Top PDF Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de restinga no Município de Bertioga, SP, Brasil.

Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de restinga no Município de Bertioga, SP, Brasil.

Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de restinga no Município de Bertioga, SP, Brasil.

residencial Riviera de São Lourenço. Para o levantamento fitossociológico foram instaladas 48 parcelas de 10×10 m distribuídas em blocos de 20×30 m e de 10×30 m, onde foram amostrados todos os indivíduos lenhosos com perímetro do caule à altura do peito (PAP) igual ou superior a 10 cm. Foram levantados 893 indivíduos distribuídos em 83 espécies e 31 famílias. As espécies da floresta não inundável com maior valor de importância (VI) foram: Manilkara subsericea (Mart.) Dubard, Amaioua intermedia Mart. ex K. Schum., Didymopanax angustissimum A. Sampaio, Miconia cubatanensis Hoehne, Euterpe edulis Mart., Syagrus pseudococos (Raud.) Glassm., Bactris setosa Mart., Guarea macrophylla Vahl. e Nectandra oppositifolia Ness & Mart. ex Mez. e na floresta inundável: Eriotheca pentaphylla (Vell. emend K. Schum.) A. Robyns, Calophyllum brasiliense Cambess., Syagrus pseudococos, Tabebuia cassinoides (Lam.) DC., Manilkara subsericea, Tabebuia obtusifolia (Cham) Bureau, Didymopanax angustissimum, Sloanea guianensis (Aubl.) Benth. e Amaioua intermedia. O índice de diversidade de Shannon (H’) foi de 3,50 nats/ind. para a floresta inundável e 3,70 nats/ind. para a floresta não inundável.
Mostrar mais

13 Ler mais

Composição e estrutura fitossociológica da regeneração natural na floresta de restinga alta em Picinguaba (Parque Estadual da Serra do Mar) município de Ubatuba, SP, Brasil

Composição e estrutura fitossociológica da regeneração natural na floresta de restinga alta em Picinguaba (Parque Estadual da Serra do Mar) município de Ubatuba, SP, Brasil

Estudos fitossociológicos na planície litorânea de Picinguaba são muito pontuais, restritos ao estrato arbóreo. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo caracterizar a comunidade arbórea e arbustiva que se desenvolve sob o dossel da floresta de restinga alta da planície litorânea do Núcleo Picinguaba (Parque Estadual da Serra do Mar) buscando relacioná-la com algumas características abióticas do local. Procurou-se responder às seguintes questões: 1) Há alguma diferença significativa na composição física e química dos solos que ocorrem sobre e entre os cordões arenosos quaternários?; 2) Se existe essa diferença, ela é refletida na composição e estrutura da comunidade vegetal que se desenvolve sobre esses solos?; 3) As características edáficas da restinga alta estudada influenciam na estrutura da comunidade vegetal de modo a formar mosaicos vegetacionais na área? 4) Pode-se dizer que a floresta de restinga alta estudada no Plot A, devido a sua posição no relevo e suas características estruturais, é semelhante à vegetação de encosta do Núcleo Picinguaba? Utilizou-se o método de parcelas, amostrando todos os indivíduos com menos que 15cm de perímetro na altura do peito (PAP), e altura total igual ou maior que 1,50m. Observou-se a existência de duas unidades geomorfológicas no hectare estudado na restinga, que influenciam tanto na composição do solo quanto na estrutura da comunidade vegetal em regeneração na área. No entanto, não foi observada uma diferença significativa na composição florística sobre e entre os cordões arenosos, havendo apenas uma diferença na densidade da comunidade que se desenvolve sobre essas duas áreas. Concluiu-se que a área estudada na planície litorânea, apesar da posição no relevo e da estrutura florestal, indicativa de uma comunidade mais madura, não é semelhante à vegetação de encosta. Por sinal, tanto a vegetação da restinga alta quanto a vegetação de encosta estudadas apresentaram-se em estágios intermediários de sucessão, indicando que perturbações ambientais são constantes e determinantes na dinâmica sucessional de cada fitocenose.
Mostrar mais

135 Ler mais

Densidade e composição florística do banco de sementes do solo de fragmentos de floresta de restinga no município de Bertioga–SP. Density and floristic composition of soil seed bank from fragments of restinga forest in Bertioga–SP.

Densidade e composição florística do banco de sementes do solo de fragmentos de floresta de restinga no município de Bertioga–SP. Density and floristic composition of soil seed bank from fragments of restinga forest in Bertioga–SP.

As amostras de solo foram coletadas com auxílio de uma espátula, acondicionadas em sacos plásticos etiquetados e transportadas para a Unidade de Beneficiamento e Tecnologia de Sementes do Instituto de Botânica–SP, onde foram colocadas em bandejas de plástico com fundos perfurados, individualizadas por pontos de coleta e dispostas em canteiros a pleno sol, sendo regadas periodicamente. Além das bandejas com o solo coletado no local de estudo, foram instaladas nos canteiros, bandejas-controle, contendo areia esterilizada, a fim de registrar uma eventual contaminação das amostras de solo com a chuva de sementes local.
Mostrar mais

8 Ler mais

Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil.

Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil.

RESUMO – (Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil). O município de Bertioga, no litoral central do Estado de São Paulo, apresenta grandes extensões de restingas ainda preservadas, com reduzido número de coletas de material botânico. A rápida devastação desse tipo de ambiente, por pressão de empreendedores do ramo imobiliário e outras intervenções antrópicas, torna urgente a compilação de dados que subsidiem estratégias conservacionistas. Nesse aspecto, é aqui apresentada a caracterização florística das comunidades vegetais da região que abrange as restingas de Itaguaré, São Lourenço e Guaratuba, situada entre 23º44’-23º46’S e 45º55’-46º02’W. A classificação das comunidades vegetais seguiu, sempre que possível, os critérios estabelecidos pela Resolução CONAMA n. 7/96, legislação ambiental federal, que aprova diretrizes para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de São Paulo. Foram reconhecidas as comunidades vegetais de Praia e Dunas (33 espécies), Escrube (101), Floresta Alta de Restinga (301), Floresta Alta de Restinga Úmida (434) e Vegetação Entre Cordões (45). Foram registradas 611 espécies, representando 351 gêneros distribuídos em 106 famílias, das quais as de maior riqueza específica são: Orchidaceae (47 espécies), Myrtaceae (39), Bromeliaceae (36), Asteraceae (35), Rubiaceae (34), Fabaceae (32), Cyperaceae (23), Melastomataceae (19), Poaceae (19) e Solanaceae (15).
Mostrar mais

26 Ler mais

Composição florística e fitossociológica de três fragmentos de floresta ribeirinha em Ajapi, Rio Claro - SP

Composição florística e fitossociológica de três fragmentos de floresta ribeirinha em Ajapi, Rio Claro - SP

encontram associadas aos corpos d’água, ocorrendo ao longo dos cursos d’água e no entorno de nascentes, formando um mosaico vegetacional. É de vital importância na proteção de mananciais, controlando a chegada de nutrientes, sedimentos e a erosão de ribanceiras, atua na estabilidade térmica e abastece o lençol freático a partir da contenção de águas pluviais, além de exercer um papel fundamental como corredores ecológicos de fluxo gênico animal e vegetal. No Brasil, há legislação que protege tais áreas, entretanto, estas vem sofrendo sistemática degradação por desmatamento, despejo de esgotos domésticos e industriais, canalização e desvio de cursos d’água. O estudo presente teve como objetivo caracterizar a florística e a estrutura fitossociológica de três fragmentos do ambiente ribeirinho localizados na Fazenda Água Branca, em Ajapi, Rio Claro - SP. Através de parcelas de 10x10m, foram amostrados todos os indivíduos com PAP ≥ 10cm. Foram estabelecidas 16 parcelas na vegetação ribeirinha com influência fluvial sazonal ao longo do Ribeirão Claro, tratadas no trabalho como floresta ciliar. Foram estabelecidas 14 parcelas distribuídas em dois fragmentos de vegetação ribeirinha com influência fluvial permanente, tratadas ao longo do trabalho como floresta paludosa. Na mata ciliar, foram amostrados 316 indivíduos, pertencentes a 32 famílias, distribuídos em 74 espécies. As espécies mais importantes foram: Syzygium cuminii, Esenbeckia febrifuga e Croton urucurana. As famílias com maior riqueza foram: Myrtaceae, Fabaceae, Euphorbiaceae e Meliaceae. O índice de diversidade (H’) encontrado foi 3,62; valor esperado para Florestas Estacionais Semideciduais. Na mata paludosa, foram amostrados 469 indivíduos, pertencentes a 34 famílias, distribuídos em 60 espécies. As espécies mais importantes foram: Protium spruceanum, Euterpe edulis e Tapirira guianensis. As famílias com maior riqueza foram: Myrtaceae e Lauraceae. O índice de diversidade (H’) encontrado foi de 3,06. As espécies encontradas foram listadas junto com espécies indicadas pela resolução SMA 08/08, com o intuito de fornecer diretrizes para projetos de restauração florestal na área degradada. Constatou-se que o ambiente ribeirinho estudado apresenta uma grande heterogeneidade, sendo de grande importância medidas de manutenção e conservação destas áreas.
Mostrar mais

76 Ler mais

Caracterização florística e fitossociológica do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta paludosa no Município de Rio Claro (SP), Brasil

Caracterização florística e fitossociológica do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta paludosa no Município de Rio Claro (SP), Brasil

No presente estudo levantou-se a composição da flora e a estrutura fitossociológica do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta paludosa localizada no Município de Rio Claro - SP, visando a análise comparativa da composição florística e estrutural deste estudo com outras florestas paludosas estudadas no interior do Estado de São Paulo. Tendo em vista que o fragmento florestal estudado ocupa um trecho de declividade acentuada, situação que o diferencia dos demais remanescentes até então estudados, e que essa situação lhe confere maior heterogeneidade espacial com relação aos padrões de drenagem e encharcamento hídrico do solo, foram investigadas as seguintes questões: i) a formação estudada mostra-se semelhante às demais florestas paludosas, caracterizadas pelo predomínio estrutural de poucas espécies? Em caso afirmativo, seriam as espécies prevalentes comuns aos outros remanescentes? ii) a composição florística repete os níveis de dissimilaridade em comparação com os demais estudos?
Mostrar mais

10 Ler mais

Composição florística e estrutura fitossociológica de uma floresta estacional semidecidual em Araras, SP

Composição florística e estrutura fitossociológica de uma floresta estacional semidecidual em Araras, SP

As florestas no Brasil, com exceções de capões e faxinais na região Sul e campos de altitude, eram contínuas, porém, as atividades antrópicas, principalmente com a colonização européia, iniciaram um processo de degradação e fragmentação dessas florestas. Os diversos ciclos agrícolas, iniciando com a retirada do Pau-brasil, transformaram a paisagem de modo que restaram somente fragmentos remanescentes de uma floresta contínua. Durante a ocupação da costa brasileira, o desmatamento expandiu-se principalmente com a implementação da cafeicultura, ocupando terras férteis (Martins 1991, Soares et al. 2003). No estado de São Paulo, que possui paisagens fortemente alteradas pela ocupação antrópica, apresentando apenas cerca de 12% de cobertura florestal nativa remanescente (São Paulo 1993), a recuperação de áreas degradadas se configura em uma das principais alternativas para, entre outros aspectos: diminuir o risco de perda de espécies e ecossistemas ameaçados de extinção e resgatar importantes funções perdidas durante o processo de degradação da cobertura florestal – como a função hidrológica, contribuindo para manutenção da quantidade e qualidade dos recursos hídricos (Morellato & Leitão Filho 1995).
Mostrar mais

62 Ler mais

Aspectos da estrutura fitossociológica e silvigenética em fragmentos de floresta...

Aspectos da estrutura fitossociológica e silvigenética em fragmentos de floresta...

polyneuron e A. ramiflorum; na Área B as espécies foram Parapiptadenia rigida, Acacia polyphylla, Celtis iguanaea e Centrolobium tomentosum; na Área C elas foram Croton floribundus, Acacia polyphylla, Tabernaemontana catharinensis e Urera baccifera. As espécies que foram exploradas apresentam a distribuição diamétrica alterada, sem classes de diâmetros grandes ou com classes falhas; outras apenas ocorrem no sub-bosque ( 1,30 m e DAP < 5 cm). O mosaico silvático da Área A possui maior proporção de eco-unidades maduras (37%), sendo a 2A de maior contribuição (26,4%). Na Área B as eco-unidades maduras têm maior proporção (34,6%) seguidas pelas eco-unidades em reorganização (31,3%). Na Área C a maior proporção amostrada foi de eco-unidades em reorganização (42,1%), enquanto que as eco-unidades maduras ocuparam 28,8% do mosaico. Os resultados indicam diferenças sucessionais em cada área amostrada, tanto pelas diferentes histórias de perturbação, quanto pelas características abióticas de cada área. Assim, a Área A apresenta-se mais conservada em relação à diversidade de espécies, maior altura do dossel, maiores diâmetros e maior proporção de eco-unidades maduras; a Área B é uma mata secundária ainda dominada por espécies comuns a fases sucessionais precoces, com mosaico silvático em alto dinamismo; e a Área C é uma mata altamente alterada quanto à sua estrutura e função, com grandes clareiras com alta colonização de trepadeiras e lianas, com tendência à degradação. São sugeridas alternativas de manejo para cada caso.
Mostrar mais

86 Ler mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM ESTRUTURA DE AÇO NA FORMA DE ARCO CIRCULAR E PARABÓLICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM ESTRUTURA DE AÇO NA FORMA DE ARCO CIRCULAR E PARABÓLICO

No caso do Brasil, a empresa líder no setor, possui limitação de curvamento para um raio de até 16000 mm Para valores superiores, o processo de curvamento por indução de alta- frequência possibilita a conformação de “curvas poligonais”, ou seja, o inicio e o fim da peça ficam na mesma posição que a original, apenas a parte central da curva está a uma distância “e”, que corresponde a alguns milímetros da curva original. Caso a distância “e” esteja muito acima do solicitado pelo projeto, pode-se dividir a curva original em várias curvas com raio de até 16000 mm, formando uma curva poligonal e diminuindo cada vez mais a distâ ncia “e”, conforme a Figura 2.7 (GUARNIER, 2009).
Mostrar mais

128 Ler mais

Plano anual de outorga Florestal

Plano anual de outorga Florestal

A FLONA localiza-se a sudoeste do Pará e apresenta logística intermodal. O acesso aéreo é realizado através do aeroporto de Itaituba em direção a Manaus ou Belém. Em relação ao modal rodoviário, Santarém é a principal rota de transporte e escoamento terrestre da região. Por meio da BR-163 e por meio das estradas secundárias, é possível acessar à FLONA. As distâncias da FLONA às sedes municipais são: Trairão – 40 km, Itaituba – 80 km e Rurópolis – 60 km. O acesso fluvial, a partir de Santarém, é feito pelo rio Tapajós. A temperatura média é de 26,7°C e a precipitação média anual está em torno de 1.950 mm. A FLONA encontra-se à margem direita do rio Tapajós e os rios Atapacurá, Tucunará, Branco, Cuparí e Jamanxinzinho encontram-se na área da floresta nacional. Foram identificadas 231 espécies. O volume estimado foi de 235 m³/ha e o volume comercial médio foi de 61,7 m³/ha. As principais espécies comerciais são: cedro-rosa, abiu, ipê-roxo, freijó, grão-de-galo, sucupira, cumaru e jutaí.
Mostrar mais

116 Ler mais

Carla de Barros Reis Diego Resende Martins Lucas Gomes

Carla de Barros Reis Diego Resende Martins Lucas Gomes

De acordo com o modelo de Andersen 28,29 alguns grupos de fatores são importantes para a determinação da utilização de serviços de saúde. O primeiro grupo refere-se aos fatores predisponentes como a composição demográfica. A utilização de serviços de saúde tem um componente forte de ciclo de vida e em geral são percebidas diferenças na longevidade entre grupos socioeconômicos. Além disso, existem diferenças na utilização dos serviços de saúde por sexo: as mulheres tendem a utilizar mais os serviços de saúde tanto por motivos preventivos como em decorrência da função reprodutiva. O segundo grupo refere-se a necessidades de saúde, percebidas ou avaliadas por profissionais de saúde. Indivíduos mais pobres em geral apresentam estado de saúde mais precário do que indivíduos mais favorecidos determinando condições muito diferenciadas de necessidades de cuidados. Nesse sentido, a estimação de um índice de concentração que não considera essas diferenças pode subestimar as desigualdades. O terceiro grupo refere-se aos fatores capacitantes que consistem dos recursos individuais para obter os cuidados da saúde. No contexto brasileiro a cobertura de plano de saúde tem um papel relevante na oferta dos serviços de saúde, sendo importante entender em que medida a presença de cobertura privada é o elemento gerador dessas iniquidades. Os grupos socioeconômicos mais altos têm maior probabilidade de ter plano de saúde determinando dupla entrada no sistema de saúde e, portanto acesso diferenciado.
Mostrar mais

22 Ler mais

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

Registo de Complicações de Interrupção de Gravidez. Definições e modelo de registo – Normas de Orientação Clínica

b. Existem poucos estudos randomizados comparando os dois métodos de intervenção. Contudo, num estudo em que participaram mais de 42 000 mulheres que realizaram uma IG antes das 9 semanas, houve necessidade de intervenção subsequente em 5,9% dos casos de IG medicamentosa e em 0,4% dos casos de IG pelo método cirúrgico. 3

8 Ler mais

MANUAL DE ACOLHIMENTO NO ACESSO AO SISTEMA DE SAÚDE DE CIDADÃOS ESTRANGEIROS – Normas de Orientação Clínica

MANUAL DE ACOLHIMENTO NO ACESSO AO SISTEMA DE SAÚDE DE CIDADÃOS ESTRANGEIROS – Normas de Orientação Clínica

a) Cuidados de saúde urgentes e vitais e de protecção da saúde pública Estrangeiro menor residente em Portugal em situação irregular Cidadão Europeu sem inscrição em qualquer[r]

48 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CAEd - CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

O objetivo desta dissertação consistiu em analisar o processo de elaboração e implementação da Proposta Curricular de Educação Infantil da rede municipal de Juiz de Fora e, a partir dessa análise, formular um Plano de Ação Educacional (PAE), com a finalidade de contribuir com sugestões para o aprimoramento do processo de implementação da referida Proposta neste município. Inicialmente, este trabalho pretendeu analisar os caminhos percorridos na Educação Infantil da rede municipal, movimento que culminou na produção de um documento curricular denominado “Educação Infantil: a construção da prática pedagógica”. Para compreensão da historicidade dessa política, o presente texto abordou a evolução da trajetória e as metodologias eleitas para a constituição da Proposta de Educação Infantil, entregue aos educadores da rede municipal ao final de 2012. Deste modo, foram incluídas as abordagens sobre o panorama da Educação Infantil no Brasil e, em Juiz de Fora, o percurso da estrutura organizacional da Educação Infantil, dentro do organograma da Secretaria de Educação do município (SE/JF), as principais concepções curriculares que influenciaram e ainda influenciam as propostas curriculares no Brasil e, particularmente, as concepções eleitas para compor as orientações curriculares de Juiz de Fora. Posteriormente, através dos olhares de educadores que atuam na gestão administrativa e/ou pedagógica, buscou-se conhecer e analisar os desafios encontrados no contexto da SE/JF e das unidades educacionais em direção à concretização da implementação da Proposta, processo este que se iniciou formalmente no início do ano de 2013. Dessa forma, procurou-se identificar se e como as ações voltadas para a implementação têm ocorrido em cada âmbito da rede municipal. Também foram analisadas as possibilidades e limites existentes, assim como as expectativas apresentadas pelo grupo de profissionais entrevistados. O material colhido durante o processo dialógico, nas entrevistas, foi analisado com base em aporte teórico condizente com o tema. Os resultados das análises indicaram haver necessidade de investimento no processo de implementação da Proposta Curricular na rede municipal de Juiz de Fora e se constituíram como ponto de partida para a fundamentação do desenho das ações e estratégias que compuseram o Plano de Ação Educacional (PAE) elaborado ao final do trabalho.
Mostrar mais

173 Ler mais

Campanha Nacional de Alfabetização

Campanha Nacional de Alfabetização

Nas nossas leituras anteriores, percebemos que muitos trabalhadores hoje assentados e acampados são participantes de uma luta árdua para conseguir um pedaço de terra para viver e trabalhar com a sua família. Vimos também que a luta por uma vida melhor tem levado os trabalhadores a mudarem de lugares, estados municípios e até de um país para outro. Muitos trabalhadores migraram e migram no Brasil na busca de solução para seus problemas, e um desses problemas é luta pela terra. Assim, podemos constatar que a luta pela terra não é recente, ela continua um processo que vem de muito longe.
Mostrar mais

112 Ler mais

Risco Moral no Contexto de Perda da Cobertura de Seguro Ana Carolina Maia Monica Viegas Andrade Flavia Lúcia Chein Feres

Risco Moral no Contexto de Perda da Cobertura de Seguro Ana Carolina Maia Monica Viegas Andrade Flavia Lúcia Chein Feres

O acompanhamento mensal do uso de consultas e exames de diagnose evidenciou um aumento substancial nos meses que antecedem a saída dos beneficiários. Na análise econométrica, estimamos o modelo binomial negativo, por diferentes métodos para dados de painel. Os resultados mostraram a existência de risco moral nos dois tipos de cuidado, observamos um aumento de até 17% nas consultas médicas e de 22% nos exames de diagnose. As consultas começam a aumentar a partir do quinto mês antes da saída da carteira, com pico aos dois meses e a alta de exames se concentra entre um e dois meses antes da saída. Essa diferença mostra que o efeito da proximidade da saída é mais tardio sobre exames do que sobre consultas, reforçando a sequência típica de uso desses tipos de cuidado.
Mostrar mais

20 Ler mais

A GESTÃO DE CONFLITOS NO CONTEXTO ESCOLAR DE LIMEIRA (SP) E A ESTREITA RELAÇÃO COM PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

A GESTÃO DE CONFLITOS NO CONTEXTO ESCOLAR DE LIMEIRA (SP) E A ESTREITA RELAÇÃO COM PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

Os processos administrativos publicados até janeiro de 2010, no município de Limeira, foram apurados pelas “comissões especiais”, ou seja, a cada novo caso surgido, uma comissão diferente era instituída para apurar aquele determinado processo. Seus membros eram indicados pelo Secretário Municipal de Educação, a qual, depois de homologada sua indicação pelo Chefe do Executivo, era publicada por meio de portaria de nomeação, no DOM. Porém, a abertura de processos trouxe um problema para a rede municipal de ensino de Limeira. Devido à obrigatoriedade imposta pelo art. 173 da LC nº 41/91, de se constituírem comissões de sindicâncias/disciplinares, “compostas de três servidores públicos estáveis, de igual ou superior posição hierárquica do sindicado”, (LIMEIRA, 1991, p. 35), quase sempre as designações incidiam sobre os diretores de escola. Em face disso, os diretores atuavam concomitantemente nas duas tarefas, direção/membro de comissão, devido este ser, na época, o único cargo permitido pela hierarquização imposta para apuração dos casos envolvendo os demais servidores lotados na Secretaria de Educação.
Mostrar mais

154 Ler mais

Organização de Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho em Serviços de de Saúde – Normas de Orientação Clínica

Organização de Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho em Serviços de de Saúde – Normas de Orientação Clínica

O circuito geral decorre do DL 503/99 de 20 de Novembro e da Lei 100 de 97 e engloba a participação, registo e notificação dos AT/S. Todas as ocorrências devem ser participadas num prazo de 2 dias úteis. O circuito de participação será diferente no caso de existir ou não serviço de urgência. Caso este exista, o profissional deverá dirigir-se ao serviço de Urgência e efectuar a sua admissão referindo o motivo – AT/S. Seguidamente dirige-se ao Serviço de recursos Humanos para proceder à notificação, no período de dois dias úteis. O profissional deverá dirigir-se sempre ao SSO para caracterização e análise do AT/S e acompanhamento.
Mostrar mais

39 Ler mais

LEÔNIDAS DE SANTANA MARQUES OS FUNDOS DE PASTO DO MUNICÍPIO DE MONTE SANTO (BA) E A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: CONFLITOS E INTERESSES TERRITORIAIS NO CAMPO

LEÔNIDAS DE SANTANA MARQUES OS FUNDOS DE PASTO DO MUNICÍPIO DE MONTE SANTO (BA) E A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: CONFLITOS E INTERESSES TERRITORIAIS NO CAMPO

O debate sobre a questão das comunidades camponesas de Fundo e Fecho de Pasto tem crescido consideravelmente nos últimos anos. Isso pode ser reconhecido como um importante avanço no contexto do pensamento acadêmico que pode inserir de forma mais intensa essa discussão na conjuntura e estrutura agrária nacional. Ainda assim, sentiu-se a necessidade de analisar alguns meandros que perpassam o cotidiano dessas comunidades, principalmente quanto a sua relação com o Estado. Neste sentido, o objetivo geral desta dissertação é analisar as relações entre o processo de luta e resistência das comunidades de Fundo de Pasto e a política de desenvolvimento territorial no município de Monte Santo, estado da Bahia. Com isto, tem- se em conta que compreender a criação dos territórios institucionais (“rurais” e “da cidadania” em escala nacional, e “de identidade” em escala estadual) é problematizar essencialmente a forma de atuação do Estado enquanto agente na produção capitalista do espaço geográfico. Do ponto de vista metodológico, teve-se como fundamento analítico o materialismo histórico-dialético e a perspectiva geográfica da produção do espaço, com centralidade para o conceito de território. A pesquisa baseou-se em uma análise predominantemente qualitativa, utilizando-se de dados primários (entrevistas e grupos focais) e secundários (provenientes de instituições governamentais ou não). Nos primeiros capítulos, considera-se a realidade das comunidades de Fundo de Pasto de uma forma geral, bem como as especificidades do município de Monte Santo. São levados em conta dados quantitativos e históricos da conjuntura agrária, objetivando reconhecer e espacializar as diversas formas como se materializa o conflito pela terra/território camponês localmente. Após isto, considerou-se o processo de internacionalização do capital
Mostrar mais

201 Ler mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIHORIZONTES Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Cláudia Caixeta Gomes

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIHORIZONTES Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Cláudia Caixeta Gomes

Observa-se também que em capitais como Maputo (Moçambique), ainda que tardia e pouco funcional, a gestão de resíduos sólidos urbanos é uma realidade. O município, por meio do poder público, desenvolve os projetos que conta com a participação de organizações não governamentais, que em sua maior parte, possibilita obter benefícios sociais, ambientais e também econômicos. Nesse caso a educação ambiental é considerada fundamental, vez que integra diversos atores, tanto do poder público quanto de diferentes produtores. Os cinco projetos desenvolvidos em Maputo apresentam uma forte relação com os catadores na gestão de resíduos sólidos urbanos, pois, apesar do subsídio ainda ser pouco considerável nas áreas social, ambiental e econômica, suas iniciativas são positivas. É necessário mudar a postura dos atores sociais, porque sem essa mudança não será possível alcançar uma gestão integrada, com estrutura, financiamentos, sensibilização, formação, de forma a construir uma gestão coletiva de resíduos sólidos urbanos (LANGA, 2014).
Mostrar mais

166 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados