Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Top PDF Síndrome da Imunodeficiência Adquirida:

Lesões do trato gastrointestinal na síndrome da imunodeficiência adquirida: [title]estudo de 45 necrópsias consecutivas.

Lesões do trato gastrointestinal na síndrome da imunodeficiência adquirida: [title]estudo de 45 necrópsias consecutivas.

Infecções oportunistas do trato digestivo em pacientes com síndrome da imunodeficiência adquirida.[r]

7 Ler mais

Infecção pulmonar pelo Rhodococcus equi na síndrome da imunodeficiência adquirida: Aspectos na tomografia computadorizada.

Infecção pulmonar pelo Rhodococcus equi na síndrome da imunodeficiência adquirida: Aspectos na tomografia computadorizada.

Estado do Rio de Janeiro, e Hospital Universitário Antônio Pedro, da Universidade Federal Fluminense, e do Hospital Universitário da Universidade Esta- dual de Campinas (SP), no período de 1996 a 2004. Seis pacientes eram do sexo masculino e um do feminino, com idades variando entre 22 e 49 anos, e média de 38 anos. Todos os pacientes ti- nham síndrome da imunodeficiência adquirida, com contagens de linfócitos CD4 abaixo de 100 célu- las/mm 3 . Tiveram o diagnóstico da infecção pelo

5 Ler mais

Experiência da adesão ao tratamento entre mulheres com Vírus da Imunodeficiência Humana/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Experiência da adesão ao tratamento entre mulheres com Vírus da Imunodeficiência Humana/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Objetivo: Compreender a experiência da adesão ao tratamento para o Vírus da Imunodeficiência Humana/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida para a mulher. Métodos: Estudo etnográfico, baseado no pensamento teórico interpretativista, com oito mulheres de um Grupo de Adesão em um hospital público. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semi-estruturadas e observação participante de janeiro a dezembro 2007. Resultados: Emergiram quatro categorias: enfrentamentos aos valores da experiência da adesão ao tratamento, a experiência singular na adesão ao tratamento, costumes e práticas na experiência da adesão, o cuidar nas relações interpessoais. Conclusão: As experiências relatadas pertencem à vida singular de cada informante; no entanto, o caminho para uma adesão efetiva fica translúcido nas narrativas. Partiram da realidade específica de suas vidas para ensinar o caminho para aqueles que desejam sair da sombras de um diagnóstico estigmatizante. Descritores: Infecções por HIV; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Terapia anti-retroviral de alta atividade; Cuidados de enfermagem; Aceitação pelo paciente de cuidados de saúde
Mostrar mais

7 Ler mais

Dermoscopia da sarna crostosa associada à síndrome da imunodeficiência adquirida.

Dermoscopia da sarna crostosa associada à síndrome da imunodeficiência adquirida.

Paciente do sexo feminino, parda, de 58 anos, etilista, portadora de síndrome da imunodeficiência adquirida (sida) com baixa aderência à terapia antirre- troviral (TARV). Foi internada em fevereiro de 2008 na enfermaria de sida, apresentando quadro diarreico, desnutrição e lesões crostosas e pruriginosas dissemi- nadas pelo corpo e couro cabeludo, não poupando palmas e plantas, com prurido predominantemente noturno (Figura 1). Inicialmente essas lesões predo- minavam no couro cabeludo com intensa descamação e prurido, já tendo a paciente feito uso de uma dose de ivermectina oral. A paciente foi colocada em isola- mento de contato pela suspeita clínica de SC. Concomitantemente, apresentava lesão herpética no lábio e candidíase oral. Os parâmetros imunológicos mostravam diminuição dos linfócitos CD4 (480 célu- las por mm 3 em outubro de 2007 versus 22 células
Mostrar mais

3 Ler mais

Bacteremia por Rhodococcus equi em paciente com síndrome da imunodeficiência adquirida: relato de caso.

Bacteremia por Rhodococcus equi em paciente com síndrome da imunodeficiência adquirida: relato de caso.

Rhodococcus equi é um patógeno oportunista emergente, especialmente em pacientes infectados pela síndrome da imunodeficiência adquirida, conforme paciente relatado neste caso. Outros problemas relatados neste paciente foram: pneumonia cavitada, hepatite medicamentosa ao RHZ e lesões de pele que foram identificadas como Paracoccidiodes brasiliensis. Como tratamento, o paciente recebeu benzilpenicilina potássica, oxacilina e anfotericina B, mas seu quadro evoluiu a óbito.

3 Ler mais

Sobrevida de pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida em hospital geral no Rio de Janeiro, a partir de dados da vigilância epidemiológica.

Sobrevida de pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida em hospital geral no Rio de Janeiro, a partir de dados da vigilância epidemiológica.

No momento em que se reflete sobre os 30 anos de evolu- ção da epidemia de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) no mundo, e um cenário para a cura da doença já não parece um alvo inatingível, a evolução da epidemia aponta para uma infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) com o padrão de uma doença crônica. O esquema de tratamento com pelo menos três fármacos (HAART – highly active antiretroviral therapy) permitiu uma sobrevida aumen- tada de doentes com SIDA em todo o mundo, incluindo o Brasil 1-6 . Por outro lado, devido a essa resposta terapêutica
Mostrar mais

8 Ler mais

Sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida: características do comprometimento hepático na tomografia computadorizada e na ressonância magnética.

Sarcoma de Kaposi relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida: características do comprometimento hepático na tomografia computadorizada e na ressonância magnética.

Sarcoma de Kaposi é uma neoplasia associada a condições de imunossupressão que acomete os vasos lin- fáticos e sanguíneos. É a neoplasia intra-hepática mais comum na síndrome da imunodeficiência adquirida. A tomografia computadorizada e a ressonância magnética revelam múltiplos pequenos nódulos, proeminên- cia e realce dos planos periportais, devido à presença de tecido neoplásico. Os autores descrevem um caso de paciente masculino, de 47 anos de idade, com síndrome da imunodeficiência adquirida e sarcoma de Kaposi disseminado.

2 Ler mais

Diagnósticos de enfermagem e seus componentes em pacientes com a síndrome da imunodeficiência adquirida.

Diagnósticos de enfermagem e seus componentes em pacientes com a síndrome da imunodeficiência adquirida.

Objetivo: Identificar os Diagnósticos de Enfermagem em pacientes com a síndrome da imunodeficiência adquirida e analisar a associação entre os diagnósticos mais frequentes com suas car[r]

8 Ler mais

Paracoccidioidomicose e síndrome de imunodeficiência adquirida: relato de necropsia.

Paracoccidioidomicose e síndrome de imunodeficiência adquirida: relato de necropsia.

Teste rápido para HIV foi positivo e radiografia de tórax mostrou-se normal. Evoluiu, inicialmente, com melhora do quadro neurológico e da febre, apresentando, porém, nova crise convulsiva e febre em 30/04/1999, seguidas de insuficiência respiratória e instabilidade hemodinâmica. Negativas a pesquisa de BAAR e fungos no liquor, urocultura e hemocultura. Recebeu tratamento para neurotoxoplasmose e sepse, sem sucesso; nova tomografia computadorizada de crânio mostrou lesão hipodensa e não captante à esquerda e alterações periféricas difusas no córtex. ELISA 1 e 2 positivos para HIV. Óbito em 06/05/1999. Necropsia. Síndrome de imunodeficiência adquirida (grupo IV, subgrupo C, segundo CDC). Depleção linfóide intensa e generalizada. Toxoplasmose cerebral, forma tumoral: duas lesões nodulares, a maior medindo 1cm de diâmetro no lobo parietal, superior direito, outra (1,0x0,5x0,5cm) na transição parieto- occipital direita, borda lateral. Infartos lacunares na substância branca parieto-occipital direita e base da ponte. Encefalopatia hipóxico-isquêmica. Microhemorragia antiga no tálamo.
Mostrar mais

3 Ler mais

Manifestações reumáticas da síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS).

Manifestações reumáticas da síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS).

Diferentes síndromes reumáticas e fenômenos auto-imunes já foram associados à infecção pelo vírus da imunodeficiência humana ( HIV ), quer pela maior freqüência de adoecimento, quer pela maior gravidade. Ademais, em muitos casos, sintomas e sinais da doença reumática estão presentes na abertura do quadro de infecção pelo HIV (como na síndrome de soroconversão) ou da síndrome de imunodeficiência adquirida ( AIDS ). O reconhe- cimento deste horizonte é da maior importância para a prática do reumatologista, tornando-se altamente necessário ampliar a familiaridade com estes conceitos. Revisitar as interseções reuma- tológicas da infecção pelo HIV – enfatizando-se situações como as espondiloartropatias soronegativas, as artralgias, as artrites infecciosas, fibromialgia, miopatias, vasculites, síndrome linfo- cítica infiltrante difusa, lúpus eritematoso sistêmico e fenômenos auto-imunes – é, pois, o objetivo do presente artigo.
Mostrar mais

8 Ler mais

Limitações funcionais e incapacidades de idosos com síndrome de imunodeficiência adquirida.

Limitações funcionais e incapacidades de idosos com síndrome de imunodeficiência adquirida.

Objetivo: Avaliar a capacidade funcional de idosos com síndrome de imunodeficiência adquirida (HIV/AIDS). Métodos: Estudo transversal com inquérito epidemiológico observacional com a coleta de dados realizada através de entrevistas e fonte documental de 142 idosos portadores do vírus da imunodeficiência humana, entre 60 e 81 anos de idade, avaliados pelos domínios de funcionalidade cognitiva, saúde mental e Atividades da Vida Diária. Foram realizadas análise absoluta e relativa das variáveis contínuas, além da associação das variáveis independentes.
Mostrar mais

6 Ler mais

Alterações anatomopatológicas renais em indivíduos com a síndrome da imunodeficiência adquirida.

Alterações anatomopatológicas renais em indivíduos com a síndrome da imunodeficiência adquirida.

Resumo As alterações anatomopatológicas renais foram estudadas em 119 casos de indivíduos com a síndrome da imunodeficiência humana adquirida (SIDA) no Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba MG. A partir das amostras de rim fixadas em formol, foram confeccionadas lâminas e analisadas ao microscópio de luz. Dos 119 casos estudados, 67 tiveram diagnóstico de nefrite túbulo intersticial (NTI), sendo 18 inespecíficas, 2 xantogranulomatosas e encontrou-se agente infeccioso em 48: fungos em 28 (16 Cryptococcus sp, 9 Histoplasma sp, 1 Candida sp e 2 Paracoccidioides brasiliensis); bactérias em 18 (9 Mycobacterium sp); vírus em 6, Citomegalovírus. Em 43 havia necrose tubular aguda (NTA). Outros diagnósticos foram: nefrocalcinose (15,1%) e hialinose arteriolar (22,7%). Encontrou-se também 2 casos com glomeruloesclerose segmentar focal (GESF) e um caso de hiperplasia mesangial difusa. Houve predomínio da NTI, que pode ser devido às infecções oportunistas, predominando as fúngicas; a toxicidade por drogas ou ainda devido a possível ação direta do próprio vírus. A necrose tubular aguda (NTA), foi a segunda causa em freqüência, de acometimento renal da amostra. Concluiu-se que o envolvimento renal nos pacientes com SIDA apresenta um espectro variado de processos patológicos, principalmente relacionados com infecções oportunistas, o tratamento e os procedimentos para diagnósticos, e ainda as nefropatias associadas ao vírus da imunodeficiência humana (VIH).
Mostrar mais

8 Ler mais

Saúde auditiva, o vírus da imunodeficiência humana e a síndrome da imunodeficiência adquirida: uma revisão

Saúde auditiva, o vírus da imunodeficiência humana e a síndrome da imunodeficiência adquirida: uma revisão

Tema: a Síndrome da Imunodeiciência Adquirida (SIDA/AIDS) é causada pelo Vírus da Imunodeiciência Humana (VIH/HIV), e resulta numa imunidade reduzida, o que torna o indivíduo mais susceptível a doenças e infecções oportunistas. Com o avanço da doença as estruturas do sistema auditivo central podem ser comprometidas pela ação direta do vírus ou decorrente de infec- ções secundárias e neoplasias. O portador do HIV/AIDS pode também se tornar mais vulnerável a outras patologias do ouvido. Objetivo: o objetivo desta revisão foi exploratório, visando identii- car os possíveis pontos de interseção entre distúrbios auditivos e a Síndrome da Imunodeiciência Adquirida. Realizou-se uma revisão da literatura sobre a saúde auditiva dos portadores de HIV/AIDS e foi discutido o impacto potencial de patologias auditivas na qualidade de vida. Conclusão: a lite- ratura sugere que várias possiveis associações existam entre os distúrbios auditivos e a Síndrome da Imunodeiciência Adquirida e o Vírus da Imunodeiciência Humana. Proissionais de saúde, inclu- sive aqueles dos serviços públicos no Brasil, deveriam examinar a necessidade de iniciativas de saúde auditiva dirigida aos portadores de HIV/AIDS para prevenir patologias auditivas ou reduzir seu impacto na qualidade de vida.
Mostrar mais

7 Ler mais

Leucoencefalopatia multifocal progressiva como manifestação inicial da síndrome da imunodeficiência adquirida.

Leucoencefalopatia multifocal progressiva como manifestação inicial da síndrome da imunodeficiência adquirida.

Homem branco, 25 anos, trabalhador braçal, natural e procedente de Frutal, MG, com sorologia positiva para o vírus da imunodeficiência adquirida (HIV) há 3 anos, foi internado pela primeira vez no Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, apresentando confusão mental, desorientação, paresia e parestesia no hemicorpo direito. Era usuário de drogas injetáveis. Apresentava crises convulsivas desde a infância.

6 Ler mais

Avaliação auditiva na Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Avaliação auditiva na Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Os resultados da audiometria de altas frequências indica- ram que 90,2% de todos os indivíduos avaliados apresentaram alteração (com prevalência de 84,2% no grupo não exposto ao trata[r]

5 Ler mais

Osteonecrose e Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Osteonecrose e Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Pacientes infectados pelo vírus HIV encontram-se em maior risco de desenvolver osteonecrose, estando implicados como fatores predisponentes a terapêutica antiviral, ao uso de corticos[r]

9 Ler mais

SUPORTE SOCIAL DE PESSOAS QUE VIVEM COM A SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA.

SUPORTE SOCIAL DE PESSOAS QUE VIVEM COM A SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA.

RESUMO: Teve-se como objetivo avaliar o suporte social de pessoas com aids. Estudo transversal, com amostra de 215 pacientes ambulatoriais de um hospital universitário do Nordeste brasileiro. Dados coletados de agosto a dezembro de 2012, por meio de entrevista, utilizando formulário sociodemográico e clínico e Escala de Suporte Social para Pessoas Vivendo com HIV/aids. O Statistical Package for the Social Science foi utilizado para análise de dados. Resultados mostraram que médias de escores de suporte social emocional e instrumental foram satisfatórias e não inluenciadas pelo sexo (p=0,954; p=0,508), escolaridade (p=0,756; p=0,194), situação conjugal (p=0,076; p=0,446) e tempo de terapia antirretroviral (p=0,480; p=0,120). Pessoas diagnosticadas há menos de três anos tiveram mais suporte instrumental (p=0,048) que os diagnosticados há mais de três anos (p=0,370). Vizinhos, chefe e proissionais da saúde forneceram menos apoio. Concluiu- se que pessoas com aids possuem suporte social satisfatório, principalmente, de amigos e familiares que não moram no mesmo domicílio. DESCRITORES: Síndrome da imunodeiciência adquirida. HIV. Apoio social.
Mostrar mais

8 Ler mais

Perda auditiva e síndrome da imunodeficiência adquirida: revisão sistemática.

Perda auditiva e síndrome da imunodeficiência adquirida: revisão sistemática.

Os estudos, em sua maioria, foram desenvolvidos com a população adulta e, embora se tenha observado que o paciente portador do HIV/AIDS pode potencialmente apresentar perda auditiva independentemente da faixa etária, não foi possível caracterizar o perfil audiológico destes pacientes. É sabido que na presença de algumas doenças, caracteristicamente se tem a ocorrência de determinado tipo e grau da perda auditiva e também uma configuração audiométrica específica. Na pre- sença do vírus ou da síndrome aqui estudados, a perda auditiva apresentou características variáveis, podendo ser do tipo condu- tiva (1,3,5,8,11-24) , sensorioneural (1,3-6,8,9,11,13-15,17-33) ou mista (15,18-20,22,24) .
Mostrar mais

5 Ler mais

Aspectos psicossociais da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Aspectos psicossociais da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Outras famílias estão "adaptadas" ao comporta- mento do filho, numa atitude de negação da pro- blemática, que pode ser resultado de várias tentati- vas frustradas de solução, com[r]

4 Ler mais

Manifestações otológicas em criança com síndrome da imunodeficiência adquirida.

Manifestações otológicas em criança com síndrome da imunodeficiência adquirida.

A s manifestações otológicas são particularmente comuns em crianças portadoras do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). A disacusia nestes pacientes pode ser condutiva, principalmen- te decorrente de otite média ou sensorioneural, pela ação direta do vírus ou pela ação de drogas anti-retrovirais. Neste trabalho, relatamos o caso de uma criança de 10 anos de idade, portadora de HIV, com disacusia e revisamos a literatura.

4 Ler mais

Show all 6769 documents...