Trabalhador Rural - Brasil

Top PDF Trabalhador Rural - Brasil:

A utilização de agrotóxicos em lavouras cafeeiras frente ao risco da Saúde do Trabalhador Rural no Município de Cacoal – RO (Brasil)

A utilização de agrotóxicos em lavouras cafeeiras frente ao risco da Saúde do Trabalhador Rural no Município de Cacoal – RO (Brasil)

No âmbito da América Latina, o Brasil desponta como o maior consumidor de agrotóxicos, com um consumo estimado em 50% da quantidade comercial na região. A aplicação indiscriminada de agrotóxicos afeta tanto a saúde humana quanto a ecossistemas naturais. Os impactos na saúde podem atingir tanto aplicadores dos produtos, os membros da comunidade e os consumidores dos alimentos contaminados com resíduos, mas, sem dúvida, a primeira categoria é a mais afetada por estes. A utilização dos agrotóxicos no meio rural brasileiro tem trazido uma série de conseqüências tanto para o ambiente como para a saúde do trabalhador rural. Em geral, essas conseqüências são condicionadas por fatores intrinsecamente relacionados, tais como o uso inadequado dessas substâncias, a alta toxicidade de certos produtos, a falta de utilização de equipamentos de proteção e a precariedade dos mecanismos de vigilância. Dos 5.570 casos de intoxicação, ocorridos em 2003, 1.748 (31,4%) foram causados por agrotóxicos de uso agrícola. Pretendeu-se com a realização deste estudo, conhecer no Município de Cacoal - RO o perfil dos trabalhadores em lavouras cafeeiras, idade, sexo, escolaridade, tempo de atuação na função, sintomas decorrentes da utilização dos agrotóxicos e as condições, nas quais são manuseados. O tipo de estudo utilizado foi um transversal descritivo e analítico; a amostra foi constituída por 87 trabalhadores em lavouras cafeeiras em áreas rurais do Município de Cacoal-RO; na análise das variáveis utilizou-se o software EPI- INFO 6.04. De 87 trabalhadores pesquisados, 63 (72,4%) afirmaram ser proprietários do estabelecimento rural, 8 (9,2%) parceiro/arrendatário, 13 (14,9%) meeiros, 2 (2,3%) trabalhadores fixos assalariados e, 1 (1,2%) afirmou ser empreiteiro de serviços. Os homens, 85, representaram (97,7%) dos entrevistados; a média de idade foi de 44,08 anos
Mostrar mais

73 Ler mais

O CAMINHO DA PESQUISA INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO À SAÚDE POSTURAL DO TRABALHADOR RURAL NA ATIVIDADE LEITEIRA NO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL

O CAMINHO DA PESQUISA INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO À SAÚDE POSTURAL DO TRABALHADOR RURAL NA ATIVIDADE LEITEIRA NO RIO GRANDE DO SUL/BRASIL

Buscamos a prática do cuidado à saúde do trabalhador rural na atividade leiteira em cada encontro, numa construção coletiva de uma experiência comum a todos os tra- balhadores. A rotina neste campo de trabalho é semelhante, embora a saúde, em seu conceito ampliado, como um direito radicalmente vinculado à existência de políticas econômicas e sociais que deverão assegurar outros direitos fundamentais como, por exemplo, moradia, alimentação, educação e lazer, tenha distinções importantes entre os onze municípios participantes do estudo (BRASIL, 2014).
Mostrar mais

8 Ler mais

Do estatuto do trabalhador rural à Carta de 1988: contribuição à análise da constituição da previdência social dos trabalhadores rurais no Brasil

Do estatuto do trabalhador rural à Carta de 1988: contribuição à análise da constituição da previdência social dos trabalhadores rurais no Brasil

