviar relatórios de erro sem pedir por confirmação ou como ’nunca’ para nunca enviar relatórios de erro.

Essa diretiva está disponível tanto no arquivo de configuração quanto nas preferências de usuário. Se a pessoa a cargo de uma instalação multi-usuário preferir desativar essa função para todos os usuários, o valor de’nunca’ será definido, e a diretiva$cfg[’UserprefsDisallow’]deverá conter’SendErrorReports’em um dos valores de seu vetor.

$cfg[’ConsoleEnterExecutes’] $cfg[’ConsoleEnterExecutes’]

Type Type boolean Default value Default value false

Configurando isso para true permite ao usuário executar consultas pressionando Enter em vez de Ctrl+Enter. Uma nova linha pode ser inserida pressionando Shift + Enter.

O comportamento do console pode ser temporariamente modificado usando a sua interface de configurações. $cfg[’AllowThirdPartyFraming’]

$cfg[’AllowThirdPartyFraming’] Type

Type boolean Default value Default value false

Configurar este parâmetro paratruepermite o phpMyAdmin ser incluído dentro de um frame, e é um possível buraco de segurança que permite ataque de scripts cross-frame ou de sequestro de cliques.

4.2 Configurações de conexão de servidor

4.2 Configurações de conexão de servidor

$cfg[’Servers’]

$cfg[’Servers’] Type Type vetor Default value

Default value one server array with settings listed below

(28)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

A partir da versão 1.4.2, o phpMyAdmin suporta a administração de múltiplos servidores MySQL. Então, um array $cfg[’Servers’] foi adicionado que contém as informações de login para os diferentes servido-res. O primeiro $cfg[’Servers’][$i][’host’] contém o hostname do primeiro servidor, o segundo $cfg[’Servers’][$i][’host’] contém o hostname do segundo servidor, e assim por diante. No ar-quivo libraries/config.default.php existe somente uma seção para as definições do servidor, en-tretanto você pode definir quantos você precisar no config.inc.php, apenas copie este bloco ou as partes necessárias (você não tem que definir todas as opções, apenas aquelas que precisam ser alteradas).

Nota:

Nota: O array $cfg[’Servers’] começa com $cfg[’Servers’][1]. Não use o $cfg[’Servers’][0]. Se você quer mais de um servidor, apenas copie a seção seguinte (incluindo a incrementação do $i). Não é necessário definir o array do servidor completamente, apenas defina os valores que você precisa mudar.

$cfg[’Servers’][$i][’host’] $cfg[’Servers’][$i][’host’]

Type Type string Default value

Default value ’localhost’

O hostname ou o endereço IP do seu enésimo servidor MySQL. Ex: localhost. Os valores disponíveis são:

•hostname, ex: ’localhost’ ou ’mydb.example.org’ •endereço IP, ex: ’127.0.0.1’ ou ’192.168.10.1’

•IPv6 address, e.g. 2001:cdba:0000:0000:0000:0000:3257:9652 •ponto - ’.’, ou seja, use fluxos nomeados em sistemas Windows •vazio - ’’, desativa este servidor

Nota:

Nota: The hostname localhost is handled specially by MySQL and it ignores $cfg[’Servers’][$i][’port’] in this case.

Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’port’], <https://dev.mysql.com/doc/refman/5.7/en/connecting.html> $cfg[’Servers’][$i][’port’] $cfg[’Servers’][$i][’port’] Type Type string Default value Default value ’’

O número da porta do seu enésimo servidor MySQL. O padrão é 3306 (deixe em branco). Nota:

Nota: Se você usa localhost como o hostname, o MySQL ignora este número de porta e conecta via socket, então caso queira conectar com uma porta diferente da porta padrão, use 127.0.0.1 ou um hostname verdadeiro em $cfg[’Servers’][$i][’host’]. Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’host’], <https://dev.mysql.com/doc/refman/5.7/en/connecting.html> $cfg[’Servers’][$i][’socket’] $cfg[’Servers’][$i][’socket’] Type Type string Default value Default value ’’

(29)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

O caminho para o socket a ser usado. Deixe em branco para usar o padrão. Para determinar o socket correto, verifique a sua configuração MySQL ou, use o cliente mysql mysql de linha de comando, passando o comando status. Dentre os resultados obtidos estará também o socket em uso.

Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’host’], <https://dev.mysql.com/doc/refman/5.7/en/connecting.html> $cfg[’Servers’][$i][’ssl’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl’] Type Type boolean Default value Default value false

Whether to enable SSL for the connection between phpMyAdmin and the MySQL server to secure the connec-tion.

Quando usada a extensão ’mysql’, nenhuma das opções de configuração ’ssl...’ restantes se aplicam. Nós recomendamos fortemente usar a extensão ’mysqli’ quando usar esta opção.

Veja também: Veja também:

Google Cloud SQL with SSL $cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’],

$cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’] Type Type string Default value Default value null

Caminho para o arquivo-chave quando usar SSL para conectar ao servidor MySQL. Por exemplo:

$cfg['Servers'][$i]['ssl_key'] = '/etc/mysql/server-key.pem'; Veja também:

Veja também:

Google Cloud SQL with SSL$cfg[’Servers’][$i][’ssl’],$cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’] Type Type string Default value Default value null

Caminho para o arquivo de certificado quando usar SSL para conectar ao servidor MySQL. Veja também:

Veja também:

Google Cloud SQL with SSL$cfg[’Servers’][$i][’ssl’],$cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’] Type Type string Default value Default value null

(30)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

Caminho para o arquivo CA quando usar SSL para conectar ao servidor MySQL. Veja também:

Veja também:

Google Cloud SQL with SSL$cfg[’Servers’][$i][’ssl’],$cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’] Type Type string Default value Default value null

Diretório contendo certificados das CAs SSL em formato PEM. Veja também:

Veja também:

Google Cloud SQL with SSL$cfg[’Servers’][$i][’ssl’],$cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’] Type Type string Default value Default value null

Lista das cifras permitíveis para conexões SSL com o servidor MySQL. Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’ssl’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] Type Type boolean Default value Default value true

Novo na versão 4.6.0: Isso é suportado desde o phpMyAdmin 4.6.0.

If your PHP install uses the MySQL Native Driver (mysqlnd), your MySQL server is 5.6 or later, and your SSL certificate is self-signed, there is a chance your SSL connection will fail due to validation. Setting this tofalse will disable the validation check.

Since PHP 5.6.0 it also verifies whether server name matches CN of it’s certificate. There is currently no way to disable just this check without disabling complete SSL verification.

Aviso:

Aviso: Disabling the certificate verification defeats purpose of using SSL. This will make the connection vulnerable to man in the middle attacks.

Nota:

Nota: Essa flag só funciona com PHP 5.6.16 ou versões mais recentes. Veja também:

Veja também:

Google Cloud SQL with SSL$cfg[’Servers’][$i][’ssl’],$cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’]

(31)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

$cfg[’Servers’][$i][’connect_type’] $cfg[’Servers’][$i][’connect_type’] Type Type string Default value Default value ’TCP’

Que tipo de conexão utilizar com o servidor MySQL. Suas opções são ’socket’ e ’tcp’. O padrão é tcp pois ele é quase garantido que esteja disponível em todos os servidores MySQL, enquanto que sockets não são suportados em algumas plataformas. Para usar o modo socket, seu servidor MySQL deve estar na mesma máquina que o servidor web.

$cfg[’Servers’][$i][’compress’] $cfg[’Servers’][$i][’compress’]

Type Type boolean Default value Default value false

Caso queira usar ou não o protocolo de compressão para a conexão com o servidor MySQL (em fase experi-mental). $cfg[’Servers’][$i][’controlhost’] $cfg[’Servers’][$i][’controlhost’] Type Type string Default value Default value ’’

Permite usar um host alternativo para guardar os dados de configurações de armazenamento. Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’control_*’] $cfg[’Servers’][$i][’controlport’] $cfg[’Servers’][$i][’controlport’] Type Type string Default value Default value ’’

Permite usar uma porta alternativa para conectar ao host que guarda o aramazenamento de configurações. Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’control_*’] $cfg[’Servers’][$i][’controluser’] $cfg[’Servers’][$i][’controluser’] Type Type string Default value Default value ’’ $cfg[’Servers’][$i][’controlpass’] $cfg[’Servers’][$i][’controlpass’] Type Type string Default value Default value ’’

This special account is used to access armazém de configurações do phpMyAdmin. You don’t need it in single user case, but if phpMyAdmin is shared it is recommended to give access to armazém de configurações do phpMyAdmin only to this user and configur e phpMyAdmin to use it. All users will then be able to use the

features without need to have direct access to armazém de configurações do phpMyAdmin. Alterado na versão 2.2.5: esses eram chamados stduser e stdpass

Veja também: Veja também:

Instalação, Usando os modos de autenticação , armazém de configurações do phpMyAd-min, $cfg[’Servers’][$i][’pmadb’], $cfg[’Servers’][$i][’controlhost’], $cfg[’Servers’][$i][’controlport’], $cfg[’Servers’][$i][’control_*’]

(32)

phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev phpMyAdmin Documentation, Versão 4.7.0-dev

$cfg[’Servers’][$i][’control_ $cfg[’Servers’][$i][’control_ **’]’]

Type Type mixed Novo na versão 4.7.0.

You can change any MySQL connection setting for control link (used to access armazém de configurações do phpMyAdmin) using configuration prefixed with control_ .

This can be used to change any aspect of the control connection, which by default uses same parameters as the user one.

Por exemplo, você pode configurar o SSL para o controle da conexão: // Enable SSL

$cfg['Servers'][$i]['control_ssl'] = true true; // Client secre t key

$cfg['Servers'][$i]['control_ssl_key'] = '../client-key.pem'; // Client certificate

$cfg['Servers'][$i]['control_ssl_cert'] = '../client-cert.pem'; // Server certification authority

$cfg['Servers'][$i]['control_ssl_ca'] = '../server-ca.pem'; Veja também: Veja também: $cfg[’Servers’][$i][’ssl’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_key’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_cert’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ca_path’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_ciphers’], $cfg[’Servers’][$i][’ssl_verify’] $cfg[’Servers’][$i][’auth_type’] $cfg[’Servers’][$i][’auth_type’] Type Type string Default value

Default value ’cookie’

Uso de autenticação por configuração, cookie, “signon” ou HTTP neste servidor.

•‘config’ authentication ($auth_type = ’config’) is the plain old way: username and password are stored in config.inc.php.

•‘cookie’ authentication mode ($auth_type = ’cookie’) allows you to log in as any valid MySQL user with the help of cookies.

•O modo de autenticação ‘http’ permite você logar como qualquer usuário válido do MySQL através do HTTP-Auth.

•‘signon’ authentication mode ($auth_type = ’signon’) allows you to log in from prepared PHP session data or using supplied PHP script.

Veja também: Veja também:

Usando os modos de autenticação

$cfg[’Servers’][$i][’auth_http_realm’] $cfg[’Servers’][$i][’auth_http_realm’] Type Type string Default value Default value ’’

Quando usar o auth_type = ‘http’, este campo permite definir um domínio de autenticação básic o por HTTP customizado que será exibid o para o usuário. Se não for explicitamente especificado na sua con-figuração, uma string combinada de “phpMyAdmin ” e $cfg[’Servers’][$i][’verbose’] ou $cfg[’Servers’][$i][’host’] será usada.

$cfg[’Servers’][$i][’user’] $cfg[’Servers’][$i][’user’]

Imagem

Referências

temas relacionados :