Top PDF O gênero Nectandra Rol. ex Rottb. (Lauraceae) no Estado do Paraná, Brasil.

O gênero Nectandra Rol. ex Rottb. (Lauraceae) no Estado do Paraná, Brasil.

O gênero Nectandra Rol. ex Rottb. (Lauraceae) no Estado do Paraná, Brasil.

Lauraceae é uma família de Angiospermas que apresenta distribuição majoritariamente pantropical, com poucos membros ocorrendo em clima temperado (Rohwer 1993b). São 50 gêneros e entre 2.500 e 3.000 espécies (Rohwer & Kubitzki 1993), melhor representados nas Américas e Ásia, mas que ocorrem também na Austrália, Madagascar e mais esparsamente na África Central (Werff & Richter 1996). A família pertence à ordem Laurales, que está posicionada entre as linhagens basais de Angiospermas (Cronquist 1988; APG II 2003). O gênero Nectandra foi descrito por Rottboel em 1778, com duas espécies, baseado num manuscrito de Rolander (Rohwer 1993a). Hoje são aceitas 114 espécies com distribuição restrita às Américas tropical e subtropical, sendo 43 brasileiras (Baitello 2003). O nome do gênero provém de uma interpretação errônea, dada
Mostrar mais

14 Ler mais

O gênero Epidendrum L. (Orchidaceae) no Estado do Paraná, Brasil.

O gênero Epidendrum L. (Orchidaceae) no Estado do Paraná, Brasil.

Observações: ocorre no Brasil (MG, RJ, SP, PR, SC). Coletada com flores entre dezembro e junho, e setembro. No Paraná ocorre como epífita em Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas, Submontana e Montana, e em Floresta Ombrófila Mista. Outras espécies afins são citadas por Pabst & Dungs (1975), para o estado do Paraná: E. ecostatum Pabst, E. obergii Hawkes e E. ochrochlorum Barb. Rodr. Todas são muito semelhantes a E. proligerum e entre si, sendo a principal diferença entre elas o formato do labelo, o que pode ser visto nas ilustrações de Pabst & Dungs (1975) para essas espécies. Analisando as exsicatas atribuídas a essas espécies nos herbários, observou-se que todos os materiais identificados como E. ochrochlorum (Leinig 184 e 555; Hatschbach 3144 e 2667; Hatschbach 20710), E. obergii (Klein 9417), E. ecostatum (Handro 2207; Klein 10165; Dusén 3786) e E. proligerum (Reitz 3316; Pabst 2454) correspondiam à mesma espécie. Em análise das descrições dessas espécies, decidiu-se tratá-las, neste trabalho, com o nome E. proligerum, pois E. ochrochlorum apresenta flores com o dobro do tamanho dos espécimes analisados, e E. obergii, assim como E. ecostatum, possuem labelo inteiro. Este é outro grupo dentro do gênero Epidendrum que está necessitando de revisão, a qual poderia resultar em várias sinonimizações.
Mostrar mais

17 Ler mais

O gênero Cordyline Comm. ex R.Br. (Asparagaceae Juss.) no Estado do Paraná, Brasil.

O gênero Cordyline Comm. ex R.Br. (Asparagaceae Juss.) no Estado do Paraná, Brasil.

RESUMO - (O gênero Cordyline Comm. ex R.Br. (Asparagaceae Juss.) no Estado do Paraná, Brasil). O objetivo deste estudo foi descrever a espécie de Cordyline que ocorre no Estado do Paraná, Cordyline sellowiana Kunth, a partir de análises de exsicatas de diversos herbários do Estado. C. sellowiana é caracterizada por folhas sésseis, lineares, inflorescências terminais e flores roxas, pediceladas; ápice das sépalas acuminado e das pétalas obtuso. Coletada em 26 municípios do Estado do Paraná, ocorre nos seguintes tipos de vegetação: Estepe Ombrófila, Floresta Estacional Semidecidual Subxérica, Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila Mista. A partir dos critérios da lista vermelha da IUCN, foi definido o estado de conservação da espécie, que se enquadra na categoria de preocupação menor (LC). Popularmente conhecida como uvarana, varana, guaraíva ou cordiline, é utilizada na alimentação animal e humana, farmacologia, recuperação ambiental e como planta ornamental. Palavras-chave: distribuição, IUCN, morfologia, taxonomia
Mostrar mais

6 Ler mais

O gênero Buddleja (Scrophulariaceae) no estado do Paraná, Brasil

O gênero Buddleja (Scrophulariaceae) no estado do Paraná, Brasil

O estado do Paraná possui uma rica biodiversidade, proveniente da ação conjunta de diferentes fatores como clima, relevo e hidrografia (Labiak 2014). Um levantamento da flora estadual estima a existência de pelo menos 6.524 espécies de plantas vasculares nativas (Kaehler et al. 2014). Até o momento, não há tratamento taxonômico ou florístico feito para Buddleja no estado, apesar da existência de fontes de informação taxonômica para Santa Catarina (Smith et al. 1976), São Paulo (Ferreira & Martins 2005) e Paraguai (Soria 2011), além da Flora Brasiliensis (Schmidt 1862) e de duas revisões não publicadas, disponíveis apenas em teses para o gênero no Brasil (Ferreira 1988; Coelho 2017). O gênero foi monografado para a região neotropical (Norman 2000).
Mostrar mais

12 Ler mais

O gênero Zygostates (Orchidaceae: Oncidiinae) no estado do Paraná, Brasil

O gênero Zygostates (Orchidaceae: Oncidiinae) no estado do Paraná, Brasil

Zygostates consiste de ca. 26 espécies, das quais 15 ocorrem no Brasil. Através de consultas a herbários nacionais e estrangeiros, além da realização de trabalho de campo, oito espécies de Zygostates foram encontradas no Paraná: Zygostates alleniana, Z. bradei, Z. cornuta, Z. dasyrhiza, Z. lunata, Z. multiflora, Z. pellucida e Z. pustulata. O gênero é registrado para 36 dos 399 municípios paranaenses, principalmente na Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila Mista, localizadas na Serra do Mar, Primeiro e Segundo Planaltos. De acordo com os critérios da IUCN, Z. alleniana, com ampla distribuição no estado, é a espécie de menor risco de extinção, enquanto Z. bradei, Z. pellucida e Z. multiflora, presentes somente em uma localidade, são as mais ameaçadas. Zygostates bradei encontra-se “Possivelmente Extinta” no estado; Z. pellucida e Z. multiflora foram avaliadas como “Criticamente em Perigo”. São apresentados uma chave para identificação das espécies, descrições, ilustrações, lista de material examinado, dados sobre distribuição geográfica e estado de conservação dos táxons.
Mostrar mais

16 Ler mais

Desmidioflórula (Zygnemaphyceae, Desmidiales) do rio Cascavel, oeste do estado do Paraná, Brasil.

Desmidioflórula (Zygnemaphyceae, Desmidiales) do rio Cascavel, oeste do estado do Paraná, Brasil.

RESUMO - (Desmidioflórula (Zygnemaphyceae, Desmidiales) do rio Cascavel, Oeste do Estado do Paraná, Brasil). O trabalho objetivou realizar o levantamento taxonômico das desmídias de um importante ecossistema lótico do Oeste Paranaense. As coletas foram realizadas mensalmente por um período de 12 meses (julho/2010 a junho/2011), em três estações de amostragem ao longo do rio Cascavel, resultando na identificação de 60 táxons, distribuídos em 10 gêneros. Cosmarium Corda ex Ralfs (29) e Closterium Nitzsch ex Ralfs (10) obtiveram o maior número de espécies inventariadas. Um total de 14 novas citações foi registrado para o Estado do Paraná, distribuídas entre os gêneros Actinotaenium (Nägeli) Teiling (2), Cosmarium (7), Closterium (1), Micrasterias C. Agardh ex Ralfs (1), Pleurotaenium Nägeli (1), Staurastrum Meyen (1) e Staurodesmus Teiling (1). Ao final do estudo observou-se que do total de espécies identificadas, 83,9% foram comuns aos três trechos coletados, 13,3% foram registradas nas estações de coleta 2 e 3, e 3,3% apenas na estação 3.
Mostrar mais

28 Ler mais

O gênero Catasetum Rich. ex Kunth (Orchidaceae, Catasetinae) no Estado do Paraná, Brasil.

O gênero Catasetum Rich. ex Kunth (Orchidaceae, Catasetinae) no Estado do Paraná, Brasil.

Folhas 17-45 × 2-10 cm, lanceoladas a oblanceoladas, agudas, na base atenuadas em pseudo-pecíolo canaliculado, com nervuras espessas. Inflorescência 25‑55 cm compr., basal em arco, 7-25 flores. Brácteas 1,1-1,6 cm compr., triângulo-lanceoladas a obtruladas, apressas. Sépala dorsal 2,7-4,2 × 0,7-1,5 cm, lanceolada a estreito-elíptica, ereta, no ápice acuminada. Sépalas laterais 2,4-4,5 × 0,6-1,7 cm oval-lanceoladas, eretas, na base atenuadas e no ápice acuminadas. Pétalas 2,5‑4 × 1‑1,7 cm, lanceolar-obovaladas, base atenuada, no ápice acuminado, margens denticuladas da metade até o seu ápice. Labelo 1,5-3,4 × 1,5‑4,3 cm, trilobado, profundamente saquiforme côncavo, lobos laterais oblongados a oblongo-elípticos, eretos, frequentemente ciliados ou denticulados, o lobo terminal agudo, na base apresentando calo com ápice agudo 0,3-0,7 × 0,3-0,8 cm, margens profundamente fimbriadas. Coluna 1,8-3,2 cm compr., ereta, com ondulações na margem da base ao seu ápice, rostelo alongado, antenas 1-1,4 cm compr., paralelas. Distribuição geográfica e habitat: Catasetum fimbriatum não é endêmico do Brasil, sendo também citado para Argentina, Bolívia, Guiana, Paraguai, Uruguai e Venezuela (Hoehne 1942, Pabst & Dungs 1975, Barros et al. 2014). No Brasil, ocorre no Distrito Federal e nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (Hoehne 1942, Hoehne & Kullmann 1951, Petini-Benelli 2012, Barros et al. 2014). No Estado do Paraná, foi coletado em cinco municípios, em Floresta Ombrófila Mista, Gramíneo Lenhosa e Estacional Semidecidual. Estado de Conservação: Segundo os critérios da IUCN (2009), C. fimbriatum se enquadra como uma espécie localmente ameaçada, devendo ser incluída na categoria em perigo [EN B2a] no Estado do Paraná, devido ao baixo número de localidades e pela degradação do habitat.
Mostrar mais

10 Ler mais

O gênero Piptocarpha R.Br. (Asteraceae: Vernonieae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Piptocarpha R.Br. (Asteraceae: Vernonieae) no estado do Paraná, Brasil.

RESUMO – (O gênero Piptocarpha R.Br. (Asteraceae: Vernonieae) no Estado do Paraná, Brasil). O presente estudo abrange o gênero Piptocarpha R.Br. (Vernonieae: Asteraceae) no Estado do Paraná, Brasil. A metodologia consistiu no levantamento bibliográfico, coleta de material e observação de campo, estudos morfológicos e taxonômicos do material vivo e herborizado. Foram confirmadas para o Estado do Paraná nove espécies, sendo quatro escandentes: Piptocarpha leprosa (Less.) Baker, P. oblonga (Gardner) Baker, P. quadrangularis (Vell.) Baker e P. sellowii (Sch.Bip.) Baker; e cinco arbóreas: Piptocarpha angustifolia Dusén ex Malme, P. axillaris (Less.) Baker, P. densifolia Dusén ex G.L. Smith, P. macropoda (DC.) Baker e P. regnellii (Sch.Bip.) Cabrera. São apresentadas chave de identificação, descrições morfológicas, época de floração e frutificação, nomes populares, distribuição geográfica, comentários e ilustrações para cada táxon estudado.
Mostrar mais

13 Ler mais

O gênero Ocotea (Lauraceae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Ocotea (Lauraceae) no estado do Paraná, Brasil.

Foram analisadas as coleções de Lauraceae (2450 exsicatas) depositadas nos herbários EFC; FUEL; HBR; HCF; HFC; HFIE; HUCP; HUEM; HUPG; MBM; MO; RB; SP, SPF; SPSF e UPCB. As siglas sublinhadas referem-se a herbários não indexados, os demais seguem Holmgren & Holmgren (1998). Excursões para reconhecimento das espécies e coleta de espécimes de Ocotea foram realizadas pelo primeiro autor, totalizando 85 viagens entre os anos de 2006 a 2012, com 167 espécimes coletados férteis representando 20 espécies. O material fértil foi herborizado e incorporado no acervo do herbário UPCB, com duplicatas enviadas aos herbários FUEL, MBM, SPSF, RB e NY. O material selecionado indicado no texto segue o critério de um exemplar por unidade fitogeográfica, segundo a classificação de Roderjan et al. (2001), exceto quando foram necessárias outras exsicatas para completar as descrições e ilustrações. Para a lista de coletores foi selecionado um espécime por município paranaense. As ilustrações foram produzidas pelo primeiro autor, com o auxílio de microscópio estereoscópico, em nanquim sobre papel vegetal, posteriormente digitalizadas. O estado de conservação das espécies foi avaliado apenas para o território paranaense e seguiu os critérios da IUCN versão 3.1 (2001).
Mostrar mais

31 Ler mais

O gênero Isabelia (Orchidaceae: Laeliinae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Isabelia (Orchidaceae: Laeliinae) no estado do Paraná, Brasil.

flores róseo-claras com labelo alvo, este com ápice retuso e apiculado. Segundo Rodrigues (1877), esta espécie é bastante diferenciada pela presença das brácteas fibrosas e reticuladas que cobrem os pseudobulbos e que após a queda das folhas lhe dão o aspecto de “lagartas peludas” (Fig. 3k). Ocorre como epífita e rupícola em capões, matas ripárias e de galeria, em locais bem iluminados, normalmente no estrato superior e nas bordas. É considerada por Bonnet et al. (2011) como epífita indicadora de boa qualidade ambiental, devido a ser encontrada em áreas ripárias mais bem conservadas. Esta espécie é simpátrica com I. pulchella e I. violacea, sendo sincrônica com I. pulchella. Coletada com flores no Paraná de maio a junho. Maturação dos frutos com deiscência das sementes no início de outubro, sendo que os frutos caem logo em seguida.
Mostrar mais

9 Ler mais

O gênero Erythroxylum P. Browne (Erythroxylaceae) do estado do Paraná, Brasil.

O gênero Erythroxylum P. Browne (Erythroxylaceae) do estado do Paraná, Brasil.

Material examinado: PARANÁ: Arapoti, I.1965, L. B. Smith & R. Klein 14642 (HBR). Campina Grande do Sul, Rio Divisa, X.1959, G. Hatschbach 6354 (HBR, PKDC). Campo Largo, Bateias, I.1978, G.Hatschbach 40757 (UPCB, MBM). Cantagalo, XI.1966, J.C. Lindman et al. 2816 (RB). Cascavel, P. Ecol. Paulo Gorski, XI.1988, J. da Cruz 176 (FUEL). Castro, Rio Cunhoporanga, XI.1988, S.M. Silva et al. 1655 (PKDC). Clevelândia, X.1969, G. Hatschbach 22711 (MBM). Colombo, IX.1986, A. Pegorano 78 (EFC). Curitiba, Centro Politécnico, XI.1993, J.O. Mendonça et al. 03 (UPCB). Guarapuava, Águas Santa Clara, X.1986, G. Hatschbach 50581 (MBM). Irati,
Mostrar mais

10 Ler mais

O gênero Galeandra (Orchidaceae: Catasetinae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Galeandra (Orchidaceae: Catasetinae) no estado do Paraná, Brasil.

Galeandra possui 18 espécies terrícolas e epífitas com distribuição neotropical, sendo reconhecidas principalmente pelas flores com labelo em forma de funil e calcar na base. O objetivo deste trabalho foi realizar o estudo taxonômico de Galeandra no estado do Paraná, apresentando descrições, ilustrações, mapa de distribuição, chave de identificação, status de conservação e comentários para cada espécie. O gênero está presente nas cinco unidades fitogeográficas do estado, ocorrendo em Floresta Estacional Semidecidual (G. beyrichii e G, styllomisantha), nas Florestas Ombrófilas Mista e Densa (G. beyrichii) em vegetações de campo e áreas relictuais de Cerrado (G. beyrichii, G. montana e G. paraguayensis, sendo G. montana o primeiro registro para o estado). De acordo com os critérios da IUCN, G. beyrichii apresenta baixo risco (LC) de extinção, G. paraguayensis pode ser considerada em perigo (EN) e G. montana e G. styllomisantha como criticamente em perigo (CR) sendo a última possivelmente extinta no estado.
Mostrar mais

7 Ler mais

O gênero Inga Mill. (Leguminosae - Mimosoideae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Inga Mill. (Leguminosae - Mimosoideae) no estado do Paraná, Brasil.

HNUP, HUPG, MBM, RB, SP, SPF e UPCB (siglas de acordo com Hol- mgren et al. na versão digital do Index Herbariorum disponível em http:// sweetgum.nybg.org/ih/, e ou instituição, para as coleções não indexadas). As principais características taxonômicas utilizadas foram: forma e tamanho dos nectários foliares, número de folíolos e indumento, além das estruturas reprodutivas como: infl orescências, fl ores e frutos. Os termos botânicos utilizados nas descrições foram padronizados com base na lite- ratura especializada para o gênero e em Lawrence (1977) e, os nomes dos autores das espécies abreviados conforme Brummitt & Powell (1992) e o International Plant Names Index (www.ipni.org), conforme recomendação do Código Internacional de Nomenclatura Botânica (McNeill et al., 2006). A lista de todo o material examinado encontra-se disponível com o primeiro autor. As épocas de fl oração e frutifi cação foram obtidas com base nas etiquetas das esxcicatas examinadas. Na ausência de material reprodutivo disponível nas exsicatas do Estado do Paraná foram utilizados materiais de outros estados, citados como “material adicional examinado”.
Mostrar mais

15 Ler mais

O gênero Campomanesia (Myrtaceae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Campomanesia (Myrtaceae) no estado do Paraná, Brasil.

O gênero Campomanesia Ruiz & Pav. pode ser reconhecido pelo ovário 4–18–locular, com vários óvulos por lóculo, e parede locular glandular nos frutos maduros, que serve como um falso envoltório das sementes. Normalmente todos ou todos menos um óvulo abortam em cada lóculo. Apresenta pedúnculos unifloros, dicásios ou racemos, e os botões têm cálice desde aberto até completamente fechado. No estado do Paraná, o gênero apresenta 11 espécies (C. adamantium, C. aurea, C. eugenioides, C. guaviroba, C. guazumifolia, C. neriiflora, C. pubescens, C. reitziana, C. schlechtendaliana, C. sessiliflora, C. xanthocarpa), distribuídas por todos os tipos de vegetação. Campomanesia neriiflora teve seus frutos descritos pela primeira vez. Neste trabalho são apresentadas chave de identificação, descrições, ilustrações, dados sobre distribuição geográfica e lista de materiais selecionados para as espécies de Campomanesia do Paraná.
Mostrar mais

11 Ler mais

O gênero Anthurium (Araceae) no estado do Paraná - Brasil.

O gênero Anthurium (Araceae) no estado do Paraná - Brasil.

O trabalho apresenta a flora do gênero Anthurium (Araceae) no estado do Paraná. Ocorrem 12 espécies de Anthurium no estado: A. acutum, A. comtum, A. gaudichaudianum, A. hatschbachii, A. lacerdae, A. loefgrenii, A. marense, A. pentaphyllum, A. scandens subsp. scandens, A. sellowianum, A. sinuatum e A. urvilleanum. As espécies estão distribuídas exclusivamente na Floresta Ombrófila Densa, com exceção de A. loefgrenii que ocorre também em restinga arbórea, de A. gaudichaudianum que ocorre também no Cerrado e transição entre Floresta Ombrófila Densa e Mista, e de A. sinuatum que ocorre apenas na Floresta Estacional Semidecidual. Há cinco espécies ameaçadas de extinção para o estado: A. hatschbachii e A. urvilleanum (Criticamente em Perigo), A. sinuatum (Em Perigo) e A. lacerdae e A. marense (Vulneráveis). Relata-se como novidades morfológicas: a presença de tricomas no eixo axilar do ovário em A. hatschbachii, A. lacerdae, A. marense, A. sinuatum e A. urvilleanum; e a placentação do tipo axial apical para A. acutum. São apresentadas chave de identificação, descrições, pranchas de fotos e ilustrações, distribuição geográfica, comentários taxonômicos e o estado de conservação para todas as espécies. Palavras-chave: flora, levantamento florístico, taxonomia.
Mostrar mais

22 Ler mais

O gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil.

O gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil.

Material selecionado: BRASIL. Paraná: Apucarana, XI/1999, Pavão s.n. (FUEL 28869). Arapoti, X/1961, Hatschbach 8356 (MBM). Balsa Nova, XI/1980, Hatschbach 43353 (MBM, UPCB). Bituruna, XI/1998, Vergopola s.n. (FUEL 23074). Bocaiúva do Sul, XI/1998, Silva 2594 (MBM). Campo Mourão, XII/1965, Hatschbach 13267 (MBM, UPCB). Cascavel, XI/1988, Cruz 174 (FUEL). Castro, X/1961, Hatschbach 8529 (MBM, UPCB). Cerro Azul, XI/1970, Hatschbach 25578 (MBM, UPCB). Clevelândia, V/1966, Lindeman 1112 (MBM). Contenda, X/1977, Dombrowski 13930 (MBM). Curitiba, XII/1996, Kozera 438 (MBM, UPCB). Foz do Iguaçú, s.d., Lindeman 2957 (MBM). General Carneiro, XII/1966, Hatschbach 15397 (MBM, UPCB). Guarapuava, XI/1973, Hatschbach 33523 (MBM). Imbaú, XII/1994, Kinupp 99 (MBM, UPCB). Irati, X/1970, Carvalho 76 (MBM). Ivaí, V/2000, Dias s.n. (FUEL 26933). Lapa, V/1996, Silva 1667 (MBM, UPCB). Laranjeiras do Sul, III/1967, Lindeman 4678 (MBM). Londrina, X/1994, Silva 1994 (FUEL). Marmeleiro, II/1971, Hatschbach 26449 (MBM). Mauá da Serra, III/1998, Souza s.n. (FUEL 23265). Ortigueira, II/1999, Francisco s.n. (FUEL 28847). Palmas, XII/1989, Hatschbach 53665 (MBM). Palmeira, I/1966, Hatschbach 13488 (MBM). Pinhão, X/1991, Britez 2161 (UPCB). Piraí do Sul, XI/1998, Ribas 2800 (FUEL, MBM). Piraquara, IV/1977, Hatschbach 39875 (MBM, UPCB). Ponta Grossa, XI/1989, Silva 733 (MBM, UPCB). Porto Amazonas, I/1983, Kummrow 2446 (MBM UPCB). Prudentópolis, IV/2003, Goldenberg 591 (UPCB). Quatro Barras, V/1997, Gatti 130 (EFC, UPCB). Rio Branco do Sul, XI/1996, Tiepolo 585 (EFC, MBM). Santa Helena, XII/1977, Hatschbach 40523 (MBM). São Mateus do Sul, XI/1986, Britez 1179 (MBM). Tibagi, X/1959, Hatschbach 6336 (MBM). Tijucas do Sul, XI/1958, Hatschbach 5241 (HUEPG, MBM). União da Vitória, XII/1971, Hatschbach 28152 (MBM). Umuarama, IV/1968, Hatschbach 19037 (UPCB). Ventania, X/1999, Carneiro s.n. (MBM).
Mostrar mais

21 Ler mais

Informações sobre mortalidade por causas externas e eventos de intenção indeterminada, Paraná, Brasil, 1979 a 2005.

Informações sobre mortalidade por causas externas e eventos de intenção indeterminada, Paraná, Brasil, 1979 a 2005.

ção e classificação adequada da causa básica dos óbitos na DO. Por outro lado, a descentralização do SIM e conseqüente ampliação do número de codificadores de causas básicas, inicialmente, intensificaram a necessidade de realização de treinamentos, acompanhamento e supervisão do desempenho destes técnicos 8 . De fato, para o Paraná, foi observado ligeiro aumento na morta- lidade proporcional e nos coeficientes de morta- lidade por outros eventos de intenção indetermi- nada nos anos subseqüentes à municipalização do SIM, possivelmente por dificuldades iniciais das equipes em investigar e codificar as causas de óbito. A Secretaria de Estado da Saúde realizou então, em 2000, treinamento intensivo para os técnicos codificadores dos municípios e regio- nais de saúde. O impacto desse treinamento foi observado na queda considerável dos óbitos de intenção indeterminada, que reduziram de 5,9% para apenas 2,1% dos óbitos por causas externas entre 2000 e 2005.
Mostrar mais

6 Ler mais

7. A aldeia ausente: índios, caboclos, cativos, moradores e imigrantes na formação da classe camponesa brasileira - A formação do campesinato no Brasil   Mário Maestri   2004

7. A aldeia ausente: índios, caboclos, cativos, moradores e imigrantes na formação da classe camponesa brasileira - A formação do campesinato no Brasil Mário Maestri 2004

A produção colonial-camponesa relativamente rústica vivia da força-de-trabalho familiar e tinha parte de sua produção expropriada pelo Estado, pela produção artesanal e industrial regional e, sobretudo, pelo capital mercantil. Enquanto houve terra disponível, jovens camponeses casados e liberados da tutela familiar abriam novas glebas na região ou, na falta delas, nas colônias novas. No Sul, após ocupar a encosta inferior e superior do planalto, a economia colonial-camponesa expandiu-se para o Planalto Central, para o Alto Uruguai, para as Missões, para o Oeste de Santa Catarina, para o Oeste do Paraná etc., ultrapassando, nesse processo, as próprias fronteiras nacionais. 92
Mostrar mais

44 Ler mais

O gênero Micrasterias Agardh ex Ralfs (Desmidiaceae, Zygnemaphyceae) em um lago artificial urbano, Paraná, Brasil.

O gênero Micrasterias Agardh ex Ralfs (Desmidiaceae, Zygnemaphyceae) em um lago artificial urbano, Paraná, Brasil.

RESUMO - (O gênero Micrasterias Agardh ex Ralfs (Desmidiaceae, Zygnemaphyceae) em um lago artifi cial urbano, Paraná, Brasil). Este trabalho visou identifi car as espécies do gênero Micrasterias no Lago Municipal de Cascavel e contribuir para a compreensão da sua taxonomia e distribuição geográfi ca no Estado do Paraná. O levantamento taxonômico foi baseado em amostras coletadas mensalmente de janeiro de 2002 a outubro de 2003. As amostras foram obtidas através de rede de plâncton (25 μm de malha) e imediatamente fi xadas em solução de Transeau. A análise qualitativa e as ilustrações procederam-se sob microscópio óptico acoplado à câmara clara. Foram registrados nove táxons: Micrasterias borgei Krieger var. borgei, Micrasterias denticulata Brébisson ex Ralfs var. denticulata, Micrasterias jenneri Ralfs var. jenneri, Micrasterias laticeps Nordstedt var. laticeps, Micrasterias laticeps Nordstedt var. acuminata Krieger, Micrasterias quadridentata (Nordstedt) Grönblad, Micrasterias rotata (Greville) Ralfs var. rotata, Micrasterias thomasiana Archer var. notata (Nordstedt) Grönblad e Micrasterias truncata (Corda) Brébisson ex Ralfs var. truncata. Micrasterias jenneri var. jenneri e Micrasterias quadridentata são primeiras citações no Paraná.
Mostrar mais

10 Ler mais

O gênero Nectandra Rol. Ex Rottb. (Lauraceae) no Estado de Pernambuco.

O gênero Nectandra Rol. Ex Rottb. (Lauraceae) no Estado de Pernambuco.

Androceu com estames de cerca de 0,5 mm de comprimento, filetes curtos, cerca de 0,1 mm de comprimento; primeiro e segundo verti- cilos com anteras suborbiculares, deisc[r]

9 Ler mais

Show all 10000 documents...