Resumo: Com a Constituição de 1988, os agricultores familiares, os pescadores e garimpeiros artesanais foram incluídos, como segurados especiais, no sistema previdenciário dos trabalhadores rurais no Brasil. A partir de estudos sobre efeitos sócio-econômicos dos benefícios previdenciários, esse processo, denomi- nado Universalização da Previdência Rural, ganhou notoriedade. O presente trabalho procura fazer uma análi- se do processo de construção social e político da previdência social rural. O texto está estruturado em quatro partes. Na primeira parte, objetiva-se uma breve caracterização da previdência rural; em seguida trata- se da discussão em torno do Estatuto do Trabalhador Rural, na terceira aborda-se a instituição do Funrural e do Prorural, e por fim, tece-se algumas considerações em torno da experiência recente de universalização ocorrida a partir de 1988.
Mostrar mais

10 Ler mais

Influências na Decisão do Jovem Trabalhador Rural: Partir ou Ficar no Campo

Influências na Decisão do Jovem Trabalhador Rural: Partir ou Ficar no Campo

po de dedicação à produção agropecuária e, com isso, abrem possibilidades de renda em outras áreas e setores econômicos para si ou para membros de sua família. Conforme Carneiro (2006), com as novas dinâmicas do meio rural emerge a discussão sobre atividades não agrícolas e pluriatividade no Brasil. Para Baumel e Basso (2004), a pluriatividade tem um caráter social importante por oportunizar alternativas de reprodução da agricultura fami- liar, ampliando as fontes de renda e integrando-se com realidades urbanas ou mesmo rurais, mas de concepção diferente das suas, mediante novas atividades ocupacionais. A pluriatividade tem sido apontada como uma al- ternativa viável de manutenção da população jovem no campo, associando as atividades da propriedade da família com outras que lhes garanta maior autonomia e segurança financeira. Schneider e Mattos (2006) afirmam que a pluriatividade poderá ter um papel importante na promoção do desenvolvi- mento rural sustentável na medida em que se apresenta como possibilidade a alguns dos principais problemas que afetam as populações rurais, tais como a geração de emprego, a melhoria da renda, a redução da vulnerabilidade social e produtiva, o êxodo dos mais jovens e a gestão interna das unidades familiares.
Mostrar mais

34 Ler mais

O TRABALHADOR RURAL E OS AGROTÓXICOS  Mauê Ângela Romeiro Martins

O TRABALHADOR RURAL E OS AGROTÓXICOS Mauê Ângela Romeiro Martins

Ademais, ainda que exista construção normativa acerca de agrotóxicos, elas são tímidas frente ao que precisaria ser feito e regulamentado e, por vezes, não atendem o fim esperado, seja porque nasce flexível demais ou simplesmente por decorrência da ausência de meios que garantam a fiscalização sobre o cumprimento dos ditames legais, ora que no Brasil está difícil o exercício do controle sobre o uso, compra e venda de agrotóxicos, bem como nem todos os Estados sequer possuem órgão capacitado que levantem esses dados.

24 Ler mais

EXPOSIÇÃO A AGROTÓXICOS E RADIAÇÃO UV COMO FATORES DE RISCO AO TRABALHADOR RURAL

EXPOSIÇÃO A AGROTÓXICOS E RADIAÇÃO UV COMO FATORES DE RISCO AO TRABALHADOR RURAL

BRASIL. Decreto nº 98.816, de 11 de Janeiro de 1990. Regulamenta a Lei n° 7.802, de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a pro- dução, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscali- zação de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a or- ganização e o funcionamento dos serviços corres- pondentes e dá outras providências. Disponínel em: <http://www.lei.adv.br/98816-90.htm>.
Mostrar mais

9 Ler mais

REPOSITORIO INSTITUCIONAL DA UFOP: O segundo governo Vargas e o trabalhador rural : propostas políticas por uma legislação trabalhista no campo (1950-1954).

REPOSITORIO INSTITUCIONAL DA UFOP: O segundo governo Vargas e o trabalhador rural : propostas políticas por uma legislação trabalhista no campo (1950-1954).

Getúlio Vargas foi um importante político na história do Brasil republicano, e muitas pesquisas acadêmicas privilegiam o seu primeiro governo e as questões trabalhistas sobre o operariado brasileiro, que foram, sem dúvida, uma de suas características mais marcantes na política nacional. Contudo, propomos uma abordagem sobre o segundo governo de Vargas (1951-1954) privilegiando a temática relacionada à labuta rural, ressaltando que, embora a historiografia nacional tenha privilegiado abordagens sobre o operariado nas indústrias, na década de 50 a maioria dos trabalhadores no Brasil se encontravam nas áreas rurais, bem como a maior parte da população brasileira habitava o campo, ou seja, a parcela majoritária dos trabalhadores brasileiros estava à margem da CLT 8 . Assim, cabe ressaltar que, como episódio importante na política brasileira, em 1950 Vargas foi lançado à campanha presidencial pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), ocasião em que disputou as eleições com Cristiano Machado, do Partido Social Democrático (PSD), e com o Brigadeiro Eduardo Gomes, da União Democrática Nacional (UDN), seus principais concorrentes. O pleito foi vencido pelo PTB, e Vargas eleito presidente da república com ampla vantagem, 48,7% dos votos, contra Eduardo Gomes que ficou com 29,6%, e Cristiano Machado com 21,5% dos votos 9 .
Mostrar mais

129 Ler mais

Agrotóxico e trabalho: uma combinação perigosa para a saúde do trabalhador rural.

Agrotóxico e trabalho: uma combinação perigosa para a saúde do trabalhador rural.

Diversos estu dos têm dem on s trado gra n de va ri a bi l i d ade de danos dos agro t ó x i cos sobre a s a ú de humana e sobre o meio ambi en te , a s s i m como diferenças na gravi d ade e magn i tu de desses danos (Al ava n ja et al. , 2 0 0 4 ; Colosso et a l. , 2 0 0 3 ; Gri s o l i a , 2 0 0 5 ; Ka m a nyi re & Ka ra l- l i ed de , 2 0 0 4 ; Nova to - Si lva E et al. 1 9 9 9 ; Pere s et al. , 2 0 0 3 ; Peres et al. , 2 0 0 1 ; Sa n to s , 2 0 0 3 ; Si l- va et al. , 2 0 0 4 ) . O con h ec i m en to advi n do de tais estu dos tem su b s i d i ado um import a n te movimento social, tanto no Brasil como em o u- tros países, l i derado por ambi entalistas e eco l o- gistas cuja tônica gi ra em torno da con te s t a ç ã o do modo de de s envo lvi m en to da agri c u l tu ra . Esse movi m en to, que apre s enta a proposta da a groeco l ogia como altern a tiva às pr á ticas insti- tu í d a s , é cen trado numa outra forma de de s en- vo lvi m en to agr í cola e ru ral (Al m ei d a , 1 9 9 8 ) .
Mostrar mais

13 Ler mais

Doença e incapacidade: dimensões subjetivas e identidade social do trabalhador rural.

Doença e incapacidade: dimensões subjetivas e identidade social do trabalhador rural.

Este artigo aborda a interface entre os determi- nantes sociais de saúde, as condições de vida e as concepções de saúde e doença de moradores de uma localidade rural no sul do Brasil. O objetivo é conhecer e compreender as necessidades em saúde, por meio das concepções de doença, considerando as desigualdades sociais presentes na localidade rural do Rincão dos Maia, Canguçu-RS. Utilizou-se a triangulação de métodos. No desenho qualitativo entrevistaram-se 20 sujeitos. A amostra foi intencio- nal, ilustrativa das diferentes situações de vida. Os resultados referem-se à doença como incapacidade ou restrição de locomoção, uso de remédios e traba- lho ou, ainda, como resultante do comportamento cotidiano, de perdas e exposição a diversas tempe- raturas na lavoura, da alimentação e da presença de enfermidade, geralmente “doenças metáforas”. Apesar das desigualdades socioeconômicas, não se observaram diferenças nas concepções de saúde e doença, possivelmente devido ao contexto cultural comum e à matriz de trabalhador rural. Evidenciou- se a relevância de se conhecer os determinantes sociais em saúde, por meio das condições de vida materiais e dos aspectos subjetivos dos processos cotidianos, como forma de aproximação da constru- ção de saberes e lógicas locais.
Mostrar mais

13 Ler mais

Octavio Ianni e o proletariado rural no Brasil — Outubro Revista

Octavio Ianni e o proletariado rural no Brasil — Outubro Revista

Do nosso ponto de vista, as reflexões lançadas por Octavio Ianni naquele artigo de 1971 possuem uma riqueza heurística extraordinária, repleta de elementos atuais a serem problematizados. Ao longo do desenvolvimento deste texto, longe da perspectiva de esgotar o debate, demonstraremos as razões que justificam tal posição, bem como a relevância que possui para refletir a configuração contemporânea da contradição capital-trabalho no universo agrário nacional. Assim, entendemos que a atualização do debate referente à proletarização do trabalhador rural no Brasil implica necessariamente, numa primeira aproximação, a interlocução direta com os clássicos do pensamento social crítico brasileiro, trazendo-os para o centro da discussão, num importante esforço de retomada da contribuição desses autores para melhor refletir e sistematizar as problemáticas emergentes na quadra histórica em curso, as quais devem estar sempre conectadas ao processo histórico.
Mostrar mais

21 Ler mais

ESTUDO SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO E DO TRABALHADOR RURAL EM UMA PROPRIEDADE RURAL

ESTUDO SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO E DO TRABALHADOR RURAL EM UMA PROPRIEDADE RURAL

O Agronegócio representa no setor rural uma das mais importantes atividades, e diante a realidade atual não podemos deixar de pensar na atividade da área leiteira. O Brasil é o quinto maior produtor de leite do mundo, ficando somente atrás da União Europeia, Estados Unidos, Índia e Rússia. Entre os estados, Minas Gerais lidera a produção nacional com cerca de trinta porcento da produção leiteira, seguido pelo Rio Grande do Sul com aproximadamente dezesseis porcento. Em 2015, o Valor bruto da Produção da atividade
Mostrar mais

14 Ler mais

De sem-terra a sem-terra: memórias e identidades.

De sem-terra a sem-terra: memórias e identidades.

como assembleias, congressos e reuniões e também outros recursos subjetivos como a vivência cotidiana, a mística e o discurso político. Para este movimento social, a cultura camponesa é produto da forte relação que o homem do campo estabelece com a natureza e, por isto, ela assume características vinculadas ao mito, à superstição, à tradição, à contemplação e ao raciocínio associativo de conotação “ingênua e imediatista” que se expressa na forma como o trabalhador rural lida com a vida econômica e social. Para além da defesa da distribuição de terras, o MST busca garantir um processo de formação continuada que desmitiique os sistemas culturais, transforme a natureza “ingênua e imediatista” e fortaleça a consciência política a partir da combinação de práticas, outros referenciais e padrões de vida que permitam a reprodução do camponês como sujeito social (Confederação das Cooperativas de Reforma Agrária do Brasil - Concrab, 1997).
Mostrar mais

10 Ler mais

CINVAL FILHO DOS REIS EDUCAÇÃO E MUNDO DO TRABALHO NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA: Entre as contradições da realidade social e os

CINVAL FILHO DOS REIS EDUCAÇÃO E MUNDO DO TRABALHO NA INDÚSTRIA SUCROALCOOLEIRA: Entre as contradições da realidade social e os

Os custos que as empresas têm com treinamento são menores do que os custos com a própria contratação. E, além disso, quando estes cursos de treinamento se fazem presentes, são direcionados à gerência : “Conclui-se daí que o treinamento é não apenas relativamente barato, como tem pelo menos para a mão-de-obra direta, a forma de gasto corrente, nem sempre passível de explicação contábil, o que já revela seu caráter de processo mais ou menos automático.” (SALM, 1980, p. 91). Dessa maneira, é perceptível que grande parte dos trabalhadores pertencentes de uma indústria ou ramo específico, adquire sua (des)qualificação em seu próprio local de trabalho. E, além disso, este fator é “naturalizado” pelo próprio trabalhador, como se sempre tivesse sido inerente ao processo. “Realiza-se por uma espécie de osmose, pela mera presença física no local de trabalho, pela observação e eventual execução das tarefas realizadas pelos empregados encarregados de operações mais complexas.” (SALM, 1980, p. 90).
Mostrar mais

139 Ler mais

Análise econométrica do mercado do tomate no estado do Ceará: 19802000

Análise econométrica do mercado do tomate no estado do Ceará: 19802000

Resumo: O tomate representa uma das hortaliças mais produzidas e comercializadas no Brasil e no Estado do Ceará, estando presente na cesta do consumidor cearense durante todo o ano. Neste trabalho, procura-se estimar a oferta e a demanda do tomate no Estado do Ceará. Os dados utilizados são de fontes secundárias coletados junto ao Instituto de Planejamento do Estado do Ceará (IPECE) e ao IBGE, cobrindo o período de 1980 a 2000. Foi utilizado o Método de Equações Simultâneas para analisar o comportamento de cada variável que influencia o mercado do produto através de sua respectiva elasticidade. As equações estimadas são da forma logarítmica em razão de, além de ter um bom ajustamento, já mostrar o valor da elasticidade de cada variável. Conclui-se que o tomate é um bem normal, de demanda elástica e oferta inelástica. A cebola mostra-se ser um bem substituto ao tomate. O coeficiente relacionado ao salário da mão-de-obra rural mostrou-se ter uma relação inversamente proporcional a quantidade ofertada. Os resultados obtidos servem de relevância para os produtores cearenses adotarem políticas que resultem no acréscimo da sua renda total.
Mostrar mais

9 Ler mais

Sociedade de risco: o uso dos agrotóxicos e implicações na saúde do trabalhador rural.

Sociedade de risco: o uso dos agrotóxicos e implicações na saúde do trabalhador rural.

Dentre as limitações do estudo, encontra-se o fato de ser localizado e pela restrição temporal, por se tratar de uma pesquisa de mestrado, pois pensa-se que uma investigação que tivesse maior abrangência poderia elucidar de maneira ampla a problemática do uso de agrotóxicos na atividade agrícola. Enfim, sugere-se a realização de novas investigações que tratem dessa temática, bem como a atuação da enfermagem, por meio de uma prática profissional direcionada à saúde do trabalhador que colabore para a promoção de saúde e prevenção de agravos dos trabalhadores rurais e a todos, que de algum modo estão expostos aos perigos da utilização de agrotóxicos.
Mostrar mais

7 Ler mais

IMPLICAÇÕES Á SAÚDE DO TRABALHADOR RURAL DEVIDO A EXPOSIÇÃO E USO DE AGROTÓXICOS: PERSPECTIVAS PARA A ENFERMAGEM

IMPLICAÇÕES Á SAÚDE DO TRABALHADOR RURAL DEVIDO A EXPOSIÇÃO E USO DE AGROTÓXICOS: PERSPECTIVAS PARA A ENFERMAGEM

VIERO, Cibelle Mello et al. Sociedade de risco: o uso dos agrotóxicos e implicações na saúde do trabalhador rural. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem, [s.l.], v. 20, n. 1, p.99-105, 2016. GN1 Genesis Network. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160014.

5 Ler mais

ACESSIBILIDADE DO HOMEM JOVEM/ADULTO TRABALHADOR RURAL NA SAÚDE PÚBLICA

ACESSIBILIDADE DO HOMEM JOVEM/ADULTO TRABALHADOR RURAL NA SAÚDE PÚBLICA

Participaram do estudo dez trabalhadores rurais cadastrados no Programa Saúde da Família (PSF) rural e residentes em São Bento Abade. Adotou-se a entrevista semiestruturada como técnica de coleta de dados, sendo a seleção dos sujeitos efetuada por sorteio aleatório. Assim, solicitou-se ao profissional de enfermagem a listagem com os nomes dos homens residentes na região, sendo cada um deles escritos em papéis individuais e sorteados pela enfermeira da Unidade. Os critérios de elegibilidade incluíram: homem com idade entre 20 a 59 e ser trabalhador rural residente no município.
Mostrar mais

9 Ler mais

O efeito trabalhador adicional para filhos no Brasil.

O efeito trabalhador adicional para filhos no Brasil.

O objetivo deste trabalho é testar a hipótese da existência do efeito trabalhador adicional para ilhos no Brasil, procurando identiicar se a situação de desemprego do chefe de família fará com que algum membro da família, cuja condição seja ilho, transite para a População Economicamente Ativa – PEA. A base de dados utilizada foi a Pesquisa Mensal de Emprego – PME realizada pelo IBGE, que permite a construção de painéis para análise longitudinal de dados. A hipótese foi testada para pelo menos um ilho com idade de 10 a 18 anos, entre 2002 e 2013, para as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, que compõem a área de abrangência da PME. Este trabalho admite a existência de diferencial por sexo do chefe para o efeito trabalhador adicional de ilhos de 10 a 18 anos. Os resultados mostraram haver um efeito positivo maior para chefes homens do que para chefes mulheres, sendo que a variável de transição do ilho para a atividade não apresentou signiicância estatística que permitisse assumir a existência do efeito. Corroborou-se a hipótese da existência de diferencial por sexo, contudo no sentido oposto ao da hipótese assumida.
Mostrar mais

22 Ler mais

Avaliação da condição respiratória em população rural exposta a agrotóxicos no município...

Avaliação da condição respiratória em população rural exposta a agrotóxicos no município...

A população rural avaliada tem a sua economia baseada na agricultura familiar químico-dependente, principalmente com a utilização de produtos pertencentes aos grupos CM, piretróides, diamidas, OF, neonicotinóides, glicinas, avermectinas, nitrilas, bipiridilios, e benzimidazol. Dos produtos citados pelos agricultores como sendo os mais utilizados, alguns não são permitidos para os principais cultivos realizados em SJU e um deles (organoclorado) está proibido no Brasil desde 2013. Esta população possui uma baixa percepção do risco dos agrotóxicos à saúde humana e ao meio ambiente e a maioria está exposta ocupacionalmente e ambientalmente aos agrotóxicos, principalmente no período da safra, desde tenra idade e nunca recebeu nenhum treinamento ou orientação técnica sobre a quantidade a ser usada e meios de utilização seguros.
Mostrar mais

113 Ler mais

A SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR RURAL EM UMA GRANJA DE SUÍNOS: SETOR GESTAÇÃO E MATERNIDADE

A SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR RURAL EM UMA GRANJA DE SUÍNOS: SETOR GESTAÇÃO E MATERNIDADE

O objetivo geral do estudo foi avaliar as condições de saúde e segurança do trabalhador rural no manejo de suínos no setor de gestação e maternidade. Buscou-se alcançar tal objetivo utilizando-se como base teórica o estudo realizado na área da saúde e segurança. Entretanto, são incipientes as pesquisas relacionadas à preocupação atual associada ao o ambiente laboral e as condições ambientais onde está inserido o trabalhador rural. Em termos metodológicos o estudo foi classificado como qualitativo e descritivo. As fontes primárias e secundárias foram à base da pesquisa. A coleta de dados se deu através de estudo in loco, com entrevista semi- estruturada com o proprietário e o gestor encarregado da granja de suínos localizada na linha Guaçu - Vila Nova - Toledo – Paraná. Em relação aos resultados constatou-se que através da pesquisa e das respostas obtidas com as entrevistas, que, existem, sim, alguns riscos no trabalho executado pelos trabalhadores. No entanto, há uma preocupação para que o trabalho seja realizado com segurança, mantendo e controle da saúde ocupacional dos trabalhadores, seguido do uso regular dos EPIs (equipamento de proteção individual). Desse modo, sugere- se mais ênfase nos treinamentos, com o apoio do sindicato rural em parceria com empresa especializada na medicina ocupacional que oferece treinamento e assessoria em geral.
Mostrar mais

11 Ler mais

Show all 10000 documents...