Top PDF Avaliação de desempenho mecânico e de durabilidade em concretos produzidos com resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente (RBROTT)

Avaliação de desempenho mecânico e de durabilidade em concretos produzidos com resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente (RBROTT)

Avaliação de desempenho mecânico e de durabilidade em concretos produzidos com resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente (RBROTT)

A produção mundial de rochas ornamentais no ano de 2014 foi de 136,5 milhões de toneladas. Considerando que cerca de 25% dos blocos são transformados em resíduo devido ao processo de beneficiamento, estima-se que aproximadamente 35 milhões de toneladas de resíduo foram gerados. Caracterizado como um material não-reativo, o resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais (RBRO) atua apenas como um fíler dentro de matrizes cimentícias. Porém, após passar por tratamento térmico a 1200ºC, ele passa a se tornar um material vítreo, que quando finamente moído apresenta características de um material pozolânico. Portanto, o resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente (RBROTT) passa a ser reativo, combinando-se quimicamente com compostos hidratados da pasta de cimento. Com o intuito de avaliar características de durabilidade em concretos de alto desempenho, foram produzidos concretos adicionando 10, 15 e 20% de RBROTT em relação à massa de cimento e concretos substituindo parcialmente o cimento pelo RBROTT nos teores 10, 15 e 20%. Foi avaliada a influência do RBROTT na trabalhabilidade, resistência à compressão, absorção de água e também na proteção contra a corrosão das armaduras. A utilização do RBROTT se mostrou eficiente tanto na adição como na substituição do cimento, aumentando a resistência à compressão em até 46%, reduzindo a absorção em 39% e aumentando a proteção contra a corrosão em até 90%. Os concretos com melhor desempenho foram os com adição de 20% de RBROTT e substituição de 20%.
Mostrar mais

125 Ler mais

Contribuição ao estudo do comportamento de concretos produzidos com resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente em relação aos aspectos mecânicos e de durabilidade.

Contribuição ao estudo do comportamento de concretos produzidos com resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente em relação aos aspectos mecânicos e de durabilidade.

O Brasil é um grande produtor de rochas ornamentais, tendo como principal estado produtor o Espírito Santo. No processo de beneficiamento das rochas cerca de 30% do volume total do bloco se transforma em resíduo. Muitos trabalhos já utilizaram esse resíduo em matrizes cimentícias, aplicando-o como um material capaz de preencher parcialmente os poros da matriz cimentícia (efeito fíler). Porém, esses estudos vêm sendo desenvolvidos há duas décadas e até o presente momento a indústria da construção civil não absorveu o resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais (RBRO), que continua a ser um passivo ambiental. Visando melhorar as propriedades desse material, o presente estudo tratou-o termicamente a 1200°C. O resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais tratado termicamente (RBROTT) foi submetido a diversos ensaios de caracterização, dentre eles foram realizados ensaios para determinação da atividade pozolânica segundo a NBR 12653 (ABNT, 2015). Foram confeccionados concretos com 0%, 5% e 10% de adição do RBROTT com o objetivo de avaliar a influência dessa adição sobre a resistência mecânica dos concretos e também avaliar a durabilidade dos mesmos, tendo como foco a penetração de íons cloreto.
Mostrar mais

168 Ler mais

Avaliação do ciclo de vida da utilização do resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais em materiais de construção civil à base de cimento.

Avaliação do ciclo de vida da utilização do resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais em materiais de construção civil à base de cimento.

Estudos técnicos laboratoriais demonstram a viabilidade da utilização do resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais (RBRO) para a fabricação de materiais de construção civil. Porém, referente ao aspecto ambiental, ainda há necessidade de justificar seu uso por uma ótica adequada. Portanto, este estudo apresenta a avaliação do ciclo de vida (ACV) do uso do RBRO para produção de materiais de construção civil à base de cimento, visando avaliar a influência do RBRO nos indicadores de impactos ambientais. Ao todo, 127 traços de materiais são analisados, como argamassas, concretos, blocos de vedação e pavimentação. Os impactos do processo de secagem e logística do RBRO são apresentados, bem como de sua queima para produção do resíduo tratado termicamente (RBROTT). O RBRO apresenta-se como uma boa alternativa para redução de impacto ambiental no estado do Espírito Santo (ES), substituindo o fíler calcário, a areia ou pó de pedra. Ele possui potencial para ser utilizado como substituição parcial ao cimento e apresentou resultados satisfatórios quando utilizado em altos teores (acima de 50%) na produção de argamassas de revestimento, assentamento e de concreto autoadensável. Os resultados também mostram que alternativas de secagem artificial implicam em um grande aumento do impacto, e que a queima produz um material (RBROTT) com característica vítrea, possível pozolana, com impacto similar ao do cimento CP II-E. Para produção dos traços, a substituição do cimento foi a abordagem mais comumente utilizada, causando reduções dos indicadores de impacto ambiental de 7,7 a 9,0% a cada 10% de RBRO.
Mostrar mais

161 Ler mais

Contribuição ao estudo da durabilidade de concretos produzidos com a incorporação de resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais

Contribuição ao estudo da durabilidade de concretos produzidos com a incorporação de resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais

A construção civil é uma indústria que consome volume significativo de recursos naturais, no entanto, possui potencial expressivo de aproveitamento de resíduos para a produção de materiais de construção. A utilização de subprodutos industriais apresenta-se como uma contribuição para a otimização de insumos e consequentemente para o desenvolvimento sustentável. O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de rochas ornamentais, sendo o Espírito Santo o estado brasileiro com maior representatividade no setor. Para produzir as chapas, os blocos de rocha são serrados em teares, transformando aproximadamente 25% do bloco em resíduo. Este consiste em uma lama que passa por filtros e precisa ser descartada. Devido ao montante de resíduo gerado e aos custos e dificuldades para destinação, este material tem sido alvo de estudos para sua utilização na construção civil há vários anos. Diante disso, este trabalho teve como objetivo investigar a influência da incorporação de resíduo do beneficiamento de rochas ornamentais (RBRO) sobre propriedades ligadas à durabilidade do concreto, em especial aquelas relacionadas com a resistência à agentes agressivos externos do tipo íons sulfato. Para isso, os concretos foram produzidos com três diferentes relações água/cimento (0,45; 0,55 e 0,65) e adição do RBRO em relação à massa de cimento em teores de 5%, 10% e 15%, além do concreto de referência. Foram analisadas propriedades no estado fresco, trabalhabilidade e massa específica, e no estado endurecido, resistência à compressão axial, absorção de água por capilaridade e por imersão além das análises microestrutural. Para o ensaio de degradação acelerada foi utilizado o sulfato de magnésio. Os concretos foram submetidos a ciclos de imersão e secagem e, ao final, sua resistência à compressão foi medida. Os concretos com 5% de resíduo apresentaram os melhores resultados quanto ao desempenho mecânico, com valores acima dos concretos de referência, para todas as relações a/c. Nos concretos agredidos verificou-se uma microfissuração superficial típica do ataque por sulfatos, além da constatação do consumo de hidróxido de cálcio e possível presença de etringita, através do EDS. No entanto, os resultados indicam o efeito positivo do uso do RBRO na resistência ao ataque de sulfatos em teores de 5% de adição.
Mostrar mais

163 Ler mais

Briquetagem da granalha de aço recuperada do resíduo de rochas ornamentais.

Briquetagem da granalha de aço recuperada do resíduo de rochas ornamentais.

Brinck, 2004; Cunha et al., 2006). Estudos comparativos entre vários ligantes para a produção de briquetes de óxido de ferro foram realizados por Cas- sola et al (2000). Os briquetes produzidos sem ligantes apresentaram uma resistência à compressão a seco de 2,45 kN. A adição de 2% em peso de melaço confere aos briquetes uma resistência à compressão da ordem de 3,92 kN. Já a resistência com 2% de cal é da ordem de 5,29 kN. Com relação à umidade, foi constatada que a umidade ideal é 7% (Cassola et al., 2000). Lubriicantes têm a função de diminuir o coeiciente de atrito entre partículas individuais do aglomerado ou entre a superfície do aglomerado com a superfície dos rolos de compressão. Lubriicantes podem ser utilizados, tanto misturados com o material a ser aglomerado, como utilizado externamente nas superfícies de conformação.
Mostrar mais

5 Ler mais

Tratamento térmico da lama do beneficiamento de rochas ornamentais: aplicação como pozolana em matrizes cimentícias

Tratamento térmico da lama do beneficiamento de rochas ornamentais: aplicação como pozolana em matrizes cimentícias

O Brasil ocupa posição de destaque na produção mundial de rochas ornamentais, de forma que este setor contribui de forma positiva para o desenvolvimento econômico do país. Em contrapartia, o processo de beneficiamento de rochas ornamentais gera um volume significativo de resíduo, principalmente na etapa do beneficiamento, com a transformação dos blocos em chapas. O desdobramento dos blocos de rocha pode ser feito usando teares tradicionais, (que usam lâminas metálicas regadas por uma polpa abrasiva composta de água, cal, pó de rocha e granalha de aço) ou usando teares multifios (onde fios diamantados cortam os blocos com aspersão de água). A lama gerada nestes dois processos de desdobramento é separada em duas categorias, tais como resíduo com granalha e resíduo sem granalha de aço, sendo somado a este último o resíduo de polimento que são destinados a aterros, demandando métodos de reciclagem dado seu impacto ambiental.
Mostrar mais

214 Ler mais

Efeitos do resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais e escória de aciaria como fíleres na rigidez viscoelástica linear e características de fratura da matriz de agregados finos

Efeitos do resíduo de beneficiamento de rochas ornamentais e escória de aciaria como fíleres na rigidez viscoelástica linear e características de fratura da matriz de agregados finos

Com o objetivo de fazer a avaliação reológica, em uma menor escala, da adição dos resíduos RBRO e EMA em misturas asfálticas, Cosme (2015) analisou o desempenho dos mástiques com estes resíduos, realizando ensaios de RTFOT, PAV, Viscosímetro Brookfield, varredura de frequência, varredura de deformação e o ensaio oscilatório de fluência e recuperação. Fixando o teor de ligante e variando a percentagem de fíler adicionado, o autor avaliou a influência destes resíduos nos teores fíler/betume de 0,36, 0,54 e 0,72 e comparou com o desempenho do ligante puro (CAP 50/70). Concluiu-se, no geral, que a utilização dos resíduos melhorou o comportamento reológico do CAP, onde o resíduo de EMA proporcionou um aumento da rigidez e apresentou uma maior elasticidade quando comparado ao ligante puro ou ao mástique com RBRO, contribuindo para um ligante menos suscetível à deformação permanente e à fadiga. Fazendo uma análise dos resultados para a relação f/b=0,36, observou-se para mástiques com adição de RBRO+EMA (50% de cada resíduo), melhores resultados de recuperação (R) e compilâncias não-recuperáveis (Jnr), concluindo-se que este mástique apresenta menor suscetibilidade a deformação permanente e maior recuperação elástica. Estes resultados corroboram com o resultado obtido para o G*, visto que, o mástique RBRO+EMA apresentou maior rigidez.
Mostrar mais

122 Ler mais

Estudo da molhabilidade de vidrado composto de resíduo de rochas ornamentais em cerâmica vermelha

Estudo da molhabilidade de vidrado composto de resíduo de rochas ornamentais em cerâmica vermelha

O segmento de rochas ornamentais gera grande quantidade de resíduos sólidos e uma alternativa para reduzir esse passivo ambiental é a sua utilização na produção de vidrados. O objetivo deste trabalho foi estudar a molhabilidade do vidrado composto de resíduos de rochas ornamentais em cerâmica vermelha, empregando o método da Gota Séssil. Foram estudadas seis composições do vidrado contendo de 49 - 77% de resíduo. O vidrado foi prensado na dimensão de 3mm x 3mm x 3mm e colocado sobre uma placa de cerâmica vermelha sinterizada, e ambos foram aquecidos até a temperatura de 1100ºC. A fusão e a formação da gota líquida do vidrado sobre a cerâmica foram acompanhadas por imagens obtidas de uma câmera fotográfica acoplada ao forno. Pela análise dessas imagens foram obtidos os ângulos de contato em função da temperatura, e os ensaios foram repetidos em isotermas específicas para avaliar a cinética de transformação. Os ângulos de contatos a 1100ºC variaram de 9 - 98º dependendo da composição, indicando que alguns vidrados molham satisfatoriamente a superfície da cerâmica vermelha enquanto outros não espalham, e portanto, não seriam indicados como composição para cerâmica de revestimento. A interface entre o vidrado e a cerâmica vermelha apresentou interação física, não indicando camada reacional entre os constituintes.
Mostrar mais

72 Ler mais

Tratamento térmico da lama do beneficiamento de rochas ornamentais: aplicação como pozolana em matrizes cimentícias.

Tratamento térmico da lama do beneficiamento de rochas ornamentais: aplicação como pozolana em matrizes cimentícias.

Quanto à resistência à compressão axial, como pode ser visualizado no gráico da Figura 4, analisando em termos de valores absolutos, as argamassas com substituição de cimento por resíduo obtiveram resultados inferiores aos da AREF. As ALGf e ALDf apresentaram valores de resistência mais próximos à AREF. Veriicou-se, anali- sando somente a idade de 91 dias, que os equivalentes percentu- ais em relação à AREF variaram de 74,4 % a 95,7 %, sendo que as argamassa com valores mais próximos a AREF foram ALG 5, ALGf 5 e ALGf 10. Isto pode ser explicado pelo efeito fíler com o baixo percentual de substituição na ALG 5, e nas ALGfs pode-se atribuir o desempenho à atividade pozolânica com o cimento dos resíduos que receberam tratamento térmico. Ainda que não se pos- sa comprovar neste trabalho, espera-se uma tendência de aumento de resistência à compressão axial nas argamassas que utilizaram resíduos com tratamento térmico, de tal forma que se seja possível alcançar resistências muito próximas ou iguais às da AREF, prin- cipalmente com menores teores de substituição, considerando o efeito tardio das reações pozolânicas, consequência da produção de silicato de cálcio hidratado (C-S-H) nestas fases [1].
Mostrar mais

12 Ler mais

Durabilidade de concretos com resíduo de marmoraria sob a ação combinada de carbonatação e cloretos

Durabilidade de concretos com resíduo de marmoraria sob a ação combinada de carbonatação e cloretos

O processo de beneficiamento de rochas ornamentais, que supre as demandas do mercado da construção civil, gera enorme quantidade de resíduo de marmoraria. Logo, este tema tem a importância social de dar uma destinação nobre a este resíduo. A elevada finura do resíduo de marmoraria é capaz de proporcionar um melhor preenchimento dos vazios dos concretos e melhorar o empacotamento granulométrico. Portanto, esta pesquisa tem como objetivo avaliar a durabilidade dos concretos convencionais com diferentes teores de substituição de cimento Portland por resíduo de marmoraria (0, 5, 10, 15, 20 e 25%). Para isso, foram verificadas as propriedades no estado fresco: massa específica e consistência pelo abatimento do tronco de cone. Também foram verificadas as propriedades no estado endurecido, como as propriedades mecânicas de resistência à compressão simples, resistência à tração por compressão diametral e módulo de elasticidade à compressão. Para avaliação da durabilidade, foram realizados os ensaios de porosimetria por intrusão de mercúrio, análise termogravimétrica, absorção de água por imersão, absorção de água por capilaridade, velocidade de onda ultrassônica, resistividade elétrica superficial, migração de cloretos no estado não estacionário, carbonatação acelerada e carbonatação combinada com cloretos. Como se trabalhou com resíduo de marmoraria em substituição ao cimento Portland, foi observada, em geral, uma redução muito pequena nas propriedades do estado fresco e estado endurecido, atendendo aos requisitos exigidos para concretos submetidos a ambientes de forte agressividade, sujeitos à ação combinada de carbonatação e cloretos. Vale destacar que o teor de 5% de substituição cimentícia obteve qualidade equivalente ao traço de controle em todos os ensaios.
Mostrar mais

145 Ler mais

Análise experimental da durabilidade de concretos de alto desempenho com adição de resíduo de borracha de pneu e cinza da casca de arroz

Análise experimental da durabilidade de concretos de alto desempenho com adição de resíduo de borracha de pneu e cinza da casca de arroz

Segundo o Arroz (2008), o país possui uma das maiores safras mundiais de arroz, sendo que a safra de 2007/8 atingiu mais de 11 milhões de toneladas de grãos em casca produzidos. Somente com a safra dos dez maiores produtores de arroz no mundo são mais de 600 milhões de toneladas por ano. Para ressaltar a importância da utilização deste resíduo, a cinza da casca de arroz (CCA) corres- ponde a 4 % do peso do arroz em casca, aparentemente um valor não expressi- vo, mas em relação à produção mundial nota-se a sua grandeza e potencialidade. Os pneus quando descartados a céu aberto, representam danos à natureza sendo que o tempo para sua decomposição é por volta de 600 anos, além do a- cúmulo de água gerando doenças (COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEA- RÁ - CAGECE, 2007). O Brasil ainda encontra um grande desafio para conseguir dar finalidade adequada aos pneus em seu território, pois são mais de 40 milhões produzidos a cada ano e quase a metade acaba sendo descartado (AMBIENTE BRASIL, 2007).
Mostrar mais

126 Ler mais

Influência de parâmetros microestruturais na durabilidade de concretos leves produzidos com argila expandida

Influência de parâmetros microestruturais na durabilidade de concretos leves produzidos com argila expandida

O presente trabalho tem como objetivo avaliar a influência de parâmetros microestruturais, como a porosidade e a zona de transição entre o agregado graúdo e a matriz de ci[r]

187 Ler mais

O USO DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL COMO SUBSTITUTO DE AGREGADOS NATURAIS EM CONCRETOS: AVALIAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS DE DURABILIDADE

O USO DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL COMO SUBSTITUTO DE AGREGADOS NATURAIS EM CONCRETOS: AVALIAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS DE DURABILIDADE

A exploração de recursos, em particular recursos não renováveis, pelo setor da construção civil têm como consequência a geração de milhões de toneladas de resíduos de construção e demolição (RCC) a cada ano (SILVA et al., 2014). Em países que não possuem planos de manejo e processamento desses materiais, eles são direcionados a aterros sanitários, quando poderiam e deveriam ser reutilizados e reciclados em novas construções (SILVA et al., 2014). Em contraposição a isso, em países como no Reino Unido, Portugal, Espanha, Alemanha, Japão, China, Holanda, Bélgica e Dinamarca (BEHERA et al., 2014) tem sido empregado o resíduo de construção civil na produção de concretos e, na maioria, já foram desenvolvidos normativos que abordam as especificidades desse material, como é o caso de Hong Kong (ETWB TCW No. 24/2004 ), Reino Unido (BS EN 206:2013) e Espanha (ANNEX 15 – Recomendations for the utilization of recycled aggregate concrete (EHE -08)).
Mostrar mais

132 Ler mais

Dosagem de concretos produzidos com agregado miúdo reciclado de resíduo da construção civil.

Dosagem de concretos produzidos com agregado miúdo reciclado de resíduo da construção civil.

Os procedimentos utilizados para a realização da pesquisa experimental estão divididos em quatro etapas principais. A primeira é a fase preparatória, em que foi coletada e preparada a amostra utilizada na pesquisa. A segunda etapa corresponde à caracterização do agregado natural, reciclado e aglomerante, utilizados para a preparação do concreto, por meio de ensaios laboratoriais. Na terceira, realizou-se a dosagem experimental do concreto convencional e reciclado, com teores de substituição de 0%, 50% e 100% em massa, e moldados corpos de prova cilíndricos para o estudo das características do concreto produzido com agregado natural e reciclado. E, por fim, após a realização dos ensaios do concreto no estado fresco e endurecido, foram montados diagramas de dosagens e modelos matemáticos que possibilitaram conhecer as correlações entre as propriedades mecânicas dos concretos e as variáveis que influenciam esses parâmetros.
Mostrar mais

13 Ler mais

Avaliação da potencialidade de rochas xistosas para aplicações como rochas ornamentais e de revestimento

Avaliação da potencialidade de rochas xistosas para aplicações como rochas ornamentais e de revestimento

Entre as rochas avaliadas, houve pouca variação para os valores de dilatação térmica linear. O granada-cianita-moscovita-clorita-quartzo xisto, coletado próximo a Passagem de Mariana, apresentou o menor valor, com 8,2 x 10 -3 mm/mºC nos ensaios realizados com corpos-de-prova com eixo paralelo à foliação e 8,0 x 10 -3 mm/mºC nos ensaios com eixo perpendicular à foliação. No conjunto, as amostras coletadas desse litotipo são as mais alteradas. Entre as rochas peraluminosas sãs, o folhelho e cordierita-andaluzita-moscovita- biotita-quartzo xisto foram as que apresentaram os menores valores de dilatação, apesar de estarem em extremos opostos, em termos de tamanho de grãos, respectivamente com 4 μm e 80 μm para os cristais de quartzo. Os litotipos com maiores valores de dilatação térmica linear foram o granada-estaurolita-clorita-moscovita-quartzo xisto, coletado próximo a Araçuaí, o xisto verde, coletado próximo a Caeté, e o xisto ultramáfico coletado próximo a Serro. Estas três rochas diferem muito em termos composicionais e texturais. O estaurolita-granada- clorita-biotita-quartzo xisto possui a menor porosidade e o maior percentual de filossilicatos entre as rochas peraluminosas estudadas, com 50-55% contra valores de 45-50% para o restante do conjunto. Já o xisto verde e o xisto ultramáfico apresentam minerais carbonáticos, com 20-25% e 30-40%, respectivamente. Para todas as rochas avaliadas neste estudo, os valores de coeficientes de dilatação térmica linear estão abaixo de 10 x 10-3 mm/mºC. Embora os valores de dilatação térmica nos xistos sejam de 17% a 37% maiores que aqueles valores médios para as rochas graníticas brasileiras (Tabela 5.1), esses não ultrapassam o valor limítrofe estipulado por Frazão (2002) para rochas silicáticas, que é de 12 x 10 -3 mm/mºC. Assim, para esta propriedade tecnológica, as rochas foliadas estudadas mostraram- se qualificadas para sua aplicação como rochas ornamentais.
Mostrar mais

197 Ler mais

Beneficiamento de rochas ornamentais: análise das possibilidades de reuso dos resíduos em unidades especializadas na região metropolitana de Salvador

Beneficiamento de rochas ornamentais: análise das possibilidades de reuso dos resíduos em unidades especializadas na região metropolitana de Salvador

Este trabalho teve como fundamento principal o reaproveitamento dos resíduos de rochas ornamentais e sua aplicação na teoria econômica, legislativa e também no modelo de negócio Canvas. Esta visão integrada aos resíduos e o modelo de negócio Canvas pode ser aplicado em toda a cadeia produtiva do setor pois ao analisar a Figura 1 pode-se dizer que no momento da extração, ou seja, na lavra existe perdas que são inevitáveis pois o método pode proporcionar desperdício de uma quantidade considerável de rochas. Segundo Vidal e outros (2014) o método aplicado na lavra não significa que a empresa não apresentou os devidos cuidados e precauções, mas devido as condições geológicas, estruturais que são favoráveis para a empresa podem geram consequências positivas ou negativas. Sendo assim, pode-se dizer que em determinados casos isolados neste ambiente prevalecem condições que são ambientalmente importantes para o desenvolvimento da atividade.
Mostrar mais

68 Ler mais

Estudo da viabilidade da produção de blocos com utilização de resíduo de serragem de rochas ornamentais para alvenaria de vedação.

Estudo da viabilidade da produção de blocos com utilização de resíduo de serragem de rochas ornamentais para alvenaria de vedação.

O Brasil é o quinto produtor de rochas ornamentais no mundo, tendo os Estados do Espírito Santo, Bahia, Ceará e Paraíba como maiores produtores. Nesse setor, a geração de resíduo durante o beneiciamento é bastante signiicativa. Considerando que a produção de rochas ornamentais em 2004 foi de 6.450.000 toneladas, o volume estimado de resíduos nas etapas do beneiciamento é de 1.610.000t/ano (Chiodi Filho, 2005). Atualmente esse resíduo vem sendo depositado no pátio das empresas, o que implica custo para as mesmas. De modo geral, a geração de resíduos sólidos tem sido um dos grandes problemas enfrentados pelas indústrias nacionais e internacionais, sobretudo no que se refere ao descarte e manuseio adequados destes resíduos, por ser, geralmente, custoso e de difícil implementação. Nesse estudo, avalia-se a viabilidade de utilização do resíduo de serragem de rochas ornamentais (RSRO), na produção de blo- cos pré-moldadoss para alvenaria de vedação. O RSRO foi utilizado em substituição parcial do cimento, nos teores de 5%, 10% e 15%, em massa. Os blocos produzidos foram avaliados quanto à resistência à compressão e à absorção. Os resultados apon- tam para a viabilidade da utilização do RSRO como substituição parcial do cimento.
Mostrar mais

8 Ler mais

Estudo da durabilidade de concretos autoadensáveis de alto desempenho com aditivos mitigadores de retração

Estudo da durabilidade de concretos autoadensáveis de alto desempenho com aditivos mitigadores de retração

A durabilidade do concreto é fortemente dependente da facilidade com que líquidos e gases podem entrar e se mover no concreto, isto é comumente conhecido como a permeabilidade do concreto. Porém permeabilidade se refere ao mecanismo de transporte onde o fluxo do fluido ocorre sobre pressão externa, além deste mecanismo existem também a difusão e a absorção capilar. A difusão ocorre quando há diferenças de concentração dos elementos, sendo que a direção do movimento é do lugar de maior concentração para o de menor. Os gases difundem pelos espaços preenchidos com água ou com ar, porém o processo é 10 4 a 10 5 vezes mais lento na água. Absorção capilar é o resultado do movimento capilar nos poros do concreto que estão abertos ao meio ambiente, portanto a absorção capilar somente acontece em concretos parcialmente secos, não há absorção capilar em concretos completamente secos ou saturados em água (NEVILLE, 2011).
Mostrar mais

151 Ler mais

Avaliação do desempenho do aço D6 tratado termicamente e netretado em plasma com gaiola catódica visando aplicação industrial

Avaliação do desempenho do aço D6 tratado termicamente e netretado em plasma com gaiola catódica visando aplicação industrial

ferramenta para trabalho a frio AISI D6, tratado termicamente nas condições: alívio de tensão, tratado termicamente na temperatura de revenimento máximo, temperada e temperada e revenida. Usou-se pressão de 2,5 mbar, temperaturas de 400 e 300ºC com tempo de tratamento de 3 e 4 horas, visando avaliar o seu desempenho em ferramenta de corte (punção) de rabeiras de bicicletas. Estimou-se a dureza, aspectos microestruturais (espessura da camada, interface, tamanho de grão, etc.) e fases cristalinas presentes na superfície. As amostras apresentaram níveis de durezas 243HV, 231HV, 832HV e 653HV para as amostras com alívio de tensão, tratada termicamente na temperatura de revenimento máximo, temperada e temperada e revenida, respectivamente. As melhores condições de nitretação foram 4 horas a 300ºC para as amostras temperadas e revenidas. As mesmas apresentaram uma dureza superficial em torno de 1000HV e 100µm de espessura para a camada nitretada.
Mostrar mais

76 Ler mais

Avaliação da alterabilidade e da exalação do gás radônio em rochas ornamentais

Avaliação da alterabilidade e da exalação do gás radônio em rochas ornamentais

A presente Tese se baseia no estudo das rochas ornamentais em relação aos seus aspectos de alterabilidade e exalação do gás radioativo radônio, que irão influenciar diretamente na contaminação do ambiente construído no decorrer do seu tempo de uso. Este fato é devido às interações com o meio de onde é instalada a rocha, como exemplo da sua manutenção e limpeza, que implicará no seu padrão estético e estrutural, no qual poderá provocar um aumento da atividade e concentração do gás radônio no ambiente interno. Temas como a qualidade do ar interior relacionada à qualidade de vida do usuário, à radioatividade natural, o perigo do gás radioativo radônio no interior do ambiente construído e às rochas ornamentais como composição e uso na arquitetura são apresentados para embasamento da Tese, auxiliando no entendimento dos ensaios realizados. Para isso, cinco rochas ornamentais foram escolhidas e utilizadas em ensaios de alterabilidade química, ensaios de caraterização física e mecânica e ensaios de caracterização radiométrica a fim de prever o comportamento de uma dada rocha no ambiente ao ser aplicado na arquitetura. O ataque do ácido clorídrico nas rochas diminuiu sua resistência mecânica e aumentou a quantidade de radônio exalado, relacionado diretamente ao aumento da porosidade, aumentando também a eficiência da exalação na rocha. O ataque do hidróxido de potássio diminuiu a resistência das rochas, interferiu na porosidade, diminuindo ou mantendo estável a quantidade de radônio exalado em alguns casos. Demonstra que, mesmo conhecendo o material e a sua contribuição na adição do gás radônio no interior do ambiente, com o passar do tempo a rocha poderá aumentar sua exalação quando não conservadas, podendo aumentar o nível de radônio acumulado no ambiente construído. Com isso, a Tese realça a importância de conhecer o material que irá compor o interior do ambiente afim de prevenir futuros danos à saúde da edificação e dos usuários, facilitando assim o entendimento desses materiais e como interfere na qualidade do ambiente construído.
Mostrar mais

121 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados