Top PDF Tipos de aberturas dos grãos de pólen de espécies de Passiflora L. (Passifloraceae).

Tipos de aberturas dos grãos de pólen de espécies de Passiflora L. (Passifloraceae).

Tipos de aberturas dos grãos de pólen de espécies de Passiflora L. (Passifloraceae).

Em estudos anteriores, que abrangem os grãos de pólen de Passifl oraceae e do gênero Passifl ora, percebe-se a uti- lização de diferentes termos para as diferentes regiões da esporoderme. Esses termos se complementam e giram em torno de um conceito de evolução similar para as aberturas do pólen, como pontopérculo, opérculo primário, opérculo secundário e pseudopérculo (Erdtman 1952; Spirlet 1965; Presting 1965). Contudo, na literatura recente, verifi ca-se que esses termos não têm sido aplicados sempre de forma correta e algumas vezes são confundidos pelos autores, com- prometendo as descrições polínicas e, consequentemente, a aplicação dos seus resultados. Assim, não há consenso quanto ao tipo e número de aberturas em muitas espécies. Por exemplo, o pólen de P. suberosa pode ser descrito como 6-colpado, com opérculos sobre os colpos (Araújo & Santos 2004), 6-colporado, com opérculos secundários (Presting 1965) ou 12-colpado (Milward-de-Azevedo et al. 2004). Nesses casos, é necessária a análise mais minuciosa dos tipos aperturais, se possível com vários métodos de abor- dagem, podendo então ser indicados, com mais segurança, o número e forma das aberturas, bem como a presença ou não de opérculos.
Mostrar mais

10 Ler mais

Morfologia polínica dos gêneros Curtia Cham. & Schltdl. e Hockinia Gardner (Gentianaceae Juss.).

Morfologia polínica dos gêneros Curtia Cham. & Schltdl. e Hockinia Gardner (Gentianaceae Juss.).

RESUMO – (Morfologia polínica dos gêneros Curtia Cham. & Schltdl. e Hockinia Gardner (Gentianaceae Juss.). Estudou-se a morfologia polínica de Curtia Cham. & Schltdl. e Hockinia Gardner (Gentianaceae Juss.), gêneros neotropicais de Gentianaceae. Foram analisadas oito espécies: Curtia conferta (Mart.) Knobl., C. diffusa (Mart.) Cham., C. obtusifolia (Spruce ex Benth.) Knobl., C. patula (Mart.) Knobl., C. quadrifolia Maguire, C. tenella (Mart.) Cham., C. verticillaris (Sprengel) Knobl. e Hockinia montana Gardner. Os grãos de pólen foram tratados pelo método ACLAC, analisados em microscopia óptica e microscopia eletrônica de varredura. A investigação baseou-se em material herborizado. A heterostilia foi confirmada em Curtia obtusifolia, C. patula e Hockinia montana. O material polínico de todas as formas heterostílicas foi estudado separadamente. Os gêneros apresentaram grãos de pólen pequenos a médios, em mônades, colporados, sexina microrreticulada, microrreticulado-espinulosa, reticulada, reticulado-espinulosa ou perfurada. Os resultados mostraram certa heterogeneidade polínica para o gênero Curtia e foram observadas diferenças palinológicas, quanto ao tamanho, à ornamentação da exina e às aberturas entre as formas florais de cada espécie heterostílica. Os dois gêneros não demonstraram diferenças palinológicas significantes que os separem.
Mostrar mais

12 Ler mais

Catálogo sistemático do pólen das plantas arbóreas do Brasil meridional. XXX: Meliaceae.

Catálogo sistemático do pólen das plantas arbóreas do Brasil meridional. XXX: Meliaceae.

Em relação ao material polínico examina- do por outros autores (Carreira & Secco, 1984; Sil- vestre-Capelato et al., 1996), pudemos verificar que, quanto às características dos tipos polínicos, os dados conferem. Há divergências quanto à es- pessura das diversas camadas componentes da exina, já que o limite entre sexina e nexina-1 nos gêneros Cabralea e Cedrela não é distinto; a nexi- na-2 sempre se destaca bem por sua birrefringên- cia, e sua espessura mantém-se constante. Os da- dos aqui obtidos relativos às espécies Cabralea canjerana e Cedrela fissilis são similares aos en- contrados por Silvestre-Capelato et al. (1996); o mesmo ocorreu com o material de Cedrela odorata examinado por Carreira & Secco (1984) e Roubik & Moreno (1991). Os grãos de pólen das três es- pécies de Cedrela aqui estudados são inseparáveis
Mostrar mais

13 Ler mais

CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA KÁTIA REGINA MENEZES MENDES

CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA KÁTIA REGINA MENEZES MENDES

Assim, almeja-se que as ações propostas para a reformulação do sistema sejam implementadas na SEDUC/AM e que esse processo seja algo construtivo não apenas para os gestore[r]

132 Ler mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS MARECHAL DEODORO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS MARECHAL DEODORO

Versão definitiva da monografia - a versão final da monografia deverá ser entregue ao coordenador do curso com a assinatura de todos os membros da banca examinadora em uma [r]

5 Ler mais

Abordagem de casos de dengue – Normas de Orientação Clínica

Abordagem de casos de dengue – Normas de Orientação Clínica

c) Deve haver um particular cuidado, de acordo com o anexo IV, na avaliação de todos os potenciais dadores de órgãos, tecidos, células e sangue, em especial os dadores qu[r]

21 Ler mais

Plano de Gestão de Resíduos Hospitalares em Centros de Saúde – Normas de Orientação Clínica

Plano de Gestão de Resíduos Hospitalares em Centros de Saúde – Normas de Orientação Clínica

ß Os resíduos com risco biológico (grupo III) devem ser separados dos outros tipos de resíduos e guardados em sacos não reutilizáveis, resistentes à humidade e ao choque. Estes sacos devem estar colocados em suportes próprios, ser cheios até 2/3 da sua capacidade para permitir o seu fecho efi caz (selagem a quente, com atilhos ou com braçadeiras) antes do transporte. Por outro lado, o seu material deve estar adaptado ao sistema de tratamento a utilizar, ou seja, se os RH contaminados forem tratados por um sistema de desinfecção e se o método de desinfecção for a autoclavagem, então os sacos devem permitir a entrada do vapor de água. Os sacos de plástico a utilizar devem ser de cor branca;
Mostrar mais

116 Ler mais

O capitalismo dos fundos de pensão — Outubro Revista

O capitalismo dos fundos de pensão — Outubro Revista

Tais contestações, em síntese, podem ser agrupadas em dois tipos. O primeiro é a desmistificação dos cenários pessimistas sobre as tendências das próximas décadas. É certo que tais cenários são, quase sempre, construídos a partir de dados e projeções discutíveis. Para dar apenas alguns exemplos: esquece-se freqüentemente que se os próximos anos são marcados pelo “envelhecimento” da população, os anos de crescimento veloz do segundo pós-guerra também foram caracterizados por uma elevada taxa de dependência em conseqüência das então elevadas taxas de fertilidade, e, portanto, pelo peso que nos inativos tinha o número elevado de jovens em idade de trabalho; dá-se como certo que as taxas de atividade e de emprego permanecem no nível insatisfatório dos nossos anos, enquanto um incremento razoável deles reduziria a relação entre número de pensionistas e o emprego, e, portanto, diminuiria ou inverteria o aumento da cota da despesa pre- videnciária sobre o produto interno bruto; lança-se para frente a reduzida dinâmica da produtividade por empregado dos anos noventa, quando apenas um retorno aos níveis dos anos setenta e oitenta aumentaria o bolo a dividir entre ativos e inativos; uma elevação moderada dos fluxos migratórios pode contribuir para compensar a redução da população nativa em idade laboral; as políticas que induzem salários reais estagnados ou em redução são res- ponsáveis por uma compressão das contribuições à previdência pública. Poder- se-ia continuar com os exemplos.
Mostrar mais

16 Ler mais

TERMO DE APROVAÇÃO CECÍLIA MARIA PEÇANHA ESTEVES PATRIOTA POLÍTICA DE MONITORAMENTO E GESTÃO POR RESULTADO: ESTUDO DE CASO DE UMA ESCOLA DE PERNAMBUCO

TERMO DE APROVAÇÃO CECÍLIA MARIA PEÇANHA ESTEVES PATRIOTA POLÍTICA DE MONITORAMENTO E GESTÃO POR RESULTADO: ESTUDO DE CASO DE UMA ESCOLA DE PERNAMBUCO

Um sistema que cria um ônus para a escola, seja em termos de gratificação não recebidas ou de medidas administrativas, sempre será visto como injusto em um ambiente [r]

129 Ler mais

FABIANO VIEIRA TITO FLUXO INFORMACIONAL DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UBÁMG

FABIANO VIEIRA TITO FLUXO INFORMACIONAL DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE UBÁMG

Este questionário tem o objetivo de conhecer sua opinião sobre o processo de codificação no preenchimento do RP1. Nossa intenção é conhecer a sua visão sobre as dificuldades e os m[r]

157 Ler mais

O PROGRAMA DE CORREÇÃO DE FLUXO ESCOLAR: PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO PROJETO AVANÇAR

O PROGRAMA DE CORREÇÃO DE FLUXO ESCOLAR: PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO PROJETO AVANÇAR

Sendo assim, ao (re)pensar a prática do professor em uma sala de aceleração, dispõe-se sobre ações que envolvem o contexto gerencial e pedagógico do programa, bem como a[r]

117 Ler mais

GERÊNCIA DE PÓS-COMPRA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: uma proposta de reestruturação

GERÊNCIA DE PÓS-COMPRA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: uma proposta de reestruturação

Dessa forma, diante das questões apontadas no segundo capítulo, com os entraves enfrentados pela Gerência de Pós-compra da UFJF, como a falta de aplicação de mul[r]

120 Ler mais

A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA O USO DAS TICs NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE JUIZ DE FORA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA O USO DAS TICs NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE JUIZ DE FORA – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

É importante destacar também que, a formação que se propõem deve ir além da capacitação dos professores para o uso dos LIs (ainda que essa etapa.. seja necessária), possibilitando ao pr[r]

98 Ler mais

O PROGRAMA DE BIBLIOTECAS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE: CAMINHOS PARA UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE LEITORES

O PROGRAMA DE BIBLIOTECAS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE: CAMINHOS PARA UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO DE LEITORES

Constata - se, portanto, que, tanto o PNBE, quanto o PNLL colocam o desenvolvimento da competência leitora e a formação de leitores em destaque, seja por meio do acesso a[r]

208 Ler mais

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FERRO NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA DE UM REJEITO DE MINÉRIO DE FERRO

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FERRO NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA DE UM REJEITO DE MINÉRIO DE FERRO

Verifica-se que pelas características de produção e transporte de rejeitos o método de aterro hidráulico é naturalmente atrativo e vantajoso para construir estruturas de retenção de rejeitos. As barragens de aterro hidráulico são obras de terra em que no processo de construção o material é transportado e distribuído por via úmida. Os aterros hidráulicos estão associados aos processos de transporte, separação de sólidos por via hidráulica e suas características estão totalmente vinculadas a estes processos. Os aterros hidráulicos foram utilizados originalmente na construção de diques, recuperação de áreas e barragens de acumulação de água e embora utilizando técnicas de hidromecanização rudimentares estes tipos de construção obtiveram grande sucesso. Considerando a aplicabilidade dos aterros hidráulicos na disposição de rejeitos muitos estudos têm sido propostos visando aumentar a viabilidade e confiança na utilização deste método (MORGENSTERN & KUPPER, 1988; KUPPER, 1991; ESPÓSITO, 2000; LOPES, 2000; RIBEIRO, 2000; HERNANDEZ 2002).
Mostrar mais

173 Ler mais

O FLUXO DE PROCESSOS NA COORDENAÇÃO DE CONTRATOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: UM ESTUDO SOBRE OS MAIORES DESAFIOS PARA A OTIMIZAÇÃO DOS TRABALHOS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O FLUXO DE PROCESSOS NA COORDENAÇÃO DE CONTRATOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: UM ESTUDO SOBRE OS MAIORES DESAFIOS PARA A OTIMIZAÇÃO DOS TRABALHOS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

(...) a Lei 8.666/93 não define que a responsabilidade pela pesquisa de preço e a consequente elaboração do orçamento incumbem ao responsável pela homologação do procedimento licitatório, à CPL ou ao pregoeiro. Aliás, de outro modo não poderia ser pois é inegável que não teriam condições de realizar esses trabalhos para grande parte dos objetos licitados. Cito a título de exemplo dessas dificuldades, e porque não dizer impossibilidades, a elaboração de projetos ou termos de referência e dos respectivos orçamentos para objetos, no mais das vezes, completamente díspares, tais como aquisição de soluções de TI, prestações de serviços de limpeza e vigilância, execução de obras complexas, bens permanentes e materiais de consumo dos mais diversos tipos.
Mostrar mais

155 Ler mais

EDILVANA MARA DA SILVA LOPES A GESTÃO DE PROCESSOS DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: Estudo sobre as demandas de visitas técnicas e trabalhos de Campo na Universidade Federal de Juiz de Fora

EDILVANA MARA DA SILVA LOPES A GESTÃO DE PROCESSOS DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: Estudo sobre as demandas de visitas técnicas e trabalhos de Campo na Universidade Federal de Juiz de Fora

A presente dissertação é desenvolvida no âmbito do Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação (PPGP) do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da [r]

142 Ler mais

ALBA VALÉRIA BAENSI DA SILVA O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DOS CONSELHOS ESCOLARES NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE MAGÉRJ: CAMINHOS PARA A

ALBA VALÉRIA BAENSI DA SILVA O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DOS CONSELHOS ESCOLARES NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE MAGÉRJ: CAMINHOS PARA A

Desse modo, o Plano de Ação construído procurou focar na atuação da equipe diretiva das UEs – especificamente no gestor escolar e no supervisor educacional – vi[r]

115 Ler mais

A IMPLANTAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2014 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A IMPLANTAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2014 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

O capítulo I apresenta a política implantada pelo Choque de Gestão em Minas Gerais para a gestão do desempenho na Administração Pública estadual, descreve os tipos de pro[r]

194 Ler mais

ANA PAULA DELGADO DA COSTA O REUNI NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: UMA ANÁLISE DOS BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

ANA PAULA DELGADO DA COSTA O REUNI NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA: UMA ANÁLISE DOS BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

O Programa REUNI foi instituído pelo governo federal em 2007 e possuía, como principal objetivo, reestruturar a educação superior no Brasil, dotando as universidad[r]

117 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados