• Nenhum resultado encontrado

DESEMPENHO DAS EMPRESAS AFILIADAS

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "DESEMPENHO DAS EMPRESAS AFILIADAS"

Copied!
20
0
0

Texto

(1)

DESEMPENHO DAS EMPRESAS AFILIADAS

Fundação Nacional da Qualidade / MEG

Base de Balanços de 12/2000 a 12/2010

(2)

Objetivo

O estudo foi elaborado a partir dos demonstrativos financeiros de uma amostra de

202 empresas usuárias do MEG - Modelo de Excelência da Gestão.

O objetivo foi avaliar o desempenho destas empresas em relação ao desempenho

das demais empresas dos respectivos setores de atuação, utilizando-se

indicadores econômico-financeiros, durante o período de dez anos.

Considerou-se todas as demonstrações financeiras das empresas, independente

do ano de filiação ou de premiação.

M E G S E T O R

S E R V I Ç O S 1 0 0 6 . 9 0 0

C O M É R C I O 1 2 8 . 4 0 0

I N D Ú S T R I A 9 0 6 . 2 0 0

(3)

SERVIÇO

COMÉRCIO

(4)

Evolução do Faturamento - SERVIÇO

variação acumulada, descontada a inflação (IGPM)

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

35,2%

33,4%

Leitura dos índices : partindo da mesma base, as

empresas do MEG estão 1,8 p.p acima da amostra de

empresas do setor de serviços.

Comportamento no período : apesar do crescimento

real de 35,2%, a distância obtida sobre o setor vem se

estreitando ano a ano.

(5)

Evolução do Faturamento - COMÉRCIO

variação acumulada, descontada a inflação (IGPM)

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

102,6%

74,9%

Leitura dos índices : partindo da mesma base, as

empresas do MEG estão 27,7 p.p acima da amostra de

empresas do setor de comércio

Comportamento no período : ao longo dos últimos

dez anos, o crescimento real de vendas, das empresas

do MEG, manteve-se sempre superior ao setor.

(6)

Evolução do Faturamento - INDÚSTRIA

variação acumulada, descontada a inflação (IGPM)

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

51,4%

70,3%

Leitura dos índices : partindo da mesma base, as

empresas do MEG estão 18,9 p.p abaixo da amostra de

empresas do setor da indústria.

Comportamento no período : a queda verificada em

2009 foi reflexo da Crise Financeira Internacional, que

provocou queda nas exportações. O aumento de 2010,

reflete o aumento, principalmente, da Vale, que

apresentou produção recorde, além do aumento dos

preços do minério de ferro.

(7)

MARGEM EBITDA - SERVIÇO

% sobre o Faturamento Líquido

30,0

27,7

29,9

30,8

28,8

28,6

28,8

28,0

26,0

24,0

16,0

14,2

16,5

17,2

18,4

23,4

23,5

25,0

22,6

23,9

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

(8)

MARGEM EBITDA - COMÉRCIO

% sobre o Faturamento Líquido

2,7

3,3

3,7

3,5

3,8

3,1

3,8

4,3

4,8

4,4

2,8

3,4

3,1

3,8

3,3

3,1

4,3

4,7

4,6

4,5

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

A amostra é pequena e o indicador está influenciado pela Petrobras Distribuidora

(9)

MARGEM EBITDA - INDÚSTRIA

% sobre o Faturamento Líquido

23,0

23,4

21,4

26,0

24,3

21,7

21,5

25,5

19,9

27,7

11,6

12,8

12,4

14,5

13,1

16,8

16,7

20,5

10,9

19,5

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

(10)

MARGEM de Lucro Ajustada – SERVIÇO

(excluído os Resultados com Equivalência Patrimonial e Extra Operacional)

% sobre o Faturamento Líquido

4,9

-6,3

12,4

11,1

13,5

15,2

11,7

8,9

10,4

12,4

-0,1

-5,9

5,1

4,7

7,1

7,0

11,9

9,8

8,8

11,1

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Valorização do dólar -aumento das despesas financeiras e queda dos

lucros

Impacto da valorização do dólar e piora do resultado financeiro

(11)

MARGEM de Lucro Ajustada – COMÉRCIO

(excluído os Resultados com Equivalência Patrimonial e Extra Operacional)

% sobre o Faturamento Líquido

1,6

1,3

2,1

2,4

2,5

2,2

2,6

3,0

3,5

2,9

1,1

0,7

1,8

2,4

1,9

2,2

2,7

2,6

2,5

2,6

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

A amostra é pequena e o indicador está influenciado pela Petrobras Distribuidora

(12)

MARGEM de Lucro Ajustada – INDÚSTRIA

(excluído os Resultados com Equivalência Patrimonial e Extra Operacional)

% sobre o Faturamento Líquido

2,9

-0,6

11,0

14,5

14,5

11,9

15,2

2,4

19,6

16,5

1,1

-1,3

6,3

7,3

6,7

5,9

12,2

4,1

8,2

11,0

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Valorização do dólar -aumento das despesas financeiras e queda dos

lucros

Reflexo de perdas com derivativos e desvalorização

cambial

Impactada pela rentabilidade da Vale e

(13)

Endividamento Total - SERVIÇO

% sobre o Patrimônio Líquido

102

135

130

121

123

118

135

164

155

141

127

171

152

131

121

133

120

106

116

121

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Impacto da valorização do dólar sobre os investimentos das empresas

(14)

Endividamento Total - COMÉRCIO

% sobre o Patrimônio Líquido

144

166

157

113

63

60

69

73

70

68

150

165

166

146

135

121

147

176

159

139

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

(15)

Endividamento Total - INDÚSTRIA

% sobre o Patrimônio Líquido

138

157

142

120

103

135

110

132

107

94

137

177

151

131

118

122

117

136

123

103

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Empréstimos obtidos pela VALE para a aquisição da INCO

(16)

Endividamento Bancário - SERVIÇO

% sobre o Patrimônio Líquido

48

72

65

62

60

54

51

70

57

51

49

67

59

51

47

61

58

48

45

58

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Impacto da valorização do dólar sobre os investimentos das empresas

(17)

Endividamento Bancário - COMÉRCIO

% sobre o Patrimônio Líquido

15

13

15

3

4

9

4

2

5

10

40

48

43

37

34

40

51

54

56

52

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

(18)

Endividamento Bancário - INDÚSTRIA

% sobre o Patrimônio Líquido

69

80

69

49

37

67

40

54

46

37

60

78

63

50

45

57

44

59

50

46

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Empréstimos obtidos pela VALE para a aquisição da INCO

(19)

Indicador de Investimentos - SERVIÇO

% sobre o Faturamento Líquido

0 9 18 27 36 32,3 12,7 11,0 9,6 11,9 15,2 13,0 15,0 14,0 10,4 15,1 11,1 8,9 9,9 10,8 13,1 12,7 14,1 11,7 12,9 Impactados pelos investimentos das empresas de Telecomunicações.

Média dos Investimentos:

> 14,5 % - Usuárias do MEG

> 12,0 % - Empresas do Setor

(20)

Indicador de Investimentos - INDÚSTRIA

% sobre o Faturamento Líquido

0 5 10 15 20

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

14,4 7,8 11,8 9,4 15,1 16,2 12,8 13,4 11,4 9,1 6,6 5,3 6,5 5,8 7,4 9,4 8,5 9,4 6,5 7,8

Média dos Investimentos:

> 12,1 % - Usuárias do MEG

> 7,5 % - Empresas do Setor

Referências

Documentos relacionados

A aula iniciou-se com um ensaio de naipes, onde orientei os naipes de flauta, oboé e fagote. Após um breve aquecimento com a escala de Dó Maior, fez-se a leitura da obra Viva

O trabalho de Silva (2006) estendeu o estudo e a avaliação do comportamento de ligações parafusadas viga-coluna, com base em seções transversais constituídas

Pretendo, a partir de agora, me focar detalhadamente nas Investigações Filosóficas e realizar uma leitura pormenorizada das §§65-88, com o fim de apresentar e

...48 Figura 4.15 Variação da fração solar com o coeficiente de perda efectivo da parede não solar, para a Cavidade I em Aveiro, ao longo de um ano...49 Figura 4.16 Variação

FODA: “Instrumento de avaliação de Fortalezas-Oportunidades (FO) e Debilidades-Ameaças (DA)” é uma estratégia empresarial de medição da competência, utilizada

I - limite de crédito: até o valor suficiente para liquidação do saldo devedor das operações de que trata este artigo, apurado na forma dos incisos I, II e III do caput deste

Os valores das energias de adsorção, em concordância com as tendências experimentais, indicam uma interação entre as moléculas de BTEX e as superfícies estudadas para o rutilo,

A autoclave atinge de forma consistente os parâmetros de temperatura e pressão durante to- do o processo, Para tanto, deve- se realizar um mapeamento da distribuição de calor