Top PDF Efeitos bioestimulantes do laser de baixa potência no processo de reparo.

Efeitos bioestimulantes do laser de baixa potência no processo de reparo.

Efeitos bioestimulantes do laser de baixa potência no processo de reparo.

Apesar de a bioestimulação promovida pelo laser de baixa potência ainda não apresentar eficácia comprovada, a literatura pertinente ao tema e os experimentos realizados parecem indicar claramente a ocorrência de múltiplos efeitos bioestimulantes mediados pelo referido laser, inclusive eventos celulares (proliferação epitelial, endotelial e fibroblástica, elevada síntese colagênica, diferenciação dos fibroblastos em miofibroblastos, movimentação celular dos leucócitos, fibroblastos e células epiteliais e aumento da atividade fagocitária dos macrófagos) e vasculares (angiogênese e vasodilatação), que desempenham importante papel na aceleração do processo de reparo de tecidos injuriados.  imune para favorecer o processo de reparo. 4-6,12,21,22
Mostrar mais

7 Ler mais

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade associado ao Biosilicato® no processo de reparo ósseo em tíbias de ratos

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade associado ao Biosilicato® no processo de reparo ósseo em tíbias de ratos

Objective: Verify the effects of the association between Biosilicate® and ultrasound and, Biosilicate® and laser in bone consolidation process of rats, through the biome- chanical and histological analysis. Methods: Forthy male rats were used. The animals were randomized into four groups (n=10): control group fracture no treated (CGF); group treated with Biosilicate® (BG); group treated with Biosilicate® and laser (BLG); group treated with Biosili- cate® and ultrasound (BUG). Results: The biomechani- cal analysis showed no significant difference among any groups after 14 days post-surgery. In the morphometric analysis, the control group showed moderate presence of new formed bone tissue inside the defects areas and the
Mostrar mais

6 Ler mais

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade no processo de reparo ósseo em tíbia de rato.

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade no processo de reparo ósseo em tíbia de rato.

830nm, 100mW, 120J/cm² (GL). Foram realizados defeitos ósseos circulares com broca de 2 mm de diâmetro nas tíbias dos animais. Os tratamentos foram realizados a cada 48 horas, totalizando sete aplicações e, no 14º dia, os animais foram sacrificados. A tíbia direita foi designada para análise biomecânica, enquanto a esquerda, para análise histológica. Resultados: A análise biomecânica não mostrou diferença estatisticamente significativa entre as propriedades biomecânicas do GC, GL e GUS. Na análise morfométrica, tanto GUS quanto GL apresentaram área de osso neoformado estatisticamente maior em relação ao GC. No entanto, quando as duas modalidades de tratamento foram comparadas, não foram encontradas diferenças estatísticas entre elas. Conclusão: Ambos os recursos utilizados neste estudo foram capazes de acelerar o processo de reparo ósseo em ratos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade associado ao Biosilicato® no processo de reparo ósseo em tíbias de ratos .

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade associado ao Biosilicato® no processo de reparo ósseo em tíbias de ratos .

plexidade, qualquer déficit ocorrido em algum ponto da etapa altera a sequência fisiológica, que pode culminar na deficiência da regeneração e, consequentemente, no atraso da consolidação e mesmo na não-união óssea. É estimado que, ocorram somente nos Estados Unidos, cerca de 6,2 milhões de fraturas, sendo que destas, aproximadamente 5-10% desenvolvem problemas no processo de reparo (1) .

6 Ler mais

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade no processo de reparo ósseo em tíbia de rato

Comparação dos efeitos do laser de baixa potência e do ultrassom de baixa intensidade no processo de reparo ósseo em tíbia de rato

Contextualização: Recursos eletrofísicos, como o ultrassom (US) e a terapia laser de baixa potência (LLLT), vêm sendo cada vez mais utilizados na prática fisioterapêutica. Estudos sugerem que esses recursos são capazes de estimular a proliferação de osteoblastos e a osteogênese no local da fratura, promovendo maior deposição de massa óssea e acelerando o processo de consolidação. Objetivo: Analisar os efeitos do US e da LLLT no processo de consolidação óssea por meio das análises biomecânica e histológica do calo ósseo. Métodos: Foram utilizados 30 ratos machos, distribuídos aleatoriamente em três grupos: grupo controle fratura, sem tratamento (GC); grupo fratura tratado com US pulsado com burst de 1,5 MHz, 200us, 1KHz, 30 mW/cm 2 (GUS) e grupo fratura tratado com laser
Mostrar mais

6 Ler mais

Estudo comparativo utilizando lasers de 685 nm e 830 nm no processo de reparo tecidual em tendões tenotomizados de ratos.

Estudo comparativo utilizando lasers de 685 nm e 830 nm no processo de reparo tecidual em tendões tenotomizados de ratos.

A influência benéfica da LLLT sobre a organização e agregação das fibras colágenas em tendões em processo de reparação ocorre provavelmente devido a fotoestimulação laser de baixa potência com certos comprimentos de onda estimular o reparo tecidual por favorecer a liberação de fatores de crescimento dos fibroblastos e estimular o processo cicatricial. Além disso, estudos prévios sugerem que a fotoestimulação laser aumenta a síntese de ATP pela aceleração na transferência de elétrons na cadeia mitocondrial, (YAAKOBI et al., 1996; ENWEMEKA, 1988; SAPARIA et al., 1986; MESTER et al., 1985; PASSARELLA et al., 1984) promove a produção de ácidos nucleicos, aumenta a divisão celular (YAAKOBI et al., 1996; PASSARELLA et al., 1984) e facilita os eventos pós-translacionais induzindo a síntese de moléculas de procolágeno (SAPARIA et al., 1986; MESTER et al., 1985; PASSARELLA et al., 1984). Também é reportado que a LLLT aumenta a microvascularização ao mesmo tempo que acelera a proliferação fibroblástica, melhorando assim a qualidade do reparo (LONGO & MESTER, 1998).
Mostrar mais

154 Ler mais

Fotoengenharia do processo de reparo ósseo induzido pela laserterapia de baixa potência (GaAlAs) : estudo em fêmures de ratos

Fotoengenharia do processo de reparo ósseo induzido pela laserterapia de baixa potência (GaAlAs) : estudo em fêmures de ratos

The main objective of the present study was to evaluate, through histological and morphometric analysis, the biomodulation process of bone repair on the periosteum, endosteum and medullary regions in femorals cavities of mice, which were submitted to diode infrared laser radiation (GaAlAs). 30 male mice Wistar were used, weighing between 350 and 550 grams, distributed randomly in two groups, the control (GI) and the experimental one (GII) and six subgroups in accordance with the period of observation of the animals. For the groups, control and experimental, there has been designated each 13 and 14 animals, respectively. The experimental groups received low power Laser therapy (LLLT), in the experimental bone cavity, identified through a Titanium screw, which was previously fixed, 8mm from the cavity. In group GI, a surgical protocol was carried out, without laser application. In groups GII, infrared laser was used ( λ= 830 nm, 6 J/cm 2 , 50mW, 120s) of punctual and continuous potency was used. The radiation period was every 48 hours, initiated immediately after the injury production, in the medullar cavity. The death of the animals occurred on the 07 th , 15 th , 21 st days. For the histological analysis, the routine processing was carried out, with the HE and picrosirius technique. The laminas were studied through descriptive and morphometric analysis. The evaluated tissue phenomenons were the inflammatory answer and bone neoformation. For the morphometric analysis the averages of mineralized new bone had been determined and the anatomical localizations of these had been made. The results achieved by this study demonstrated that in the groups where laser was used in the experimental bone cavity (GII) the bone healing was quantitatively better if compared to the results achieved by GI, with evidences of bigger maturation of organic bone matrix and standards of osteogenesis in more advanced periods of training in the initial periods of the experiment. However, according to morphometric analysis, the positive biomodulation was presented bigger when comparative to the groups not submitted to the LLLT. The histomorphometric mapping evidenced the production of stimulations positive biomodulation only in the localization of periosteum, thus denoting, greater potential of penetration, stimulation and acceleration of the bone consolidation in the cortical region of the bone defect. The results led to the conclusion that the use of low power laser therapy with this protocol causes positive biomodulation effects on the healing process on periosteum and can be used as coadjuvant in the bone repair process.
Mostrar mais

155 Ler mais

Efeitos da terapia laser de baixa potência sobre o reparo ósseo: avaliação do osso submetido à radioterapia e do efeito sistêmico

Efeitos da terapia laser de baixa potência sobre o reparo ósseo: avaliação do osso submetido à radioterapia e do efeito sistêmico

A laserterapia de baixa potência (LTBP) tem sido utilizada para acelerar o processo de reparo no tecido ósseo com resultados positivos; entretanto, não existem estudos que avaliem seu efeito sobre o osso comprometido pela radioterapia. Outra questão importante a ser investigada é a existência de um possível efeito sistêmico sobre o reparo ósseo quando o laser é aplicado distante da área do defeito ósseo cirúrgico. A presente pesquisa teve por objetivo investigar: 1- O efeito da LTBP sobre o reparo ósseo de fêmures previamente submetidos à radioterapia. 2- O efeito sistêmico (dose distante do defeito) da LTBP sobre o reparo ósseo. No primeiro estudo, vinte ratos machos (Rattus norvegicus, Wistar) foram distribuídos em 4 grupos com 5 animais em cada um: grupo I, submetidos à osteotomia no fêmur (OF); grupo II, submetidos à OF e LTBP; grupo III, submetidos à radioterapia no fêmur (RDT) e após 1 mês, à OF e grupo IV, submetidos à RDT e após 1 mês, OF e LTBP. Os grupos II e IV foram submetidos à LTBP (Arsenato de Gálio e Alumínio - GaAlAs, = 830nm; DE = 6J/cm 2 , P = 50mW, t = 120s, e diâmetro do feixe de 0.04cm 2 ) durante a cirurgia e no período pós-operatório, a cada 48 horas. Os animais foram submetidos à eutanásia 7 dias após a cirurgia, o osso avaliado histomorfometricamente com microscopia de luz. O reparo ósseo foi observado somente nos grupos I e II, com um aumento significante no grupo II em comparação com o grupo I (ANOVA, teste de Bonferroni, P<0,001). Esse resultado demonstra o efeito positivo da LTBP no osso normal. Entretanto, não foi possível observar efeito benéfico no osso comprometido pela radiação ionizante. No segundo estudo, quarenta e cinco ratos machos foram distribuídos em 3 grupos com 15 animais em cada: grupo I submetidos à osteotomia no fêmur (OF); grupo II, submetidos à OF e LTBP no fêmur contralateral; grupo III, submetidos à OF e LTBP em ambos os fêmures. Os grupos II e III foram submetidos à mesma LTBP já descrita. Os animais foram eutanasiados nos períodos de 7, 15 e 21 dias após a cirurgia e o osso foi avaliado histomorfometricamente com microscopia de luz. A análise histomorfométrica mostrou no período de 7 dias, um aumento significante de osso neoformado no grupo III em comparação com os grupos I e II (ANOVA, teste de Bonferroni, P<0.005). Nos períodos de 15 e 21 dias a análise histomorfométrica não mostrou diferença entre os grupos. Podemos concluir que a LTBP apresentou um efeito local positivo sobre o reparo ósseo, porém, não foi observado efeito sistêmico.
Mostrar mais

87 Ler mais

Efeitos do laser de baixa potência na incorporação de aloenxerto ósseo triturado

Efeitos do laser de baixa potência na incorporação de aloenxerto ósseo triturado

Objetivo: devido ao aumento da utilização de aloenxertos ósseos nas reabilitações orais avaliou-se o efeito do laser não ablativo no processo de incorporação óssea de aloenxertos triturados. As pesquisas publicadas demonstram que aplicação da laserterapia não ablativa (LLLT) apresenta vantagens no reparo tecidual e no processo de neoformação óssea. Materiais e Métodos: foram utilizados quatro coelhos como doadores do tecido ósseo e realizados aloenxertos e autoenxertos triturados na calvária de 20 coelhos divididos em quatro grupos: dois grupos com LLLT (aloenxerto, autoenxerto e coágulo sanguíneo) e outros dois grupos controle (aloenxerto, autoenxerto e coágulo sanguíneo) sem irradiação. Os animais foram mortos com 35 dias (n=10) e 70 dias (n=10). Os parâmetros de energia empregados foram: aplicação de laser de diodo (AsGaAl), comprimento de onda de 830 nm de 4 J/cm 2 em quatro pontos da calota craniana perfazendo um total de 16 J/cm 2 por aplicação. A dose total do tratamento após as oito aplicações foi de 128 J/cm 2 . Resultados: houve um aumento da deposição de fibras colágenas, da remodelação óssea, vascularização e um menor infiltrado inflamatório nos grupos irradiados nos aloenxertos aos 35 dias quando comparado ao grupo controle alógeno. Aos 70 dias houve uma maior deposição de fibras colágenas e maior preenchimento das lacunas osteocíticas e foi observado diferença estatística significante na remodelação óssea e na vascularização quando comparado ao grupo controle alógeno. Os grupos de autoenxerto com LLLT apresentaram maior preenchimento das lacunas osteocíticas, maior deposição de fibras colágenas e maior remodelação óssea aos 35 e 70 dias. Conclusão: Observou-se através da Microscopia Óptica e de MEV um efeito positivo qualitativo e quantitativo da LLLT, acelerando o processo de osteogênese, incorporação e remodelação de aloenxertos e autoenxertos ósseos triturados.
Mostrar mais

113 Ler mais

Ação da terapia com laser de baixa potência nas fases iniciais do reparo tecidual: princípios básicos.

Ação da terapia com laser de baixa potência nas fases iniciais do reparo tecidual: princípios básicos.

Abstract: O objetivo do estudo foi realizar uma revisão de literatura a respeito da terapia com laser de baixa potência e sua relação com as fases iniciais de reparo. Foram analisados 22 artigos, observou-se a utilização de diferentes doses e comprimentos de ondas (632,8 a 904 nm). Nos estudos in vitro foram utilizadas doses entre 2,2 e 16 J/cm². A dose de 5 J/cm² tem sido apontada como responsável por mudanças significativas in vitro, porém a dose de 16 J/cm² promove efeito inibitório sobre o crescimen- to celular em culturas. Em estudos in vivo, envolvendo animais foram utilizadas doses entre 0,04 a 21 J/cm². Para estudos em humanos foram utilizadas doses entre 1,8 a 16 J/cm². Conclui-se que a terapia com laser de baixa potência exerce efeitos antiinflamatórios importantes nos processos iniciais da cica- trização: redução de mediadores químicos, de citocinas, do edema, diminuição da migração de células inflamatórias e incremento de fatores de crescimento contribuindo diretamente para o processo de rea- bilitação tecidual. Porém, a falta de padronização dificulta a escolha de parâmetros ideais.
Mostrar mais

8 Ler mais

Estudo sobre o potencial da terapia a laser de baixa potência (lllt) na periodontite apical : avaliação histológica da influência da LLLT na evolução do processo inflamatório periacapical induzido, e no seu uso como terapia adjuvante ao tratamento convenc

Estudo sobre o potencial da terapia a laser de baixa potência (lllt) na periodontite apical : avaliação histológica da influência da LLLT na evolução do processo inflamatório periacapical induzido, e no seu uso como terapia adjuvante ao tratamento convenc

Segundo KEREKES & TRONSTAD (1979), cerca de 85% a 90% dos pacientes com lesões periapicais podem ser satisfatoriamente tratados através dos métodos endodônticos convencionais não-cirúrgicos. Estudos mostram que o tratamento endodôntico apropriado, além de eliminar as bactérias, interfere na ecologia complexa da microbiota dos canais radiculares, privando os microorganismos restantes de sua fonte nutricional (SUNDQVIST, 1992; MAALOUF & GUTMANN, 1994). A cicatrização completa da lesão é um processo geralmente longo, podendo durar dois ou mais anos. Sinais de cicatrização incipiente, porém incompleta, estão presentes, em 89% dos casos, após um ano de tratamento, indicando que até mesmo a erradicação satisfatória da infecção dos canais radiculares é apenas um dos fatores, embora muito importante, no curso do processo cicatricial, o qual requer funcionamento ativo de vários mecanismos de reparo do hospedeiro na área periapical afetada (LIN et al., 1996; ORSTAVIK, 1996).
Mostrar mais

85 Ler mais

DA GALVANOPUNTURA ASSOCIADA À LASERTERAPIA DE BAIXA

DA GALVANOPUNTURA ASSOCIADA À LASERTERAPIA DE BAIXA

Estudos tem demonstrado que o laser de baixa potência na faixa de luz visível (650 nm de comprimento de onda), 100 mW de potência emitindo 3 Joules de energia em estrias rubras, durante 10 atendimentos, promoveram redução da extensão das estrias, melhora significativa nos padrões estéticos e por sua vez melhora na autoestima de pacientes [20,21]. Esses resultados podem estar associados ao efeito do laser a nível celular como aumento de células epiteliais, fibroblástica, reposição do colágeno, estímulo de deslocamento dos leucócitos, como também a nível vascular, através o estímulo da angiogênese e vasodilatação, promovendo o aumento da velocidade no processo de reparo de tecidos lesados [24]. Essa ação do laser a nível tecidual em estrias rubras estimulou a realização da presente pesquisa uma vez que a galvanopuntura estimula um processo inflamatório nas estrias albas e poderia melhorar o processo de cicatrização.
Mostrar mais

14 Ler mais

Efeitos do laser terapêutico e do ultrassom pulsado de baixa intensidade na expressão de genes relacionados à diferenciação celular durante o processo de reparo ósseo

Efeitos do laser terapêutico e do ultrassom pulsado de baixa intensidade na expressão de genes relacionados à diferenciação celular durante o processo de reparo ósseo

Em relação ao efeito cicatrizante, diversos trabalhos evidenciam que a irradiação laser de baixa potência tem um efeito significativo no metabolismo tecidual e na proliferação celular, justificando os resultados positivos da sua aplicação nos processos de reparação após uma lesão (PINHEIRO et al., 2001, VLADIMIROV et al., 2004; NINOMIYA et al., 2007). Resultados encontrados em uma série de estudos, sugerem que o LLLT promove um aumento da síntese de colágeno, aumento da proliferação e diferenciação de osteoblastos e fibroblastos, aumento da respiração mitocondrial e síntese de ATP, alterações na síntese de RNA (OZAWA et al., 1998; VLADIMIROV et al., 2004; NINOMIYA et al., 2007), maior recrutamento de macrófagos, aumento da angiogênese e da atividade fagocitária o que resultará na aceleração do reparo de tecidos (ORTIZ et al., 2001; LIRANI-GALVÃO et al., 2006; BOSSINI et al., 2009).
Mostrar mais

79 Ler mais

Os efeitos do Biosilicato® e do laser terapêutico de baixa potência no processo de consolidação em tíbias de ratos

Os efeitos do Biosilicato® e do laser terapêutico de baixa potência no processo de consolidação em tíbias de ratos

A análise biomecânica do presente estudo foi realizada através do teste de flexão de três pontos. Este teste é amplamente utilizado para avaliar diferentes tipos de tratamentos sobre o tecido ósseo, especialmente sobre o processo de reparo de fratura (LUGER et al., 1998; LIRANI et al., 2006). Os dados de tal teste não apresentaram diferença estatisticamente significativa entre os grupos, o que sugere que a LLLT não foi capaz de aumentar a força óssea dos ratos após 14 dias de P.O. Marino (2003) utilizando um modelo experimental parecido, não obteve aumento das propriedades mecânicas após uso do laser AS-GA-AL 830nm. David et al. (2001) utilizaram laser HeNe 632nm, 10mW sobre o processo de reparo ósseo . Os autores não obtiveram resultados positivos no teste biomecânico após o uso desta terapia. Da mesma forma, Otremski et al. (2004) não encontraram evidências de aumento da força óssea após irradiação com laser HeNe 632nm.
Mostrar mais

78 Ler mais

Uso combinado da laserterapia de baixa potência e da inibição da ciclooxigenase-2 na reepitelização de ferida incisional em pele de camundongos: um estudo pré-clínico.

Uso combinado da laserterapia de baixa potência e da inibição da ciclooxigenase-2 na reepitelização de ferida incisional em pele de camundongos: um estudo pré-clínico.

Deste modo, tornam-se oportunos estudos que mostrem os efeitos dos tratamentos combinados na cicatrização de feridas cutâneas, uma vez que tanto a laserterapia, quanto o uso de ICOX atuam no mesmo período do processo de reparo, ou seja, ambos os tra- tamentos isolados afetam as fases inflamatória e proli- ferativa da cicatrização da pele em animais e huma- nos. Diante disso, o objetivo do presente estudo pré- clinico foi avaliar os efeitos isolados e combinados da terapia laser de baixa potência (LTBP) hélio-neônio (He-Ne, 632nm) e da inibição seletiva da ciclooxigena- se-2 (ICOX2) na reepitelização de feridas cutâneas cirúrgica em camundongos.
Mostrar mais

6 Ler mais

Modulação da proliferação fibroblástica e da resposta inflamatória pela terapia a laser de baixa intensidade no processo de reparo tecidual.

Modulação da proliferação fibroblástica e da resposta inflamatória pela terapia a laser de baixa intensidade no processo de reparo tecidual.

Diversos estudos têm sido realizados para com- preender o processo de cicatrização de feridas, objeti- vando esclarecer os diferentes aspectos do tecido de granulação, da epitelização e da neoformação teci- dual, bem como os possíveis efeitos da TLBI no pro- cesso de reparo tecidual. Mediante a análise histopa- tológica e histomorfométrica, este trabalho pretende avaliar o comportamento clínico-biológico de feridas cutâneas provocadas na região dorsal de ratos Wistar (Rattus norvegicus), que foram submetidos à TLBI. Particularmente, foram analisados os efeitos da TLBI sobre a angiogênese, a proliferação fibroblástica e o infiltrado inflamatório.
Mostrar mais

7 Ler mais

Ultra-som e laser de baixa intensidade no reparo de lesão parcial do tendão calcâneo em ratos

Ultra-som e laser de baixa intensidade no reparo de lesão parcial do tendão calcâneo em ratos

Outro parâmetro que pode variar na aplicação do é a potência que, assim como os demais parâmetros, apresenta controvérsias. SALATE (2005) demonstraram que o reparo tendíneo com diferentes potências (10mW e 40mW) apresenta neovascularização precoce e um maior número de vasos no grupo irradiado com a potência de 40mW, quando comparado aos demais grupos. OSHIRO & CALDERHEAD (1991) observaram que potências inferiores a 60mW diminuíram a dor de maneira efetiva e que potências mais elevadas, como a de 100mW, apresentaram efeitos quase termais como exacerbação do quadro álgico, espasmo muscular involuntário e síncope nervosa.
Mostrar mais

113 Ler mais

Efeitos do laser de baixa potência sobre a dor e edema no trauma tendíneo de ratos.

Efeitos do laser de baixa potência sobre a dor e edema no trauma tendíneo de ratos.

até o 14º dia de PO) sobre o processo de cura de tendões calcâneos,  de  coelhos,  cirurgicamente  reparados.  Na  avaliação  histopatológica,  observou  que  o  laser  produziu  alterações  fibroproliferativas  bem  or- ganizadas, com bandas de colágeno alinhadas e, comparado com o  grupo  controle,  havia  marcada  redução  na  reação  inflamatória,  sem  reação  granulomatosa  de  corpo  estranho  proeminente.  Ao  avaliar  biomecanicamente,  relata  que  o  grupo  tratado  apresentou  melhora  nas propriedades biomecânicas, comparado com o grupo controle. 
Mostrar mais

5 Ler mais

Os efeitos da irradiação com laser de baixa potência na regeneração do nervo fibular...

Os efeitos da irradiação com laser de baixa potência na regeneração do nervo fibular...

Sob qualquer ponto de vista, é altamente desejável que se consiga reparar os nervos lesados, dando condições para que eles se regenerem e devolvam ao paciente sua completa função. Freqüentemente, por melhor que tenha sido o reparo cirúrgico, a função recuperada fica muito aquém do esperado, às vezes por razões difíceis de entender. Por outro lado, pouco há a fazer após o reparo cirúrgico do nervo e que possa contribuir para sua regeneração, mas recursos como a estimulação elétrica, por ultra-som e por laser de baixa potência, com finalidade regenerativa e de uso comum na fisioterapia, são utilizados com o intuito de acelerar os processos regenerativos, buscando um retorno precoce da funcionalidade do paciente (GASPARINI; BARBIERI; MAZZER, 2007; MONTE-RASO; BARBIERI; MAZZER, 2006; MONTE-RASO et al., 2005; OLIVEIRA et al., 2001).
Mostrar mais

86 Ler mais

Efeito da laserterapia de baixa potência Gálio-Alumínio-Índio- Fósforo na inflamação granulomatosa experimental em camundongos

Efeito da laserterapia de baixa potência Gálio-Alumínio-Índio- Fósforo na inflamação granulomatosa experimental em camundongos

estudo para analisar os efeitos do laser na proliferação de fibrobastos e na cicatrização de feridas em pacientes diabéticos utilizaram diferentes tipos de laser. O grupo irradiado com He-Ne (633 nm), com 5 J/cm 2 , obteve fechamento completo da ferida e maior proliferação de fibrobastos quando comparado aos demais grupos: os submetidos ao He-Ne (633 nm) com 16 J/cm 2 ; e aos expostos à irradiação do Diodo 820 nm e Neodímio - Ítrio - Alumínio - Granada (Nd -YAG) 1064 nm. Resultados similares quanto aos efeitos do laser foram também descritos por Vinck et al. (2003). A curva observada neste estudo referente à dinâmica destes elementos celulares, ao longo do tempo, foi similar entre os grupos. Com a metodologia aplicada no presente estudo, o laser não interferiu na dinâmica de migração de macrófagos/fibroblastos, diferentemente do que foi citado em outros experimentos (Young et al., 1989; Rigau et al., 1994). Rigau et al. (1994) utilizando laser de 633 nm com intensidade de 4 j/cm 2 e Young et al. (1989) utilizando o mesmo tipo de laser com intensidades diferentes (2,4,6 e 8 J/cm 2 ) relatam um notório predomínio de macrófago/fibroblasto do grupo teste em relação ao controle no momento inicial da lesão e que a manutenção de valores elevados durante o tratamento poderia, pela ação dessas células, diminuir o tempo necessário para a cicatrização e reparo tecidual. No presente estudo foi utilizado o laser Ga-Al-In-P 660 nm com intensidade de 3 J/cm 2 ; quanto à proliferação, não houve diferença estatisticamente significativa entre testes e controles.
Mostrar mais

64 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados